Análise semiótica do Webjornalismo na região de Ijuí<br />Taíse Cristina Heberle de Lima<br />Considerações iniciais<br />...
AnáLise SemióTica Do Webjornalismo Na RegiãO De Ijuí
AnáLise SemióTica Do Webjornalismo Na RegiãO De Ijuí
AnáLise SemióTica Do Webjornalismo Na RegiãO De Ijuí
AnáLise SemióTica Do Webjornalismo Na RegiãO De Ijuí
AnáLise SemióTica Do Webjornalismo Na RegiãO De Ijuí
AnáLise SemióTica Do Webjornalismo Na RegiãO De Ijuí
AnáLise SemióTica Do Webjornalismo Na RegiãO De Ijuí
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

AnáLise SemióTica Do Webjornalismo Na RegiãO De Ijuí

789 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
789
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AnáLise SemióTica Do Webjornalismo Na RegiãO De Ijuí

  1. 1. Análise semiótica do Webjornalismo na região de Ijuí<br />Taíse Cristina Heberle de Lima<br />Considerações iniciais<br />O presente artigo é baseado em entrevistas e exemplos que caracterizam a região de Ijuí em relação ao meio digital de se informar. O jornalismo on-line é também chamado de webjornalismo, ciberjornalismo e jornalismo digital. Pretende - se atingir alguns pontos referente às informações disseminadas por jornais on-line de algumas regiões de Ijuí.<br />Muitos são os questionamentos que surgiram em torno do jornalismo on-line, que tem conquistado cada vez mais leitores e anunciantes. Será que o jornal impresso está com seus dias contados? E quanto aos jornais on-line, quais são suas metas? Estão obtendo lucro? Enfim, qual o meio de divulgação de informações que oferece maiores possibilidades aos leitores?<br />Na primeira parte o artigo trará um breve histórico da inserção dos computadores na sociedade, as funções dos militares em relação aos meios eletrônicos, os grandes computadores que possuíam funções de cálculos a grandes empresas, indústrias. Eles eram materiais fundamentais para a contabilidade e hoje são essenciais para a realização de trabalhos, pesquisas. As redes criadas em meados do século XIV em universidades dos Estados Unidos, assim transformando o mundo em usuários dessa grande rede de informações.<br />Em seguida na segunda parte terá um breve relato de qual foi o primeiro jornal a se adaptar ao meio on-line. Como o jornal digital foi inserido na sociedade, os seus objetivos. A interatividade que gera um jornal on-line e suas dificuldades de manter sempre atualizado, as mudanças em relação a linguagem e objetividade necessária, com todas essas mudanças os profissionais também tiveram que se adaptar ao novo.<br />Na terceira seção será apresentado como foi e como está sendo a inserção do webjornalismo na região de Ijuí, a interatividade com o público e o novo. Ijuí é uma região que possui um número considerável de meios de comunicação ativos. Hoje conta com uma rádio que fornece notícias atualizadas num site e ao mesmo tempo pode ser ouvida e interagida com o locutor em tempo real. E um jornal digital que fornece notícias, vídeos, áudios e muita interatividade com seus leitores.<br />A quarta seção tem como objetivo mostrar a opinião de um diretor de jornal digital e um jornalista que trabalha em uma rádio e um jornal impresso. O diretor do jornal conta quais são os objetivos de um jornal virtual, seus meios de conseguir lucro as preocupações e as inovações nesse meio. E o jornalista expõe sua opinião referente ao assunto.<br />Histórico do webjornalismo<br />A expansão do computador foi dada nos anos setenta por um movimento de contracultura, na Califórnia, inventando-se o computador pessoal. Após isso foram criados inúmeros softwares para suprir a necessidade de seus usuários nas áreas das telecomunicações, edição, cinema e televisão, deixando de ser assim apenas um aparato técnico do setor industrial.