SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
80
DOSSIER AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS | OPINIÃO
Educaçãoparaa
emergênciaecológicaI
«O maravilhamento pela Natureza, que o olhar da criança transmite, faz com que a flor, a
borboleta ou o animal sejam percecionados como elementos seus familiares. Maltratar esses
seres é sentido naturalmente como algo de profundamente errado pela maioria das crianças».
Alcide Gonçalves [Arquiteta Paisagista]
e Jorge Moreira [Ambientalista e Investigador]
Limitar a educação à transmissão de conhecimento académico é correr o risco de estupidificar os
alunos, reduzindo-os à competição com os computadores, ao invés de focar em características
humanas fundamentais que permitem que a educação fique à frente dos progressos tecnológicos
e sociais. Pensar sobre a verdade, domínio do conhecimento humano e da aprendizagem; sobre o
belo, domínio da criatividade, da estética e do design; sobre o bem, domínio da ética; o justo, domínio
da vida política e cívica; o sustentável, domínio da saúde da natureza e física. São apenas alguns
exemplos. As competências sociais e emocionais que nos ajudam a viver e trabalhar juntos são cada
vez mais importantes para o sucesso no trabalho e na vida. Essas são as competências necessárias
para definir metas, trabalhar em equipa e gerir emoções. Desempenham um papel essencial em todas
as fases da vida. Juntamente com as capacidades cognitivas e de aprendizagem, é importante que os
alunos desenvolvam fortes competências sociais e emocionais, que os vão ajudar a equilibrar e definir
a sua personalidade. Isto pode incluir traços de caráter como perseverança, empatia, resiliência,
“mindfulness”, ética, coragem ou liderança
Andreas Schleicher, diretor do departamento de Educação da OCDE
Foto: Alcide Gonçalves
BI281_Libro.indb 80 25/9/19 13:21
81
DOSSIER AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS | OPINIÃO
A
lguns pedopsicólogos e filósofos chegaram à conclusão
que a criança nos primeiros estágios de vida traz consigo
uma perceção bio e ecocêntrica da vida. O maravilha-
mento pela Natureza, que o olhar da criança transmite, faz com
que a flor, a borboleta ou o animal sejam percecionados como
elementos seus familiares. Maltratar esses seres é sentido natu-
ralmente como algo de profundamente errado pela maioria das
crianças. Ora, sendo este facto facilmente verificável por pais e
educadores, porque é que a dada altura do seu percurso de vida,
uma criança outrora sensível, se torna num ser humano adulto
capaz de destruir uma floresta inteira pujante de vida, de diversi-
dade biológica e importante para as presentes e futuras gerações,
só para obter rapidamente e facilmente lucro para si próprio ou
para os interesses aos quais se encontra associado? Somos capa-
zes de adivinhar que algo de errado se passou durante a sua
formação como indivíduo, nomeadamente durante o seu per-
curso escolar.
De facto, os curricula refletem a cultura dominante da socie-
dade, determinada por uma visão padronizada marcadamente
antropocêntrica, utilitarista, egoísta, competitiva, materialista e
até especista, sem colocar em causa os seus modelos. Os edu-
candos são treinados para desempenhar um papel na sociedade
tal como ela é, encaixando-se num mundo de empregados e con-
sumidores, ao que Paulo Freire denominou de ‘modelo bancário’
desumanizante e opressivo da educação ocidental, que pensa no
conhecimento como capital que pode ser depositado em estu-
dantes vazios e depois extraído como dinheiro. Na mesma linha,
a Natureza é dada ao aluno como um conjunto de recursos ina-
nimados que podem ser explorados e transformados em ativos
que alimentam a economia vigente. As externalidades negativas e
os serviços ecossistémicos raramente são considerados. Segundo
os investigadores do Stockholm Resilience Centre, este modelo
económico globalizado é o principal promotor da crise ecológica,
mas na verdade, o que impulsiona este modelo, é a cultura de
afastamento e domínio da Natureza que o sistema educativo
hegemónico reflete.
Este modelo educativo está longe de formar indivíduos livres
pensadores, eticamente responsáveis e cidadãos conscientes,
que consigam atender às exigências prementes de si mesmos,
da sociedade e do Ambiente. O resultado deste sistema é a crise
multidimensional, cuja crise ecológica é a sua manifestação mais
evidente. Esta crise é uma ameaça que coloca no fio da navalha o
futuro da Humanidade, assim como de muitas outras formas de
vida que coabitam connosco no nosso planeta. A dimensão da
crise ainda se manifesta na iniquidade e na injustiça social – que
