Sustentabilidade de empreendimentos solidários

167 visualizações

Publicada em

fala sobre a sustentabilidade aplicada a empreendimentos comerciais

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sustentabilidade de empreendimentos solidários

  1. 1. Sustentabilidade de empreendimentossolidários:que papel espera-se datecnologia? Tratada por algunscomo umanova RevoluçãoIndustrial,aglobalizaçãopode serconsiderada menosumsimplesfluxode dinheiroe mercadorias,e mais“umainterdependência crescente entre as pessoasnomundopor meiodadiminuiçãodosespaços,encurtamentodotempoe desaparecimentodasfronteiras Ironicamente,aglobalizaçãotrouxe,naverdade,umacrescente consciênciapúblicade que o consumoda popu- laçãodos paísesindustrializadoscontinuase expandindoen- quantoa pobrezadas regiõesemdesenvolvimentonomundopiora Desde 1972, quandoas NaçõesUnidasestabeleceramfor- malmente,emconferência realizadaemEstocolmo,umpro- grama ambiental,adiscussãosobre apreservaçãodomeio am- biente Alémdisso,otematrouxe à tonaa questãodarelaçãoentre desen- volvimentoeconômicoe preservaçãoambiental,considerando- se osfatoressociaise econômicoscomoos responsáveispelade- terioraçãodoambiente A partirde entãomuitotemse debatidoacercado desenvol- vimentoeconômicoe da preservaçãodomeioambiente,embuscade novasestratégiasde desenvolvimentoque permitis- semconciliarambos.Surge,assim, nadécadade 1980, o concei- to de desenvolvimentosustentável,comoum“tipode desen- volvimentoque permitemelhorias reaisna qualidade de vidaeaomesmotempopreservaavitalidade e adiversidade daTerra” No mesmocampode açõeseconômicasalternativaspode- mosidentificaraindaoutrotipode economia,praticadoporpopulaçõesculturalmente diversificadas,commodosde vida adaptadosà dinâmicada FlorestaAmazônica,ouaoutras fon- tesde recursosnaturais, baseadana extraçãode frutos,óleos,seivas,fibrasvegetais,pedrasetc. . São se- ringueiros,castanheiros,comunidadesindígenase de peque- nosprodutorescujos negócios,alémde garantirosustentodafamília,mantêma qualidade dosrecursosnaturaise evitamodesmatamento Empreendimentossolidários:característicase dificuldades A Secretariade EconomiaSolidáriadoMinistériodoTra- balhoe Emprego(Senaes/MTE) define osempreendimentossolidárioscomoaquelesque nãotêmpatrãonemempregado,em que a administraçãoé feitade formacoletivapelosprópriostrabalhadorese que funcionam no marco da “economiaso- lidária”.é definidoporLechat(2002) como um conjuntode atividadeseconômicascujalógicaé distintatantodalógicado mercadocapitalistaquantoda do Estado.Ao contrárioda economiacapitalista,centradanocapital aser acumuladoe que funcionaa partirde relaçõescompetitivascujoobjetivoé oalcance de interessesindividuais,a economiasolidáriaorganiza-seapartirde fatoreshumanos,favorecendoasrelaçõesemque o laço social é valori- zadopor meiodareciprocidade,e adotaformascomunitáriasde propriedade faz com que essasexperiên-ciasse apresentemcomoumaalternativareal àcrise doempre- go e aosproblemasdaexclusãosocial e dodesenvolvimentolocal.
