Pd Fonline

350 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
350
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pd Fonline

  1. 1. DECon Departamento de Economia e Contabilidade da UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 06/03 a 12/03/2009 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum1 Daniel Claudy da Silveira2 1 Professor do DECon/UNIJUI, doutor em economia internacional pela EHESS de Paris-França, coordenador, pesquisador e analista de mercado da CEEMA. 2 Acadêmico de Economia da UNIJUI, auxiliar administrativo junto ao DECon/UNIJUI. ENDEREÇO: RUA DO COMÉRCIO, 3000 CAMPUS - PRÉDIO EPSÍLON CX. POSTAL: 560 BAIRRO UNIVERSITÁRIO - CEP: 98700-000 IJUÍ – RS - BRASIL FONE: (55) 0**55 3332-0487 FAX: (55) 0**55 3332-0481 E-MAIL: ceema@unijui.edu.br
  2. 2. Cotações na Bolsa Cereais de Chicago - CBOT Produto GRÃO DE SOJA FARELO DE SOJA ÓLEO DE SOJA TRIGO (US$/bushel) MILHO (US$/bushel) (US$/bushel) (US$/ton. curta) (cents/libra peso) Data 6/3/2009 8,79 274,20 30,76 5,16 3,52 9/3/2009 8,81 275,00 30,51 5,13 3,57 10/3/2009 8,89 280,80 30,72 5,22 3,66 11/3/2009 8,75 281,30 29,64 4,98 3,56 12/3/2009 8,99 289,00 30,11 5,15 3,76 Média 8,85 280,06 30,35 5,13 3,61 Bushel de soja e de trigo = 27,21 quilos bushel de milho= 25,40 quilos Libra peso = 0,45359 quilo tonelada curta = 907,18 quilos Fonte: CEEMA com base em informações da CBOT. Médias semanais* (compra e venda) Média semanal dos preços recebidos no mercado de lotes brasileiro - em pelos produtores do Rio Grande do praças selecionadas (em R$/Saco) Sul Var. % relação SOJA média anterior milho soja trigo RS - Passo Fundo 45,60 -3,39 Produto (saco 60 Kg) (saco 60 Kg) (saco 60 Kg) RS - Santa Rosa 45,10 -3,43 RS - Ijuí 45,10 -3,43 R$ 17,50 42,98 24,52 PR - Cascavel 43,65 -0,41 Fonte: CEEMA, com base em informações da MT - Rondonópolis 39,10 1,11 EMATER-RS. MS - Ponta Porã 39,70 1,79 GO - Rio Verde (CIF) 40,90 2,51 Preços de outros produtos no RS BA - Barreiras (CIF) 37,70 -4,07 Média semanal dos preços recebidos Var. % relação MILHO média anterior pelos produtores do Rio Grande do Sul Argentina (FOB)** 151,60 0,80 Paraguai (CIF)** 110,00 -0,90 Produto 12/03/2009 Paraguai (FOB)** 145,00 -0,68 RS - Erechim 19,00 -3,55 SC - Chapecó 21,01 -3,84 Arroz em casca PR - Cascavel 17,35 -3,61 (saco 60 Kg) 29,29 PR - Maringá 17,65 -4,34 MT - Rondonópolis 14,75 -0,67 Feijão (saco 60 Kg) 91,50 MS - Dourados 17,07 -1,90 SP - Mogiana 18,49 -1,02 Sorgo (saco 60 Kg) 15,00 SP - Campinas (CIF) 20,18 -1,94 Suíno tipo carne GO - Goiânia 19,65 -0,66 (Kg vivo) 1,64 MG - Uberlândia 18,95 -1,56 Leite (litro) cota- Var. % relação TRIGO*** média anterior consumo (valor bruto) 0,54 RS - Carazinho 495,00 0,20 RS – Santa Rosa 495,00 0,20 Boi gordo (Kg vivo)* 2,58 PR - Maringá 570,00 0,88 (*) compreende preços para pagamento em PR - Cascavel 560,00 0,90 10 e 20 dias * Período entre 06/03 e 12/03/09 Fonte: CEEMA, com base em informações da Fonte: CEEMA com base em dados da Safras EMATER-RS. & Mercado. ** Preço médio em US$ por tonelada. *** Em Reais por tonelada ENDEREÇO: RUA DO COMÉRCIO, 3000 CAMPUS - PRÉDIO EPSÍLON CX. POSTAL: 560 BAIRRO UNIVERSITÁRIO - CEP: 98700-000 IJUÍ – RS - BRASIL FONE: (55) 0**55 3332-0487 FAX: (55) 0**55 3332-0481 E-MAIL: ceema@unijui.edu.br
