JOSEVALDO JESUS DOS SANTOS RIOSA VOZ DO BRASIL:A SUA PERMANÊNCIA E OBRIGATORIEDADEEM UM PAÍS DEMOCRÁTICOArtigo científico ...
RESUMORIOS.J.J.S. A Voz do Brasil: a sua permanência e obrigatoriedade em um paísdemocrático. Franca, 2012. 12. Artigo Cie...
ABSTRACTRIOS.J.J.S. The Voice of Brazil: its permanence and obligation in a democratic country.Franca, 2012. 12. Scientifi...
INTRODUÇÃOA Voz do Brasil é fruto de um governo autoritário, de uma fase que tirou osdireitos dos cidadãos, reprimiu, mani...
A VOZ DO BRASIL: SUA PERMANÊNCIA E OBRIGATORIEDADEEM UM PAÍS DEMOCRÁTICOUsar a Teoria Hipodêmica para tentar explicar a ma...
¹³³Segundo a Teoria Hipodérmica, a mídia injeta informações no individuo semque ele tenha o direito de rejeitá-la. Esta te...
práticas sociais da maioria da população. Ao seu entender, o medo que a minoria tem deexpressar os seus pensamentos, sejam...
Para o professor Felipe Pena de Oliveira, Doutor em literatura pela PUC-Rio,com pós-doutorado na Universidade de Paris Sor...
Globo de Televisão), da região de Ribeirão Preto (SP). Conforme eram divulgados osresultados da pesquisa, essas pessoas mu...
RAÍZES E NASCIMENTO DA VOZ DO BRASILO programa radiofônico a Voz do Brasil, nasceu centenas de anos, após ainvenção da pri...
o congresso Nacional, destituiu os governadores dos Estados, substituiu-os porinterventores, extinguiu as bandeiras, hinos...
lhas, jornais e revistas com pautas totalmente nacionalistas. A Rádio Nacional, o jornalA Manhã e A Noite, foram encampado...
As práticas de Getulio Vargas, mesmo com gêneros nacionalistas, reprimirampor meio de censuras, os efeitos e mudanças de g...
declarações e mostras de trabalho, foi alterado pelo pintor Di Cavalcanti, ao conhecer orico, culto, de formação européia,...
características naturais do povo brasileiro, combatendo com a linguagem formal eaburguesada, dos europeus e a linguagem re...
1985, todos os meios de comunicação tiveram seus direitos de Liberdade de Expressão,de acordo com Constituição de 1988, ex...
dividida em duas partes: metade do Poder Executivo e a outra do Judiciário, quandoentrou em vigor o Código Brasileiro de C...
CONCLUSÃOO programa radiofônico a Voz do Brasil, criticado pelos Estados maisdesenvolvidos e cidades onde outros meios de ...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASBIBLIOGRAFIAS CITADAS:ARRUDA, José Jobson de A. & PILETTI, Nelson. “Toda a História: História Ge...
MATOS, Clarence José, NUNES, César A. História do Brasil. Ed.Nova Cultura. São Paulo,1994.TUFANO, Douglas. Estudos de Lite...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Voz do Brasil e sua obrigatoreidade em um país democrático

595 visualizações

Publicada em

O programa radiofônico a Voz do Brasil, criticado pelos Estados mais desenvolvidos e cidades onde outros meios de comunicação se fazem presente, e ao mesmo tempo apoiado pelas Regiões onde meios modernos ainda não são favoráveis a todas as classes sociais e culturais, tende a permanecer, mesmo que aconteça ajustes no horário de transmissão.
Fica a pergunta que não foi possível transpor neste artigo científico, mas de forma hipotética pode-se perceber que o Governo, não abre mão do programa de maior transmissão do país, e agora também sendo transmitido pela internet a outras partes do Mundo, para transpor os seus discursos: Verídicos ou Não Verídicos. Mostrar ainda as suas propostas e projetos que venham a ser legitimados pelos Cidadãos, e que possívelmente servirá como meio de propaganda política nas próximas eleições.
Mesmo que a população tenha o livre arbítrio de ligar ou desligar o rádio as 19 horas para ficar atentos aos seus atos e de toda a cúpula Federal, em uma Constituição Democrática não pode ser obrigatório um programa, fruto de censura contra a expressão humana, na fase de seu nascimento.

Publicada em: Educação, Turismo, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
595
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
106
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Voz do Brasil e sua obrigatoreidade em um país democrático

  1. 1. JOSEVALDO JESUS DOS SANTOS RIOSA VOZ DO BRASIL:A SUA PERMANÊNCIA E OBRIGATORIEDADEEM UM PAÍS DEMOCRÁTICOArtigo científico sobre o programaradiofônico a Voz do Brasil, para aobtenção de nota parcial do quartobimestre, da disciplina “Pesquisa emComunicação”.Profº William V.M. TristãoFRANCA2012
  2. 2. RESUMORIOS.J.J.S. A Voz do Brasil: a sua permanência e obrigatoriedade em um paísdemocrático. Franca, 2012. 12. Artigo Científico (Graduação de Comunicação Social-Jornalismo).Buscar informações relacionadas ao sistema radiofônico brasileiro, retratar fatos,conceitos e conteúdos que possam esclarecer e responder o principal objetivo destetrabalho. Para esclarecer a razão do Objeto é preciso usufruir dos diferentes dados,sejam sócio-culturais, sócio- econômicos e sócio-políticos. Além de uma análiseaprofundada do sistema radiofônico brasileiro, focando também, nas concessões dasemissoras Estatais, que se beneficiam de inúmeras emendas constitucionais, como aisenção de impostos por se tratarem de emissoras ligadas ao Ministério da Cultura.Tentar responder o porquê da permanência do programa radiofônico a Voz do Brasil, jáque a Constituição Brasileira (1988) tenha passado por transformações após O EstadoNovo (1937 a 1945) e a Ditadura Militar (1964 a 1985). O porquê de um paísdemocrático, conter um programa obrigatório, um programa de rádio inexistente emoutras nações seja ligado ao Capitalismo ou a Socialismo, como Cuba por exemplo.Palavras-chave: Voz do Brasil, Estado Novo, Getulio Vargas, DIP, Censura.
