SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
84 O Instalador Abril 2016 www.oinstalador.com
O ouro vestido de negro
A ameaça da indústria
petrolífera em Portugal
Para quem não tenha ainda acordado, deixamos aqui o despertador: só no Algarve estão neste
momento firmados vários contratos de prospeção de petróleo e de gás. É uma sementeira de
colunas de perfuração, umas frente às praias, outras que irão fazer furos de fracking em terra,
sobretudo na serra. Sim. Vão de Aljezur a Vila Real de Santo António e os seus impactos visuais
e ambientais, tanto na prospeção como na óbvia futura exploração, serão devastadores para a
região algarvia, para a qualidade de vida das suas populações e para toda a atividade turística.
								
Luísa Schmidt
Texto e Fotos_Jorge Moreira [Ambientalista]
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
O Instalador Abril 2016 www.oinstalador.com 85
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
O governo anterior assinou em segredo
uma série de contratos de prospeção e
exploração com empresas petrolíferas,
sem qualquer participação ou informação
pública. Populações, autarcas, empresá-
rios e ambientalistas estão revoltados com
as negociatas secretas que pretendem
perfurar mar e terra, com fracking incluído,
seguindo o mau exemplo de alguns países,
onde são bem visíveis as inevitáveis e
catastróficas consequências socioeconó-
micas e ambientais associadas à atividade,
que afetam as populações vizinhas. Infeliz-
mente, o novo governo, mesmo pressiona-
do, ainda não demonstrou vontade política
para alterar o cenário e a Galp prepara-se
para iniciar já no próximo verão a primeira
perfuração exploratória na Costa Alenteja-
na. As concessões abarcam praticamente
todo o litoral - de Viana do Castelo a Vila
Real de Sto. António - e em terra - na zona
Oeste, Barreiro e nas serras algarvias, em
Aljezur e Tavira.
Já num texto da minha autoria aqui publi-
cado, de setembro de 2014, alertava para
os perigos da exploração dos hidrocarbo-
netos no Algarve. Posteriormente, após a
saída nos media da notícia das conceções,
as populações, autarquias e associações
de empresários do Algarve, com especial
relevo para a PALP (Plataforma Algarve
Livre de Petróleo) e o MALP (Movimento
Algarve Livre de Petróleo), começaram a
manifestar-se contra a exploração de pe-
tróleo e gás na região. Defendem especial-
mente o Turismo, o setor com maior peso
económico local e o maior exportador do
país. Não será certamente difícil perceber
o impacto que a prospeção e a exploração
de petróleo terá nesta atividade e em todas
as outras associadas - serviços, desporto,
pesca, marisco, viveirismo, agricultura, etc.
Alguém vai querer ir de férias para uma
praia onde existem sinais de exploração e
cuja iguaria é um marisco local com riscos
de contaminação? Alguém irá querer usu-
fruir da belíssima serra algarvia, entretanto
destruída pelo fracking? E onde ficam as
populações locais, suas atividades, bem
como a fauna e flora autóctones, que são
também o deleite dos visitantes. Querem
acabar com o que de melhor Portugal
ainda proporciona a quem mora e visita:
beleza natural, que é uma fonte inesgo-
tável de saúde socioeconómica! Por esse
motivo e fartos de esperar por uma res-
posta do governo, os dezasseis municípios
que formam a AMAL, estão a proceder
ao enquadramento jurídico e respetivo
encaminhamento para a esfera judicial,
na tentativa de travar em tribunal todo o
processo na região. Fazem bem! Segundo
Vítor Neto, da Associação Empresarial do
Algarve NERA, a região irá perder entre
5 a 6 mil milhões de euros por ano se a
exploração avançar. O “ouro negro” pode
vir a ser tudo menos ouro para o Algarve
e aparecer na lista negra dos operadores
turísticos.
Aos muitos estrangeiros e suas comuni-
dades, que escolheram o Algarve como
primeira ou segunda habitação e que
também declararam presença na luta
em questão, juntaram-se agora catorze
ONGA internacionais que se opõem à
exploração de petróleo na região. Entre as
associações, encontram-se a vizinha espa-
nhola Alianza Mar Blava, a norte-americana
NRDC e a suíça Oceancare, que enviaram
um manifesto conjunto ao governo portu-
guês, fundamentando as preocupações
ambientalistas.
86 O Instalador Abril 2016 www.oinstalador.com
Neste terreno, a pesquisa e prospeção
acarreta a priori atividade sísmica com
explosões, que provocam impactes
significativos nos ecossistemas marinhos,
caracterizados por elevada biodiversi-
dade, com destaque especial para os
diversos cetáceos, peixes, tartarugas e
aves marinhas. A exploração offshore vai
destruir vastas áreas e colocar em risco
todo este vasto e belíssimo património
natural. A agravar a situação, o Algarve
encontra-se em plena zona geológica
sísmica, onde a atividade de prospeção
e exploração poderá potenciar vastos
desastres naturais, com consequências
graves em vidas e estruturas humanas.
De igual forma, as offshore podem sofrer
acidentes, como aquele que ocorreu em
2010, na plataforma Deepwater Horizon
no Golfo do México, operada pela BP,
cuja explosão ocasionou um dos piores
acidentes ecológicos de sempre. No mar
algarvio existem vulcões de lama ricos em
metano, gás que pode ser utilizado como
fonte energética. Uma eventual exploração
deste elemento ou um furo relativamente
perto poderá provocar grandes desliza-
mentos de depósitos e originar a erupção
de um vulcão, tal como aconteceu em
2006 na Indonésia, com uma perfuração
hidráulica nas imediações a desencadear
a maior erupção de um vulcão de lama,
que destruiu uma área habitada com
cerca de 40.000 pessoas. Como quase
sempre, as empresas petrolíferas envol-
vidas apontam causas naturais para o
desastre mas, precisamente neste caso,
a revista Nature Geoscience relaciona
diretamente a atividade da petrolífera com
a erupção. Devemos ter em conta ainda
que a exploração neste tipo de geologia
pode libertar metano para a atmosfera,
que irá agravar o problemática do efeito de
estufa, na medida que este gás tem maior
potencial que o CO2
. Paralelamente, a ati-
vidade onshore irá certamente contaminar
aquíferos, alguns de interesse económico,
provocar atividade sísmica local e desca-
racterizar a serra e o barrocal. No fracking,