  3. 3. MERCADO DA SOJA: Apesar das oscilações durante a semana, as cotações da soja em Chicago praticamente permaneceram nos mesmos níveis da semana anterior. O fechamento desta quinta-feira (12), porém, foi interessante, levando o preço do grão para US$ 8,99/bushel na posição março (que sai do mercado neste final de semana), enquanto maio ficou em US$ 8,82/bushel. O farelo ficou em US$ 289,00/tonelada curta e o óleo em 30,11 centavos de dólar por libra-peso. O assunto principal da semana, na área internacional, foi o novo relatório de oferta e demanda dos EUA, divulgado no dia 11/03. O mesmo poucas novidades trouxe na área da soja. A produção dos EUA permaneceu em 80,5 milhões de toneladas (ano 2008/09), enquanto os estoques finais foram novamente reduzidos, passando agora para 5,03 milhões de toneladas neste ano considerado. Esse é o ponto de maior pressão altista no mercado no momento, embora não tenha provocado grandes perturbações. Na verdade, o mercado está mais interessado, agora, na intenção de plantio nos EUA, que sairá no dia 31/03, onde deverá constar um aumento na área a ser plantada com a oleaginosa. Além disso, acompanha-se com atenção a colheita da América do Sul. Diante disso, os preços médios projetados para o atual ano comercial foram levemente elevados, passando para valores entre US$ 8,85 e US$ 9,85/bushel. Ou seja, no momento o mercado está um pouco abaixo do limite inferior destes preços projetados. Em termos mundiais, a produção geral foi reduzida em quase um milhão de toneladas, porém, os estoques finais acabaram subindo levemente, ficando em 49,95 milhões de toneladas. Vale destacar que o relatório reduziu para 43 milhões de toneladas a safra da Argentina (o vizinho país estima que a colheita possa ser ainda menor, ficando entre 40 e 42 milhões de toneladas), enquanto manteve a produção brasileira em 57 milhões de toneladas. Já a produção chinesa continua estimada em 16,8 milhões de toneladas e as importações em 36 milhões, contra 37,8 milhões de toneladas no ano anterior e 28,7 milhões em 2006/07. Afora isso, tem-se que os embarques semanais de soja, pelos EUA, na semana encerrada em 05/03, alcançaram 740.700 toneladas. No acumulado do ano, o volume atinge a 23,1 milhões de toneladas, contra 20,7 milhões no mesmo período do ano anterior. Já os registros de exportação, na mesma semana, ficaram em 837.000 toneladas, contra 155.800 toneladas na semana anterior. Por sua vez, o prêmio no Golfo do México ficou entre 63 e 66 centavos de dólar por bushel, para o mês de março e 50 a 52 centavos para junho. Ainda em termos internacionais, vale destacar que a União Européia (27 países) teria importado um recorde de 2,2 milhões de toneladas dos quatro principais óleos vegetais somados, no período de outubro a dezembro de 2008. Já o comércio mundial de canola e colza deverá atingir a 11,6 milhões de toneladas no ano comercial 2008/09 (julho a junho). Por outro lado, as exportações mundiais de óleo de palma deverão crescer 7% no mesmo ano (outubro/setembro), atingindo a 35,2 ENDEREÇO: RUA DO COMÉRCIO, 3000 CAMPUS - PRÉDIO EPSÍLON CX. POSTAL: 560 BAIRRO UNIVERSITÁRIO - CEP: 98700-000 IJUÍ – RS - BRASIL FONE: (55) 0**55 3332-0487 FAX: (55) 0**55 3332-0481 E-MAIL: ceema@unijui.edu.br
  4. 4. milhões de toneladas. Nesse mesmo período, a União Européia deverá esmagar 39,6 milhões de toneladas de oleaginosas em geral, fato que indica um incremento de um milhão no esmagamento de colza e 1,3 milhão na trituração de girassol. Na Argentina, o mercado esteve praticamente parado durante a semana. O prêmio em Rosário se manteve entre 50 e 60 centavos de dólar por bushel, para março, e entre 30 e 40 centavos para maio. Na Europa, o CIF Rotterdam apontou valores para o pellets de soja em US$ 350,00/tonelada, para março, tanto para o produto brasileiro quanto para o produto argentino. Para o período maio/setembro os respectivos valores fecharam a semana em US$ 328,00 e US$ 318,00/tonelada. Na União Européia, o consumo total dos 12 principais farelos protéicos deverá declinar em 4% em 2008/09, ficando em 55,9 milhões de