SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
72 O Instalador Novembro 2018 www.oinstalador.com
A ética biocêntrica para a saída da crise ambiental
A vida no centro do Universo
Texto e Fotos_Alcide Gonçalves [Arquiteta Paisagista] e Jorge Moreira [Ambientalista e Investigador]
Partilhamos com as outras espécies uma relação comum com a Terra.
Ao aceitar a perspectiva biocêntrica, consideramos o facto de sermos uma espécie animal como
uma característica fundamental da nossa existência. Consideramos isso como um aspecto
essencial da “condição humana”.
Não negamos as diferenças entre nós e as outras espécies, mas mantemos na vanguarda da
nossa consciência o facto de que, em relação aos ecossistemas naturais do nosso planeta,
somos apenas uma população de espécies entre muitas.
Paul Taylor, in "Respect for Nature" (1986)
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
O Instalador Novembro 2018 www.oinstalador.com 73
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
Diz-nos Ali Binazir, e após cálculos efetua-
dos para validar a ideia de que a vida humana
é um milagre, a probabilidade de cada um de
nós existir é de 1 em 700 biliões. Segundo
ele, e baseando-se num conto budista, os
seus cálculos elucidam o que esta antiga
tradição menciona acerca da preciosidade
da nossa existência.
À luz da ciência moderna, Mel Robbins
(2011), refere que essa probabilidade de
existirmos é de 1 em 400 biliões e, ainda
que haja uma diferença significativa de valor
numérico entre as duas fontes de estatística,
a gigantesca amostra necessária para que
se dê uma só ocorrência, ou seja o nosso
nascimento, reitera a verdadeira dimensão
do valor da vida.
Sabemos que no processo evolutivo, do
qual a Teoria da Seleção Natural de Darwin
(1858) estará nesta ideia base, o ser humano
é entendido como forma superior de vida,
encontrando-se no topo da cadeia evolutiva.
Pensamos que esta visão ajudou a cimentar
a ideia contida na Bíblia da superioridade hu-
mana, que conjuntamente com a atribuição
mecanicista da Natureza resultou no domínio
do Homem sobre a Natureza e em relação
aos outros seres viventes. Há (ou houve) uma
apropriação errónea ou deturpada do termo
“superior” e com isso uma acção desequili-
brada no seu papel comunitário planetário.
A sabedoria antiga, que emerge das várias
escolas dos mistérios que se perdem nos
tempos, fala-nos de uma evolução na Na-
tureza. Não de uma evolução darwiniana da
forma, mas de uma evolução da consciência
que flui de formas de vida mais simples para
formas mais complexas. Mas, mesmo para
essas escolas dos mistérios, que perce-
cionavam as consciências que habitam a
forma humana como consciências das mais
evoluídas, nunca fizeram-no de uma forma
de superioridade porque reviam nas formas
mais simples consciências irmãs em plena
evolução e também de que tudo se encontra
interligado em fios que são tecidos num enor-
me tear que tece a grande tapeçaria da vida.
Por esse motivo tinham uma ética centrada
na vida.
Mas a humanidade é apenas um membro
da comunidade de vida na Terra, apenas
uma espécies entre muitas outras no planeta
inteiro. Será então o respeito pela vida que
teremos que desenvolver como consciência
colectiva e reconhecer o valor intrínseco de
todas as formas de vida ou, simplesmente, o
valor pela sua existência.
74 O Instalador Novembro 2018 www.oinstalador.com
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
O Biocentrismo
O biocentrismo alarga o estatuto moral a toda a
vida. Para esta corrente ética, o facto de se estar
vivo é justificação suficiente para ser digno de
consideração e respeito. Um dos pioneiros que
abordou esta perspetiva foi Albert Schweitzer,
com a sua ética de reverência pela vida. Trata-se
deumramodobiocentrismo,emquetodaaforma
de vida, para além de possuir valor intrínseco, é
considerada sagrada, numa espécie de ‘mistério’
divino que cada ser possui, e por conseguinte, o
ser humano deve respeitar e evitar qualquer dano,
assim como acudir em seu socorro: O homem
não será realmente ético, senão quando cumprir
com a obrigação de ajudar toda a vida à qual
possa acudir, e quando evitar de causar prejuízo
a nenhuma criatura viva. Não perguntará então
por que razão esta ou aquela vida merecerá a sua
simpatia, como sendo valiosa, nem tampouco lhe
interessará saber se, e a que ponto, ela for ainda
suscetível de sensações. A vida como tal lhe será
sagrada. Ele não arrancará folhas de árvores; não
cortará flores; cuidará em não pisar em nenhum
bicho. Nas noites de verão, ao trabalhar à luz da
lâmpada, preferirá manter as janelas fechadas e
respirar um ar viciado, a ver inseto após inseto cair
na mesa com as asas queimadas. Nesta corrente
encontra-se implícita o respeito, o cuidado e
a compaixão para com todos os seres vivos.
Outros filósofos como Paul Taylor ou Goodpaster
também seguem linhas idênticas ao colocar a
tónica no estar/ser vivo, em vez da cognição
ou senciência. Todos defendem a igualdade
biocêntrica. A Ecologia olha para o ser humano,
da mesma forma que olha para as outras formas
de vida, como um produto de um processo evo-
lutivo, num complexo sistema interdependente
e interconectado constituído pelos seres vivos.
Esta forma científica reverte para um juízo moral,
em que não há seres mais importantes do que
outros. Para Taylor, cada organismo é per se um
centro teleológico de vida, portador de dignidade
inerente, o que lhe confere o estatuto de sujeito
moral, não devendo ser tratado como meio para
o fim de alguém. Assim, o ser humano é moral-
mente obrigado a proteger e promover o bem dos
membros da comunidade biótica por si próprios.