<br />Quando os computadores vieram à sociedade atual eram utilizados por homens que só podiam utilizá-los com roupas brancas, eles eram instalados em um prédio onde ocupava alguns andares, em salas refrigeradas vinte e quatro horas por dia. Quem os usava eram cientistas para fazer cálculos, contabilidades e inúmeras coisas que hoje são feitas de uma maneira completamente diferente. Assim com o tempo veio o computador para a casa. As facilidades de adquirir um computador foram aumentando e as tecnologias evoluindo rapidamente. <br />Hoje se pode dizer que a maior parte da população possui um computador em casa, e utilizam-no tanto para fazer atividades relacionadas ao trabalho, estudo quanto para lazer. As pessoas agilizam a comunicação, as trocas de informações são essenciais para o andamento de muitas atividades nos dias atuais. Como Pierre Lèvy nos traz: “As máquinas a vapor subjugaram os operários das fábricas têxteis do século XIX, ao passo que os computadores pessoais aumentaram a capacidade de agir e de comunicar os indivíduos durante os anos 80 deste século” (LÈVY, 1997, p.24).<br />Há pessoas totalmente inseridas no meio da evolução tecnológica, que mesmo convivendo em um ambiente completamente globalizado e com freqüentes mudanças para a adaptação ao que está mudando, não conseguem acompanhar as novas tecnologias.<br />... para as classes sociais ou as regiões do mundo que não participam na efervescência da concepção, da produção ou da apropriação lúdica dos novos instrumentos numéricos, para todos eles a evolução técnica parece a manifestação de um ”outro” ameaçador. Na verdade, cada um de nós encontra-se pouco ou muito neste estado de despojamento. A aceleração é tão forte e tão generalizada que mesmo os mais à “moda” são, em graus diversos, ultrapassados pela mudança, pois ninguém pode participar ativamente na criação das transformações do conjunto das especialidades técnicas, nem tampouco segui-las de perto (LÈVY, 1997, p. 29).<br />A rede Word Wide Web ingressou em 2003 com em média duzentos milhões de usuários. Segundo um estudo chamado de “The second wave: the Brazilian Internet user forecast” os usuários de internet serão formados basicamente pelas camadas B e C num futuro muito próximo.<br />A internet foi criada em 1.969 quando uma agência norte-americana focada em pesquisas de informações ao serviço militar criou a rede de computadores, onde havia as comunicações emergenciais entre os militares, caso os EUA fossem atacados por outros paises, principalmente a União Soviética. <br />O repasse de informações entre novos usuários cresceu. Entre eles haviam pesquisadores universitários que utilizavam a rede para transferir grandes arquivos por e-mail. Novas redes começaram a surgir e passam a oferecer acesso a outras universidades e organizações de pesquisa dentro do país até chegar aos dias atuais.<br />Principais meios on-line<br />Os meios jornalísticos impressos, radiofônicos e televisivos começaram a criar versões on-line a partir do final da década de oitenta, nos Estados Unidos, mas o grande impulso ocorreu já nos anos noventa. Os jornais foram os primeiros a migrar para o novo meio, talvez por observar a aparição da Internet como mais uma ameaça à sua sobrevivência. <br />Um dos primeiros jornais diários a criar uma versão on-line foi o San Jose Mercury News, em 1994. A grande inovação trazida por este jornal on-line, além do acesso aos seus conteúdos do dia, foi à possibilidade de o leitor interagir com os conteúdos, através de recursos de busca e da navegação, de interagir com os jornalistas, através do e-mail, e de participar em fóruns de discussão propostos pelo jornal, tudo que ainda hoje se mantém.<br />A adaptação ao on-line não foi fácil. Surgiu a necessidade de se descobrirem às características da linguagem do novo meio e de se adaptar o discurso jornalístico convencional a essa nova realidade virtual. Por outro lado, os meios jornalísticos sentiram a necessidade de utilizar recursos financeiros ao jornalismo on-line e de capacitar os seus profissionais para o novo meio.