Psicologiadaeducacao 08 03_07[1]

3.573 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.573
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicologiadaeducacao 08 03_07[1]

  1. 1. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 1
  2. 2. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Silvana Martins Dourado FORTALEZA Editora FGF 2007 2
  3. 3. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO COPYRIGHT ©2007 BY EDITORA GRANDE FORTALEZA ESTA OBRA OU PARTE DELA NÃO PODE SER REPRODUZIDA POR QUALQUER MEIO SEM A AUTORIZAÇÃO DO EDITOR. FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA Direção Geral Renata Peluso de Oliveira Direção do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) Marina Abifadel Barrozo Direção Acadêmica Paulo Roberto Melo de Castro Nogueira Coordenação Pedagógica do Núcleo de Educação a Distância João José Saraiva da Fonseca Sônia Maria Henrique Pereira da Fonseca Editora Responsável Renata Peluso de Oliveira Coordenação de Divulgação Acadêmica Maria das Graças Freire de Oliveira Revisão Textual Tarcísio Cavalcante Capa Célio Gomes Vieira EDITORA GRANDE FORTALEZA - FGF Av. Porto Velho, 401 - João XXIII-Fortaleza/CE - CEP. 60510040 Tel. (85)3299-990/Fax. (85)3496-4384 email.fgf@fgf.edu.br Dourado, Silvana Martins Psicologia da Educação Fortaleza: Editora Grande Fortaleza FGF, 2007. 76p. 21 cm. 1. Psicologia Escolar 2. Motivação na Aprendizagem 3. Desenvolvimento. Emocional 4. Desenvolvimento Cognitivo··. 3 CDD: 370.15
  4. 4. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SUMÁRIO PSICOLOGIA E A EDUCAÇÃO OBJETIVOS DO MÓDULO. ................................................................................................7 UNIDADE I A PSICOLOGIA E A EDUCAÇÃO TEMA 1 A Psicologia da Educação ....................................................................................8 1.1Introdução....................................................................................................................... 1.2 Conceituação de psicologia e Temas de Estudo Relacionados com a educação ......9 1.2Concepções Psicológicas ..............................................................................................11 1.3 Psicologia da Educação ................................................................................................12 1.4 Contribuição da Psicologia da Educação .....................................................................13 Resumo ...............................................................................................................................14 Auto-Avaliação ....................................................................................................................14 Bibliografia ...........................................................................................................................14 UNIDADE I A PSICOLOGIA E A EDUCAÇÃO TEMA 2 Psicologia da Aprendizagem ................................................................................15 2.1 Aprendizagem ...............................................................................................................16 2.2 O que é aprendizagem..................................................................................................17 2.2.1 Características da Aprendizagem..............................................................................17 2.3 Elementos fundamentais do processo de ensino-aprendizagem ................................19 2.4 Fique atento às condições necessárias para a aprendizagem (dicas baseadas na proposta de Ruth Caribe) ....................................................................................................19 Resumo ...............................................................................................................................20 Auto-avaliação .....................................................................................................................20 Bibliografia ...........................................................................................................................21 UNIDADE I A PSICOLOGIA E A EDUCAÇÃO TEMA 3 Parâmetros sobre o desenvolvimento Humano ...................................................22 3.1 Caracterização da Psicologia do Desenvolvimento .....................................................22 3.2 Psicologia do Desenvolvimento: Aspectos Históricos..................................................23 3.3 Conceito de Psicologia do Desenvolvimento................................................................24 3.4 Metas da Psicologia do Desenvolvimento ....................................................................24 3.5 Importância do Estudo do Desenvolvimento Humano para o Educador .....................25 3.6 fatores que Influenciam o desenvolvimento Humano ..................................................26 3.7 fases do desenvolvimento Humano..............................................................................26 Resumo ...............................................................................................................................28 Auto-avaliação .....................................................................................................................28 Bibliografia ...........................................................................................................................28 UNIDADE I A PSICOLOGIA E A EDUCAÇÃO TEMA 4 A Psicologia da Adolescência...............................................................................30 4.1 Adolescente..................................................................................................................31 4.2 Duração da adolescência..............................................................................................33 4
  5. 5. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 4.3 Etapas de desenvolvimento da adolescência ..............................................................33 4.4 Algumas considerações sobre o adolescente atual .....................................................36 Resumo ...............................................................................................................................38 Auto-avaliação .....................................................................................................................38 Bibliografia ...........................................................................................................................39 UNIDADE I A PSICOLOGIA E A EDUCAÇÃO TEMA 5 Motivação no Conceito Educacional ....................................................................40 5.1 Definição e natureza do motivo ...................................................................................41 5.2 Teoria de Maslow – A Hierarquia das Necessidades ..................................................41 5.3 Frustração ....................................................................................................................42 5.4 Incentivos .....................................................................................................................42 5.5 Motivação na Escola .....................................................................................................42 5.6 Motivação no Ensino .....................................................................................................43 Resumo ...............................................................................................................................44 Auto-avaliação .....................................................................................................................44 Bibliografia ...........................................................................................................................44 UNIDADE II PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO ......................................................................46 TEMA 1 A Aprendizagem para a Abordagem Humanista..................................................47 Apresentação 1.1 Carl Rogers ..................................................................................................................48 1.2 Princípios Básicos da Abordagem Humanista Proposta por Carl Rogers ...................48 1.3 A Teoria Pedagógica (Ensino Centrado no Aluno)....................................................... 1.6 Resumo .........................................................................................................................50 Auto-Avaliação ...................................................................................................................50 Bibliografia ..........................................................................................................................51 UNIDADE II DESENVOLVIMENTO E CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO TEMA 2 A PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL NA EDUCAÇÃO....................................52 2.1 A Psicologia Comportamental......................................................................................53 2.2 Biografia: Skinner .........................................................................................................53 2.3 Pressupostos teóricos ..................................................................................................54 2.3Resumo ..........................................................................................................................57 Auto-Avaliação ...................................................................................................................57 Bibliografia ..........................................................................................................................57 5
  6. 6. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO UNIDADE II DESENVOLVIMENTO E CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO TEMA 3 VYGOTSKY E A EDUCAÇÃO .............................................................................58 3.1 Psicologia Sócio – Histórica..........................................................................................59 3.2 Pressupostos teóricos ...................................................................................................59 Resumo ..............................................................................................................................60 Auto-avaliação .....................................................................................................................61 Bibliografia ...........................................................................................................................61 UNIDADE II DESENVOLVIMENTO E CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO TEMA 4 A Epistemiologia Genética de Jean Piaget e suas implicações educacionais ....62 4.1 Piaget e a Educação .....................................................................................................63 4.2 Pressupostos Básicos ...................................................................................................63 4.3 Fases do Desenvolvimento Cognitivo...........................................................................65 4.3.1 Fase Sensório-Motor..................................................................................................65 4.3.2 Fase Pré-Operacional ................................................................................................66 4.3.3 Fase Operacional Concreta .......................................................................................66 4.3.4Fase Operacional Formal............................................................................................66 Resumo ...............................................................................................................................67 Auto-avaliação .....................................................................................................................67 Bibliografia ...........................................................................................................................67 UNIDADE II DESENVOLVIMENTO E CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO TEMA 5 Educação Inclusiva ..............................................................................................69 5.1 Sociedade e Exclusão ..................................................................................................70 5.2 Distinção entre Diferenças e Deficiências ....................................................................71 5.3 Conceitos e Principais Terminologias...........................................................................71 Resumo ..............................................................................................................................72 Auto-avaliação ....................................................................................................................72 Bibliografia ..........................................................................................................................74 6
