SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
SISTEMA DIGESTÓRIO
Profº Jorge Luís
Componentes do Sistema Digestório
http://www.afh.bio.br/digest/img/Digest3ab.jpg
Cavidade Bucal
http://3.bp.blogspot.com/-1NBjPaeXPX8/T2YiKg59s5I/AAAAAAAAA-s/jHCqdmRrXis/s1600/boca_1.jpg
BOCA
BOCA
A maioria dos mamíferos mastiga o alimento antes desse
atravessar a faringe. Tal ato permite sua diminuição, umidificação
e, em alguns casos, o contato com enzimas digestivas presentes na
saliva (amilase e ptialina), que são responsáveis pela transformação
de glicogênio e amido em maltose. Nessa fase da digestão, a língua
tem um importante papel: além de auxiliar na diminuição e diluição do
alimento, permite a captura de sabores, estimulando a produção de
saliva. Os sais presentes nesta última neutralizam a possível acidez do
alimento.
FARINGE
http://1.bp.blogspot.com/_Xqgz_OrLti0/SiXCfoSvs4I/AAAAAAAAAJ0/okyrJUV_eGA/s400/faringe_corte+coronal.bmp
ESÔFAGO
http://www.auladeanatomia.com/digestorio/esofago2.jpg
FARINGE e ESÔFAGO
Após a mastigação, o bolo alimentar passa pela faringe e é
direcionado para o esôfago. Lá, movimentos peristálticos permitem que
o bolo seja direcionado ao estômago. Tal processo mecânico
permite, além desta função, misturá-lo aos sucos digestivos. Algumas
aves possuem nesse órgão uma região conhecida popularmente como
papo, onde o alimento é armazenado e amolecido.
ESTÔMAGO
http://www.presenteparahomem.com.br/wp-content/uploads/2009/12/anatomia-funcoes-estomago-humano-838.jpg
http://www.infoescola.com/wp-content/uploads/2010/04/estomago.jpg
ESTÔMAGO
No estômago, o suco gástrico – rico em ácido
clorídrico, pepsina, lipase e renina – fragmenta e desnatura proteínas
do bolo alimentar, atua sobre alguns lipídios, favorece a absorção de
cálcio e ferro, e mata bactérias. Este órgão, delimitado pelo esfíncter
da cárdia, entre ele e o esôfago; e pelo esfíncter pilórico, entre o
intestino, permite que o bolo fique retido ali, sem que ocorram refluxos.
Durante, aproximadamente, três horas, água e sais minerais são
absorvidos nesta cavidade. O restante, agora denominado
“quimo”, segue para o intestino delgado.
DIGESTÃO NO ESTÔMAGO
No estômago o alimento sofre a ação do suco gástrico que é secretado pelas
glândulas localizadas na parede estomacal. O muco é produzido pelas glândulas pilóricas e
cárdicas do estômago e lubrifica o bolo alimentar, além de proteger a parede do estômago
contra a ação das enzimas gástricas e do HCl.
O HCl apresenta as seguintes funções: facilita a absorção de ferro; proporciona um
pH ótimo para a digestão protéica; ativa o Pepsinogênio à Pepsina; age contra os germes
restringindo a fermentação microbiana (ação germicida).
As enzimas do suco gástrico são: pepsina, lípase gástrica, amilase gástrica.
A pepsina é uma enzima proteolítica (digere proteínas em peptídeos), que atua num
meio altamente ácido (pH = 2,0) e acima de pH = 5,0 apresenta pouca atividade
proteolítica, tornando-se inativa.
A lípase gástrica (tributirase) age sobre a tributirina (um tipo de gordura encontrado
no leite e seus derivados), quase não tem atividade lipolítica sobre as gorduras comuns. A
amilase gástrica não desempenha papel importante na digestão do amido.
A secreção gástrica é regulada por mecanismos nervosos e hormonais. A regulação
hormonal é realizada por meio de dois hormônios: gastrina e enterogastrona. A gastrina é
produzida pela mucosa da região pilórica do próprio estômago e tem ação estimulante sobre a
secreção gástrica. A enterogastrona é produzida no intestino delgado (duodeno) em presença
de gordura e inibe a secreção gástrica.
INTESTINO DELGADO
http://www.umm.edu/graphics/images/es/8940.jpg
http://karlla.patricia.zip.net/images/delgado.jpg
http://www.clickestudante.com/img/escolar/D871A.jpg
INTESTINO DELGADO
No intestino delgado ocorre a maior parte da digestão e absorção do que foi
ingerido. Este órgão é compreendido pelo duodeno, jejuno e íleo, e o processo se inicia
nessa primeira porção. Lá, com auxílio do suco intestinal, proteínas se transformam em
aminoácidos, e a maltose e alguns outros dissacarídeos são digeridos, graças a enzimas
como a enteroquinase, peptidase e carboidrase.
No duodeno há, também, o suco pancreático, que é lançado do pâncreas
através do canal de Wirsung. Este possui bicarbonato de
sódio, tripsina, quimiotripsina, lipase pancreática e amilopsina em sua constituição, que
permitem com que seja neutralizada a acidez do quimo, proteínas sejam transformadas
em oligopeptídios, lipídios resultem em ácidos graxos e glicerol, carboidratos sejam
reduzidos a maltose e DNA e RNA sejam digeridos. A bile, produzida no fígado, quebra
gorduras para que as lipases pancreáticas executem seu papel de forma mais eficiente.
A digestão se encerra na segunda e terceira porção do intestino delgado, pela
ação do suco intestinal. Suas enzimas:
maltase, sacarase, lactase, aminopeptidases, dipeptidases, tripeptidases, nucleosidades
e nucleotidases; permitem que moléculas se reduzam a nutrientes e estes sejam
absorvidos e lançados no sangue, com auxilio das vilosidades presentes no intestino. O
alimento passa a ter aspecto aquoso, esbranquiçado, e é chamado, agora, de quilo.
INTESTINO GROSSO
http://2.bp.blogspot.com/-y4Am6_CSYLI/T7B85jUfMUI/AAAAAAAAAg8/oP4bSzCNFCM/s1600/os+dia.jpg
INTESTINO GROSSO