explora uns, facilitando outros; e na depressão – um desespero
interior que emana do desfasamento do indivíduo aos seus mais
profundos propósitos de vida.
A própria arquitetura e localização das escolas, confinadas a
cabines fechadas sem contacto direto com a Natureza, e onde a
transmissão de conhecimentos é virtual e alienada de uma ética
abrangente, afasta ainda mais os alunos e, por consequência,
as sociedades da Natureza e do mundo real. O conhecimento
chega fragmentado em componentes científicas, sendo muitas
vezes projetado abstratamente numa tela. Isto quer dizer que os
Foto: Jorge Moreira
BI281_Libro.indb 81 25/9/19 13:21
8282
DOSSIER AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS | OPINIÃO
conteúdos são aprendidos na maior parte das vezes fora do seu
contexto, e.g., a abordagem de um rio na sala de aula não for-
nece a dimensão das particularidades que entram pelos sentidos,
emoções, estética e holismo, que a sua presença real transmite.
Paralelamente, fragmentar o conhecimento em matérias, pro-
gramas, cursos, lições e objetivos não fornece uma visão global
dos problemas da sociedade, nem do Ambiente. A par disto, o
ensino convencional passa uma narrativa técnico-científica do
mundo, que nem sempre se encontra de acordo com a dinâmica
da vida, e por esse motivo, é uma narrativa incompleta, e até mui-
tas das vezes errada, que o educando absorve. A visão sistémica
que marca os elos entre os seres vivos e estes com os aspetos
abióticos, a ligação espiritual que liga tudo a tudo, a intuição, a
estética, o valor das emoções e a importância com o contacto
com a Natureza encontram-se normalmente ausentes na escola e
isto põe em causa a essência da própria humanidade e reflete as
fragilidades e as lacunas do ensino. Uma Educação com uma visão
fragmentada, onde predomina um Homem à-parte e acima da
Foto: Alcide Gonçalves.
Natureza e vocacionada para repercutir modelos competitivos,
que potencia indivíduos ego e antropocentrados, alguns deles,
futuros quadros de grandes empresas ou líderes políticos, vai
continuar a promover a insustentabilidade e a indiferença perante
as outras formas de vida ou a vida como um todo. Precisamos de
uma nova Educação capaz de solucionar a crise multidimensional
que nos abala.
Dúvidas não se colocam quanto aos inputs trazidos pelo conhe-
cimento científico aos próprios campos da ciência que todos
aprendemos nos manuais da escola e os contributos que veio
trazer e.g. à mudança de pensamento ao longo das épocas e
também, a transformação à vida de todos os dias através das múl-
tiplas aplicações tecnológicas. Mas, constata-se, em simultâneo,
a existência de um desfasamento entre a atual visão do mundo e
as práticas e valores adotados na nossa sociedade moderna o que
pode colocar em causa a sobrevivência da nossa espécie.
Um ensino apoiado só na ciência e no desenvolvimento do
pensamento racional poderá não ser suficiente para cons-
truir identidades ricas, onde se privilegiam os talentos de cada
individuo e onde possam ser desenvolvidos os vários fatores
formadores de identidades como a disciplina interior ou fatores
fomentadores de solidariedade, compaixão ou outros. É neces-
sário não esquecer que os processos de ensino e de educação
intelectual de jovens, ao visarem a sua formação geral e integral,
devem acrescentar a essa parte intelectual, a formação sócio-
-afectiva e moral.
No ponto 2 da Declaração de Veneza (UNESCO, 1986) é referido
que o conhecimento científico, devido a seu próprio movimento
interno, chegou aos limites onde pode começar o diálogo com
outras formas de conhecimento. Neste sentido, reconhecendo
as diferenças fundamentais entre a ciência e a tradição, cons-
tatamos não a sua oposição mas a sua complementaridade. O
encontro inesperado e enriquecedor entre a ciência e as diferen-
tes tradições do mundo permite pensar no aparecimento de uma
nova visão da humanidade, até mesmo num novo racionalismo,
que poderia levar a uma nova perspetiva metafísica.
É importante abandonar o estudo linear dos conhecimentos que
conduzem à visão fragmentada do mundo e ir em busca de novos
métodos de educação que aprofundem os nossos laços com a
Natureza e possam abrir as nossas mentes para um pensamento
mais próximo da complexidade da vida no seu todo. •
A visão sistémica que marca os elos entre os seres vivos
e estes com os aspetos abióticos, a ligação espiritual que
liga tudo a tudo, a intuição, a estética, o valor das emoções
e a importância com o contacto com a Natureza encontram-se
normalmente ausentes na escola e isto põe em causa a essência da
própria humanidade e reflete as fragilidades e as lacunas do ensino
BI281_Libro.indb 82 25/9/19 13:21

