SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
A matéria é constituída de partículas eletricamente carregadas; assim, não é
surpreendente que seja possível converter a energia química em energia elétrica
e vice-versa?
Eletroquímica
É a parte da Química que estuda a
relação entre a corrente elétrica e as reações
químicas.
Energia química energia elétrica
pilhas
eletrólise
Células galvânicas ou eletroquímicas
Um dispositivo que permite a interconversão de energia
química e elétrica
1. Pilhas: a energia química é convertida em energia
elétrica. Neste caso a reação química é espontânea.
2. Células eletrolíticas: a energia elétrica é convertida em
energia química. Neste caso a energia elétrica de uma
fonte externa é utilizada para produzir reações químicas.
REAÇÕES DE OXI-REDUÇÃO
Reações que se caracterizam pela transferência de elétrons.
Zn0 + CuSO4 ZnSO4 + Cu0
15 a 20 minutos
Lâmina de Zn
Solução aquosa de CuSO4
Solução com menos CuSO4
e um pouco de ZnSO4
Zn
Depósito de Cu
PILHAS
É um dispositivo onde uma reação de óxido-redução espontânea
produz corrente elétrica.
Neste caso, o Zn0 entrega os elétrons ao Cu2+ através de um fio
externo – teremos a chamada pilha de Daniell.
Ele empilhou alternadamente discos de zinco e de cobre,
separando-os por pedaços de tecido embebidos em solução
de ácido sulfúrico.
A pilha de Volta, produzia energia elétrica sempre que um fio
condutor era ligado aos discos de zinco e de cobre,
colocados na extremidade da pilha.
HISTÓRICO
Luigi Aloisio Galvani (1737-1798): criou uma teoria admitindo a
existência de uma eletricidade animal.
Alessandro Volta (1745 -1827): a eletricidade tem origem nos
metais. Criou a 1ª pilha em 1800. Precursor da produção de eletricidade
em fluxo contínuo.
John Frederic Daniell (1790 – 1845): substituiu, nas
pilhas, as soluções ácidas pelas soluções de sais.
Em 1836, John Frederick Daniell construiu uma pilha com eletrodos
de cobre e zinco em uma cela individual e um tubo que ligava as soluções
salinas (ponte salina). Esta pilha ficou conhecida como pilha de Daniell.
Funcionamento da pilha:
 Semelhante a de Volta: possuem os mesmos eletrodos;
 Diferenças em relação a de Volta: os eletrodos estão em compartimentos
separados, e a utilização da ponte de salina, que é responsável pelo
fechamento do circuito elétrico.
Denominações dos materiais utilizados nas pilhas
Ânodo: eletrodo que emite elétrons para o circuito externo
Cátodo: eletrodo que recebe elétrons do circuito externo
Representação convencionada pela IUPAC para as pilhas
Ânodo/Solução do ânodo//Solução do cátodo/Cátodo
Ponte de salina: permite a movimentação de íons de uma cela para outra,
nos dois sentidos
Zn0(s)|Zn2+ (1mol/L) || Cu2+ (1 mol/L) |Cu0(s) (25 0C)
Exercício de sala...
Sabendo que o metal cobalto pode ceder elétrons espontaneamente
para os íons Au3+, e considerando a pilha:
Co0(s) | Co2+ (1mol/L) || Au3+ (1mol/L) | Au0 (s) (25 0C)
responda as seguintes perguntas:
a) Quais as semi-reações? Qual a reação global do processo?
b) Quem se oxida? Quem se reduz?
c) Qual é o eletrodo positivo? Qual é o eletrodo negativo?
d) Em que sentido fluem os elétrons pelo fio?
e) Qual eletrodo será gasto? Qual tera a sua massa aumentada?
f) Qual das duas soluções irá se diluir? Qual irá se concentrar?
Potencial do eletrodo
É a tendência em deslocar o equilíbrio da reação para o sentido da
oxidação ou redução, é simbolizado por E0.
Eoxid Ered
Fatores que interferem no potencial do eletrodo:
Temperatura
Concentração dos íons da solução
Maior temperatura do eletrodo  maior tendência a perder elétrons  maior Eoxid
Menor Eoxidmaior Eredmaior tendência a receber e-maior conc. cátions
Medida de potencial do eletrodo
