SlideShare uma empresa Scribd logo

Fernando Nogueira da Costa, professor livre docente do ie unicamp

Apresentação de Fernando Nogueira da Costa no 65º Fórum de Debates Brasilianas.org :: O papel dos bancos públicos no desenvolvimento econômico.

1 de 22
Baixar para ler offline
Bancos Públicos como ferramenta na
estratégia de desenvolvimento
65º Fórum de Debates Brasilianas – O papel dos
bancos públicos no desenvolvimento econômico
Fernando Nogueira da Costa
Professor Titular do IE-UNICAMP
http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/
2
Estrutura da Apresentação
sobre Bancos Públicos
Atuação contra Juros Altos
Atuação Anticíclica
Atuação
Socialdesenvolvimentista
Acesso à Cidadania Financeira e
Atuação Socialdesenvolvimentista dos
Bancos Públicos:
Impactos sobre Renda do Capital e
Emprego do Trabalho
3
Bancarização + Financeirização
FGC - Fundo Garantidor de Crédito - Comparativos Anuais - Índice de Base Fixa
Datas Número % do Total Valores % do PIB % do Total Valores por
de Contas de 1999 R$ milhões de 1999 Conta
1999 74.908.097 100% 246.339 23 100% 3288,55
2000 82.942.743 111% 279.746 23 114% 3372,76
2001 93.963.118 125% 312.435 24 127% 3325,08
2002 87.630.527 117% 365.734 25 148% 4173,59
2003 93.154.865 124% 399.710 23 162% 4290,81
2004 101.213.833 135% 469.679 24 191% 4640,46
2005 111.973.847 149% 546.035 25 222% 4876,45
2006 126.180.634 168% 624.538 26 254% 4949,56
2007 134.829.464 180% 740.136 27 300% 5489,42
2008 142.247.949 190% 1.003.027 32 407% 7051,26
2009 151.102.765 202% 1.052.417 32 427% 6964,91
2010 161.761.544 216% 1.196.507 31 486% 7396,73
2011 174.783.060 233% 1.331.808 30 541% 7619,78
2012 174.783.060 233% 1.376.446 29 559% 7875,17
2013 199.090.531 266% 1.591.549 31 646% 7994,10
2014 206.357.756 275% 1.643.130 30 667% 7962,53
jun/15 209.171.644 279% 1.752.607 31 711% 8378,80
Fonte: FGC (elaboração do autor FNC)
Obs.: em junho de 2015, cerca de 700 mil contas não estavam protegidas (>R$ 250 mil),
representavam 0,33% da quantidade total, mas registravam 54,55% do valor total.
19 MM
33 MM
36 MM
45 MM
134 MM
Relatório ANBIMA de Distribuição de Fundos, Depósitos, LCI e LCA para Pessoas Físicas no Varejo, Alta Renda e Private Banking
Consolidado da Indústria Junho de 2015 Média
Número de Clientes por Produto TOTAL Consolidado da Indústria (R$ Milhões) em R$
TOTAL 8.967.859 TOTAL 740.207,7 82.540,07R$
VAREJO (68%) 6.103.165 VAREJO (37,3%) 276.264,5 45.265,78R$
VAREJO ALTA RENDA (32%) 2.864.694 VAREJO ALTA RENDA (62,7%) 463.943,2 161.952,10R$
NÚMERO DE CLIENTES PRIVATE BANKING 57.505 POSIÇÃO DE AuM NO PRIVATE BANKING 694.048,00 12.069.350,71R$
CLIENTES POUPANÇA (dezembro de 2010) 97.198.700 DEPÓSITOS POUPANÇA (junho de 2015) 642.291,0 6.608,02R$
Acumulado até R$ 5.000 (87,4% dos clientes) 84.955.000 40.930,3 481,79R$
Total de Clientes PF em Fundos, Contas Bancárias e Private Banking 9.025.364 Riqueza Financeira Total e Média dos Clientes Alta Renda 1.434.255,72 158.913,89
1%
67%
32%
Números de Inves dores
Classes A e B
CLIENTES PRIVATE BANKING VAREJO (68%) VAREJO ALTA RENDA (32%)
Estratificação da Riqueza Financeira:
9.025.364 investidores
POSIÇÃO DE
AuM NO
PRIVATE
BANKING,
694.048,00
FUNDOS,
740.207,7
VAREJO
(37,3%),
276.264,5
VAREJO
ALTA RENDA
(62,7%),
463.943,2
DEPÓSITOS
POUPANÇA
(junho de
2015),
642.291,0
Total da Riqueza
Financeira de
Pessoas Físicas:
R$ 2,076 trilhões
9% da população ocupada em classes de renda
acima de 5 salários mínimos (R$ 3.940)
10% das pessoas moram em domicílios
cuja renda familiar é classificada
na faixa B [R$ 5.275 – R$ 7.974] ou
na faixa A [acima de R$ 7.974]
Faixas A e B1 com [38-100] pontos na
Regra de Classificação 2015 da ABEP
representam 2 extratos socioeconômicos
ordinais com +/- 5% cada um, com renda
mensal A (> R$ 16.000) e B1 (> R$ 8.000),
constituindo, respectivamente, 3% e 4% dos
consumidores e 16% e 12% do consumo.
9 milhões participantes em planos individuais
de Plano Gerador de Benefícios Livres (PGBL) e
Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL)
9.601.162 pessoas com Ensino
Superior Completo, sendo
8.979.706 com graduação,
451.209 com mestrado e
170.247 com doutorado
Estratificação Social: “Regra de 9”