O quilo se encaminha para o intestino grosso. Esse, dividido
em apêndice, cólon e reto, absorve água e sais minerais e direciona a
parte que não foi digerida do quilo para o reto, a fim de que seja
eliminada pelas fezes. Bactérias da flora intestinal permitem a
produção de vitaminas, como as K e B12.
DIGESTÃO NO INTESTINO
As enzimas encontradas no intestino delgado decorrem do suco pancreático, secretado
por um órgão anexo ao aparelho digestivo, o pâncreas.
Suco pancreático: é secretado pelo pâncreas (parte exócrina), seu pH é de 7,8 - 8,2
devido ao alto teor em bicarbonato. As enzimas desse suco são: Tripsina, quimotripsina, carboxi e
amino-peptidase, amilase pancreática, lípase pancreática, ribonuclease e desoxirribonuclease.
* TRIPSINA: é sintetizada nas células pancreáticas na forma do precursor inativo (tripsinogênio). A
ativação do tripsinogênio é, realizada pela enzima enteroquinase (produzida pelo intestino delgado).
O tripsinogênio também pode ser ativado pela própria tripsina (autocatálise). Esta enzima atua sobre
proteínas inteiras ou parcialmente digeridas produzindo frações menores (peptídeos).
* QUIMOTRIPSINA: é produzida pelo pâncreas na forma de quimotripsinogênio que é ativado pela
tripsina, passando, então a quimotripsina. Esta enzima age sobre proteínas inteiras ou parcialmente
digeridas produzindo frações menores (peptídeos).
* CARBOXI e AMINO PEPTIDASE: digerem peptídeos a aminoácidos pela região carboxi e amino
terminal, respectivamente.
* AMILASE PANCREÁTICA: hidrolisa os polissacarídeos a dissacarídeos. OBS: Alguns
polissacarídeos, como a celulose e a quitina, não são hidrolisados pelas amilases humanas.
* LIPASE PANCREÁTICA: hidrolisa as gorduras neutras, ácidos graxos e glicerol.
* NUCLEASES: (ribonuclease e desoxirribonuclease) hidrolisam, respectivamente, o ácido
ribonucléico e
o desoxirribonucléico a frações menores (nucleotídeos).
Continuação
A secreção pancreática é regulada por mecanismo nervoso e também hormonal.
A visão, o cheiro, o paladar e também a chegada do bolo alimentar ao estômago
desencadeiam impulsos
parassimpáticos através do nervo vago até o pâncreas, determinando uma secreção moderada do
suco pancreático.
A chegada do alimento ao intestino delgado estimula a mucosa duodenal a produzir os
hormônios secretina e pancreosina, que, por sua vez, estimulam o pâncreas a secretar o suco
pancreático.
A secretina é produzida em resposta à estimulação da acidez do bolo alimentar que chega
ao intestino delgado. O suco pancreático, que chega no duodeno, é altamente rico em bicarbonato
que tem por finalidade neutralizar a acidez do bolo alimentar e, assim, garantir a ação das enzimas
pancreáticas que funcionam em pH ligeiramente alcalino e neutro.
Outro anexo do aparelho digestivo é a vesícula biliar que armazena um líquido
denominado Bile.
A BILE emulsifica as gorduras, é produzida pelo fígado a partir de hemácias velhas e é
armazenada na vesícula biliar. Não apresenta enzimas digestivas. Possui sais biliares (glicolato e
taurocolato de sódio) que emulsionam as gorduras, facilitando a ação das lípases (aumentam a
superfície de ação). Outra função dos sais biliares é solubilizar os produtos finais da digestão
lipídica, facilitando assim a sua absorção através da mucosa intestinal. A presença de gordura no
intestino delgado estimula a mucosa duodenal a produzir o hormônio colecistoquinina, o qual age
determinando a contração da parede da vesícula que, então, elimina a bile para o intestino.
Em sua maior parte os sais biliares são reabsorvidos pelo intestino e a seguir reutilizados
pelo fígado várias vezes, antes de serem transformados em biliverdina (pigmento que da a cor às
fezes)
SUCO ENTÉRICO
É produzido pelo epitélio glandular das criptas de
Lieberkuhen, localizadas no intestino delgado.
O suco entérico (intestinal) contém muco, cuja função é proteger
a parede intestinal contra uma autodigestão, e as enzimas:
enteroquinase, erepsina e as enzimas produzidas pelo pâncreas:
lípase, amilase, maltase, lactase e sucrase. Seu pH está na faixa de 6,5 a
7,5.
A enteroquinase, além do papel de ativadora do
tripsinogênio, digere peptídeos a aminoácidos.
Importantes estímulos diretos ou reflexos regulam a secreção do
intestino delgado. A distensão do intestino e estímulos táteis ou irritantes
resultam em intensa secreção do suco intestinal. A secretina um dos
principais hormônios produzidos pelo intestino delgado, tem ação sobre as
células do ducto pancreático e do trato biliar, aumentando a secreção de
bicarbonato, o que produz um suco pancreático aquoso alcalino.
Da boca ao estômago
Na boca, a saliva já inicia o processo de digestão. A enzima
amilase salivar (ptialina) "quebra" as grandes moléculas de amido
(existentes nos carboidratos - pão, macarrão, etc.) em moléculas
menores, de maltose. Da boca, o bolo alimentar desce pela faringe, pelo
esôfago e chega ao estômago.
No estômago, onde ocorre produção de suco gástrico, a pepsina
(outra enzima), em meio ácido (presença de ácido clorídrico), inicia a
"quebra" das proteínas. Do estômago, o bolo alimentar passa ao intestino
delgado, onde será banhado por sucos digestivos produzidos pelo
pâncreas, pelo fígado e pela parede do intestino.
A primeira porção do intestino delgado é conhecida como duodeno (por ter
cerca de doze dedos de comprimento). Nessa região a tripsina, uma