  3. 3. ABSTRACTRIOS.J.J.S. The Voice of Brazil: its permanence and obligation in a democratic country.Franca, 2012. 12. Scientific Article (Undergraduate Social Communication-Journalism).Search for information related to Brazilian radio system, portray facts, concepts andcontent that can clarify and answer the main objective of this work. To clarify thereason for the object you need to enjoy the different data, are socio-cultural, socio-economic and socio-political. In addition to a thorough analysis of the Brazilian radiosystem, focusing also on the concessions of the State broadcasters, who benefit fromnumerous constitutional amendments, such as tax breaks, because they are linked tobroadcasters Ministry of Culture. Attempting to answer why the permanence of theradio program Voice of Brazil, as Brazilian Constitution has undergone transformationsafter The New State (1937 to 1945) and the Military Dictatorship (1964-1985). Why ademocratic country, contain a mandatory program, a radio show, unknown in othernations is bound to Capitalism or Socialism, like Cuba for example.Keywords: Voice of Brazil, Estado Novo, Getulio Vargas, DIP, Censorship.
  4. 4. INTRODUÇÃOA Voz do Brasil é fruto de um governo autoritário, de uma fase que tirou osdireitos dos cidadãos, reprimiu, manipulou, censurou a liberdade de expressão dapopulação, que viveu naquela época subordinada a uma Ditadura Militar. Essapopulação contribuiu para desenvolvimento da industrialização, que gerou acúmulo deriqueza e crescimentos em diferentes meios. Existem hoje diferentes meios decomunicação, e de informações relacionadas à política e ao governo, assuntos políticosque se tornaram pelos próprios veículos, essenciais a sociedade, e que são divulgados,sem precisarem de uma lei obrigatória. Ao mesmo tempo em que a Voz do Brasil, éinsignificante para parte da população, deve-se lembrar de sua importância para milhõesde brasileiros, que ainda não tem meios de comunicação áudios-visuais, como atelevisão e a internet, e que precisam de informações relacionadas a lugares distantesdos quais habitam, propostas políticas, econômicas, direitos sociais, entre outras,divulgadas neste programa, de segunda a sexta-feira, das 19:00 às 20 h, de Brasília.Assim como a outra parte da população e as emissoras que são obrigadas hádisponibilizarem uma hora para atuação do Poder executivo, Judiciário, legislativo e daunião de contas da União.
  5. 5. A VOZ DO BRASIL: SUA PERMANÊNCIA E OBRIGATORIEDADEEM UM PAÍS DEMOCRÁTICOUsar a Teoria Hipodêmica para tentar explicar a maneira na qual as informaçõeschegam aos brasileiros de Estados e cidades mais desenvolvidas, seria uma formaatrasada e mentirosa. Ao mesmo tempo fica a interrogação ao se tratar daqueles deregiões subdesenvolvidas do Brasil, como a Norte e Nordeste. Esta e essa queapresentam índices consideráveis de precariedades e miséria, ao se tratar dedesenvolvimento humano, como: saúde, educação (Maralhão-MA), esporte, saneamentobásico e comunicação.Moradores do sertão nordestino além de serem castigados pela seca ainda sofremcom as distâncias dos veículos de comunicação, como a TV, esta que vêm sedesenvolvendo a cada dia, através das eficientes tecnologias deste século (XXI) e que éo sonho de consumo para vários moradores sertanejos, por fatores econômicos e pelafalta de redes de transmissão. Este é também o sonho de consumo de muitos nortistas,principalmente aqueles do interior da Amazônia, que pela preservação ambiental dafauna e da flora, as dificuldades de instalações de energia elétrica, redes detransmissões, a falta investimentos governamentais, atrapalham a sua instalação noslares dessas pessoas. Muitas destas, nem são reconhecidas como pessoas físicas, por nãoterem registro de nascimento nacional. Se a TV ainda é sonho de consumo para milhõesde pessoas, a Internet terá uma inserção tardia. Restando assim, o radio que aindaprevalece nos seus lares, por terem um custo mais acessível, de fácil sintonização eportátil.O rádio sendo o único meio de comunicação para aqueles lugares, as pessoas otem como a porta voz dos acontecimentos do país e do mundo, recebem informaçõesquem possivelmente são aceitas sem desconfiança, já que os emissores ao divulgarinformações devem ter um postura séria, respeitando os padrões exigidos pelo rádio,para que assim consiga persuadir o receptor e fazer com que ele legitima as mensagensenviadas. Isso acontece, mais pelas emissoras de rádio AM, onde o receptor tem ointeresse de ouvir o locutor e o locutor tem o interesse de ser ouvido, à FM que além denão ser de fácil conexão, o ouvinte tem o interesse de ouvir músicas.
