SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
A Pré-Época do Treinador de Gr
Existem grandes diferenças, entre um inicio de temporada nos escalões mais
jovens e nos escalões de juniores e seniores. O treino do Gr não foge a essas
diferenças, e o pensamento do treinador especialista neste treino deve estar bem
orientado para o grupo que vai ter pela frente.
O trabalho nas equipas séniores e juniores, deve inicialmente, e durante as
primeiras semanas, incidir sobre o melhoramento da condição e prestação do Gr,
elevando os seus índices para aquilo que queremos, aquando o começo dos jogos
oficiais. O treinador deve inicialmente ter a preocupação de recuperar as capacidades
dos Gr, para posteriormente introduzir técnicas e posturas - Não podemos no começo,
por exemplo, pedir uma técnica de barreira, se os nossos Gr ainda não apresentam a
destreza suficiente para a realizar de uma forma minimamente correta.
Ao falarmos em melhorar os índices físicos e aumentar as cargas, devemos ter em
conta que este é um trabalho que deve estar sempre integrado no treino de baliza.
Exemplo:
 Sessão Treino 1
Exercício: Gr deve tocar 6 vezes num cone a 5metros de distância de um poste
e realizar defesa.
 Sessão Treino 10
Exercício: Gr deve tocar 4vezes num cone a 5metros de distância de um poste e
realizar Técnica de barreira
Ao fim de algumas sessões, já existe uma capacidade diferente do Gr
responder, podemos diminuir o número de repetições (essencial, porque não
queremos criar sobrecarga no inicio da época), e começar a dar-lhe soluções
para responder de outra forma.
O trabalho com o Gr deve ser gradual, e deve estar sempre em consonância com
aquilo que é preparado para a equipa. O treinador deve então ter em conta, quantos
treinos semanais e quanto tempo de pré-temporada poderá ter, para aplicar a sua
estratégia de treino.
Exemplo:
 3 Treinos Semanais/ 3 semanas
1 2 3 4 5 6 7 8 9
+Volume
+Intensidade
Geral
Volume+
Intensidade+
Geral
Volume+
Intensidade+
Geral
Volume+-
Intensidade+
AparecimentodeTécnicas
Volume+-
Intensidade
AparecimentodeTécnicas
Volume+-
Intensidade
Técnicas,Posturas,Variáveis
Volume+-
Intensidade
Técnicas,Posturas,Variáveis
Volume-
Intensidade++
Treinoespecializado
Volume-
Intensidade++
TreinoEspecializado
Resumindo este pequeno quadro, o treinador deve inicialmente aumentar o
volume, não se preocupando tanto com a parte técnica, sendo que à medida que vai
passando a pré-temporada, este mesmo volume diminui, sendo que vão aparecendo
então as técnicas, as posturas, variáveis, tudo aquilo que queremos para os atletas
responderem corretamente em jogo. A intensidade deve ser sempre alta, já que
queremos que os nossos atletas apresentem no treino uma postura idêntica àquela
que apresentariam em jogo.
Após a aplicação nos treinos, todo o trabalho deve ser observado em jogo (não
só em jogos-treino, mas em todos os exercícios que coloquem os atletas em oposição).
Em suma, nos grupos que procuram o resultado de forma mais imediata
(Séniores e Juniores), queremos os nossos atletas a atingirem no inicio da temporada,
patamares elevados, para poderem responder da melhor forma às adversidades,
sabendo sempre que este trabalho vai ao longo da época ser potenciado e trabalhado
para que o Gr resolva e decida sempre da melhor forma.
O treinador de Gr deve ter a consciência que a forma mais eficaz do Gr
defender a bola é aquela que não deixa margem para uma possível ameaça de golo, se
esta for com a cabeça por exemplo, que seja, nós treinadores temos de lhes dar todas
as opções para que quem está no momento, decida.
O trabalho nos escalões de formação mais baixos, já deve ser preparado de
forma bem diferente.
Primeiro devemos saber o que o nosso modelo tem preparado para nós - O que
querem os treinadores do topo, quando os nossos atletas chegam lá acima?
Falando numa base geral, pensamos que os treinadores dos escalões de
Juniores e Séniores, querem que os seus Gr cheguem com o maior número de técnicas
e soluções corretamente trabalhadas, para responder a todo o tipo de adversidades.
Partindo desta base, o treinador de Gr da formação, deve começar a sua pré-época
