A EXPERIÊNCIA DA GUERRA ESPIRITUAL Esboço do Planejamento do Curso   Meta          Que você conheça as estratégias do diab...
1. Tempo de saque.       Saquear o despojo era motivo para guerra (I Cr. 20:1-2). Naguerra espiritual, há despojos precios...
Quando Davi ouviu os disparates falados por Golias contra o Povo de Israel, ele declarou:         "E diziam os homens de I...
3. Uma força veloz"Como cavaleiros assim correm". (v.4)      Há pressa na execução da obra, pois o dia do Senhor está próx...
3. Uma força veloz"Como cavaleiros assim correm". (v.4)      Há pressa na execução da obra, pois o dia do Senhor está próx...
Há posições e tarefas delegadas pelo Senhor dos Exércitos a cada guerreiro Seu. A ordem ea disciplina, no guardar das posi...
características revelam o segredo do sucesso. Vamos transportá-Ios para o reino do espírito eencarná-Ias em nossas vidas n...
( I Cr. 12:2)"Tinham por arma o arco, e usavam tanto da mão direita como da esquerda em arremeter pedrascom fundas, e em a...
U ma das maiores tragédias na história do Israel moderno foi a guerra do Vom Kipur em 1973.O exército não estava de pronti...
A vitória exige uma estratégia sábia. É preciso conhecer o inimigo, saber a hora certa e omodo de ataque. O bom combate de...
O exército de Davi era composto por soldados que "não eram de coração dobre". Possuíam amesma determinação e objetivo. Tin...
2 - Seirim - (Lv.17:7; 2Cr.11 :15; 2Rs.22:8)3 - EliJim - (SI.96:5) - Essa passagem identifica os demônios com ídolos.4 - G...
2 - Moralmente pervertidos       a) Em suas pessoas. São pervertidos e operam em trevas morais (Ef.6: 12) são chamados"esp...
As atividades demoníacas podem ser diversas, mas estão sempre direcionadas no sentido depromover a injustiça e a destruiçã...
6 - Oprimem a humanidadeOs demônios agem nos homens nas mais diversas formas deengano, degradação e destruição. Oprimem ve...
Nem toda luta necessariamente é provocada por demônios. Muito vem da natureza humana    corrompida (Rm.7:21-24: Tg.1:1415)...
"finalmente, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos da armadura deDeus, para poderdes resistir às i...
"Kosmokrator". "Os senhores do mundo" - Vem de "Kosmos", isto é, "mundo" e "Krator", isto é,governados". Fala do "sistema ...
Os demais traduzem: Mt.11 :18 "... e dizem: tem demônio"; Lc.4:33 "...Um homem que tinha oespírito de um demônio imundo"; ...
" Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o I        nome que está acima de todo o nome para que ao nome de ...
6 - Submeter;se a Cristo é Sua Palavra.(Rm.12:1-2; Tg.4:6-7; Jo.8:31,32).      Um estudo sério da Bíblia deve logo tomar l...
sofismas, e toda a altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, levando cativo todo opensamento à obediência de C...
O capacete protege a cabeça. A Palavra salvação aqui, no grego "Soteria", que significa bemestar físico e mental. Diante d...
A Palavra de Deus uma espada de dois gumes, tanto ofensiva quando defensiva. Com, elaatacamos o inimigo em cheio. Para usá...
Armadura: Empunhar a espada do Espírito que é a Palavra (rhema) de Deus.Afirmação: Jesus, tu és a minha palavra viva.Prome...
7. Unidade força (Jo.17).8. Tenha estratégias corretas (Gn.14).9. Disciplina. Isso exige total submissão e obediência a ca...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A experiência da_guerra_espiritual

4.751 visualizações

Publicada em

3 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.751
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
171
Comentários
3
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A experiência da_guerra_espiritual

  1. 1. A EXPERIÊNCIA DA GUERRA ESPIRITUAL Esboço do Planejamento do Curso Meta Que você conheça as estratégias do diabo e seu reino, não ignorando as suas intenções malignas. Outros Objetivos . Que você experimente completa liberdade dos grilhões diabo, sobre sua família; . . Que você entenda os princípios que governam o reino das trevas; . Que você usufrua da vida abundante que Deus tem lhe dado em Cristo Jesus. Sugestões Bibliogrâficas 1. BATALHA ESPIRITUAL para todo Cristão - Dean Sherman e Bm Payne 2. O ADVERSÁRIO - Mark Bubeck 3. AS ARMAS DA SUA GUERRA - Larry Lea Recomendações Muito Importantes Peça a Deus que revele qualquer envolvimento com o reino das trevas que possa existir na sua vida. Jesus disse: "ai vem o príncipe deste mundo, e ele nada tem em Mim.", como Jesus não devemos possuir nada que dê oportunidade ao diabo de agir em nossa vida. A guerra é real e não devemos ignorar as formas de atuação dos espíritos malignos no sistema mundano e sobre as pessoas. A ordem da Palavra, dirigi da à Igreja, é : "não deis lugar ao diabo" ( Ef 4:27). Você não dará lugar ao diabo, se conhecer como o exército das trevas opera e utilizar as armas dadas por Deus para destruir as fortalezas malignas. Pedra também nos diz "Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar." (1PE 5:8), note que o intuito do diabo é "tragar, o sentido desta. palavra é "sufocar vorA", é "acabar com você", portanto, não deixe que o diabo sufoque sua vida, impedindo-o de colher o melhor da vida. Avaliação . Vista-se corretamente com a armadura de Deus, não religiosamente, mas com fé e realidade;. Compartilhe com seu líder se, na sua vida, ocorreram envolvimentos com o reino das trevas e se há pontos de contato" (objetos, amuletos, imagens, livros, etc) que ainda estão com você. A EXPERIÊNCIA DA GUERRA ESPIRITUAL "O Senhor levanta a Sua voz diante do seu exército, por que muito grande é o seu arraial; poderoso quem executa a Sua ordem; pois o dia do Senhor é grande e mui terrível, e quem o poderá suportar ?" (Jo.2:11). O dia do Senhor está perto. Seu exército foi convocado como uma poderosa força invasora para devastar as força inimigas. o Porquê da guerra 1
  2. 2. 1. Tempo de saque. Saquear o despojo era motivo para guerra (I Cr. 20:1-2). Naguerra espiritual, há despojos preciosos a serem tomados: Vidas criadas à imagem de Deus. Jesusfala do saque em Mateus 12:29: "Ou, como pode alguém entrar em casa do homem valente, e furtar os seus bens, seprimeiro não maniatar o valente, saqueando então a sua casa?" Satanás tem trazido vidas sob prisão em seu reino. Para Jesus cada vida arrebatada dasmãos inimigas é uma pedra para sua coroa. O exército do Senhor precisa entrar na casa do valente,amarrá-Io e saquear o seu reino, trazendo as preciosidades para o Rei Jesus.2. É tempo de vingança Muitas guerras são travadas por causa de disputas antigas. Um exército se fortalece paravingar-se de feridas passadas. O exército de Deus tem uma disputa contra Satanás. Ele entrou noÉden, quando o homem era inocente ,e, pelo engano o levou a queda. Ele armou uma emboscada eaprisionou o homem. Hoje todo pecado, doença, dor, aflição, desespero, vergonha, sofrimento,prisão e morte é resultado dessa emboscada. Deus decretou guerra entre a Semente da mulher eSatanás. Jamais nos esqueceremos o . que Satanás fez no Éden. Há um débito a ser pago. Nãodescansaremos até nos vingarmos de Satanás e suas hostes pelo dano que nos causaram.-- O caso de Amaleque bem retrata esse tipo de vingança. Ele lutou contra Israel no deserto,ferindo os mais fracos, Deus, então, ordenou que Moisés escrevesse um memorial para queninguém esquecesse do que lhe fizera (Ex.17:8, 14).Gerações mais tarde, Saul é escolhido para vingar o feito (I Sm.15:2-3). Ele deveria ser totalmentedestruído. . Por que Deus ordenou tal vingança? Deut.25:17-19 responde. Ele agiu com sujeira. Nãopodemos poupá-Io. Amaleque é um tipo de Satanás. Não ficaremos satisfeitos sem que ele sejatotalmente destruído. Saul falhou na vingança. O Senhor teve que pO-lo de lado. Nós Igreja, porém, não podemosfalhar.3. É tempo de conquistar território. Alargar as fronteiras tem sido uma boa razão para guerras. O exército do Senhor tem quereconquistar todo o território invadido pelo inimigo. O limite do nosso território é o mundo inteiro. "Proclamarei o decreto: o SENHOR me disse: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei. Pede-me, eeu te darei As nações por herança, e os fins da terra por tua possessão." (SL 2:7,8). O inimigo será subjugado, pela força invasora do exército que Deus levanta. Não deporemos as armas até que todas as nações da terra serendam ao Senhor Jesus (At.1 :8).4. Tempo de conquistar glória e honra a Jesus.2