enzima produzida pelo pâncreas, continua o processo de "quebra" das
proteínas iniciado no estômago e a amilase pancreática continua o
processo de digestão do amido.
Processo Digestivo
No duodeno se processa ainda a digestão das gorduras, onde
a bile (fabricada pelo fígado e armazenada na vesícula biliar) é
despejada e emulsifica a gordura. Ela transforma as "gotas grandes"
de gordura em "gotas menores" (como o detergente faz na louça
engordurada), aumentando a superfície de contato da lípase, uma
enzima produzida pelo pâncreas, com as moléculas de gordura.
Assim, os lipídeos ou gorduras são transformados em
componentes mais simples, os ácidos graxos e o glicerol, os quais
podem passar pelas paredes dos intestinos.
CONTINUAÇÃO
A região seguinte do intestino delgado pode ser subdividida em
jejuno (por ser encontrado geralmente vazio) e íleo (palavra de origem
grega que significa voltear - onde o intestino delgado faz
circunvoluções no interior de nosso ventre). Nessa região, as enzimas
conhecidas como peptidases completam a transformação das
proteínas em aminoácidos e a maltase (uma enzima produzida pela
parede do intestino) transforma a maltose em duas moléculas de
glicose. Outros açúcares também são digeridos nessa região.
Na porção final (íleo) ocorre a absorção das moléculas dos
alimentos que já foram quimicamente transformadas pelas enzimas e
assim são capazes de passar pela parede do intestino e ganhar o
sangue, que distribuirá essas moléculas a todas as células do corpo.
Nessa região, grande parte da água existente no bolo alimentar
também é absorvida. Os restos alimentares não digeridos chegam ao
intestino grosso, onde continua ocorrendo a absorção de água, e são
formadas as fezes pastosas que saem do corpo através do ânus.
Glândulas Salivares
As GLÂNDULAS SALIVARES estão ao redor da boca humana
e produzem a saliva, cuja função é de transformar amido em produtos
mais simples e inicia o processo digestivo. A saliva também contém
anticorpos protéicos que destroem as bactérias presentes na boca
inclusive as que provocam as cáries dentárias. O próprio fluxo salivar
remove as bactérias e as partículas alimentares que poderiam servir
de substratos para estes organismos patogênicos.
A glândula parótida é a maior das três glândulas salivares
pares. Localiza-se entre o ângulo da mandíbula e à base do cranio.A
maior parte da saliva serosa é produzida pela parótida.
A glândula submandibular é uma glândula salivar que localiza-
se abaixo da mandíbula. Produz a maior parte da saliva total liberada
na boca.
As glândulas sublinguais são glândulas salivares que têm
forma de uma pequena amêndoa, situada no o assoalho da boca. É
uma glândula de secreção puramente mucosa e morfologicamente é
uma glândula mista.
FÍGADO
O fígado, que pesa cerca de 1.400g, armazena
substâncias, como glicose (convertida em glicogênio), ferro e
vitaminas; sintetiza proteínas; inativa produtos tóxicos; metaboliza e
elimina resíduos gerados no próprio corpo (como a uréia , o ácido úrico
e o ácido lácteo). Bile ou Bílis, é um fluido produzido pelo
fígado, armazena-se na vesícula biliar e atua na digestão de
gorduras, de alguns alimentos e na absorção de substâncias nutritivas
da dieta ao passarem pelo intestino. A bile é excretada pelo
fígado, segue pelos ductos biliares, passa à vesícula, indo ao
intestino, onde emulsiona as gorduras; sua coloração geralmente é
amarela, apresentando uma tonalidade esverdeada.
PÂNCREAS
O pâncreas produz o suco pancreático, lançando no interior do
intestino delgado, além de hormônios, como a insulina e o glucagon. O
suco pancreático é uma secreção produzida pelo pâncreas que atua
no processo digestivo e, através do ducto pancreático é lançado na
cavidade do duodeno. O pH do suco pancreático oscila entre 8 e 8,3.
Sua secreção digestiva é responsável pela hidrólise da maioria das
moléculas de alimento, como carboidratos, proteínas, gorduras e
ácidos nucléicos.
ABSORÇÃO DOS ALIMENTOS
A absorção dos alimentos ocorre principalmente no intestino
delgado, que possui microvilosidades, estruturas responsáveis pelo
aumento da superfície de absorção. Ao nível do jejuno-íleo há uma
grande absorção de glicose, aminoácidos, etc. O estômago e o
intestino grosso também participam da absorção, principalmente de
água. Algumas substâncias são absorvidas por pinocitose, porém a
maior parte da absorção ocorre por difusão e transporte ativo.
Uma população bacteriana está presente no intestino
grosso, sendo responsável pela produção de
vitaminas: k, B12, tianina, riboflavina e vários gases.
Referências Bibliográficas
• http://educacao.uol.com.br/disciplinas/ciencias/sistema-digestivo-
absorcao-de-alimentos-e-eliminacao-de-residuos.htm (acesso em
30/06/2013)
• http://www.brasilescola.com/biologia/sistema-digestivo.htm (acesso
em 29/06/2013)
• http://sistemadiges.blogspot.com.br/2008/10/glndulas-salivares.html
(acesso em 28/06/2013)
• http://biologia.ifsc.usp.br/bio2/apostila/apost-fisiol-parte4.pdf (acesso
em 30/06/2013)
• O acesso de todas as figuras foi em 30/06/2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anatomia - Sistema Digestório
Anatomia - Sistema Digestório Anatomia - Sistema Digestório
Anatomia - Sistema Digestório Pedro Miguel
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaMarília Gomes
 