sempre no final da época anterior.
Se souber que vai ter os mesmos Gr, procura fazer uma análise do que se fez na
época, o que progrediram, quais as suas dificuldades, e definir os primeiros objetivos
para o inicio de temporada. Se os Gr não forem os mesmos, os últimos treinos e jogos
não oficiais da temporada transata devem servir exclusivamente para perceber em que
patamar se encontram os seus pupilos, quais as suas carências mais evidentes, e
posteriormente realizar um pequeno relatório com os objetivos iniciais da época
seguinte.
Este trabalho de final de época, facilita em muito aquilo que o treinador vai encontrar
no inicio do ano seguinte.
O trabalho do treinador de formação deve inicialmente estar ligado aos seguintes
fatores:
 Fator Tático - Posição Base (postura inicial), Noção de espaço e baliza;
 Fator Técnico - Técnica passe (mãos, pés), Colocação das mãos na bola (Pega da
bola), Relação Gr-Bola
 Fator Físico - Reflexos, Coordenação, Velocidade de Reação;
 Fator Psicológico - Confiança, Concentração
 Fator Social/Disciplinar - Trabalho, Disciplina
 Organização Defensiva - Comunicação com os colegas
 Organização Ofensiva - Reposição bola, Jogo com os pés.
Partindo desta base, podemos ter um trabalho inicial facilitado e uma base para um
trabalho eficaz, quando estes forem subindo de escalão.
Para quem trabalha escalões de formação que podem fazer a transição entre a
formação e a competição (Juvenis, Iniciados, etc…), o focus inicial na pré-época não se
deverá alterar, focando-se em repetições e intensidades que permitam que o atleta
atinga um nível entre o bom e o ótimo. As cargas e número de repetições têm de
baixar à medida que baixamos de escalão. Nesta componente de treino, o treino
Pliométrico/Anaeróbio (utilizando circuitos por exemplo), pode ser um bom inicio para
a maioria dos casos.
Exemplo de um Circuito para Grs (focando exercícios curtos com intensidade e saltos)
1- Salta barreiras
2- 2- Pique
3- 3- Trote
4- 4- Passar por baixo das barreiras
5- 5- Passada em parede
6- 6- Corrida normal
3x(3min + 1 min descanso)
Estando estes escalões inferiores mais focados no conhecimento,
amadurecimento e aperfeiçoamento da componente técnica, a ênfase nesta
componente poderá ser introduzida mais cedo com exercícios mais gerais de menor
complexidade.
O treino especializado também variará com o escalão em questão. Se os Juvenis
já trabalham para se aperfeiçoarem (exercícios complexos com vários fatores físico-
técnico-tático, incluindo vários tipos de defesa no mesmo exercício com reposição de
bola no fim), os Infantis estarão a aprender as posturas de prontidão desportiva
(posicionamento, deslocamento, pega de bola).
Exemplo de um exercício para escalão Infantil (pouca complexidade com técnica)
Vários pinos colocados entre a linha de baliza, e a linha de área, numa linha recta,
espaçados de 1 metro. Treinador com 2 bolas. Treinador lança 1 bola e grita ao GR
como a deve defender. GR defende, devolve ao treinador, e passa entre os pinos em
deslocamento lateral. GR deverá ir avançando nos pinos, e treinador variando o tipo e
o lado das defesas.
Exemplo de um exercício para escalão Juvenil (alguma complexidade com várias
técnicas)
GRs no 1º Poste, de costas. Ao sinal vira-se e defende os seguintes:
1- GRs defende a 1ª bola de ténis/futsal ao 1º poste
2- GRs sai e defende a bola de ténis/futsal em saída de baliza. Retorna a baliza e
toca 1º poste.
3- Remate para o banco no 2º poste para fazer queda/barreirista
Concluindo, o trabalho de pré-temporada de um Gr deve ser preparado
antecipadamente, e na maioria dos casos coincide com o final da época anterior.
Devemos ter em conta o grupo etário em que estamos inseridos, os objetivos da
equipa, do clube e do nosso modelo, percebendo de forma clara aquilo que é pedido
para os Gr. O trabalho deve ser sempre integrado e nunca treinado de forma isolada.
Devemos ter sempre em conta, que no momento, quem decide é o Gr, e o
treinador deve desde inicio dar todas as ferramentas para que este decida da forma
mais eficaz possível.
José Marques e Pedro Charrua
12
3
12
3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
António Martins Silva
 