Ora, tão longe nos encontramos desta filosofia
centrada no valor e na sacralidade da vida. Na
verdade, vivemos numa sociedade reunida no
capitalismo, na exploração, na devastação e na
dessacralização da Natureza, onde os seres vivos
e outros pedaços da Natureza são convertidos
em ativos por uma economia que despreza a
casa, a origem e o sistema que suporta a vida.
Paralelamente, cada vez mais nos afastamos
O Instalador Novembro 2018 www.oinstalador.com 75
da fonte da vida e cada vez mais concentra-
mos a nossa atenção na tecnologia como
panaceia para todos os males. É verdade
que a tecnologia trouxe suporte de vida e
preencheu o nosso mundo. Mas também foi
um preenchimento asfixiante e até medonho.
Milhões de seres humanos são hoje facil-
mente escravizados e manipulados através
da tecnologia. Vários estudos ressaltam até
o potencial depressivo do uso da tecnologia,
chegando-se a recomendar o contacto com a
Natureza como forma de terapia para muitos
males da contemporaneidade.
A Respiração
Se a compreensão acerca de todos os seres
vivos terem estatuto moral for difícil de integrar
na nossa racionalidade, aliás como é uma
das dificuldades hercúleas desta corrente
biocêntrica, vamos então pelo caminho do Ar
para reconhecer a vida simplesmente como
sagrada e de valor único para qualquer ser,
indivíduo, organismo ou comunidade.
É pelo ato de respirar que nos encontramos
todos unidos. Denise Linn, diz isto de uma
forma muito simples mas peculiar e que des-
perta a nossa consciência quando a lemos.
Estamos em constante comunhão com o ar
pela respiração. É o Espírito do Ar universal
que nos une a todo o planeta. Trata-se de
elemento comum que dividimos com todas
as outras criaturas vivas da Terra. O ar que
inalamos foi inalado por nossos antepassados
e será inalado por nossos descendentes. Sem
a protecção do ar em volta do nosso planeta,
a vida, como a conhecemos, seria impossível.
(...) O Espírito do Ar é o sopro da vida, por meio
da inspiração e expiração.
Toda a vida pulsa, em ritmos diferentes,
mas sempre o mesmo tipo de movimento,
o de inspiração e de expiração. A Terra faz
o mesmo -respira-, como John Nelson nos
consegue demonstrar nos gifs animados
com base em imagens de satélite da NASA
(2013). E é neste grande fole que a vida
acontece. As mesmas condições para todas
as formas de existência.
A Estrutura material
Os átomos como elementos comuns às
várias formas de vida. As leis de Lavoisier
expressam claramente que não há fronteiras
entre as várias formas de vida apesar de estas
estarem separadas, incluindo os próprios
átomos de que são compostos. Nada se per-
de. Tudo se transforma. Então, neste grande
laboratório chamado Terra, partilhamos todos
os mesmos átomos. Três grandes protago-
nistas, hidrogénio (H), oxigénio (O2) e carbono
(C), associados a outros elementos químicos
geram o esplendor de toda a vida.
Haverá diferença entre o carbono contido
na árvore, no das estrelas, no que libertamos
pela nossa respiração ou o da estrutura mole-
cular do perfume de uma rosa? Apenas uma
relação de grandeza no número de átomos
que constituem os corpos dos diferentes
indivíduos nos separa.
Tal como nos transmite Berg, P. (1927-2013)
no seu livro Nano (2008), os átomos são os
blocos nos quais o cosmos está edificado. O
rearranjo entre eles (átomos) em infindáveis
maneiras diferentes produz a quase infinida-
de de diversidade e variedade da matéria -
orgânica e inorgânica -, que cria o mundo tal
como o percebemos com os nossos cinco
sentidos.
Onde reside a diferença entre
os seres para que se possa
valorizar mais uma determina-
da espécie?
É deste “bem próprio” que Taylor defende
o que ele designou por Perspectiva Bio-
cêntrica da Natureza e que se sumariza em
quatro postulados: i) Os humanos devem
ser encarados como membros da comuni-
dade da vida, detendo essa qualidade nos
mesmos termos que se aplicam a todos os
membros não humanos; ii) Os ecossistemas
naturais devem ser encarados como uma
teia complexa de elementos interligados, em
que o seu bom funcionamento biológico de
cada ser depende do bom funcionamento
dos demais; iii) Cada organismo individual
deve ser encarado como um centro teleoló-
gico de vida, perseguindo o seu próprio bem
no seu próprio modo; iv) A pretensão de que
os humanos são por natureza superiores às
outras espécies não tem substância, mes-
mo que estes sejam fundamentados em
critérios de mérito ou do conceito de valor
inerente, pelo que deve ser rejeitada como
nada mais que um preconceito irracional e
especista.
A nossa própria natureza fala-nos mais
alto e impõe-nos uma necessidade de voltar
à Natureza, numa perspetiva de respeito e
cuidado para com toda a vida, porque toda
a vida está conectada e toda a vida depende
das outras formas de vida e suas funções
determinadas no ecossistema terrestre. Assim
percecionou Schweitzer: Quando eu medito
sobre a vida, sinto a obrigação de respeitar
toda a vontade de viver do meu mundo circun-
dante do mesmo modo que a minha, sendo
o seu conceito de bem como a conservação
da vida, em promovê-la e elevá-la ao seu
valor supremo. Pelo contrário, o mal significa
aniquilar a vida, prejudicá-la, impedi-la no seu
desenvolvimento.
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biologia da Cognição: a teoria de Maturana e Varela e seus desdobramentos fil...
Biologia da Cognição: a teoria de Maturana e Varela e seus desdobramentos fil...Biologia da Cognição: a teoria de Maturana e Varela e seus desdobramentos fil...
Biologia da Cognição: a teoria de Maturana e Varela e seus desdobramentos fil...Gustavo Gitti
 