  7. 7. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO A PSICOLOGIA E A EDUCAÇÃO Objetivos do Módulo • O presente módulo tem como objetivo contribuir para a compreensão e explicação dos processos do desenvolvimento do educando e a conseqüente interferência destes no processo ensino-aprendizagem. 7
  8. 8. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO UNIDADE I TEMA 1 A PSICOLOGIA E A EDUCAÇÃO Objetivo • Favorecer a compreensão sobre o processo de aprendizagem, sobretudo ao que diz respeito à dimensão afetiva do ser humano. 8
  9. 9. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 1.1 Conceituação de Psicologia e temas de estudos relacionados com a educação Para os gregos, psicologia seria conceituada a partir da derivação das duas palavras psyché e logos _ a primeira significa alma, mente e a outra, estudo _ “estudo da mente ou da alma”. No entanto, a Psicologia não se dedica ao estudo da alma, não se interessa em saber se ela existe ou não. É claro que, entre os psicólogos, podem existir os que acreditam ou os que não acreditam, os que são religiosos e os que em nada acreditam! Psicologia – ciência que se dedica ao estudo do homem. O objeto da psicologia é o homem. Atualmente, concebemos psicologia como uma ciência que se dedica ao estudo do homem. Significa se utilizar um método para conhecer o seu objeto profundamente. “O método científico deseja superar as afirmações superficiais do senso comum, através da observação atenta e controlada dos fenômenos psicológicos com o intuito de realizar conclusões abrangentes a respeito deles”. O objeto da psicologia é o homem. Ela não é a única a ter esse privilégio de investigá-lo; outras ciências também têm o homem como objeto. É o caso da sociologia, da biologia, da história. Cada uma delas observa o ser humano sob um determinado prisma. Por exemplo: a biologia dedica-se ao estudo do funcionamento dos seres vivos e das leis da vida. A psicologia é muito próxima da biologia, chegando a necessitar dela, mas esse não é o aspecto dos seres humanos que a psicologia prioriza. Embora o objeto seja o mesmo, o foco da psicologia é a subjetividade humana. 9
  10. 10. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Importante! A subjetividade é um dos temas mais importantes da psicologia. Significa as características peculiares de cada pessoa. Tenha atenção ao exemplo: Dois irmãos gêmeos, que freqüentaram os mesmos ambientes, assistiram a filmes violentos juntos. Um tornou-se mais inclinado a impulsos agressivos, enquanto o outro teve, no filme, um momento de alivio dos seus impulsos destrutivos. Assim podemos compreender que cada pessoa tem uma capacidade diferente de pensar o mundo, reagir a determinados eventos, de superar obstáculos; é o seu jeito de ser. Compreendeu o que é subjetividade? É o que nos torna diferentes dos outros, pois é algo que nos pertence, o que é próprio dos seres humanos. A subjetividade é singularidade, que não é inata à pessoa; é formada gradualmente através da sua interação com o mundo, intermediada pelas relações sociais. A subjetividade é uma condição exclusiva dos seres humanos e, portanto, é uma formação social e histórica. A psicologia, portanto, é uma ciência que se dedica ao estudo da subjetividade por meio dos processos psicológicos (por exemplo: memória, criatividade, inteligência, sentimentos, imaginação). Para darmos seguimento ao tema achamos importante fazer a diferenciação entre o Psicólogo, o Psiquiatra e a Psicanalista. Na maioria das vezes, encontramos dúvidas entre o público leigo a respeito da atuação destas profissões. Psicólogo é o profissional que finalizou o curso de psicologia que tem a duração média de cinco anos. O curso de Psicologia forma bacharéis, psicólogos e licenciados. São atribuições adstritas ao Psicólogo a realização de psicoterapia, aplicação e análise dos testes e elaboração de laudos psicológicos. Seu campo de atuação engloba diversos setores, tais como: educação, saúde, justiça, esporte, organizações, comunidades etc., sempre baseando seu trabalho no respeito e na promoção da igualdade e da dignidade humana. Já o Psiquiatra é o profissional que concluiu o curso de medicina e fez sua opção de especialização em psiquiatria. Seus estudos incluem a experiência de aprendizagem como residentes em unidade de saúde mental, como hospital ou centro de atenção psicossocial. Cabe ao psiquiatra diagnosticar, tratar e prescrever medicamentos para os transtornos mentais quem envolvam alterações bioquímicas. Em comparação com o psicólogo, ele dedica mais tempo de sua formação nos casos considerados graves (esquizofrenia, transtornos do humor, entre outros). O psicanalista pode ser psicólogo ou psiquiatra desde que tenha realizado sua formação por meio do tripé análise pessoal, supervisão e estudo sob a perspectiva da teoria psicanalítica criada por Sigmund Freud. Agora que você tem o conhecimento sobre o conceito de Psicologia e sobre um dos seus temas de estudo, podemos seguir, não é? O próximo passo é reconhecer as concepções psicológicas e suas repercussões para a escola. 10
  11. 11. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 1.2 Concepções Psicológicas Comumente procuramos explicar o motivo pelo qual o aluno não efetivou sua aprendizagem da maneira esperada; lançamos hipóteses para explicar o que pode ter acontecido. São exemplos de algumas: “Ele não estava amadurecido suficiente para aprender o conteúdo”; “É provável que seu ambiente familiar não proporcione a aprendizagem”; “Ele pode ter herdado a dificuldade para estudar de seus pais ou tenha algum problema genético”. As nossas explicações se baseiam na forma em que compreendemos o mundo e o homem. Ou seja, o nosso trabalho pedagógico depende diretamente da visão de homem e de mundo que temos. Tais visões são chamadas também de concepções. A Psicologia e qualquer outra área de conhecimento constroem concepções. A forma de compreender o homem e o mundo faz parte da nossa forma de viver, de realizar nossos objetivos, de estabelecer contatos e trabalhar. Vamos conhecer as concepções inatista-maturacionista, comportamental e a interacionista. Concepção inatista-maturacionista Parte do princípio de que os fatores hereditários ou de maturação são os mais importantes para o desenvolvimento da criança. Acredita que as capacidades humanas já se encontram determinadas de forma hereditária e não se modificam mesmo com a ação do ambiente ao longo da vida. Algumas características: Seriam herdados dos pais os pensamentos, as emoções, personalidade, inteligência e aprendizagem; Tem como principais representantes Binet (elaboração dos Testes de QI) e Gesell (Escalas de Desenvolvimento); Contribuições para a educação: A educação tem a função de aperfeiçoar as características geneticamente herdadas do indivíduo; O desenvolvimento biológico e sua maturação são vistos como requisitos fundamentais para o aprendizado; A escola deve ser estruturada em etapas progressivas, que corresponda à maturação do indivíduo. Concepção comportamental: Parte do princípio de que as ações e as habilidades do indivíduo são determinadas por suas relações com o meio em que se encontram. Algumas contribuições: 11
  12. 12. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Identifica o indivíduo como um ser passivo, que recebe influências do ambiente. Ele é o que seu ambiente determina; Representantes: Watson e Skinner. Contribuições para a Educação. Ênfase no planejamento do ensino; Uso de reforços (notas, prêmios, elogios); Concepção interacionista: Acredita na inter-relação dos fatores biológicos com os estímulos ambientais. Considera que os dois elementos: o biológico e o social, não podem ser dissociados e exercem influência mútua. Algumas características: O homem se constrói a partir das interações que estabelece com o meio (objetos ou pessoas); Representantes: Piaget e Vygotski; O homem é um sujeito ativo em seu processo de desenvolvimento e aprendizagem. Contribuições para a Educação: Explicação sobre o processo de aquisição do conhecimento; Importância das interações como promotoras de transformação. Mais adiante iremos conhecer as contribuições da concepção interacionista para a Psicologia e a Educação. O próximo item se refere à área da Psicologia que muito tem contribuído para a compreensão do espaço escolar. 1.3 Psicologia da Educação Se nós pudéssemos entrar na máquina do tempo e estivéssemos dispostos a retornar aos séculos passados, iríamos perceber vivências que hoje achamos que nem existem mais. Poderíamos presenciar a situação de não existir eletricidade? carros? Nem pensar! Imagine ser testemunha de uma época em que não existiam escolas. Educar significava uma interação profunda com a comunidade; era compreender e participar das tradições do local pela transmissão da experiência dos mais velhos. A educação tinha outro valor. Não estava aprisionada no espaço determinado e não era feita por especialistas. E quem eram os “mestres”, os “doutores do saber?” Quem educava quem? Todos os adultos educavam a partir da troca de suas experiências com os outros. “Aprendia-se fazendo, o que tornava inseparáveis o saber, a vida e o trabalho”. Ao retornarmos da viagem, provavelmente, estivéssemos impressionados com o estilo da sociedade que fora visitada. 12
  13. 13. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO A sociedade tem o compromisso em ensinar, em repassar seus valores e suas tradições. Cometeríamos um grave erro se achássemos que isso não existe mais (evidente que fazendo as devidas correções). O que chamo a atenção é para o compromisso que a nossa sociedade tem em ensinar, em repassar seus valores e suas tradições. Não aprende apenas mediado por professores nas escolas. A família, os amigos, as experiências, os meios de comunicação, a igreja, a VIDA! Educam (como na sociedade da máquina do tempo). A Escola é uma instituição que tem a função de educar sistematicamente as pessoas. Mas não é a única. A Psicologia da Educação se interessa por todas as oportunidades em que se estabelecem transmissões de conhecimentos. Como a escola é onde as trocas de conhecimento teórico são permeadas pelas intensas interações sociais e múltiplas diversidades de comportamentos e de valores, a Psicologia Educacional tem um campo de atuação vasto, o qual tem se dedicado a transformá-la num local favorecedor de desenvolvimento e aprendizagem harmônico. 1.4 Contribuição da Psicologia da Educação A Psicologia da Educação tem contribuído englobando dois pontos fundamentais: A compreensão do papel do aluno; A compreensão do processo ensino-aprendizagem. PILLETI (2001) considera sobre o papel do aluno: “Compreensão de suas necessidades, suas características individuais e seu desenvolvimento, no aspecto físico, emocional, intelectual e social. O aluno não é um ser ideal, abstrato. É uma pessoa concreta, com preocupações e problemas, defeitos e qualidades. É um ser em formação, que precisa ser compreendido pelo professor e pelos demais profissionais da escola, a fim de que tenha condições de desenvolver-se de forma harmoniosa e equilibrada”. Fonte da imagem: www.vila.org.br/revista_vila _21/alfabetizacao.htm A aprendizagem é um fator que contribui para tornar mais eficiente o ensino. 13