<br />Segundo entrevista concedida com Sandro Silvello jornalista do jornal e rádio Repórter quando surgiu a televisão muitas pessoas imaginavam que o rádio estaria com seus dias contados e o que acabamos tendo é uma adaptação das mídias tradicionais aos novos tempos. Como exemplo ele cita uma parceria inédita firmada pelo jornal O repórter com o jornal virtual Ijuhy.com, onde, o jornal impresso é colocado na página do site na internet e ao mesmo tempo continuará circulando.<br />A inserção do jornalismo on-line na região de ijuí<br />Ijuí é uma cidade do interior do estado do Rio Grande do Sul, possui uma cultura étnica muito vasta, é uma cidade universitária. Quanto ao meio tecnológico, inovações, as pessoas são muito bem informadas e acessam notícias e informações constantemente como em muitas cidades do Brasil, o número de informações que chegam até as pessoas e para facilitar a disseminação dessas informações são criados novos meios de repassá-las, notícias, fatos que ocorrem na comunidade e sobre diversos assuntos.<br />Em Ijuí nesse período estão sendo criados jornais e rádios on-line onde o objetivo é a rápida transmissão de informação e de fácil compreensão. Esses meios são muito acessados por diversos trabalhadores, estudantes e comunidade em geral. No momento em que são postados conteúdos, milhares de pessoas estão acessando e lendo o conteúdo.<br />Rádios tradicionais na cidade, no meio jornalístico, estão inseridas no meio virtual, um exemplo é a Rádio progresso de Ijuí (www.radioprogresso.com.br). Em seu site constam notícias que são atualizadas com freqüência, pode ser ouvida no próprio site, há um recurso que propõe interatividade que é um menssager onde o ouvinte ou mesmo alguém que está visitando o site pode conversar com o locutor, dar idéias.<br />Outro exemplo é o jornal on-line Ijuhy (www.ijuhy.com) É o primeiro webjornal instalado na região de Ijuí, possui uma equipe especializada que busca informações e produz reportagens para o site. Em algumas notícias são inseridas fotos, contêm vídeos sobre fatos ocorridos na região. <br />Jornal impresso X Jornal on-line<br />Segundo entrevista concedida por Hilário Barbian um dos administradores do jornal digital Ijuhy.com, há uma geração de pessoas antigas que se criaram lendo jornais impressos nessa região e no resto do mundo. Para ele á medida em que as pessoas mais idosas falecerem, se encerrará também o costume de ler informações em jornal papel “Fica difícil dizer quanto tempo ainda vai durar o jornal-papel. Mas me parece, pelo que constato que será mais rápido do que se imagina. Dentro de dez anos o quadro já será completamente diferente”. <br />Para ele o jornal virtual oferece mais informações ao público, pois é nesse meio que há um “mix” de mídias num só veículo como: textos, fotos e áudios, vídeos com imagem e áudio, é praticamente uma TV dentro do jornal virtual. A busca de informações é uma necessidade do homem atual por esse fato a internet chegará muito breve em todos os lugares do mundo e todos terão acesso a informações em tempo real.<br />A região de Ijuí possui dezesseis veículos de comunicação, é um município onde é muito bem munido de informações. Com o tempo é possível que haja uma seleção onde sobreviverão alguns, os mais fortes. No presente momento os grandes veículos de comunicação são as rádios AM, logo acreditamos que serão os jornais virtuais que irão se impor gradativamente.<br />Barbian acredita que com o passar do tempo o jornal impresso será substituído: “Com o passar do tempo isso vai ser a regra. O jornal impresso vai substituir até houver leitores que paguem. Quando ele se tornar inviável economicamente deixará de circular, como está acontecendo em todo o mundo”. A meta do jornal digital Ijuhy.com é informar com imparcialidade “Em termos político-ideológicos posso dizer que nosso jornal dá a voz e vez a todas as manifestações político-partidárias.”. Ele diz que o site quer ser o que Caldas Junior fez em primeiro de outubro de mil oitocentos e noventa e cinco ao fim da Revolução Federalista, fundou o Correio do Povo com objetivos de imparcialidade, apartidário para dar voz e vez a todos os partidos, tanto situação quanto oposição.