dependendo da tecnologia utilizada, é
possível recorrer a químicos que são
altamente nocivos para o ambiente e para
saúde humana.
Os potenciais riscos ambientais da explo-
ração de hidrocarbonetos podem ser mais
elevados se forem utilizadas técnicas de
estimulação não convencionais, como a
química, a termal, a perfuração horizontal,
etc. No cômputo geral, não serão só as
áreas naturais sensíveis afetadas como a
Ria Formosa, o Barrocal ou a Serra Algarvia,
mas também algumas praias de areias
finas e douradas e as zonas subaquáticas
ricas e belas. Mesmo sem qualquer tipo de
acidente todas as atividades económicas
da região serão afetadas, especialmente
aquelas ligadas diretamente ao Turismo. Em
plena exploração existirão muitas alternati-
vas belas e limpas ao Algarve nas brochuras
dos agentes turísticos estrangeiros. Todavia,
se houver alguma tragédia, será o descala-
bro para a sustentabilidade da região, com
o agravamento dos riscos para a saúde
pública e a segurança alimentar. Perante um
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
O Instalador Abril 2016 www.oinstalador.com 87
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
incidente, será que aqueles que assinaram
as conceções sem o consentimento público,
como um ato de prepotência fascista contra
as populações locais, irão abarcar com as
consequências? É uma pergunta que fica à
qual se segue outra: será que os riscos e os
danos valem a pena?
Do ponto de vista ambiental, nada a ga-
nhar, só a perder. Será nas zonas naturais,
algumas sensíveis e ricas do ponto de
vista da biodiversidade, que a atividade
irá incidir, com o consequente ecocídeo
do local e provavelmente da vizinhança.
Socialmente, onde uma grande parte da
população vive com alguma qualidade de
vida que frui do contato com a natureza e
das atividades económicas associadas ao
turismo, a degradação das duas vertentes
não trará mais-valias para as populações,
pelo contrário. A nível económico, Mendes
Bota, que é o atual assessor do comissário
europeu Carlos Moedas, acha irrisório o
valor das contrapartidas previstas para
o Estado relativamente à exploração.
Efetivamente, pela leitura dos contratos
assinados para o Algarve, verificamos que
após deduzidas as despesas, o Estado
recebe das offshore entre 6% a 12% sobre
o valor dos produtos comercializados. Em
terra será de 3%, podendo chegar aos 8%.
Não estão previstas contrapartidas para as
regiões afetadas, nem salvaguardados os
impactos nas pessoas, bens, atividades
económicas e turismo, pelo que nem o
povo, nem a região ficará a lucrar. Perderão
imenso com a desvalorização da região, e
prevejo à partida receitas menores, devido
à queda internacional do preço do crude,
à crescente procura de veículos elétricos e
à necessária transição para uma economia
menos dependente dos combustíveis
fósseis.
As concessões petrolíferas em Portugal
aparecem em pleno contraciclo com as
necessidades globais, agora firmadas pe-
los governos de todo o mundo na COP 21,
com o Estado português a comprometer-
-se com metas ambiciosas para a redução
da emissão de gases com efeito de estufa.
Manter os recursos fósseis no subsolo e
aumentar o peso das energias renováveis,
conjuntamente com a aplicação de tecnolo-
gias mais eficientes e uma economia verde
generalizada, será a conjugação necessária
para uma eficaz abordagem à problemática
das alterações climáticas, e Portugal deve-
rá apostar nessas vias, se quiser estar na
vanguarda. Inconvenientemente, só a Galp
prevê investir mais de mil milhões de euros
por ano até 2020. Se esta verba fosse em
parte ou na totalidade orientada para as
renováveis como a solar, todos ficaríamos a
ganhar - ambiente, as pessoas e a econo-
mia global. Portugal proporciona períodos
de exposição solar superior a outros países
europeus, que com menor exposição, têm
apostado mais nesta fonte energética. Mas
a indústria petrolífera continua a exercer a
sua influência poderosa no campo político,
conseguindo concessões contra tudo e
contra todos e sugando apoios financeiros
que são de todos nós. Continua a alimentar
uma economia que explora a natureza e
subjuga as pessoas, obrigando-as a con-
sumir os seus produtos e a arcarem com
as consequências financeiras e ambientais
que entretanto surjam. Sabe-se hoje que
a indústria petrolífera tinha conhecimento,
desde os anos setenta do século passado,
das consequências da sua atividade para
as alterações climáticas e tudo fez para
ocultar tal facto. Sabe-se ainda que muita
da indústria solar foi adquirida pelas petro-
líferas para manterem o preço elevado dos
painéis, com o intuito de dificultar o acesso
ao solar. Esta gente coloca os interesses
setoriais acima das pessoas e do Planeta.
Por esse motivo não é gente de confiança
nem de bem! Não podemos, nem devemos
deixar o futuro do Algarve e de Portugal
nas suas mãos.
As conceções que o governo anterior assinou
e que o atual teima em prosseguir à luz do
progresso e da independência energética, só
beneficiarão convenientemente as empresas
envolvidas. Veja-se o Brasil, Angola ou Timor.
Que mais-valias trouxe para as populações?
Quem é que enriqueceu na verdade com
a exploração dos hidrocarbonetos nesses
países? O "ouro negro" não ilude quem vê
a sua verdadeira natureza. O "ouro negro"
alimenta uma economia sem futuro, que
explora, polui e emite gases com efeito de
estufa que estão a alterar dramaticamente o
clima. O "ouro negro" não é ouro verdadeiro.
É uma miragem que as corporações utilizam
para enganar e enriquecer à sua custa, com
a ajuda dos políticos de visão curta. Mas
não deixa de ser negro, face ao cenário
previsível se esta indústria continuar a reinar.
Em termos energéticos, o "el dourado" vem
do renovável. Que a nova era do mar, que
Portugal tanto deseja explorar, não seja a
Era da barbárie ecológica marítima, mas a
Era da transição para uma política efetiva de
preservação daquilo que de melhor temos e
podemos continuar a "vender" sem destruir.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Samarco queria Bento-dossie facebook
Samarco queria Bento-dossie facebookSamarco queria Bento-dossie facebook
Samarco queria Bento-dossie facebook1962laura
 