  14. 14. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO O conhecimento sobre como se processa a aprendizagem é um fator que contribui para tornar mais eficiente o ensino. Assim o professor poderá identificar quais as possíveis falhas ou os pontos fortes que contribuem na aprendizagem. É importante que o professor também tenha o conhecimento de seu papel no processo de ensino-aprendizagem para que possa realizar sua tarefa de maneira eficiente. Este assunto será abordado com profundidade nos próximos temas. Resumo A Psicologia é uma ciência que estuda a subjetividade humana. Estudamos as concepções psicológicas, vimos que a visão de homem e de mundo que temos são determinantes em nossas atitudes. Identificamos as características básicas das concepções, seus representantes e influências na escola. A Psicologia da Educação representa uma parte da Psicologia que se dedica aos processos envolvidos no ensinar e no aprender. A Psicologia da Educação focaliza seus estudos em duas bases: a primeira refere-se ao papel do aluno e a segunda, à compreensão do processo ensino-aprendizagem. Auto-Avaliação 1. Nas afirmações abaixo, marque com V as alternativas corretas e F para as falsas. ( ) a Psicologia é considerada uma ciência que estuda os processos internos dos seres humanos, entre eles a subjetividade; ( ) a concepção interacionista pouco valoriza o meio; ( ) a compreensão do papel do aluno é fundamental para a Psicologia Educacional. 2. Apresente exemplos (02) do seu cotidiano em que surgiram situações relacionadas à subjetividade humana em Psicologia. 3. O que estuda a psicologia educacional? 4. Como a Psicologia pode ajudá-lo a observar e compreender as pessoas a seu redor, em especial seus alunos. 5. Como você compreende a influência do ambiente no desempenho de seus alunos e o seu como educador? Você conhece a história de vida de seus alunos? Como você pode modificar o contexto social deles? Bibliografia ANTUNES, M.A.M. A Psicologia no Brasil. São Paulo: Unimarco e Educ, 1999. BOCK, A M. B. & outros. Psicologias: Uma Introdução ao Estudo de Psicologia. 13. Ed.São Paulo.Saraiva, 2000. COUTINHO, M.T.C. & MOREIRA, M. Psicologia da Educação. Ed.Lê. 2001. FONTANA, R.& CRUZ, N. Psicologia e o Trabalho Pedagógico. São Paulo.Atual Editora, 1997. MOREIRA, P. R. Psicologia da Educação. Interação e identidade. São Paulo: FTD, 1996. MUSSEN, P. H. e outros. Desenvolvimento e Personalidade da Criança. São Paulo: Harbra Ltda, 1995. OLIVEIRA, Z. & DAVIS, C. Psicologia na Educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002. PILETTI, Nelson. Psicologia Educacional. São Paulo: Ática, 1999. 14
  15. 15. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO UNIDADE I TEMA 2 PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM Objetivos • Reconhecer o campo de atuação da Psicologia da educação presente no processo ensino-aprendizagem e suas implicações no trabalho pedagógico. 15
  16. 16. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 2.1 Aprendizagem Cada momento em nossas vidas é uma experiência única, que não se repete. Por mais que a rotina tente tornar nosso dia -a -dia previsível, o resultado ao final nunca será igual. Fonte da imagem - http://www.ic.sunysb.edu/Stu/bosulliv/classroom.gif Torne os conteúdos escolares aparentemente distantes da realidade dos alunos em algo significativo O mesmo acontece com a Aprendizagem. Em todos os momentos podemos aprender algo novo, diferente do que sempre foi feito anteriormente, mas determinados assuntos são aprendidos de uma só vez, sem necessidade de repetições e que são inesquecíveis. Quem não se recorda, por exemplo, do seu primeiro dia de aula, ou então, quando seu filho falou as primeiras palavras, ou quando foi duramente repreendido na infância pelos seus pais? Por que tais eventos raramente são esquecidos? O que ocorre com os alunos quando achamos que o conteúdo foi aprendido e, passados alguns dias, nada ou pouco sabe sobre o referido conteúdo? Ao assumirmos o papel de professor procuramos propor novos exercícios, outras fontes de literatura, aulas-passeio, exemplos, exercícios e métodos diferentes para transformar os conteúdos escolares em algo mais interessante para os nossos alunos. Por isso, encontrar a fórmula correta para tornar os conteúdos escolares aparentemente distantes da realidade dos alunos em algo significativo não é tarefa fácil. Boa parte do sucesso na transmissão do conhecimento e na elaboração da aprendizagem do aluno depende da colaboração do professor, pois este é um conhecedor das peculiaridades dos seus estudantes assim como do processo que envolve o aprender. 16
  17. 17. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 2.2 O que é aprendizagem? “Aprendizagem é a progressiva mudança do comportamento que está ligada, de um lado, a sucessivas apresentações de uma situação e, de outro, a repetidos esforços dos indivíduos para enfrentá-los de modo eficiente”. (McConnell) “A aprendizagem é uma modificação na disposição ou na capacidade do homem, modificação essa que pode ser anulada e que não pode ser simplesmente atribuída ao processo de crescimento”. (Gagné) “Normalmente, Consideram-se como aprendidas as mudanças de comportamento relativamente permanentes, que não podem ser atribuídas à maturação, lesões ou alterações fisiológicas do organismo, mas que resultam da experiência” (Sawrey e Telford). “A aprendizagem: um processo contínuo, individual, cumulativo e integrativo”. (Drouet) Aprendizagem é um processo de transformação do sujeito, de modificação de sua forma de pensar e agir frente ao mundo. Aprender significa mudar. É um feitiço que provoca no sujeito uma múltipla visão das coisas, onde todo o corpo está envolvido. É fantástico aprender e ser agente de promoção da aprendizagem de outras pessoas. 2.2.1 Características da aprendizagem Conclusões retiradas a partir da reflexão das conceituações mostradas acima: • Aprendizagem significa mudanças no comportamento. Somente quando existem de fato modificações no padrão do comportamento é que podemos dizer que houve aprendizagem, pois o simples ato de repetir comportamentos já incorporados anteriormente não significa estarmos aprendendo. • Aprendizagem é a modificação de comportamentos resultantes da experiência. “Quase todos os nossos comportamentos são aprendidos, mas não todos. Há comportamentos que resultam da maturação ou do crescimento de nosso organismo e, portanto, não constituem aprendizagem: respiração, digestão, salivação”. (Nelson Piletti). 17
  18. 18. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO • A aprendizagem pode ser caracterizada por ser gradual. Isto é, aprendemos aos poucos durante nossa existência. Assim ela pode ser considerada como um processo contínuo, constante. Cada pessoa tem um ritmo de aprendizagem que lhe é peculiar, o qual associado a seu esquema de ação irá formar sua individualidade. • A aprendizagem como processo individual. Por razão da individualidade no processo de aprender é que algumas pessoas são mais rápidas do que outras. O processo de aprendizagem, como é pessoal, não pode sob nenhuma hipótese ser transferido a outras pessoas; podemos assim considerar que a aprendizagem é um processo pessoal, individual, isto é, tem fundo genético e depende de alguns fatores: Dos esquemas de ação inatos do indivíduo; do estágio de maturação de seu sistema nervoso; do seu tipo psicológico constitucional (introvertido ou extrovertido); de seu grau de envolvimento, seu esforço e interesse. • O fator cumulativo da aprendizagem. As novas aquisições aprendidas dependem das nossas anteriores que funcionam como pré-requisitos para as aprendizagens posteriores. Por esse motivo é que consideramos que a aprendizagem é um processo cumulativo, ou seja, cada nova aprendizagem agrega-se ao repertorio de conhecimentos e de experiências do indivíduo, construindo assim, sua bagagem cultural. • Processo integrativo da aprendizagem. O processo de acumular conhecimentos é extremamente dinâmico, pois a cada nova aprendizagem o sujeito reorganiza suas idéias, estabelece relações entre as aprendizagens anteriores e as novas; trata-se, assim, de um processo integrativo e dinâmico. O processo de aprendizagem é de extrema importância aos homens, pois, graças a ela, podemos modificar nosso comportamento e nossa maneira de compreender a realidade. Não esqueça!! Compreender como a aprendizagem se efetiva no ser humano é um desafio a educadores, a psicólogos, aos pais ou a qualquer pessoa interessada no desenvolvimento humano, pois é através da aprendizagem que o homem se afirma como ser social, crítico e racional, forma sua personalidade e se organiza para desenvolver um papel na sociedade. Para enriquecer seus conhecimentos sugiro que leia o texto do Rubem Alves Sobre Moluscos e Homens que foi publicado na Folha de S. Paulo, (Tendências e Debates, em 17/02/2002) disponível no site http://www.rubemalves.com.br/sobremoluscosehomens.htm e faça uma reflexão sobre a aprendizagem no ambiente escolar. 18
  19. 19. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 2.3 Elementos fundamentais do processo de ensino/aprendizagem A aprendizagem, como parte de um processo social de comunicação – a Educação -, apresenta os seguintes elementos: Comunicador ou emissor é o transmissor das mensagens, cujo papel é ativo no processo educativo; para tal deve estar motivado e ter pleno conhecimento da mensagem que irá transmitir a seus alunos; Mensagem é o conteúdo a ser transmitido aos alunos. É importante destacar que a mensagem deverá ser de acordo com as características do educando; Receptor é quem recebe a mensagem; Meio ambiente que são os meios escolares, familiares e sociais, locais onde se efetiva o processo de ensino/aprendizagem. O meio deve ser favorecedor e estimulante para a ocorrência de aprendizagem satisfatória. Importante! A aprendizagem depende da interação entre os quatro elementos: receptor, emissor, mensagem e do meio. Se houver falha em um desses a aprendizagem fica comprometida. 2.4 Fique atento as condições necessárias para a aprendizagem (dicas baseados na proposta de Ruth Caribé) Para que a aprendizagem se efetive é necessário que pelo menos sete fatores existam. A todos esses elementos, Bruner chamou de prontidão para a aprendizagem. São eles assim caracterizados: Saúde física e mental, motivação, prévio domínio, etapa de desenvolvimento, múltiplas inteligências, concentração, memória Fonte da imagem: adaptado de - www.ciberiglesia.net/educacion.htm 19
  20. 20. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 1. Observe a saúde física e mental dos alunos. Perturbações na área física como na psicológica interferem significativamente na aprendizagem. Perceba cada aluno individualmente e fique atento a sua mudança de comportamento e/ou humor. Eles poderão ser o motor gerador dos problemas de aprendizagem. 2. Pode-se considerar que uma pessoa que deseja aprender tem uma maior probabilidade em adquirir conhecimentos, habilidades ou técnicas. A motivação é, sem duvida, a mola propulsora da aprendizagem. Na sala de aula, o uso de jogos bem populares aos alunos para ensinar matemática, por exemplo, pode trazer resultados surpreendentes. Mas tenha o cuidado para não perder o objetivo: é preciso despertar a motivação do aluno ao conteúdo. 3. Valorize os conhecimentos, habilidades e experiências anteriores dos alunos. O prévio domínio é essa bagagem cultural que formamos diante de nossa relação com meio, experiências vivenciadas, etc. 4. Respeite a etapa de desenvolvimento dos alunos. Tenha a atenção para não fazer exigências que vão além das capacidades neuro-físico-psico para realizá-las. 5. Estimule as múltiplas inteligências. A nova tendência é compreender a inteligência como a capacidade para assimilar novos conteúdos e compreender as informações recebidas; de estabelecer relações entre as informações; é também a capacidade de criar e inventar coisas novas; capacidade de raciocinar de maneira lógica na resolução de problemas. 6. Promova condições para melhorar a capacidade de concentração em um determinado assunto nos alunos. Quanto maior a capacidade do indivíduo se concentrar no objeto de conhecimento, maior sua facilidade para aprender. 7. A Memória é um dos fatores da inteligência, o qual se refere aos variados processos (codificação, armazenamento e recuperação) e estruturas envolvidas no armazenamento e recuperação de informações. Favoreça a motivação utilizando recursos como a música, teatro, dança, desenho. Memorizamos mais rápido e retemos a informação por mais tempo, quando ela nos mobilizou um envolvimento global. Resumo A aprendizagem é uma condição fundamental para a existência do ser humano. A escola encontra-se envolvida com a mudança de atitudes frente ao mundo. Por isso a aprendizagem é um valioso assunto a ser estudado pela escola. A aprendizagem caracteriza-se por ser gradual, individual, transformadora e modificadora de comportamentos. Para que exista são necessárias 4 condições fundamentais: meio, mensagem, o receptor e o emissor. É necessária a existência de sete fatores para ocorrer a aprendizagem: saúde física e mental, motivação, prévio domínio, as etapas de desenvolvimento, as inteligências múltiplas, concentração e memória. Auto-Avaliação 1. Nas afirmações abaixo, marque com V nas alternativas corretas e F para as falsas. () duas crianças, estudantes da mesma sala de aula, têm idênticas as suas formas para aprender; () qualquer pessoa é capaz de aprender; () a capacidade de aprender é vital para o ser humano, pois dela depende sua sobrevivência; 20