Sistema circulatorio slides da aula
Sistema circulatorio slides da aulaSistema circulatorio slides da aula
Sistema circulatorio slides da aulaFabiano Reis
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaFabiano Reis
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascularbandeiraneidi
 
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularPedro Miguel
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfáticoURCA
 
Sistema cardiovascular bárbara de castro
Sistema cardiovascular   bárbara de castroSistema cardiovascular   bárbara de castro
Sistema cardiovascular bárbara de castroBarbaraCastroLoureiro
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfáticoCatir
 
Aula 11 sistema respiratório
Aula 11   sistema respiratórioAula 11   sistema respiratório
Aula 11 sistema respiratórioHamilton Nobrega
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 

Mais procurados (20)

Anatomia - Sistema Digestório
Anatomia - Sistema Digestório Anatomia - Sistema Digestório
Anatomia - Sistema Digestório
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humana
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Sistema circulatorio slides da aula
Sistema circulatorio slides da aulaSistema circulatorio slides da aula
Sistema circulatorio slides da aula
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
 
Sistema cardiovascular bárbara de castro
Sistema cardiovascular   bárbara de castroSistema cardiovascular   bárbara de castro
Sistema cardiovascular bárbara de castro
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Sistema endócrino.pptx
Sistema endócrino.pptxSistema endócrino.pptx
Sistema endócrino.pptx
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
 
O Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
O Esqueleto Humano - Sistema ÓsseoO Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
O Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
 
Aula 11 sistema respiratório
Aula 11   sistema respiratórioAula 11   sistema respiratório
Aula 11 sistema respiratório
 
Sistema esqueletico.ppt
Sistema esqueletico.pptSistema esqueletico.ppt
Sistema esqueletico.ppt
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 

Destaque

Aula teorica minicurso modelagem de proteinas por homologia
Aula teorica minicurso modelagem de proteinas por homologiaAula teorica minicurso modelagem de proteinas por homologia
Aula teorica minicurso modelagem de proteinas por homologiaFabiano Reis
 
Introdução à Anatomia e Fisiologia Humana
Introdução à Anatomia e Fisiologia HumanaIntrodução à Anatomia e Fisiologia Humana
Introdução à Anatomia e Fisiologia HumanaEiderson Silva Cabral
 
Morfologia externa das angiospermas
Morfologia externa das angiospermasMorfologia externa das angiospermas
Morfologia externa das angiospermasFabiano Reis
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoFabiano Reis
 
Genética – leis de mendel slides
Genética – leis de mendel slidesGenética – leis de mendel slides
Genética – leis de mendel slidesFabiano Reis
 
Aula 06 Sistema nervoso e sensorial - anatomia
Aula 06   Sistema nervoso e sensorial - anatomiaAula 06   Sistema nervoso e sensorial - anatomia
Aula 06 Sistema nervoso e sensorial - anatomiaHamilton Nobrega
 
áCidos nucléicos slides
áCidos nucléicos slidesáCidos nucléicos slides
áCidos nucléicos slidesFabiano Reis
 
Genética – 2 lei de mendel
Genética – 2 lei de mendelGenética – 2 lei de mendel
Genética – 2 lei de mendelFabiano Reis
 
Genética probabilidade slides
Genética probabilidade slidesGenética probabilidade slides
Genética probabilidade slidesFabiano Reis
 
Bioestatistica basica completa-apresentacao
Bioestatistica basica completa-apresentacaoBioestatistica basica completa-apresentacao
Bioestatistica basica completa-apresentacaoFabiano Reis
 
Genética probabilidade slides
Genética probabilidade slidesGenética probabilidade slides
Genética probabilidade slidesFabiano Reis
 
Controle hormonal do ciclo menstrual
Controle hormonal do ciclo menstrualControle hormonal do ciclo menstrual
Controle hormonal do ciclo menstrualFabiano Reis
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosFabiano Reis
 

Destaque (20)

