Aula psico. organizacional

382 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
382
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula psico. organizacional

  1. 1. PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
  2. 2. Ψ CLINICA Tambem pode ser contratado para trabalhar na empresa PSICOLOGIA: ciencia do COMPORTAMENTO humano, da COGNICAO e da MOTIVACAO PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: desenvolvimento e aplicacao de principios cientificos no ambiente de trabalho Ψ ORGANIZACIONAL Nao lidam diretamente com os problemas emocionais ou pessoais dos funcionarios ≠
  3. 3. Ψ INDUSTRIAL: Recursos humanos, eficiencia nas tarefas, selecao, treinamento, avaliacao de sempenho, entr e outros. Ψ ORGANIZACIONAL: Relacoes humanas, bem-estar do funcionario no ambiente de trabalho, atitudes, comportamento, estresse, entre outros O CAMPO DA PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL CONTEM DUAS DIVISOES:
  4. 4. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES PSIQUIATRIA PSICANAILISE PSICOLOGIA - Especialidade da Medicina; -Tratamento de Transtornos Mentais; -Foco no cerebro - Psicoterapia - Fundada por Freud; - O psicanalista escuta, usa tecnicas, analisa a possivel causa do desonforto - Sinais e sintomas - Estuda o comportament o Humano e os Processos Mentais; - Observa os fenomenos estruturais e socioculturais; - Utiliza tecnicas e uma serie de instrumentos
  5. 5. APLICACAO DA PSICOLOGIA NAS ORGANIZACOES -O entendimento do funcionamento das atividades mentais vem contribuindo para eficiencia e eficacia das acoes; Ex: Marketing e Comunicacao. -Saber diferenciar os diferentes estagios de evolucao do pensamento (nem todos possuem o mesmo potencial e as mesmas capacidades); -Promover ganhos de produtividade conjugados com a melhoria da qualidade de vida.
  6. 6. ALGUNS EXEMPLOS: •Um individuo em longo conflito conjugal pode ter a produtividade reduzida pelo desenvolvimento de um quadro de ESTRESSE; •Dificuldade de prestar atencao concentrada, alteracoes do humor, mudancas no sono podem relacionar-se com um ESTADO DEPRESSIVO; •ABSENTEISMO, demora excessiva na execucao de determinadas tarefas eventuais podem associar-se a ESTRESSE POS-TRAUMATICO; •ALCOOLISTAS possuem comprometimento das funcoes mentais superiores, tornando-se mais propensos a acidentes e perda de produtividade
  7. 7. PRESENCA DA PSICOLOGIA : Teorias e Praticas Psicanálise - A forca do INCONSCIENTE •Sigmund Freud (1856-1939) •Médico Psiquiatra, morava em Viena. •Ousou estudar os “processos misteriosos” do psiquismo. •“regiões obscuras” : fantasias, sonhos, esquecimentos, a interioridade do homem. •Afirmava que essas questões eram problemas científicos. •A investigação sistemática levou Freud à criação da Psicanálise
  8. 8. Ana O. sintomas de histeria, sentimentos substituídos por sintomas sentimentos revelados somente durante a hipnose •O esquecido era sempre algo penoso para o indivíduo; . •A essa resistência em revelar, Freud chamou de REPRESSÃO Processo psíquico que visa encobrir, fazer desaparecer da consciência uma idéia ou representação insuportável e dolorosa INCONSCIENTE
  9. 9. 2 ª TEORIA DO APARELHO PSÍQUICO ID Parte mais primitiva e menos acessível da personalidade – onde localizam-se os pulsões: vida e morte (não conhece juízo de valor) Regido pelo princípio do prazer. EGO Estabelece o equilíbrio. Procura dar conta do interesse da pessoa. É regido pelo princípio do prazer As funções básicas do Ego são: percepção, memória, sentimentos SUPEREGO Origina-se com o Complexo de Édipo a partir das interpretações do que é proibido, dos limites e da autoridade. Refere-se as exigências sociais e culturais Sentimento de Culpa
  10. 10. Exemplo: Pelo ID, o empregado deixaria de comparecer ao trabalho em um belo dia ensolarado, dedicando-se a uma aprazivel atividade de lazer: uma pescaria, um banho no rio, uma caminhada. O EGO aconselharia prudencia e buscaria uma oportunidade adequada para essas atividades. O SUPEREGO diria ser inaceitavel faltar com um compromisso assumido, por exemplo, com o supervisor ou com os colegas