Recomendados

A desigualdade regional do desenvolvimento brasileiro
A desigualdade regional do desenvolvimento brasileiroA desigualdade regional do desenvolvimento brasileiro
A desigualdade regional do desenvolvimento brasileiroLuiz de Queiroz
 
Roberto Luís Troster, ex economista-chefe da febraban
Roberto Luís Troster, ex economista-chefe da febrabanRoberto Luís Troster, ex economista-chefe da febraban
Roberto Luís Troster, ex economista-chefe da febrabanJornal GGN
 
Rubens Sardenberg, economista chefe da febraban
Rubens Sardenberg, economista chefe da febrabanRubens Sardenberg, economista chefe da febraban
Rubens Sardenberg, economista chefe da febrabanJornal GGN
 
Ernani Torres, professor do instituto de economia da UFRJ
Ernani Torres, professor do instituto de economia da UFRJErnani Torres, professor do instituto de economia da UFRJ
Ernani Torres, professor do instituto de economia da UFRJJornal GGN
 
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro josé robert...
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro   josé robert...(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro   josé robert...
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro josé robert...conseplansp
 
Carlos thadeu ap 020713 recife
Carlos thadeu ap 020713   recifeCarlos thadeu ap 020713   recife
Carlos thadeu ap 020713 recifeSistema CNC
 
Atuação do BNDES na Região Nordeste - Denor
Atuação do BNDES na Região Nordeste - DenorAtuação do BNDES na Região Nordeste - Denor
Atuação do BNDES na Região Nordeste - DenorBNDES
 
Apresentação 2 t13
Apresentação 2 t13Apresentação 2 t13
Apresentação 2 t13Paraná Banco
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Debate As políticas do BNDES para micro e pequenas empresas, 23/8/2013 - Apre...
Debate As políticas do BNDES para micro e pequenas empresas, 23/8/2013 - Apre...Debate As políticas do BNDES para micro e pequenas empresas, 23/8/2013 - Apre...
Debate As políticas do BNDES para micro e pequenas empresas, 23/8/2013 - Apre...FecomercioSP
 
Teleconferência 4T14
Teleconferência 4T14Teleconferência 4T14
Teleconferência 4T14ItauRI
 
Relatório Anual 2011 - resumo
Relatório Anual 2011 - resumoRelatório Anual 2011 - resumo
Relatório Anual 2011 - resumoBNDES
 
BNDES - Apresentação Institucional
BNDES - Apresentação InstitucionalBNDES - Apresentação Institucional
BNDES - Apresentação InstitucionalBNDES
 
170821 brasil 2017 2020 r l troster v4
170821 brasil 2017   2020 r l troster v4170821 brasil 2017   2020 r l troster v4
170821 brasil 2017 2020 r l troster v4Troster
 
Apresentação dos resultados 4 t12
Apresentação dos resultados 4 t12Apresentação dos resultados 4 t12
Apresentação dos resultados 4 t12comgasri
 
Ccal 4 q11_port
Ccal 4 q11_portCcal 4 q11_port
Ccal 4 q11_portItauRI
 
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico MundialLuiz Valeriano
 
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Comissão de Finanças e Tributação da...
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Comissão de Finanças e Tributação da...Apresentação do ministro Joaquim Levy na Comissão de Finanças e Tributação da...
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Comissão de Finanças e Tributação da...Ministério da Economia
 
Alta prioridade à inovação: chave do desenvolvimento moderno - Julio Ramundo
Alta prioridade à inovação: chave do desenvolvimento moderno - Julio RamundoAlta prioridade à inovação: chave do desenvolvimento moderno - Julio Ramundo
Alta prioridade à inovação: chave do desenvolvimento moderno - Julio RamundoBNDES
 
Relatório Anual 2012
Relatório Anual 2012Relatório Anual 2012
Relatório Anual 2012BNDES
 
Desempenho BNDES 2017
Desempenho BNDES 2017Desempenho BNDES 2017
Desempenho BNDES 2017BNDES
 
demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018
demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018
demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018BNDES
 
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da EconomiaO BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da EconomiaIBEF-ES
 
Teleconferência de Resultados 3T09
Teleconferência de Resultados 3T09Teleconferência de Resultados 3T09
Teleconferência de Resultados 3T09Kianne Paganini
 

Mais procurados (18)

Debate As políticas do BNDES para micro e pequenas empresas, 23/8/2013 - Apre...
Debate As políticas do BNDES para micro e pequenas empresas, 23/8/2013 - Apre...Debate As políticas do BNDES para micro e pequenas empresas, 23/8/2013 - Apre...
Debate As políticas do BNDES para micro e pequenas empresas, 23/8/2013 - Apre...
 
Teleconferência 4T14
Teleconferência 4T14Teleconferência 4T14
Teleconferência 4T14
 
Relatório Anual 2011 - resumo
Relatório Anual 2011 - resumoRelatório Anual 2011 - resumo
Relatório Anual 2011 - resumo
 
BNDES - Apresentação Institucional
BNDES - Apresentação InstitucionalBNDES - Apresentação Institucional
BNDES - Apresentação Institucional
 
170821 brasil 2017 2020 r l troster v4
170821 brasil 2017   2020 r l troster v4170821 brasil 2017   2020 r l troster v4
170821 brasil 2017 2020 r l troster v4
 
Apresentação dos resultados 4 t12
Apresentação dos resultados 4 t12Apresentação dos resultados 4 t12
Apresentação dos resultados 4 t12
 
Ccal 4 q11_port
Ccal 4 q11_portCcal 4 q11_port
Ccal 4 q11_port
 
O Longo Caminho entre o Copom e o Consumidor
O Longo Caminho entre o Copom e o ConsumidorO Longo Caminho entre o Copom e o Consumidor
O Longo Caminho entre o Copom e o Consumidor
 
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial
 
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Comissão de Finanças e Tributação da...
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Comissão de Finanças e Tributação da...Apresentação do ministro Joaquim Levy na Comissão de Finanças e Tributação da...
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Comissão de Finanças e Tributação da...
 