toneladas. No Brasil, os preços pouco oscilaram na semana, diante de um câmbio que acabou cedendo e fechando a quinta-feira em R$ 2,30. Assim, a média semanal no balcão gaúcho ficou em R$ 42,98/saco, enquanto os lotes oscilaram entre R$ 44,50 e R$ 45,00/saco no Rio Grande do Sul. Nas demais praças do país, os lotes terminaram a semana entre R$ 37,50/saco em Barreiras (BA) e R$ 43,50/saco em Cascavel (PR). Vale destacar que a colheita nacional, até o dia 06/03, atingia a 27% da área semeada, contra 21% na média histórica. O Paraná já havia colhido 30% na oportunidade, contra 52% no Mato Grosso, 32% no Mato Grosso do Sul, 40% em Goiás, 30% em São Paulo e 6% em Minas Gerais. Nos demais Estados não há registros de colheita, embora aos poucos a mesma esteja começando. O forte da entrada de soja no mercado nacional será em abril, fato que deverá pressionar ainda mais os preços para baixo em determinadas regiões. Os prêmios nos diferentes portos brasileiros ainda oscilam entre 60 e 70 centavos de dólar por bushel, com projeção de recuo para os próximos meses. Enfim, destaca-se que a “soja inox”, resistente à ferrugem, deverá ter disponível mais de 100.000 sacos de semente para a safra 2009/10, particularmente no Mato Grosso. As primeiras sementes estão sendo colhidas agora visando o plantio em maior escala no próximo ano, o que é um novo avanço científico em favor do setor primário. Por outro lado, justamente por não usar toda a tecnologia disponível, em função dos altos custos dos insumos, a produtividade do Mato Grosso, na atual safra de soja, se confirma menor. Na maior parte das regiões analisadas, existem perdas médias de 5 sacos por hectare. Em alguns casos, os produtores simplesmente não utilizaram fertilizantes, derrubando a produtividade para 38 sacos por hectare, fato que não paga o custo médio projetado, mesmo sem uso de adubo, que seria entre 40 e 42 sacos por hectare. Ou seja, mais uma vez se confirma a máxima de que o barato sai caro. MERCADO DO MILHO: ENDEREÇO: RUA DO COMÉRCIO, 3000 CAMPUS - PRÉDIO EPSÍLON CX. POSTAL: 560 BAIRRO UNIVERSITÁRIO - CEP: 98700-000 IJUÍ – RS - BRASIL FONE: (55) 0**55 3332-0487 FAX: (55) 0**55 3332-0481 E-MAIL: ceema@unijui.edu.br
  5. 5. As cotações do milho em Chicago fecharam a quinta-feira (12) em US$ 3,76/bushel, após atingirem a US$ 3,49 uma semana antes. Esta pequena recuperação esteve mais para ajuste técnico, devido as baixas anteriores, do que propriamente motivada por elementos fundamentais de mercado. Dito isso, é verdade que o relatório do USDA, divulgado no dia 11/03, contribuiu um pouco para segurar o recuo das cotações do cereal. O mesmo manteve a produção final dos EUA em 307,5 milhões de toneladas, porém, reduziu um pouco os estoques finais daquele país, para o ano 2008/09. Tais estoques passam agora a 44,2 milhões de toneladas, enquanto o mercado espera o relatório de intenção de plantio, previsto para o dia 31/03. A tendência é de uma redução na área de milho, fato que pode dar mais sustentação às cotações internacionais (o mercado espera uma área entre 33 e 34 milhões de hectares, contra 34,8 milhões na safra passada). Pelo sim ou pelo não, o fato é que o USDA aumentou a patamar de preços médios do milho, com o mesmo ficando agora entre US$ 3,90 e US$ 4,30/bushel para o restante deste ano comercial. Ou seja, os preços atualmente praticados em Chicago ainda estão abaixo do piso indicado nesse patamar. A surpresa veio no número de consumo de milho para fazer etanol, o qual subiu para 94 milhões de toneladas, contra 91,5 milhões indicadas no relatório de fevereiro. Em termos mundiais, o relatório acabou aumentando a produção geral, com a mesma passando agora para 787,1 