  21. 21. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO () o professor deve estar preocupado exclusivamente com a transmissão do conteúdo, e o aluno com a sua aprendizagem. Bibliografia ALENCAR, E.S. (1994). Novas contribuições da psicologia aos processos de ensino e aprendizagem. São Paulo: Cortez. BACHRACH, A.J. (1975). Introdução à pesquisa psicológica. São Paulo: EPU. DOUET, R. C. R. Fundamentos da Educação Pré-Escolar. São Paulo: Editora Ática 1990 GAGNÉ, R.M. (1974). Como se realiza a aprendizagem. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. PFROMM NETTO, S. (1987). Psicologia da aprendizagem e do ensino. São Paulo: EPU. PILETTI, N. (2002). Psicologia Educacional. São Paulo: Ática. SKINNER, B.F. (1982). Sobre o behaviorismo. São Paulo: Cultrix/Edusp. WITTER, G.P. E LOMÔNACO, J. F. B. (1987). Psicologia da aprendizagem: áreas de aplicação. São Paulo: EPU. 21
  22. 22. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO UNIDADE I TEMA 3 PARÂMETROS SOBRE O DESENVOLVIMENTO HUMANO Objetivo • Compreender a importância da Psicologia do desenvolvimento para o planejamento das atividades de sala de aula, especialmente para a construção de vínculos eficientes entre o educador e o educando. 22
  23. 23. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 3.1 Caracterização da Psicologia do Desenvolvimento O desenvolvimento humano passa por um processo longo e gradual de modificações, que englobam desde as características físicas às emocionais. Percebe-se que cada pessoa tem um ritmo próprio de crescer, estabelecer vínculos e daí estruturar sua vida. Cada pessoa só pode ser compreendida se levarmos em consideração sua individualidade e sua época. Fonte da imagem: http://www.acclaimimagens.com/_galery/ SM/00150304-2620-0535_SM.jpeg Não podemos analisar a história de vida de uma pessoa sem considerarmos o contexto em que ela vive. Cada pessoa só pode ser compreendida se levarmos em consideração sua individualidade e sua época. Uma percepção que tenho de uma criança nascida no ano de 2000 será bem diferente da que nascerá do mesmo casal no 2020, por exemplo. O tempo tem sua dimensão individual e também social, pois cada sociedade tem sua forma de se organizar, de definir seus papéis e representatividades. Cada sociedade divide a existência em diferentes etapas. Na nossa, costumeiramente dividimos em infância, adolescência, idade adulta e velhice. E para cada uma delas, são definidos comportamentos específicos. Porém não se tem certeza quando é o inicio e o fim de cada período. A definição do tempo de início e fim é feita pelo seguimento dos padrões de comportamento esperado pela sociedade. Por exemplo: o que se espera de um homem adulto? Ou de uma criança? Os estudiosos do desenvolvimento humano se interessam em estabelecer uma relação entre o tempo e a existência do indivíduo, na busca de explicar e descrever as modificações evolutivas físicas, psicológicas, sociais e cognitivas que ocorrem com os indivíduos ao longo de suas vidas. 3.2 Psicologia do Desenvolvimento: Aspectos históricos Você acha que sempre se pensou a criança e o adolescente tal como hoje? É claro que não. A preocupação com o estudo da criança é relativamente recente. A noção de criança, tal como concebemos hoje, não existia antes do século XVII. A forma pela qual a sociedade ocidental tem tratado a criança tem se modificado ao longo dos tempos. O modo pelo qual o homem medieval e o moderno conceberam a 23
  24. 24. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO infância modificou-se. A modificação da concepção dos adultos frente à criança surgiu a partir do século XVII. Nos séculos X-XI, a criança não era caracterizada por uma expressão diferenciada e reconhecida pela sociedade. Os adultos mal viam as crianças e pior ainda os adolescentes. A fase infantil reduzia-se ao período em que a criança demonstrava fragilidade e dependência de seus pais ou cuidadores. Quando adquiria algum desembaraço físico, era levada a compartilhar as atividades dos adultos, inclusive seus trabalhos e diversões. Nesse sentido não havia o cuidado especial com as peculiaridades das crianças e dos adolescentes por parte da família e também da sociedade da época. Foi no século XX que se iniciou efetivamente o estudo científico sobre a criança e seu comportamento. Desde então são realizadas pesquisas sobre diferentes aspectos infantis. A modificação da concepção dos adultos frente à criança surgiu a partir do século XVII. As teorizações da Psicologia Infantil, concepção do desenvolvimento psíquico sob o enfoque psicanalítico, a construção da inteligência proposta por Piaget, o estudo da interação do desenvolvimento físico e mental proposto por A. Gesel, as pesquisas sobre o primeiro ano de vida de R. Spitz consolidam, atualmente, a significação da criança como diferente do adulto, com necessidades diferentes, sentimentos e emoções particulares de cada idade e, portanto, merecedores de abordagem específica, que apresente em seu bojo sua situação de desenvolvimento. 3.3 Conceito de Psicologia do Desenvolvimento É um ramo da Psicologia que tem por objetivo a investigação do processo do como e por que os indivíduos evoluem durante o ciclo de vida. O desenvolvimento implica as modificações físicas, cognitivas, psíquicas e neurológicas que ocorrem de forma relativamente duradoura e ordenada. 3.4 Metas da Psicologia do Desenvolvimento Os três aspectos da evolução infantil são de importância fundamental para a compreensão abrangente sobre o processo de desenvolvimento humano. São eles: a) Compreender as mudanças universais. O interesse é de identificar mudanças pertinentes em todas as crianças independentemente da cultura em que viveram ou das experiências que tiveram. Inicialmente, os pesquisadores do desenvolvimento procuram descrever as mudanças universais, para posteriormente compreendê-las. 24
  25. 25. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO O conhecimento oportunizado pode esclarecer dúvidas, como por exemplo, quais os comportamentos normais ou apropriados para diferentes idades, ou se as atitudes educacionais dos pais têm distintos efeitos nas diferentes idades. b) Explicar as diferenças individuais. As informações sobre as diferenças individuais podem esclarecer questionamentos específicos de cada situação a fim de se poder tomar uma decisão em prol da criança. c) Identificar como o desenvolvimento é influenciado pelo contexto ou situação ambiental. O ambiente pode influenciar o desenvolvimento do indivíduo designando oportunidades para que diferentes comportamentos ocorrerem ou influenciando o comportamento dos pais. 3.5 Importância do Estudo do Desenvolvimento Humano para o Educador O estudo do desenvolvimento é bastante útil ao professor, pois significa conhecer com amplitude as características de cada etapa do desenvolvimento, reconhecer suas peculiaridades. Pode-se também, identificar as preferências, habilidades e limites. Fica mais fácil observar e interpretar os comportamentos. Esses dados são interessantes para que o educador construa seu planejamento baseado no o que e no como ensinar. Conhecer o desenvolvimento dos alunos e, em especial, seu processo de aprendizagem sempre ajuda ao professor a refletir sobre sua prática e compreender seu papel como facilitador. O trabalho em sala de aula torna-se atraente para motivar o aluno e conseqüentemente, a aprendizagem se consolida de forma mais significativa e prazerosa. 25
  26. 26. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 3.6 Fatores que Influenciam o Desenvolvimento Humano O desenvolvimento humano sofre influência dos seguintes fatores: a hereditariedade, o crescimento orgânico, a maturação neurofisiológica e o meio. • Hereditariedade: Refere-se à carga genética herdada dos pais, que podem se desenvolver ou não. • Crescimento orgânico É representado pelo aspecto físico. • Maturação neurofisiológica Traz a possibilidade de executar padrões de comportamento. • Meio São estimulações ambientais de que sofremos influência. Importante: Estes fatores se encontram em interação constante e afetam todos os aspectos do desenvolvimento humano. 3.7 Fases do Desenvolvimento Humano Cada etapa tem suas características peculiares que envolvem o indivíduo como um todo desde seus aspectos físicos aos cognitivos e emocionais, embora as etapas do desenvolvimento humano envolvam as seguintes fases: lactência, pré – escolar, escolar, adolescência, adulta e velhice. Neste tema apenas nos deteremos nas três primeiras etapas; pois os assuntos referentes ao desenvolvimento do adolescente serão aprofundados no próximo tema. • Primeira Infância ou Lactência: A primeira infância abrange o período do desenvolvimento que vai do nascimento aos dois anos de idade, aproximadamente. Existem diferenças fundamentais em cada uma das crianças como, por exemplo, o peso, o tamanho e o ritmo de crescimento. Ao nascer, o bebê tem cerca de aproximadamente 3 kg a 3,5 kg e mede cerca de 50 centímetros de altura. Estamos informando dados aproximados, está certo? Ao nascer, o bebê tem que enfrentar uma série de modificações advindas do ambiente. Imagine que ele estava convivendo em um ambiente extremamente acolhedor, que a temperatura se mantinha sempre quentinha, não havia fome, não existiam luzes intensas e o som chegava fraquinho devido ao liquido amniótico. Um paraíso!! Inclusive alguns teóricos psicanalistas sustentam a tese de que o primeiro trauma humano é o do nascimento. Vamos conhecer algumas dessas modificações: 26
  27. 27. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO • • • Temperatura. Como já comentamos no parágrafo anterior, o feto na vida intrauterina, se acostuma com uma temperatura elevada do corpo materno. Ao nascer, o organismo do bebê procura se ajustar às variações ambientais de temperatura; Respiração. Após o corte do cordão umbilical, o bebê vai ter que respirar por sua própria conta pelo resto de sua vida. Atividade de sucção e deglutição. Nos primeiros meses esses reflexos assumem um papel primordial para obter a tal nutrição e, por conseguinte, sua sobrevivência. Eliminação de produtos excretórios. Na vida intra-uterina, o feto realiza a eliminação através do cordão umbilical. Quando nasce, essa eliminação é feita pelos órgãos do bebê, e naturalmente requer ajustamento orgânico e aprendizagem. Para Piaget o bebê ao nascer até os dois anos de idade, aproximadamente está na primeira fase do desenvolvimento cognitivo, a sensório - motor. Nesta fase a criança aprende através de suas ações e de seus movimentos sobre o meio; Do ponto de vista do desenvolvimento emocional segundo Erik Erikson um aspecto a se considerar neste período é o da confiança básica. A confiança se estabelece quando os pais apresentam à criança uma certeza de que será atendida assim que seja necessário. A regularidade e a qualidade da atenção manifestada pelos cuidadores promovem na criança a expectativa agradável e segura de que será atendida. Ela adquire um sentimento de confiança nos adultos, mesmo que estes não se façam presentes, na ocasião. Percebemos quando a criança estabelece esse sentimento de confiança básica, quando consegue deixar sua mãe sem sentir ansiedade. Quando os cuidadores não conseguem passar o sentimento de confiança, não satisfazendo às necessidades da criança de forma adequada, ela começa a perceber o mundo de forma ameaçadora, não confiável. Os pais se mostram muito impacientes ou hostis não oferecendo a atenção às necessidades da criança. Os sentimentos de raiva, abandono, isolamento e ansiedade são inevitáveis e serão posteriormente estendidos a outras situações / pessoas do mundo. A confiança básica se desenvolve como uma conseqüência natural da vivência de um clima emocional favorecedor de crescimento que nutrem as possibilidades de desenvolver na criança uma personalidade segura e saudável. O desenvolvimento social do bebê é basicamente seu envolvimento com os adultos de sua família, especialmente com seus pais. Embora muitas vezes possamos encontrar crianças brincando, não existe entre elas o sentimento de amizade, de estarem juntas. Nesse período a tarefa básica é o reconhecimento de si e da realidade que a circula. Elas se sentem como os elementos mais especiais e mais atrativos do mundo. • Fase Pré-escolar Este período também é conhecido por Segunda Infância e, para finalidades didáticas, esse período compreenderá as idades de dois aos seis anos, aproximadamente. Sem dúvida é um dos períodos mais fascinantes do Desenvolvimento Humano. É etapa marcada pela ansiedade por descobertas, na qual todas as novidades assumem um caráter de onipotência. Logo após os dois anos de idade a criança ostenta uma postura mais ativa frente ao mundo e às pessoas. Ela agora já possui uma consciência de si mesma, compreende que é diferente das outras pessoas e dos objetos. Sua sina é conhecer o mundo que a rodeia para descobrir o tipo de pessoa que poderá tornar-se. 27
