ANA KAROLINA
JOÃO PAULO VIANA
JULIA KARINA
KARINA
LUCIENE DA SILVA
RAMON FELIX
RAQUEL
SILVANIA TOMÉ.
 APRESENTAÇÃO;
 INTRODUÇÃO;
 COMPOSIÇÃO, TIPO E
APRESENTÃÇÃO;
 VIA DE ADMINISTRAÇÃO E
VALIDADE
 INDICAÇÃO;
 ESQUEMA ...
A influenza é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, popularmente conhecida como
gripe, podendo levar o infec...
O vírus influenza tem distribuição global, pertence à família dos ortomixovírus
(tamanho médio, RNA de única hélice e de s...
Ocorre por meio do contato com secreções das vias respiratórias eliminadas pela pessoa infectada.
Ao Falar Ao TossirAo Esp...
Mais Comuns
Febre Dor na
Garganta
Cefaleia (Dor
de Cabeça)
Mialgia (Dor
Muscular)
Fadiga
Mais Graves
-dificuldade respirat...
Não existe um medicamento eficaz para o tratamento da gripe. os remédios servem
apenas para diminuir os sintomas. Quando n...
A composição da vacina contra a gripe é atualizada a cada ano, de acordo com os
vírus circulantes, para garantir a eficáci...
A vacina contra os vírus da Gripe ou Influenza é composta de cepas inativadas,
purificadas e cultivadas em células de embr...
Deve adotar a via de administração
intramuscular.
A vacina deve ser armazenada e
transportado entre 2°c a 8°c, não podendo...
A vacinação é anual, devido às mudanças das características dos vírus
influenza consequentes da diversidade antigênica e g...
As vacinas influenza sazonais
têm um perfil de segurança excelente e
são bem toleradas.
São constituídas por vírus
inativa...
Manifestações como dor no local da
injeção, eritema e enduração ocorrem em
15% a 20% dos pacientes, sendo benignas
autolim...
Reações anafiláticas (hipersensibilidade do tipo I)
são extremamente raras e podem ser associadas a
qualquer componente da...
Raramente a aplicação de algumas
vacinas pode anteceder o início
Síndrome de Guillain-Barré (SGB).
Geralmente, os sintomas...
A vacina é contra indicada para pessoas com
histórico de reação anafilática prévia em
doses anteriores, bem como a qualque...
Em doenças agudas febris moderadas ou graves recomenda-se adiar a vacinação até
a resolução do quadro com o intuito de não...
Influeza Sanzonal
Influeza Sanzonal
Influeza Sanzonal
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Influeza Sanzonal

124 visualizações

Publicada em

A Influenza Sanzonal e seus aspectos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
124
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Influeza Sanzonal