<br />Os jornais impressos possuem como forma de lucro os classificados, mas principalmente os assinantes, o jornal virtual possui um custo muito inferior ao impresso, por esta razão não é necessária muita publicidade para se manter. Mas a forma de sustentação do jornal é a publicidade de empresas ou de produtos. Acredita-se que essa publicidade procurará muito mais os jornais virtuais do que nos dias atuais.<br />Os acessos diários do site ijuhy.com são de três mil, o mesmo número do site da Rádio Progresso, a rádio faz anos que possui o mesmo endereço e já passou por várias mudanças estéticas e informativas e o Ijuhy.com existe há apenas três meses. Hilário enfatiza que os acessos aumentaram após a divulgação da página nos busdoors da empresa de Transportes de Ijuí. Agora o jornal digital está partindo para o newsletter diário que será outra alavanca de divulgação.<br />Segundo Silvello a internet agrega todos os veículos tradicionais em apenas um local: rádio, televisão, jornal, acessando links para áudio ou reportagens televisivas pode – se aprofundar assuntos de diversos interesses, ele cita o exemplo do caso Michael Jackson, que pode ser acessadas todas as mídias em apenas um só lugar.<br />Para Sandro o meio radiofônico é o que mais fácil divulga informações ao público da região não podendo comparar os meios entre si. Ele acredita que no momento é muito cedo para definir a situação de que o jornal virtual pode ou não mudar o cenário da região, mas o fato que pode definir é que os brasileiros estão no topo dos acessos a internet, passam em média quatro horas diárias, mostrando o poder que a mídia virtual pode ter.<br />Ele entende que os jornais tanto digitais como os impressos podem conviver juntos durante muito tempo, porém é complicado projetar o que ocorrerá num período de dois ou três anos. Quem poderia imaginar que a internet se tornaria um dos principais canais de informação: “Quando se falava em integração, Marshal McLuhan dizia que a internet criaria a aldeia global. Agora, ao contrario, constatamos que ela acentua cada vez mais as diferenças culturais” diz Sandro Silvello.<br />Considerações finais<br />Foi possível perceber nesse artigo a era virtual, o início da utilização do computador, que passou de objeto utilizado por cientistas, na comunicação, na guerra, setor industrial até chegar onde está hoje, podendo ser manipulado por qualquer pessoa que possua um mínimo de conhecimento sobre suas funções. <br />Cidades do interior, como Ijuí, que está se inserindo dentro desse novo meio, o digital, em que milhares de pessoas acessam sites, jornais on-line, blogs, enfim, meios que lhes mantêm informadas e que ao mesmo tempo possam interagir com outras pessoas seja por e-mails, fóruns, messenger, orkut, ferramentas que lhes dão mais possibilidades de comunicação. <br />Participar de uma rede social pode ser mais complexo do que o imaginado onde necessidade de velocidade e praticidade para suprir as necessidades de públicos diferentes se torna cada vez mais visíveis. <br />Os webjornais estão aos poucos se tornando o meio mais utilizado para pesquisas, busca de informações e como diz Sandro Silvello, os jornais impressos e os digitais poderão andar juntos, um complementar o outro, não há a necessidade de se extingui um para que o outro funcione devidamente.<br />Referências<br />LÉVY, Pierre. O que é virtual, 1 ed. São Paulo: Editora 34, 1996, 157 p.<br />LÉVY, Pierre. Cibercultura, Europa: Éditions du Conseil de Ieurope, 1997, 281p.<br />www.ijuhy.com; acessado em: 15 de Junho de 2009 às 9 horas e 13 minutos.<br />Entrevista concedida com: Hilário Barbian, administrador do site ijhuy.com. E Sandro Silvello jornalista do jornal O Repórter e radialista.<br />http://books.google.com.br/books?id=2YR6u-zM-kYC&printsec=frontcover&dq=pollyana+ferrari+-+jornalismo+digital. Acessado em 30/06/2009 às 16 horas e 20 minutos.<br />

×