Autopoiésis no contexto sócio educacional
Autopoiésis no contexto sócio educacionalAutopoiésis no contexto sócio educacional
Autopoiésis no contexto sócio educacionalMarcia Moreira
 
Novo paradigma ecocosmico e a teologia
Novo paradigma ecocosmico e a teologiaNovo paradigma ecocosmico e a teologia
Novo paradigma ecocosmico e a teologiaAfonso Murad (FAJE)
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Finaljmeirelles
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Finaljmeirelles
 
Teoria do conhecimento em maturana e varela
Teoria do conhecimento em maturana e varelaTeoria do conhecimento em maturana e varela
Teoria do conhecimento em maturana e varelaAugusto Rodrigues
 
Autopiese, Linguagem, Cognição
Autopiese, Linguagem, Cognição Autopiese, Linguagem, Cognição
Autopiese, Linguagem, Cognição Lucila Pesce
 
Um fluido vital chamado ectoplasma
Um fluido vital chamado ectoplasmaUm fluido vital chamado ectoplasma
Um fluido vital chamado ectoplasmaventofrio
 
A nocao de sujeito edgar morin
A nocao de sujeito   edgar morinA nocao de sujeito   edgar morin
A nocao de sujeito edgar morinThiago Almeida
 
Emergentism - portugese
Emergentism - portugeseEmergentism - portugese
Emergentism - portugesecedric lemery
 
Evolucionismoxcriacionismo
EvolucionismoxcriacionismoEvolucionismoxcriacionismo
Evolucionismoxcriacionismomarceloamoreira
 

Mais procurados (17)

Biologia da Cognição: a teoria de Maturana e Varela e seus desdobramentos fil...
Biologia da Cognição: a teoria de Maturana e Varela e seus desdobramentos fil...Biologia da Cognição: a teoria de Maturana e Varela e seus desdobramentos fil...
Biologia da Cognição: a teoria de Maturana e Varela e seus desdobramentos fil...
 
