SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
AATTEENNDDIIMMEENNTTOO EEMMEERRGGEENNCCIIAALL NNOOSS 
CCAASSOOSS DDEE MMAAUUSS TTRRAATTOOSS CCOONNTTRRAA AA 
CCRRIIAANNÇÇAA EE AADDOOLLEESSCCEENNTTEESS
PPAAPPEELL EESSSSEENNCCIIAALL DDOO 
PPRROOFFIISSSSIIOONNAALL 
AA PPrreevvêênnççããoo éé mmeeiioo mmaaiiss eeffiiccaazz ddee 
ccoommbbaattee ee eennffrreettaammeennttoo aa vviioollêênncciiaa 
ddoommééssttiiccaa ccoonnttrraa ccrriiaannççaa ee aaddoolleesscceennttee..
 CCllaassssiiffiiccaaççããoo 
DDee aaccoorrddoo ccoomm aa MMuunnddiiaall ddee SSaaúúddee(( OOMMSS)), 
aa pprreevveennççããoo ddooss mmaauuss ttrraattooss ccllaassssiiffiiccaa--ssee 
eemm::
Prevênção primária – é aquela qquuee ccoommoo oobbjjeettiivvoo aa 
eelliimmiinnaaççããoo oouu rreedduuççããoo ddooss ffaattoorreess ssoocciiaaiiss, ccuullttuurraaiiss ee 
aammbbiieennttaaiiss qquuee ffaavvoorreecceemm ooss mmaauuss ttrraattooss.. AAttuuaa nnaass 
ccaauussaass ddaa vviioollêênncciiaa ddoommééssttiiccaa.. EExx..:: CCaammppaannhhaass, 
aattrraavvéézz ddooss mmeeiiooss ddee ccoommuunniiccaaççããoo, ppaalleessttrraa ddeebbaattee 
eettcc......
Prevenção secundária- é aquela que tteemm ccoommoo oobbjjeettiivvooss aa 
ddeetteeccççããoo pprreeccooccee ddee ccrriiaannççaass eemm ssiittuuaaççããoo ddee rriissccoo 
iimmppeennddiinnddoo aattooss ddee vviioollêênncciiaa ee//oouu rreeppeettiiççããoo.. AAttuuaa nnaass 
ssiittuuaaççõõeess jjáá eexxiisstteenntteess..
Prevenção terciária – é aquela que tteemm ccoommoo oobbjjeettiivvoo oo 
aaccoommppaannhhaammeennttoo iinntteeggrraall ddaass vvííttiimmaass ee//oouu ddee sseeuu 
aaggrreessssoorr, tteennttaannddoo mmiinniimmiizzaarr rreessttaauurraarraass ccoonnsseeqquuêênncciiaa 
jjáá iinnssttaauurraaddaass ppeelloo pprroocceessssoo ddee vviittiimmiizzaaççããoo.. EExx..:: 
ppssiiccootteerraappiiaa, ggrruuppooss ddee mmúúttuuaa aajjuuddaa..
Procedimentos iniciais: 
 Ater-se nos dados relevantes da denúncia. 
 Se necessário, buscar mais informações com quem 
pegou a denúncia. 
 Levantar as pessoas que poderão ser abordadas sobre 
a denúncia. 
 Planejar o roteiro da investigação: 
 Alguém em especial deve ser abordado primeiro? 
 A abordagem pode ser feita, na íntegra, na residência ? 
 Há história sobre a família no setor ou em outras 
instituições
Intervenção: 
"O teor da denúncia vai nortear o início do 
atendimento"
• Abordagens: vítimas/ familiares/ suposto 
agressor / comunitárias/ 
• institucionais/ outras 
• Visitas domiciliares 
• Visitas institucionais 
• Investigações extras: prontuários médicos/ 
consulta de antecedentes/ a outras comarcas 
• Relatórios de outros órgãos, programas e 
instituições
Diagnóstico (deve 
contemplar): 
 Se a violência ocorreu, em que nível 
 Quais os elementos importantes na dinâmica 
da família que alimentam a violência · Há riscos 
à vítima de permanecer ali 
 Há outras crianças/adolescentes em risco? 
 Conseqüências orgânicas / psicológicas · 
Apontar medidas adequadas de intervenção · 
Nortear ações preventivas
Pode ser: 
 Diagnóstico sumário (emergencial) 
 Diagnóstico multiprofissional: Ficha de 
denúncia e acompanhamento do 