Mat geo 3ºem_pré-sal_04-06-2013
Mat geo 3ºem_pré-sal_04-06-2013Mat geo 3ºem_pré-sal_04-06-2013
Mat geo 3ºem_pré-sal_04-06-2013daniboy7lag
 
Barragens que barram vidas, paisagens e sonhos – patrimónios que se afogam ir...
Barragens que barram vidas, paisagens e sonhos – patrimónios que se afogam ir...Barragens que barram vidas, paisagens e sonhos – patrimónios que se afogam ir...
Barragens que barram vidas, paisagens e sonhos – patrimónios que se afogam ir...Jorge Moreira
 
Uma catástrofe ambiental às portas de Portugal - A maré negra do Prestige
Uma catástrofe ambiental às portas de Portugal - A maré negra do PrestigeUma catástrofe ambiental às portas de Portugal - A maré negra do Prestige
Uma catástrofe ambiental às portas de Portugal - A maré negra do PrestigeSofia_Afonso
 
Livro gas natural
Livro gas naturalLivro gas natural
Livro gas naturalIrazer Lima
 
Livros petróleo
Livros petróleoLivros petróleo
Livros petróleoSunnah
 
Os Recursos não Renováveis
Os Recursos não RenováveisOs Recursos não Renováveis
Os Recursos não RenováveisDavid Santiago
 
heroldes-bahr-neto-acidentes-ambientais
heroldes-bahr-neto-acidentes-ambientaisheroldes-bahr-neto-acidentes-ambientais
heroldes-bahr-neto-acidentes-ambientaisHeroldes
 
Manifesto em defesa do Meio Ambiente e dos Direitos das Comunidades Pesqueira...
Manifesto em defesa do Meio Ambiente e dos Direitos das Comunidades Pesqueira...Manifesto em defesa do Meio Ambiente e dos Direitos das Comunidades Pesqueira...
Manifesto em defesa do Meio Ambiente e dos Direitos das Comunidades Pesqueira...Mª Arméle Dornelas
 
Fontes de energia-Gás Natural
Fontes de energia-Gás NaturalFontes de energia-Gás Natural
Fontes de energia-Gás Naturaljoana_sil
 
Feira de ciências queimadas
Feira de ciências   queimadasFeira de ciências   queimadas
Feira de ciências queimadasMarcos Torquato
 
Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)
Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)
Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)Carlos Calácio
 
Blog prado riscos versao 09-09-17
Blog prado riscos   versao 09-09-17Blog prado riscos   versao 09-09-17
Blog prado riscos versao 09-09-17Rafaela Stockler
 
O ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energiaO ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energiaFernando Alcoforado
 

Mais procurados (16)

Samarco queria Bento-dossie facebook
Samarco queria Bento-dossie facebookSamarco queria Bento-dossie facebook
Samarco queria Bento-dossie facebook
 
Mat geo 3ºem_pré-sal_04-06-2013
Mat geo 3ºem_pré-sal_04-06-2013Mat geo 3ºem_pré-sal_04-06-2013
Mat geo 3ºem_pré-sal_04-06-2013
 
Barragens que barram vidas, paisagens e sonhos – patrimónios que se afogam ir...
Barragens que barram vidas, paisagens e sonhos – patrimónios que se afogam ir...Barragens que barram vidas, paisagens e sonhos – patrimónios que se afogam ir...
Barragens que barram vidas, paisagens e sonhos – patrimónios que se afogam ir...
 