  28. 28. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO O mundo da fantasia rege a criança por todos os instantes, em todas as suas atividades. A fantasia possibilita à criança a realizar situações impossíveis na realidade. Na brincadeira, a criança pode junto a outras crianças ensaiarem novos papéis sociais que posteriormente irá assumi-los. Nas gostosas brincadeiras de casinha, de bonecas, de professor, de carrinhos, motorista etc. oferece vivências que, indiretamente, ela está usando na aprendizagem do respeito às normas e no conceito de justiça. Assim, a criança está se preparando para conviver de forma agradável e divertida com o mundo que ela está começando a conhecer. É um poderoso recurso para o desenvolvimento da capacidade criativa, além de ser um recurso de comunicação simbólica na qual a criança expressa seus sentimentos de culpa, suas idéias, suas emoções e aspectos importantes de sua realidade. De um instante, uma caixa de sapatos pode se tornar um fogão, pouco tempo depois, ela ressurge como um carro, e essas possibilidades não têm limites, a não ser o da imaginação da criança. A imaginação ultrapassa a barreira do tempo, do espaço e da realidade. Fase Escolar (dos 7 aos 12 anos de idade) A fase escolar vivencia o estágio das operações concretas. A criança na fase escolar apresenta um conjunto de características consideráveis em todo a sua forma de ser. As mudanças atingem o seu comportamento, sua linguagem, seu relacionamento interpessoal e a sua qualidade se raciocínio. É o período marcado pela entrada das crianças no processo escolar. O crescimento físico desta fase é consideravelmente mais lento que as demais, porém as diferenças corporais sexuais começam a serem definidas mais claramente. Do ponto de vista do desenvolvimento cognitivo proposto por Piaget, o escolar vivencia o estágio das operações concretas. Seu pensamento é capaz de realizar interpretações valorizando vários pontos de vista tornando o jovem mais competente para compreender a realidade de forma mais objetiva e clara permitidas pela aquisição das capacidades de reversibilidade e a associação em decorrência da diminuição do egocentrismo e da fantasia. Na fase escolar as amizades e a escola desempenham um papel relevante. A escola oferece a oportunidade de lidar com figuras de autoridade complementar aos papéis de valores e ética dos familiares. O término desta etapa é representado pela puberdade, que apesar de curta é de fundamental importância no processo evolutivo, pois é nela que ocorrem as transformações corporais mais expressivas na história do indivíduo. A puberdade se caracteriza por uma série de modificações estruturais e fisiológicas. O fator mais representativo do ponto de vista fisiológico é o amadurecimento sexual resultante das funções hormonais. Tais transformações repercutem no indivíduo como um todo, inclusive corroborando as conseqüências psicológicas. 28
  29. 29. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Para ampliar seus conhecimentos assista ao vídeo sobre esta etapa evolutiva do desenvolvimento. Resumo A Psicologia do Desenvolvimento é uma área da Psicologia que se dedica à compreensão do como e do por que se efetiva o processo da evolução humana. Seu estudo é fundamental ao professor, pois a compreensão das características dos indivíduos nas diferentes etapas de sua vida permite a adequação dos conteúdos a serem ministrados e estratégias pedagógicas eficientes. As metas da psicologia do desenvolvimento são: compreender as mudanças universais, explicar as diferenças individuais e identificar como o desenvolvimento é influenciado pelo contexto ou situação ambiental. O desenvolvimento humano sofre influência dos seguintes fatores: a hereditariedade, o crescimento orgânico, a maturação neurofisiológica e o meio. Estes fatores se encontram em interação constante e afetam todos os aspectos do desenvolvimento humano. Os aspectos do desenvolvimento são quatro: Físico-motor, Intelectual, AfetivoEmocional e Social. A divisão dos aspectos se efetiva diante da necessidade didática. As fases do desenvolvimento humano são as seguintes: pré - natal, lactência, préescolar, escolar, adolescência, adulta e terceira idade. Auto-avaliação 1. Marque com V as alternativas verdadeiras e com F as falsas nas sentenças abaixo: O desenvolvimento é caracterizado pela evolução existente no ser humano do nascimento até a adolescência. ( ) Os aspectos do desenvolvimento são o físico-motor, emocional, social e cognitivo. ( ) A hereditariedade é a principal responsável pelo desenvolvimento futuro do indivíduo. ( ) O interesse pelo estudo sobre o desenvolvimento humano é considerado recente entre os cientistas. ( ) 2. Como você, professor, percebe que mudanças emocionais afetam a aprendizagem dos jovens na idade escolar? 3. Após a leitura deste tema qual a sua definição sobre o desenvolvimento humano? 4. Como as fases pré – escolar e escolar são compreendidas pela sua comunidade e na escola? Justifique seu posicionamento. Bibliografia BADINTER, E. (1992). Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. BEE, H. (1996). A criança em desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas. BEE, H. (1997). O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas. BOWLBY, J. (1987). Apego. São Paulo: Martins Fontes. 29
  30. 30. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO BRAZELTON, T.B., CRAMER, B., KREISLER, L., SCHAPPI, R. & SOULÉ, M. (1987). A dinâmica do bebê. Porto Alegre: Artes Médicas. ERICKSON, E. (1976). Identidade, juventude e crise. Rio de Janeiro: Zahar. MUSSEN, P.H., CONGER, J.J. & KAGAN, J. (1977). Desenvolvimento e personalidade da criança. São Paulo: Harper & How. PINKUNAS, J. (1979). Desenvolvimento humano. São Paulo: McGraw-Hill. 30
  31. 31. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO UNIDADE I TEMA 4 PSICOLOGIA DA ADOLESCÊNCIA Objetivo • Promover a reflexão sobre as diversas facetas que envolvem a fase da adolescência 31
  32. 32. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 4.1 Adolescente Etimologicamente, a palavra adolescência tem origem do verbo latino adolescere, que representa o crescer ou o se desenvolver até a maturidade. O psicólogo americano Stanley Hall criou o primeiro conceito de Adolescência, em 1904. É considerado um período de transição entre a infância e a fase adulta. Historicamente, a mudança da fase da infância para a idade adulta era evidenciada por rituais de passagem. Em todas as sociedades existem rituais para a idade adulta. Os rituais serviam para avaliar as possíveis condições do jovem para enfrentar as responsabilidades dos adultos. Vamos conhecer a evolução de alguns ritos de passagem para a adolescência ao longo da história da humanidade: • Na Antiguidade Clássica O jovem grego adquiria status se passasse pelo rito de passagem: um período de aprendizagem com um mestre e discípulo. • Idade Média Deixar de ser criança, significava ser ordenado cavaleiro. Fato que acontecia por volta dos 15 anos de idade, época em que recebia armas, cavalo de combate e armadura para os torneios. • No Século XVII A iniciação na vida adulta se dava pelo ingresso do jovem no serviço militar. No entanto, os trabalhos na agricultura e nas manufaturas eram iniciados desde cedo. • Entre os séculos XVIII e XIX. A passagem do jovem para a fase adulta era feita após a primeira desilusão amorosa. • Década de 50 Nos Estados Unidos a adolescência passa a ser considerada um status social. As oportunidades de ingressar uma faculdade e consumir para o jovem eram crescentes. • Década de 60 32
  33. 33. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Neste período ser adolescente significava rebeldia. As musicas da época relatavam sobre drogas, política, economia e sexualidade. Os adolescentes tinham com sonho de consumo morar sozinho. • se. Década de 80 A rebeldia se fragmenta em tribos, cada uma com um estilo próprio de comportar- • 2000, a geração plugada A marca registrada desta geração é seu envolvimento com a tecnologia. As informações tecnológicas dominam as relações, comportamento e pensamento. 4.2 Duração da adolescência O tempo de permanência da adolescência tem se modificado ao longo da historia como também estar sujeito à cultura. Nas sociedades industrializadas, o tempo de permanência na adolescência tem aumentado, iniciando-se aos 12/13 anos indo até aos 19 anos aproximadamente, quando o crescimento físico está totalizado. No aspecto cronológico, principalmente, nos padrões ocidentais, a adolescência vai dos 13, 14 anos aos 20,21 anos. 4.3 Etapas de desenvolvimento da adolescência A adolescência é uma etapa bastante complexa que foi dividida em cinco subetapas; São de suma importância que os educadores e pais conheçam as peculiaridades de cada etapa, a fim de facilitar a relação entre eles e propor atividades adequadas às suas necessidades desenvolvimentais. Içami Tiba no livro: “Disciplina. O limite na medida certa” considera a adolescência “um segundo parto: nascer da família para andar sozinho na sociedade”. Para o adolescente, nascer é necessário, expulsar seus laços dos familiares do seu mundo, embora continue dependendo deles para sua sobrevivência. O processo do adolescer depende do sexo. Nas meninas, o processo da puberdade inicia-se nas idades de 9 e 10 anos; a menarca aos 11 ou 12 anos e acontece a onipotência juvenil. Já nos meninos esse procedimento se organiza de maneira diferente, a puberdade é mais longa e seu inicio é mais tardio (10 -11 anos); aos 15 – 16 anos é o momento da mutação e a onipotência juvenil pode ser prolongada até os 18 ou 20 anos. Vamos conhecer essas cinco etapas da adolescência, segundo o referencial do psiquiatra Içami Tiba: • Confusão pubertária É a fase em que o jovem mais sofre pelas mudanças emocionais e físicas originadas pela glândula hipófise. É comum ficar confuso e ansioso, neste momento os professores e os pais têm um papel fundamental de apoiá-lo a reestruturar seu posicionamento frente a si e ao mundo. • Onipotência pubertária 33