  6. 6. ¹³³Segundo a Teoria Hipodérmica, a mídia injeta informações no individuo semque ele tenha o direito de rejeitá-la. Esta teoria partiu de grupos de pesquisadoresamericanos em 1930, financiados pelas forças armadas e pelos meios de comunicação,no período entre guerras e durante a Segunda Guerra Mundial, foi motivada pelo seualto poder de dominação da comunicação de massa diante das informações. O rádio naépoca era o meio mais fácil das informações chegarem a um grande número de pessoas.Como citação, Adolf Hitler, da Alemanha, abusou deste veículo para persuadir osalemães, a buscar um novo estilo de vida e reconstrução do país, defasado na PrimeiraGuerra Mundial. Conseguiu implantar o Nazismo, fortalecê-lo e enraizá-lo na nação,com a ajuda dos meios de comunicação. A teoria Hipodérmica tinha como virtudecompreender as influências da comunicação nos atos das pessoas, para assim, pensar emcondições favoráveis para exercer influências sobre a população. Ela foi o começo degrandes estudos e descobertas relacionadas à Teoria da Comunicação, mesmo derrubadapor teorias mais aprofundadas e contraditórias a sua linha de pensamentos.A Teoria da Espiral do SilêncioUsar a Hipodérmica para este objeto de pesquisa não pode ser relevante, porquea intenção é analisar o seu efeito em toda a nação brasileira, mas vale lembrar que foi oalicerce para se chegar a Teoria da Espiral do Silêncio, desenvolvida durante a década60, na Alemanha, durante períodos eleitorais, pela socióloga e cientista política, alemãElisabeth Noelle Neuman em pesquisas sobre os efeitos dos meios de Comunicação deMassa . Sua teoria foi exposta em 1972, no 20º Congresso Internacional de Psicologia,em Tóquio, onde vários intelectuais marcaram presença, levando papers, artigos, alémde debates e diversas mesas de diálogos.Sua Teoria só foi publicada 12 anos mais tarde (1984), com o livro: Teoria daEspiral do Silêncio naquele país. Nilman tenta entender o tanto que a sociedade ésilenciada diariamente por se sujeitarem aos hábitos, pensamentos, imaginação e pelas___________________¹³³WOLF, Mauro. Teoria da comunicação. Teoria da Comunicação de massa . traduçãoKarina Jannini. 2ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
  7. 7. práticas sociais da maioria da população. Ao seu entender, o medo que a minoria tem deexpressar os seus pensamentos, sejam de exclusão, solidão e total isolamento, viram-seuma espécie de espiral de silêncio.¹“O resultado é um processo em espiral que incita osindivíduos a perceber as mudanças de opinião e a segui-las atéque uma opinião se estabelece como atitude prevalecente,enquanto as outras opiniões são rejeitadas ou evitadas portodos, à exceção dos duros de espírito. Propus o termo espiraldo silêncio para descrever este mecanismo psicológico”.¹A cientista adotou três mecanismo condicionantes que juntos influenciam amídia sobre o público, que não chega a ser tão absoluta como na teoria hipodérmica,mas é decisiva para consolidar os valores da classe dominante e formar a percepção darealidade: Acumulação: excesso de exposição de determinados temas na mídia,Consonância: forma semelhante como as notícias são produzidas e veiculadas;Ubiqüidade: presença da mídia em todos os lugares.COELHO, Vânia. A opinião pública e o medo da solidão. Blog Comunicação e literatura. Disponível em:http://literacomunicq.blogspot.com.br/2010/04/teoria-da-espiral-do-silencio_22.html. Acesso em09/12/2012.
  8. 8. Para o professor Felipe Pena de Oliveira, Doutor em literatura pela PUC-Rio,com pós-doutorado na Universidade de Paris Sorbonne-III, no período de eleição ³“Oscandidatos que estão à frente tendem a receber mais votos, pois a maioria entende quese ele está à frente é porque deve ter preferência da maioria e, portanto, deve ser bom emerece ser eleito” discorre ainda sobre a convivência em bairros “muitas vezes, osindivíduos não se manifestam com reclamações com medo do isolamento”. Esteexemplo retrata o que a Espiral Silêncio, busca explicar.Os meios de comunicação desde daquela época (1960) já tinham auto-poder demanipulação, principalmente a Massa. A maior diferença com a mídia de hoje são osveículos por onde circulam as informações (Antes o rádio, depois a TV, a internet epredominou a TV).As palavras de Felipe Pena podem ser vistas de formas simbólicas e concretasem anos eleitorais no Brasil. A maioria das pessoas (Massa), são bombardeadas porpesquisas dos votos dos candidatos, divulgados pela mídia (Datafolha), desde osgrandes veículos de comunicação a aqueles pequenos, que divulgam no mesmo, asinformações dos maiores. Os resultados das pesquisas que conseguem ser legitimadospela maioria da população, ainda são dos programas televisíveis, que são distribuídospara os demais.Ações e conversas, de moradores, de bairros subdesenvolvidos: favelas,periferias, no campo, onde apresenta um índice de escolaridade arretardatário,saneamento básico em decadência, e visual panorâmico, arquitetônico e urbanísticodefasados. Com sistema de saúde insuficiente para atender a população. Onde os meiosculturais surgem em função do modo de vida, sem acesso a teatro, cinema, palestras,convenções, que auxiliem no crescimento físico e principalmente intelectual dapopulação, dar-se para notar a alienação do individuo na escolha do voto. No Bairroperiférico Jardim Aeroporto III, na cidade de Franca (SP), o morador Josevaldo Rios,estudante de Jornalismo da Universidade Unifran e de autoria desde artigo ciêntifico,declara fatos vistos e que levou-o a discussões com alguns moradores com os quaistinha afinidade “ Na eleição municipal 2012, houve um disputa serrada entre os trêscandidatos para prefeito: Alexandre Ferreira (PSDB), ex-secretário da saúde, queganhou com 94,45 %. Graciela Ambrósio (PP), vereadora e delegada, que perdeu nosegundo turno 70,26% e Marco Aurélio Ubiali (PSB), doutor e deputado federal, perdeuno primeiro turno 15,49%. Via colegas argumentarem que votariam em quem estava nafrente de acordo com as pesquisas divulgadas pelos jornais da EPTV ( afilial da Rede