Bioquimica
BioquimicaBioquimica
Bioquimica
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Aula teorica minicurso modelagem de proteinas por homologia
Aula teorica minicurso modelagem de proteinas por homologiaAula teorica minicurso modelagem de proteinas por homologia
Aula teorica minicurso modelagem de proteinas por homologia
 
Introdução à Anatomia e Fisiologia Humana
Introdução à Anatomia e Fisiologia HumanaIntrodução à Anatomia e Fisiologia Humana
Introdução à Anatomia e Fisiologia Humana
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Morfologia externa das angiospermas
Morfologia externa das angiospermasMorfologia externa das angiospermas
Morfologia externa das angiospermas
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
 
Genética – leis de mendel slides
Genética – leis de mendel slidesGenética – leis de mendel slides
Genética – leis de mendel slides
 
Aula 06 Sistema nervoso e sensorial - anatomia
Aula 06   Sistema nervoso e sensorial - anatomiaAula 06   Sistema nervoso e sensorial - anatomia
Aula 06 Sistema nervoso e sensorial - anatomia
 
Bioquimica
BioquimicaBioquimica
Bioquimica
 
áCidos nucléicos slides
áCidos nucléicos slidesáCidos nucléicos slides
áCidos nucléicos slides
 
Genética – 2 lei de mendel
Genética – 2 lei de mendelGenética – 2 lei de mendel
Genética – 2 lei de mendel
 
Genética probabilidade slides
Genética probabilidade slidesGenética probabilidade slides
Genética probabilidade slides
 
Bioestatistica basica completa-apresentacao
Bioestatistica basica completa-apresentacaoBioestatistica basica completa-apresentacao
Bioestatistica basica completa-apresentacao
 
Sistema DigestóRio
Sistema DigestóRioSistema DigestóRio
Sistema DigestóRio
 
Genética probabilidade slides
Genética probabilidade slidesGenética probabilidade slides
Genética probabilidade slides
 
Controle hormonal do ciclo menstrual
Controle hormonal do ciclo menstrualControle hormonal do ciclo menstrual
Controle hormonal do ciclo menstrual
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Sistemanervoso
SistemanervosoSistemanervoso
Sistemanervoso
 

Semelhante a SISTEMA DIGESTORIO

Como Funciona o processo de digestão dos Alimentos
Como Funciona o processo de digestão dos AlimentosComo Funciona o processo de digestão dos Alimentos
Como Funciona o processo de digestão dos AlimentosTookmed
 
Sistema digestivo ou digestório
Sistema digestivo ou digestórioSistema digestivo ou digestório
Sistema digestivo ou digestórioRaimund M Souza
 
Digestão das proteínas e lipidios
Digestão das proteínas e lipidiosDigestão das proteínas e lipidios
Digestão das proteínas e lipidiosTaillany Caroline
 
01 Sist Digestivo Tc 0809
01 Sist Digestivo Tc 080901 Sist Digestivo Tc 0809
01 Sist Digestivo Tc 0809Teresa Monteiro
 
Aula 09 sistema digestório
Aula 09   sistema digestórioAula 09   sistema digestório
Aula 09 sistema digestórioJonatas Carlos
 
Sitema Digestório.pptx
Sitema Digestório.pptxSitema Digestório.pptx
Sitema Digestório.pptxFernanda Mello
 
Sistema Digestório_Oitavo.ppt
Sistema Digestório_Oitavo.pptSistema Digestório_Oitavo.ppt
Sistema Digestório_Oitavo.pptMiriamDantzger1
 
Apresentacao sistema digestorio1
Apresentacao sistema digestorio1Apresentacao sistema digestorio1
Apresentacao sistema digestorio1ANA LUCIA FARIAS
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivoCatir
 
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologiaAula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 

Semelhante a SISTEMA DIGESTORIO (20)

Como Funciona o processo de digestão dos Alimentos
Como Funciona o processo de digestão dos AlimentosComo Funciona o processo de digestão dos Alimentos
Como Funciona o processo de digestão dos Alimentos
 
Digestão
DigestãoDigestão
Digestão
 
DIGESTÃO.ppt
DIGESTÃO.pptDIGESTÃO.ppt
DIGESTÃO.ppt
 
Texto digestório
Texto digestórioTexto digestório
Texto digestório
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 
Sistema digestivo ou digestório
Sistema digestivo ou digestórioSistema digestivo ou digestório
Sistema digestivo ou digestório
 
Digestão das proteínas e lipidios
Digestão das proteínas e lipidiosDigestão das proteínas e lipidios
Digestão das proteínas e lipidios
 
Td 10 biologia i
Td 10   biologia iTd 10   biologia i
Td 10 biologia i
 
01 Sist Digestivo Tc 0809
01 Sist Digestivo Tc 080901 Sist Digestivo Tc 0809
01 Sist Digestivo Tc 0809
 
Aula 09 sistema digestório
Aula 09   sistema digestórioAula 09   sistema digestório
Aula 09 sistema digestório
 
Sitema Digestório.pptx
Sitema Digestório.pptxSitema Digestório.pptx
Sitema Digestório.pptx
 
Sitema Digestório.pptx
Sitema Digestório.pptxSitema Digestório.pptx
Sitema Digestório.pptx
 
Sistema Digestório_Oitavo.ppt
Sistema Digestório_Oitavo.pptSistema Digestório_Oitavo.ppt
Sistema Digestório_Oitavo.ppt
 