Uma catástrofe ambiental às portas de Portugal - A maré negra do Prestige
Uma catástrofe ambiental às portas de Portugal - A maré negra do PrestigeUma catástrofe ambiental às portas de Portugal - A maré negra do Prestige
Uma catástrofe ambiental às portas de Portugal - A maré negra do Prestige
 
Livro gas natural
Livro gas naturalLivro gas natural
Livro gas natural
 
Livros petróleo
Livros petróleoLivros petróleo
Livros petróleo
 
Os Recursos não Renováveis
Os Recursos não RenováveisOs Recursos não Renováveis
Os Recursos não Renováveis
 
heroldes-bahr-neto-acidentes-ambientais
heroldes-bahr-neto-acidentes-ambientaisheroldes-bahr-neto-acidentes-ambientais
heroldes-bahr-neto-acidentes-ambientais
 
Work
WorkWork
Work
 
Manifesto em defesa do Meio Ambiente e dos Direitos das Comunidades Pesqueira...
Manifesto em defesa do Meio Ambiente e dos Direitos das Comunidades Pesqueira...Manifesto em defesa do Meio Ambiente e dos Direitos das Comunidades Pesqueira...
Manifesto em defesa do Meio Ambiente e dos Direitos das Comunidades Pesqueira...
 
Fontes de energia-Gás Natural
Fontes de energia-Gás NaturalFontes de energia-Gás Natural
Fontes de energia-Gás Natural
 
Feira de ciências queimadas
Feira de ciências   queimadasFeira de ciências   queimadas
Feira de ciências queimadas
 
Petroleo e gas
Petroleo e gasPetroleo e gas
Petroleo e gas
 
Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)
Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)
Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)
 
Blog prado riscos versao 09-09-17
Blog prado riscos   versao 09-09-17Blog prado riscos   versao 09-09-17
Blog prado riscos versao 09-09-17
 
O ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energiaO ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energia
 

Destaque

Reutilitzar la informació pública per innovar
Reutilitzar la informació pública per innovarReutilitzar la informació pública per innovar
Reutilitzar la informació pública per innovarJordi Graells
 
基礎構文班18回目
基礎構文班18回目基礎構文班18回目
基礎構文班18回目XMLProJ2014
 
Paul Clough Sheffield iSchool Evaluating Info Searching in Digital Cultural H...
Paul Clough Sheffield iSchool Evaluating Info Searching in Digital Cultural H...Paul Clough Sheffield iSchool Evaluating Info Searching in Digital Cultural H...
Paul Clough Sheffield iSchool Evaluating Info Searching in Digital Cultural H...scotdigich
 
El principio de cualquier victoria es conocer al enemigo
El principio de cualquier victoria es conocer al enemigoEl principio de cualquier victoria es conocer al enemigo
El principio de cualquier victoria es conocer al enemigoruben7778
 
Entrevista a Manuel Castells
Entrevista a Manuel CastellsEntrevista a Manuel Castells
Entrevista a Manuel Castellsflopereyra
 
Enfermedadescausadasporlacontaminacindelaire
Enfermedadescausadasporlacontaminacindelaire Enfermedadescausadasporlacontaminacindelaire
Enfermedadescausadasporlacontaminacindelaire fenz041
 
Green Your Retirement: Social(k)
Green Your Retirement: Social(k)Green Your Retirement: Social(k)
Green Your Retirement: Social(k)GreenBizNetwork
 
กองทัพไทยกับการเตรียมความพร้อมเ่ประชาคมอาเซียน
กองทัพไทยกับการเตรียมความพร้อมเ่ประชาคมอาเซียนกองทัพไทยกับการเตรียมความพร้อมเ่ประชาคมอาเซียน
กองทัพไทยกับการเตรียมความพร้อมเ่ประชาคมอาเซียนTeeranan
 
Internet semana 2 dia 2 practica 3
Internet semana 2 dia 2 practica 3Internet semana 2 dia 2 practica 3
Internet semana 2 dia 2 practica 3Xavier Hernandez
 
Csrt singapore workshop draft agenda 30jul12 1_
Csrt singapore workshop draft agenda 30jul12  1_Csrt singapore workshop draft agenda 30jul12  1_
Csrt singapore workshop draft agenda 30jul12 1_Teeranan
 
Volcom
VolcomVolcom
VolcomX_B
 

Destaque (20)

Mora jofre
Mora jofreMora jofre
Mora jofre
 
Reutilitzar la informació pública per innovar
Reutilitzar la informació pública per innovarReutilitzar la informació pública per innovar
Reutilitzar la informació pública per innovar
 
基礎構文班18回目
基礎構文班18回目基礎構文班18回目
基礎構文班18回目
 
Paul Clough Sheffield iSchool Evaluating Info Searching in Digital Cultural H...
Paul Clough Sheffield iSchool Evaluating Info Searching in Digital Cultural H...Paul Clough Sheffield iSchool Evaluating Info Searching in Digital Cultural H...
Paul Clough Sheffield iSchool Evaluating Info Searching in Digital Cultural H...
 