  9. 9. Globo de Televisão), da região de Ribeirão Preto (SP). Conforme eram divulgados osresultados da pesquisa, essas pessoas mudavam seus voto. Há uma casa neste bairro,onde, de tradição havia o chamado Café de Quinta, onde nos reuníamos para jogarconversa fora e tratar de assuntos de vários gêneros, entre eles políticos. Quando oassunto era deste, a discussão rendia muito, minha raiva ao ver o tanto que elesdeixavam ser manipulados pela mídia, pela posição do candidato que estava na frente,sem analisarem os debates, as propostas e suas obras realizadas durante seus mandatos.Posso dizer, que a minha visão estratégica ao escolher o meu candidato era diferente dosdemais colegas, com isso me via excluído daquele mundo, do mundo dos meuscolegas”, articulou ainda “justificando o segundo exemplo do autor, sempre fui vistocomo o corajoso, na escola, em minha casa, no trabalho, em palestras, alem de tercoragem, porém, de corrigir algumas frases e contra-posições em stand up. Nesseslugares os quais estava inserido, muitos tinham visões diferentes dos fatos, mas sefechavam, pela opinião da maioria, muitos me viam como louco, burro, retardado, maleducado outros como inteligente, esperto e benemérito de minhas palavras. A secretáriada Agricultura do Estado de São Paulo, jamais se esquecerá do meu nome “Jesus”,(segundo nome); participava da 19º Feira Internacional da Tecnologia Agrícola emAção (AGRISHOW), a maior do Mundo, em Ribeirão Preto (SP), financiada pelaAssociação Brasileira do Agronegócio da Região de Ribeirão Preto (ABAGRP),criadora do Prêmio ABAG/RP de Jornalismo José Hamilton Ribeiro, quando asecretária falou publicamente, que “os preços dos alimentos são baratos”, meu celebrodespertou na hora, e também me manifestei, discutindo com a mesma, diante decentenas de alunos de jornalismo de Universidades Federais e particulares. Três mesesdepois, nos encontramos em outra palestra, em Campinas (SP), durante a suaapresentação ela tocou naquele assunto, e perguntou “cadê o Jesus?”, “continuamos adiscutição e a conversa foi finalizada neste dia”. Para o desenvolvimento desde artigo ATeoria Espiral do Silêncio, servirá como “uma das peças do quebra cabeça”.__________________________COELHO, Vânia. A opinião pública e o medo da solidão. Blog Comunicação e literatura.Disponível em: http://literacomunicq.blogspot.com.br/2010/04/teoria-da-espiral-do-silencio_22.html. Acesso em 09/12/2012.¹NOELLE-NEUMAN, E. La Espiral do Silencio: opinião pública. Barcelona: Paidós, 1995.² PENA, Felipe. Teoria do Jornalismo. São Paulo: Contexto, 2006.
  10. 10. RAÍZES E NASCIMENTO DA VOZ DO BRASILO programa radiofônico a Voz do Brasil, nasceu centenas de anos, após ainvenção da primeira estação de rádio do mundo, inaugurada no dia 24 de dezembro de1906, em Massachhusets, nos Estados Unidos, com o uso de um arame rudimentaresticado sobre uma torre, pelo canadense Reginald Fessenden. No primeiro programafoi transmitida uma seleção de musicas, seguidas de leitura de um poema, junto comuma mensagem: Merry Christmas (Feliz Natal), que atingiu varias cabines deradiotelegrafia num raio de centenas de quilômetros. Além de navios em auto mar.Em 1922 na Exposição do Centenário da Independência, no Castelo, centro daCapital Federal da época, o Rio de Janeiro (RJ), um grupo de empresário americanodemonstraram a montagem e o funcionamento de uma emissora radiofônica. No dia 7de Setembro daquele ano, em comemoração ao centenário da Independência do Brasil, oentão Presidente Epitácio da Silva Pessoa conseguiu discursar para uma grande massade pessoas que participavam dos eventos, por intermédio de um sistema de TelefoneAlto- Falante, montado na Praia vermelha, e de um transmissor instalado no alto doCorcovado pela Westinghouse Electric.No dia 20 de abril de 1923, foi fundada a primeira emissora brasileira, a RádioSociedade do Rio de Janeiro. No ano seguinte foi regulamentada a atual faixa de OndasMédias, entre 550 à 1550 KHz. Sete anos mais tarde os primeiros receptores com osnomes das estações no dial. Ainda neste mesmo ano são inauguradas mais duas rádios:Rádio Record e a América de São Paulo. Em 1933 é fundada a rádio que abre espaçopara o jornalismo, a Sociedade Rádio Educadora de Campinas. A partir de então váriasemissoras começam a surgir.Através do falso Plano Cohen, plano comunista para a tomada de poder. GetúlioVargas aplicou o Golpe de Estado, no dia 10 de novembro de 1937. Através daimprensa ele anunciou a descoberta do “Plano Cohen” e a formação do Estado Novo. Ocongresso foi fechado para a elaboração de uma nova Constituição, elaborada porFrancisco Campos. Com isso as eleições não foram realizadas, terminou o governoconstitucional e se iniciou o Estado Novo. A nova Constituição estabelecia um “Estadoautoritário” com absoluta concentração do poder à supressão da autonomia dos Estados-membros, o que dava ao Brasil uma característica de Estado Unitário. Vargas dissolveu