 caso, laudo social, laudo psicológico, 
laudo médico.
Medidas possíveis de serem 
elencadas ou aplicadas na etapa 
diagnóstica: 
 Medidas psicoterapêuticas; 
 Medidas sociais; 
 Medidas judiciais; 
 Medidas médicas.
Importante: 
 Supervisionar o processo 
 Anunciar o "alerta" para fontes protetivas/ 
solidárias.
Como trabalhamos a família 
diante dos recursos 
disponíveis 
• Definição de risco 
• Proteção da(s) vítimas (s) 
• Responsabilização e orientação do 
agressor 
• Diagnóstico
ENTREVISTA COM A CRIANÇA //AADDOOLLEESSCCEENNTTEE 
EE AA FFAAMMÍÍLLIIAA
Comportamento profissional 
de periculosidade: 
 Trabalham sozinhos e sem apoio; 
 Estabelecem um processo de conivência com a 
família a fim de evitar a discussão 
 dos verdadeiros problemas; 
 Intervém sem um referencial teórico que dê 
suporte sua ação; 
 Mantém um otimismo irreal, contra todas as 
evidências, acerca das famílias que 
 perpetram quadros de violências;
 Identificam-se demasiadamente com as 
famílias, perdendo de vista o significado dos 
 padrões de comportamento familiar, focalizando 
acontecimentos isolados e crises; 
 Evitam reconhecer e lidar com seus 
sentimentos e valores pessoais; 
 Evitam contatos com a vitima e/ ou família por 
receios infundados em termos de sua 
 segurança pessoal.
Aspectos na abordagem com 
crianças e adolescentes 
 Ter como pressuposto: a criança/adolescente são SEMPRE VÍTIMAS;ç 
 Fazer pergunta que “ como” são mais produtivas do que aquelas que começam “por 
que” 
 Tentar obter o máximo de informações com outras pessoas antes da 
entrevista sobre a violência sofrida bem como dados e detalhes sobre a 
família; 
 O profissional deve apresentar-se e explicar a razão da entrevista; 
 O ambiente deve ser propício e não deve permitir interrupções, em espaço 
reservado; 
 A linguagem deve ser simples e clara para que a criança/adolescente entenda o que 
está sendo dito, utilizar, sempre que possível, as palavras e os termos da própria 
criança ao discutir a situação;
 No momento da abordagem a atenção deve ser dedicada 
exclusivamente para a criança /adolescente, devemos sentar 
próximo à criança, ao nível de seu olhar, e não atrás de uma 
escrivaninha; 
 Devemos mostrar interesse e ganhar a confiança da 
criança/adolescente, antes de pedir confidências. A princípio 
devemos conversar sobre assuntos diversos; 
 Não esquecer que a criança / adolescente precisa ser 
compreendida e levada a sério; 
 Evitar “piedade e filosofia”; 
 Nunca desconsiderar os sentimentos da criança /adolescente. 
“Isso não foi nada”, “Vai passar logo”, “Não precisa chorar”;
Não se deve aaggiirr ddaa sseegguuiinnttee ffoorrmmaa:: 
 IInndduuzziirr aass rreessppoossttaass ddaa ccrriiaannççaa 
 PPrreessssiioonnaarr aa ccrriiaannççaa ppaarraa ddaarr rreessppoossttaa qquuee eellaa nnããoo 
ddeesseejjaa 
 CCrriittiiccaarr ttiippoo ddee lliigguuaaggeemm uussaaddaa ppeellaa ccrriiaannççaa 
 SSuuggeerriirr qquuee aa ccrriiaannççaa ssee ssiinnttaa ccuullppaaddaa oouu rreessppoonnssáávveell 
ppeellaa ssiittuuaaççããoo 
 DDeeiixxaarr aa ccrriiaannççaa sseemm ccuuiiddaaddoossoo oouu ccoomm ppeessssooaass 