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...primeiraopcao
 
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricosIndisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricosprimeiraopcao
 
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...riccab
 
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosOs motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosprimeiraopcao
 
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTOALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTOJulhinha Camara
 
Educação na pós modernidade
Educação na pós modernidade Educação na pós modernidade
Educação na pós modernidade Silvânio Barcelos
 
Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015Jorci Ponce
 
Os conceitos e os caminhos da Educação
Os conceitos e os caminhos da EducaçãoOs conceitos e os caminhos da Educação
Os conceitos e os caminhos da EducaçãoPriscila Pettine
 

Mais procurados (12)

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula ...
 
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricosIndisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
Indisciplina escolar: diferentes olhares teóricos
 
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...
 
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosOs motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
 
Ctsa Eja 4
Ctsa Eja 4Ctsa Eja 4
Ctsa Eja 4
 
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTOALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
 
Daexclusoaincluso
DaexclusoainclusoDaexclusoaincluso
Daexclusoaincluso
 
2. escola e conhecimento
2. escola e conhecimento2. escola e conhecimento
2. escola e conhecimento
 
Educação na pós modernidade
Educação na pós modernidade Educação na pós modernidade
Educação na pós modernidade
 
Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015
 
ATPS ciencias
ATPS cienciasATPS ciencias
ATPS ciencias
 
Os conceitos e os caminhos da Educação
Os conceitos e os caminhos da EducaçãoOs conceitos e os caminhos da Educação
Os conceitos e os caminhos da Educação
 

Semelhante a Educação para a emergência ecológica I

Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprpfamiliaestagio
 
Resumo dimas floriani
Resumo dimas florianiResumo dimas floriani
Resumo dimas florianiMarta Sousa
 
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...FGVces
 
Apresentacao humanas
Apresentacao humanasApresentacao humanas
Apresentacao humanasLia Araújo
 
CAPÍTULO 3: Psicologia da Aprendizagem
CAPÍTULO 3: Psicologia da AprendizagemCAPÍTULO 3: Psicologia da Aprendizagem
CAPÍTULO 3: Psicologia da AprendizagemIsrael serique
 
Dengue artigo pedagogia bolsa pibid
Dengue artigo   pedagogia bolsa pibidDengue artigo   pedagogia bolsa pibid
Dengue artigo pedagogia bolsa pibidLucia Fagundes
 
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º ano
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º anoCurrículo referência ciências da natureza 6º ao 9º ano
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º anotecnicossme
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiafamiliaestagio
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiafamiliaestagio
 
Www espacoacademico com_br_083_83vieira_htm
Www espacoacademico com_br_083_83vieira_htmWww espacoacademico com_br_083_83vieira_htm
Www espacoacademico com_br_083_83vieira_htmLuiz Pereira
 
Apresentação morin
Apresentação morinApresentação morin
Apresentação morinebezerraf
 
Apresentação morin
Apresentação morinApresentação morin
Apresentação morinebezerraf
 
áReas de conhecimento e integração curricular
áReas de conhecimento e integração curricularáReas de conhecimento e integração curricular
áReas de conhecimento e integração curricularEdna Mattos
 