Alta prioridade à inovação: chave do desenvolvimento moderno - Julio Ramundo
Alta prioridade à inovação: chave do desenvolvimento moderno - Julio RamundoAlta prioridade à inovação: chave do desenvolvimento moderno - Julio Ramundo
Alta prioridade à inovação: chave do desenvolvimento moderno - Julio Ramundo
 
Relatório Anual 2012
Relatório Anual 2012Relatório Anual 2012
Relatório Anual 2012
 
Desempenho BNDES 2017
Desempenho BNDES 2017Desempenho BNDES 2017
Desempenho BNDES 2017
 
demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018
demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018
demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018
 
Carlos Thadeu
Carlos ThadeuCarlos Thadeu
Carlos Thadeu
 
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da EconomiaO BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
 
Conjuntura Econômica e Projeções da Inadimplência em 2010
Conjuntura Econômica e Projeções da Inadimplência em 2010Conjuntura Econômica e Projeções da Inadimplência em 2010
Conjuntura Econômica e Projeções da Inadimplência em 2010
 
Teleconferência de Resultados 3T09
Teleconferência de Resultados 3T09Teleconferência de Resultados 3T09
Teleconferência de Resultados 3T09
 

Semelhante a Fernando Nogueira da Costa, professor livre docente do ie unicamp

Apresentação de resultados do 4 t10
Apresentação de resultados do 4 t10Apresentação de resultados do 4 t10
Apresentação de resultados do 4 t10BancoABCRI
 
Apresentação institucional do 2 t13
Apresentação institucional do 2 t13Apresentação institucional do 2 t13
Apresentação institucional do 2 t13BancoABCRI
 
Apresentação institucional do 4 t11
Apresentação institucional do 4 t11Apresentação institucional do 4 t11
Apresentação institucional do 4 t11BancoABCRI
 
_Download da apresentação.pdf
_Download da apresentação.pdf_Download da apresentação.pdf
_Download da apresentação.pdfssuser28273b
 
Apresentação de resultados do 2 t11
Apresentação de resultados do 2 t11Apresentação de resultados do 2 t11
Apresentação de resultados do 2 t11BancoABCRI
 
Apresentação de resultados do 4 t12
Apresentação de resultados do 4 t12Apresentação de resultados do 4 t12
Apresentação de resultados do 4 t12BancoABCRI
 
Apresentação de resultados do 4 t11
Apresentação de resultados do 4 t11Apresentação de resultados do 4 t11
Apresentação de resultados do 4 t11BancoABCRI
 
Apresentação de resultados do 3 t11
Apresentação de resultados do 3 t11Apresentação de resultados do 3 t11
Apresentação de resultados do 3 t11BancoABCRI
 
Teleconferência 1T16
Teleconferência 1T16Teleconferência 1T16
Teleconferência 1T16ItauRI
 
BNB institucional Outubro 2010
BNB institucional Outubro 2010BNB institucional Outubro 2010
BNB institucional Outubro 2010Banco do Nordeste
 
Teleconferência 1T14
Teleconferência 1T14Teleconferência 1T14
Teleconferência 1T14ItauRI
 
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)BNDES
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
CooperativismoCRA - MG
 
Ciclo 2018 linked in
Ciclo 2018 linked inCiclo 2018 linked in
Ciclo 2018 linked inFbioEuzebio
 
Carlosthadeuap020713 recife-130702154717-phpapp02
Carlosthadeuap020713 recife-130702154717-phpapp02Carlosthadeuap020713 recife-130702154717-phpapp02
Carlosthadeuap020713 recife-130702154717-phpapp02CNC
 
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_port
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_portAbc brasil apresentacao_institucional2t13_port
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_portBancoABCRI
 
Estudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do DieeseEstudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do DieeseNathan Camelo
 
Apresentação institucional do 1 t12
Apresentação institucional do 1 t12Apresentação institucional do 1 t12
Apresentação institucional do 1 t12BancoABCRI
 

Semelhante a Fernando Nogueira da Costa, professor livre docente do ie unicamp (20)

Apresentação de resultados do 4 t10
Apresentação de resultados do 4 t10Apresentação de resultados do 4 t10
Apresentação de resultados do 4 t10
 
Relatório de Divulgação de Resultados 4T10
Relatório de Divulgação de Resultados 4T10Relatório de Divulgação de Resultados 4T10
Relatório de Divulgação de Resultados 4T10
 
Apresentação institucional do 2 t13
Apresentação institucional do 2 t13Apresentação institucional do 2 t13
Apresentação institucional do 2 t13
 
Apresentação institucional do 4 t11
Apresentação institucional do 4 t11Apresentação institucional do 4 t11
Apresentação institucional do 4 t11
 
_Download da apresentação.pdf
_Download da apresentação.pdf_Download da apresentação.pdf
_Download da apresentação.pdf
 
Apresentação de resultados do 2 t11
Apresentação de resultados do 2 t11Apresentação de resultados do 2 t11
Apresentação de resultados do 2 t11
 
Apresentação de resultados do 4 t12
Apresentação de resultados do 4 t12Apresentação de resultados do 4 t12
Apresentação de resultados do 4 t12
 
Apresentação de resultados do 4 t11
Apresentação de resultados do 4 t11Apresentação de resultados do 4 t11
Apresentação de resultados do 4 t11
 