  1. 1. ANA KAROLINA JOÃO PAULO VIANA JULIA KARINA KARINA LUCIENE DA SILVA RAMON FELIX RAQUEL SILVANIA TOMÉ.
  2. 2.  APRESENTAÇÃO;  INTRODUÇÃO;  COMPOSIÇÃO, TIPO E APRESENTÃÇÃO;  VIA DE ADMINISTRAÇÃO E VALIDADE  INDICAÇÃO;  ESQUEMA VACINAL;  EFEITO ADVERSO;  CONTRA INDICAÇÃO.
  3. 3. A influenza é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, popularmente conhecida como gripe, podendo levar o infectado a complicações graves e até a morte, principalmente nos grupos de alto risco para as complicações da infecção viral. GestantesCrianças menores de 5 anos Adultos acimas de 65 ou + Pessoas com doenças crônicas
  4. 4. O vírus influenza tem distribuição global, pertence à família dos ortomixovírus (tamanho médio, RNA de única hélice e de simetria helicoidal). Subdividem-se em 03 tipos: Os vírus a e b são os mais comuns. Cada um dos tipos apresenta populações diversas, denominado cepas. Sofrem frequentes mutações e é responsável pelas epidemias sazonais, e apenas o tipo a tem sido identificado nas pandemias. O tipo c raramente causa doenças, e não é epidêmico.
  5. 5. Ocorre por meio do contato com secreções das vias respiratórias eliminadas pela pessoa infectada. Ao Falar Ao TossirAo Espirrar Transmissão Direta Transmissão Indireta Objetos Contaminados A pessoa infectada pode começar a transmitir o vírus até 24 horas antes do inicio dos sintomas. o período de incubação do vírus varia de um e quatro dias.
  6. 6. Mais Comuns Febre Dor na Garganta Cefaleia (Dor de Cabeça) Mialgia (Dor Muscular) Fadiga Mais Graves -dificuldade respiratória (srag-síndrome respiratória aguda grave) *Obrigatória a notificação às autoridades de saúde. (geralmente requer hospitalização) a complicação que mais leva à hospitalização e à morte e a pneumonia.
  7. 7. Não existe um medicamento eficaz para o tratamento da gripe. os remédios servem apenas para diminuir os sintomas. Quando não ocorrem complicações na evolução da doença, ocorre melhora e resolução completa em período médio de cinco a dez dias. PREVENÇÃO Lavar sempre as mãos Alimenta-se bem Evitar aglomerações A Vacinação (Grupo de Risco) Tomar bastante água
  8. 8. A composição da vacina contra a gripe é atualizada a cada ano, de acordo com os vírus circulantes, para garantir a eficácia do produto. A resolução estar de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) para o Hemisfério Sul. As vacinas influenza trivalentes, que começarão a ser utilizadas no Brasil a partir de fevereiro de 2014 deverão conter, obrigatoriamente, três tipo de cepas de vírus em combinação: um vírus similar ao vírus influenza A/Californiar/7/2009 (H1N1)pdm09, um vírus similar ao vírus influenza A/Texas/50/2012 (H3N2) e um vírus similar ao vírus influenza B/Massachusetts/2/2012.
  9. 9. A vacina contra os vírus da Gripe ou Influenza é composta de cepas inativadas, purificadas e cultivadas em células de embrião de galinha. Apresentação Cartucho com uma seringa contendo uma dose de 0,5 ml Cartucho com uma seringa contendo uma dose de 0,25 ml
  10. 10. Deve adotar a via de administração intramuscular. A vacina deve ser armazenada e transportado entre 2°c a 8°c, não podendo ser congelada e protegido da luz. Cuidados de armazenamento após a abertura do frasco: • A vacina produzida em um laboratório na Franças no máximo 7 dias após aberta; • A vacina produzida no Instituto Butantan e em Laboratório dos EUA - a validade vem impressa na embalagem.
  11. 11. A vacinação é anual, devido às mudanças das características dos vírus influenza consequentes da diversidade antigênica e genômica a cada ano. Todas as crianças de 6 meses a menores de 9 anos que receberam uma ou duas doses da vacina contra a influenza sazonal em 2013, devem receber apenas 1 dose em 2014.
  12. 12. As vacinas influenza sazonais têm um perfil de segurança excelente e são bem toleradas. São constituídas por vírus inativados, o que significa que contêm somente vírus mortos e há comprovação que não podem causar a doença. De acordo com sua localização podem ser locais ou sistêmicos e de acordo com sua gravidade, podem NÃO GRAVES ou GRAVES.
  13. 13. Manifestações como dor no local da injeção, eritema e enduração ocorrem em 15% a 20% dos pacientes, sendo benignas autolimitadas geralmente resolvidas em 48 horas. Os abscessos geralmente encontram-se associados com infecção secundária ou erros de imunização. MANIFESTAÇÕES LOCAIS MANIFESTAÇÕES SISTÊMICAS São benignas, autolimitadas, como febre, mal estar e mialgia que podem começar de 6 a 12 horas após a vacinação e persistir por um a dois dias, sendo notificadas em menos de 1% dos vacinados Estas manifestações são mais frequentes em pessoas que não tiveram contato anterior com os antígenos da vacina.
  14. 14. Reações anafiláticas (hipersensibilidade do tipo I) são extremamente raras e podem ser associadas a qualquer componente da vacina. Algumas vacinas da Influenza podem conter mínima quantidade de proteína do ovo, podendo induzir reações alérgicas imediatas em indivíduos com alergia grave a esta proteína. Nessa situação, recomenda-se consultar a bula do laboratório produtor para verificar se há restrição de uso. REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE Pessoas com história de alergia grave à proteína do ovo de galinha, assim como a qualquer componente da vacina, necessitam ser avaliadas pelo médico. Se for indicada a administração da vacina nessas pessoas, a mesma deve ser realizada nos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE), hospitais ou serviços de emergência com recursos materiais e humanos para lidar com reações de hipersensibilidade, considerando situações de risco elevado de influenza.
  15. 15. Raramente a aplicação de algumas vacinas pode anteceder o início Síndrome de Guillain-Barré (SGB). Geralmente, os sintomas aparecem entre 1 a 21 dias e no máximo até 6 semanas após administração da vacina. A síndrome de Guillain-Barré é uma doença grave que ocorre quando o sistema de defesas (imunológico) do corpo ataca parte do sistema nervoso por engano. Isso leva à inflamação dos nervos, que provoca fraqueza muscular. É desconhecido até o momento se a vacina da influenza pode aumentar o risco de recorrência da SGB em indivíduos com história pregressa desta patologia.
  16. 16. A vacina é contra indicada para pessoas com histórico de reação anafilática prévia em doses anteriores, bem como a qualquer componente da vacina. Pessoas com alergia grave a ovo de galinha e seus derivados.
  17. 17. Em doenças agudas febris moderadas ou graves recomenda-se adiar a vacinação até a resolução do quadro com o intuito de não se atribuir à vacina as manifestações da doença. As pessoas com história de alergia a ovo, que apresentem apenas urticária após a exposição, podem receber a vacina da Influenza mediante adoção de medidas de segurança. Recomenda-se observar o indivíduo vacinado, pelo menos, por período de 30 minutos em ambiente com condições de atendimento de reações anafiláticas. Em caso de ocorrência de síndrome de Guillain-Barré (SGB) no período de até seis semanas após uma dose anterior, recomenda-se realizar avaliação médica criteriosa sobre benefício e risco da vacina antes da administração de uma nova dose.

×