  2. 2. É verdade que têmsurgidopolíticase açõesde estímuloà criação de empreendimentos solidários:microcrédito,formaçãoemempreendimentoscooperativos,incubadorasde economiapopulare solidária,apoiojurídicoemdireitocooperativoetc.,masapresentamum limite importante:nãoajudamosassociadosadesenvolverinstrumentosde gestãocotidiana, as condiçõesobjetivasdaautogestão –técnicas,administrativase econômicas. Essa lacunacompromete asustentabilidadedessasinicia- tivas,levandoaque a maioriadeles sobrevivaemsituaçõespre- cárias,enfrentandodificuldadesde gestão,comercialização Os empreendimentossolidáriosestão,emgeral,capacitadosamantera produçãode sua linha tradicional de produtosouserviços,asseguradapelaexperiênciadostrabalhadores,mas encontram-se limitadostecnicamente paraimplementarinova- çõesmaisradicais,comoo lançamentode novosprodutos/ser- viços,explorarnovasoportunidadesde mercadoe aumentara escalade produção,reduzircustose melhorara qualidade. Engenharia e desenvolvimentosocial O objetivohegemônicodaengenhariamoderna,nosistemacapitalista,é desenvolver pesquisase projetos,porintermédiode métodoscientíficos,visandoàproduçãode bense serviçosque garantama elevaçãodataxa de lucro dosempreendimen- toseconômicos,sobo discursoda promoçãoda paz ou da guer- ra, da preservaçãodomeioambiente ouda responsabilidade social empresarial No Brasil,osproblemassociaistalvezsejamomaiorentrave aseuplenodesenvolvimento. Dono de grandespotencialidadesnaturais,portadorde umaeconomiaque estáentre as maioresdomundo,é o quarto país emdesigualdade social.Sofre comafome,a miséria, consideráveistaxasde analfabetismoe elevadosíndicesde desemprego,aomesmotempo que abarca pólostecnológicos,grandesmulti- nacionaise boasuniversidades. A engenhariadeveriaapru- marsuavisãodo país con- ceber– e praticar–, comoobjetivocentral datécnica,a amplia- çãoda qualidade davida dos cidadãos,odesenvolvimentodoserhumanoemtodasas suas dimensões.Significaria balizara articulaçãodas ciênciasdanaturezae as da matemática,dastécnicase das ferramentas,peloenfoquedavirtuosidade daarticulaçãodosarranjosprodutivoslocaise das cadeiasproduti- vas,coma participaçãodemocráticadosatores sociais, visandoao desenvolvimentolocal e aoregional sustentáveis. Conclusão Entendemosque osempreendimentossolidáriosdevemsertratadoscomoformasalternativas de geração de trabalhoe ren- da. Para tantodeve-se buscardesenvolverumsistemanacional de inovaçãocapaz de ofereceraessesempreendimentosapos- sibilidade de sobreviver, mesmoquandosubmetidosàconcor- rênciacapitalista.É necessárioformularmodospróprios de pensamentoe açãocapazes de permitirsuaatuação emescalalocal,regional, nacional e mesmoglobal.A primeiraquestãoé exatamente acapacidade de desen-volver,nesses empreendimentos,acompetênciaparalidarcomos diversosconhecimentosnecessáriosà manutençãode sua competitividade.Insere-seaíuma série de conhecimentos co- dificados (técnicasdiversasde gestãoe administração,usode ferramentasde informáticaetc.),masque
  3. 3. precisamserofere- cidosaessespúblicosemformasmetodológicasnovas,que per- mitama absorção dessesconhecimentosporpessoasdesacostu- madasaobterconhecimentosformais emespaçosformaisde aprendizado. as iniciativasde produ- çãoalternativanãotêmumcaráter unicamente econômico,masem geral são parte de umprojetointegral de organizaçãocomu-nitária,suasobrevivência dependendotambémde dinâmicasnão-econômicas –culturais,sociais,afetivas,políticas – que dão sustentaçãoa redesde colaboraçãoe apoiomútuo,compostaspor outrasiniciativas similarese entidadesdiversas,inclusive empresascapitalistas,que,porvezes,podem incorporarà suacadeiaprodutivaessesempreendimentos. Por fim,destaque-se aimportante contribuiçãoque osiste- made ciênciapode oferecerà sustentabilidade dessesempre- endimentos.Entendemosque auniversidade podecontribuir, e muito,se se dispuseradiscutirasdificuldadesde sobrevi- vênciadosempreendimentos solidários,aprofundando-sesobre suascausase buscandosoluçõesde gestãoe produçãoque lhespermitamdarrespostasefetivasaosproblemasosquaisessesempreendimentos propõemresolver.A partirde então,quemsabe,torna-se possível lançarospilaresde uma novaenge- nharia,também solidária,cujoprincipal papel seriadesenvol- ver,damesma formaque o fezpara osgrandesempreendi- mentoscapitalistastradicionais,métodos, técnicas,instrumentosetc.,capazesde