  3. 3. Quando Davi ouviu os disparates falados por Golias contra o Povo de Israel, ele declarou: "E diziam os homens de Israel: Vistes aquele homem que subiu? Pois subiu para afrontar aIsrael; há de ser, pois, que, o homem que o ferir, o rei o enriquecerá de grandes riquezas, e lhe daráa sua filha, e fará livre a casa de seu pai em Israel. Então falou Davi aos homens que estavam comele, dizendo: Que farão àquele homem, que ferir a este filisteu, e tirar a afronta de sobre Israel?Quem é, pois, este incircunciso filisteu, para afrontar o ércitos do Deus vivo?" (1 SM 17:25,26). Davi entendeu que destruir Golias seria remover a afronta aos exércitos do Deus vivo. Ahonra e a glória de Deus estavam em jogo. Ele tinha que mostrar a todos aqueles pagãos quem erao Deus de Israel. Este Nome merecia honra e glória. Assim o exército de Deus removerá a afrontade Satanás, envergonhando-o e trazendo a honra e a glória a quem ela pertence o Senhor dosexércitos, Jeová Nissi, nossa Bandeira. O domínio, o poder, a majestade e a glória pertencem aJesus. Nós, séu exército, venceremos Golias e nisto o grande nome do Senhor será honrado eglorificado.As características do exército O capítulo 2 de Joel fala de um exército que precederá o grande derramamento do Espírito.Ele virá num tempo de crise e destruição inimiga e clamor por livramento, quando a voz do Senhorsoar: "Tocai a trombeta em Sião e dai voz de rebate no Santo monte; perturbem-se os moradoresda terra, porque o dia do Senhor vem, já está próximo." (Joel 2:1).É a convocação do Senhor dos Exércitos.Trazendo o paralelo para o reino do espírito, vemos o exército de Deus organizado invadindo asfortalezas inimigas, sob a voz do senhor (v.11). Em Joel, encontramos as principais características dessa poderosa força invasora:1. Um povo numeroso "Como a alva por sobre os montes, assim se difunde um povo grande e poderoso, qual desdeo tempo antigo nunca t)ouve" .(v.2) "O Senhor levanta a Sua voz diante do Seu exército; porquemuitíssimo grande é o Seu arraia!..." (v.11). Há um mover de Deus na terra e Seu povo começa a responder sua convocação. Do meio dopovo se levanta um povo de caracteristicas distintas, que assume a identidade de guerreiro. Umverdadeiro exército se levanta e suas fileiras são engrossadas cada dia.2. Uma força devastadora "À frente dele vai fogo devorador, atrás, chama que abrasa;diante dele a terra como Jardim do Éden, mas atrás dele um deserto assolado. Nada lhe escapa".(v.3) Pelo poder e chama do Espírito o exército deixa atrás de si as fortalezas inimigasdestronadas. Fortalezas nas quais os homens foram escravizados.3
  4. 4. 3. Uma força veloz"Como cavaleiros assim correm". (v.4) Há pressa na execução da obra, pois o dia do Senhor está próximo. As vidas têm que serarrebatadas das trevas antes daquele dia. Há que correr com determinação. A ordem é avançardepressa.4. Uma força de combate"Um povo poderoso posto em ordem de batalha" (v.5b) Uma força agressiva. A Igreja tem sesustentado por muito tempo numa atitude passiva, quando muito, defensiva. Agora, porém, échegada a hora da batalha, do ataque decisivo.5. Um povo temido "Diante dele treme a terra e os céus se abalam; o sol e a lua se escurecem, e as estrelasretiram o seu resplendor" (JoeI2:10). Diante do exército de Deus os demônios estremecem. Eles se apavoram diante do povo quesabe quem se levanta para cumprir sua vocação de filhos de Deus na terra: "destruir as obras dodiabo" (I Jo.3:8; Jo.10:17, 18).É a convocação do Senhor dos Exércitos.Trazendo o paralelo para o reino do espírito, vemos o exército de Deus organizado invadindo asfortalezas inimigas, sob a voz do senhor (v.11 ). Em Joel, encontramos as principais características dessa poderosa força invasora:1. Um povo numeroso "Como a alva por sobre os montes, assim se difunde um povo grande e poderoso, qual desdeo tempo antigo nunca houve" .(v.2) "O Senhor levanta a Sua voz diante do Seu exército; porquemuitíssimo grande é o Seu arraiaL." (v.11). Há um mover de Deus na terra e Seu povo começa a responder sua convocação. Do meio dopovo se levanta um povo de características distintas, que assume a identidade de guerreiro. Umverdadeiro exército se levanta e suas fileiras são engrossadas cada dia.2. Uma força devastadora "À frente dele vai fogo devorador, atrás, chama que abrasa;diante dele a terra como Jardim do Éden, mas atrás dele um deserto assolado. Nada lhe escapa".(v.3) Pelo poder e chama do Espírito o exército deixa atrás de si as fortalezas inimigasdestronadas. Fortalezas nas quais os homens foram escravizados.4
  5. 5. 3. Uma força veloz"Como cavaleiros assim correm". (v.4) Há pressa na execução da obra, pois o dia do Senhor está próximo. As vidas têm que serarrebatadas das trevas antes daquele dia. Há que correr com determinação. A ordem é avançardepressa.4. Uma força de combate"Um povo poderoso posto em ordem de batalha" (v.5b) Uma força agressiva. A Igreja tem sesustentado por muito tempo numa atitude passiva, quando muito, defensiva. Agora, porém, échegada a hora da batalha, do ataque decisivo.S. Um povo temido "Diante dele treme a terra e os céus se abalam; o sol e a lua se escurecem, e as estrelasretiram o seu resplendor" (JoeI2:10). Diante do exército de Deus os demônios estremecem. Eles se apavoram diante do povo quesabe quem se levanta para cumprir sua vocação de filhos de Deus na terra: "destruir as obras dodiabo" (I Jo.3:8; Jo.10:17,18).6. Uma força corajosa"Correm como valentes"(v.7a)."... os justos são ousados como um leão." (PV 28:1) A ousadia do Espírito de Deus é característica do exército ungido e equipado. Nada há atemer porque "maior é o que está em nós (I Jo.4:4). A certeza da vitória e o conhecimento de quem nos convoca e dirige na batalhaé que determina o grau da coragem. 7. Uma força invasora- "Correm como valentes, como homens de guerra sobem muros" (v.7a) "Assaltam a cidade,correm pelos muros, sobem casas; pelas janelas entram como ladrão" (v9). Satanás tem instalado seus príncipes, governadores e forças, nas nações, cidades epovoados. O exército de Deus não respeitará muros, e invadirá cada povoado, vila, cidade, estado,nação e continente. É tempo de tomar os reinos para Jesus.8. Uma força ordenada "Cada um vai no seu caminho, e não se desvia da sua fileira. Não empurram uns aos outros;cada um segue o seu rumo". (v.7b e 8a)5