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcaçãoFutsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
Ivo Volmir Ribas
 
Meios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebolMeios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebol
moko25
 

Mais procurados (17)

Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
 
DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"
DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"
DVD "Aprender a Jogar no Jogo - Um guia para o Ensino do Futebol (I)"
 
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael FernandesMetodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
 
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo AncelottiModelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
 
11º ano
11º ano11º ano
11º ano
 
10º ano convertido
10º ano convertido10º ano convertido
10º ano convertido
 
Futebol total - técnio, tático, físico e admistrativo
Futebol total - técnio, tático, físico e admistrativoFutebol total - técnio, tático, físico e admistrativo
Futebol total - técnio, tático, físico e admistrativo
 
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma DinâmicaA Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
 
Velocidade Coletiva no Futebol
Velocidade Coletiva no FutebolVelocidade Coletiva no Futebol
Velocidade Coletiva no Futebol
 
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
 
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcaçãoFutsal Sistema de jogo e noção de marcação
Futsal Sistema de jogo e noção de marcação
 
A receita da bola no futebol
A receita da bola no futebolA receita da bola no futebol
A receita da bola no futebol
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
 
Gestão e organização do Treinamento do Goleiro.
Gestão e organização do Treinamento do Goleiro.Gestão e organização do Treinamento do Goleiro.
Gestão e organização do Treinamento do Goleiro.
 
Meios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebolMeios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebol
 

Destaque (11)

Treino de Gr Futsal - Exercício
Treino de Gr Futsal - ExercícioTreino de Gr Futsal - Exercício
Treino de Gr Futsal - Exercício
 
A final espanhola
A final espanholaA final espanhola
A final espanhola
 
Observação atlético
Observação atléticoObservação atlético
Observação atlético
 
Dragonforce (Presentación alternativa)
Dragonforce (Presentación alternativa)Dragonforce (Presentación alternativa)
Dragonforce (Presentación alternativa)
 
Exercícios gr
Exercícios grExercícios gr
Exercícios gr
 
Posse de Bola
Posse de BolaPosse de Bola
Posse de Bola
 
Aquecimento de jogo
Aquecimento de jogoAquecimento de jogo
Aquecimento de jogo
 
Unidade Treino - Transiçoes
Unidade Treino - TransiçoesUnidade Treino - Transiçoes
Unidade Treino - Transiçoes
 
Circulacion Y Pressing
Circulacion Y PressingCirculacion Y Pressing
Circulacion Y Pressing
 
Esquemas tácticos
Esquemas tácticosEsquemas tácticos
Esquemas tácticos
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
 

Semelhante a A Pré-Época do Treinador de Gr

Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Bruno Comelli
 
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantesConstruindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Jarbas Rossatto
 
Handebol Treinamento Com Cargas
Handebol   Treinamento Com CargasHandebol   Treinamento Com Cargas
Handebol Treinamento Com Cargas
jaguahand
 

Semelhante a A Pré-Época do Treinador de Gr (12)

Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionaisPlanificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
Planificacao tática da pre temporada em equipes profissionais
 
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
 
FUTSAL - Metodologia do Treinamento.ppt
FUTSAL - Metodologia do Treinamento.pptFUTSAL - Metodologia do Treinamento.ppt
FUTSAL - Metodologia do Treinamento.ppt
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
 
Treinador joao paulo barros
Treinador joao paulo barrosTreinador joao paulo barros
Treinador joao paulo barros
 
TREINAMENTO EM CAMPO REDUZIDO PODE COMPROMETER O DESEMPENHO? ENTENDA ESTE PON...
TREINAMENTO EM CAMPO REDUZIDO PODE COMPROMETER O DESEMPENHO? ENTENDA ESTE PON...TREINAMENTO EM CAMPO REDUZIDO PODE COMPROMETER O DESEMPENHO? ENTENDA ESTE PON...
TREINAMENTO EM CAMPO REDUZIDO PODE COMPROMETER O DESEMPENHO? ENTENDA ESTE PON...
 