ddeessccoonnhheecciiddaass
 Enfatizar que ela não cometeu nenhum erro; 
 Sempre perguntar a criança se ela tem alguma 
pergunta a responder; 
 Pedir à criança que explique palavras ou 
termos que não sejam claros; 
 Explicar cuidadosamente à criança a razão e a 
natureza de sua remoção do lar, se 
isso for iminente.
 Mostrar –se chocado ou horrizado ccoomm rreellaaççããoo aa ccrriiaannççaa 
ee ssuuaa ssiittuuaaççããoo.. 
 OOffeerreecceerr rreeccoommppeennssaa aa ccrriiaannççaa
Entrevistas ccoomm ooss rreessppoonnssáávveeiiss ppeellaa 
ccrriiaannççaa 
 RReesseerrvvaarr sseeuu jjuuggaammeennttoo aattéé qquuee ttooddooss ooss ffaattooss sseejjaamm 
ccoonnhheecciiddooss.. 
 CCoonnttaarr ppaarraa eelleess aa rraazzããoo ddaa eennttrreevviissttaa.. 
 DDeeiixxaarr ccllaarroo aa oobbrriiggaaççããoo lleeggaall ddoo pprrooffiissssiioonnaall 
 CCoonndduuzziirr aa eennttrreevviissttaa eemm ppaarrttiiccuullaarr 
 TTeennttaa sseerr oobbjjeettiivvoo.. 
 EEnnffaattiizzaarr qquuee sseeuuss sseerrvviiççooss ccoonnttiinnuuaa àà ddiissppoossiiççããoo ddaa 
ffaammíílliiaa.. 
 EExxpplliiccaarr qquuaaiiss sseerrããoo ooss ppaassssooss sseegguuiinntteess ddoo pprroocceessssoo
 Responder às perguntas hhoonneessttaammeennttee..
Não se deve aaggiirr ddaa sseegguuiinnttee ffoorrmmaa:: 
 TTeennttaarr pprroovvaarr qquuee hhoouuvvee oo aabbuussoo sseexxuuaall.. 
 DDeemmoossttrraarr iirraa,, hhoorrrroorr oouu ddeessaapprroovvaaççããoo eemm rreellaaççããoo aaooss 
rreessppoonnssáávveeiiss.. 
 FFaazzeerr jjuullggaammeennttoo oouu eessttaabbaalleecceerr qquueemm éé (( oouu ssããoo ))ooss ((ss)) 
ccuullppaaddoo((ss)).. 
 DDaarr ccoonnttrraappaarrttiiddaa ààss eexxpplliiccaaççõõeess ddoo rreessppoonnssáávveeiiss aa rreessppeeiittoo ddee 
ccoommoo ooccoorrrreeuuoo aa iinnjjuurriiaa,, uummaa vveezz qquuee iissssoo ppeerrmmiittiirráá aalltteerraarr uummaa 
eexxpplliiccaaççããoo iimmppllaauussiivveell ccoomm bbaassee nnaa ssuuaa ccoonnttrraappaarrttiiddaa..
PPrreevveennççããoo pprriimmaarriiaa:: 
 PPaalleessttrraa,, ccaappaacciittaaççããoo ddooss pprrooffiissssiioonnaaiiss ddee oouuttrraass ààrreeaass 
ddaass ppoollííttiiccaass ppúúbblliiccaass;; 
 CCaammppaannhhaa ddee ccoonnsscciieettiizzaaççããoo ddaa ppooppuullaaççããoo;;
Experiência ddee ttrraabbaallhhoo ddee 
pprreevveennççããoo aa VViioollêênncciiaa 
PPrreevveennççããoo sseeccuunnddáárriiaa:: 
 GGrruuppooss oorriieennttaaççããoo aa ppaaiiss;; 
 GGrruuppooss ddee oorriieennttaaççããoo aa ffaammíílliiaa iinncceessttuuoossaass 
 RReeggaassttaamm aa hhiissttóórriiaa ppeeggrreessssaa ddaa ffaammíílliiaa ee ccoonntteexxttoo qquuee 
vviioollêênncciiaa ooccoorrrreeuu;; 
 OOrriieennttaamm aass ffaammíílliiaass ssoobbrree ààss ccoonnsseeqquueenncciiaass ee 
sseeqquueellaass ddaa mmeessmmaa ssoobbrree oo ffiillhhooss ee nnoo aammbbiieennttee 
ffaammíílliiaarr;;
PPrreevvêênnççããoo tteerrcciiaarriiaa 
 GGrruuppoo tteerraappeeúúttiiccoo ccoomm mmuullhheerreess qquuee ssooffrreemm vviioollêênncciiaa;; 
 GGrruuppooss tteerraappeeúúttiiccoo ccoomm aaggrreessssoorreess 
 DDiivviiddiiddoo ddee aaccoorrddoo ccoomm aa ffaaiixxaa eettáárriiaa ee ttiippoo ddee vviioollêênncciiaa