  6. 6. Há posições e tarefas delegadas pelo Senhor dos Exércitos a cada guerreiro Seu. A ordem ea disciplina, no guardar das posições e tarefas delegadas, são imprescindíveis. Cada um atendo noseu papel, dentro do Exército, permite o cumprimento cabal da missão que é confiada como umtodo.9. Uma força imbativel "Arremetem contra as lanças, e não se detém no seu caminho"(v.8b). Não há recuo diante de contra-ataque. Eles virão por certo, mas o exército de Deus não sedeixa esmorecer, nem pára no caminho. Há muita terra a possuir. "Levantai-vos, e ide-vos, pois este não é lugar de descanso por causa da imundície que trazdestruição, sim, destruição enorme" (Mq.2: 10).10. Uma força imprevisível"Pelas janelas entram como ladrão" (v.9).Não há ataque mais bem sucedido do que aquele no qual o inimigo é urpreendido. A Igreja temcontra-atacado. Hoje é tempo de planejar invasões-surpresa e desfechar o golpe antes do inimigopensar em reagir.11. Um povo poderoso "Grande e poderoso (v.20) "Como um povo poderoso posto em ordem de combate"{v.5)."Poderoso quem executa as Suas ordens" (do Senhor) (v.11). A força desse exército está em Deus. Ele é gerado, comissionado, equipado e comandado porDeus mesmo. O poder explosivo nele está; as armas devastadoras "são poderosas emDeus para demolir fortalezas" {2 Co. 1 0:4); são espirituais eprocedem do Senhor dos Exércitos. A autoridade desse povo estáno Nome de Jesus.AS MARCAS DO GUERREIRO Durante os 40 anos de reinado de Davi ele conseguiu subjugar reinos, juntar grandesdespojos, expandir suas fronteiras, desde o Eufrates até o Nilo, e vingar os inimigos. Qual o segredodo seu sucesso? Davi levantou e treinou um exército regular. Saul tinhasoldados que lutavam ocasionalmente, em vindo uma necessidade maior. Davi tinha profissionais deguerra, forças regularesadestradas para o combate. Não combatiam apenas quando eram atacadas, mas se constituíamuma força invasora, subjugando reis e reinos. Hoje vivemos espiritualmente nos dias de Davi.Satanás e suas hostes têm que ser subjugados e reconhecer a autoridade prevalecente na terra.Essa autoridade é a de Jesus Cristo, através da Sua Igreja, que é o corpo de Cristo. Hoje é tempodela se levantar e erradicar as hostes do inferno. Em I Crônicas, nos capítulos 11 e 12, encontramosa lista dos valentes de Davi e dos homens de guerra que formavam seu exército regular. Suas6
  7. 7. características revelam o segredo do sucesso. Vamos transportá-Ios para o reino do espírito eencarná-Ias em nossas vidas neste combate espiritual dos tempos do fim. "Estes ajudaram a Davi contra aquela tropa, porque todos eles eram homens valentes, ecapitães no exército. Porque naqueletempo, dia após dia vinham a Davi para o ajudar, até que se fez um grande exército, como exércitode Deus". (I Cr. 12:21,22) "Deu Joabe a Davi o recenseamento do povo. Havia em Israel um milhão e cem mil homens, quepuxavam da espada; e em Judá eram quatrocentos e setenta mil homens, que puxavam da espada(I Cr. 21:5).1. Lealdade ao comandante em chefe(I Cr. 11:10; 12:18)"São estes os principais valentes de Davi que os apoiaram valorosamente no seu reino, com todo oIsrael, para o fazer rei, segundo a palavra do Senhor, no tocante a esse povo". "Então entrou o espírito em Amasai, cabeça de trinta, e disse: Nós somos teus, àh Davi, econtigo estamos, "filhos de Jessé. Paz, paz seja contigo! E paz com os que te ajudam! Porque o teuDeus te ajuda. Davi os recebeu, e os fez capitães de tropas". (12:18) Jesus é o rei. Devemos estar às suas ordens, imbuídos da mais profunda lealdade. Unir-se aEle é necessariamente colocar-se contra as forças do mal e das trevas; e colocar-se em lugar deguerra constante; virá o furor da batalha e a tentação de desistir. Um forte espírito de lealdade, porcausa de quem Ele é, nos fortalecerá no rigor do combate.2. Espírito de sacrifício(I Cr. 11:18)Todos os guerreiros conhecem a importância do sacrifício. Quem teme o sacrifício não é apto para aguerra. Há riscos no combate. Seus frutos, porém, compensam. Jesus se expôs à própria morte.lsaías declara: "Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma, e ficará satisfeito. O meu servo, o justo, como seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si" (ls.53:11). Os pioneiros do evangelho manifestaram o mesmo espírito. De Paulo a Barnabé, a Igreja emJerusalém testifica: "homens que têm exposto as suas vidas pelo nome de nosso Senhor JesusCristo" (Mt. 15:26). Guerra é coisa séria e cheia de perigos. Não devemos temer os inimigos, mas está claro queguerra não é um divertimento. Conta-se uma história de Mussolini, na segunda guerra mundial, desafiando jovens aingressarem no exército. Um certo jovem perguntou: "Senhor, qual a nossa recompensa poralistarmonos? Mussolini respondeu: "Você receberá feridas, sofrimento e dor. Alguns de vocêsficarão mutilados e outros morrerão, mas por causa de vocês a Itália viverá" Aquele jovem se alistou. Temos maior razão para aceitar o desafio. Milhões serão arrebatados do inferno e a paz semfim virá sobre a terra no reinado de Jesus, nosso Senhor, e a glória de Deus encherá as nações.3. Equilíbrio7
  8. 8. ( I Cr. 12:2)"Tinham por arma o arco, e usavam tanto da mão direita como da esquerda em arremeter pedrascom fundas, e em atirar flechas com o arco. Eram dois irmãos de Saul, da tribo de Benjamim": Eles usavam o arco com as duas mãos. Eram equilibrados. Hoje muitos são fortes na mãodireita, mas fracos na esquerda. A Igreja precisa de equilíbrio. As verdades e atividades devem terequilíbrio. Há uma tendência de enfatizar-se demais um aspecto da verdade e negligenciar outro. Édaí que vem a fraqueza, o engano e as heresias. A Igreja deve ser equilibrada na apresentação detodo o conselho de Deus.4. TreinamentoOs homens de Davi eram bem treinados. Passaram por treinamento tanto teórico quanto prático.". .. atiravam pedras com fundas e disparavam flechas com arcos" (v.2)."... Sabiam manejar escudo e lança" (v.8).". .. Ordenados para a peleja com todas as armas de guerra..."(v.33). Jesus passou três anos e meio treinando seus discípulos. Hoje, mais do que nunca, anecessidade do treinamento se f presente. Só guerreiros treinados serão bem sucedidos emcombate.5. AdestramentoDos gaditas se diz:" Homens valentes adestrados para a queria (v.8) os danitas eram "destros para ordenarem abatalha"(v.35). Os de Aser eram "capazes para sair à guerra e prontos para a batalha" (v.36). "Todos estes; homens de guerra, que sabiam ordenar a batalha" (v.38). O adestramento era conseqüência de um treinamento continuado. Para se manter a forma, oexército regular é necessário. O exército de Deus precisa manter-se em forma, adestrado para ocombate em todo o tempo.6. LigeirezaOs gaditas eram velozes."... seus rostos eram como rostos de leão, e eles eram tão ligeiros como gazelas sobre os montes(v.8b). A vitória na batalha depende muitas vezes da velocidade dos soldados. No livro liA Arte daGuerra", o grande estrategista militar chinês, Suntzu, citou Tuyu"... Um ataque pode ser falto emdestreza, mas deve ser infligido com velocidade sobrenatural. "E o que se dizer da guerraespiritual?". A Igreja tem pecado pela procrastinação. FreqÜentemente se espera muito tempo parase tomar decisões, e questões urgentes são proteladas com sérios danos. Muitas vidas perecemenquanto esperamos para agir. Os brasileiros estão maduros para a colheita. Quem chegará primeiro? As forças do ocultismoque assolam o país ou a Igreja de Jesus Cristo? Devemos ser prontos em obedecer e rápidos aatacar.7. Prontidão8