Autopoiésis no contexto sócio educacional
Autopoiésis no contexto sócio educacionalAutopoiésis no contexto sócio educacional
Autopoiésis no contexto sócio educacional
 
Novo paradigma ecocosmico e a teologia
Novo paradigma ecocosmico e a teologiaNovo paradigma ecocosmico e a teologia
Novo paradigma ecocosmico e a teologia
 
O que é a vida?
O que é a vida?O que é a vida?
O que é a vida?
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
 
PrefáCio 1
PrefáCio 1PrefáCio 1
PrefáCio 1
 
Teoria do conhecimento em maturana e varela
Teoria do conhecimento em maturana e varelaTeoria do conhecimento em maturana e varela
Teoria do conhecimento em maturana e varela
 
Humberto Maturana
Humberto MaturanaHumberto Maturana
Humberto Maturana
 
Fluido vital
Fluido vital Fluido vital
Fluido vital
 
Autopiese, Linguagem, Cognição
Autopiese, Linguagem, Cognição Autopiese, Linguagem, Cognição
Autopiese, Linguagem, Cognição
 
Um fluido vital chamado ectoplasma
Um fluido vital chamado ectoplasmaUm fluido vital chamado ectoplasma
Um fluido vital chamado ectoplasma
 
A nocao de sujeito edgar morin
A nocao de sujeito   edgar morinA nocao de sujeito   edgar morin
A nocao de sujeito edgar morin
 
Emergentism - portugese
Emergentism - portugeseEmergentism - portugese
Emergentism - portugese
 
Evolucionismoxcriacionismo
EvolucionismoxcriacionismoEvolucionismoxcriacionismo
Evolucionismoxcriacionismo
 
Compl
ComplCompl
Compl
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
 

Semelhante a Vida Centro Universo

1554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-11554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-1KetlenBatista
 
Palestra ecologia à luz da doutrina espírita
Palestra   ecologia à luz da doutrina espíritaPalestra   ecologia à luz da doutrina espírita
Palestra ecologia à luz da doutrina espíritawilmar santos
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Jorge Moreira
 
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismoFELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismoLuciano Florit
 
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritualEcologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritualJorge Moreira
 
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...Jorge Moreira
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Cynthia Castro
 
Evolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x CriacionismoEvolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x CriacionismoRafael
 
Annie Besant - O Enigma da Vida
Annie Besant - O Enigma da VidaAnnie Besant - O Enigma da Vida
Annie Besant - O Enigma da Vidauniversalismo-7
 
De turbilhão a anjo a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...
De turbilhão a anjo   a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...De turbilhão a anjo   a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...
De turbilhão a anjo a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...Bruno Bartholomei
 
Cejain medio bio_termo1
Cejain medio bio_termo1Cejain medio bio_termo1
Cejain medio bio_termo1CEJAINSV
 
Ricklefs cap 1
Ricklefs cap 1Ricklefs cap 1
Ricklefs cap 1CAMPUS XIX
 
Cartilha de Consciência Ecológica Umbandista
Cartilha de Consciência Ecológica UmbandistaCartilha de Consciência Ecológica Umbandista
Cartilha de Consciência Ecológica UmbandistaHugo Acauã
 

Semelhante a Vida Centro Universo (20)

1554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-11554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-1
 
Palestra ecologia à luz da doutrina espírita
Palestra   ecologia à luz da doutrina espíritaPalestra   ecologia à luz da doutrina espírita
Palestra ecologia à luz da doutrina espírita
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
 
Evolução consciente
Evolução conscienteEvolução consciente
Evolução consciente
 
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismoFELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
 
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritualEcologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
 
Evolução Consciente
Evolução ConscienteEvolução Consciente
Evolução Consciente
 
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
 
Cultivando Consciência Ecológica
Cultivando Consciência EcológicaCultivando Consciência Ecológica
Cultivando Consciência Ecológica
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
 
Evolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x CriacionismoEvolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x Criacionismo
 
Annie Besant - O Enigma da Vida
Annie Besant - O Enigma da VidaAnnie Besant - O Enigma da Vida
Annie Besant - O Enigma da Vida
 
De turbilhão a anjo a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...
De turbilhão a anjo   a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...De turbilhão a anjo   a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...
De turbilhão a anjo a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...
 