Apresentação de resultados do 3 t11
Apresentação de resultados do 3 t11Apresentação de resultados do 3 t11
Apresentação de resultados do 3 t11
 
Teleconferência 1T16
Teleconferência 1T16Teleconferência 1T16
Teleconferência 1T16
 
BNB institucional Outubro 2010
BNB institucional Outubro 2010BNB institucional Outubro 2010
BNB institucional Outubro 2010
 
Teleconferência 1T14
Teleconferência 1T14Teleconferência 1T14
Teleconferência 1T14
 
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
 
Relatório de Divulgação de Resultados 1T10
Relatório de Divulgação de Resultados 1T10Relatório de Divulgação de Resultados 1T10
Relatório de Divulgação de Resultados 1T10
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Ciclo 2018 linked in
Ciclo 2018 linked inCiclo 2018 linked in
Ciclo 2018 linked in
 
Carlosthadeuap020713 recife-130702154717-phpapp02
Carlosthadeuap020713 recife-130702154717-phpapp02Carlosthadeuap020713 recife-130702154717-phpapp02
Carlosthadeuap020713 recife-130702154717-phpapp02
 
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_port
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_portAbc brasil apresentacao_institucional2t13_port
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_port
 
Estudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do DieeseEstudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do Dieese
 
Apresentação institucional do 1 t12
Apresentação institucional do 1 t12Apresentação institucional do 1 t12
Apresentação institucional do 1 t12
 

Mais de Jornal GGN

A pedagogia interdisciplinar da Federal do ABC - Klaus Capelle, reitor da UFABC
A pedagogia interdisciplinar da Federal do ABC - Klaus Capelle, reitor da UFABCA pedagogia interdisciplinar da Federal do ABC - Klaus Capelle, reitor da UFABC
A pedagogia interdisciplinar da Federal do ABC - Klaus Capelle, reitor da UFABCJornal GGN
 
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia navalRui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia navalJornal GGN
 
Cleber Lucas, presidente da ABAC
Cleber Lucas, presidente da ABACCleber Lucas, presidente da ABAC
Cleber Lucas, presidente da ABACJornal GGN
 
Vicente Abate, presidente da ABIFER
Vicente Abate, presidente da ABIFERVicente Abate, presidente da ABIFER
Vicente Abate, presidente da ABIFERJornal GGN
 
Mariano Laplane, presidente do centro de gestão e estudos estratégicos
Mariano Laplane, presidente do centro de gestão e estudos estratégicosMariano Laplane, presidente do centro de gestão e estudos estratégicos
Mariano Laplane, presidente do centro de gestão e estudos estratégicosJornal GGN
 
Marcelo Trindade Miterhof, assessor da presidência do BNDES
Marcelo Trindade Miterhof, assessor da presidência do BNDESMarcelo Trindade Miterhof, assessor da presidência do BNDES
Marcelo Trindade Miterhof, assessor da presidência do BNDESJornal GGN
 
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPLBernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPLJornal GGN
 
Manoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetos
Manoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetosManoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetos
Manoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetosJornal GGN
 
Roberto Ravagnani, superintendente regional do DNIT em São Paulo
Roberto Ravagnani, superintendente regional do DNIT em São PauloRoberto Ravagnani, superintendente regional do DNIT em São Paulo
Roberto Ravagnani, superintendente regional do DNIT em São PauloJornal GGN
 
Maurício Muniz Barreto de Carvalho, secretário do PAC, do ministério do pl...
Maurício Muniz Barreto de Carvalho, secretário do PAC, do ministério do pl...Maurício Muniz Barreto de Carvalho, secretário do PAC, do ministério do pl...
Maurício Muniz Barreto de Carvalho, secretário do PAC, do ministério do pl...Jornal GGN
 
Revitalização das zonas mortas, André Fontan Kohler
Revitalização das zonas mortas, André Fontan KohlerRevitalização das zonas mortas, André Fontan Kohler
Revitalização das zonas mortas, André Fontan KohlerJornal GGN
 
Guillame Sibaud, Triptyque
Guillame Sibaud, TriptyqueGuillame Sibaud, Triptyque
Guillame Sibaud, TriptyqueJornal GGN
 
João Whitaker Ferreira, Metrópole agradável: Que metrópole? Agradável para quem?
João Whitaker Ferreira, Metrópole agradável: Que metrópole? Agradável para quem?João Whitaker Ferreira, Metrópole agradável: Que metrópole? Agradável para quem?
João Whitaker Ferreira, Metrópole agradável: Que metrópole? Agradável para quem?Jornal GGN
 
Ermínia Maricato, A revolução nas metrópoles
Ermínia Maricato, A revolução nas metrópolesErmínia Maricato, A revolução nas metrópoles
Ermínia Maricato, A revolução nas metrópolesJornal GGN
 

Mais de Jornal GGN (14)

A pedagogia interdisciplinar da Federal do ABC - Klaus Capelle, reitor da UFABC
A pedagogia interdisciplinar da Federal do ABC - Klaus Capelle, reitor da UFABCA pedagogia interdisciplinar da Federal do ABC - Klaus Capelle, reitor da UFABC
A pedagogia interdisciplinar da Federal do ABC - Klaus Capelle, reitor da UFABC
 
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia navalRui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
 
Cleber Lucas, presidente da ABAC
Cleber Lucas, presidente da ABACCleber Lucas, presidente da ABAC
Cleber Lucas, presidente da ABAC
 
Vicente Abate, presidente da ABIFER
Vicente Abate, presidente da ABIFERVicente Abate, presidente da ABIFER
Vicente Abate, presidente da ABIFER
 