milhões de toneladas, enquanto os estoques finais subiram para 144,62 milhões de toneladas. Isso pode ser um elemento impeditivo para que os preços subam de maneira mais interessante no segundo semestre. A produção argentina foi mantida em 13,5 milhões de toneladas e a brasileira em 49,5 milhões de toneladas (abaixo do que as análises brasileiras vêm indicando). Espera-se exportação de 9,5 milhões de toneladas por parte do Brasil em 2008/09. Afora isso, a semana registrou igualmente preços do petróleo que permaneceram ao redor de US$ 40,00/barril, fato que continua a desestimular a produção de etanol de milho nos EUA. A situação está tão difícil que o governo local já estuda a possibilidade de aumentar a mistura de álcool de milho na gasolina na proporção de até 20% visando manter as usinas de álcool funcionando. No final da semana, o anúncio pela OPEP de novo corte na produção de petróleo deu certo ânimo às cotações das commodities, inclusive o milho. No mercado argentino, a tonelada FOB recuou para US$ 150,00, enquanto no Paraguai a mesma ficou em US$ 110,00. No mercado brasileiro, os preços gaúchos no balcão voltaram a ceder, com a média semanal ficando em R$ 17,50/saco e se aproximando rapidamente do preço mínimo oficial. Já os lotes, no norte do Estado, registraram média de R$ 18,25/saco. Nas demais praças pesquisadas no país, os preços dos lotes oscilaram entre R$ 14,75/saco em Rondonópolis (MT) e R$ 20,55/saco em Chapecó (SC). Na comparação das médias semanais (cf. tabela no início deste boletim) todas as praças acusaram recuo no preço do cereal nesta segunda semana de março. Na exportação, houve notícias de vendas a US$ 158,00/tonelada para abril/maio e de US$ 163,00/tonelada para julho/agosto. ENDEREÇO: RUA DO COMÉRCIO, 3000 CAMPUS - PRÉDIO EPSÍLON CX. POSTAL: 560 BAIRRO UNIVERSITÁRIO - CEP: 98700-000 IJUÍ – RS - BRASIL FONE: (55) 0**55 3332-0487 FAX: (55) 0**55 3332-0481 E-MAIL: ceema@unijui.edu.br
  6. 6. A colheita da safra de verão e a existência de um importante estoque de passagem pressiona o mercado para baixo. Alia-se a isso a redução de consumo na avicultura e suinocultura diante de menores exportações devido a crise econômico-financeira mundial. A produção nacional de milho, para este ano de 2009, está agora em 51,7 milhões de toneladas, contrastando com o anúncio de 49,5 milhões feito pelo USDA em seu relatório do dia 11/03 (veja acima). A safra de verão deverá render 28,7 milhões de toneladas, enquanto a safrinha é estimada em 17,2 milhões. O restante virá do Norte e Nordeste do país. Enfim, a semana terminou com mais um leilão de opção de venda feito pela Conab, com o mesmo sendo realizado no dia 12/03 e direcionado aos produtores da safrinha. O preço de exercício ficou em R$ 15,00/saco, para entrega em agosto, e de R$ 15,36/saco para entrega em setembro. Foram negociados 95% dos 20.362 contratos disponibilizados. Um novo leilão está previsto para o dia 19/03. A semana encerrou com as importações, no CIF indústrias brasileiras, valendo R$ 34,79/saco, para março, para o produto dos EUA e R$ 29,65/saco para o produto da Argentina, tanto para março quanto para abril. Na exportação, no transferido via Paranaguá, o mês de março cotou a R$ 20,65/saco, abril a R$ 21,15, maio a R$ 21,27, junho a R$ 21,59/saco. MERCADO DO TRIGO: As cotações do trigo em Chicago, após recuarem novamente abaixo do piso de US$ 5,00/bushel, ao se estabelecerem em US$ 4,98 no dia 11/03, fecharam a quinta-feira (12) em US$ 5,15/bushel. Além do tradicional ajuste técnico, vale destacar os números do relatório do USDA, divulgado no dia 11/03. O mesmo confirmou a produção dos EUA, no ano 2008/09, em 68 milhões de toneladas, e