  9. 9. U ma das maiores tragédias na história do Israel moderno foi a guerra do Vom Kipur em 1973.O exército não estava de prontidão. A nação inteira estava parada e as tropas inimigas atacaram desurpresa. Antes que o exército israelense se pusesse em posição de combate, muitas vidas foramceifadas. É importante a prontidão o tempo todo. Os homens de Davi estavam prontos para a peleja.Assim deve estar o exército de Deus: sempre de prontidão, armados para a guerra. "Ora, este é o número dos homens armados para a peleja, que vieram a Davi em Hebrom,para lhe transferirem o reino de Saul, segundo a palavra do Senhor: Dos filhos de Judá, que traziamescudo e lança, seis mil e oitocentos, armados para a peleja".8. Coragem Os gaditas eram "homens valentes. Seus rostos eram como rostos de leão" (v.8). Os filhos deSimão eram homens valentes para pelejar".Sem coragem e ousadia não se faz guerra.A recomendação do Senhor pode ser vista em Deut.20:2-4: "Quando vos chegardes à peleja, osacerdote se adiantará, e falará ao povo, e dir-Ihe-à: ouvi, "ó Israel, hoje vos achegais à pelejacontra os vossos inimigos: que não desfaleça o vosso coração não tenhais medo, não tremais, nemvos aterrorizeis diante deles, pois o Senhor vosso Deus é quem vai convosco a pelejar por vóscontra os vossos inimigos, para vos salvar". A exortação à coragem repetida a Josué, em Josué:6,7,9 por três vezes: "sê forte ecorajoso; sê forte e mui corajoso; não pasmes nem te espantes, sê forte e corajoso".Um dos propósitos do batismo no Espírito Santo é revestir-nos de coragem. "Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do EspíritoSanto, e ,com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus" (At.4:31). . O medo é um terrível laço. Não pode jamais ser admitido. Temos autoridade (lc.10:19) e nãohá o que temer. A ousadia do Senhor faz parte do Seu exército.9. Boa reputação As virtudes de caráter devem estar presentes em um exército vencedor. Dos filhos de Efraimse diz: "Homens valentes e de renome na casa de seus pais" (v. 30). É uma desgraça quando manchamos o bom nome de Cristo com nossas atitudes. Cada soldado doexército deve ser conhecido pela sua boa reputação. Paulo, falando das qualidades de alguém, no ministério, declara: "É necessário que ele tenha bom testemunho dos de fora, a fim de não cair no opróbrio e no laçodo diabo" (I Tm 3:7). Zelar pelo nosso bom nome é zelar pelo nome de Cristo, pois Cristo será visto pelos homensatravés das nossas atitudes.10.SabedoriaOs filhos de Issacar eram:" Entendidos na ciência dos tempos para saberem o que Israel devia fazer..." (I Cr. 12:32).9
  10. 10. A vitória exige uma estratégia sábia. É preciso conhecer o inimigo, saber a hora certa e omodo de ataque. O bom combate depende de um posicionamento correto, uma boa distribuição dastropas e equipamentos de guerra. Há muitos fatores a levar em consideração e um bom comandantesaberá ordenar suas tropas e conservará seu moral elevado. Ele é firme e decidido e sabe comotomar decisões em novas circunstâncias e resolver os problemas que se levantam. No exército de Deus, precisamos de Hderes sábios. Quem está em liderança não pode serimaturo, impulsivo e facilmente enganado. Precisamos de Hderes como os filhos de Issacar, queconhecem os tempos e sabem discemir o que a Igreja deve fazer. Os recursos da sabedoria divina erevelações do Espírito estão à nossa disposição.11. Disciplina A disciplina implica no fato de que cada um sabe qual a sua posição no exército e se submetea liderança reconhecida. O maior tempo de fraqueza em Israel foi durante o período dos Juizes,quando cada um fazia o que achava que deveria fazer. A necessidade hoje de ordem, disciplina esubmissão é grande. Insubordinação e rebeldia num exército levam a julgamento. Um entendimentoda autoridade e submissão a ela é absolutamente essencial ao sucesso do exército. Os filhos deIssacar não somente possuíam entendimento, mas todos os seus irmãos estavam sob seucomando. "Dos filhos de Issacar, conhecedores da época, para saberem o que Israel devia fazer,duzentos chefes, e todos os seus filhos sob suas ordens", (I Cr.12:32)12. Qualificação, excelência Os homens de Davi eram especialistas em guerra. Soldadosprofissionais, capazes, qualificaçtos. " De Zebulom, dos capazes para sair à guerra, providos com todas as armas de guerra,cinqüenta mil, destros para ordenar uma batalha com ânimo resoluto" (I Cr. 12:33). "De Aser, dos capazes para sair guerra e prontos para a batalha, quarenta mil". A versãoIlKing, James" diz: "EXPERTIN WAR" (peritos, especialista, experimentados). A versão Amplificadadiz: "tropas experientes". Hoje o exército de Deus deve crescer na excelência, especializando-se embatalha espiritual. O inimigo é altamente sofisticado e experiente. O Exército de Deus precisaadquirir um estado de excelência, buscando a qualificação de seus soldados. A necessidade não éapenas de um exército numeroso, mas também qualificado. Excelência em tudo deve ser nossameta. Paulo recomenda o estudo duro para que a aprovação não venha dar lugar à vergonha. "Estuda e sê ávido e faze o melhor para apresentar-te a Deus aprovado (testado pela prova),um trabalhador que não tem de que se envergonhar, analisando corretamente e acuradamentedividindo (manejando de modo correto e ensinando com habilidade) a Palavra da verdade" (ITm.2:15 - V. A).13. Singularidade de propósito Sem unidade é impossível alcançar vitória. Todos devem ter uma mesma visão, um mesmopropósito, um mesmo comando e um mesmo inimigo. A singularidade de propósito e visão éessencial.10
  11. 11. O exército de Davi era composto por soldados que "não eram de coração dobre". Possuíam amesma determinação e objetivo. Tinham um só coração para constituir Davi rei sobre Israel. "Providos com todas as armas de guerra, cinqüenta mil destros para ordenar uma batalhacom ânimo resoluto" (I Cr.12:33b). " Vieram a Hebrom, resolvidos a fazer Davi rei sobre todo o Israel; também todo o resto deIsrael era unânime no propósito de fazer a Davi rei" (Cr.12:38b). O mesmo texto diz que "Todo o resto de Israel estava de um só coração" Outra versão diz:"era unânime no propósito de fazer a Davi rei" (v.38b). O coração de todos estava devotado a Davi,como o de um só homem. Estavam em Hebrom para passar o reino de Saul para Davi. O exército de Jesus Cristo deve igualmente estar devotado a Ele com uma singularidade depropósito, para entregar-lhe os reinos deste mundo pela proclamação do Evangelho. A terra deve ser subjugada a Jesus Cristo. Essa obra será feita pela sua Igreja. Se todosestiverem unidos em volta de Jesus, nosso alvo de transferir o reino de Satanás para Ele será logoalcançado.14. Material bélico Para que haja guerra, soldados não bastam. Há que equipá-Ias com material bélico à altura dodesafio. Os filhos de Judá estavam equipados; "Dos filhos de Judá, que traziam escudo e lança seis mil e oitocentos, armados para a peleja"(v.23). De Manassés é dito: "com toda sorte de instrumentos de guerra para pelejar..."(v.37b). "Armados para a peleja" a condição que hoje nos é imposta. Somos o Judá de Deus. Jesus éo leão da Tribo de Judá e somos uma nova criação nEle. Ele nos deu todas as armas necessáriaspara o combate. Cumpre-nos armarmo-nos com todas elas e a vitória será de Cristo Jesus, e nósvenceremos com Ele e com Ele reinaremos.A existência de demônios A existência de demônios amplamente é confirmada na Bíblia. Faz parte da experiência detodos os povos e é uma inegável realidade. Quando Satanás caiu, levou consigo partes das hostes angelicais, e hoje ele possui umverdadeiro exército organizado, com os mais diversos escalões. Grande parte do ministério de Jesus foi devotada a expulsão de demônios (Mt.12:22,29;15;22-28; Mc.5:1-16). Ele deu autoridade aos discípulos para fazerem a mesma coisa (Mt. 1 O: 1)e .viu a vitória deles sobre Satanás (Lc. 10:17-18). Ele falou em privado com Seus discípulos sobre opoder e a realidade de demônios (Mt.17:14-20). Está claro que sua existência é um fato e precisamos saber como lidar com eles.Nomes de demónios na BibliaNo Velho Testamento Há cinco palavras no hebraico que são traduzidas no grego para demônio (daimônion). 1 - Shedhim - (Dt.32:17; SI. 106:37) - Palavra plural, dia de governadores ou senhores. Falade ídolos como senhores, uma vez que os hebreus consideravam as imagens como símbolosvisíveis de demônios invisíveis.11