  34. 34. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Neste período o menino “transpira testosterona”. E a presença dela acarreta mudanças, digamos, um pouco estranhas. Existe um crescimento desproporcional no seu corpo: um aumento das extremidades corporais (mãos e pés), porém sua altura não. Seu pênis permanece com características infantis, no entanto ele já produz espermatozóides. Aos 12 e 13 anos acontece a semenarca (É o nome que se dá à primeira ejaculação do menino). Quanto às características comportamentais observamos: crises de oposição, negação freqüente, mau-humor e agressividade. Observe um trecho do livro Amor, Felicidade & Cia, do Içami Tiba, e perceba algumas das características desse período: Adolescente é adrenalina que agita a juventude, tumultua os pais e os que lidam com ele. ADRENALINA que dá taquicardia nos pais, depressão nas mães, raiva nos irmãos, que provoca fidelidade nos amigos desperta paixão no sexo oposto, cansa os professores, curte um barulhento som, experimenta novidades, revolta os vizinhos (...) Já nas meninas, o sentimento de onipotência não é tão evidente e se mostra nas ocasiões em que se sente injustiçada, incompreendida. Apresenta fortes sentimentos de solidariedade e envolve-se nas campanhas assistenciais. Por outro lado, em determinados momentos, torna-se agressiva e mal educada. As amizades assumem uma função de importância em sua vida. O educador deve procurar manter a calma. É essencial não provocar situações de imposição de ordens. A regra é buscar o equilíbrio. • Estirão É mais notado nos rapazes. Há um aumento significativo na sua altura devido ao alongamento do fêmur. Nem tudo cresce, o rosto e pênis permanecem como de criança. As mudanças não cessam por ai. Seu comportamento a cada dia se transforma; apresenta timidez social, vergonha do corpo, torna-se desastrado (perdeu a noção de seu esquema corporal) e começa a procurar uma roupa para sair, é um verdadeiro tormento. Nas garotas o desenvolvimento corporal continua bastante acelerado; existe um aumento de peso e, conseqüente arredondamento de suas formas e crescimento dos seios. Como no rapaz, ela também começa a ter vergonha de seu corpo em transformação. 34
  35. 35. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO • Menarca e a mutação O inicio da próxima fase é marcada pela ocorrência de dois fenômenos biológicos: menarca, primeira menstruação e a mutação, mudança de voz, nos rapazes. As garotas apresentam amadurecimento psicológico. É saudável ter cuidado com o físico. Na adolescência essa preocupação piora. Imagina o que representa para um rapaz notar que seu nariz e as suas orelhas cresceram mais acelerados do que o resto do corpo (o pênis se desenvolve). O rosto fica desequilibrado. Imagina quando surgem as temidas acnes ou “as inimigas mortais”: celulite e estria. Essas situações os deixam muito sensíveis. 35
  36. 36. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO • Onipotência juvenil ADOLESCENTE é um Deus com frágeis pés, um apaixonado que não “segura” uma gravidez, um atleta que busca o colo dos pais, um ousado no volante que acaba com o carro, um temerário que morre porque desconsidera o perigo, um herói sexual reprimido pela timidez, um conquistador que sofre “um branco” na hora H, alegria de sonrizal em copo de água, escuridão da casa em que foi cortada a luz... Nesta fase rapazes e moças se sentem como “deuses”: a arrogância, a impulsividade, as paixões, sexualmente potentes, pouco tolerantes às frustrações, conquistador e desejo de aventuras. Desrespeita os ciclos vitais de alimentação e sono e, sobretudo, os conselhos paternos. O término dessa etapa se dá pelo amadurecimento psicológico. “Quanto mais saudável o adolescente, menos onipotente precisará ser, pois aprendeu a lidar melhor com as frustrações e a incapacidades do ser humano. O vestibular com suas características competitivas ajuda bastante a resolver ou agravar essa ‘mania de Deus’”. 4.4 Algumas considerações sobre o adolescente atual • Síndrome da quinta série Como vimos acima, os rapazes e as moças estão na idade de aproximadamente 11 anos na quinta série, em pleno período de modificação corporal e emocional. As queixas de tonturas, dores e mal-estar são comuns nesta fase. É também normal não encontrar correspondente fisiológico para as queixas. O rapaz tem neste período a aquisição do pensamento lógico abstrato (ver sobre desenvolvimento intelectual – Piaget). São freqüentes as queixas de dificuldade de concentração e de organização. • Uso de drogas 36
  37. 37. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO O uso de drogas promove alterações diversas no organismo dos jovens. Embora tenha se investido em campanhas contra as drogas, muitos dos jovens têm dito sim a elas. Desinformado ele não está. E o que leva um jovem a procurá-la? As respostas podem ser: curiosidade ou o desejo de pertencer a um grupo de amigos. Quando o aluno chega à escola drogado é porque esta já faz parte de seu cotidiano. O professor facilmente identifica um aluno que tenha usado álcool, fumo, esteja agitado ou sonolento. Cabe ao professor a tarefa de comunicar o fato a direção, coordenação ou orientador. Limite-se a encaminhar a situação. 37
  38. 38. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO • Sexualidade Sem dúvida é a geração mais informada a respeito do sexo. Atualmente existe um leque de opções em prol da informação sobre a sexualidade. A escola tem um papel importante neste processo, pois o adolescente embora informado, em sua maioria é muito confuso. Sem sermões – adolescentes os odeia. Sobretudo quando o tema for sexo. • Em busca de uma profissão "A maioria das pessoas decide quanto à sua carreira numa idade em que não tem experiência e discernimento para saber qual atividade é mais adequada para si". Erich Fromm. Para o jovem o momento da escolha profissional é um momento de conflito – é como você estivesse à frente de uma vitrine de loja que você deve escolher um sapato, sem ter a oportunidade de experimentá-lo. E assim ele terá que fazer uma opção de futuro profissional que ocupará um período significativo em sua vida. A escolha de uma profissão não é algo fácil, tendo em vista os vários fatores que podem interferir (social, financeira, traço de personalidade, etc.). Quanto mais o adolescente encontra-se seguro de si, compreende e conhece esses fatores, mais domínio terá na sua escolha. Resumo Etimologicamente, a palavra adolescência tem origem do verbo latino adolescere, que representa o crescer ou o se desenvolver até a maturidade. O psicólogo americano Stanley Hall criou o primeiro conceito de Adolescência, em 1904. O tempo de permanência da adolescência tem se modificado ao longo dos tempos e também varia dependendo da cultura. Içami Tiba no livro: “Disciplina. O limite na medida certa” considera a adolescência “um segundo parto: nascer da família para andar sozinho na sociedade”. É de suma importância que os educadores e pais conheçam as peculiaridades de cada etapa, a fim de facilitar a relação entre eles e propor atividades adequadas as suas necessidades desenvolvimentais. As cinco etapas da adolescência, segundo o referencial do psiquiatra Içami Tiba: Confusão pubertária; onipotência pubertária: Estirão; Menarca e a mutação; Onipotência juvenil. Algumas características do adolescente atual incluem: Síndrome da quinta série; Uso de drogas; Sexualidade e a busca de uma profissão. Auto-avaliação 1. A fase de adolescência provoca apenas alterações físicas no organismo do jovem. ( ) certo ( ) errado 2. A escolha profissional é um momento importante na vida do jovem. ( ) certo ( )errado 3. A síndrome da quinta série acontece apenas com os homens. ( ) certo ( ) errado 38
  39. 39. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 4. De acordo com a sua realidade, quais os maiores desafios vivenciados pelo adolescente na atualidade? 5. O que você compreende por disciplina? Faça uma reflexão sobre o fenômeno da indisciplina na sala de aula. 6. Faça um comentário sobre suas percepções acerca deste texto: Difícil é lidar com ele, porque ele não se entende com o próprio corpo e ainda é ridicularizado pelos seus próprios colegas, ele quer resolver os problemas do mundo, mas se atrapalha com simples questões de matemática, ele prefere a certeza de não estudar a arriscar sua inteligência numa prova escolar, ele nem bem se mete a arrumar o seu quarto, mas lava e lustra o carro como um joalheiro, ele se indispõe contra os outros em defesa de seus pais, que ele mesmo maltrata, ele fuma maconha empunhando a bandeira da ecologia e do menos mal, ele é rebeldemente sociável e seguramente instável, ele ri com lágrimas, enquanto chora com gargalhadas, ele brinca de brigar e briga para amar, ele vive sonhos e projetos de um vir a ser porque O adolescente é pequeno demais para grandes coisas, grande demais para pequenas coisas. (Dr. Içami Tiba - Texto retirado do livro Amor, Felicidade & Cia.) Bibliografia BOCK, A. M. B. (2000)& outros. Psicologias: Uma Introdução ao Estudo de Psicologia. 13. Ed.São Paulo. Saraiva. BEE, H. (1996). A criança em desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas. DAVIDOFF, L. L. (2001) Introdução à Psicologia. São Paulo: Makron Books, ERICKSON, E. (1976). Identidade, juventude e crise. Rio de Janeiro: Zahar. MUSSEN, P.H., CONGER, J.J. & KAGAN, J. (1995). Desenvolvimento e Personalidade da Criança. São Paulo: Harbra Ltda, 1995. PAPALIA, D. e OLDS, S. W. (1997) O Mundo da Criança. Da infância à adolescência. São Paulo: Makbon. ROSA, M. (1986) Psicologia Evolutiva. Psicologia da Adolescência. Petrópolis: Vozes. TIBA, I. (1996) Disciplina: o limite na medida certa. São Paulo: Editora Gente. 39
  40. 40. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO UNIDADE I TEMA 5 MOTIVAÇÃO NO CONTEXTO EDUCACIONAL Objetivo • Favorecer a compreensão sobre a importância do estudo os aspectos gerais da motivação para o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem. 40
  41. 41. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 5.1 Definição e natureza do motivo Definição etimológica: “Motivo” é de origem latina da palavra “movere. Motum” significa aquilo que faz mover. Conseqüentemente, motivar significa provocar movimento, atividade no sujeito. A palavra “motivo” é utilizada para designar as forças sociais e fisiológicas que impulsionam o ser humano a agir. Quando nos referimos às forças que despertam os animais chamamos de impulsos ou instintos. 5.2 Teoria de Maslow – A Hierarquia das Necessidades A teoria da motivação humana foi elaborada por Abraham H. Maslow e parte do princípio da hierarquia das necessidades biológicas, psicológicas e sociais dos homens. Ela se caracteriza por compreender o homem como um ser eternamente descontente e detentor de necessidades, que se relacionam entre si por uma escala hierárquica na qual uma necessidade deve estar parcialmente satisfeita, antes que outra se revele como prioritária. Essas necessidades estão dispostas no formato de uma pirâmide, em cuja base encontram-se as necessidades básicas (necessidades fisiológicas) e no topo, as mais elevadas (as necessidades de auto-realização). Pirâmide de Maslow – A Hierarquia das Necessidades 41
  42. 42. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO espécie (alimentação, sono, abrigo etc). Quanto à necessidade de segurança esta se refere ao desejo de proteção à fuga e ao perigo. O ser humano busca satisfação nos contatos sociais que compreendem o desejo de associação, de participação, de amizade, afeto e amor. A necessidade de auto estima está relacionada com a forma de auto-avaliação. Envolve a autoconfiança, prestígio social, status, prestígio e importância, independência e autonomia. A necessidade de auto-realização é a mais elevada e encontra-se localizada no topo da pirâmide. É esta necessidade que impulsiona cada pessoa a auto-desenvolver-se continuamente, podendo incluir o aperfeiçoamento, experiências estéticas e metafísicas, ou a busca da espiritualidade. 5.3 Frustração Quando não conseguimos satisfazer um desejo ficamos frustrados. Alguns autores consideram que uma das conseqüências mais freqüentes da frustração é a agressividade. 5.4 Incentivos São exemplos de incentivos: Elogio, Punição, Censura e Recompensa. As necessidades se encontram em cada indivíduo apagado e cabe ao incentivo acendê-lo. Os incentivos são de origem externa ao indivíduo advindas do meio, enquanto que o desejo é propriedade interna, de nossa personalidade. A motivação (intrínseca) está dentro de nós. Resta aos incentivos (motivação extrínseca) impulsionar ou não o comportamento em busca da satisfação. Importante: No cotidiano escolar podem-se utilizar os incentivos para despertar a atenção dos alunos. 5.5 Motivação na Escola Não é fácil estabelecer uma relação prazerosa entre o trabalho escolar e as necessidades do aluno. Temos que mostrar incentivos que despertem no aluno o prazer de aprender. • Conhecimento sobre o aluno. A definição da estratégia motivacional depende do conhecimento que se tem do aluno. Devese levar em consideração a idade dos alunos, sexo, contexto social etc. • Personalidade do professor. Grau de envolvimento do professor com os alunos, postura de respeito, dinamicidade, cordialidade e outros atributos; • Material didático. Deve oferecer ao aluno o desenvolvimento de sua capacidade crítica e a cidadania de maneira adequada à idade do leitor; o livro didático deve ser escolhido e bem utilizado para despertar o desejo de aprender. 42