promoveraeficiência,e porconseguinteaso- brevivêncianomercado,sobnovospatamares,dessesempreen- dimentos. Não se trata aqui de,simplesmente,proportrabalhosvolun- táriosoumilitantesemapoioa essesempreendimentos,masde desenvolverumanovaformade utilizaroextensoferra- mental postoà disposiçãodaengenhariaapósdécadas,parare- solver,sobumnovoenfoque e com novasmetodologias,ade- quadasàrealidade dessasorganizações,osnovosproblemas enfrentadosporelas.Trata-se de tentarincorporarà academiatecnológicaumpoucodesse mundoque,apesarde não movi- mentarmilhõesde dólares,pode serresponsável pela sobrevi- vênciade milhõesde pessoas.Isso,porsi só,parece motivosu- ficienteparaingressar nessaexperiência. A tecnologiasocial e seusdesafios Este capítulo exploraoprocessorecente,e emcertosentidoúnico,que se expande rapidamente noBrasil,de concebertec- nologiasparaainclusãosocial (IS) Inicia-se comumapergunta:por que é necessárioconcebertecnologiasocial (TS)? Primeiro,porque se consideraque atecnologiaconvencional(TC),atecnologiaque hoje existe,que aempresaprivadautiliza,nãoé adequadaparaa IS.Ou seja,existemaspectosna TC, crescentemente eficienteparaospropósitosde maximizaçãodolucroprivadoparaos quaisé desenvolvidanasempresas,que limitamsuaeficáciaparaa IS.Segundo,porque se percebe que asinstituiçõespúblicasenvol-vidascomageração de conhecimentocientíficoe tecnológico(universidades,centrosde pesquisaetc.) nãoparecemestarain- daplenamente capacitadaspara desenvolverumatecnologiaca- paz de viabilizaraISe tornar auto- sustentáveisosempreendi- mentosautogestionáriosque eladeveráalavancar. Como é a TC? • Mais poupadorade mão-de-obradoque seriaconveniente;
  4. 4. • Possui escalasótimasde produ- çãosempre crescentes; • Ambientalmente insustentável; • Intensivaeminsumossintéticose produzidosporgrandesem- presas; • Suacadênciade produçãoé da- da pelasmáquinas; • Possui controlescoercitivosque diminuema produtividade. O que possodizer,preliminar- mente,é que elaé maispoupadorade mão-de-obradoque se- ria conveniente porque olucrodasempresasdepende de umaconstante reduçãodamão-de- obra incorporadaao produto,oudo tempode trabalhosocialmente necessárioparaproduzir mercadorias. Ele implicaque se estejasempre considerandomaisprodutivaumaempresaque diminui o denominadordafraçãoproduçãopor mão-de-obraocupada. Comoé a TC? • Segmentada:nãopermite contro- le doprodutordireto; • Alienante:nãoutilizaapotenci- alidade doprodutordireto; • Hierarquizada:demandaafigu- rado proprietário,dochefe etc.; • Maximizaa produtividadeemrelaçãoàmão-de-obraocupada; • Possui padrõesorientadospelomercadoexternode altarenda; • Monopolizadapelasgrandesem- presasdospaísesricos. elapossui escalasótimasde produçãosempre crescentes,ouseja, aescalade produçãoótima é crescente A TC é intensivaeminsumossintéticosproduzidosporgrandesempresas,oque,alémde ambientalmenteproblemáti- co,levaauma dependênciamuitogrande dopequenoprodu- tor A TC é tambémsegmentada:,tornasempre necessárioumpatrão,umcapitalista,umchefe, um ca- pataz,ou, maismodernamente,umengenheiro Seussegmentospodemseroperadose parcialmentecontroladosporconjuntosde trabalhadores.Eles,entretanto,jamaisconhecerãooutroscomponentesdessespro- cessos. A tecnologiaque satisfazasdemandasdasclassesricas,dospaísesricos,é mais moderna – a HiTec. 193 A tecnologiasocial e seusdesafios A HiTecé monopolizadapelasgrandesempresasdospaísesricos As tecnologiasque satisfazemoconsumopopular,asatisfa- çãode necessidadesbásicas,as que servemparaproduzira in- fra-estrutura,oupara a agregação de valoràs matérias-primas dos paísesde TerceiroMundo,essastecnologiasestãoparadasnotempo.Há muitoelasnão se renovampor novoconhecimento