  12. 12. 2 - Seirim - (Lv.17:7; 2Cr.11 :15; 2Rs.22:8)3 - EliJim - (SI.96:5) - Essa passagem identifica os demônios com ídolos.4 - Gad - (ls.65.11). A deusa fortuna era um demônio adorado na Babilônia. Essa idolatria erachamada o culto a Baal ou bal.5 - Qeter (S1.91 :6) A "mortandade" (qeter) que assola ao meio dia era tida como um mau espírito.No Novo Testamento 1 - Daimon - (Mt.8:31), desta palavra é derivado o nome em português "demônio". No NovoTestamento, todos os demônios são maus e trabalham como agentes de Satanás. 2 - Daimônion - aparece sessenta e três vêzes, sendo traduzido para demônio. 3 - Pneumata - 43 vêzes os demônios são identificados como "pneuma" ou "pneumata"(espírito). O contexto mostra que esses espíritos são demônios.4 - Anjos (Mt.25:41; Mt.12:24)Demônios são súditos de Satanás e ajudadores em seu programa de oposição a Deus e ao seupovo. Expulsos do céu ,com Satanás, têm sua morada no segundo céu. Sua guerra se desenvolvecontra anjos eleitos, nas regiões celestes.A origem dos demônios Todos os anjos foram criados perfeitos, como o foi Lúcifer (Jo.38:7; Ez.28: 15). Na rebeliãooriginal de Satanás, ele arrastou um grande número de anjos consigo (Ez.28:18; Ap.12:4). É assimque lemos do "diabo e seus anjos" (Mt.25:41). Há duas classes de anjos que seguiam a Satanás: livres e presos. Quanto aos presos, há doislugares de confirmação: 1 - No "Tartarus" - Traduzido por "infemo" em 2 Pe.2:4. Parecem estar confinados até o dia dojulgamento final dos anjos, por algum pecado terrível e não pela rebelião com Satanás. . 2 - No abismo (Lc.8:31: Ap.9:1- 3;10). Alguns expulsos por Cristo foram mandados para lá(Mc.9:25).A descrição dos demôniosA personalidade dos demônios1 - Pronomes pessoais (Lc.8:27 -30).2 - Têm nome (Lc.8:30).3 - Falam (Lc.4:33-35,41 ;8:28,30)4 - Têm inteligência (Mc.1:23,24; Lc.4:34; 8.28; Atos 16:16-17). 5 - Têm emoção (Lc.8:28; Tg.2:19).6 - Têm vontade (Lc.8.32; Mc.1 :27; Lc.4:35,36).Características dos Demônios1 - Seres espirituais Demônios e anjos são chamados espíritos (Mt.8: 16; Lc.1 O: 17, 20; Ef.6: 12) não cessarão deexistir (Lc.20:36).12
  13. 13. 2 - Moralmente pervertidos a) Em suas pessoas. São pervertidos e operam em trevas morais (Ef.6: 12) são chamados"espíritos imundos" (Mt.1 o: 1; Mc.1 :23; Lc.11 :24) ou "espíritos malígnos" (Lc. 7:21), ou ainda"forças espirituais da maldade" (Ef.6:12). Alguns são piores que outros (Mt. 12:45). b) Em sua doutrina- Promovem um sistema de mentira (I Tm. 4:1-3). Operam em falsosmestres e seu caráter malígno se manifesta (2 Tm.3:6,8: 2Pe.2:2, 3, 10, 13, 18). Espíritos imundospromovem ensino e mestres imundos. c) Em sua conduta. Introduzem falsos discípulos e confusão (Mt.13:37-42); transformam-seem anjos de luz (2Co. 11:13-15)3 - Invisíveis, mas capazes de manifestação. Como os anjos se manifestam (Gn.19:15), também os demônios. Há referências de Satanásse manifestando (Gn.3:1; Zc.3:1; Mt.4:9-10). É possível, pois, que demônios também apareçamtomando forma humana. A Bíblia descreve suas aparições em forma pavorosa, como animais(Ap.9:7-10, 17; 16:1316).Poderes dos DemÔnios1 - Inteligência sobrenatural Conhecem a identidade de Cristo (Mc.1 :14,34) e o Seu grande poder (Mc.5:6-7). Sabem olugar de sua prisão e seu futuro julgamento (Mt.8:28-29; Lc.8:31). Mascaram-se como anjos de luz (2Co.11:13-15). Sabem como corromper a sua doutrina (ITm.4:1-3). Evidentemente têm conhecimento de coisas futuras ou ocultas (Atos 16: 16). A fonte de seu conhecimento está no fato de serem criaturas de natureza superior comvasta experiência milenar, r unindo informações. Usam toda sua inteligência contra Deus e seus propósitos. Mas seu conhecimento é limitado eseus planos são frustados por Deus.2 - Força sobrenaturala) Em controlar os homens (At.19:14-16; Mc.5:1-4; Mt.17:14 20).b) Em afligir os homens (Ap.9:1-19).c) Em operar obras sobrenaturais (2Ts.9; Ap.13:13,15). Eles buscam imitar os milagres de Deus,mas há limites, como no caso dos mágicos egípcios (Ex.8:5-7,19).3 - Presença sobrenatural Assim como os anjos se movem no espaço rapidamente também os demônios (Dn.9.21-23;10:10-14) Como há muitos demônios, a influência de Satanás pode se fazer sentir em muitos lugares aomesmo tempo.o trabalho dos demônios13
  14. 14. As atividades demoníacas podem ser diversas, mas estão sempre direcionadas no sentido depromover a injustiça e a destruição de tudo quanto é bom. .Promovem o programa de Satanás Os demônios obedecem a Satanás e servem a seus propósitos. Ele é seu deus (Mt.12:24);Jo.12:31; Ap. 12:7). Esses maus espíritos não cessam de promover o engano e a maldade satânica. Satanás não é onipotente, nem onipresente, nem onisciente. Sua presença, poder econhecimento são grande mente ampliados através dos seus demônios. Há cooperação demoníacaevidente através de várias Escrituras (Mt.12:26,45; Lc.8:30; I Tm.4: 1). Os demônios transmitem a filosofia de Satanás em várias escalas:1. Na vida de indivíduos O objetivo é levá-Ios a andarem de acordo com a filosofia deste mundo, do príncipe dapotestade do ar, (Ef.2:1-2). Promovem ainda desejos carnais e sensuais, orgulho, materialismo etoda sorte de impurezas na vida das pessoas (Jo.16: 11; I Jo.2: 16).2. Nos governos das nações Satanás e seus demônios trabalham atrás de governos, para influenciá-Ios em sua filosofia,programa e ações (Dn.1 O: 13,20). Oposição a divulgação do Evangelho em todas as formas tem aver com influências de demônios.3. No sistema mundial Num sistema espiritual mundial que estende a influência de Satanás aos homens, através dosdemônios. Para controlar o mundo, os demônios se organizam em combate, sob a liderança de seulíder (Mt.12:26; Jo.12:31; 14:30; 16:11; Ef.6:11-12; I Jo.5:19).Opõem-se ao programa de Deus1 - Promovendo rebelião (Gn.3, Ts.2:3-4; Ap.16: 14; 9:20-21)2 - Caluniando, acusando Eles acusam Deus diante dos homens (Gn.3:1-5; Rm.3:5-8; 6:15; 9:14,19; Tg.1 :13) e oshomens diante de Deus (Jo.1 :9,11; 2:45; Zc 3:1; Ap.12:10). Uma vez que os demônios são capazesde afetar os pensamentos, eles podem também causar autocondenação através de pensamentosincriminatórios, a resposta para qualquer acusação está em Jesus, nosso advogado (I Jo.2: 1-2; 1:9)3 - Promovendo idolatria(Lv.17:7; Dt.32:17: 51.96:4-5; Is.65:11; ICo.10:20; 12:2; Ap.13:4,15; 9:20).4 - Rejeitando a graçaEles aborrecem a graça. Incapazes de arrependimento e salvação, nada entendem da graça eprocuram impedir os homens de receberem-na. Eles torcem a graça de Deus com suas mentiras. (2Co.4:3-4;3:6-7). Todos os seus ensinos são anti-Cristo, negando que Jesus, homem-Deus, ogenuíno sacrifício substituto pelo pecado do homem (I Jo.2:22, 4:1-4).5 - Promovendo falsas religiões e seitas Nas suas mentiras Satanás e seus demônios tanto trabalham dentro, quanto fora daverdadeira religião. o Novo Testamento nos adverte também contra heresias que torcem a verdade enquantoconservam alguma coisa dela (2 Co.11:13, 15, 22-23; GI.1:6-8; CI.2:18-23; I Tm.4:1-4).14
  15. 15. 6 - Oprimem a humanidadeOs demônios agem nos homens nas mais diversas formas deengano, degradação e destruição. Oprimem verdadeiramente a humanrdade. --7 - Através das forças da natureza(Jo.1 :12,16, 19;2:7)8 - Degradando a natureza humana(Ef.2:1-3; Rm.1 :18-32).9 - Desviando da verdade Os demônios cegam os homens para a verdade (2 Co.4:3-4; ITm.4:1-4; I Jo.4:1-4).1 O - Desestabilizando o corpoOs demônios podem causar muitos tipos de problemas físicos.a) Nudez (Mt.9:32, 33;12:22; Mc.9:17-29);b) Cegueira (Mt. 12:22);c) Deformidade (Lc.13:11-17);d) Epilepsia (Mt.17:15-18; Mc.9:20; Lc.9:39). A Bíblia não atribui todas as enfermidades a demônios, mas distingue claramente doençasnaturais de demônios (Mt.4:24; Mc.1:32,34: Lc.7:21; 9:1).11- Perturbando a menteCertas desordens mentais têm origem em operações de demônios. Outras são de caráter físico.Entre as demoníacas temos (1) -Insanidade (Lc.8:27-29). (2) Tendência ao suicídio (Mc.9:22).12 - Destruindo a vida. (Ap.18:2,24; 9: 14-19)13 - Dominando indivíduos Os agentes de Satanás controlam certos homens na promoção da imoralidade, religiõesfalsas, ocultismo e outros enganos. (2 Ts.2:7-18; At.8:9-24; 13:8-11; 16:16-19)Oposição aos Santos1 - Contra os crentes em geral (Ef.6:12).15