  11. 11. o congresso Nacional, destituiu os governadores dos Estados, substituiu-os porinterventores, extinguiu as bandeiras, hinos, armas e escudos estaduais. Proibiu asgreves e diminuiu a autonomia dos sindicatos, cujos estatutos passaram a depender deaprovação do Ministério do Trabalho. Preocupado com a segurança Nacional, tanto noplano interno quanto ao externo, pois a Segunda Guerra já estava preste a explodir,Getúlio modernizou as Forças Armadas e criou o Ministério da Aeronáutica.A política administrativa do Estado Novo pautou-se na criação de dois órgãos:Departamento administrativo do Serviço Público (DASP), institucionalizado em 1938,este serviu para ampliar os poderes de Getúlio, pois podia controlar toda aadministração pública, além de funcionar como órgão consultivo do Governo e de seusministros. E o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), em 1939, desustentação do regime, na medida em que elaborava e divulgava a propaganda oficial doGoverno, além de servir como órgão de censura. Funcionava como elementocontrolador de toda a imprensa, determinando o que podia ou não ser publicado. ¹²²ADIP era diretamente subordinada à Presidência da República, e não ao Ministério daJustiça, e tinha como principais funções “centralizar, coordenar, orientar e superintendera propaganda nacional, interna ou externa (...); fazer censura do Teatro, Cinema,funções recreativas e esportivas (...), da radiodifusão, da literatura (...) e da imprensa(...); promover, organizar, patrocinar ou auxiliar manifestações cívicas, (...) exposiçõesdemonstrativas das atividades do Governo”. Organismo onipresente procurava penetrarpor todos os poros da sociedade, construindo uma ideologia que começava com ascartilhas para crianças e terminava nos “Jornais Nacionais”, filmes informativos deprojeção obrigatória em todos os cinemas.Foram criados também, os Departamentos Estaduais de Imprensa ePropaganda (DEIP), em vários Estados Brasileiros, sendo o de São Paulo um dos maiseficientes, sob direção de Cassiano Ricardo. A DIP em nível nacional organizava o“registro” de todos os jornalistas, controladamente. Tinha ainda um Serviço dedivulgação, que distribuía propaganda do Governo, a Agência Nacional, distribuidorade notícias e o Conselho Nacional de Imprensa (CNI), do qual fazia parte LorivalFontes e o fundador da Rede Globo, Roberto Marinho.Para exaltar o Presidente Vargas e hierarcas do regime, foram criados livros, carti_____________________¹²²CULTURA, Abril. Nosso Século: 1930/1945, A Era de Vargas. Estado Novo, Cap.8.P 193.São Paulo,1980.
  12. 12. lhas, jornais e revistas com pautas totalmente nacionalistas. A Rádio Nacional, o jornalA Manhã e A Noite, foram encampados no começo, nos dois primeiros anos da décadade 1940. Assim como o jornal O Estado de São Paulo, que sofreu interferência. Suadiretoria foi desfragmentada, e passou a ser dirigido pela cúpula política, tendo comochefe Abner Mourão. A porcentagem maior das pautas jornalísticas (60%), eramfornecida pela DIP, através da Agência Nacional, os outros 40% eram rigídamentevigiados. O jornal paulista Folha Dobrada (1939), que teve a sua primeira ediçãoapreendida pelos militares, e a Resistência (1944), foram desafiadores da época, contrao regime autoritário. Escritores os quais favoreciam a ditadura tinham oportunidades depublicar suas obras em veículos criados e protegidos pela DIP.Em 1940, mais de 373 letras de músicas foram vetadas. O samba de AtaulfoAlves e Wilson Batista “O Bonde de São Januário”, foi considerado como exaltador damalandragem, foi proibido de ser publicado. A escola de samba Vizinha faladeira (RJ)foi desclassificada por escolher um tema “internacional” da Branca de Neve. Todos osmeios culturais tinham que haver “o puro gênero nacionalista e patriótico”, exaltesser oregime (Vargas): os préstitos carnavalescos, os ranchos, blocos e escolas de samba.Cerca de 774 escolas particulares de São Paulo, Espírito Santo e do Sul do país,foram fechadas e substituídas por mais de 885 escolas pública instaladas nos mesmoslocais. Os livros foram substituídos, pela Comissão Nacional do Livro, os novos nãopoderiam conter “pessimismo ou dúvida quanto ao poder futuro da raça brasileira”. Aeducação física e o ensino cívico nas escolas de níveis primário, secundários e normaistornaram-se obrigatórios, para isso foi criada em abril de 1939, a Escola de EducaçãoFísica da Universidade do Brasil (RJ), para formação dos professores, adotando omodelo da Escola de Educação Física do Exército. O canto orfeônico também passou aser obrigatório nas escolas, com as criações de corais, para se apresentarem nas datascívicas: Semana da Pátria, Independência do país, aniversário de Getúlio Vargas, Diada Bandeira, do Soldado, da Juventude, da Raça, do Trabalho entre outros, composto dedesfiles, existentes até hoje em cidades, como Guariba, região de Ribeirão Preto (SP),coreografias que exaltavam o Estado Novo.______________________CULTURA, Abril. Nosso Século: 1930/1945, A Era de Vargas. Estado Novo, Cap.8. Pgs 193,194, 197, 198,199. São Paulo, 1980.