A digestão
A digestãoA digestão
A digestão
 
Apresentacao sistema digestorio1
Apresentacao sistema digestorio1Apresentacao sistema digestorio1
Apresentacao sistema digestorio1
 
Dtp11 sp
Dtp11 spDtp11 sp
Dtp11 sp
 
Sistemadigestório
SistemadigestórioSistemadigestório
Sistemadigestório
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologiaAula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologia
 

SISTEMA DIGESTORIO

  • 2. Componentes do Sistema Digestório http://www.afh.bio.br/digest/img/Digest3ab.jpg
  • 5. BOCA A maioria dos mamíferos mastiga o alimento antes desse atravessar a faringe. Tal ato permite sua diminuição, umidificação e, em alguns casos, o contato com enzimas digestivas presentes na saliva (amilase e ptialina), que são responsáveis pela transformação de glicogênio e amido em maltose. Nessa fase da digestão, a língua tem um importante papel: além de auxiliar na diminuição e diluição do alimento, permite a captura de sabores, estimulando a produção de saliva. Os sais presentes nesta última neutralizam a possível acidez do alimento.
  • 8. FARINGE e ESÔFAGO Após a mastigação, o bolo alimentar passa pela faringe e é direcionado para o esôfago. Lá, movimentos peristálticos permitem que o bolo seja direcionado ao estômago. Tal processo mecânico permite, além desta função, misturá-lo aos sucos digestivos. Algumas aves possuem nesse órgão uma região conhecida popularmente como papo, onde o alimento é armazenado e amolecido.
  • 10. ESTÔMAGO No estômago, o suco gástrico – rico em ácido clorídrico, pepsina, lipase e renina – fragmenta e desnatura proteínas do bolo alimentar, atua sobre alguns lipídios, favorece a absorção de cálcio e ferro, e mata bactérias. Este órgão, delimitado pelo esfíncter da cárdia, entre ele e o esôfago; e pelo esfíncter pilórico, entre o intestino, permite que o bolo fique retido ali, sem que ocorram refluxos. Durante, aproximadamente, três horas, água e sais minerais são absorvidos nesta cavidade. O restante, agora denominado “quimo”, segue para o intestino delgado.
  • 11. DIGESTÃO NO ESTÔMAGO No estômago o alimento sofre a ação do suco gástrico que é secretado pelas glândulas localizadas na parede estomacal. O muco é produzido pelas glândulas pilóricas e cárdicas do estômago e lubrifica o bolo alimentar, além de proteger a parede do estômago contra a ação das enzimas gástricas e do HCl. O HCl apresenta as seguintes funções: facilita a absorção de ferro; proporciona um pH ótimo para a digestão protéica; ativa o Pepsinogênio à Pepsina; age contra os germes restringindo a fermentação microbiana (ação germicida). As enzimas do suco gástrico são: pepsina, lípase gástrica, amilase gástrica. A pepsina é uma enzima proteolítica (digere proteínas em peptídeos), que atua num meio altamente ácido (pH = 2,0) e acima de pH = 5,0 apresenta pouca atividade proteolítica, tornando-se inativa. A lípase gástrica (tributirase) age sobre a tributirina (um tipo de gordura encontrado no leite e seus derivados), quase não tem atividade lipolítica sobre as gorduras comuns. A amilase gástrica não desempenha papel importante na digestão do amido. A secreção gástrica é regulada por mecanismos nervosos e hormonais. A regulação hormonal é realizada por meio de dois hormônios: gastrina e enterogastrona. A gastrina é produzida pela mucosa da região pilórica do próprio estômago e tem ação estimulante sobre a secreção gástrica. A enterogastrona é produzida no intestino delgado (duodeno) em presença de gordura e inibe a secreção gástrica.
  • 13. INTESTINO DELGADO No intestino delgado ocorre a maior parte da digestão e absorção do que foi ingerido. Este órgão é compreendido pelo duodeno, jejuno e íleo, e o processo se inicia nessa primeira porção. Lá, com auxílio do suco intestinal, proteínas se transformam em aminoácidos, e a maltose e alguns outros dissacarídeos são digeridos, graças a enzimas como a enteroquinase, peptidase e carboidrase. No duodeno há, também, o suco pancreático, que é lançado do pâncreas através do canal de Wirsung. Este possui bicarbonato de sódio, tripsina, quimiotripsina, lipase pancreática e amilopsina em sua constituição, que permitem com que seja neutralizada a acidez do quimo, proteínas sejam transformadas em oligopeptídios, lipídios resultem em ácidos graxos e glicerol, carboidratos sejam reduzidos a maltose e DNA e RNA sejam digeridos. A bile, produzida no fígado, quebra gorduras para que as lipases pancreáticas executem seu papel de forma mais eficiente. A digestão se encerra na segunda e terceira porção do intestino delgado, pela ação do suco intestinal. Suas enzimas: maltase, sacarase, lactase, aminopeptidases, dipeptidases, tripeptidases, nucleosidades e nucleotidases; permitem que moléculas se reduzam a nutrientes e estes sejam absorvidos e lançados no sangue, com auxilio das vilosidades presentes no intestino. O alimento passa a ter aspecto aquoso, esbranquiçado, e é chamado, agora, de quilo.
  • 15. INTESTINO GROSSO O quilo se encaminha para o intestino grosso. Esse, dividido em apêndice, cólon e reto, absorve água e sais minerais e direciona a parte que não foi digerida do quilo para o reto, a fim de que seja eliminada pelas fezes. Bactérias da flora intestinal permitem a produção de vitaminas, como as K e B12.