Paradigma Educacional Emergente
Paradigma Educacional EmergenteParadigma Educacional Emergente
Paradigma Educacional EmergenteNorma Almeida
 

Semelhante a Educação para a emergência ecológica I (20)

Resumo Caderno III
Resumo Caderno IIIResumo Caderno III
Resumo Caderno III
 
Caderno III
Caderno IIICaderno III
Caderno III
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprp
 
Resumo dimas floriani
Resumo dimas florianiResumo dimas floriani
Resumo dimas floriani
 
Keila01 projeto
Keila01 projetoKeila01 projeto
Keila01 projeto
 
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...
Formação Integrada para Sustentabilidade: Guia de Fundamentos e Práticas (Ver...
 
Apresentacao humanas
Apresentacao humanasApresentacao humanas
Apresentacao humanas
 
Valores humanos
Valores humanosValores humanos
Valores humanos
 
CAPÍTULO 3: Psicologia da Aprendizagem
CAPÍTULO 3: Psicologia da AprendizagemCAPÍTULO 3: Psicologia da Aprendizagem
CAPÍTULO 3: Psicologia da Aprendizagem
 
Dengue artigo pedagogia bolsa pibid
Dengue artigo   pedagogia bolsa pibidDengue artigo   pedagogia bolsa pibid
Dengue artigo pedagogia bolsa pibid
 
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º ano
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º anoCurrículo referência ciências da natureza 6º ao 9º ano
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º ano
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
 
Www espacoacademico com_br_083_83vieira_htm
Www espacoacademico com_br_083_83vieira_htmWww espacoacademico com_br_083_83vieira_htm
Www espacoacademico com_br_083_83vieira_htm
 
02 11 06_2408-7575-1-pb
02 11 06_2408-7575-1-pb02 11 06_2408-7575-1-pb
02 11 06_2408-7575-1-pb
 
Apresentação morin
Apresentação morinApresentação morin
Apresentação morin
 
Apresentação morin
Apresentação morinApresentação morin
Apresentação morin
 
áReas de conhecimento e integração curricular
áReas de conhecimento e integração curricularáReas de conhecimento e integração curricular
áReas de conhecimento e integração curricular
 
Afetividade na escola
Afetividade na escolaAfetividade na escola
Afetividade na escola
 
Paradigma Educacional Emergente
Paradigma Educacional EmergenteParadigma Educacional Emergente
Paradigma Educacional Emergente
 

Mais de Jorge Moreira

Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCDa cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCJorge Moreira
 
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Jorge Moreira
 
Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Jorge Moreira
 
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessTvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessJorge Moreira
 
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneA «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneJorge Moreira
 
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Jorge Moreira
 
O Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergO Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergJorge Moreira
 
Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Jorge Moreira
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...Jorge Moreira
 
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Jorge Moreira
 
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Jorge Moreira
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Jorge Moreira
 
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271Jorge Moreira
 
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Jorge Moreira
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Jorge Moreira
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Jorge Moreira
 
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018Jorge Moreira
 
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018Jorge Moreira
 
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Jorge Moreira
 
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Jorge Moreira
 

Mais de Jorge Moreira (20)

Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCDa cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
 
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
 
Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha
 
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessTvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
 
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneA «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
 
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
 
O Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergO Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta Thunberg
 
Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
 
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
 
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
 
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
 
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
 
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
 
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
 
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
 
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
 

Último

transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 

Último (20)

transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 

Educação para a emergência ecológica I

  • 1. 80 DOSSIER AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS | OPINIÃO Educaçãoparaa emergênciaecológicaI «O maravilhamento pela Natureza, que o olhar da criança transmite, faz com que a flor, a borboleta ou o animal sejam percecionados como elementos seus familiares. Maltratar esses seres é sentido naturalmente como algo de profundamente errado pela maioria das crianças». Alcide Gonçalves [Arquiteta Paisagista] e Jorge Moreira [Ambientalista e Investigador] Limitar a educação à transmissão de conhecimento académico é correr o risco de estupidificar os alunos, reduzindo-os à competição com os computadores, ao invés de focar em características humanas fundamentais que permitem que a educação fique à frente dos progressos tecnológicos e sociais. Pensar sobre a verdade, domínio do conhecimento humano e da aprendizagem; sobre o belo, domínio da criatividade, da estética e do design; sobre o bem, domínio da ética; o justo, domínio da vida política e cívica; o sustentável, domínio da saúde da natureza e física. São apenas alguns exemplos. As competências sociais e emocionais que nos ajudam a viver e trabalhar juntos são cada vez mais importantes para o sucesso no trabalho e na vida. Essas são as competências necessárias para definir metas, trabalhar em equipa e gerir emoções. Desempenham um papel essencial em todas as fases da vida. Juntamente com as capacidades cognitivas e de aprendizagem, é importante que os alunos desenvolvam fortes competências sociais e emocionais, que os vão ajudar a equilibrar e definir a sua personalidade. Isto pode incluir traços de caráter como perseverança, empatia, resiliência, “mindfulness”, ética, coragem ou liderança Andreas Schleicher, diretor do departamento de Educação da OCDE Foto: Alcide Gonçalves BI281_Libro.indb 80 25/9/19 13:21
  • 2. 81 DOSSIER AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS | OPINIÃO A lguns pedopsicólogos e filósofos chegaram à conclusão que a criança nos primeiros estágios de vida traz consigo uma perceção bio e ecocêntrica da vida. O maravilha- mento pela Natureza, que o olhar da criança transmite, faz com que a flor, a borboleta ou o animal sejam percecionados como elementos seus familiares. Maltratar esses seres é sentido natu- ralmente como algo de profundamente errado pela maioria das crianças. Ora, sendo este facto facilmente verificável por pais e educadores, porque é que a dada altura do seu percurso de vida, uma criança outrora sensível, se torna num ser humano adulto capaz de destruir uma floresta inteira pujante de vida, de diversi- dade biológica e importante para as presentes e futuras gerações, só para obter rapidamente e facilmente lucro para si próprio ou para os interesses aos quais se encontra associado? Somos capa- zes de adivinhar que algo de errado se passou durante a sua formação como indivíduo, nomeadamente durante o seu per- curso escolar. De facto, os curricula refletem a cultura dominante da socie- dade, determinada por uma visão padronizada marcadamente antropocêntrica, utilitarista, egoísta, competitiva, materialista e até especista, sem colocar em causa os seus modelos. Os edu- candos são treinados para desempenhar um papel na sociedade tal como ela é, encaixando-se num mundo de empregados e con- sumidores, ao que Paulo Freire denominou de ‘modelo bancário’ desumanizante e opressivo da educação ocidental, que pensa no conhecimento como capital que pode ser depositado em estu- dantes vazios e depois extraído como dinheiro. Na mesma linha, a Natureza é dada ao aluno como um conjunto de recursos ina- nimados que podem ser explorados e transformados em ativos que alimentam a economia vigente. As externalidades negativas e os serviços ecossistémicos raramente são considerados. Segundo os investigadores do Stockholm Resilience Centre, este modelo económico globalizado é o principal promotor da crise ecológica, mas na verdade, o que impulsiona este modelo, é a cultura de afastamento e domínio da Natureza que o sistema educativo hegemónico reflete. Este modelo educativo está longe de formar indivíduos livres pensadores, eticamente responsáveis e cidadãos conscientes, que consigam atender às exigências prementes de si mesmos, da sociedade e do Ambiente. O resultado deste sistema é a crise multidimensional, cuja crise ecológica é a sua manifestação mais evidente. Esta crise é uma ameaça que coloca no fio da navalha o futuro da Humanidade, assim como de muitas outras formas de vida que coabitam connosco no nosso planeta. A dimensão da crise ainda se manifesta na iniquidade e na injustiça social – que explora uns, facilitando outros; e na depressão – um desespero interior que emana do desfasamento do indivíduo aos seus mais profundos propósitos de vida. A própria arquitetura e localização das escolas, confinadas a cabines fechadas sem contacto direto com a Natureza, e onde a transmissão de conhecimentos é virtual e alienada de uma ética abrangente, afasta ainda mais os alunos e, por consequência, as sociedades da Natureza e do mundo real. O conhecimento chega fragmentado em componentes científicas, sendo muitas vezes projetado abstratamente numa tela. Isto quer dizer que os Foto: Jorge Moreira BI281_Libro.indb 81 25/9/19 13:21