A medida do potencial do eletrodo é efetuada nas seguintes condições:
- Temperatura de 25 0C;
- Concentração da solução igual a 1 molar;
- Pressão de 1 atm.
O valor medido é o potencial normal do eletrodo, simbolizado por E0.
O potencial padrão de hidrogênio é o referencial usado para medida de
potencial do eletrodo e a unidade de medida convencional para potencial
elétrico é o volt (V).
Eletrodo padrão de hidrogênio
- Solução 1M de um ácido;
- Fluxo de gás hidrogênio, p = 1 atm e T = 25 0C;
- Lâmina de platina (absorve este gás na superfície do metal)
2H+ + 2e- H2(g)
Ao eletrodo padrão de hidrogênio associou-se o valor nulo.
Então, para medir o potencial normal do eletrodo de zinco, basta ligá-lo ao
eletrodo padrão em uma montagem semelhante a pilha de Daniell
Para o eletrodo de zinco:
O voltímetro acusa uma ddp de 0,76V e indica que o movimento dos
elétrons é do eletrodo Zn0/Zn2+ para o eletrodo padrão.
Eletrodo Zn0/Zn2+ : E0
oxid = +0,76 V
E0
red = -0,76 V
Eletrodo padrão : E0
oxid = 0 V
Medida do potencial do eletrodo
Para o eletrodo de cobre:
O voltímetro acusa uma ddp de 0,34V e indica que o movimento dos
elétrons é do eletrodo padrão para o eletrodo Cu0/Cu2+.
Eletrodo Cu0/Cu2+ : E0
red = +0,34 V
E0
oxid = -0,34 V
Eletrodo padrão : E0
red = 0 V
Exercício de sala...
Semi-reação E0
red
Al3+ + 3e-  Al -1,66V
Co2+ + 2e-  Co -0,28V
a) Qual deles se reduz mais facilmente?
b) Qual deles se oxida mais facilmente?
c) Qual o melhor agente redutor?
d) Qual o melhor agente oxidante?
e) Qual o valor do E0
oxid do eletrodo Al?
Cálculo da ddp (E0) ou força eletromotriz (fem)
E0 = E0oxid + E0red
Assim, para a pilha de Daniell, temos:
Eletrodo Zn0/Zn2+ : E0
oxid = +0,76 V
Eletrodo Cu2+/Cu0 : E0
red = +0,34 V
E0 = +0,76 + 0,34 = 1,10 V
Pilha e espontaneidade
As reações que ocorrem em uma pilha são espontâneas, pois basta
montar a aparelhagem para que o processo se efetue por si próprio.
Em um processo espontâneo, o valor de E0 é sempre positivo.
Isto nos permite prever a ocorrência de reações de oxirredução.
Verifique se ocorre a seguinte reação:
Cu0 + Fe2+  Cu2+ + Fe0
Na tabela de potenciais observa-se que:
Cu2+ + 2e-  Cu0 E0red = + 0,34 V
Fe2+ + 2e-  Fe0 E0red = - 0,44 V
E0 = E0oxid + E0red
= - 0,34 – 0,44 = - 0,78 V
Como E0 < 0, o processo
não é espontâneo, e a reação
não ocorre
PILHA DE MÃO
Constituída de dois eletrodos: um de cobre e outro de alumínio,
conectadas a um voltímetro.
Nos dois pólos: negativo (alumínio) e positivo (cobre) ocorrem as semi-
reações de oxidação e redução, respectivamente. Mas a pilha só entra em
funcionamento quando o circuito é fechado, e isto ocorre no momento em
que uma pessoa coloca suas duas mãos nos eletrodos.
Os sais presentes no suor das mãos estão dissociados em íons que são
responsáveis pelo transporte da corrente elétrica.
A pilha de mãos funciona com duas ou mais pessoas. Entretanto, o fluxo
da corrente elétrica fica mais fraco, aumentando a resistência e
consequentemente diminuindo a intensidade de corrente elétrica.
Tipos de pilha
Inventado pelo francês Gaston Piantei em 1860.
É uma associação de pilhas ligadas em série. O potencial de cada pilha é
aproximadamente 2V. Uma bateria de pilhas, que é a mais comum nos
carros modernos, fornece uma tensão de 12V.
Constituída de dois eletrodos; um de chumbo e o outro de dióxido de
chumbo, ambos mergulhados em uma solução de ácido sulfúrico com
densidade aproximada de 1,30g/mL..
Quando o circuito externo é fechado, conectando eletricamente os
terminais, a bateria entra em funcionamento (descarga), ocorrendo a semi-
reação de oxidação no chumbo e a de redução no dióxido de chumbo.
Durante o funcionamento normal de um automóvel, a bateria fornece