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Atendimento emergêncial aos casos de violência dométisca

CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...Gssica17
 
seg_e_med-comportamento_seguro.pdf
seg_e_med-comportamento_seguro.pdfseg_e_med-comportamento_seguro.pdf
seg_e_med-comportamento_seguro.pdfJorgeAmazonasFigueir
 
Seg e med-comportamento_seguro
Seg e med-comportamento_seguroSeg e med-comportamento_seguro
Seg e med-comportamento_seguroSilvana Fontes
 
Gêneros textuais 2 o. bim 8o ano
Gêneros textuais 2 o. bim 8o anoGêneros textuais 2 o. bim 8o ano
Gêneros textuais 2 o. bim 8o anoMarcia Facelli
 
Trauma é uma questão de família - Instituto da Família - Porto Alegre, RS...
Trauma é uma questão de família - Instituto da Família - Porto Alegre, RS...Trauma é uma questão de família - Instituto da Família - Porto Alegre, RS...
Trauma é uma questão de família - Instituto da Família - Porto Alegre, RS...Université de Montréal
 
PSICOLOGIA AMBIENTAL: Por quê não agimos?
PSICOLOGIA AMBIENTAL: Por quê não agimos?PSICOLOGIA AMBIENTAL: Por quê não agimos?
PSICOLOGIA AMBIENTAL: Por quê não agimos?Nicholas Gimenes
 
INTEGRAÇÃO EMPRESA ENG. HARISON-convertido.pptx
INTEGRAÇÃO EMPRESA ENG. HARISON-convertido.pptxINTEGRAÇÃO EMPRESA ENG. HARISON-convertido.pptx
INTEGRAÇÃO EMPRESA ENG. HARISON-convertido.pptxruy vicente Santos
 
Ebook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem Progressiva
Ebook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem ProgressivaEbook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem Progressiva
Ebook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem ProgressivaEspaço da Mente
 
Cartilha abusosexual
Cartilha abusosexualCartilha abusosexual
Cartilha abusosexualcdllusa
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasLuís Fernando Tófoli
 
Apresentação Sheila Murta - IV ENASS Prevenção e Promoção de Saúde Mental no ...
Apresentação Sheila Murta - IV ENASS Prevenção e Promoção de Saúde Mental no ...Apresentação Sheila Murta - IV ENASS Prevenção e Promoção de Saúde Mental no ...
Apresentação Sheila Murta - IV ENASS Prevenção e Promoção de Saúde Mental no ...annajossiel
 
Souza, alice de marchi. clínica e política uma experiência limítrofe
Souza, alice de marchi. clínica e política uma experiência limítrofeSouza, alice de marchi. clínica e política uma experiência limítrofe
Souza, alice de marchi. clínica e política uma experiência limítrofeBruno Martins Soares
 
09p 2010-04-arthur-motivacao
09p   2010-04-arthur-motivacao09p   2010-04-arthur-motivacao
09p 2010-04-arthur-motivacaoValentina Silva
 

Semelhante a Atendimento emergêncial aos casos de violência dométisca (20)