  • 16. DIGESTÃO NO INTESTINO As enzimas encontradas no intestino delgado decorrem do suco pancreático, secretado por um órgão anexo ao aparelho digestivo, o pâncreas. Suco pancreático: é secretado pelo pâncreas (parte exócrina), seu pH é de 7,8 - 8,2 devido ao alto teor em bicarbonato. As enzimas desse suco são: Tripsina, quimotripsina, carboxi e amino-peptidase, amilase pancreática, lípase pancreática, ribonuclease e desoxirribonuclease. * TRIPSINA: é sintetizada nas células pancreáticas na forma do precursor inativo (tripsinogênio). A ativação do tripsinogênio é, realizada pela enzima enteroquinase (produzida pelo intestino delgado). O tripsinogênio também pode ser ativado pela própria tripsina (autocatálise). Esta enzima atua sobre proteínas inteiras ou parcialmente digeridas produzindo frações menores (peptídeos). * QUIMOTRIPSINA: é produzida pelo pâncreas na forma de quimotripsinogênio que é ativado pela tripsina, passando, então a quimotripsina. Esta enzima age sobre proteínas inteiras ou parcialmente digeridas produzindo frações menores (peptídeos). * CARBOXI e AMINO PEPTIDASE: digerem peptídeos a aminoácidos pela região carboxi e amino terminal, respectivamente. * AMILASE PANCREÁTICA: hidrolisa os polissacarídeos a dissacarídeos. OBS: Alguns polissacarídeos, como a celulose e a quitina, não são hidrolisados pelas amilases humanas. * LIPASE PANCREÁTICA: hidrolisa as gorduras neutras, ácidos graxos e glicerol. * NUCLEASES: (ribonuclease e desoxirribonuclease) hidrolisam, respectivamente, o ácido ribonucléico e o desoxirribonucléico a frações menores (nucleotídeos).
  • 17. Continuação A secreção pancreática é regulada por mecanismo nervoso e também hormonal. A visão, o cheiro, o paladar e também a chegada do bolo alimentar ao estômago desencadeiam impulsos parassimpáticos através do nervo vago até o pâncreas, determinando uma secreção moderada do suco pancreático. A chegada do alimento ao intestino delgado estimula a mucosa duodenal a produzir os hormônios secretina e pancreosina, que, por sua vez, estimulam o pâncreas a secretar o suco pancreático. A secretina é produzida em resposta à estimulação da acidez do bolo alimentar que chega ao intestino delgado. O suco pancreático, que chega no duodeno, é altamente rico em bicarbonato que tem por finalidade neutralizar a acidez do bolo alimentar e, assim, garantir a ação das enzimas pancreáticas que funcionam em pH ligeiramente alcalino e neutro. Outro anexo do aparelho digestivo é a vesícula biliar que armazena um líquido denominado Bile. A BILE emulsifica as gorduras, é produzida pelo fígado a partir de hemácias velhas e é armazenada na vesícula biliar. Não apresenta enzimas digestivas. Possui sais biliares (glicolato e taurocolato de sódio) que emulsionam as gorduras, facilitando a ação das lípases (aumentam a superfície de ação). Outra função dos sais biliares é solubilizar os produtos finais da digestão lipídica, facilitando assim a sua absorção através da mucosa intestinal. A presença de gordura no intestino delgado estimula a mucosa duodenal a produzir o hormônio colecistoquinina, o qual age determinando a contração da parede da vesícula que, então, elimina a bile para o intestino. Em sua maior parte os sais biliares são reabsorvidos pelo intestino e a seguir reutilizados pelo fígado várias vezes, antes de serem transformados em biliverdina (pigmento que da a cor às fezes)
  • 18. SUCO ENTÉRICO É produzido pelo epitélio glandular das criptas de Lieberkuhen, localizadas no intestino delgado. O suco entérico (intestinal) contém muco, cuja função é proteger a parede intestinal contra uma autodigestão, e as enzimas: enteroquinase, erepsina e as enzimas produzidas pelo pâncreas: lípase, amilase, maltase, lactase e sucrase. Seu pH está na faixa de 6,5 a 7,5. A enteroquinase, além do papel de ativadora do tripsinogênio, digere peptídeos a aminoácidos. Importantes estímulos diretos ou reflexos regulam a secreção do intestino delgado. A distensão do intestino e estímulos táteis ou irritantes resultam em intensa secreção do suco intestinal. A secretina um dos principais hormônios produzidos pelo intestino delgado, tem ação sobre as células do ducto pancreático e do trato biliar, aumentando a secreção de bicarbonato, o que produz um suco pancreático aquoso alcalino.
  • 19. Da boca ao estômago Na boca, a saliva já inicia o processo de digestão. A enzima amilase salivar (ptialina) "quebra" as grandes moléculas de amido (existentes nos carboidratos - pão, macarrão, etc.) em moléculas menores, de maltose. Da boca, o bolo alimentar desce pela faringe, pelo esôfago e chega ao estômago. No estômago, onde ocorre produção de suco gástrico, a pepsina (outra enzima), em meio ácido (presença de ácido clorídrico), inicia a "quebra" das proteínas. Do estômago, o bolo alimentar passa ao intestino delgado, onde será banhado por sucos digestivos produzidos pelo pâncreas, pelo fígado e pela parede do intestino. A primeira porção do intestino delgado é conhecida como duodeno (por ter cerca de doze dedos de comprimento). Nessa região a tripsina, uma enzima produzida pelo pâncreas, continua o processo de "quebra" das proteínas iniciado no estômago e a amilase pancreática continua o processo de digestão do amido.