eletricidade para dar partida; para acender os faróis; ligar o rádio, limpador,
setas, buzina, etc. e recebe energia do gerador para se recarregar.
ACUMULADOR OU BATERIA DE CHUMBO
PILHA DE LECLANCHÉ (PILHA SECA ou PILHA COMUM)
Inventada em 1866 pelo engenheiro francês George Leclanhé (1839-1882).
Dão voltagem de 1,5V, e são extensivamente usadas em lanternas, rádios
portáteis, gravadores, brinquedos, flashes, etc.
Formada por um cilindro de zinco metálico, que funciona como ânodo,
separado das demais espécies químicas presentes na pilha por um papel
poroso.
O cátodo é o grafite coberto por uma camada de dióxido de manganês,
carvão em pó e uma pasta úmida contendo cloreto de amônio e cloreto de
zinco.
A expressão pilha seca é apenas uma designação comercial que foi criada
para diferenciar este tipo de pilha (revolucionário na época) da pilha de
Daniell.
O ânodo é feito de zinco altamente poroso, que permite uma oxidação
mais rápida em relação ao zinco utilizado na pilha seca comum.
PILHA SECA ALCALINA ou PILHA COMUM ALCALINA
São semelhantes à de Leclanché. As principais
diferenças são:
A mistura eletrolítica contém KOH ou NaOH,
ao invés de NH4Cl
Comparando-as com as pilhas secas comuns, as alcalinas são mais
caras, mantêm a voltagem constante por mais tempo e duram cinco vezes
mais.
Por que será que as pilhas alcalinas duram mais que as
comuns???
Nas pilhas alcalinas, o meio básico faz com que o eletrodo de zinco sofra
um desgaste mais lento, comparado com as pilhas comuns que possuem
um caráter ácido.
Durante a descarga da bateria o ácido sulfúrico é consumido, com isso a
concentração e a densidade da diminuem gradativamente. Quando a densidade
atinge valores inferiores a 1,20g/mL, a bateria está praticamente descarregada.
SABENDO MAIS...
Porque uma bateria de automóvel (chumbo) dura tanto tempo?
Em uso contínuo, a bateria de chumbo duraria poucas horas, mas no automóvel, ela
é recarregada pelo gerador, através da aplicação de uma diferença de potencial
superior a da bateria em sentido contrário (eletrólise).
É correto colocar água na bateria de chumbo?
As constantes recargas efetuadas pelo gerador na bateria de chumbo, causa
também a decomposição da água da solução da bateria, por isso, periodicamente
coloca-se água destilada
Quando a bateria de chumbo fica totalmente descarregada?
SABENDO MAIS...
Depois que a pilha comum para de funcionar (descarrega) ela pode ser
recarregada e voltar a funcionar novamente?
Não, ela volta a funcionar durante algum tempo, porque a baixa temperatura faz
com que o gás amônia seja removido, o que não significa que ela foi recarregada.
Não. Porque a pilha de Leclanché não é recarregável (semi-reação de redução
irreversível). A pilha cessa seu funcionamento quando todo o dióxido de manganês é
consumido.
Se colocarmos uma pilha gasta na geladeira ela é recarregada?
Recarregada não, mas o aumento de temperatura irá favorecer a perda de elétrons,
fazendo com que ela funcione por mais algum tempo.
Será que a pilha comum dura mais se intercalar períodos de uso e de
repouso?
SABENDO MAIS...
Sim. Pois ao utilizar continuamente a pilha, os gases formados: hidrogênio e gás
amônia impedem o fluxo de cargas elétricas fazendo com que a corrente caia.
Retirando a pilha do aparelho, após um certo tempo ela irá funcionar, pois as
bolhas gasosas formadas serão desfeitas.
E na água quente a pilha é recarregada?
Exercício de sala...
1. Dê a equação global e calcule a diferença de potencial de uma pilha
com eletrodos de magnésio e chumbo. A seguir, faça um esquema da
montagem dessa pilha, indicando o ânodo e o cátodo.
2. Verifique se a reação, a seguir representada é espontânea:
Co0 + FeSO4  CoSO4 + Fe0
3. Calcule a ddp de uma pilha com eletrodos de alumínio e cobre.
Quem se oxida e quem se reduz?
4. Dada a seguinte representação de pilha:
Al0
(s)|Al3+(1mol/L)||Fe2+(1mol/L)|Fe0(s) (250C).
a) Escreva as semi-reações balanceadas
b)Considerando uma solução de sulfato dos respectivos metais, que
solução ficará concentrada e qual ficará diluída?
Corrosão
Uma deterioração dos metais provocada por processos eletroquímicos.
O ferro, por exemplo, enferruja por que se estabelece uma “pilha” entre
um ponto e outro do objeto de ferro.
Reação no anodo: 2Fe  2Fe3+ + 6e-
Reação no catodo: 3/2O2 + 3H2O + 6e-  6OH-
Reação global: 2Fe + 3/2O2 + 3H2O  2Fe(OH)3
Na formação da ferrugem:
A presença do ar e da umidade são fundamentais
A presença, no ar, de CO2, SO2 e outras substâncias ácidas acelera
a corrosão
Ambientes salinos aceleram a corrosão
Corrosão de outros metais
O cobre e algumas ligas: recoberto por uma camada esverdeada
Cu+O2+H2O+CO2 CuO.xH2O+Cu(OH)2.xH2O+CuCO3.xH2O+outros comp.
azinavre
A prata: película superficial escura
Ag + H2S + O2 + compostos sulfurados  Ag2S + outros compostos
Materiais que resistem a corrosão
Materiais utilizados em próteses ortopédicas:
Aço inoxidável, platina e titânio: resistem bem aos efeitos
da corrosão.
Alumínio
Apesar de ter um potencial de oxidação elevado ocorre a
apassivação do alumínio
Proteção contra corrosão
 Pintura (mais comum)
-lixar o metal (para eliminar a película de ferrugem já formada);
-tinta a base de zarcão (Pb3O4);
-Tintas especiais.
 Revestimento com a película de zinco (folhas de zinco ou chapas
galvanizadas).
Adição da chapa de aço em Zn derretido ou depósito de zinco sobre o ácido
por meio de eletrólise.
Obs.: chapas de aço podem ainda ser protegidas por uma película de
estanho, dando origem à lata comum (fabrico de latas de conserva).
 Metal de sacrifício: associação de um metal mais reativo na
estrutura. Este metal será corroído mais depressa, retardando a
corrosão do metal de interesse
Exemplo: A corrosão de canalizações de água, oleodutos e tanques
subterrâneos, constituídos de aço ou ferro, podem ser retardadas
ligando blocos de magnésio, que será corroído mais depressa.
Proteção contra corrosão
ELETRÓLISE
Fenômeno contrário ao da pilha. Um processo não espontâneo provocado
pela corrente elétrica (E0 < 0).
É uma reação de oxi-redução provocada pela corrente elétrica.
Para este processo inverso, têm-se que fornecer uma grande quantidade
de energia (elétrica), que irá promover a descarga dos íons do cátodo para
o ânodo.
Formas de eletrólise:
Eletrólise ígnea: fusão de uma substância iônica
Eletrólise em meio aquoso: dissociação ou ionização da substância em
meio aquoso.
No processo da eletrólise há:
Um circuito elétrico
Um gerador elétrico
Uma célula eletrolítica
ELETRÓLISE
- +
Gerador
saída de eléltronsentrada de eléltrons
Célula eletrolítica
Eletrodo positivo ou anodoEletrodo negativo ou catodo
cátodo anodo
Nas pilhas É o polo +
ocorre reduções
É o polo -
ocorre oxidações
Na eletrólise É o polo -
ocorre reduções
É o polo +
ocorre oxidações
A galvanização é um processo para
proteção contra corrosão de peças de
aço ou ferro fundido, altamente durável
e de baixo custo.
A galvanoplastia é a
tecnologia responsável pela
transferência de íons
metálicos de uma dada
superfície sólida ou meio
líquido denominado eletrólito,
para outra superfície, seja ela
metálica ou não.
GALVANIZAÇÃO
É uma das aplicações práticas da
eletrólise.
Consiste na deposição de finas
películas de metais sobre peças
metálicas ou plásticas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaLuaneGS
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIErica Souza
 