As técnicas de comunicação .pdf
As técnicas de comunicação .pdfAs técnicas de comunicação .pdf
As técnicas de comunicação .pdf
 
As técnicas de comunicação .pdf
As técnicas de comunicação .pdfAs técnicas de comunicação .pdf
As técnicas de comunicação .pdf
 
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
 
seg_e_med-comportamento_seguro.pdf
seg_e_med-comportamento_seguro.pdfseg_e_med-comportamento_seguro.pdf
seg_e_med-comportamento_seguro.pdf
 
Seg e med-comportamento_seguro
Seg e med-comportamento_seguroSeg e med-comportamento_seguro
Seg e med-comportamento_seguro
 
Gêneros textuais 2 o. bim 8o ano
Gêneros textuais 2 o. bim 8o anoGêneros textuais 2 o. bim 8o ano
Gêneros textuais 2 o. bim 8o ano
 
Trauma é uma questão de família - Instituto da Família - Porto Alegre, RS...
Trauma é uma questão de família - Instituto da Família - Porto Alegre, RS...Trauma é uma questão de família - Instituto da Família - Porto Alegre, RS...
Trauma é uma questão de família - Instituto da Família - Porto Alegre, RS...
 
PSICOLOGIA AMBIENTAL: Por quê não agimos?
PSICOLOGIA AMBIENTAL: Por quê não agimos?PSICOLOGIA AMBIENTAL: Por quê não agimos?
PSICOLOGIA AMBIENTAL: Por quê não agimos?
 
Abuso sexual
Abuso sexualAbuso sexual
Abuso sexual
 
INTEGRAÇÃO EMPRESA ENG. HARISON-convertido.pptx
INTEGRAÇÃO EMPRESA ENG. HARISON-convertido.pptxINTEGRAÇÃO EMPRESA ENG. HARISON-convertido.pptx
INTEGRAÇÃO EMPRESA ENG. HARISON-convertido.pptx
 
Ebook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem Progressiva
Ebook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem ProgressivaEbook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem Progressiva
Ebook - Trauma Complexo - EMDR Abordagem Progressiva
 
Cartilha abusosexual
Cartilha abusosexualCartilha abusosexual
Cartilha abusosexual
 
Rorschach
RorschachRorschach
Rorschach
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notícias
 
Joana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoaJoana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoa
 
Acompanhamento Terapêutico
Acompanhamento TerapêuticoAcompanhamento Terapêutico
Acompanhamento Terapêutico
 
Apresentação Sheila Murta - IV ENASS Prevenção e Promoção de Saúde Mental no ...
Apresentação Sheila Murta - IV ENASS Prevenção e Promoção de Saúde Mental no ...Apresentação Sheila Murta - IV ENASS Prevenção e Promoção de Saúde Mental no ...
Apresentação Sheila Murta - IV ENASS Prevenção e Promoção de Saúde Mental no ...
 
aula 0001.pptx
aula 0001.pptxaula 0001.pptx
aula 0001.pptx
 
Souza, alice de marchi. clínica e política uma experiência limítrofe
Souza, alice de marchi. clínica e política uma experiência limítrofeSouza, alice de marchi. clínica e política uma experiência limítrofe
Souza, alice de marchi. clínica e política uma experiência limítrofe
 
09p 2010-04-arthur-motivacao
09p   2010-04-arthur-motivacao09p   2010-04-arthur-motivacao
09p 2010-04-arthur-motivacao
 

Último

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 

Último (20)