Pra latihan Excel
Pra latihan ExcelPra latihan Excel
Pra latihan Excel
 
El principio de cualquier victoria es conocer al enemigo
El principio de cualquier victoria es conocer al enemigoEl principio de cualquier victoria es conocer al enemigo
El principio de cualquier victoria es conocer al enemigo
 
Entrevista a Manuel Castells
Entrevista a Manuel CastellsEntrevista a Manuel Castells
Entrevista a Manuel Castells
 
Welcome packet!
Welcome packet!Welcome packet!
Welcome packet!
 
75947065
7594706575947065
75947065
 
Photo album 25
Photo album 25Photo album 25
Photo album 25
 
151222 GHK-k eta Sasietako Mankomunitatea
151222 GHK-k eta Sasietako Mankomunitatea151222 GHK-k eta Sasietako Mankomunitatea
151222 GHK-k eta Sasietako Mankomunitatea
 
Aldeia dos Reis Condado
Aldeia dos Reis CondadoAldeia dos Reis Condado
Aldeia dos Reis Condado
 
Enfermedadescausadasporlacontaminacindelaire
Enfermedadescausadasporlacontaminacindelaire Enfermedadescausadasporlacontaminacindelaire
Enfermedadescausadasporlacontaminacindelaire
 
Green Your Retirement: Social(k)
Green Your Retirement: Social(k)Green Your Retirement: Social(k)
Green Your Retirement: Social(k)
 
Screening 101
Screening 101Screening 101
Screening 101
 
กองทัพไทยกับการเตรียมความพร้อมเ่ประชาคมอาเซียน
กองทัพไทยกับการเตรียมความพร้อมเ่ประชาคมอาเซียนกองทัพไทยกับการเตรียมความพร้อมเ่ประชาคมอาเซียน
กองทัพไทยกับการเตรียมความพร้อมเ่ประชาคมอาเซียน
 
Internet semana 2 dia 2 practica 3
Internet semana 2 dia 2 practica 3Internet semana 2 dia 2 practica 3
Internet semana 2 dia 2 practica 3
 
Sem 2 dia 3 internet lab
Sem 2 dia 3 internet labSem 2 dia 3 internet lab
Sem 2 dia 3 internet lab
 
Csrt singapore workshop draft agenda 30jul12 1_
Csrt singapore workshop draft agenda 30jul12  1_Csrt singapore workshop draft agenda 30jul12  1_
Csrt singapore workshop draft agenda 30jul12 1_
 
Volcom
VolcomVolcom
Volcom
 

Semelhante a O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de Jorge Moreira, Revista O Instalador 240

Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Jorge Moreira
 
MOÇÃO DE APOIO da FEDERAÇÃO DAS EMPRESAS DE AQUICULTURA/ Audiencia Estaleiro ...
MOÇÃO DE APOIO da FEDERAÇÃO DAS EMPRESAS DE AQUICULTURA/ Audiencia Estaleiro ...MOÇÃO DE APOIO da FEDERAÇÃO DAS EMPRESAS DE AQUICULTURA/ Audiencia Estaleiro ...
MOÇÃO DE APOIO da FEDERAÇÃO DAS EMPRESAS DE AQUICULTURA/ Audiencia Estaleiro ...Ecotv Strallos
 
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030Idalina Leite
 
Como evitar as catástrofes no clima da terra
Como evitar as catástrofes no clima da terraComo evitar as catástrofes no clima da terra
Como evitar as catástrofes no clima da terraFernando Alcoforado
 
Como evitar as catastrofes no clima da terra
Como evitar as catastrofes no clima da terraComo evitar as catastrofes no clima da terra
Como evitar as catastrofes no clima da terraRoberto Rabat Chame
 
Um paraíso nas mãos da comunidade - Henrique Picarelli
Um paraíso nas mãos da comunidade - Henrique PicarelliUm paraíso nas mãos da comunidade - Henrique Picarelli
Um paraíso nas mãos da comunidade - Henrique PicarelliParatur
 
ae_ca8_ficha_avaliacao.doc
ae_ca8_ficha_avaliacao.docae_ca8_ficha_avaliacao.doc
ae_ca8_ficha_avaliacao.docIvoneSilva83
 
Exploração Ilegal da Madeira - Jornal Notícias
Exploração Ilegal da Madeira  - Jornal Notícias Exploração Ilegal da Madeira  - Jornal Notícias
Exploração Ilegal da Madeira - Jornal Notícias Rogério Marques Júnior
 
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentávelA petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentávelFernando Alcoforado
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia abarros
 
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Idalina Leite
 
Nuno Oliveira Seaconomics Seminário Coastwatch
Nuno Oliveira Seaconomics Seminário Coastwatch Nuno Oliveira Seaconomics Seminário Coastwatch
Nuno Oliveira Seaconomics Seminário Coastwatch Nuno Gaspar de Oliveira
 
Poluição e Extinção da Vida Marinha
Poluição e Extinção da Vida MarinhaPoluição e Extinção da Vida Marinha
Poluição e Extinção da Vida MarinhaNathal1aGh1lard1
 
Transporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambiental
Transporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambientalTransporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambiental
Transporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambientalthalitafsales
 
Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...
Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...
Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...MCRIT
 
Programa nacional de aceleração do crescimento e a realidades das comunidades...
Programa nacional de aceleração do crescimento e a realidades das comunidades...Programa nacional de aceleração do crescimento e a realidades das comunidades...
Programa nacional de aceleração do crescimento e a realidades das comunidades...CPPNE
 