  11. 11. Behaviorismo John B. Watson (1878-1959) •Buscava uma Ψ sem mente e sem alma •Objeto de estudo da Ψ : COMPORTAMENTO •O comportamento está sujeito a variáveis do meio •Dedica-se ao estudo das interações entre o indivíduo e o ambiente -Considerado um objeto observável; -Mensurável; -Podendo ser repetido diversas vezes, em condições e sujeitos diferentes
  12. 12. BEHAVIORISMO RADICAL COMPORTAMEN TO OPERANTE
  13. 13. Comportamento Respondente (ou reflexo) •Entendido como não-voluntário •Interações incondicionadas S-R = ambiente-sujeito Ex: Contração de pupilas, salivação, arrepio na pele com o ar frio, lágrimas de cebola, etc. Comportamento Operante •Inclui todos os movimentos de um organismo dos quais se possa dizer que, em algum momento, tem efeito sobre ou fazem algo ao mundo em redor Ex: Ler um livro, tocar um instrumento musical, escrever uma carta, chamar um taxi com um gesto de mão, etc.
  14. 14. EXPERIMENTOS COM RATOS, POMBOS E MACACOS Para verificar como as variáveis no ambiente interferiam nos comportamentos: Leis Comportamentais
  15. 15. CAIXA DE SKINNER
  16. 16. Neste caso, o Comportamento Operante, o que proporciona a aprendizagem dos comportamentos é a ação do organismo sobre o meio e o efeito dela resultante – a satisfação de alguma necessidade, ou seja, a APZ está na relação entre uma ação e seu efeito. RR S R= resposta (pressionar a barra) S= estímulo reforçador (reforço – água ou choque) = Levar à
  17. 17. Reforçamento: •Toda conseqüência que seguindo uma resposta, altera a probabilidade futura de ocorrência dessa resposta REFORÇO POSITIVO REFORÇO NEGATIVO É todo evento que aumenta a probabilidade futura da resposta que o produz É todo evento que remove ou atenua a probabilidade futura da resposta que o produz Reforçadores Primários: água, alimento, afeto, etc. Reforçadores Secundários: dinheiro, aprovação social, etc.
  18. 18. As Organizações empregam técnicas de REFORÇO para atuar sobre o comportamento dos profissionais: •“Quadros de Honra”; •Almoco com os gerentes; •Bonus por desempenho; •Placas comemorativas; •Diplomas; •Viagens para colonia de ferias. * O Marketing utiliza tecnicas de condicionamento: nas promocoes e propagandas SKINNER era contra a PUNICAO - ineficaz
  19. 19. GESTALT •Conhecida como a Ψ da Forma •Termo alemão: + próximo do português seria - FORMA ou CONFIGURAÇÃO •Kurt Koffka (1886-1941) •Max Wertheimer (1880-1943) •Wolfgang Kohler (1887-1967) Percepção e Sensação de Movimento Compreender quais os processos psicológicos envolvidos na ilusão de ótica, quando o estimulo físico é percebido pelo sujeito como uma forma diferente da que tem na realidade Interpretação = Boa Forma
  20. 20. O comportamento é determinado pela percepção do estímulo e , portanto estará submetido a Lei da Boa Forma. Há dois determinantes no comportamento: Meio Geográfico: é o meio enquanto tal, o meio físico. Meio Comportamental: é o meio resultante da interação do indivíduo com o meio físico e implica a interação desse meio através das forças que regem a percepção ( equilíbrio, simetria, estabilidade, simplicidade) Ex: falar com uma pessoa, pensando ser outra. CONSTRUIMOS NOSSO MUNDO ATRAVES DE EXPERIENCIA, CLASSIFICACAO, MEMORIA E RECONHECIMENTO INCESSANTES
  21. 21. •É entendido como um campo de força que nos leva a procurar a boa- forma. •Funciona como um campo eletromagnético (imã) – força de atração e repulsão. •Tenta buscar a melhor FORMA possível em situações que não estão bem estruturadas OS SENTIDOS NÃO RECEBEM FATOS REAIS, MAS APENAS UMA IMAGEM SUBJETIVA DELES, UM REFLEXO DO MUNDO EXTERNO Essa tendência a “juntar” os elementos é o que a Gestalt denomina de FORÇA DO CAMPO PSICOLÓGICO
  22. 22. Estes processos ocorrem de acordo com os seguintes princípios
  23. 23. Pregnância: formas conhecidas formam a figura. O resto o fundo.
  24. 24. P ro x im id a d e : E le m e n to s m a is p ró x im o s s ã o a g ru p a d o s V o c ê v ê trê s c o lu n a s , n ã o trê s lin h a s Proximidade: elementos mais próximos são agrupados. Você ver três colunas, não três linhas
  25. 25. Semelhança Elementos semelhantes são agrupados Você vê três linhas, não quatro colunas
  26. 26. Fechamento: tendência a completar os elementos
  27. 27. Algumas Imagens:

×