Mariano Laplane, presidente do centro de gestão e estudos estratégicos
Mariano Laplane, presidente do centro de gestão e estudos estratégicosMariano Laplane, presidente do centro de gestão e estudos estratégicos
Mariano Laplane, presidente do centro de gestão e estudos estratégicos
 
Marcelo Trindade Miterhof, assessor da presidência do BNDES
Marcelo Trindade Miterhof, assessor da presidência do BNDESMarcelo Trindade Miterhof, assessor da presidência do BNDES
Marcelo Trindade Miterhof, assessor da presidência do BNDES
 
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPLBernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
 
Manoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetos
Manoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetosManoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetos
Manoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetos
 
Roberto Ravagnani, superintendente regional do DNIT em São Paulo
Roberto Ravagnani, superintendente regional do DNIT em São PauloRoberto Ravagnani, superintendente regional do DNIT em São Paulo
Roberto Ravagnani, superintendente regional do DNIT em São Paulo
 
Maurício Muniz Barreto de Carvalho, secretário do PAC, do ministério do pl...
Maurício Muniz Barreto de Carvalho, secretário do PAC, do ministério do pl...Maurício Muniz Barreto de Carvalho, secretário do PAC, do ministério do pl...
Maurício Muniz Barreto de Carvalho, secretário do PAC, do ministério do pl...
 
Revitalização das zonas mortas, André Fontan Kohler
Revitalização das zonas mortas, André Fontan KohlerRevitalização das zonas mortas, André Fontan Kohler
Revitalização das zonas mortas, André Fontan Kohler
 
Guillame Sibaud, Triptyque
Guillame Sibaud, TriptyqueGuillame Sibaud, Triptyque
Guillame Sibaud, Triptyque
 
João Whitaker Ferreira, Metrópole agradável: Que metrópole? Agradável para quem?
João Whitaker Ferreira, Metrópole agradável: Que metrópole? Agradável para quem?João Whitaker Ferreira, Metrópole agradável: Que metrópole? Agradável para quem?
João Whitaker Ferreira, Metrópole agradável: Que metrópole? Agradável para quem?
 
Ermínia Maricato, A revolução nas metrópoles
Ermínia Maricato, A revolução nas metrópolesErmínia Maricato, A revolução nas metrópoles
Ermínia Maricato, A revolução nas metrópoles
 