  13. 13. As práticas de Getulio Vargas, mesmo com gêneros nacionalistas, reprimirampor meio de censuras, os efeitos e mudanças de grandes obras brasileiras, que antes daSemana de Arte Moderna, esta que cravou o começo do Modernismo brasileiro,quebrando as estruturas do passado, o Parnasianismo e o Simbolismo, a métrica eformalismo, buscando as verdadeiras características de um país novo, que escondia assuas raízes e pulverizava a européia.Nas duas primeiras décadas do século XX, o Brasil foi alvo de grandestransformações e descobertas culturais, que propiciaram ao social uma continuação edescoberta de seus valores, através de conhecimentos exportados de continentespróximos, distantes e da sua própria nação: em 1914 foi inaugurado o movimentoneocolonial, pelo arquiteto Ricardo Severo, com a intenção de predominar um gênerobrasileiro, com base nas características arquitetônicas das obras do período colonial. Nacategoria artes plásticas, houve a exposição do lituano Lasar Segal, em São Paulo(1913), suas obras eram traçadas de cores tropicais a partir de seu contato as realidadesdo país, e de tendência expressionista. Ainda nesta categoria, cidade e tendência, AnitaMalfatti (1917), expõe os quadros O Japonês e O Homem Amarelo, estes violentamentecriticados, principalmente por Monteiro Lobato no texto Paranóia ou Mistificação.Considerado o período da belle époque do cinema (1902 a 1912), surgiu no Rio deJaneiro um centro de produção de histórias policiais, comerciais e filmes com atoresinterpretando por traz da tela, exibidos em várias salas, da Capital Federal e de SãoPaulo. Nasce em 1911, à fotojornalismo, sua filiação vem do primeiro fotografo oficialda prefeitura da Cidade Maravilhosa, Augusto Malta, ao registrar cenas do Carnavalcarioca. A França foi à escola de grandes gênios da música erudita: Brasílio Itiberê,Luciano Gallet e Alberto Nepomuceno, estes despertavam o nacionalismo com temas dofolclore brasileiro. Em 1917 é dado o começo da profissionalização da música popular eo nascimento oficial do Samba, depois de registrado por Donga (Ernesto dos Santos) osamba carnavalesco Pelo Telefone, com características mais voltadas para o maxixe e aestréia da primeira gravação de Pixinguinha. Os modelos parnasianos e simbolistas daLiteratura estavam corroídos, e com tendências pré-modernistas, que surgiram em 1922.O que deveria ser apena uma pequena exposição de arte moderna na livraria eeditora O Livro, onde de costume servia para os modernistas reunir-se para palestras,
  14. 14. declarações e mostras de trabalho, foi alterado pelo pintor Di Cavalcanti, ao conhecer orico, culto, de formação européia, de bom gosto artístico, Paulo Prado, através de GraçaAranha. “Eu sugeri a Paulo Prado a nossa semana, que seria uma semana de escândalosliterários e artísticos, de meter os estribos na barriga da burguesiazinha paulistana”(Viagem na minha vida (memórias). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1995. p.115.). A partir desta conversa o projeto se concretizou, ampliou-se e ganhou força coma associação de nomes de destaques da sociedade paulistana, que resolveram prestigiaro evento, despertando assim o interesse da imprensa na sua divulgação. O local doevento foi substituído pelo Teatro Municipal de São Paulo, o então prendado eapreciado na época pela a aristocracia. Assim como hoje, camarotes eram postos asvendas além de publicidades. A Semana de Arte Moderna teve inicio no dia 13 defevereiro, prosseguiu no dia 15 e finalizou dia 17. Dela participaram artistas de SãoPaulo e do Rio de Janeiro, que são reconhecidos no século XXI como os grandes nomesda literatura, pintura, música e outros gêneros, que tiveram a intenção de modernizar emostrar em suas obras a verdadeira cara do Brasil e do mundo, libertando-se em váriosrumos e setores; vocabulário, sintaxe e escolhas dos temas, como: Di Cavalcante, AnitaMalfatti, Vicente Rego Monteiro, Victor Brecheret, Graça Aranha (abriu a Semana coma palestra “Emoção estética na obra de arte”), Villa-Lobos, Guiomar Novaes, Ronaldode Carvalho, Menotti del Picchia, Manoel Bandeira, Mario de Andrade e o entãoOswaldo de Andrade fundador do movimento Pau-Brasil, em 1924.Poesia original, de humor e ironia, de linguagem coloquial, abusador da línguaportuguesa, repudiou o purismo e artificialismo, buscou em suas obras um nacionalismoque busca as origens, sem perder a visão crítica da realidade brasileira, a valorização dofalar cotidiano e ao mesmo tempo buscando a finalidade da língua brasileira:Vício na FalaPara dizerem milho dizem mioPara melhor dizem mioPara pior pioPara telha dizem teiaPara telhado dizem teiadoE vão fazendo telhadosEste poema de Oswaldo de Andrade demonstra o fato dos brasileiros falarem deforma “errada” (teia, teiado), mas que na pratica, fazem o telhado corretamente. Omovimento do Pau-Brasil surgiu com a intenção de propor uma literatura com as
  15. 15. características naturais do povo brasileiro, combatendo com a linguagem formal eaburguesada, dos europeus e a linguagem retórica e vazia, exaltando o progressonacional e os acontecimentos da época.