Cejain medio bio_termo1
Cejain medio bio_termo1Cejain medio bio_termo1
Cejain medio bio_termo1
 
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
09 egoismo
 
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
09 egoismo
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
 
Ricklefs cap 1
Ricklefs cap 1Ricklefs cap 1
Ricklefs cap 1
 
Cartilha de Consciência Ecológica Umbandista
Cartilha de Consciência Ecológica UmbandistaCartilha de Consciência Ecológica Umbandista
Cartilha de Consciência Ecológica Umbandista
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 

Mais de Jorge Moreira

Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCDa cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCJorge Moreira
 
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Jorge Moreira
 
Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Jorge Moreira
 
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessTvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessJorge Moreira
 
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneA «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneJorge Moreira
 
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Jorge Moreira
 
O Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergO Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergJorge Moreira
 
Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I Jorge Moreira
 
Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Jorge Moreira
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...Jorge Moreira
 
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Jorge Moreira
 
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Jorge Moreira
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Jorge Moreira
 
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Jorge Moreira
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Jorge Moreira
 
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018Jorge Moreira
 
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018Jorge Moreira
 
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Jorge Moreira
 
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Jorge Moreira
 
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demaisA Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demaisJorge Moreira
 

Mais de Jorge Moreira (20)

Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCDa cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
 
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
 
Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha
 
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessTvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
 
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneA «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
 
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
 
O Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergO Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta Thunberg
 
Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I
 
Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
 
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
 
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
 
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
 
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
 
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
 
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
 
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
 
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demaisA Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
 

Último

INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxGeagra UFG
 
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfUFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfManuais Formação
 
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.pptNormasAgenda
 
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíRelatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíMarcelo Guerra
 
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol AquecedoresCatálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedoresdiogodidi3
 
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAdeferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAmjhordam
 
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdfRenandantas16
 

Último (7)

INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfUFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
 
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
 
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíRelatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
 
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol AquecedoresCatálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
 
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAdeferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
 
