Elearning Up Jan2009

529 visualizações

Publicada em

V Workshop eLearning@UP :: Janeiro 2009

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
529
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Elearning Up Jan2009

  1. 1. Laboratórios remotos para o ensino e aprendizagem V Workshop eLearning@UP :: 2009-01-08 Esta apresentação está disponível em http://www.slideshare.net/josemmf J. M. Martins Ferreira [ jmf@fe.up.pt ] FEUP / DEEC Rua Dr. Roberto Frias 4200-465 Porto
  2. 2. Estrutura da apresentação <ul><li>Contexto e caracterização </li></ul><ul><li>Exemplos </li></ul><ul><ul><li>No campus </li></ul></ul><ul><ul><li>No exterior </li></ul></ul><ul><ul><li>Projecto Labs-on-the-web (POCI2010) </li></ul></ul><ul><li>Reflexão pedagógica </li></ul><ul><li>Conclusão </li></ul>
  3. 3. O que são e o que não são <ul><li>Os laboratórios remotos podem ser vistos como uma extensão do e-learning (mas abrangem um espectro tecnológico mais vasto) </li></ul><ul><li>Constituem um complemento da presença no laboratório e não substituem os laboratórios reais </li></ul>
  4. 4. Laboratórios remotos, virtuais e mistos <ul><li>Um laboratório remoto permite o acesso a dispositivos físicos através de uma rede de comunicações </li></ul><ul><li>Um laboratório virtual lida apenas com modelos de simulação </li></ul><ul><li>Também é possível uma realização mista , onde modelos de simulação interagem com dispositivos reais </li></ul>
  5. 5. Benefícios… (pedagógicos de outros tipos) <ul><li>Adequam-se ao ritmo individual de aprendizagem </li></ul><ul><li>Segurança </li></ul><ul><li>Rentabilidade dos equipamentos </li></ul><ul><li>Imagem e interacção com o exterior </li></ul>
  6. 6. Condicionantes da realização técnica <ul><li>Escala temporal  experiências muito breves ou muito longas podem recomendar o modo diferido , mas a maior parte permite o modo interactivo </li></ul><ul><li>As experiências de observação não exigem gestão de acessos, mas o controlo implica a reserva e a partilha entre os utilizadores </li></ul>
  7. 7. Obstáculos à realização técnica <ul><li>A grande variedade de tecnologias empregues na sua realização constitui um problema (as realizações caso a caso dificultam a sistematização) </li></ul><ul><li>As políticas de segurança e as limitações na velocidade das comunicações constituem obstáculos adicionais </li></ul>
  8. 8. Implicações institucionais <ul><li>Formação docente (técnica e pedagógica) </li></ul><ul><li>Técnicos para configurar e manter as bancadas on-line </li></ul><ul><li>Serviços de apoio (informáticos e na produção de conteúdos) </li></ul><ul><li>Política de abertura ao exterior </li></ul>
  9. 9. Os exemplos aqui apresentados… <ul><li>Não pretendem representar o que a FEUP faz neste domínio (que abrange vários departamentos) </li></ul><ul><li>Ilustram duas situações típicas: </li></ul><ul><ul><li>Laboratório no campus </li></ul></ul><ul><ul><li>Laboratório no exterior </li></ul></ul>
  10. 10. No campus: Uma bancada on-line para o ensino de electrónica <ul><li>A electrónica é uma área em que nem sempre se justifica o uso de laboratórios remotos </li></ul><ul><li>O exemplo aqui apresentado permite aos estudantes executar remotamente um programa que controla um dado electrónico (cujo funcionamento se pode observar através de uma webcam) </li></ul>
  11. 11. Aspecto físico da bancada on-line <ul><li>A estação NI ELVIS reúne os “instrumentos” habituais neste tipo de bancadas </li></ul>Estação NI ELVIS Webcam Dado electrónico Carta com o microcontrolador
  12. 12. Trabalho off-line
  13. 13. Sendo possível a observação e o controlo , é necessária a reserva O acesso à bancada (  ) torna-se possível quando chega a hora da reserva