  • 20. Processo Digestivo No duodeno se processa ainda a digestão das gorduras, onde a bile (fabricada pelo fígado e armazenada na vesícula biliar) é despejada e emulsifica a gordura. Ela transforma as "gotas grandes" de gordura em "gotas menores" (como o detergente faz na louça engordurada), aumentando a superfície de contato da lípase, uma enzima produzida pelo pâncreas, com as moléculas de gordura. Assim, os lipídeos ou gorduras são transformados em componentes mais simples, os ácidos graxos e o glicerol, os quais podem passar pelas paredes dos intestinos.
  • 21. CONTINUAÇÃO A região seguinte do intestino delgado pode ser subdividida em jejuno (por ser encontrado geralmente vazio) e íleo (palavra de origem grega que significa voltear - onde o intestino delgado faz circunvoluções no interior de nosso ventre). Nessa região, as enzimas conhecidas como peptidases completam a transformação das proteínas em aminoácidos e a maltase (uma enzima produzida pela parede do intestino) transforma a maltose em duas moléculas de glicose. Outros açúcares também são digeridos nessa região. Na porção final (íleo) ocorre a absorção das moléculas dos alimentos que já foram quimicamente transformadas pelas enzimas e assim são capazes de passar pela parede do intestino e ganhar o sangue, que distribuirá essas moléculas a todas as células do corpo. Nessa região, grande parte da água existente no bolo alimentar também é absorvida. Os restos alimentares não digeridos chegam ao intestino grosso, onde continua ocorrendo a absorção de água, e são formadas as fezes pastosas que saem do corpo através do ânus.
  • 22. Glândulas Salivares As GLÂNDULAS SALIVARES estão ao redor da boca humana e produzem a saliva, cuja função é de transformar amido em produtos mais simples e inicia o processo digestivo. A saliva também contém anticorpos protéicos que destroem as bactérias presentes na boca inclusive as que provocam as cáries dentárias. O próprio fluxo salivar remove as bactérias e as partículas alimentares que poderiam servir de substratos para estes organismos patogênicos. A glândula parótida é a maior das três glândulas salivares pares. Localiza-se entre o ângulo da mandíbula e à base do cranio.A maior parte da saliva serosa é produzida pela parótida. A glândula submandibular é uma glândula salivar que localiza- se abaixo da mandíbula. Produz a maior parte da saliva total liberada na boca. As glândulas sublinguais são glândulas salivares que têm forma de uma pequena amêndoa, situada no o assoalho da boca. É uma glândula de secreção puramente mucosa e morfologicamente é uma glândula mista.
  • 23. FÍGADO O fígado, que pesa cerca de 1.400g, armazena substâncias, como glicose (convertida em glicogênio), ferro e vitaminas; sintetiza proteínas; inativa produtos tóxicos; metaboliza e elimina resíduos gerados no próprio corpo (como a uréia , o ácido úrico e o ácido lácteo). Bile ou Bílis, é um fluido produzido pelo fígado, armazena-se na vesícula biliar e atua na digestão de gorduras, de alguns alimentos e na absorção de substâncias nutritivas da dieta ao passarem pelo intestino. A bile é excretada pelo fígado, segue pelos ductos biliares, passa à vesícula, indo ao intestino, onde emulsiona as gorduras; sua coloração geralmente é amarela, apresentando uma tonalidade esverdeada.
  • 24. PÂNCREAS O pâncreas produz o suco pancreático, lançando no interior do intestino delgado, além de hormônios, como a insulina e o glucagon. O suco pancreático é uma secreção produzida pelo pâncreas que atua no processo digestivo e, através do ducto pancreático é lançado na cavidade do duodeno. O pH do suco pancreático oscila entre 8 e 8,3. Sua secreção digestiva é responsável pela hidrólise da maioria das moléculas de alimento, como carboidratos, proteínas, gorduras e ácidos nucléicos.
  • 25. ABSORÇÃO DOS ALIMENTOS A absorção dos alimentos ocorre principalmente no intestino delgado, que possui microvilosidades, estruturas responsáveis pelo aumento da superfície de absorção. Ao nível do jejuno-íleo há uma grande absorção de glicose, aminoácidos, etc. O estômago e o intestino grosso também participam da absorção, principalmente de água. Algumas substâncias são absorvidas por pinocitose, porém a maior parte da absorção ocorre por difusão e transporte ativo. Uma população bacteriana está presente no intestino grosso, sendo responsável pela produção de vitaminas: k, B12, tianina, riboflavina e vários gases.
  • 26. Referências Bibliográficas • http://educacao.uol.com.br/disciplinas/ciencias/sistema-digestivo- absorcao-de-alimentos-e-eliminacao-de-residuos.htm (acesso em 30/06/2013) • http://www.brasilescola.com/biologia/sistema-digestivo.htm (acesso em 29/06/2013) • http://sistemadiges.blogspot.com.br/2008/10/glndulas-salivares.html (acesso em 28/06/2013) • http://biologia.ifsc.usp.br/bio2/apostila/apost-fisiol-parte4.pdf (acesso em 30/06/2013) • O acesso de todas as figuras foi em 30/06/2013.