A história do 
Funk no Brasil 
e no mundo
O Funk no Brasil é diferente do Funk que é 
apresentado nos Estados Unidos 
 Nos E.U.A. o Funk (também conhecido como sou...
Os músicos negros norte-americanos primeiramente 
chamavam de funk à música com um ritmo mais suave, mais 
lento, sexy, so...
O funk no Brasil 
 Mais conhecido como funk carioca, é um 
estilo musical oriundo do Brasil, mais 
precisamente do Rio de...
Nos anos 80 
 A partir da década de 1980, os bailes funks do 
Rio começaram a ser influenciados por um 
novo ritmo da Fló...
Nos anos 90 
 O funk carioca começa a década de 1990 formando a sua 
identidade própria. As letras refletem o dia-a-dia d...
No Século 21 
 O funk conseguiu mascarar seu ritmo, mostrando-se mais parecido com um rap 
americano e integrou-se um pou...
Atualidade 
 Em Setembro de 2009 a Assembleia 
Legislativa do Rio de Janeiro aprovou 
projeto definindo o funk como 
movi...
ALUNOS 
o Jorge Luiz 
o Bruno Valença 
o Marcus Oliveira 
o Serie : 8 B -
ALUNOS 
o Jorge Luiz 
o Bruno Valença 
o Marcus Oliveira 
o Serie : 8 B -
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slide Sobre FUNK CPR

399 visualizações

Publicada em

TRABALHO DE ARTES

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

Slide Sobre FUNK CPR

  1. 1. A história do Funk no Brasil e no mundo
  2. 2. O Funk no Brasil é diferente do Funk que é apresentado nos Estados Unidos  Nos E.U.A. o Funk (também conhecido como soul funk ou funk de raíz) desenvolvido a partir de meados dos anos 1960 por artistas como James Brown e por seus músicos, a partir de uma mistura de soul music, soul jazz, rock psicodélico e R&B.E ainda pela forte e rítmica seção de metais, pela percussão marcante e ritmo dançante. Nos anos 70 o funk foi influência para músicos de jazz
  3. 3. Os músicos negros norte-americanos primeiramente chamavam de funk à música com um ritmo mais suave, mais lento, sexy, solto, orientado para frases musicais repetidas e principalmente dançante. Devido à conotação sexual original, a palavra funk era normalmente considerada indecente. Até o fim dos anos 50 e início dos 60, quando “funk” e “funky” eram cada vez mais usadas no contexto da soul music, as palavras ainda eram consideradas indelicadas e inapropriadas para uso em conversas educadas. Basicamente o funk se torna assim uma fusão do soul, do jazz e do R&B.
  4. 4. O funk no Brasil  Mais conhecido como funk carioca, é um estilo musical oriundo do Brasil, mais precisamente do Rio de Janeiro. Apesar do nome, é diferente do funk originário dos Estados Unidos. Isso ocorreu, pois a partir dos anos 1970 eram realizados bailes black, soul, shaft ou funk, com o tempo, os DJs foram buscando novos ritmos de música negra, mas o nome original permaneceu. O funk carioca tem uma influência direta do Miami Bass e do Freestyle
  5. 5. Nos anos 80  A partir da década de 1980, os bailes funks do Rio começaram a ser influenciados por um novo ritmo da Flórida, o Miami Bass, que trazia músicas mais erotizadas e batidas mais rápidas. Ao longo da nacionalização do funk, os bailes - até então, realizados nos clubes dos bairros do subúrbio da capital - expandiram-se a céu aberto, nas ruas, onde as equipes rivais se enfrentavam disputando quem tinha a aparelhagem mais potente, o grupo mais fiel e o melhor DJ. Neste meio surge DJ Marlboro, um dos vários protagonistas do movimento funk.
  6. 6. Nos anos 90  O funk carioca começa a década de 1990 formando a sua identidade própria. As letras refletem o dia-a-dia das comunidades. O ritmo fica cada vez mais popular e com isso começou a ser alvo de ataques e preconceito. Não só por ter se popularizado entre a sociedade de classe baixa, mas também porque vários destes bailes funk eram os chamados bailes de corredor, onde as galeras de diversas comunidades se dividiam em dois grupos, os lados A e B, e com alguma frequência terminavam em brigas entre si.  Paralelo a isso, outra corrente do funk ganhava espaço junto às populações carentes: o "proibidão". Normalmente com temas vinculados ao tráfico, os raps eram muitas vezes exaltações a grupos criminosos locais e provocações a grupos rivais, os alemães. Normalmente as músicas eram cantadas apenas em bailes realizados dentro das comunidades.  Ao final da década, além de tudo, surgiram músicas com conotação erótica. Essa temática, caracterizada por músicas de letras sensuais, por vezes vulgares, que começou no final da década, ganhando no força na década seguinte.
  7. 7. No Século 21  O funk conseguiu mascarar seu ritmo, mostrando-se mais parecido com um rap americano e integrou-se um pouco mais às classes cariocas. Seu ritmo hipnótico e sua batida repetitiva denominada "pancadão” também contribuíram para que mais pessoas se tornassem adeptas dessa música  O funk ganhou espaço fora do Rio e ganhou conhecimento internacional quando foi eleito umas das grandes sensações do verão europeu de 2005 e ser base para um sucesso da cantora inglesa MIA, "Bucky Done Gun".  Um dos destaques desta fase, e que foi objeto até de um documentário europeu sobre o tema é a cantora Tati Quebra-Barraco que se tornou uma figura das mulheres que demonstram resistência à dominação masculina em suas letras, geralmente de nível duvidoso, pondo a mulher no controle das situações e as alienando.  E em julho de 2007 em Angola surge o primeiro grupo de funk angolano "Os Besta-Fera" seu vocalista principal Mc Lucas passou no Rio de Janeiro onde foi influenciado a cantar funk, agora ouvido em Angola.  Em 2008 o funk continuou a se espalhar por todo o Brasil, ainda sendo sinônimo de brigas e drogas como antigamente. Hoje é bastante comum em cervejadas universitárias tocar músicas de funk de todos os estilos, desde os chamados "proibidões" até os funks melody.
  8. 8. Atualidade  Em Setembro de 2009 a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro aprovou projeto definindo o funk como movimento cultural e musical de caráter popular
  9. 9. ALUNOS o Jorge Luiz o Bruno Valença o Marcus Oliveira o Serie : 8 B -
  10. 10. ALUNOS o Jorge Luiz o Bruno Valença o Marcus Oliveira o Serie : 8 B -

×