estoques finais para o mesmo ano em crescimento, atingindo 19,4 milhões de toneladas naquele país (em fevereiro os estoques finais eram estimados em 17,8 milhões de toneladas). O preço de referência, médio, para o ano continuou entre US$ 6,70 e US$ 6,90/bushel, o que está muito acima do atualmente registrado pelo mercado. Em termos mundiais, a produção global está agora em 684,43 milhões de toneladas (+0,24% sobre o anunciado em fevereiro). Os estoques finais mundiais subiram para 155,85 milhões de toneladas, com o comércio mundial ficando em 125 milhões de toneladas. A produção da Argentina é de 8,4 milhões de toneladas, com exportações de 3,5 milhões de toneladas, enquanto a produção brasileira ficou em 5,8 milhões, embora com qualidade comprometida em ambos os casos. Por sua vez, as vendas líquidas estadunidenses, no ano comercial 2008/09, iniciado em 01/06/2008, somaram 285.200 toneladas na semana encerrada em 26/02. Na Argentina, o mercado continuou muito parado, com preços ao redor de US$ 200,00/tonelada. Segundo a Secretaria de Agricultura do vizinho país, as exportações de trigo local recuaram para 8,5 milhões de toneladas em 2008, após 9,48 milhões em ENDEREÇO: RUA DO COMÉRCIO, 3000 CAMPUS - PRÉDIO EPSÍLON CX. POSTAL: 560 BAIRRO UNIVERSITÁRIO - CEP: 98700-000 IJUÍ – RS - BRASIL FONE: (55) 0**55 3332-0487 FAX: (55) 0**55 3332-0481 E-MAIL: ceema@unijui.edu.br
  7. 7. 2007. Para 2009 o recuo é ainda mais drástico, com um volume estimado em apenas 3,5 milhões de toneladas devido à forte quebra na safra tritícola em função da seca. No Brasil, os preços médios subiram um pouco nas regiões produtoras. No balcão, a média gaúcha ficou em R$ 24,52/saco, enquanto os lotes se mantiveram em R$ 495,00/tonelada. No Paraná, os lotes subiram para valores entre R$ 560,00 e R$ 570,00/tonelada. O mercado brasileiro somente não reage mais porque está entrando produto de outros países, fora a Argentina. Nesta semana, por exemplo, noticiou-se que a Bunge teria comprado 25.000 toneladas de trigo russo, para entrega em maio no Nordeste do Brasil. O referido produto seria US$ 60,00/tonelada mais barato do que o produto dos EUA. A estimativa é de que nosso país precisará importar, de fora do Mercosul, cerca de 2 milhões de toneladas. Nesse sentido, continua a pressão das indústrias sobre o governo para que o mesmo reduza à zero a Tarifa Externa Comum para o trigo de fora do Mercosul, repetindo o que foi feito no ano passado. (cf. Safras & Mercado) Dito isso, o mercado continua com tendência de alta para os próximos meses, no que tange ao trigo de qualidade superior. A incógnita, nesse sentido, é a definição de quanto o produtor nacional irá semear na nova safra, já que os custos de produção baixaram um pouco, porém, não o suficiente, enquanto os preços ainda reagem lentamente. Espera-se que no momento do plantio (a partir de abril no Paraná) os preços melhorem para estimular o produtor. Por outro lado, diante da recessão econômica que se instala também no Brasil nesse final de primeiro trimestre, a tendência é do consumo de trigo e derivados se reduzir um pouco, fato que poderá segurar uma alta mais interessante nos preços aos produtores, imaginada ainda no início de 2009. Por fim, a semana terminou com as importações, no CIF indústrias do Sudeste nacional, valendo US$ 308,29/tonelada para o produto procedente dos EUA, US$ 260,72/tonelada para o produto argentino e US$ 270,52/tonelada para o produto oriundo do norte do Paraná. ENDEREÇO: RUA DO COMÉRCIO, 3000 CAMPUS - PRÉDIO EPSÍLON CX. POSTAL: 560 BAIRRO UNIVERSITÁRIO - CEP: 98700-000 IJUÍ – RS - BRASIL FONE: (55) 0**55 3332-0487 FAX: (55) 0**55 3332-0481 E-MAIL: ceema@unijui.edu.br

×