1. a origem do homem na criação

400 visualizações

Publicada em

TEOLOGIA SISTEMÁTICA 2

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
400
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • 1. IFETE. Apostila de Antropologia teológica do instituto de formação e educação teológica disponível em: https://docs.google.com/file/d/0B-KWYr_PqHFPOEpISkRTVDBqeTg/edit
  • Observações: se imaginarmos no principio com relação a Deus a pergunta é: Deus tem início?
  • 2. gr. mérisma, atos 'porção, parte, fração, pedaço', der. do v. merizó 'repartir, fracionar, compartilhar', este de merís, ídos 'parte, porção' (Houaiss, 2009)
  • Grifo de minha autoria para destacar a resposta que desejo dar a pergunta: por que Deus criou?
  • 1. a origem do homem na criação

    1. 1. Teologia sistemática II por: Joziran Vieira Cadeira ministrada no Seminário Teológico Evangélico Congregacional – STEC. Apodi - RN
    2. 2. 1. Definição e importância. ANTROPOLOGIA: O termo Antropologia por definição significa o estudo sobre o homem, visto derivar do termo grego: anthropos = homem, ser humano; Logos = estudo, tratado)1.
    3. 3. Antropologia teológica é a parte da teologia que visa explicar a relação do ser humano enquanto criação com o seu Criador, tendo como principal referencial Deus em sua Palavra.
    4. 4. IMPORTÂNCIA Esta doutrina como parte da sistemática, nos ajudará a fincarmos alicerce no que se referem a doutrinas tais como: ‘pecado’, o ‘juízo’ e a ‘salvação’, pois estas doutrinas têm como objetivo entender a situação do homem no que diz respeito ao passado, ao presente e ao futuro
    5. 5. 2. A ORIGEM DO HOMEM E OS PRESSUPOSTOS DA CRIAÇÃO A Sagrada Escritura afirma que a origem do homem está em Deus visto ser Ele o criador de todas as coisas.
    6. 6. a. A CRIAÇÃO COMO ATO PLENO DE DEUS (GN.1:1) “No princípio criou Deus, os Céus e a terra” Em toda a Bíblia há provas incontestáveis de que a criação é um ato soberano de Deus (Is.40:12-14, Jr.10:12-16; 26-28; Am.4:12,13; Sl.90:2; 102:26,27; Jo.1:3; Rm.1:25; At.17:24; Cl.1:16; etc.).
    7. 7. 1°) A CRIAÇÃO OCORREU NO TEMPO DE DEUS Gn. 1:1a “No princípio criou Deus, [...]” O termo hebraico ‘bereshit’ (no princípio), é um termo indefinido que permite que se faça a seguinte pergunta: no princípio do que? Gn. 1:1a “No princípio criou Deus, [...]” deve ser entendida como sendo o princípio da criação.
    8. 8. 2º) O PROPÓSITO DE DEUS EM CRIAR Para chegarmos a conclusão desta interrogação se faz necessário: 1. a ter uma visão correta de como o mundo veio a existir (cosmogonia do mundo) 2. entender a realidade deste mundo lançando os alicerces de nossa fé em Deus (isto é o que entendemos por cosmovisão teocêntrica).
    9. 9. Para tanto precisamos de um método de interpretação que nos livre dos pressupostos Este método é o histórico gramatical ou gramático histórico.
    10. 10. a. QUE MATERIAL DEUS USOU PARA CRIAR? “Barah Elohim” – “[...] criou Deus [...]” Berkhof (2001, p.124,125) afirma: A frase criar ou produzir do nada, não se acha na Escritura. É oriunda de um dos apócrifos, a saber, Macabeus 7:28 [...] dizer que Deus criou o mundo do nada não equivale dizer que o mundo veio a existir sem causa. Deus mesmo, ou, mais especificamente, a vontade de Deus é a causa da existência do mundo. [...] Gn.1:1 registra o início da obra da criação, e certamente não apresenta Deus produzindo o mundo com material preexistente. Foi criação do nada, criação no sentido estrito da palavra, [...] mesmo na parte restante do capítulo, porém, Deus é descrito produzindo todas as coisas pela palavra do seu poder, por um simples fiat divino.
    11. 11. b. O QUE DEUS CRIOU? V.1 “[...] os Céus e a terra”. A ideia aqui esta fundamentada em uma figura de linguagem provinda do grego que se chama merisma2 e significa a caracterização do todo a partir das partes. Ou seja, Deus criou todas as coisas em seis dias, parte por parte e cada parte da criação é de autoria divina. (Gn.1:1; Ex.20:11; Sl.104:24; Jr.10:12; Jo.1:2,3; At.17:24; Rm.1:20; Hb.11:3; etc.)
    12. 12. confissão de fé de Savoy: Cremos e confessamos que aprouve a Deus, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, para a manifestação da glória de seu eterno poder, sabedoria e bondade, no princípio, criar ou fazer do nada, o mundo e todas as coisas existentes nele, quer visíveis, quer invisíveis, no espaço de seis dias e tudo muito bom (confissão de fé Congregacional: Cap.4. parag.I. 2015, p.43)
    13. 13. b. ABANDONO DO PRESSUPOSTO DO CAOS. (GN1:2) (GN1:2)“A terra, porém, estava sem forma e vazia” Esta teoria defende a ideia de que entre os versículos 1 e 2 a uma grande lacuna, um intervalo de milhões de anos.
    14. 14. Grudem (1999, p.220) afirma que: • O principal argumento bíblico em favor desta teoria é que as palavras “sem forma e vazia” e “trevas” em Gn.1:2 retratam uma terra que sofrera os efeitos do juízo de Deus [...] e as palavras hebraicas tohû (sem forma) e bohû (vazio, vácuo) em versículos como Isaías 34:11 e Jeremias 34:23 se referem a locais como desertos que sofreram as desoladoras consequências do juízo divino.
    15. 15. Esta teoria é insustentável pelos seguintes fatos: • Não há outros versículos na Bíblia que falem de uma criação anterior • A Sagrada Escritura afirma “viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom” Gn.1:31 • “Essa teoria precisa supor que todos os fósseis de animais de milhões de anos atrás que lembram de perto animais contemporâneos indicam que a primeira criação dos reinos animal e vegetal deu em fracasso”. (Grudem. 1999, p.222).
    16. 16. Aula disponível em: prjoziranvieira.blogspot.com.br 99602-9987 Joziran_vieira@hotmail.com

    ×