Fernando Nogueira da Costa, professor livre docente do ie unicamp

  • 1. Bancos Públicos como ferramenta na estratégia de desenvolvimento 65º Fórum de Debates Brasilianas – O papel dos bancos públicos no desenvolvimento econômico Fernando Nogueira da Costa Professor Titular do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/
  • 2. 2 Estrutura da Apresentação sobre Bancos Públicos Atuação contra Juros Altos Atuação Anticíclica Atuação Socialdesenvolvimentista
  • 3. Acesso à Cidadania Financeira e Atuação Socialdesenvolvimentista dos Bancos Públicos: Impactos sobre Renda do Capital e Emprego do Trabalho 3
  • 4. Bancarização + Financeirização FGC - Fundo Garantidor de Crédito - Comparativos Anuais - Índice de Base Fixa Datas Número % do Total Valores % do PIB % do Total Valores por de Contas de 1999 R$ milhões de 1999 Conta 1999 74.908.097 100% 246.339 23 100% 3288,55 2000 82.942.743 111% 279.746 23 114% 3372,76 2001 93.963.118 125% 312.435 24 127% 3325,08 2002 87.630.527 117% 365.734 25 148% 4173,59 2003 93.154.865 124% 399.710 23 162% 4290,81 2004 101.213.833 135% 469.679 24 191% 4640,46 2005 111.973.847 149% 546.035 25 222% 4876,45 2006 126.180.634 168% 624.538 26 254% 4949,56 2007 134.829.464 180% 740.136 27 300% 5489,42 2008 142.247.949 190% 1.003.027 32 407% 7051,26 2009 151.102.765 202% 1.052.417 32 427% 6964,91 2010 161.761.544 216% 1.196.507 31 486% 7396,73 2011 174.783.060 233% 1.331.808 30 541% 7619,78 2012 174.783.060 233% 1.376.446 29 559% 7875,17 2013 199.090.531 266% 1.591.549 31 646% 7994,10 2014 206.357.756 275% 1.643.130 30 667% 7962,53 jun/15 209.171.644 279% 1.752.607 31 711% 8378,80 Fonte: FGC (elaboração do autor FNC) Obs.: em junho de 2015, cerca de 700 mil contas não estavam protegidas (>R$ 250 mil), representavam 0,33% da quantidade total, mas registravam 54,55% do valor total. 19 MM 33 MM 36 MM 45 MM 134 MM
  • 5. Relatório ANBIMA de Distribuição de Fundos, Depósitos, LCI e LCA para Pessoas Físicas no Varejo, Alta Renda e Private Banking Consolidado da Indústria Junho de 2015 Média Número de Clientes por Produto TOTAL Consolidado da Indústria (R$ Milhões) em R$ TOTAL 8.967.859 TOTAL 740.207,7 82.540,07R$ VAREJO (68%) 6.103.165 VAREJO (37,3%) 276.264,5 45.265,78R$ VAREJO ALTA RENDA (32%) 2.864.694 VAREJO ALTA RENDA (62,7%) 463.943,2 161.952,10R$ NÚMERO DE CLIENTES PRIVATE BANKING 57.505 POSIÇÃO DE AuM NO PRIVATE BANKING 694.048,00 12.069.350,71R$ CLIENTES POUPANÇA (dezembro de 2010) 97.198.700 DEPÓSITOS POUPANÇA (junho de 2015) 642.291,0 6.608,02R$ Acumulado até R$ 5.000 (87,4% dos clientes) 84.955.000 40.930,3 481,79R$ Total de Clientes PF em Fundos, Contas Bancárias e Private Banking 9.025.364 Riqueza Financeira Total e Média dos Clientes Alta Renda 1.434.255,72 158.913,89 1% 67% 32% Números de Inves dores Classes A e B CLIENTES PRIVATE BANKING VAREJO (68%) VAREJO ALTA RENDA (32%) Estratificação da Riqueza Financeira: 9.025.364 investidores POSIÇÃO DE AuM NO PRIVATE BANKING, 694.048,00 FUNDOS, 740.207,7 VAREJO (37,3%), 276.264,5 VAREJO ALTA RENDA (62,7%), 463.943,2 DEPÓSITOS POUPANÇA (junho de 2015), 642.291,0 Total da Riqueza Financeira de Pessoas Físicas: R$ 2,076 trilhões
  • 6. 9% da população ocupada em classes de renda acima de 5 salários mínimos (R$ 3.940) 10% das pessoas moram em domicílios cuja renda familiar é classificada na faixa B [R$ 5.275 – R$ 7.974] ou na faixa A [acima de R$ 7.974] Faixas A e B1 com [38-100] pontos na Regra de Classificação 2015 da ABEP representam 2 extratos socioeconômicos ordinais com +/- 5% cada um, com renda mensal A (> R$ 16.000) e B1 (> R$ 8.000), constituindo, respectivamente, 3% e 4% dos consumidores e 16% e 12% do consumo. 9 milhões participantes em planos individuais de Plano Gerador de Benefícios Livres (PGBL) e Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL) 9.601.162 pessoas com Ensino Superior Completo, sendo 8.979.706 com graduação, 451.209 com mestrado e 170.247 com doutorado Estratificação Social: “Regra de 9”
  • 7. Rendimentos reais do capital e do trabalho na Era Neoliberal 7 Inflação, Juro Nominal, Juro Real e Salário Real: Renda do Capital X Renda do Trabalho IPCA SELIC Juro Real Base Fixa Rend. Médio Salário Real Base Fixa Desemprego Anos (% a.a.) (% a.a.) (% a.a.) 100 Real (em R$) (% a.a.) 100 Médio (%) 1995 22,4 41,2 15,4 115 1023 2,71 103 8,4 1996 9,6 23,9 12,5 130 1011 -1,17 102 9,5 1997 5,2 39,9 33,0 173 1003 -0,79 101 10,2 1998 1,7 29,2 27,0 219 932 -7,08 94 11,1 1999 8,9 19,0 9,3 240 921 -1,18 92 12,1 2000 6,0 15,8 9,3 262 899 -2,39 90 11,0 2001 7,7 19,3 10,8 290 831 -7,56 83 11,2 2002 12,5 24,9 11,0 322 831 0,00 83 11,7 Média Anual 9,1 24,6 15,1 931 -1,05 Fonte: IBGE ( SNIPC e Taxa de Desemprego Aberto Regiões Metropolitanas) / BCB (elaboração do autor FNC) r > g