  14. 14. Trabalho on-line Controlo do processo, imagem ao vivo da bancada, videoconferência Transferência do programa e informação de estado
  15. 15. Vídeo do dado electrónico
  16. 16. O laboratório também pode estar no exterior… Campus da Universidade Servidor de e-learning Estudante Professor/a Estudante Laboratório no campus Estudante LAN / Internet Servidor do laboratório Bancada Servidor de e-learning Estudante Professor/a Estudante Laboratório no exterior Estudante LAN / Internet Servidor do laboratório Bancada O servidor de e-learning podia continuar no campus…
  17. 17. No exterior: Acesso a uma estação de teste na Qimonda <ul><li>A estação T5365 da Advantest tem sido usada na unidade curricular de Teste de Sistemas Electrónicos (três edições) </li></ul><ul><ul><li>Acesso dedicado </li></ul></ul><ul><ul><li>Isolada da rede interna da QPT </li></ul></ul><ul><ul><li>Licenças cedidas pela Advantest </li></ul></ul>
  18. 18. Realização remota de testes <ul><li>Gestão de acessos </li></ul><ul><ul><li>MRBS no Moodle (publicação da reserva) </li></ul></ul><ul><ul><li>Comando killtest (resolução de conflitos) </li></ul></ul><ul><li>Off-line : Escrita dos programas de teste </li></ul><ul><li>On-line : </li></ul><ul><ul><li>Compilação (multiutilizador) </li></ul></ul><ul><ul><li>Execução (monoutilizador) </li></ul></ul>
  19. 19. Reserva do tempo de acesso
  20. 20. Trabalho off-line <ul><li>Desenvolvimento do programa de teste (ficheiro com o código fonte ATL, criado com qualquer editor de texto) </li></ul>
  21. 21. Trabalho on-line <ul><li>Transferência do ficheiro com o código ATL, compilação e execução do teste </li></ul>
  22. 22. Ainda mais exemplos: O projecto Labs-on-the-web <ul><li>Acesso via web às bancadas de laboratório em cursos de engenharia </li></ul><ul><ul><li>Realização e desenvolvimento de conteúdos </li></ul></ul><ul><ul><li>Avaliação da eficácia pedagógica </li></ul></ul><ul><ul><li>Formação de docentes </li></ul></ul><ul><li>Parceria FEUP-FPCEUP (POCI2010) com a duração de 20 meses (Nov’06 - Jun’08) </li></ul>
  23. 23. Labs-on-the-web: Formação de docentes <ul><li>Acções de formação – TA1 : Princípios pedagógicos; TA2 : E-learning via Moodle; TA3 : Bancadas on-line </li></ul><ul><li>Total de 4 meses, 5 sessões presenciais por cada acção (alternando TA1 e TA2), formação não presencial recomendada </li></ul><ul><li>Os docentes escolheram o seu plano individual de formação </li></ul>
  24. 24. Labs-on-the-web: Formato das sessões presenciais de formação TA1: Discussão TA3: Discussão e prática TA2: Prática
  25. 25. Labs-on-the-web: Resultados da formação <ul><li>103 docentes de 15 escolas </li></ul>
  26. 26. <ul><li>Gestão </li></ul><ul><li>Divulgação </li></ul><ul><li>Formação </li></ul><ul><li>Avaliação </li></ul><ul><li>Tecnologia </li></ul>Labs-on-the-web: Conteúdo do DVD
  27. 27. Reflexão pedagógica: Remoto x Virtual <ul><li>Terão as bancadas on-line (laboratórios remotos) alguma mais-valia pedagógica face à simulação (laboratórios virtuais)? </li></ul>[Quino]
  28. 28. Reflexão pedagógica: Restrições técnicas <ul><li>As restrições técnicas podem anular a eficácia pedagógica… (na realização das experiências, na comunicação entre os alunos, etc.) </li></ul>[Quino]
  29. 29. Reflexão pedagógica: Interacção com o docente <ul><li>Sentir-se-ão os estudantes abandonados à tecnologia? </li></ul>[Quino]
  30. 30. Conclusão <ul><li>A disponibilização de laboratórios remotos pode contribuir significativamente para melhorar o sucesso pedagógico </li></ul><ul><li>A sua má utilização é possível, mas fácil de evitar (tal como no e-learning…) </li></ul><ul><li>Existe muito onde inovar, quer no plano técnico quer no plano pedagógico </li></ul>

×