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaGravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaEmanuel Fraca
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISJessica Amaral
 
Geometria de complexos
Geometria de complexosGeometria de complexos
Geometria de complexosRay Sant'Anna
 
Aula 10 carga nuclear efetiva
Aula 10   carga nuclear efetivaAula 10   carga nuclear efetiva
Aula 10 carga nuclear efetivaJupira Silva
 
Experimento 7 Equilíbrio químico
Experimento 7   Equilíbrio químicoExperimento 7   Equilíbrio químico
Experimento 7 Equilíbrio químicoSilvanildo Macário
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Jenifer Rigo Almeida
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreDhion Meyg Fernandes
 
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuFernando Abreu
 
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...Profª Cristiana Passinato
 
Apostila volumetria de oxirredução
Apostila volumetria de oxirreduçãoApostila volumetria de oxirredução
Apostila volumetria de oxirreduçãoGraziela Leal
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaÍngrede Silva
 

Mais procurados (20)

Pilhas - eletroquímica
Pilhas - eletroquímicaPilhas - eletroquímica
Pilhas - eletroquímica
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
 
Unidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e BasesUnidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e Bases
 
Estudo dos aldeídos e cetonas 011
Estudo dos aldeídos e cetonas 011 Estudo dos aldeídos e cetonas 011
Estudo dos aldeídos e cetonas 011
 
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaGravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
 
Geometria de complexos
Geometria de complexosGeometria de complexos
Geometria de complexos
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Aula 10 carga nuclear efetiva
Aula 10   carga nuclear efetivaAula 10   carga nuclear efetiva
Aula 10 carga nuclear efetiva
 
Experimento 7 Equilíbrio químico
Experimento 7   Equilíbrio químicoExperimento 7   Equilíbrio químico
Experimento 7 Equilíbrio químico
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
Polaridade e solubilidade atualizada
Polaridade e solubilidade atualizadaPolaridade e solubilidade atualizada
Polaridade e solubilidade atualizada
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
 
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
 
Apostila volumetria de oxirredução
Apostila volumetria de oxirreduçãoApostila volumetria de oxirredução
Apostila volumetria de oxirredução
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
 

Destaque

Destaque (20)

Meios corrosivos [modo de compatibilidade]
Meios corrosivos [modo de compatibilidade]Meios corrosivos [modo de compatibilidade]
Meios corrosivos [modo de compatibilidade]
 
Meios corrosivos
Meios corrosivosMeios corrosivos
Meios corrosivos
 
Eletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHASEletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHAS
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Células galvânicas (pilhas)
Células galvânicas (pilhas)Células galvânicas (pilhas)
Células galvânicas (pilhas)
 
Pilhas
PilhasPilhas
Pilhas
 
Pilhas (básico)
Pilhas (básico)Pilhas (básico)
Pilhas (básico)
 
Slides corrosão por corrente de fuga
Slides corrosão por corrente de fugaSlides corrosão por corrente de fuga
Slides corrosão por corrente de fuga
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
2016 aulas 19 a 21 - progressao ext noite
2016   aulas 19 a 21 - progressao ext noite2016   aulas 19 a 21 - progressao ext noite
2016 aulas 19 a 21 - progressao ext noite
 
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVASQUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
 
Propriedades Coligativas
Propriedades ColigativasPropriedades Coligativas
Propriedades Coligativas
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Aula pilhas
Aula pilhasAula pilhas
Aula pilhas
 
Aula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redoxAula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redox
 
Eletroquímica eletrólise
Eletroquímica   eletróliseEletroquímica   eletrólise
Eletroquímica eletrólise
 
Av. resolvida crioscopia-e-osmoscopia
Av. resolvida crioscopia-e-osmoscopiaAv. resolvida crioscopia-e-osmoscopia
Av. resolvida crioscopia-e-osmoscopia
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Propriedades Coligativas
Propriedades ColigativasPropriedades Coligativas
Propriedades Coligativas
 

Semelhante a Eletroquímica2

Semelhante a Eletroquímica2 (20)

Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise
 
eletroquimica - filipe martins (1).pdf
eletroquimica - filipe martins (1).pdfeletroquimica - filipe martins (1).pdf
eletroquimica - filipe martins (1).pdf
 