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 

Atendimento emergêncial aos casos de violência dométisca

  • 1. AATTEENNDDIIMMEENNTTOO EEMMEERRGGEENNCCIIAALL NNOOSS CCAASSOOSS DDEE MMAAUUSS TTRRAATTOOSS CCOONNTTRRAA AA CCRRIIAANNÇÇAA EE AADDOOLLEESSCCEENNTTEESS
  • 2. PPAAPPEELL EESSSSEENNCCIIAALL DDOO PPRROOFFIISSSSIIOONNAALL AA PPrreevvêênnççããoo éé mmeeiioo mmaaiiss eeffiiccaazz ddee ccoommbbaattee ee eennffrreettaammeennttoo aa vviioollêênncciiaa ddoommééssttiiccaa ccoonnttrraa ccrriiaannççaa ee aaddoolleesscceennttee..
  • 3.  CCllaassssiiffiiccaaççããoo DDee aaccoorrddoo ccoomm aa MMuunnddiiaall ddee SSaaúúddee(( OOMMSS)), aa pprreevveennççããoo ddooss mmaauuss ttrraattooss ccllaassssiiffiiccaa--ssee eemm::
  • 4. Prevênção primária – é aquela qquuee ccoommoo oobbjjeettiivvoo aa eelliimmiinnaaççããoo oouu rreedduuççããoo ddooss ffaattoorreess ssoocciiaaiiss, ccuullttuurraaiiss ee aammbbiieennttaaiiss qquuee ffaavvoorreecceemm ooss mmaauuss ttrraattooss.. AAttuuaa nnaass ccaauussaass ddaa vviioollêênncciiaa ddoommééssttiiccaa.. EExx..:: CCaammppaannhhaass, aattrraavvéézz ddooss mmeeiiooss ddee ccoommuunniiccaaççããoo, ppaalleessttrraa ddeebbaattee eettcc......
  • 5. Prevenção secundária- é aquela que tteemm ccoommoo oobbjjeettiivvooss aa ddeetteeccççããoo pprreeccooccee ddee ccrriiaannççaass eemm ssiittuuaaççããoo ddee rriissccoo iimmppeennddiinnddoo aattooss ddee vviioollêênncciiaa ee//oouu rreeppeettiiççããoo.. AAttuuaa nnaass ssiittuuaaççõõeess jjáá eexxiisstteenntteess..
  • 6. Prevenção terciária – é aquela que tteemm ccoommoo oobbjjeettiivvoo oo aaccoommppaannhhaammeennttoo iinntteeggrraall ddaass vvííttiimmaass ee//oouu ddee sseeuu aaggrreessssoorr, tteennttaannddoo mmiinniimmiizzaarr rreessttaauurraarraass ccoonnsseeqquuêênncciiaa jjáá iinnssttaauurraaddaass ppeelloo pprroocceessssoo ddee vviittiimmiizzaaççããoo.. EExx..:: ppssiiccootteerraappiiaa, ggrruuppooss ddee mmúúttuuaa aajjuuddaa..
  • 7. Procedimentos iniciais:  Ater-se nos dados relevantes da denúncia.  Se necessário, buscar mais informações com quem pegou a denúncia.  Levantar as pessoas que poderão ser abordadas sobre a denúncia.  Planejar o roteiro da investigação:  Alguém em especial deve ser abordado primeiro?  A abordagem pode ser feita, na íntegra, na residência ?  Há história sobre a família no setor ou em outras instituições
  • 8. Intervenção: "O teor da denúncia vai nortear o início do atendimento"
  • 9. • Abordagens: vítimas/ familiares/ suposto agressor / comunitárias/ • institucionais/ outras • Visitas domiciliares • Visitas institucionais • Investigações extras: prontuários médicos/ consulta de antecedentes/ a outras comarcas • Relatórios de outros órgãos, programas e instituições
  • 10. Diagnóstico (deve contemplar):  Se a violência ocorreu, em que nível  Quais os elementos importantes na dinâmica da família que alimentam a violência · Há riscos à vítima de permanecer ali  Há outras crianças/adolescentes em risco?  Conseqüências orgânicas / psicológicas · Apontar medidas adequadas de intervenção · Nortear ações preventivas
