Congresso de IVC Tocantinópolis 2

96 visualizações

Publicada em

INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ:
Família e Comunidade Eclesial construindo a Educação na Fé

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
96
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Congresso de IVC Tocantinópolis 2

  1. 1. 2. POR ONDE IR? Comunidade, família e catequese Dom Leomar Brustolin Tocantinópolis 22 1
  2. 2. TER CORAGEM DE REVER NOSSA AÇÃO EVANGELIZADORA • NÃO TER MEDO • VENCER A MESMICE • MAIS COMUNHÃO • MAIS PARTICIPAÇÃO • CONTAR COM OS LEIGOS • INTERAÇÃO • AVALIAR, REVER, FOCAR • FORMAR PERQUENAS COMUNIDADES EM TORNO DA LEITURA ORANTE 22 2
  3. 3. Vencer a mesmice! • “A pastoral em chave missionária exige o abandono deste cômodo critério pastoral: ‘fez-se sempre assim’. Convido todos a serem ousados e criativos nesta tarefa de repensar os objetivos, as estruturas, o estilo e os métodos evangelizadores das respectivas comunidades.” EG 33 22 3
  4. 4. CRITÉRIOS PARA UMA COMUNIDADE SER CRISTÃ (Doc 100, 77-81) • “Eles eram perseverantes em ouvir o ensinamento dos apóstolos, na comunhão fraterna, na fração do pão e nas orações” (At 2,42). a) o ensinamento dos apóstolos; - CATEQUESE b) a comunhão fraterna; - CARIDADE c) a fração do pão (Eucaristia); e - LITURGIA d) as orações. - ESPIRITUALIDADE • O Novo Testamento não oferece um modelo único de comunidade cristã. Mas apresenta elementos e critérios comuns para a vivência comunitária da fé cristã nos diferentes contextos culturais e em épocas distintas. 22 4
  5. 5. SER MAIS DO QUE FAZER! • O horizonte de compreensão do ser e não tanto do fazer • Ocupados demais em “fazer”, podemos ofuscar o “ser” discípulo. • O discípulo de Cristo não é uma pessoa isolada em uma espiritualidade intimista, mas uma pessoa em comunidade para se dar aos outros. • O pastor tem cheiro de ovelhas • Pastor (cuidar do rebanho), semeador ( evangelizar e anunciar – afastados) ) e pescador ( ir ao mundo, a rede) 22 5
  6. 6. Há diferentes cenários de paróquias • 1. comunidade centrada no padre 22 6
  7. 7. 2. Comunidade centrada em trabalhos pastorais e movimentos 22 7
  8. 8. Comunidade de comunidades 22 8
  9. 9. Casa • Casa da Palavra • comunidade atraída pela voz do seu Senhor, que acolhe e vive a Palavra, sendo a liturgia o lugar privilegiado para essa comunicação • Casa do pão • Na Eucaristia, se estabelecem as novas relações que o Evangelho propõe a partir da filiação divina que o cristão recebe do Pai em Cristo. A fraternidade é expressão da comunhão com Deus que se estende na comunhão com os irmãos e irmãs. • Casa da caridade (ágape) • O próprio Senhor disse que “não há maior amor do que dar a vida pelos amigos” (Jo 15,13). A amizade torna-se, então, expressão do ágape, o centro da charitas cristã.
  10. 10. Desafios • âmbito da pessoa: intimismo religioso; mudanças na família • âmbito da comunidade: a nova territorialidade: do físico ao ambiental; estruturas obsoletas na pastoral; entre o relativismo e o fundamentalismo • âmbito da sociedade: sociedade pós-cristã; pluralismo cultural;
  11. 11. Prioridades • ENCONTRO PESSOAL COM JESUS CRISTO (FÉ) • NA COMUNIDADE DE FÉ (IGREJA) • ESCUTA DA PALAVRA DE DEUS ( CATEQUESE) • ALIMENTAR-SE DA EUCARISTIA ( LITURGIA) • CONVERSÃO DE VIDA (DISCÍPULADO) • PRÁTICA DA CARIDADE (LEI MAIOR) • ACOLHIDA E BUSCA DOS AFASTADOS DA IGREJA ( MISSÃO) 22 11
  12. 12. • Os cristão não nascem, se fazem (Tertuliano) 22 12
  13. 13. Uma necessidade religiosa e humana • Documento de Aparecida n. 12: Uma fé católica reduzida a conhecimento, a um elenco de algumas normas e de proibições, a práticas de devoção fragmentadas, a adesões seletivas e parciais das verdades da fé, a uma participação ocasional em alguns sacramentos, à repetição de princípios doutrinais, a moralismos brandos ou crispados que não convertem a vida dos batizados, não resistiria aos embates do tempo. 22 13
  14. 14. • “não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande idéia, mas pelo encontro com um acontecimento, com uma Pessoa, que dá um novo horizonte à vida e, com isso, uma orientação decisiva”. • É preciso um processo para se tornar cristão 22 14
  15. 15. Oportunidade para a missão • Aproveitar intensamente a hora da graça • Mais qualidade e entusiasmo na missão • Apelo para uma Igreja melhor • Quando sou fraco, então sou forte (2 Cor 12,10). 22 15
  16. 16. O QUE TEMOS EM VISTA QUANDO FALAMOS DE INICIAÇÃO CRISTÃ • Jesus Cristo – resposta de Deus à nossa sede de infinito • Com Jesus se faz presente o Reino de Deus • Jesus por suas palavras, ações, e entrega total na cruz revelou o amor de Deus por nós 22 16
  17. 17. Iniciação = mergulho no mistério • Mistério: fascinante, sublime, divino, espantoso, um segredo que se manifesta somente aos iniciados • Para participar do mistério de Cristo é preciso uma experiência impactante de transformação pessoal e deixar-se envolver pela ação do Espírito. • Uma verdadeira conversão: uma metanóia (mudança de mentalidade) 22 17
  18. 18. O processo • O querigma é para todos ( o primeiro anúncio) • Os mistérios ( os sacramentos) são para aqueles que foram iniciados na fé. • O catecúmeno: o catequizando de hoje: aquele que deve ser iniciado na fé • Catequese mistagógica: que inicie no mistério • Iniciação: ir bem para dentro 22 18
  19. 19. Características da Iniciação cristã • É obra do amor de Deus • Os três sacramentos numa unidade indissolúvel de estrutura trinitária: Batismo nos torna filhos do Pai; a Eucaristia nos alimenta com o Corpo de Cristo; e a Confirmação nos unge com o Espírito Santo. • Esta obra de amor se realiza na e pela Igreja • Iniciar no mistério de Cristo e não na devoção particular de qualquer pessoa ou um grupo • Requer decisão livre da pessoa • O iniciado morre ao pecado e começa uma nova existência. 22 19
  20. 20. Muitos buscam • Os sacramentos para si ou para seus filhos, sem motivações tão claras • Frequentam a missa ou práticas de devoção para alcançar graças e favores dos santos • Buscam a água que não mata a sede, pois não conhecem a água viva 22 20
  21. 21. O povo que busca a Igreja • Tem a missão de acolher e servir é uma multidão, com rostos variados que precisam ser reconhecidos, identificados, personalizados. • Muitos procuram na Igreja uma resposta • A Igreja deve ir ao encontro, dialogar, acolher sobretudo os afastados, jovens, pobres e excluídos. • Todos precisam ser amados, reconhecidos e ajudados 22 21
  22. 22. • «Nenhuma família é uma realidade perfeita e confeccionada duma vez para sempre, mas requer um progressivo amadurecimento da sua capacidade de amar. (…). Todos somos chamados a manter viva a tensão para algo mais além de nós mesmos e dos nossos limites, e cada família deve viver neste estímulo constante. Avancemos, famílias; continuemos a caminhar! (…). Não percamos a esperança por causa dos nossos limites, mas também não renunciemos a procurar a plenitude de amor e comunhão que nos foi prometida» (AL 325). 22 22
  23. 23. PARA REFLETIR Olhando para nossa prática: Quais as referências que precisamos ter ao pensar em educar na fé nossos catequizandos? 22 23
  24. 24. Referências SERMAIS DO QUE FAZER INICIAR NA FÉ DA COMUNIDADE ENCONTRO COM JESUS COMUNIDADE IR AO ENCONTRO DOS AFASTADOS ACOMPANHAR AS FAMÍLIAS FORMAR DISCÍPULOS 22 24

×