  • 3. 8282 DOSSIER AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS | OPINIÃO conteúdos são aprendidos na maior parte das vezes fora do seu contexto, e.g., a abordagem de um rio na sala de aula não for- nece a dimensão das particularidades que entram pelos sentidos, emoções, estética e holismo, que a sua presença real transmite. Paralelamente, fragmentar o conhecimento em matérias, pro- gramas, cursos, lições e objetivos não fornece uma visão global dos problemas da sociedade, nem do Ambiente. A par disto, o ensino convencional passa uma narrativa técnico-científica do mundo, que nem sempre se encontra de acordo com a dinâmica da vida, e por esse motivo, é uma narrativa incompleta, e até mui- tas das vezes errada, que o educando absorve. A visão sistémica que marca os elos entre os seres vivos e estes com os aspetos abióticos, a ligação espiritual que liga tudo a tudo, a intuição, a estética, o valor das emoções e a importância com o contacto com a Natureza encontram-se normalmente ausentes na escola e isto põe em causa a essência da própria humanidade e reflete as fragilidades e as lacunas do ensino. Uma Educação com uma visão fragmentada, onde predomina um Homem à-parte e acima da Foto: Alcide Gonçalves. Natureza e vocacionada para repercutir modelos competitivos, que potencia indivíduos ego e antropocentrados, alguns deles, futuros quadros de grandes empresas ou líderes políticos, vai continuar a promover a insustentabilidade e a indiferença perante as outras formas de vida ou a vida como um todo. Precisamos de uma nova Educação capaz de solucionar a crise multidimensional que nos abala. Dúvidas não se colocam quanto aos inputs trazidos pelo conhe- cimento científico aos próprios campos da ciência que todos aprendemos nos manuais da escola e os contributos que veio trazer e.g. à mudança de pensamento ao longo das épocas e também, a transformação à vida de todos os dias através das múl- tiplas aplicações tecnológicas. Mas, constata-se, em simultâneo, a existência de um desfasamento entre a atual visão do mundo e as práticas e valores adotados na nossa sociedade moderna o que pode colocar em causa a sobrevivência da nossa espécie. Um ensino apoiado só na ciência e no desenvolvimento do pensamento racional poderá não ser suficiente para cons- truir identidades ricas, onde se privilegiam os talentos de cada individuo e onde possam ser desenvolvidos os vários fatores formadores de identidades como a disciplina interior ou fatores fomentadores de solidariedade, compaixão ou outros. É neces- sário não esquecer que os processos de ensino e de educação intelectual de jovens, ao visarem a sua formação geral e integral, devem acrescentar a essa parte intelectual, a formação sócio- -afectiva e moral. No ponto 2 da Declaração de Veneza (UNESCO, 1986) é referido que o conhecimento científico, devido a seu próprio movimento interno, chegou aos limites onde pode começar o diálogo com outras formas de conhecimento. Neste sentido, reconhecendo as diferenças fundamentais entre a ciência e a tradição, cons- tatamos não a sua oposição mas a sua complementaridade. O encontro inesperado e enriquecedor entre a ciência e as diferen- tes tradições do mundo permite pensar no aparecimento de uma nova visão da humanidade, até mesmo num novo racionalismo, que poderia levar a uma nova perspetiva metafísica. É importante abandonar o estudo linear dos conhecimentos que conduzem à visão fragmentada do mundo e ir em busca de novos métodos de educação que aprofundem os nossos laços com a Natureza e possam abrir as nossas mentes para um pensamento mais próximo da complexidade da vida no seu todo. • A visão sistémica que marca os elos entre os seres vivos e estes com os aspetos abióticos, a ligação espiritual que liga tudo a tudo, a intuição, a estética, o valor das emoções e a importância com o contacto com a Natureza encontram-se normalmente ausentes na escola e isto põe em causa a essência da própria humanidade e reflete as fragilidades e as lacunas do ensino BI281_Libro.indb 82 25/9/19 13:21