1a visita-técnica iabb-resumo
1a visita-técnica iabb-resumo1a visita-técnica iabb-resumo
1a visita-técnica iabb-resumo
 
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantesConstruindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
 
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em FutebolProgramação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em Futebol
 
Preparação técnica no vôlei
Preparação técnica no vôleiPreparação técnica no vôlei
Preparação técnica no vôlei
 
Métodos de Treino
Métodos de TreinoMétodos de Treino
Métodos de Treino
 
Handebol Treinamento Com Cargas
Handebol   Treinamento Com CargasHandebol   Treinamento Com Cargas
Handebol Treinamento Com Cargas
 

A Pré-Época do Treinador de Gr

  • 1. A Pré-Época do Treinador de Gr Existem grandes diferenças, entre um inicio de temporada nos escalões mais jovens e nos escalões de juniores e seniores. O treino do Gr não foge a essas diferenças, e o pensamento do treinador especialista neste treino deve estar bem orientado para o grupo que vai ter pela frente. O trabalho nas equipas séniores e juniores, deve inicialmente, e durante as primeiras semanas, incidir sobre o melhoramento da condição e prestação do Gr, elevando os seus índices para aquilo que queremos, aquando o começo dos jogos oficiais. O treinador deve inicialmente ter a preocupação de recuperar as capacidades dos Gr, para posteriormente introduzir técnicas e posturas - Não podemos no começo, por exemplo, pedir uma técnica de barreira, se os nossos Gr ainda não apresentam a destreza suficiente para a realizar de uma forma minimamente correta. Ao falarmos em melhorar os índices físicos e aumentar as cargas, devemos ter em conta que este é um trabalho que deve estar sempre integrado no treino de baliza. Exemplo:  Sessão Treino 1 Exercício: Gr deve tocar 6 vezes num cone a 5metros de distância de um poste e realizar defesa.  Sessão Treino 10 Exercício: Gr deve tocar 4vezes num cone a 5metros de distância de um poste e realizar Técnica de barreira Ao fim de algumas sessões, já existe uma capacidade diferente do Gr responder, podemos diminuir o número de repetições (essencial, porque não
  • 2. queremos criar sobrecarga no inicio da época), e começar a dar-lhe soluções para responder de outra forma. O trabalho com o Gr deve ser gradual, e deve estar sempre em consonância com aquilo que é preparado para a equipa. O treinador deve então ter em conta, quantos treinos semanais e quanto tempo de pré-temporada poderá ter, para aplicar a sua estratégia de treino. Exemplo:  3 Treinos Semanais/ 3 semanas 1 2 3 4 5 6 7 8 9 +Volume +Intensidade Geral Volume+ Intensidade+ Geral Volume+ Intensidade+ Geral Volume+- Intensidade+ AparecimentodeTécnicas Volume+- Intensidade AparecimentodeTécnicas Volume+- Intensidade Técnicas,Posturas,Variáveis Volume+- Intensidade Técnicas,Posturas,Variáveis Volume- Intensidade++ Treinoespecializado Volume- Intensidade++ TreinoEspecializado Resumindo este pequeno quadro, o treinador deve inicialmente aumentar o volume, não se preocupando tanto com a parte técnica, sendo que à medida que vai passando a pré-temporada, este mesmo volume diminui, sendo que vão aparecendo então as técnicas, as posturas, variáveis, tudo aquilo que queremos para os atletas responderem corretamente em jogo. A intensidade deve ser sempre alta, já que queremos que os nossos atletas apresentem no treino uma postura idêntica àquela que apresentariam em jogo. Após a aplicação nos treinos, todo o trabalho deve ser observado em jogo (não só em jogos-treino, mas em todos os exercícios que coloquem os atletas em oposição). Em suma, nos grupos que procuram o resultado de forma mais imediata (Séniores e Juniores), queremos os nossos atletas a atingirem no inicio da temporada, patamares elevados, para poderem responder da melhor forma às adversidades, sabendo sempre que este trabalho vai ao longo da época ser potenciado e trabalhado para que o Gr resolva e decida sempre da melhor forma.