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) lAula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) lHomero Alves de Lima
 

Semelhante a O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de Jorge Moreira, Revista O Instalador 240 (20)

Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
 
MOÇÃO DE APOIO da FEDERAÇÃO DAS EMPRESAS DE AQUICULTURA/ Audiencia Estaleiro ...
MOÇÃO DE APOIO da FEDERAÇÃO DAS EMPRESAS DE AQUICULTURA/ Audiencia Estaleiro ...MOÇÃO DE APOIO da FEDERAÇÃO DAS EMPRESAS DE AQUICULTURA/ Audiencia Estaleiro ...
MOÇÃO DE APOIO da FEDERAÇÃO DAS EMPRESAS DE AQUICULTURA/ Audiencia Estaleiro ...
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
 
Como evitar as catástrofes no clima da terra
Como evitar as catástrofes no clima da terraComo evitar as catástrofes no clima da terra
Como evitar as catástrofes no clima da terra
 
Como evitar as catastrofes no clima da terra
Como evitar as catastrofes no clima da terraComo evitar as catastrofes no clima da terra
Como evitar as catastrofes no clima da terra
 
Um paraíso nas mãos da comunidade - Henrique Picarelli
Um paraíso nas mãos da comunidade - Henrique PicarelliUm paraíso nas mãos da comunidade - Henrique Picarelli
Um paraíso nas mãos da comunidade - Henrique Picarelli
 
ae_ca8_ficha_avaliacao.doc
ae_ca8_ficha_avaliacao.docae_ca8_ficha_avaliacao.doc
ae_ca8_ficha_avaliacao.doc
 
1º Mb Grupo 06
1º Mb   Grupo 061º Mb   Grupo 06
1º Mb Grupo 06
 
Exploração Ilegal da Madeira - Jornal Notícias
Exploração Ilegal da Madeira  - Jornal Notícias Exploração Ilegal da Madeira  - Jornal Notícias
Exploração Ilegal da Madeira - Jornal Notícias
 
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentávelA petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
 
Teste 8,ºano
Teste 8,ºanoTeste 8,ºano
Teste 8,ºano
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia
 
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
 
Nuno Oliveira Seaconomics Seminário Coastwatch
Nuno Oliveira Seaconomics Seminário Coastwatch Nuno Oliveira Seaconomics Seminário Coastwatch
Nuno Oliveira Seaconomics Seminário Coastwatch
 
Poluição e Extinção da Vida Marinha
Poluição e Extinção da Vida MarinhaPoluição e Extinção da Vida Marinha
Poluição e Extinção da Vida Marinha
 
Transporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambiental
Transporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambientalTransporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambiental
Transporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambiental
 
Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...
Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...
Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...
 
Programa nacional de aceleração do crescimento e a realidades das comunidades...
Programa nacional de aceleração do crescimento e a realidades das comunidades...Programa nacional de aceleração do crescimento e a realidades das comunidades...
Programa nacional de aceleração do crescimento e a realidades das comunidades...
 
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) lAula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
 

Mais de Jorge Moreira

Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCDa cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCJorge Moreira
 
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Jorge Moreira
 
Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Jorge Moreira
 
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessTvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessJorge Moreira
 
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneA «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneJorge Moreira
 
O Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergO Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergJorge Moreira
 
Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I Jorge Moreira
 
Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Jorge Moreira
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...Jorge Moreira
 
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Jorge Moreira
 
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Jorge Moreira
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Jorge Moreira
 
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271Jorge Moreira
 
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Jorge Moreira
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Jorge Moreira
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Jorge Moreira
 
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018Jorge Moreira
 
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018Jorge Moreira
 
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Jorge Moreira
 
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Jorge Moreira
 

Mais de Jorge Moreira (20)

Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCDa cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
 
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
 
Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha
 
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessTvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
 
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneA «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
 
O Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergO Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta Thunberg
 
Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I
 
Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
 
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
 
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
 
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
 
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
 
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
 
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
 
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
 
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
 

O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de Jorge Moreira, Revista O Instalador 240