  • 11. Pode ser:  Diagnóstico sumário (emergencial)  Diagnóstico multiprofissional: Ficha de denúncia e acompanhamento do  caso, laudo social, laudo psicológico, laudo médico.
  • 12. Medidas possíveis de serem elencadas ou aplicadas na etapa diagnóstica:  Medidas psicoterapêuticas;  Medidas sociais;  Medidas judiciais;  Medidas médicas.
  • 13. Importante:  Supervisionar o processo  Anunciar o "alerta" para fontes protetivas/ solidárias.
  • 14. Como trabalhamos a família diante dos recursos disponíveis • Definição de risco • Proteção da(s) vítimas (s) • Responsabilização e orientação do agressor • Diagnóstico
  • 15. ENTREVISTA COM A CRIANÇA //AADDOOLLEESSCCEENNTTEE EE AA FFAAMMÍÍLLIIAA
  • 16. Comportamento profissional de periculosidade:  Trabalham sozinhos e sem apoio;  Estabelecem um processo de conivência com a família a fim de evitar a discussão  dos verdadeiros problemas;  Intervém sem um referencial teórico que dê suporte sua ação;  Mantém um otimismo irreal, contra todas as evidências, acerca das famílias que  perpetram quadros de violências;
  • 17.  Identificam-se demasiadamente com as famílias, perdendo de vista o significado dos  padrões de comportamento familiar, focalizando acontecimentos isolados e crises;  Evitam reconhecer e lidar com seus sentimentos e valores pessoais;  Evitam contatos com a vitima e/ ou família por receios infundados em termos de sua  segurança pessoal.
  • 18. Aspectos na abordagem com crianças e adolescentes  Ter como pressuposto: a criança/adolescente são SEMPRE VÍTIMAS;ç  Fazer pergunta que “ como” são mais produtivas do que aquelas que começam “por que”  Tentar obter o máximo de informações com outras pessoas antes da entrevista sobre a violência sofrida bem como dados e detalhes sobre a família;  O profissional deve apresentar-se e explicar a razão da entrevista;  O ambiente deve ser propício e não deve permitir interrupções, em espaço reservado;  A linguagem deve ser simples e clara para que a criança/adolescente entenda o que está sendo dito, utilizar, sempre que possível, as palavras e os termos da própria criança ao discutir a situação;
  • 19.  No momento da abordagem a atenção deve ser dedicada exclusivamente para a criança /adolescente, devemos sentar próximo à criança, ao nível de seu olhar, e não atrás de uma escrivaninha;  Devemos mostrar interesse e ganhar a confiança da criança/adolescente, antes de pedir confidências. A princípio devemos conversar sobre assuntos diversos;  Não esquecer que a criança / adolescente precisa ser compreendida e levada a sério;  Evitar “piedade e filosofia”;  Nunca desconsiderar os sentimentos da criança /adolescente. “Isso não foi nada”, “Vai passar logo”, “Não precisa chorar”;
  • 20. Não se deve aaggiirr ddaa sseegguuiinnttee ffoorrmmaa::  IInndduuzziirr aass rreessppoossttaass ddaa ccrriiaannççaa  PPrreessssiioonnaarr aa ccrriiaannççaa ppaarraa ddaarr rreessppoossttaa qquuee eellaa nnããoo ddeesseejjaa  CCrriittiiccaarr ttiippoo ddee lliigguuaaggeemm uussaaddaa ppeellaa ccrriiaannççaa  SSuuggeerriirr qquuee aa ccrriiaannççaa ssee ssiinnttaa ccuullppaaddaa oouu rreessppoonnssáávveell ppeellaa ssiittuuaaççããoo  DDeeiixxaarr aa ccrriiaannççaa sseemm ccuuiiddaaddoossoo oouu ccoomm ppeessssooaass ddeessccoonnhheecciiddaass