“Contra o gabinetismo, a prática culta da vida.Engenheiros em vez de jurisconsultos, perdidosCom chineses na genealogia das ideias. A línguaSem arcaísmo, sem erudição. Natural e neológica.”Ao mesmo tempo em que os artistas brasileiros tentam se distanciarem dosmodos artísticos europeus, eles buscam inspirações de mudanças nos vanguardasdaquele continente, naqueles grupos de movimentos artísticos inovadores, já que amaioria dos artistas do Brasil tinha visitado e principalmente estudado no centro culturaldo mundo da época. Oswaldo de Andrade foi um desses, que em sua segunda viagem aeste lugar, absorveu inspirações, junto com a pintora Tarsila do Amaral, com quemtinha um romance amoroso na época, para expor o Movimento Pau-brasil, este queexaltava o primitivismo. A maneira de expor suas ideias, foi através da publicação dolivro escrito por ele e ilustrado pela pintora, Pau-brasil, a linguagem deste, são as queforam citadas a partir do quarto parágrafo, mas que só foi possível através dosmanifestos ocorridos no começo do século, em que todos os artistas buscavam dealguma forma as características e uma definição própria de brasilidade, com base nastransformações socioeconômica, sócio-política e sócio-cultural de um país quedespertava. Deste movimento, o dos mesmos representantes nasceu o Antropófago.A arte, arquitetura, as composições das músicas, o teatro, o filme, a dança, todosos meios culturais brasileiro ficaram subordinado as ordem do Governo durante dezanos, durante o Estado Novo. Principalmente a imprensa brasileira, que perdera a sualiberdade de expressão por uma censura sangrenta. Em 1945, o então empresário, AssisChateaubriand começou a enobrecer o seu império dos Diários Associados, que desde1921 quando conquistou O Jornal, no Rio de Janeiro, o Diário da Noite (1924,SP), arevista O Cruzeiro (1928, RJ) entre vários veículos de comunicação, rádio difusão etelevisivo.Após o Estado Novo, nome este inspirado na ditadura de Antônio de OliveiraSalazar, de Portugal (29 de Outubro de 1945, quando Getúlio foi deposto pelas ForçasArmadas), e mais a frente à Ditadura Militar de 31 de Março de 1964 a 15 de janeiro de
  16. 16. 1985, todos os meios de comunicação tiveram seus direitos de Liberdade de Expressão,de acordo com Constituição de 1988, exceto o programa do Poder Executivo (Governo),a Voz do Brasil (1971, mudado pelo então Presidente da época Médici), antes chamadode Hora do Brasil, apresentada desde 1934, das 19:00 às 20h, no mesmo horário atual.Este criticado e com vários processos movidos por pequenas e principalmente pelasgrandes emissoras de rádio como por exemplo a Rádio Tupi (RJ) . Os donos dessasemissoras se contrariam, porque o mesmo ocupa o horário nobre do rádio, o qualmilhares de pessoas, principalmente nas cidades mais desenvolvidas, como São Paulo,Rio de Janeiro, Belo Horizonte, entre outras, estão no transito, após o expediente. Issogera prejuízos, declínio em publicidade e audiência, daqueles que o apelidou desde aEra Vargas, como o “Fala-Sozinho”, e que consegue manipular centenas de pessoasusando de sua crítica, dai o motivo de ser usada a Teoria a Espiral do Silêncio; oprograma mesmo com as mudanças ocorridas em sua programação, não conseguepersuadir milhares de ouvintes. Estes são maioria de Estados e cidades maisdesenvolvidos, onde o rádio nas maiorias das vezes é substituído por outros meios decomunicação (TV, Internet, MPs). Nesses lugares, muitas pessoas “nunca” sepropuseram para ouvir a Voz do Brasil com atenção, por ser considerada um programa“chato, do Governo, de áudio ruim, antiquário...”, essas pessoas são manipuladas poroutras, (pela Massa), e se acaso ousar a ouvir a programação são criticados, debochadose até mesmo excluídos de: alguns grupos, de casa, do trabalho e até mesmo em escolas,escolas profissionalizantes e Universidades “Em 2009, em Franca-SP, escolhemoscomo tema a Voz do Brasil, para fazer um trabalho para a obtenção de nota deconclusão da matéria de Teoria da Comunicação, no curso de Radialismo, setorlocução, da escola profissionalizante SENAC. Durante a apresentação todos osmembros da sala (13) criticaram ou omitiram o programa” ( Radialista JosevaldoRios).O programa a Voz do Brasil entrou para o livro dos recordes Guiness Book,como o programa de rádio mais antigo do Brasil. Em 1995 foi dividido em quatropartes: 25 minutos para a produção da EBC Serviços, com notícias do poder executivo,5 min. do Poder Judiciário, da Rádio Justiça, 10 min. do Poder Legislativo, da RádioSenado e 20 min. Câmara Federal, também do Poder Legislativo. Esses cederam umminuto para a União de contas da união, o Minuto do TCU, que vai ao ar três vezes porsemana, após o Poder Executivo ou às notícias da Câmera. Antes desta programação era
  17. 17. dividida em duas partes: metade do Poder Executivo e a outra do Judiciário, quandoentrou em vigor o Código Brasileiro de Comunicação, em 1972.A frase que dava início ao programa foi substituída “Em Brasília, dezenovehoras” para “Sete da noite em Brasília”. O tema de abertura O Guarani de CalosGomes, foi substituído por um arranjo do Olodum, em samba, capoeira entre outros. Foiquebrada aquela linguagem rígida em formalidade.A Voz do Brasil tende há modernizar cada vez mais a sua programação, já queno dia 1 de Agosto de 2012, a EBC Serviço modernizou o seu estúdio, com os maismodernos equipamentos digitais (microfones), produzidos pelo grupo de engenharia daEBC, passando a ser transmitido os primeiros 25 minutos do Poder Executivo, tambémem vídeo pela internet no site: www.ebcserviços.ebc.com.br/avozdobrasil, pela redemundial de computadores.¹³¹Há 18 anos está sobre discussão em Brasília ações que flexibilize o horário (jápermitido em algumas rádios do Sul do país), ou a radicalização deste programa pelasemissoras. Ela é tema, de mais de 60 projetos de lei no Congresso Nacional.¹³¹A advogada da União (2009), Ana Ercília de Carvalho argumenta que a Vozdo Brasil é fundamental em um país como o nosso, em que a impressa prioriza amostrar os conflitos ocorrentes em outros continentes, esquecendo assim, de noticiar asituação que se encontra o nosso país. “É a forma que os três poderes tem de tornartransparentes os seus atos para a população. Se nós não conhecermos o que está sendofeito como vamos cobrar” diz ainda que mesmo que seja mudado o horário detransmissão, ficará a critério do Governo e não da própria emissora “Não pode ficar acargo das concessionárias, no horário que bem interessar. Afinal, também queremosaudiência”___________________¹³¹Via Legal, Voz do Brasil. IN: http://www.youtube.com/watch?v=iJwXjEMEa-k. Postado:01/10/2009.