  • 3. O treinador de Gr deve ter a consciência que a forma mais eficaz do Gr defender a bola é aquela que não deixa margem para uma possível ameaça de golo, se esta for com a cabeça por exemplo, que seja, nós treinadores temos de lhes dar todas as opções para que quem está no momento, decida. O trabalho nos escalões de formação mais baixos, já deve ser preparado de forma bem diferente. Primeiro devemos saber o que o nosso modelo tem preparado para nós - O que querem os treinadores do topo, quando os nossos atletas chegam lá acima? Falando numa base geral, pensamos que os treinadores dos escalões de Juniores e Séniores, querem que os seus Gr cheguem com o maior número de técnicas e soluções corretamente trabalhadas, para responder a todo o tipo de adversidades. Partindo desta base, o treinador de Gr da formação, deve começar a sua pré-época sempre no final da época anterior. Se souber que vai ter os mesmos Gr, procura fazer uma análise do que se fez na época, o que progrediram, quais as suas dificuldades, e definir os primeiros objetivos para o inicio de temporada. Se os Gr não forem os mesmos, os últimos treinos e jogos não oficiais da temporada transata devem servir exclusivamente para perceber em que patamar se encontram os seus pupilos, quais as suas carências mais evidentes, e posteriormente realizar um pequeno relatório com os objetivos iniciais da época seguinte. Este trabalho de final de época, facilita em muito aquilo que o treinador vai encontrar no inicio do ano seguinte. O trabalho do treinador de formação deve inicialmente estar ligado aos seguintes fatores:  Fator Tático - Posição Base (postura inicial), Noção de espaço e baliza;  Fator Técnico - Técnica passe (mãos, pés), Colocação das mãos na bola (Pega da bola), Relação Gr-Bola  Fator Físico - Reflexos, Coordenação, Velocidade de Reação;  Fator Psicológico - Confiança, Concentração  Fator Social/Disciplinar - Trabalho, Disciplina  Organização Defensiva - Comunicação com os colegas  Organização Ofensiva - Reposição bola, Jogo com os pés. Partindo desta base, podemos ter um trabalho inicial facilitado e uma base para um trabalho eficaz, quando estes forem subindo de escalão.
  • 4. Para quem trabalha escalões de formação que podem fazer a transição entre a formação e a competição (Juvenis, Iniciados, etc…), o focus inicial na pré-época não se deverá alterar, focando-se em repetições e intensidades que permitam que o atleta atinga um nível entre o bom e o ótimo. As cargas e número de repetições têm de baixar à medida que baixamos de escalão. Nesta componente de treino, o treino Pliométrico/Anaeróbio (utilizando circuitos por exemplo), pode ser um bom inicio para a maioria dos casos. Exemplo de um Circuito para Grs (focando exercícios curtos com intensidade e saltos) 1- Salta barreiras 2- 2- Pique 3- 3- Trote 4- 4- Passar por baixo das barreiras 5- 5- Passada em parede 6- 6- Corrida normal 3x(3min + 1 min descanso) Estando estes escalões inferiores mais focados no conhecimento, amadurecimento e aperfeiçoamento da componente técnica, a ênfase nesta componente poderá ser introduzida mais cedo com exercícios mais gerais de menor complexidade. O treino especializado também variará com o escalão em questão. Se os Juvenis já trabalham para se aperfeiçoarem (exercícios complexos com vários fatores físico- técnico-tático, incluindo vários tipos de defesa no mesmo exercício com reposição de bola no fim), os Infantis estarão a aprender as posturas de prontidão desportiva (posicionamento, deslocamento, pega de bola). Exemplo de um exercício para escalão Infantil (pouca complexidade com técnica) Vários pinos colocados entre a linha de baliza, e a linha de área, numa linha recta, espaçados de 1 metro. Treinador com 2 bolas. Treinador lança 1 bola e grita ao GR como a deve defender. GR defende, devolve ao treinador, e passa entre os pinos em deslocamento lateral. GR deverá ir avançando nos pinos, e treinador variando o tipo e o lado das defesas.
  • 5. Exemplo de um exercício para escalão Juvenil (alguma complexidade com várias técnicas) GRs no 1º Poste, de costas. Ao sinal vira-se e defende os seguintes: 1- GRs defende a 1ª bola de ténis/futsal ao 1º poste 2- GRs sai e defende a bola de ténis/futsal em saída de baliza. Retorna a baliza e toca 1º poste. 3- Remate para o banco no 2º poste para fazer queda/barreirista Concluindo, o trabalho de pré-temporada de um Gr deve ser preparado antecipadamente, e na maioria dos casos coincide com o final da época anterior. Devemos ter em conta o grupo etário em que estamos inseridos, os objetivos da equipa, do clube e do nosso modelo, percebendo de forma clara aquilo que é pedido para os Gr. O trabalho deve ser sempre integrado e nunca treinado de forma isolada. Devemos ter sempre em conta, que no momento, quem decide é o Gr, e o treinador deve desde inicio dar todas as ferramentas para que este decida da forma mais eficaz possível. José Marques e Pedro Charrua 12 3 12 3