  16. 16. Nem toda luta necessariamente é provocada por demônios. Muito vem da natureza humana corrompida (Rm.7:21-24: Tg.1:1415). Mas reconhecemos que grandes hostes malignas fazem guerra contra nós. A armadura de Deus nos prepara para tal batalha (Ef.6: 1 O). 2- Contra indivíduos a) Atacando a confiança e dedicação. A Armadura de Deus reflete o tipo de ataque que podemos esperar (Ef.6:14-18) b) Tentando a pecar (I Cr.21:1-8; I Co.5:1-5; Ef.2:2-3; I Ts. 4:3-5; I Jo.2: 16). c) Infligindo enfermidades (Jo.2:7 -9). 3 - Contra a Igreja O plano de Deus para a Igreja inclui demonstrar, às forças angélicas, Sua sabedoria através dela (Ef.4:3-6). Demônios procuram frustar esse plano:a) Criando divisões. O corpo deve estar unido (Ef.4:3-6). Demônios dividem e derrotam planos de união naIgreja, quer localmente ou universalmente.b) Promovendo divisões doutrinárias. Eles falam através de falsos mestres (I Tm.4:1-3).c) Contra- atacando o ministério do Evangelho. Os demônios procuram ocultar a mensagem doEvangelho dos pecadores. Assim cegam suas mentes (2Co.4:3-4) e pervertem o Evangelho (V.13-15).d) Procurando impedir o ministro do evangelho de executar suas responsabilidades (2Ts.2:17, 18).e) Causando perseguições (Ap.2:8-10). Limitados por Deus Apesar das intenções de Satanás e seus demônios, suas atividades são controladas por Deus e Ele muitas vezes as usa para o bem e para a Sua glória. 1 - Em disciplinar o crente Nessa ação, Deus não está fazendo o mal para que venha o bem. Em vez disso, Ele permite que as pessoas moralmente responsáveis façam seu desejo, ainda que mau. Ainda assim Sua sabedoria limita e controla seus efeitos, fazendo com que Seus propósitos sejam cumpridos, a despeito de tudo. . Corrigindo erros (I Tm.1:19-20; I co.5:15). . Criando discernimento (Jo.40:1-3; 42:1-6). . Cultivando a dependência (2 Co.12:7-9-10). 2 - Em derrotar o ímpio. AS FORÇAS DE SATANÃS Quando Lúcifer se rebelou contra Deus, levou consigo um grande número de anjos. Talvez um terço deles (Ez.28:18; Ap.12:4). E assim que lemos do "diabo e seus anjos" (Mt.25:41). O certo é que Satanás não está sozinho. Suas legiões são descritas em Efésios 6:10-12. 16
  17. 17. "finalmente, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos da armadura deDeus, para poderdes resistir às insídias do diabo. Pois o nosso combate não é contra o sangue nemcontra a carne, mas contra os principados, contra as autoridades contra os dominadores destemundo de trevas, contra os espíritos do mal, que povoam as regiões celestiais" . (Ef.6:10-12 naversão a Bíblia de Jerusalém).Principados "Arche " Magistrados, poderes, principados, começo". "Começo aqui se refere ao tempo ouordem. "Principados" refere-se aos espíritos poderosos do primeiro escalão que se revoltaram contraDeus. Eles hoje são os que formam o conselho governante de Satanás. Seria seu "Gabinete deMinistros". São chamados príncipes (Dn. 10:20). Daniel 10 deixa claro que nossas orações a Deus são ouvidas imediatamente, mas para queos anjos nos tragam a resposta há luta no caminho. Forças demoníacas podem se Ihes opor nasregiões celeste.A Bíblia fala de três céus:O terceiro céu, ou "paraíso" - (2Co.12:2-4). Ora, se há terceiro céu, há segundo e há primeiro. Nãosabemos se há quarto, quinto ou sexto.O primeiro céu é o firmamento na atmosfera da terra (Gn.1: 68). Entre a atmosfera onde os homens habitam e o terceiro céu onde Deus habita, definitivamenteexiste o segundo céu. Para além da atmosfera da terra há o espaço exterior. Ali o segundo céu. Davichama-o de "céus" (51.8:3). É neste segundo céu que Satanás e seus anjos caídos fazem sua morada. Eles se movempara o primeiro céu a fim de realizarem sua obra de engano, opressão e destruição nos homens.Satanás mesmo vai até o terceiro céu e acusa os santos diante do trono de Deus (Jo.1 :6-12; Ap. 12:1 O). No segundo céu, é que agentes inimigos interceptam as respostas às nossas orações,procurando impedir que cheguem até nós. Há guerra constante no meio espiritual e é lá que, primeiro, as guerras são vencidas. A vitóriada Igreja acontece quando aprendemos a conhecer e prevalecer sobre os principados. Para vermos um rompimento espiritual nas nações, nas vidas de nossas famílias, doshomens, e em nós mesmos, precisamos reconhecer que os verdadeiros inimigos, contra os quaislutamos, são forças espirituais da maldade ao redor de nós.Potestades"Poder delegado" "Exousia" - "Autoridades que permitem ou impedem". Tem poderes executivos. Esse grupo degovernantes é a autoridade que delega o poder. A Palavra "exousía" denota não tanto amagistratura de uma corte, mas o poder que governa e é sinônimo de "arche" (autoridade, tronos,domínios ou governos). Em (I Co.15:24 e CoI.2:15) refere-se a todas as autoridades e poderesmalignos, que se opõem a Jesus Cristo.Governos17
  18. 18. "Kosmokrator". "Os senhores do mundo" - Vem de "Kosmos", isto é, "mundo" e "Krator", isto é,governados". Fala do "sistema de governos". Eles são responsáveis por lutarem contra a verdadeiraluz e levar, o povo, às trevas, cegando-Ihes os olhos e enviando trevas às almas dos homens. Quando oramos por aqueles que estão dominados pela cegueira de Satanás e aqueles emreligiões pagãs, estamos guerreando contra esse tipo de inimig(). Ele governa sobre nações atravésdo seu poder de cegar a mente dos homens. Exercem também autoridade sobre diferentes sistemasde governos no mundo.Forças Espirituais do Mal "Pneumatikós". Vem da raiz da palavra "Pneuma", que significa "EspíRITO". "Poneria"significa "iniquidade", "depravação, "maligno", atividades de natureza má". Alguém que não somenteé maligno, mas todas as suas obras são igualmente más. Tudo quanto faz afeta outros de um modonegativo". "Forças espirituais do mal nas regiões celestes" pode significar o mal em si, que opera einspira esses principados, autoridades e governadores das trevas. Assim como a paz, o amor, abondade, motivam o bem nos seres angélicos celestiais, também o sentido oposto é uma realidade.Esse terrível mal espiritual motiva e controla o mundo espiritual de Satanás. Também fala da frentede batalha; são os soldados que executam as atividades malignas e demoníacas na vida doshomens. Na punição do Egito, Deus parece ter usado demônios (SI. 78:49). Demônios liderarão umarebelião de exércitos de homens contra Deus na batalha do Armagedon, onde grande destruição osaguarda (Ap, 16: 13-16). Em demonstrar a justiça de Deus. O Justo Filho de Deus demonstrou Seu poder sobre asforças malignas ao expulsar demônios, tanto pessoalmente como através dos Seus discípulos. O justo juízo de Deus ser demonstrado na derrota final dos demônios, quando eles serãolançados no lago de fogo (Mt.25:41; Ap.20: 1 O). A Cruz de Cristo e o lago do fogo indicam apermissão de Deus para sua existência e atividade. Através da sua punição, Deus demonstrara afutilidade do mal e a sua última derrota.Endemoninhamento O Novo Testamento deixa clara a possibilidade de demônios entrarem nas pessoas e semanifestarem. A expulsão de demônios por Cristo e os apóstolos é uma forte evidência de Suadeidade e de que Ele é o Messias (Mt. 12:22-23, 28-29; At.2:22; 10:38). Os apóstolos e os evangelistas substanciavam a verdade do Evangelho pelos milagres, queincluía a expulsão de demônios (At.5:16; 8:7; 16:16-18; 19:12). A Bíblia não usa o termo "Possessão demoníaca".A palavra no grego "DAIMONIZOMAI" querdizer "ter um demônio"ou "endemoninhado". A Bíblia fala de pessoa possuindo um demônio e nãoum demônio possuindo a pessoa. Vejamos todos os exemplos nos Evangelhos. A tradução em português "endemoninhado" significa, na versão Amplificada ,"sob o poder dedemônios". Outra versões em inglês traduzem por "possuído de demônios", "aqueles que tinhammaus espíritos". Os textos são: Mt.4:24; 8:16; 8:28; 8:33; 12:22; 15:22; Mc.1:32; 5:15,16; 5:18;Lc.8:36.18