  43. 43. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO • Método ou modalidades práticas de trabalho empregado pelo professor; A metodologia promove o favorecimento da motivação. Planeje sua aula levando em consideração a vivência dos seus alunos e o momento de participação; 5.6 Motivação no Ensino A motivação na sala de aula deve buscar a relação entre os trabalhos escolares e o desejo e necessidades dos alunos. Vamos conhecer algumas sugestões práticas para a sala de aula: • Necessidade de atividade É importante incluir o aluno em atividades, sejam elas físicas ou intelectuais. Quanto mais atividades envolvidas na tarefa, maior a motivação. Fique atenta à idade: crianças pré-escolares se concentram mais nas atividades físicas, por um período de 10 a 15 minutos. Já as escolares, têm uma boa concentração por um período de em média 20 minutos, podendo ser de atividades intelectuais. Os maiores se beneficiam em atividades em média de 40 a 50 minutos. • Intenção deliberada para aprender; O desejo em aprender é precioso. Ele é um grande auxílio para o processo de aprendizagem. A prática de sala de aula tem demonstrado que o esclarecimento sobre a importância do conteúdo a ser aprendido para sua vida representa uma vantagem para ocorrer à aprendizagem. • Envolvimento do eu; Um poderoso recurso para aumentar o envolvimento do aluno nas atividades é encorajá-lhe o espírito da iniciativa. • Conhecimento dos resultados do trabalho; O aluno deve conhecer rapidamente o resultado de seu trabalho, pois cria incentivos de auto-estima e sentimentos de realização. • Competição; Na escola pode ser utilizada a competição entre grupos, pois traz resultados positivos na aprendizagem; • Necessidade de um padrão a ser alcançado; O professor pode fixar metas a serem alcançadas pelo aluno ou grupo, de acordo com as possibilidades destes. • Manipulação, curiosidade e jogo; Proporcionar manipulação física ou ideativa das coisas, de mexer, de conhecer como as coisas acontecem. • Necessidade de segurança ou aceitação social. As situações em que existem repreensões, severidades, julgamentos e desrespeito provocam desorganização das atitudes favoráveis à aprendizagem. 43
  44. 44. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Resumo Foi apresentado um conceito de motivação, como o “motivo” que nos conduz a uma determinada meta. A motivação é dos principais requisitos para uma aprendizagem. Existem dois tipos de motivação: a externa (cujo motivo vem do ambiente) e a interna ou intrínseca (oriunda do próprio indivíduo); a segunda determina a ação. A escola necessita da utilização freqüente de estratégias motivadas para manter a vinculação com os alunos e a eficiência na aprendizagem. Auto– avaliação 1. Assinale a alternativa correta, segundo a teoria de William I. Thomas: a . O desejo de novas experiências está relacionado com a aceitação social; b. São os desejos: de segurança, saúde, de correspondência e vida social; c. o desejo de correspondência pode está relacionado com a necessidade de união, de casamento. d. algumas pessoas não tem desejos. 2.Elabore atividades com seus alunos utilizando-se do estudo sobre motivação. Descreva as atividades, registre os resultados e avalie sua conduta e o desempenho dos alunos. Apresente os resultados aos seus colegas. Bibliografia BOCK, A. M. B. & outros. (2000) Psicologias: Uma Introdução ao Estudo de Psicologia. 13. Ed.São Paulo. Saraiva. DAVIDOFF, L. L. (2001) Introdução à Psicologia. São Paulo: Makron Books. MOSCOVICI, F. (2004). Desenvolvimento Interpessoal. Rio de Janeiro: José Olympio. 44
  45. 45. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Avaliação Formativa – Unidade I 1. Conceitue com suas palavras o que entendeu sobre Psicologia, psicologia educacional e subjetividade. 2. Quais são os fatores que contribuem para a aprendizagem? 3. Quais as condutas mais apropriadas para o professor manter sua sala de aula motivada? 4. Escolha um dos autores da aprendizagem e escreva os seus principais pontos. Boa Sorte! Na proposta atual a avaliação é por modulo e não por unidade. Poderá utilizar algumas destas questões nas auto-avaliações dos temas 45
  46. 46. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO UNIDADE II PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Objetivo • Gerar reflexão sobre os principais fundamentos psicológicos concernentes ap processo de construção do conhecimento segundo a interpretação das principais abordagens psicológicas. 46
  47. 47. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO UNIDADE II TEMA I A APRENDIZAGEM PARA A ABORDAGEM HUMANISTA Objetivo • Conhecer os fundamentos teóricos da abordagem humanista e sua aplicabilidade no contexto educacional. 47
  48. 48. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 1.1 Carl Rogers O principal expoente da abordagem humanista é o norte – americano Carl Ransom Rogers que nasceu em 8 de janeiro de 1902 em Oak Park, Chicago. Teve uma infância isolada e recebeu forte influencia da religiosidade de sua família. Mostrou-se um excelente aluno, com ávidos interesses científicos. Na Universidade de Wisconsin, teve significativas experiências de relacionamento e recompensadoras. Já pastor aprofundando seus estudos de teologia, passou a interessar-se por psicologia. Carl Rogers (1902 -1987) Inicialmente, como psicólogo, trabalhou com crianças em Rochester, Nova York, por doze anos. Seu envolvimento com as crianças vítimas de violência física despertou o interesse em estruturar uma teoria, o que ele iria denominar mais tarde de Abordagem Centrada na Pessoa. O desenvolvimento de sua teoria sobre personalidade e abordagem clinica foi aperfeiçoada através da experiência no exercício de magistério na Universidade de Ohio e posteriormente, como diretor do centro de aconselhamento fundamentado em suas idéias na Universidade de Chicago. Seu primeiro livro Terapia Centrada no Cliente (1951) apresenta sua primeira teoria formal sobre a terapia. Rogers é reconhecido como um dos pioneiros nos trabalhos de grupo de encontro e o primeiro psicólogo a dirigir um departamento de psiquiatria de uma universidade de grande porte (Universidade de Wisconsin). Inclusive foi agraciado Associação Americana de Psicologia com prêmios de melhor contribuição científica e o de melhor profissional. Rogers aplicou na área da Educação seus princípios da Psicologia Clínica (Abordagem Centrada na Pessoa). No Brasil, as idéias de Rogers tiveram grande repercussão na década dede 70. Morreu de um ataque cardíaco aos 85 anos de idade, em 5 de fevereiro de 1987, mesmo ano que foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz em San Diego, Califórnia. 1.2 Princípios Básicos da Abordagem Humanista Proposta Por Carl Rogers A Abordagem Centrada na Pessoa (ACP), como o próprio nome sugere, considera a pessoa como o centro de suas atenções, como o fim básico. Postulado Fundamental: Tendência Atualizante – todo ser humano tem um potencial de crescimento pessoal, natural, que lhe é inerente e que ocorrerá desde que lhe sejam dadas condições psicológicas adequadas para tal. Visão de Homem: enfoca o homem como uma totalidade, um organismo em processo de integração. 1.3 A teoria Pedagógica (Ensino Centrado no Aluno) Papel da Escola: Acredita que todos os seres humanos têm natural potencialidade para aprender; O ensino está centrado na pessoa do aluno o que implica orientá-lo para seu crescimento, desenvolvimento e auto-realização. 48
  49. 49. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Não se importa com conteúdos formais, em assistir aulas e dos procedimentos didáticos, a ênfase esta no papel da escola em favorecer um clima harmônico que possibilite o estabelecimento de boas relações interpessoal e intrapessoal. A escola Centrada no Aluno, não valoriza a transmissão de conteúdos. A aprendizagem tem a qualidade de um envolvimento pessoal. O aluno é responsável e do seu processo de conhecimento; mesmo quando o primeiro impulso ou estimulo é externo, o sentido de desvelar, do alcançar, do captar e do compreender vem de motivações internas. Os métodos usuais são dispensados na sala de aula. O professor deve ter a atitude de confiança e de respeito ao aluno e ter um estilo próprio de dar aulas. O papel básico do professor é o facilitador do processo de aprendizagem do aluno. “... Mesmo que tentemos esse método para facilitar a aprendizagem, levantam-se muitas questões difíceis. Podemos permitir aos estudantes que entrem em contato com os problemas reais? Toda a nossa cultura-procura insistentemente manter os jovens afastados de qualquer contato com os problemas reais. Os jovens não têm que trabalhar, assumir responsabilidades, intervir nos problemas cívicos ou políticos, não tem lugar nos debates das questões internacionais. ...Será possível inverter essa tendência? ...Uma outra questão é a de saber se podemos permitir que o conhecimento se organize no e pelo indivíduo, em vez de ser organizado para o indivíduo. Sob esse aspecto, os professores e os educadores se alinham com os pais e com os dirigentes nacionais para insistirem que os alunos devem ser guiados....Espero que, ao levantar essas questões, tenha mostrado claramente que o duplo problema que é a aprendizagem significativa e forma de como realizá-la nos coloca perante problemas profundos e graves. ...Tentei apontar algumas dessas implicações das condições facilitadoras da aprendizagem no domínio da educação, e propus, uma resposta a essas questões..." (Rogers, in Tornar-se Pessoa, 1988, editora Martins Fontes). O relacionamento professor-aluno deve ser pessoal e dinâmico e o aluno deve ser tratado com autenticidade, empatia e consideração positiva incondicional; as três condições básicas no relacionamento educativo; Autenticidade - apresenta congruência entre o que pensa e como age. Empatia – capacidade de colocar-se no lugar do outro. “pensar como o outro pensa” O relacionamento professor-aluno e Aceitação Positiva Incondicional – deve ser pessoal e dinâmico valorizar o outro da forma que ele é, mesmo Fonte da imagemnão sendo a pessoa ideal para seu ponto http://www.sonoma.edu/ de vista. users/n/nolan/501/teacher.gif A aprendizagem é orientada pelo próprio aluno, baseado em suas motivações internas facilitadas pelo professor. Desta maneira, a aprendizagem o envolve totalmente, incluindo seus sentimentos, sua vontade e inteligência. Os aspectos psicológicos dos alunos (por exemplo: auto-estima, responsabilidade, independência, a afetividade, a motivação, a criatividade e a auto confiança) são 49
  50. 50. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO continuamente trabalhados para que a aprendizagem torne-se algo significativo, durável e envolvente: "Por aprendizagem significativa entendo uma aprendizagem que é mais do que uma acumulação de fatos. É uma aprendizagem que provoca uma modificação, quer seja no comportamento do indivíduo, na orientação futura que escolhe ou nas suas atitudes e personalidade. É uma aprendizagem penetrante, que não se limita a um aumento de conhecimentos, mas que penetra profundamente todas as parcelas da sua existência." (Rogers, in Tornar-se Pessoa, 1988, editora Martins Fontes). Em conformidade com o principio da não diretividade o professor não deve interferir na estrutura cognitiva e afetiva do aluno. Cabe ao professor conduzir o aluno a reflexão sobre suas experiências, para que, a partir delas, o aluno se auto - dirija. Desta forma, este princípio atua no sentido de tornar o aluno responsável pelo seu processo de aprendizagem e pela suas escolhas pessoais e profissionais. São incentivadas as autocríticas e as auto-avaliações. Estas são consideradas como mais importantes do que as feitas por outros. Resumo Carl Rogers é considerado o principal representante da abordagem humanista na educação. Sua teoria tem seu foco no homem, como um ser com tendência natural ao crescimento, que necessita de condições facilitadoras para que se processe seu desenvolvimento. A aplicabilidade da abordagem não diretiva na educação concebe o aluno em sua totalidade. Para a abordagem o importante é a auto-realização, o crescimento pessoal da pessoa do aluno e do professor. Para a teoria humanista as experiências de vida, o clima psicológico da sala de aula, a integração professor - aluno são condições fundamentais para a aprendizagem. São ressaltados os aspectos dinâmicos do processo de aprendizagem que estimulam a interação, o respeito ao outro e a capacidade do aluno escolher sua direção de crescimento. Auto – avaliação 1. Fale sobre a importância da relação professor – aluno para a abordagem humanista? 2. Explique, com as suas palavras, sobre as condições básicas no relacionamento educativo. 3. cite e explique duas contribuições da abordagem humanista para a educação e para sua prática pedagógica. 50
