JORNALISMO INVESTIGATIVO
• Francisco Roberto Cabrini nasceu em Piracicaba (SP), no dia 3 deoutubro de 1960. Formou-se em Jornalismo nos Estados Uni...
O INÍCIO Apresentador: Roberto Cabrini - Site Conexão Repórter – SBT Matéria Investigativa: “Vendem-se brasileiros”. Rob...
 Maria Elisabete, conhecida como Bete, enfermeira evereadora, ela mora na Vila do Café, na cidade deEncruzilhada, interio...
ONDE TUDO COMEÇA Esse esquema começa nas grandes cidades, comcasais que não podem ter filhos biológicos, mas estãodispost...
MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO Roberto Cabrini diz na reportagem que foram meses para se chegar aosaliciadores, foram feitas via...
VÍTIMAS QUE CABRINI ENTREVISTOU Maria mora em Belém (Pára). Iria vender um de seus filhos em troca demadeira para constru...
VÍTIMAS QUE CABRINI ENTREVISTOU Marinalva Gonçalves trabalha como lavradora. Ela já tinha dois filhos,quando ficou grávid...
RESULTADO DAS ALICIADORAS: Maria Elisabete é indiciada em duas CPIsem Brasília. Em novembro de 2010, ela échamada para de...
PERGUNTAS QUE CABRINI NÃO PODE RESPONDER: Como surgiu a ideia de investigar o tema adoção ilegal no Brasil? Qual foi o m...
PERGUNTAS QUE O GRUPO ENVIOU À CABRINI O dinheiro depositado na conta de Patrícia (500,00) era da produção doprograma? Q...
PERGUNTAS QUE O GRUPO ENVIOU À CABRINI Na reportagem você chama atenção para um detalhe: Patrícia está loiraquando você a...
SONORA Roberto Cabrini explica quais são os motivos denão responder às nossas perguntas: Ética profissional com os profi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jornalismo investigativo adoção ilegal no brasil (1)

950 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
950
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornalismo investigativo adoção ilegal no brasil (1)