  • 1. 84 O Instalador Abril 2016 www.oinstalador.com O ouro vestido de negro A ameaça da indústria petrolífera em Portugal Para quem não tenha ainda acordado, deixamos aqui o despertador: só no Algarve estão neste momento firmados vários contratos de prospeção de petróleo e de gás. É uma sementeira de colunas de perfuração, umas frente às praias, outras que irão fazer furos de fracking em terra, sobretudo na serra. Sim. Vão de Aljezur a Vila Real de Santo António e os seus impactos visuais e ambientais, tanto na prospeção como na óbvia futura exploração, serão devastadores para a região algarvia, para a qualidade de vida das suas populações e para toda a atividade turística. Luísa Schmidt Texto e Fotos_Jorge Moreira [Ambientalista] Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
  • 2. O Instalador Abril 2016 www.oinstalador.com 85 Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS O governo anterior assinou em segredo uma série de contratos de prospeção e exploração com empresas petrolíferas, sem qualquer participação ou informação pública. Populações, autarcas, empresá- rios e ambientalistas estão revoltados com as negociatas secretas que pretendem perfurar mar e terra, com fracking incluído, seguindo o mau exemplo de alguns países, onde são bem visíveis as inevitáveis e catastróficas consequências socioeconó- micas e ambientais associadas à atividade, que afetam as populações vizinhas. Infeliz- mente, o novo governo, mesmo pressiona- do, ainda não demonstrou vontade política para alterar o cenário e a Galp prepara-se para iniciar já no próximo verão a primeira perfuração exploratória na Costa Alenteja- na. As concessões abarcam praticamente todo o litoral - de Viana do Castelo a Vila Real de Sto. António - e em terra - na zona Oeste, Barreiro e nas serras algarvias, em Aljezur e Tavira. Já num texto da minha autoria aqui publi- cado, de setembro de 2014, alertava para os perigos da exploração dos hidrocarbo- netos no Algarve. Posteriormente, após a saída nos media da notícia das conceções, as populações, autarquias e associações de empresários do Algarve, com especial relevo para a PALP (Plataforma Algarve Livre de Petróleo) e o MALP (Movimento Algarve Livre de Petróleo), começaram a manifestar-se contra a exploração de pe- tróleo e gás na região. Defendem especial- mente o Turismo, o setor com maior peso económico local e o maior exportador do país. Não será certamente difícil perceber o impacto que a prospeção e a exploração de petróleo terá nesta atividade e em todas as outras associadas - serviços, desporto, pesca, marisco, viveirismo, agricultura, etc. Alguém vai querer ir de férias para uma praia onde existem sinais de exploração e cuja iguaria é um marisco local com riscos de contaminação? Alguém irá querer usu- fruir da belíssima serra algarvia, entretanto destruída pelo fracking? E onde ficam as populações locais, suas atividades, bem como a fauna e flora autóctones, que são também o deleite dos visitantes. Querem acabar com o que de melhor Portugal ainda proporciona a quem mora e visita: beleza natural, que é uma fonte inesgo- tável de saúde socioeconómica! Por esse motivo e fartos de esperar por uma res- posta do governo, os dezasseis municípios que formam a AMAL, estão a proceder ao enquadramento jurídico e respetivo encaminhamento para a esfera judicial, na tentativa de travar em tribunal todo o processo na região. Fazem bem! Segundo Vítor Neto, da Associação Empresarial do Algarve NERA, a região irá perder entre 5 a 6 mil milhões de euros por ano se a exploração avançar. O “ouro negro” pode vir a ser tudo menos ouro para o Algarve e aparecer na lista negra dos operadores turísticos. Aos muitos estrangeiros e suas comuni- dades, que escolheram o Algarve como primeira ou segunda habitação e que também declararam presença na luta em questão, juntaram-se agora catorze ONGA internacionais que se opõem à exploração de petróleo na região. Entre as associações, encontram-se a vizinha espa- nhola Alianza Mar Blava, a norte-americana NRDC e a suíça Oceancare, que enviaram um manifesto conjunto ao governo portu- guês, fundamentando as preocupações ambientalistas.
  • 3. 86 O Instalador Abril 2016 www.oinstalador.com Neste terreno, a pesquisa e prospeção acarreta a priori atividade sísmica com explosões, que provocam impactes significativos nos ecossistemas marinhos, caracterizados por elevada biodiversi- dade, com destaque especial para os diversos cetáceos, peixes, tartarugas e aves marinhas. A exploração offshore vai destruir vastas áreas e colocar em risco todo este vasto e belíssimo património natural. A agravar a situação, o Algarve encontra-se em plena zona geológica sísmica, onde a atividade de prospeção e exploração poderá potenciar vastos desastres naturais, com consequências graves em vidas e estruturas humanas. De igual forma, as offshore podem sofrer acidentes, como aquele que ocorreu em 2010, na plataforma Deepwater Horizon no Golfo do México, operada pela BP, cuja explosão ocasionou um dos piores acidentes ecológicos de sempre. No mar algarvio existem vulcões de lama ricos em metano, gás que pode ser utilizado como fonte energética. Uma eventual exploração deste elemento ou um furo relativamente perto poderá provocar grandes desliza- mentos de depósitos e originar a erupção de um vulcão, tal como aconteceu em 2006 na Indonésia, com uma perfuração hidráulica nas imediações a desencadear a maior erupção de um vulcão de lama, que destruiu uma área habitada com cerca de 40.000 pessoas. Como quase sempre, as empresas petrolíferas envol- vidas apontam causas naturais para o desastre mas, precisamente neste caso, a revista Nature Geoscience relaciona diretamente a atividade da petrolífera com a erupção. Devemos ter em conta ainda que a exploração neste tipo de geologia pode libertar metano para a atmosfera, que irá agravar o problemática do efeito de estufa, na medida que este gás tem maior potencial que o CO2 . Paralelamente, a ati- vidade onshore irá certamente contaminar aquíferos, alguns de interesse