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
 

Vida Centro Universo

  • 1. 72 O Instalador Novembro 2018 www.oinstalador.com A ética biocêntrica para a saída da crise ambiental A vida no centro do Universo Texto e Fotos_Alcide Gonçalves [Arquiteta Paisagista] e Jorge Moreira [Ambientalista e Investigador] Partilhamos com as outras espécies uma relação comum com a Terra. Ao aceitar a perspectiva biocêntrica, consideramos o facto de sermos uma espécie animal como uma característica fundamental da nossa existência. Consideramos isso como um aspecto essencial da “condição humana”. Não negamos as diferenças entre nós e as outras espécies, mas mantemos na vanguarda da nossa consciência o facto de que, em relação aos ecossistemas naturais do nosso planeta, somos apenas uma população de espécies entre muitas. Paul Taylor, in "Respect for Nature" (1986) Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
  • 2. O Instalador Novembro 2018 www.oinstalador.com 73 Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS Diz-nos Ali Binazir, e após cálculos efetua- dos para validar a ideia de que a vida humana é um milagre, a probabilidade de cada um de nós existir é de 1 em 700 biliões. Segundo ele, e baseando-se num conto budista, os seus cálculos elucidam o que esta antiga tradição menciona acerca da preciosidade da nossa existência. À luz da ciência moderna, Mel Robbins (2011), refere que essa probabilidade de existirmos é de 1 em 400 biliões e, ainda que haja uma diferença significativa de valor numérico entre as duas fontes de estatística, a gigantesca amostra necessária para que se dê uma só ocorrência, ou seja o nosso nascimento, reitera a verdadeira dimensão do valor da vida. Sabemos que no processo evolutivo, do qual a Teoria da Seleção Natural de Darwin (1858) estará nesta ideia base, o ser humano é entendido como forma superior de vida, encontrando-se no topo da cadeia evolutiva. Pensamos que esta visão ajudou a cimentar a ideia contida na Bíblia da superioridade hu- mana, que conjuntamente com a atribuição mecanicista da Natureza resultou no domínio do Homem sobre a Natureza e em relação aos outros seres viventes. Há (ou houve) uma apropriação errónea ou deturpada do termo “superior” e com isso uma acção desequili- brada no seu papel comunitário planetário. A sabedoria antiga, que emerge das várias escolas dos mistérios que se perdem nos tempos, fala-nos de uma evolução na Na- tureza. Não de uma evolução darwiniana da forma, mas de uma evolução da consciência que flui de formas de vida mais simples para formas mais complexas. Mas, mesmo para essas escolas dos mistérios, que perce- cionavam as consciências que habitam a forma humana como consciências das mais evoluídas, nunca fizeram-no de uma forma de superioridade porque reviam nas formas mais simples consciências irmãs em plena evolução e também de que tudo se encontra interligado em fios que são tecidos num enor- me tear que tece a grande tapeçaria da vida. Por esse motivo tinham uma ética centrada na vida. Mas a humanidade é apenas um membro da comunidade de vida na Terra, apenas uma espécies entre muitas outras no planeta inteiro. Será então o respeito pela vida que teremos que desenvolver como consciência colectiva e reconhecer o valor intrínseco de todas as formas de vida ou, simplesmente, o valor pela sua existência.
  • 3. 74 O Instalador Novembro 2018 www.oinstalador.com Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS O Biocentrismo O biocentrismo alarga o estatuto moral a toda a vida. Para esta corrente ética, o facto de se estar vivo é justificação suficiente para ser digno de consideração e respeito. Um dos pioneiros que abordou esta perspetiva foi Albert Schweitzer, com a sua ética de reverência pela vida. Trata-se deumramodobiocentrismo,emquetodaaforma de vida, para além de possuir valor intrínseco, é considerada sagrada, numa espécie de ‘mistério’ divino que cada ser possui, e por conseguinte, o ser humano deve respeitar e evitar qualquer dano, assim como acudir em seu socorro: O homem não será realmente ético, senão quando cumprir com a obrigação de ajudar toda a vida à qual possa acudir, e quando evitar de causar prejuízo a nenhuma criatura viva. Não perguntará então por que razão esta ou aquela vida merecerá a sua simpatia, como sendo valiosa, nem tampouco lhe interessará saber se, e a que ponto, ela for ainda suscetível de sensações. A vida como tal lhe será sagrada. Ele não arrancará folhas de árvores; não cortará flores; cuidará em não pisar em nenhum bicho. Nas noites de verão, ao trabalhar à luz da lâmpada, preferirá manter as janelas fechadas e respirar um ar viciado, a ver inseto após inseto cair na mesa com as asas queimadas. Nesta corrente encontra-se implícita o respeito, o cuidado e a compaixão para com todos os seres vivos. Outros filósofos como Paul Taylor ou Goodpaster também seguem linhas idênticas ao colocar a tónica no estar/ser vivo, em vez da cognição ou senciência. Todos defendem a igualdade biocêntrica. A Ecologia olha para o ser humano, da mesma forma que olha para as outras formas de vida, como um produto de um processo evo- lutivo, num complexo sistema interdependente e interconectado constituído pelos seres vivos. Esta forma científica reverte para um juízo moral, em que não há seres mais importantes do que outros. Para Taylor, cada organismo é per se um centro teleológico de vida, portador de dignidade inerente, o que lhe confere o estatuto de sujeito moral, não devendo ser tratado como meio para o fim de alguém. Assim, o ser humano é moral- mente obrigado a proteger e promover o bem dos membros da comunidade biótica por si próprios. Ora, tão longe nos encontramos desta filosofia centrada no valor e na sacralidade da vida. Na verdade, vivemos numa sociedade reunida no capitalismo, na exploração, na devastação e na dessacralização da Natureza, onde os seres vivos e outros pedaços da Natureza são convertidos em ativos por uma economia que despreza a casa, a origem e o sistema que suporta a vida. Paralelamente, cada vez mais nos afastamos