  • 8. Rendimentos reais do capital e do trabalho na Era Socialdesenvolvimentista Inflação, Taxa de Juros Nominal (1), Juro Real (2), e Salário Real: Evolução Anos IPCA SELIC Juro Real Base Fixa Salário Real Base Fixa Desemprego (% a.a.) (% a.a.) (% a.a.) 100 (% a.a.) 100 Médio (%) 2003 9,3 23,3 12,8 113 -12,6 87 12,3 2004 7,6 16,2 8,0 122 -1,3 86 11,5 2005 5,7 19,0 12,6 137 1,5 88 9,8 2006 3,1 15,1 11,6 153 4,0 91 10,0 2007 4,5 12,0 7,1 164 3,2 94 9,3 2008 5,9 12,5 6,2 174 3,4 97 7,9 2009 4,3 9,9 5,4 184 3,2 100 8,1 2010 5,9 10,0 3,7 190 3,8 104 6,7 2011 6,5 11,8 4,8 199 2,7 107 6,0 2012 5,8 8,5 3,1 206 4,1 111 5,5 2013 5,9 8,2 2,2 210 1,8 113 5,4 2014 6,4 11,0 4,3 219 2,7 116 4,8 2015 9,6 13,6 3,6 227 -2,5 113 6,8 Média Anual 6,2 13,2 6,6 1,1 Data Base: 15/06/15 - Projeção 2015 (1) Média da Taxa Selic Nominal (2) Juro Real ex-post: Média da Taxa Selic Nominal deflacionada pelo IPCA Fonte: Bradesco - DEPEC inclusive projeção de 2015 (elaboração do autor FNC) r > g
  • 9. 100 113 122 137 153 164 174 184 190 199 206 210 219 227 100 87 86 88 91 94 97 100 104 107 111 113 116 113 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Era Socialdesenvolvimentista: Renda do Capital X Renda do Trabalho Juro Real Salário Real 100 115 130 173 219 240 262 290 322 100 103 102 101 94 92 90 83 83 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Era Neoliberal: Renda do Capital X Renda do Trabalho Juro Real Salário Real -17% +16%
  • 11. Atuação anticíclica do crédito público
  • 12. 12
  • 13. 13 Privados Nacionais 3 Controle Estrangeiro4 Públicos Banco do Brasil Caixa Econômica Federal Bancos Públicos - Outros Total Privados Nacionais 3 Controle Estrangeiro4 Públicos Banco do Brasil Caixa Econômica Federal Bancos Públicos - Outros Total Fonte: Cosif (doc. 4016) 2/ Inclui bancos múltiplos, bancos comerciais e Caixa Econômica Federal. 3/ Inclui bancos privados nacionais com participação estrangeira 4/ Inclui filiais de bancos estrangeiros. Quadro 17 - Saldos de operações de crédito1 por origem de capital das instituições do segmento bancário2 1/ Até 2012 considerou-se o valor correspondente à conta 1.6.0.00.00-1 do Cosif. A partir de 2013 foi considerado o somatório das contas 1.6.0.00.00-1 e 1.7.0.00.00-0, acrescidas dos valores das respectivas contas de provisão, conforme critério adotado no relatório IF.Data. Origem de Capital Origem de Capital Participação percentual no saldo de operações de crédito do segmento bancário2 por tipo de origem de capital das instituições em R$ bilhões 2010 2011 2012 2013 2014 Dez Dez Dez Dez Dez 461 546 725 687 727 208 244 341 313 332 472 596 865 1.047 1.225 272 321 451 507 567 165 234 361 485 597 36 42 52 54 61 1.141 1.387 1.931 2.047 2.284 em percentual 2010 2011 2012 2013 2014 Dez Dez Dez Dez Dez 40,4 39,4 37,5 33,6 31,8 18,2 17,6 17,7 15,3 14,6 41,4 43,0 44,8 51,1 53,6 23,8 23,2 23,4 24,8 24,8 14,4 16,9 18,7 23,7 26,1 3,1 3,0 2,7 2,6 2,7 100 100 100 100 100 2/ Inclui bancos múltiplos, bancos comerciais e Caixa Econômica Federal. 3/ Inclui bancos privados nacionais com participação estrangeira Quadro 17 - Saldos de operações de crédito1 por origem de capital das instituições do segmento bancário2 1/ Até 2012 considerou-se o valor correspondente à conta 1.6.0.00.00-1 do Cosif. A partir de 2013 foi considerado o somatório das contas 1.6.0.00.00-1 e 1.7.0.00.00-0, acrescidas dos valores das respectivas contas de provisão, conforme critério adotado no relatório IF.Data. Participação percentual no saldo de operações de crédito do segmento bancário2 por tipo de origem de capital das instituições
  • 14. 14 Privados Nacionais 3 Controle Estrangeiro4 Públicos Banco do Brasil Caixa Econômica Federal Bancos Públicos - Outros Total Privados Nacionais 3 Controle Estrangeiro4 Públicos Banco do Brasil Caixa Econômica Federal Bancos Públicos - Outros Total Fonte: Cosif (doc. 4016) 1/ Valor correspondente à conta 6.1.0.00.00-1 do balanço patrimonial (individualizado) das instituições consideradas. 2/ Inclui bancos múltiplos, bancos comerciais e Caixa Econômica Federal. 3/ Inclui bancos privados nacionais com participação estrangeira 4/ Inclui filiais de bancos estrangeiros. Quadro 14 - Patrimônio Líquido1 por origem de capital das instituições do segmento bancário2 Origem de Capital Origem de Capital Participação percentual no patrimônio líquido total do segmento bancário2 por tipo de origem de capital das instituições em R$ bilhões 2010 2011 2012 2013 2014 Dez Dez Dez Dez Dez 353 401 479 475 521 106 116 120 119 116 76 89 103 110 110 50 58 66 70 70 15 20 25 27 26 10 11 12 13 14 535 605 702 703 747 em percentual 2010 2011 2012 2013 2014 Dez Dez Dez Dez Dez 66 66 68 67 70 20 19 17 17 16 14 15 15 16 15 9 10 9 10 9 3 3 4 4 4 2 2 2 2 2 100 100 100 100 100 1/ Valor correspondente à conta 6.1.0.00.00-1 do balanço patrimonial (individualizado) das instituições consideradas. 2/ Inclui bancos múltiplos, bancos comerciais e Caixa Econômica Federal. 3/ Inclui bancos privados nacionais com participação estrangeira Quadro 14 - Patrimônio Líquido1 por origem de capital das instituições do segmento bancário2 Participação percentual no patrimônio líquido total do segmento bancário2 por tipo de origem de capital das instituições