  19. 19. Os demais traduzem: Mt.11 :18 "... e dizem: tem demônio"; Lc.4:33 "...Um homem que tinha oespírito de um demônio imundo"; Lc.7:33 1em demônio" ; Lc.8:27 "...um homem da cidade,possesso de demônio"; Jo.7:20; 8:48-49; 8:52; 10:20-21 "Tem demônio". Observando o ensino bíblico, concluímos que o termo "possessão demoníaca" é incorreto,uma vez que não é o demônio quem possui o homem, mas o homem quem possui o demônio. Issoquer dizer que um endemoninhado tem um espírito imundo dentro dele.A expulsão de demônios Jesus confiou à Igreja, com a autoridade do Seu nome e as armas providas por Deus, a tarefade libertar os cativos. O Ministério de libertação é responsabilidade da Igreja. Libertação é oprocesso pelo qual os seres humanos são libertos da influência e poderdos demônios. Jesusdelegou autoridade à Sua Igreja sobre Satanás e suas hostes (Lc.10:19; Mt.18:18, Mt.28:18;Mc.16:17, Mt.10:1, Mc.3:14,15).Autoridade do nome de Jesus A expulsão de demônios era uma parte importante do ministério de Jesus (I Jo.3:8). Libertar osoprimidos do diabo era parte integrante de suas atividades (At.10:38). Lucas registra a reação daspessoas durante esse ministério. "... Que palavra é esta, pois, com autoridade e poder ordena aos espíritos imundos, e elessaem? (Lc.4:33-36)O revestimento de poder A autoridade e o poder são provados em grande medida pelo Batismo no Espírito Santo (At.1 :8). Isto é resultado de um relacionamento. Os sete filhos de Eva usaram o nome de Jesus paraexpulsarem demônios, mas estes não Ihes obedeceram. Eles não conheciam Jesus. Nossaautoridade e poder são resultado de um relacionamento com Ele. No Novo Nascimento, somosgerados de novo nEle e no batismo do Espírito Santo, submetemo-nos a Ele como o batizador. Jesus deixa claro que do Espírito Santo vem o poder paraexpulsar demônios: "Se, porém, eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus,certamente é chegado o reino de Deus sobre vós" (Mt.12:28). O Espírito de Deus é o dedo Deus. O dedo de Deus é a palavra de comando dada emautoridade. A Igreja tanto tem o Espírito quanto a Palavra.O nome de Jesus Jesus está na mais alta posição de autoridade, a direita do Pai.A Ele todo nome está sujeito. "Acima de todo o principado e potestade, e poder, e domínio,não só no presente século, mas também no vindouro" (Ef.1 :21) .19
  20. 20. " Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o I nome que está acima de todo o nome para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho,nos céus, na terra e debaixo da terra" (FI.2:9,10) . Sendo a Igreja Seu corpo e extensão aqui na terra, Jesus lhe confere a autoridade do Seunome. Por assim dizer, dá-lhe o poder de procuração. Em Nome de Jesus a Igreja opera na terra(Mc.16,17; Lc.9:49; At.16:18). Diante do Nome de Jesus, o poder do Espírito Santo e a .Palavra de Deus, é que a obra de libertação deve ser realizada. A libertação de descrentes A libertação dos cativos de opressões demoníacas exige que apessoa seja levada a dar alguns passos. .1 - Receber a Cristo como Senhor. Só com o novo nascimento a pessoa está em condições de enfrentar e vencer os demônios.Primeiro, pois, a pessoa precisa ser liberta do pecado (Jo.3:3-7; Ef.1:18-21; CI.1:13; 2:15; I Jo.3:4, 5,18).2 - Confessar os pecados. Todo o envolvimento com práticas espíritas ou ocultismo deve ser julgado como rebeliãocontra Deus e terrível pecado, colocandose do lado de Satanás (I Co.11 :31; I Jo.1 :9). Apecaminosidade do envolvimento familiar, descendo até quarta geração (tetravós) também deve serconfessada (Ex.20:3-5).3 - Renunciar o diabo e suas obras. Especialmente quando há aliança e envolvimento com o ocultismo, é necessária umarenuncia oficial a Satanás e suas reivindicações sobre a pessoa. Um comando a Satanás e sua hastes a que se retirem, tornase necessário. Isso deve sefeito em nome de Jesus e na dependência do Seu poder, como os apóstolos fizeram (Mt.8:16,32;At.16:16-18).4 - Desprezar todos os objetos de ocultismo e suas ligações (2 Rs. 14:2-5, 23:16-17; At.9:17-20). A presença de tais objetos são um convite aos poderes demoníacos para concentrarem seusesforços na destruição dos donos desses objetos. Contactos com líderes do ocultismo e relacionamento devem igualmente ser quebrados.5 - Descanse em Cristo e resista ao diabo. Cristo promete perdão aos que nEle confiam. Assumir a nova posição em Cristo é descansarno Seu novo relacionamento vital (CI.1:13, 2:9-15; Hb.2:14-18). É necessário igualmente assumirsua autoridade, resistindo o diabo e suas forças (I Pe.5:8-9; Tg.4:7).20
  21. 21. 6 - Submeter;se a Cristo é Sua Palavra.(Rm.12:1-2; Tg.4:6-7; Jo.8:31,32). Um estudo sério da Bíblia deve logo tomar lugar, para um fortalecimento espiritual.7 - Receber o batismo no Espirito Santo (At.1 :8). o enchimento do Espírito é o segredo de um andar em vitória (Ef.5:18-33).A auto libertação A auto-libertação possível a todo cristão nascido do novo. Jesus nos deu a autoridade de usar o Seu nome.. Poder do sangue de Jesus nos pertence. Os demônios obedecem a esse nome e respeitam o poder dessesangue.Os passos a seguir podem ser usados: 1 - Arrependa-se do pecado que abriu a porta para os demônios entrarem. Isso emplica noreconhecimento do pecado e disposição de romper com ele. 2 - Confesse todos os pecados, tanto os próprios quanto dos antepassados, que podem terdado brecha para os demônios entrarem. Os pecados de contacto com todas as formas deenvolvimento com o ocultismo deverão ser confessados verbalmente. 3 - Peça o perdão do Senhor e a purificação pelo sangue de Jesus. Abrigue-se nEle, deixandoas fortalezas do inimigo. 4 - Renuncie sua associação com o pecado, o mal e qualquer coisa impura. Diga ao inimigoque nada mais tem a ver com ele e que ele não tem mais lugar em sua vida. . 5 - Confesse o Senhorio de Cristo sobre o seu corpo em palavras, em ações e empensamentos. Permaneça na verdade e vocês descobrirão que as trevas e o engano não terão lugarem sua vida. 6 - Ordene os espíritos malignos que deixem seu corpo, no Nome de Jesus, em fé.As armas do nosso combate A preparação para a guerra envolve mais que um treinamento físico e uma vida disciplinada.As armas com que o soldado é equipado são de extrema importância. "Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas danossa milícia não são carnais, e, sim, poderosas em Deus, para destruir fortalezas; anulando21