económico, provocar atividade sísmica local e desca- racterizar a serra e o barrocal. No fracking, dependendo da tecnologia utilizada, é possível recorrer a químicos que são altamente nocivos para o ambiente e para saúde humana. Os potenciais riscos ambientais da explo- ração de hidrocarbonetos podem ser mais elevados se forem utilizadas técnicas de estimulação não convencionais, como a química, a termal, a perfuração horizontal, etc. No cômputo geral, não serão só as áreas naturais sensíveis afetadas como a Ria Formosa, o Barrocal ou a Serra Algarvia, mas também algumas praias de areias finas e douradas e as zonas subaquáticas ricas e belas. Mesmo sem qualquer tipo de acidente todas as atividades económicas da região serão afetadas, especialmente aquelas ligadas diretamente ao Turismo. Em plena exploração existirão muitas alternati- vas belas e limpas ao Algarve nas brochuras dos agentes turísticos estrangeiros. Todavia, se houver alguma tragédia, será o descala- bro para a sustentabilidade da região, com o agravamento dos riscos para a saúde pública e a segurança alimentar. Perante um Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
  • 4. O Instalador Abril 2016 www.oinstalador.com 87 Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS incidente, será que aqueles que assinaram as conceções sem o consentimento público, como um ato de prepotência fascista contra as populações locais, irão abarcar com as consequências? É uma pergunta que fica à qual se segue outra: será que os riscos e os danos valem a pena? Do ponto de vista ambiental, nada a ga- nhar, só a perder. Será nas zonas naturais, algumas sensíveis e ricas do ponto de vista da biodiversidade, que a atividade irá incidir, com o consequente ecocídeo do local e provavelmente da vizinhança. Socialmente, onde uma grande parte da população vive com alguma qualidade de vida que frui do contato com a natureza e das atividades económicas associadas ao turismo, a degradação das duas vertentes não trará mais-valias para as populações, pelo contrário. A nível económico, Mendes Bota, que é o atual assessor do comissário europeu Carlos Moedas, acha irrisório o valor das contrapartidas previstas para o Estado relativamente à exploração. Efetivamente, pela leitura dos contratos assinados para o Algarve, verificamos que após deduzidas as despesas, o Estado recebe das offshore entre 6% a 12% sobre o valor dos produtos comercializados. Em terra será de 3%, podendo chegar aos 8%. Não estão previstas contrapartidas para as regiões afetadas, nem salvaguardados os impactos nas pessoas, bens, atividades económicas e turismo, pelo que nem o povo, nem a região ficará a lucrar. Perderão imenso com a desvalorização da região, e prevejo à partida receitas menores, devido à queda internacional do preço do crude, à crescente procura de veículos elétricos e à necessária transição para uma economia menos dependente dos combustíveis fósseis. As concessões petrolíferas em Portugal aparecem em pleno contraciclo com as necessidades globais, agora firmadas pe- los governos de todo o mundo na COP 21, com o Estado português a comprometer- -se com metas ambiciosas para a redução da emissão de gases com efeito de estufa. Manter os recursos fósseis no subsolo e aumentar o peso das energias renováveis, conjuntamente com a aplicação de tecnolo- gias mais eficientes e uma economia verde generalizada, será a conjugação necessária para uma eficaz abordagem à problemática das alterações climáticas, e Portugal deve- rá apostar nessas vias, se quiser estar na vanguarda. Inconvenientemente, só a Galp prevê investir mais de mil milhões de euros por ano até 2020. Se esta verba fosse em parte ou na totalidade orientada para as renováveis como a solar, todos ficaríamos a ganhar - ambiente, as pessoas e a econo- mia global. Portugal proporciona períodos de exposição solar superior a outros países europeus, que com menor exposição, têm apostado mais nesta fonte energética. Mas a indústria petrolífera continua a exercer a sua influência poderosa no campo político, conseguindo concessões contra tudo e contra todos e sugando apoios financeiros que são de todos nós. Continua a alimentar uma economia que explora a natureza e subjuga as pessoas, obrigando-as a con- sumir os seus produtos e a arcarem com as consequências financeiras e ambientais que entretanto surjam. Sabe-se hoje que a indústria petrolífera tinha conhecimento, desde os anos setenta do século passado, das consequências da sua atividade para as alterações climáticas e tudo fez para ocultar tal facto. Sabe-se ainda que muita da indústria solar foi adquirida pelas petro- líferas para manterem o preço elevado dos painéis, com o intuito de dificultar o acesso ao solar. Esta gente coloca os interesses setoriais acima das pessoas e do Planeta. Por esse motivo não é gente de confiança nem de bem! Não podemos, nem devemos deixar o futuro do Algarve e de Portugal nas suas mãos. As conceções que o governo anterior assinou e que o atual teima em prosseguir à luz do progresso e da independência energética, só beneficiarão convenientemente as empresas envolvidas. Veja-se o Brasil, Angola ou Timor. Que mais-valias trouxe para as populações? Quem é que enriqueceu na verdade com a exploração dos hidrocarbonetos nesses países? O "ouro negro" não ilude quem vê a sua verdadeira natureza. O "ouro negro" alimenta uma economia sem futuro, que explora, polui e emite gases com efeito de estufa que estão a alterar dramaticamente o clima. O "ouro negro" não é ouro verdadeiro. É uma miragem que as corporações utilizam para enganar e enriquecer à sua custa, com a ajuda dos políticos de visão curta. Mas não deixa de ser negro, face ao cenário previsível se esta indústria continuar a reinar. Em termos energéticos, o "el dourado" vem do renovável. Que a nova era do mar, que Portugal tanto deseja explorar, não seja a Era da barbárie ecológica marítima, mas a Era da transição para uma política efetiva de preservação daquilo que de melhor temos e podemos continuar a "vender" sem destruir.