  • 15. 15 6 Maiores Bancos e o Consolidado do Sistema Financeiro Nacional Data-base: Dezembro/2014 Instituições Ativo TVM e Operações de Depósitos Captações no Patrimônio PR nível 1 Lucro Total Derivativos Crédito Total Mercado Aberto Líquido Líquido BANCO DO BRASIL 21% 11% 25% 25% 21% 15% 18% 18% CAIXA ECONOMICA FEDERAL 17% 15% 23% 23% 12% 6% 12% 11% Subtotal de Bancos Públicos 38% 26% 49% 48% 33% 21% 30% 29% ITAU 18% 17% 15% 17% 23% 22% 19% 31% BRADESCO 14% 16% 12% 11% 23% 18% 15% 24% Subtotal de Bancos Privados Nacionais 32% 33% 28% 28% 45% 40% 35% 55% SANTANDER 10% 12% 8% 8% 8% 13% 12% 4% HSBC 3% 3% 2% 3% 0% 2% 2% -2% Subtotal de Bancos Privados Estrangeiros 12% 15% 10% 11% 8% 15% 13% 2% Subtotal dos Top 6 Bancos Comerciais 83% 73% 86% 87% 87% 76% 78% 85% Total Consolidado Bancário I (96 Instituições) 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% % de Participação Consolidado Bancário I 83,7 87,7 82,9 94 98,1 82,4 79,9 80,6 % Top 6 no Sistema Financeiro Nacional (1565 IF) 69% 68% 67% 81% 81% 62% 60% Data-base: Dezembro/2009 BANCO DO BRASIL 23% 19% 26% 27% 26% 13% 26% CAIXA ECONOMICA FEDERAL 11% 21% 12% 14% 10% 5% 8% Subtotal de Bancos Públicos 34% 39% 38% 41% 36% 17% 34% ITAU 19% 13% 17% 16% 22% 18% 24% BRADESCO 14% 10% 14% 14% 19% 15% 17% Subtotal de Bancos Privados Nacionais 34% 23% 31% 30% 41% 33% 41% SANTANDER 11% 11% 11% 9% 6% 23% 4% HSBC 3% 3% 3% 5% 0% 3% 2% Subtotal de Bancos Privados Estrangeiros 14% 14% 14% 14% 6% 25% 5% Subtotal dos Top 6 Bancos Comerciais 81% 76% 82% 85% 83% 76% 81% Total Consolidado Bancario I ( 100 Instituicoes ) 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% % de Participação Consolidado Bancario I 85 90 82 94 97 82 75 % Top 6 no Sistema Financeiro Nacional 69% 68% 67% 81% 81% 62% 60% Fonte: Sisbacen - Banco Central do Brasil (elaboração do autor FNC)
  • 16. 16 6 Maiores Bancos e o Consolidado do Sistema Financeiro Nacional Data-base: Dezembro/2014 Instituições Carteiras Recursos de Terceiros Rentabilidade Retorno (4o. T) / Alavancagem (TVM+OC) /(Dep. + Capt. Merc. Ab.) / Patrimonial Ativo Ativo / Capital Ativo Passivo Total 4o. Trimestre ROA AT / KT BANCO DO BRASIL 58% 59% 8% 0,4% 8,3 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 72% 56% 14% 0,3% 12,5 Subtotal de Bancos Públicos 64% 57% 10% 0,4% 9,7 ITAU 52% 58% 10% 0,9% 5,6 BRADESCO 55% 61% 10% 0,9% 5,6 Subtotal de Bancos Privados Nacionais 54% 59% 10% 0,9% 5,6 SANTANDER 57% 44% 2% 0,2% 5,1 HSBC 51% 38% -5% -0,3% 9,2 Subtotal de Bancos Privados Estrangeiros 56% 42% 1% 0,1% 5,7 Subtotal dos Top 6 Bancos Comerciais 59% 56% 8% 0,6% 7,0 Total Consolidado Bancário I (96 Instituições) 59% 53% 7% 0,5% 6,5 Total do Sistema Financeiro Nacional (1565 IF) 58% 46% 7% 0,6% Data-base: Dezembro/2009 6,3 BANCO DO BRASIL 56% 72% 17% 0,9% CAIXA ECONOMICA FEDERAL 71% 72% 14% 0,5% Subtotal de Bancos Públicos 61% 72% 16% 0,8% ITAU 43% 57% 11% 0,9% BRADESCO 47% 65% 10% 0,9% Subtotal de Bancos Privados Nacionais 45% 61% 10% 0,9% SANTANDER 53% 44% 1% 0,2% HSBC 49% 68% 6% 0,4% Subtotal de Bancos Privados Estrangeiros 52% 50% 2% 0,3% Subtotal dos Top 6 Bancos Comerciais 53% 63% 9% 0,8% Total Consolidado Bancario I ( 100 Instituicoes ) 54% 61% 8% 0,8% Total do Sistema Financeiro Nacional 54% 54% 9% 0,9% Fonte: Sisbacen - Banco Central do Brasil (elaboração do autor FNC)
  • 17. “Cruzada da Dilma” com os Bancos Públicos 17
  • 21. 21 6 Maiores Bancos e o Consolidado do Sistema Financeiro Nacional Data-base: Dezembro/2014 Instituições Func. / Índice de Índice de Índice de Índice de Agência Basiléia imobilização Eficiência Cobertura DT / RT RPS / DP BANCO DO BRASIL 16,1 22,2 -87% -73% CAIXA ECONOMICA FEDERAL 16,1 14,4 -75% -84% Subtotal de Bancos Públicos -81% -79% ITAU 16,9 49,1 -74% -113% BRADESCO 16,5 47,3 -105% -69% Subtotal de Bancos Privados Nacionais -87% -91% SANTANDER 17,5 29,4 -78% -118% HSBC 13,1 25,0 -150% -29% Subtotal de Bancos Privados Estrangeiros -91% -84% Subtotal dos Top 6 Bancos Comerciais -85% -83% Total Consolidado Bancário I (96 Instituições) -87% -80% Total do Sistema Financeiro Nacional (1565 IF) -81% -79% Data-base: Dezembro/2009 BANCO DO BRASIL 25 14,0 14,6 -66% -79% CAIXA ECONOMICA FEDERAL 51 17,5 16,6 -74% -91% Subtotal de Bancos Públicos 33 -69% -84% ITAU 23 17,0 32,9 -53% -105% BRADESCO 23 17,8 45,7 -62% -82% Subtotal de Bancos Privados Nacionais 23 -56% -95% SANTANDER 22 33,4 40,0 -68% -100% HSBC 31 15,7 31,5 -80% -79% Subtotal de Bancos Privados Estrangeiros 25 -71% -94% Subtotal dos Top 6 Bancos Comerciais 27 -64% -90% Total Consolidado Bancario I ( 100 Instituicoes ) 28 -64% -91% Total do Sistema Financeiro Nacional 28 -63% -90% Fonte: Sisbacen - Banco Central do Brasil (elaboração do autor FNC)