  18. 18. CONCLUSÃOO programa radiofônico a Voz do Brasil, criticado pelos Estados maisdesenvolvidos e cidades onde outros meios de comunicação se fazem presente, e aomesmo tempo apoiado pelas Regiões onde meios modernos ainda não são favoráveis atodas as classes sociais e culturais, tende a permanecer, mesmo que aconteça ajustes nohorário de transmissão.Fica a pergunta que não foi possível transpor neste artigo científico, mas deforma hipotética pode-se perceber que o Governo, não abre mão do programa de maiortransmissão do país, e agora também sendo transmitido pela internet a outras partes doMundo, para transpor os seus discursos: Verídicos ou Não Verídicos. Mostrar ainda assuas propostas e projetos que venham a ser legitimados pelos Cidadãos, e quepossívelmente servirá como meio de propaganda política nas próximas eleições.Mesmo que a população tenha o livre arbítrio de ligar ou desligar o rádio as 19horas para ficar atentos aos seus atos e de toda a cúpula Federal, em uma ConstituiçãoDemocrática não pode ser obrigatório um programa, fruto de censura contra a expressãohumana, na fase de seu nascimento.
  19. 19. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASBIBLIOGRAFIAS CITADAS:ARRUDA, José Jobson de A. & PILETTI, Nelson. “Toda a História: História Geral e Históriado Brasil”. Ática, 1996. São Paulo.MOTA, Myriam Becho & BRAICK, Patrícia Ramos. “História das cavernas ao TerceiroMilênio”. Moderna, 1ª Edição, 1997. São Paulo.TAVARES, Reynaldo. “História que o Rádio não contou”. Negócio, 1997. São Paulo.TELES, Antônio Xavier. “Psicologia Moderna”. Ática, 13ª Edição, 1975. São Paulo.EDITORA ABRIL (SÃO PAULO, SP). “Almanaque Abril, 2011”. Abril, 37º Edição, 2011. SãoPaulo.PILETTI, Nelson. “História do Brasil”. Ática, 13º Edição, 1992. São Paulo.SENAC (SÃO PAULO). “Teorias da Comunicação”. 2009. Franca – SPGARCIA, Adriana Domingues. “A Voz do Brasil e as Notícias do poder executivo na formaçãodo Cidadão: Um Estudo das interações sociais”. UNIFRA, 2008. Santa Maria – RS.COELHO, Vânia. A opinião pública e o medo da solidão. Blog Comunicação e literatura.Disponível em: http://literacomunicq.blogspot.com.br/2010/04/teoria-da-espiral-do-silencio_22.html. Acesso em 09/12/2012.NOELLE-NEUMAN, E. La Espiral do Silencio: opinião pública. Barcelona: Paidós, 1995.CÂNDIDO, Antônio, CASTELLO, Aderaldo José. Presença da Literatura Brasileira. 3. Ed.Difução Européia do livro. São Paulo, 1968.
  20. 20. MATOS, Clarence José, NUNES, César A. História do Brasil. Ed.Nova Cultura. São Paulo,1994.TUFANO, Douglas. Estudos de Literatura Brasileira. 4. Ed.Moderna. São Paulo, 1988.TERRA, Ernani, NICOLA, José. Curso Prático de Língua, Literatura e Redação. 3.Ed.Scipione. São Paulo, 1995.CEREJA, Roberto William, MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português Linguagens. 1. Ed.Atual. São Paulo, 2003.Almanaque Abril 2000: especial 500 anos de história e cultura. 26º edição. Ed.Abril. 2000.BARBOSA, Raphael. A INDEPENDÊNCIA DO INDEPENDÊNCIA OU MORTE: Uma análiseda Semana de Arte Moderna de 1922. pdf.WOLF, Mauro. Teoria da comunicação. Teoria da Comunicação de massa . traduçãoKarina Jannini. 2ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.CULTURA, Abril. Nosso Século: 1930/1945, A Era de Vargas. Estado Novo, Cap.8.P193, 194, 197,198,199. São Paulo,1980.DOCUMENTOS EM VÍDEOS CITADOS:A Voz do Brasil. IN: http://www.ebcservicos.ebc.com.br/streaming/avozdobrasil. Visitado:12/12/12.A Voz do Brasil. IN:https://www.youtube.com/watch?v=0dPRDcyydrU&feature=endscreen. Postado:09/09/2009.Via Legal, Voz do Brasil. IN: http://www.youtube.com/watch?v=iJwXjEMEa-k. Postado:01/10/2009.A Voz do Brasil.IN: https://www.youtube.com/watch?v=6R12V5yMBNs. Postado: 11/11/2011.A Voz do Brasil para ser transmitida também em vídeo pela internet. IN:https://www.youtube.com/watch?v=vwhGKghSH6w. Postado: 02/08/2012.Veja os bastidores e a estréia da Voz do Brasil em vídeo. IN:https://www.youtube.com/watch?v=K9oU1Fkwcg8. Postado: 01/08/2012.Programa a Voz do Brasil inicia transmissão via internet. IN:https://www.youtube.com/watch?v=wd7JPBtV2yc. Postado: 02/08/2012.

×