  • 21.  Enfatizar que ela não cometeu nenhum erro;  Sempre perguntar a criança se ela tem alguma pergunta a responder;  Pedir à criança que explique palavras ou termos que não sejam claros;  Explicar cuidadosamente à criança a razão e a natureza de sua remoção do lar, se isso for iminente.
  • 22.  Mostrar –se chocado ou horrizado ccoomm rreellaaççããoo aa ccrriiaannççaa ee ssuuaa ssiittuuaaççããoo..  OOffeerreecceerr rreeccoommppeennssaa aa ccrriiaannççaa
  • 23. Entrevistas ccoomm ooss rreessppoonnssáávveeiiss ppeellaa ccrriiaannççaa  RReesseerrvvaarr sseeuu jjuuggaammeennttoo aattéé qquuee ttooddooss ooss ffaattooss sseejjaamm ccoonnhheecciiddooss..  CCoonnttaarr ppaarraa eelleess aa rraazzããoo ddaa eennttrreevviissttaa..  DDeeiixxaarr ccllaarroo aa oobbrriiggaaççããoo lleeggaall ddoo pprrooffiissssiioonnaall  CCoonndduuzziirr aa eennttrreevviissttaa eemm ppaarrttiiccuullaarr  TTeennttaa sseerr oobbjjeettiivvoo..  EEnnffaattiizzaarr qquuee sseeuuss sseerrvviiççooss ccoonnttiinnuuaa àà ddiissppoossiiççããoo ddaa ffaammíílliiaa..  EExxpplliiccaarr qquuaaiiss sseerrããoo ooss ppaassssooss sseegguuiinntteess ddoo pprroocceessssoo
  • 24.  Responder às perguntas hhoonneessttaammeennttee..
  • 25. Não se deve aaggiirr ddaa sseegguuiinnttee ffoorrmmaa::  TTeennttaarr pprroovvaarr qquuee hhoouuvvee oo aabbuussoo sseexxuuaall..  DDeemmoossttrraarr iirraa,, hhoorrrroorr oouu ddeessaapprroovvaaççããoo eemm rreellaaççããoo aaooss rreessppoonnssáávveeiiss..  FFaazzeerr jjuullggaammeennttoo oouu eessttaabbaalleecceerr qquueemm éé (( oouu ssããoo ))ooss ((ss)) ccuullppaaddoo((ss))..  DDaarr ccoonnttrraappaarrttiiddaa ààss eexxpplliiccaaççõõeess ddoo rreessppoonnssáávveeiiss aa rreessppeeiittoo ddee ccoommoo ooccoorrrreeuuoo aa iinnjjuurriiaa,, uummaa vveezz qquuee iissssoo ppeerrmmiittiirráá aalltteerraarr uummaa eexxpplliiccaaççããoo iimmppllaauussiivveell ccoomm bbaassee nnaa ssuuaa ccoonnttrraappaarrttiiddaa..
  • 26. PPrreevveennççããoo pprriimmaarriiaa::  PPaalleessttrraa,, ccaappaacciittaaççããoo ddooss pprrooffiissssiioonnaaiiss ddee oouuttrraass ààrreeaass ddaass ppoollííttiiccaass ppúúbblliiccaass;;  CCaammppaannhhaa ddee ccoonnsscciieettiizzaaççããoo ddaa ppooppuullaaççããoo;;
  • 27. Experiência ddee ttrraabbaallhhoo ddee pprreevveennççããoo aa VViioollêênncciiaa PPrreevveennççããoo sseeccuunnddáárriiaa::  GGrruuppooss oorriieennttaaççããoo aa ppaaiiss;;  GGrruuppooss ddee oorriieennttaaççããoo aa ffaammíílliiaa iinncceessttuuoossaass  RReeggaassttaamm aa hhiissttóórriiaa ppeeggrreessssaa ddaa ffaammíílliiaa ee ccoonntteexxttoo qquuee vviioollêênncciiaa ooccoorrrreeuu;;  OOrriieennttaamm aass ffaammíílliiaass ssoobbrree ààss ccoonnsseeqquueenncciiaass ee sseeqquueellaass ddaa mmeessmmaa ssoobbrree oo ffiillhhooss ee nnoo aammbbiieennttee ffaammíílliiaarr;;
  • 28. PPrreevvêênnççããoo tteerrcciiaarriiaa  GGrruuppoo tteerraappeeúúttiiccoo ccoomm mmuullhheerreess qquuee ssooffrreemm vviioollêênncciiaa;;  GGrruuppooss tteerraappeeúúttiiccoo ccoomm aaggrreessssoorreess  DDiivviiddiiddoo ddee aaccoorrddoo ccoomm aa ffaaiixxaa eettáárriiaa ee ttiippoo ddee vviioollêênncciiaa