  • 4. O Instalador Novembro 2018 www.oinstalador.com 75 da fonte da vida e cada vez mais concentra- mos a nossa atenção na tecnologia como panaceia para todos os males. É verdade que a tecnologia trouxe suporte de vida e preencheu o nosso mundo. Mas também foi um preenchimento asfixiante e até medonho. Milhões de seres humanos são hoje facil- mente escravizados e manipulados através da tecnologia. Vários estudos ressaltam até o potencial depressivo do uso da tecnologia, chegando-se a recomendar o contacto com a Natureza como forma de terapia para muitos males da contemporaneidade. A Respiração Se a compreensão acerca de todos os seres vivos terem estatuto moral for difícil de integrar na nossa racionalidade, aliás como é uma das dificuldades hercúleas desta corrente biocêntrica, vamos então pelo caminho do Ar para reconhecer a vida simplesmente como sagrada e de valor único para qualquer ser, indivíduo, organismo ou comunidade. É pelo ato de respirar que nos encontramos todos unidos. Denise Linn, diz isto de uma forma muito simples mas peculiar e que des- perta a nossa consciência quando a lemos. Estamos em constante comunhão com o ar pela respiração. É o Espírito do Ar universal que nos une a todo o planeta. Trata-se de elemento comum que dividimos com todas as outras criaturas vivas da Terra. O ar que inalamos foi inalado por nossos antepassados e será inalado por nossos descendentes. Sem a protecção do ar em volta do nosso planeta, a vida, como a conhecemos, seria impossível. (...) O Espírito do Ar é o sopro da vida, por meio da inspiração e expiração. Toda a vida pulsa, em ritmos diferentes, mas sempre o mesmo tipo de movimento, o de inspiração e de expiração. A Terra faz o mesmo -respira-, como John Nelson nos consegue demonstrar nos gifs animados com base em imagens de satélite da NASA (2013). E é neste grande fole que a vida acontece. As mesmas condições para todas as formas de existência. A Estrutura material Os átomos como elementos comuns às várias formas de vida. As leis de Lavoisier expressam claramente que não há fronteiras entre as várias formas de vida apesar de estas estarem separadas, incluindo os próprios átomos de que são compostos. Nada se per- de. Tudo se transforma. Então, neste grande laboratório chamado Terra, partilhamos todos os mesmos átomos. Três grandes protago- nistas, hidrogénio (H), oxigénio (O2) e carbono (C), associados a outros elementos químicos geram o esplendor de toda a vida. Haverá diferença entre o carbono contido na árvore, no das estrelas, no que libertamos pela nossa respiração ou o da estrutura mole- cular do perfume de uma rosa? Apenas uma relação de grandeza no número de átomos que constituem os corpos dos diferentes indivíduos nos separa. Tal como nos transmite Berg, P. (1927-2013) no seu livro Nano (2008), os átomos são os blocos nos quais o cosmos está edificado. O rearranjo entre eles (átomos) em infindáveis maneiras diferentes produz a quase infinida- de de diversidade e variedade da matéria - orgânica e inorgânica -, que cria o mundo tal como o percebemos com os nossos cinco sentidos. Onde reside a diferença entre os seres para que se possa valorizar mais uma determina- da espécie? É deste “bem próprio” que Taylor defende o que ele designou por Perspectiva Bio- cêntrica da Natureza e que se sumariza em quatro postulados: i) Os humanos devem ser encarados como membros da comuni- dade da vida, detendo essa qualidade nos mesmos termos que se aplicam a todos os membros não humanos; ii) Os ecossistemas naturais devem ser encarados como uma teia complexa de elementos interligados, em que o seu bom funcionamento biológico de cada ser depende do bom funcionamento dos demais; iii) Cada organismo individual deve ser encarado como um centro teleoló- gico de vida, perseguindo o seu próprio bem no seu próprio modo; iv) A pretensão de que os humanos são por natureza superiores às outras espécies não tem substância, mes- mo que estes sejam fundamentados em critérios de mérito ou do conceito de valor inerente, pelo que deve ser rejeitada como nada mais que um preconceito irracional e especista. A nossa própria natureza fala-nos mais alto e impõe-nos uma necessidade de voltar à Natureza, numa perspetiva de respeito e cuidado para com toda a vida, porque toda a vida está conectada e toda a vida depende das outras formas de vida e suas funções determinadas no ecossistema terrestre. Assim percecionou Schweitzer: Quando eu medito sobre a vida, sinto a obrigação de respeitar toda a vontade de viver do meu mundo circun- dante do mesmo modo que a minha, sendo o seu conceito de bem como a conservação da vida, em promovê-la e elevá-la ao seu valor supremo. Pelo contrário, o mal significa aniquilar a vida, prejudicá-la, impedi-la no seu desenvolvimento. Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS