DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES

3.086 visualizações

Publicada em

Objetivos desta aula:

Conceituar relevo;
Compreender o que são e como agem os principais agentes externos modeladores;
Entender a influencia da dinâmica do relevo na composição da paisagem;
Visualizar as principais formas de relevo encontradas no Espírito Santo.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.086
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
146
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
98
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES

  1. 1. GEOGRAFIA FÍSICA JOSIMAR NUNES PEREIRA DE FREITAS Josimar.jnp@gmail.com “DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES”
  2. 2. OBJETIVOS  Conceituar relevo;  Compreender o que são e como agem os principais agentes externos modeladores;  Entender a influencia da dinâmica do relevo na composição da paisagem;  Visualizar as principais formas de relevo encontradas no Espírito Santo.
  3. 3. O que vocês compreendem como sendo relevo? RELEVO
  4. 4. “É o conjunto das formas da superfície da Terra, que apresentam altitudes diferentes entre si.” (ALBUQUERQUE, BIGOTTO e VITIELLO, 2010. p.107. ) CONCEITO
  5. 5. RELEVO Estas formas sempre foram assim?
  6. 6. De acordo com esta imagem, onde estamos localizados? RELEVO
  7. 7. QUEM SÃO OS RESPONSÁVEIS POR ALTERAR ESSAS FORMAS?
  8. 8. PRINCIPAIS MODELADORES DO RELEVO  Intemperismo - também conhecido como meteorização, é o conjunto de processos mecânicos, químicos e biológicos que ocasionam a desintegração e a decomposição das rochas. Divido em:  Físico;  Químico;  Biológico.
  9. 9. INTEMPERISMO FÍSICO É o resultado da ação mecânica, desagregando as rochas gradualmente em partículas pela variação de temperatura ou pela ação de gelo e degelo. O intemperismo físico pode ocorrer em qualquer superfície continental, porém é predominante nas regiões áridas, semiáridas e sujeitas a gelo e degelo.
  10. 10. INTEMPERISMO QUÍMICO Implica em transformações químicas dos minerais que compõem a rocha. O principal agente do intemperismo químico é a água.
  11. 11. Intemperismo Biológico  É produzido pelas bactérias, produzindo a decomposição biótica de materiais orgânicos. Este tipo de intemperismo produz os solos mais férteis do mundo, sendo muito comum na Rússia e na Ucrânia.
  12. 12. Erosão  É o conjunto de processos que desagregam e transportam solo e rochas. A erosão é um momento "rápido" se comparado com o Intemperismo e o Transporte Sedimentar. Podendo se apresentar de tais maneiras:  Eólica  Pluvial  Fluvial  Gravitacional  Marinha  Antrópica
  13. 13. Erosão Eólica  É um tipo de erosão causada pelo vento, com a retirada de material da superfície mais fino.
  14. 14. Erosão Pluvial  É provocada pela retirada de material da parte superficial do solo pelas águas da chuva. Vila Velha - ES
  15. 15. Convento da Penha, Vila Velha - ES
  16. 16. Erosão Fluvial  É provocada pelas águas dos rios que provoca desgaste nas encostas dos rios e removem porções do solo e rochas. Colatina – ES
  17. 17. Erosão Gravitacional  É provocada pela força da gravidade, quando solos e rochas se encontram desestabilizados por outros agentes, seja pela força da natureza ou pela ação humana.
  18. 18. Colatina – ES
  19. 19. Erosão Marinha  É provocada pelo movimento das ondas do mar. Conceição da Barra – ES
  20. 20. Marataízes - ES
  21. 21. Erosão Antrópica  É o aceleramento da erosão nas camadas superiores do solo em conseqüência de desflorestamentos, construção de estradas etc.
  22. 22. Tectonismo ou Diastrofismo  É um termo geral relativo a todos os movimentos da crosta terrestre com origem em processos tectônicos. Incluem-se a formação de bacias oceânicas, continentes, planaltos e cordilheiras.
  23. 23. IMPORTANTE!!!  A AÇÃO DESTES AGENTES MODELADORES RESULTAM NO SURGIMENTO DAS FORMAS QUE COMPÕE O RELEVO. VEJAMOS ALGUMAS ENCONTRADAS NO ESPÍRITO SANTO:
  24. 24. ALGUMAS “FORMAS” ENCONTRADAS NO ESPÍRITO SANTO
  25. 25. PLANALTO: Pico da Bandeira, o Ponto mais alto do Espírito Santo. O Pico está localizado no Parque Nacional do Caparaó, na Serra do Caparaó, na divisa entre os municípios de Ibitirama, Espírito Santo, e Alto Caparaó, Minas Gerais. Mestre Álvaro, da região metropolitana o mais alto . Serra - ES planaltos de plataforma - quando estes se encontram rodeados de montanhas; planaltos de terra - encontram-se num nível de transição entre uma montanha e uma planície; planaltos continentais - ascendem abruptamente de terrenos pouco elevados ou do próprio mar.
  26. 26. Planície Litorânea Vista do Mirante do Oeste do Moxuara Vila Velha – ES. (meados de 1950)
  27. 27. Depressão Pontões capixaba, Localizado nos municípios de Pancas e Águia Branca -ES
  28. 28. • Morro – Também chamado de cerro (às vezes escrito serro) é um constituído por pequena elevação de terreno com declive suave. (também conhecido como colina); Morro do Moreno. Vila Velha -ES
  29. 29. • Vale – São fundos de depressões alongada entre duas montanhas ou colinas. Vale do Canaã. Santa Tereza-ES Foto: Josimar Nunes / 2011
  30. 30. Foto: Josimar Nunes / 2011 Tabuleiro: 100 a 200 metros Planície: 0 à 100 metros Planalto: Acima de 300 metros Vista do Observatório Astrônomico da UFES
  31. 31. ATIVIDADE:  Na opinião de vocês, qual o motivo dos alagamentos em Vila Velha?  Por que Cariacica sofre tanto com constantes movimentos de massa durante os períodos de chuva?  Você sofre algum tipo de transtorno durante os períodos de chuva?  Se pensarmos que o relevo é dinâmico, podemos concluir que também a paisagem está em constante modificação?
  32. 32. BIBLIOGRAFIA  LIVRO DIDÁTICO BASE: ALBUQUERQUE, Maria Adailza Martins de; BIGOTTO, José Francisco; VITIELLO, Márcio Abondanza. Geografia Sociedade e Cotidiano. 2.ed. SP: Escala Educacional. 2010. DEMAIS FONTES CONSULTADAS:  MORAES, Paulo Roberto. Geografia Geral e do Brasil. 3. ed. São Paulo: HARBRA, 2006.  PRESS, Frank. Para entender a Terra. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.  TRICART, J,ROCHEFORT, M. e RIMBERT, S. Initiation aux travaux pratiques de geographie-commertaires decartes. SEDES, 4° ed, 1968, PP 54-61. Tradução: Marília Barros de Aguiar- UNESP-Presidente Prudente..

×