  22. 22. sofismas, e toda a altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, levando cativo todo opensamento à obediência de Cristo. (2Co. 1 0:3-5).1. ARMAS DEFENSIVASo sangue de Jesus o sangue é uma cobertura para os nossos pecados. Ele traz a purificação que atesta o fim dosenhorio de Satanás sobre nossas vidas. Ele não nos pode mais acusar. O sangue nos garante avitória."Eles o venceram pelo sangue do cordeiro" (Ap. 12: 11 ).A Palavra de Deus A Palavra de Deus é a verdade. Satanás ataca com mentira, tentando distorcer a verdade. aPalavra expõe a mentira."Estai pois, firmes, cingindo-vos com a verdade." (Ef.6:14a)"...e a espada do Espírito, que a Palavra de Deus." (Ef.6:17b) A aplicação da Palavra nos livra de todo o jugo. Nós nos protegemos dos ataques de Satanás,suas mentiras e enganos, defendendo-nos com a verdade da Palavra de Deus.A couraça da justiça"Estai, pois, firmes... vestindo-vos da couraça da justiça." (Ef.6:14) A justiça é nossa couraça e como tal protege o nosso coraçãode ser condenado pela nossa consciência (I Jo.3:19-22). A justiça nos dá confiança diante de Deus "Não tendo condenação" significa ter umaconsciência clara ( ITm.1 :3), uma consciência sem ofensa (At.24: 16). Só podemos pertencer ao exército de Deus, com as vestes de justiça. A visão de João mostrao exército de Jesus em trajes de linho branco, o que fala da justiça dos santos {Ap. 19:7-8, 11,14). O escudo da fé "Embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardosinflamados do maligno." (Ef.6:16).o capacete da salvação Nossa mente um constante campo de batalha, mas temos "ocapacete da salvação............" (Ef.6:17)....................................., Nós, porém, que somos do dia, sejamos sóbrios, revestindonos da couraça de fé e amor, etomando como capacete, a esperança da salvação (I Ts.5:8).22
  23. 23. O capacete protege a cabeça. A Palavra salvação aqui, no grego "Soteria", que significa bemestar físico e mental. Diante de muitos ataques precisamos ver a salvação de Deus, isto é,libertação. lsaías 26:1,3-4 diz-nos que a salvação de Deus é nossa proteção:"Deus lhe põe a salvação por muros e baluartes". Protege nossa mente em dias de ataque, porque nossa esperança está na salvação de Deus.Essa esperança guarda nossa mente em perfeita paz. Essa paz é uma grande arma de proteção.A preparação do evangelho da paz"Calçai os pés com a preparação do Evangelho da paz." (Ef.6:15). Os sapatos são o Evangelho. A preparação aqui fala da necessidade de vigiar o tempo todo.Satanás tenta trazer a complacência, contentamento com a situação e amor ao conforto. Ezequiel16 fala dos pecados de SOOoma, que refletem o amor à vida fácil (Ez.16:49). Com os pés calçados na preparação doEvangelho da paz, não seremos enlaçados pelos pecados de Sodoma.2. ARMAS OFENSIVASo Nome de Jesus o nome de Jesus é o poder de Deus outorgado ao crente com o propósito de edificar eexpandir o Reino de Deus. Seu nome é uma torre forte e poderosa. O refúgio e proteção. Esse nome transporta tal autoridade e poder, que está acima de todo o nome. Pela mençãodesse Nome os demônios recuam (Fp.2:1; Mc. 16:17-18; Jo.16:23,24).A Palavra da Fé A Palavra da fé é falar com a fé de Deus. Fé em Deus nossa arma defensiva contra asdúvidas. A fé de Deus é uma arma ofensiva(Mc.11 :22). Ter a fé de Deus possuir o tipo de fé que Deus tem. Ele crêque a palavra que sai da sua bocanão voltará vazia, mas cumpriráaquilo para o que foi enviada (ls.55:10-11). Jesus tinha a fé de Deus quando falou à figueira (Mc.11 :20). Jesus diz que, como filhos deDeus, devemos ter o mesmo tipo de fé (Mc.11:22-24). A ordem "eu mando", ou "eu expulso", ou "eu proíbo", deve ser dada com a palavra da fé. Há muitos exemplos da palavra da fé proferida na Bíblia. Elias pede fogo do céu (I Rs.18:37-38; Josué manda o sol parar(Jo.1 o: 12-13); Elias diz que não choverá (I Rs.17: 1); Jesus usouconstantemente a palavra da fé. .A Palavra de Deus23
  24. 24. A Palavra de Deus uma espada de dois gumes, tanto ofensiva quando defensiva. Com, elaatacamos o inimigo em cheio. Para usá-Ia bem, preciso tomar tempo estudando-a memorizando-a.Será fácil na hora do ataque. Jesus usou a Palavra para derrotar Satanás na tentação (Mt.4:1-11). A espada deve ser usada na boca. (Ap.1: 16) Louvor e adoração Deus habita nos louvores (51.22:3). O segundo capítulo de Crônicas ilustra bem a derrota queo louvor infligiu ao adversário. Pelo louvor e exaltação do Nome do Senhor, tanto derrubamos os muros inimigos,confundimo-Ias, como também quebramos cadeias sobre nossas próprias vidas e dos que nos -cercam. O louvor abre as portas das prisões e liberta os cativos (At. 16:23, 25, 26).Como vestimos a armadura de deusArmadura: Cingir-nos com a verdade.Afirmação: Jesus é minha verdade.Promessa: Respondeu-lhes Jesus: "Eu sou o caminho e a verdade e a vida. Ninguém vem ao Paisenão por mim" (Jo.14:16)."Eis que te comprazes na verdade no íntimo, e no recôndito me fazes conhecer a sabedoria."(51.51 :6).Armadura: Vestir-nos da couraça da justiça.Afirmação: Jesus, tu és a minha justiça.Promessa: "Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós, para que nele fossemosfeitos justiça de Deus "(2 Co.5:21). "Também nele estais aperfeiçoados. Ele o cabeça de todo principado e potestade." (CI.2:10).Armadura: Calçar os p6s com a preparação do Evangelho da Paz.Afirmação: Jesus, Tu és a minha preparação.Promessa: "Tudo posso naquele que me fortalece." (Fp.4:13).Armadura: Embraçar o escudo da fé.Afirmação: Jesus, Tu és minha fé.Promessa: "Estou crucificado com Cristo; logo já não sou eu quem vive mas Cristo vive em mim; eesse viver que agora tenho na carne, vivo pela fé do filho de Deus, que me amou, e a si mesmo seentregou por mim." (GI.2:2)."E assim, a fé vem pela pregação e a pregação pela palavra(Rhema) de Cristo." (Rm.10:17). .Armadura: Tomar o capacete da salvação.Afirmação: Jesus, tu és minha salvação.Promessa: "E, tendo sido aperfeiçoado, tornou-se o Autor da . salvação eterna para todos os que lheobedecem. "(Hb.5:9). "Senhor, força da minha salvação, tu me protegeste a cabeça no dia da batalha." (5/.140.7).24
  25. 25. Armadura: Empunhar a espada do Espírito que é a Palavra (rhema) de Deus.Afirmação: Jesus, tu és a minha palavra viva.Promessa: "As palavras (mema) que eu vos tenho dito, são espírito e são vida." (Jo.6:63)."E fez a minha boca como uma espada aguda, com a sombra da sua mão me cobriu; e me poscomo uma flecha limpa, e me escondeu na sua aljava." (ls.49:2).Armadura: Orando em todo o tempo no Espirito.Afirmação: Jesus, Tu és quem me batizas no Espírito. Promessa: "Ele vos batizará com EspíritoSanto e com fogo." (Mt.3: 11)."E aquele que sonda os corações sabe qual a mente do Espírito (Santo) - sabe qual a sua intenção -porque segundo a vontade de Deus que ele intercede (perante Deus) pelos santos." (Rm.8:27).Chaves para a vitória Como alcançar vitória em batalha espiritual? Há certos prerequisitos que o exército de Jesusdeve ter. Vimos as características]do exército de Davi. Citaremos mais algumas chaves para a vitória. I1. Santidade: Separados para Deus (Jo.7:12, 13, 19-20).2. Fé: (Hb.11:6; I Jo.5:4; Rm.10:17; Dn.11:32b: Hb.11:33-34).3. Oração e jejum: (Mt.17:21).4. Sacrifício: (2 Tm.2:3-4).5. Coragem: (Jo.1 :5-9; Dt.20:1; At.4:29,31).6. Unidade: (Lv.26:8; Mt.18:15-35).7. Perseverança: (Ef.6:10, 11, 13).8. Não poupe o inimigo (I Sm.15:18-19, 26; I Rs.20:42; I Pe.2:11).Principios de guerra Há importantes princípios que o exército de Deus deve aplicar para ser bem sucedido emcombater as forças de Satanás.1. Identifique o inimigo (Ef.6:12).2. Saiba quem você é em Cristo é o que tem (Mt. 16: 19).3. Cubra as. áreas mais vulneráveis (Ef.6).4. Treine seu grupo.5 A melhor defesa atacar.:6. A batalha não é do mais forte. A batalha é do Senhor. Quando Deus está do nosso lado, Ele nosda a vitória. (I Sm.17; Dt.11 ;22, 23).25
  26. 26. 7. Unidade força (Jo.17).8. Tenha estratégias corretas (Gn.14).9. Disciplina. Isso exige total submissão e obediência a cada comando, sem questionar.10. Perseverança. ml. 17: 12 fala do jejum e oração para expulsar certo tipo de espíritos malignos. Aperseverança em busca( de Deus, a força e o poder nos conduzirá a vitória.BibliografiaCompilado de:Valnice Milhomens - Apostila de Gu [!a Espiritual. Ministério Palavra da fé.BiII Subrytzky - Demônios Derrotados. Editora da Adhonepe.Larry Lea - As armas da sua Guerra. Editora Betânia.26

×