  5. 5. deve sercapaz de viabilizareconomica- menteosempreendimentosautogestionários. O que faz a TC serdiferente da TS? A TC é funcional paraa empresaprivada,que nocapitalis- moé a responsável pelaprodução de bense serviçosparaa po- pulação. O que faz a TC ser diferentedaTS? • A TC é funcional paraa empre- saprivadaque,nocapitalismo,é aresponsável por “transfor- mar” conhecimentoembense serviços;•Osgovernosdospaísescentraisapóiamseu desenvolvimento; • Asorganizaçõese os profissio-naisque aconcebemestãoimer- sosnoambiente social e políticoque a legitimae demanda;•Porque trazemconsigoseusva- lorese,por isso,a reproduzem. Será que a universidade temcondiçõesde gerar TS a partir da TC? O desenvolvimentode C&T,oude conhecimentocientí- ficoe tecnológico,refleteospadrões sociais,políticos,econômi- cose ecológicosdasociedade emque essedesenvolvimentotem lugar A idéiadaciênciacomoum objetoconstruído,entretanto,nãoé aceitanainstituição universitária.A grande maioriadosprofessoresdauniversidade,sejamde direitaoude esquerda,entende aciênciacomolivre de valores,comoalgoneutroe in- trinsecamente positivo.Issoemparte se deve aofatode que foi o marxismoumdosresponsáveispela fundaçãoda idéiadodeterminismotecnológico,que é exatamente opostaàidéiade que é o contextosocial,econômico e políticoque determinaotipode conhecimentocientíficoe tecnológicogerado. Como a universidade parece entenderesse desenvolvimento? . Ela percebe aciênciacomotendoum motorde crescimentoque guiariaseudesenvolvimento de acordo com leispróprias,defi-nidasendogenamente.Paraque esse motorfuncionasse bem,serianecessárioque se mantivesseisoladoemrelaçãoàsocieda- de.Essaseriaa única formapelaqual a ciênciapoderiase de- senvolverde modoverdadeiroe eficaz. A idéiade que umatecnologiatem“ponta”e que outras são “rombudas”,de que algumassão altase outras baixas,busca,narealidade,substituiranoção de que algumastecnologiassão adequadasparadeterminadosfins,e nãopara outros,e dificul- tarapercepçãode que algumassão funcionaisparaa reprodu- çãodo capital,mesmoque emdetrimentode valores morais,ambientaisetc.Masessaconcepçãoideologizada dofenômenocientíficoe tecnológico,comotantasoutraspresentesnocoti- diano,é hegemônicae,porisso,muito difícil de contestar.A universidade,então,entende odesenvolvimentode C&Tcomosendo neutro,nãoinfluenciadopelocontextosocial.Tal neutralidade pode atuarde formapassiva, semnenhumimpac- toenviesadonamanutençãooufortalecimentodopoderde al- gumator social presente nocontextoemque é gerada,ouati- va, determinandopormeiode seu impactoa forma que a sociedade assumirá Comoa universidade se organizaparadesenvolverconheci- mento?
  6. 6. Tudo depende dapesquisabásica.Se tivermosboapesquisabásica,de excelência,comose costumadizer,se formarmosre- cursos humanosde qualidade,desencadearemosum processoauto-sustentadoque noslevariaaobem-estardasociedade. A universidade,comooutrasinstituições,organiza-seba- seandosuasdecisõesnaopinião,no faro,no prestígioe no po- der de seuslíderese suasredesinvisíveis.Porque se faztal pes- quisae não outra? Por que se dá tal tipode aula e não outro?Ora, porque alguémdisse que temde serassim.Mas baseadoemquê?Em argumentosracionais?Não,baseadoemfaro,em prestígio.Nauniversidade,opoderde quemdecide é construídoapartirde prestígio acadêmico,oque significaestritaobservaçãodessemodode organizaçãoe daquelasregras subjacentesàsquaisse fezreferência.Emoutraspalavras,o professorpesquisa,pesquisa, pesquisa,orienta,orienta,orienta,publica,publica,publicae,apartir de um determinado momento,emfunçãodoprestígioacadêmicoque granjeou,passaaser umchefe de departamento,umdire- torde unidade,umreitoretc.Esse mecanismode acumulaçãode poder,baseadonoprestígio,nãotemnada a ver com algoracional,comuma capacidade técnicapara decidirsobre qual ti- pode atividade de pesquisae docênciaé maisadequado para a sociedade. Resumindo:auniversidade reforça,de maneirasutil,apa- rentemente natural,enraizadano mitoda neutralidade daciênciae emfunçãodocontextosocioeconômicoque oengen- dra,a TC. A ciênciavai nosentidocontrário,auniversidadeapercebe de umaformaequivocada, organiza-se de umaformaque reforçaa TC Será que é possível gerar a TS a partir da TC? • Comose dá o desenvolvimentode C&T?– Reflete ospadrõessociais,políticos,econômicose ecológicosdasociedadeemque é desenvolvida–É desbalanceadoe enviesadoporessespadrões; –Só faz perguntasque consegue resolverdentrodoslimitesdestasociedade; –Reforça“sua” sociedade e inibe a mudançasocial.• Comoa comunidade de pesquisapercebe esse desenvolvimento? –Como tendoum“motor de crescimento”endógeno,guiandoaC&Tnum caminho; – Linear,contínuo, universal,“darwinista”e inexorável; –Em “buscada verdade”. Premissaà conformação da Rede de Tecnologia Social* O propósitodaRede de TecnologiaSocial (RTS) é promo- vero desenvolvimentolocal sustentável mediante técnicase metodologiastransformadoras,desenvolvidasnainteração com a população,que representemsoluçõesparainclusãosocial.

×