  51. 51. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Bibliografia ROGERS, CR (1973) Liberdade para aprender. São Paulo: Martins Fontes. ROGERS, CR (1974) Grupos de Encontro. São Paulo: Martins Fontes. ROGERS, CR (1977) Tornar-se Pessoa. São Paulo: Martins Fontes. 51
  52. 52. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO UNIDADE II TEMA 2 A PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL NA EDUCAÇÃO Objetivo • Compreender os princípios da teoria comportamental. 52
  53. 53. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 2.1 A Psicologia Comportamental O termo Behaviorismo foi cunhado pelo psicólogo americano John B. Watson, em um artigo publicado em 1913, intitulado “Psicologia: como os Behavioristas a vêem”. O termo Behaviorismo tem sua origem na língua inglesa “behavior” e significa comportamento. A Psicologia Comportamental também é chamada por Psicologia Behaviorista, Teoria Cognitiva - Comportamental ou simplesmente, Behaviorismo. Para Watson o objeto de estudo da psicologia era o comportamento. Tal objeto dava a psicologia à consistência que os psicólogos da época vinham buscando (objeto mensurável, observável e passível de experimentação em diferentes condições e sujeitos) para que finalmente a psicologia alcançasse o status de ciência, rompendo definitivamente com a sua tradição filosófica. O Behaviorismo restringe seu objeto de estudo ao comportamento humano observável. Desta maneira, os fatores internos eram expostos através da análise do comportamento apresentado, assim poderiam prevê-los, manipulá-los e, por fim modificálos. Apesar de defender o comportamento como objeto da Psicologia Behaviorista, seu sentido foi modificado ao longo dos tempos. Hoje, não se concebe comportamento como uma ação isolada, reativa do sujeito, mas sim, como uma interação entre aquilo realizado pelo sujeito e o ambiente onde o seu “fazer” ocorre. Os Behavioristas demonstram interesse pelo processo de aprendizagem e o contemplam como um agente de transformação do comportamento humano. Portanto, a Psicologia Comportamental dedica-se ao estudo das interações entre o indivíduo e o ambiente, entre as ações do indíviduo (suas respostas) e o ambiente (as estimulações). 2.2 Biografia: Skinner Burrhus Frederic Skinner nasceu na cidade de Susquehanna, no estado norteamericano da Pensilvânia em 20 de março de 1904. Foi considerado um adolescente rebelde para os moldes de educação de disciplina rigorosa; nesta fase seus interesses eram a filosofia e a poesia. Em 1930 graduou-se em Psicologia na Universidade de Harvand onde teve a oportunidade de conhecer os princípios do Behaviorismo proposto por Watson. Após concluir seu Ph. D trabalhou na Faculdade de Medicina de Harvand (1948) onde realizou diversos experimentos com animais e, paralelamente escreveu vários livros. Desde então foi professor em Harvand quando influenciou uma geração de estudantes. Ele desenvolveu um ambiente fechado especialmente para experimentos com animais em laboratórios que são conhecidas como “caixa de Skinner”, depois de amplamente adotadas em faculdades e indústrias farmacêuticas. O Behaviorismo Radical foi o termo cunhado pelo próprio Skinner em 1945 para designar uma filosofia da ciência do comportamento que ele se propôs a defender por meio da análise experimental do comportamento. 53
  54. 54. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO “caixa de Skinner” Em 1948 escreveu o romance “Walden Two” que retratava o funcionamento de uma sociedade alternativa edificada nos princípios de educação defendidos por ele. Skinner era um defensor ardoroso pela experimentação laboratorial e pelo controle e análise experimental do comportamento humano. Faleceu em 1990, vítima de leucemia, em ativa militância em favor do behaviorismo. 2.3 Pressupostos teóricos Watson partia do pressuposto de que o homem era uma “tabula rasa” e, portanto, os pesquisadores poderiam modelar o comportamento das pessoas, independentes de suas origens. Comportamento para a Psicologia Comportamental significa um conjunto de reações ou respostas que o organismo apresenta frente às estimulações ambientais. Ou seja, o comportamento envolve um estimulo (E) ou um conjunto de estímulos que elicia determinada resposta (R) ou a reação do indivíduo. E aprendizagem significa a modificação ou aquisição de novas respostas, é o resultado do processo de condicionamento. O Condicionamento Clássico foi descoberto por Ivan P. Pavlov, fisiologista russo em 1901 através de experimentos sobre o reflexo salivar em cães. Os experimentos ocorriam da seguinte forma: os cães eram presos em arreios numa câmara experimental e, sua saliva era coletada através de um tubo cirurgicamente implantado na glândula salivar. Os resultados de seu trabalho identificaram que o reflexo salivar provocado pela presença do alimento também ocorria por outros estímulos como a hora da alimentação, os passos do experimentador se aproximando da sala ou quais quer outros estímulos (visuais, sensoriais, olfativos ou auditivos) que precediam ou acompanhavam a alimento. Antes do Condicionamento clássico – Estimulo Não Condicionado produz uma Resposta Não Condicionada; em outra situação, o estimulo neutro não produz resposta alguma: Ao relacionar o alimento a outros estímulos neutros 54
  55. 55. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO (som) quanto a sua capacidade de gerar salivação, identificou que esse estímulo, depois de repetidas associações com o alimento, passou a eliciar a mesma resposta. Depois do condicionamento – O estimulo neutro agora é um Estimulo Condicionado e a resposta a ele é sempre condicionada. Ou seja, apenas de ouvir o som que antecedia a presença do alimento, o cão já salivava, mesmo sem a presença do alimento. O Condicionamento clássico na vida cotidiana se apresenta das diversas maneiras como nos casos de fobias, nos relacionamentos, na propaganda entre outros. Pessoas que sofrem de fobias geralmente sugerem medos irracionais cuja origem envolveu o condicionamento clássico. Conheço diversas pessoas que tem medos que podem ser explicadas pelo condicionamento clássico. Imagine na sala de espera ao ouvir o motor de um dentista; você já fica tenso e ansioso só de ouvi-lo. Uma aluna relatou-me que a origem de sua fobia a provas de matemática foi à alta expectativa dos seus pais a seu desempenho. Skinner acrescenta à teoria Behaviorista a descoberta do condicionamento operante. Este abrange o maior leque de atividades humanas e refere-se à ação do organismo sobre o meio e o efeito dela resultante. Podemos dizer que o condicionamento operante envolve um reforço a uma determinada resposta do indivíduo até ficar condicionado a associar a necessidade à ação. Pavlov – Condicionamento Clássico Skinner - Condicionamento operante Condicionamento Clássico (de Pavlov) e o condicionamento operante (de Skinner) se diferenciam da seguinte maneira: no condicionamento clássico existe apenas uma resposta a um estímulo puramente externo enquanto que no condicionamento operante prevalece o hábito causado pela ação do indivíduo, o ambiente é mudado e produz resultados que agem direcionados eles, alterando a probabilidade de evento futuro. Na concepção de Skinner, todo comportamento operante se refere à ação do indivíduo sobre o meio e produz um efeito satisfatório, ou seja, ele opera sobre o mundo. É a resposta do organismo que o leva a um estimulo reforçador que tanto o interessa. O estimulo reforçador é denominado reforço, considerado um dos temas centrais da teoria de Skinner. Embora ele ocorra após o comportamento, ele é o responsável pela ação do indivíduo. Pois ele aumenta a probabilidade de que uma determinada resposta venha a ocorrer novamente. Desta maneira podemos concluir que agimos sobre o meio em função das conseqüências oportunizadas pela nossa ação. O reforço pode ser positivo ou negativo; do tipo primário ou secundário. O reforço positivo tem o intuito de fortalecer o comportamento através da apresentação de algo que 55
  56. 56. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO agrade ao indivíduo. No caso de uma aluna que tira uma nota boa em uma prova, a nota irá reforçar positivamente o comportamento de estudar. O reforço negativo está associado à remoção de algum estimulo que reforçava um determinado comportamento. Os reforços primários compreendem os eventos que tendem a ser reforçadores para todas as espécies (como a água, afeto e alimento). Enquanto que os secundários, ao contrário do anterior, são aqueles que adquiriram a função quando pareados temporariamente com os primários. Alguns reforçadores secundários, quando empareados com muitos outros, tornam-se reforçadores generalizados, como o dinheiro e a aprovação social. Skinner realizava seus experimentos com animais inferiores, principalmente ratos brancos e pombos. Para facilitar o processo de análise e controle da experiência criou a "Caixa de Skinner”. O experimento se processa da seguinte forma, um rato sedento é colocado na caixa (“caixa de Skinner”) que contém uma alavanca e um fornecedor de alimento. Em conformidade com os critérios estabelecidos pelo observador, o rato aperta a alavanca e o observador libera uma bolinha de alimento, recompensando assim o rato. Desta forma, o experimentador pode controlar o comportamento do rato de acordo com o estímulo ofertado. Assim, seu comportamento pode ser pouco a pouco alterado ou modelado até surjam novas repostas que não estava presente no repertório comportamental do rato. Suas conclusões nos experimentos com os ratos foram estendias para as situações de aprendizagem. Podemos observar na prática de sala de aula que o comportamento do aluno pode ser modelado pelo oferecimento das recompensas ou reforços positivos. De acordo com Skinner ensinar é meramente a disposição adequada de contingências de reforço sob as quais estudantes aprendem e o processo de aprendizagem é um agente de mudança de comportamento. Skinner sugere que o ambiente escolar deve fazer uso freqüente das recompensas e do reforço positivo; sendo contrário ao uso das punições e esquemas repressivos. Para os Behavioristas a aprendizagem é concebida como um produto da relação estímulo – resposta e conseqüentemente, durante o processo de aprendizagem são reforçadas as condutas apropriadas um sistema de recompensa e as inapropriadas mediante uma punição. Skinner procurou demonstrar que o processo de aprendizagem regido por ameaças e castigos se restringe aos resultados insatisfatórios. Para o melhor aproveitamento ele ressalta o ensino programado baseado em uma criteriosa análise do conteúdo para ele fosse apresentado de forma a levar o aluno a dar comportamentos aproximados ao objetivo final. Skinner no livro Tecnologia do Ensino, de 1968, apresentou a Máquina de Aprendizagem, como uma proposta de organização de material didático para que o aluno tivesse a autonomia de gerenciar sua evolução no conhecimento. Os princípios metodológicos usados na Máquina de Aprendizagem influenciaram a educação norteamericana e brasileira. A avaliação também tem um papel fundamental: no início, para que o professor possa estabelecer estratégias para atingir os objetivos; durante o processo de aprendizagem, para controle e re - planejamento, e ao final, para verificar se os resultados desejados foram obtidos. O behaviorismo está representado nos pressupostos da orientação tecnicista da educação, cuja proposta consiste em: planejamento e organização da atividade pedagógica (plano de aula, de curso, programa), e-learning, softwares educativos, educação à distância, ensino por computador, tele-ensino, buscando a objetividade e o controle do processo ensino - aprendizagem. 56

×