  1. 1. JORNALISMO INVESTIGATIVO
  2. 2. • Francisco Roberto Cabrini nasceu em Piracicaba (SP), no dia 3 deoutubro de 1960. Formou-se em Jornalismo nos Estados Unidos, em1983.• Iniciou a carreira com 16 anos na Rádio A Voz Agrícola de Piracicaba(editoria de esporte) e na equipe de reportagem do Jornal do Povo.• Quando tinha 17 anos foi para a Globo como repórter esportivo. Em trêsmeses já era repórter do Jornal Nacional. Aos 22 cobriu uma Copa doMundo e se tornou correspondente internacional em Nova York, comofreelance.• Cobriu cinco guerras e cinco copas do mundo. Atualmente é editor-chefee apresentador do Conexão Repórter (SBT)• Ganhou o Prêmio Esso, Prêmio Tim Lopes, Troféu Imprensa, entreoutros
  3. 3. O INÍCIO Apresentador: Roberto Cabrini - Site Conexão Repórter – SBT Matéria Investigativa: “Vendem-se brasileiros”. Roberto Cabrinimostra como funciona a compra ilegal de um bebê, e como agem osaliciadores com o conhecimento do Ministério Público. Matériapublicada no site no dia 07/12/2012 – As investigações começarama mais de dois anos. Foco: Adoção ilegal no Brasil, especificamente no interior da Bahia. O objetivo da investigação é descobrir: Como? Por quê? Ascrianças estão sendo vendidas. Quem são os aliciadores? Comofunciona o esquema? Quem são as vítimas?
  4. 4.  Maria Elisabete, conhecida como Bete, enfermeira evereadora, ela mora na Vila do Café, na cidade deEncruzilhada, interior da Bahia (cerca de 600 km deSalvador), com cerca de 39.000 habitantes. É umaregião carente. Patrícia Custódio, é outra envolvida no esquema. Elajunto com Bete faz a intermediação entre osinteressados pela adoção. Quando procurada porRoberto Cabrini, ela nega, mesmo com as imagensescondidas gravadas pela produtora do programa.PRINCIPAIS ALICIADORAS:
  5. 5. ONDE TUDO COMEÇA Esse esquema começa nas grandes cidades, comcasais que não podem ter filhos biológicos, mas estãodispostos a pagar qualquer valor em dinheiro para“fugir” dos processos legais de adoção. Roberto Cabrini vai até a cidade de Encruzilhada, BA.Lá ele entrevista várias mulheres que entregaram seusfilhos para Bete. Elas dizem que Bete é conhecida nacidade por promover a caridade.
  6. 6. MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO Roberto Cabrini diz na reportagem que foram meses para se chegar aosaliciadores, foram feitas viagens até a Bahia, na cidade de Encruzilhada. Uma das principais formas de conseguir informações foram as entrevistascom várias mães que moram na Bahia e venderam seus filhos. Uso de câmeras escondidas: uma produtora da equipe de reportagem sepassa por uma mulher interessada em adotar um bebê e marca umencontro em um shopping da zona oeste de SP , com Patrícia Custódio.Ela também viaja para encruzilhada com Patrícia para conhecer a jovem(Amanda, 20 anos) que vai entregar o seu filho logo que nascer. Uso de documentos e informações do MP, com depoimentos de PatríciaCustódio. Nesse depoimento ela nega que conheça Bete. Recibos com os depósitos pedidos por Patrícia ( 1000,00 para a mãe dacriança, 500 para despesas com exames da grávida) Usa o bate-bapo na internet para descobrir suspeitos no esquema, inclusivePatrícia Custódio foi descoberta dessa forma.
  7. 7. VÍTIMAS QUE CABRINI ENTREVISTOU Maria mora em Belém (Pára). Iria vender um de seus filhos em troca demadeira para construir sua casa. Maria diz à Roberto Cabrini , dizendoque é uma mãe sofredora e nem tem o que comer. Amanda foi convencida pelas intermediárias a vender um de seusfilhos, logo que o bebê nasceu. Ela disse que recebeu uma oferta deemprego em SP. ( esse caso é investigado na reportagem) Maria Nádia de Oliveira, dona de casa, diz que quando engravidou dosexto filho foi abordada por Bete, como estava passando pordificuldades decidiu doar a filha recém-nascida. Ela se arrepende,porém não tinha mais volta. Maria ficou sabendo por outras pessoas deEncruzilhada, que Bete iria tirar os olhos e o coração da recém-nascidapara vender, e com o dinheiro iria comprar um carro.
  8. 8. VÍTIMAS QUE CABRINI ENTREVISTOU Marinalva Gonçalves trabalha como lavradora. Ela já tinha dois filhos,quando ficou grávida do terceiro, sem condições para cuidar do bebêentregou sua filha recém-nascida à Bete. Marinalva tentou desistir, masBete disse que era tarde demais, pois o casal tinha vindo de longe parabuscar a menina. Adeídes Maris disse que em troca da filha, Bete prometeu a ela umacirurgia. Ela conta que na certidão de nascimento da recém-nascidaassinou como testemunha e não como mãe. Na entrevista com Cabrini,em sua casa, Adeídes conta que caso não entregasse a criança, Betecolocaria um fim nela ou na menina.
  9. 9. RESULTADO DAS ALICIADORAS: Maria Elisabete é indiciada em duas CPIsem Brasília. Em novembro de 2010, ela échamada para depor sobre tráfico depessoas no Brasil. Os processos ainda estãoem andamento. Patrícia Custódio responde a processo najustiça de São Paulo e aguarda a decisãoem liberdade, até a exibição da reportagem.Fonte: Ministério Público / SP.
  10. 10. PERGUNTAS QUE CABRINI NÃO PODE RESPONDER: Como surgiu a ideia de investigar o tema adoção ilegal no Brasil? Qual foi o método de investigação para se chegar até os aliciadores?Você pode citar as fontes que passaram essas informações? Foi umprocesso de investigação a parte? Como a reportagem descobriu quem eram as mães que entregaramseus filhos para Bete? Quais foram os critérios adotados para usar câmeras escondidas?Tinha outras possibilidades de conseguir a informação ou não? Quanto tempo de investigação levou para descobrir Patrícia por meio dobate-papo? A produção contou com informações de fontes para sechegar até ela? E como surgiu a ideia de usar o bate-papo paradescobrir suspeitos que participavam do esquema?
  11. 11. PERGUNTAS QUE O GRUPO ENVIOU À CABRINI O dinheiro depositado na conta de Patrícia (500,00) era da produção doprograma? Qual foi o processo de investigação para se chegar até Bete? Quaisforam as fontes que passaram essas informações? Eram pessoas quejá conhecia ela ou suspeitavam das adoções ilegais? Como foram documentadas todas as provas (gravações, documentosetc.)? Teve o uso de informações de fontes anônimas? Como a reportagem ficou sabendo que uma das mães entrevistadas,iria trocar seu filho por madeira para construir uma casa?
  12. 12. PERGUNTAS QUE O GRUPO ENVIOU À CABRINI Na reportagem você chama atenção para um detalhe: Patrícia está loiraquando você a procura na casa dela, bem diferente de quando ela foiao encontro com a produtora da equipe de reportagem em um shoppingda zona oeste de São Paulo. O fato de Patrícia ter mudado a cor docabelo, pode ter sido uma forma de se “disfarçar”? A visita na casa de Amanda (quando a produtora se passou por umainteressada em adotar um bebê, e vai até Encruzilhada com Patrícia), jáestava planejada pela reportagem? Pela sua experiência no jornalismo investigativo, em algum momentodessa investigação houve fontes que tinham interesses particulares aopassar alguma informação?
  13. 13. SONORA Roberto Cabrini explica quais são os motivos denão responder às nossas perguntas: Ética profissional com os profissionais envolvidosna investigação Não “atrapalhar” as investigações da Justiça, poisesse caso ainda está em andamento

×