Pr tica 9
Pr tica 9Pr tica 9
Pr tica 9
 
Aula pilhas
Aula pilhasAula pilhas
Aula pilhas
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Leveson
LevesonLeveson
Leveson
 
Eletroquímica pilhas
Eletroquímica   pilhasEletroquímica   pilhas
Eletroquímica pilhas
 
Leveson
LevesonLeveson
Leveson
 
Como funcionam as pilhas e baterias
Como funcionam as pilhas e bateriasComo funcionam as pilhas e baterias
Como funcionam as pilhas e baterias
 
Eletroquímica - células eletrolíticas
Eletroquímica  -  células eletrolíticasEletroquímica  -  células eletrolíticas
Eletroquímica - células eletrolíticas
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
 
Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Pilhas e baterias
Pilhas e bateriasPilhas e baterias
Pilhas e baterias
 
Eletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ FundamentosEletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ Fundamentos
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 

Mais de jorgehenriqueangelim

Eletrodinâmica associaçao de resistores
Eletrodinâmica   associaçao de resistoresEletrodinâmica   associaçao de resistores
Eletrodinâmica associaçao de resistoresjorgehenriqueangelim
 
Função exponencial exercícios resolvidos
Função exponencial   exercícios resolvidosFunção exponencial   exercícios resolvidos
Função exponencial exercícios resolvidosjorgehenriqueangelim
 
Associação de resistores (mista)
Associação de resistores (mista)Associação de resistores (mista)
Associação de resistores (mista)jorgehenriqueangelim
 
Espelhos esféricos formação de imagens em espelhos esféricos
Espelhos esféricos   formação de imagens em espelhos esféricosEspelhos esféricos   formação de imagens em espelhos esféricos
Espelhos esféricos formação de imagens em espelhos esféricosjorgehenriqueangelim
 
Composição química da célula água e sais minerais
Composição química da célula   água e sais mineraisComposição química da célula   água e sais minerais
Composição química da célula água e sais mineraisjorgehenriqueangelim
 
Duplicação do dna e síntese proteica
Duplicação do dna e síntese proteicaDuplicação do dna e síntese proteica
Duplicação do dna e síntese proteicajorgehenriqueangelim
 

Mais de jorgehenriqueangelim (20)

Vírus (resumo)
Vírus (resumo)Vírus (resumo)
Vírus (resumo)
 
Termoquímica2
Termoquímica2Termoquímica2
Termoquímica2
 
Ligações químicas (3)
Ligações químicas (3)Ligações químicas (3)
Ligações químicas (3)
 
Funções inorgânicas
Funções inorgânicasFunções inorgânicas
Funções inorgânicas
 
As origens do totalitarismo
As origens do totalitarismoAs origens do totalitarismo
As origens do totalitarismo
 
Força centrípeta
Força centrípetaForça centrípeta
Força centrípeta
 
Espelhos planos
Espelhos planosEspelhos planos
Espelhos planos
 
Leis de kepler
Leis de keplerLeis de kepler
Leis de kepler
 
Eletrodinâmica associaçao de resistores
Eletrodinâmica   associaçao de resistoresEletrodinâmica   associaçao de resistores
Eletrodinâmica associaçao de resistores
 
Equilíbrio eletrostático
Equilíbrio eletrostáticoEquilíbrio eletrostático
Equilíbrio eletrostático
 
Estática de um corpo extenso
Estática de um corpo extensoEstática de um corpo extenso
Estática de um corpo extenso
 
Cinemática
CinemáticaCinemática
Cinemática
 
Função exponencial exercícios resolvidos
Função exponencial   exercícios resolvidosFunção exponencial   exercícios resolvidos
Função exponencial exercícios resolvidos
 
Lançamento oblíquo
Lançamento oblíquoLançamento oblíquo
Lançamento oblíquo
 
Associação de resistores (mista)
Associação de resistores (mista)Associação de resistores (mista)
Associação de resistores (mista)
 
História republicana brasileira
História republicana brasileiraHistória republicana brasileira
História republicana brasileira
 
Espelhos esféricos formação de imagens em espelhos esféricos
Espelhos esféricos   formação de imagens em espelhos esféricosEspelhos esféricos   formação de imagens em espelhos esféricos
Espelhos esféricos formação de imagens em espelhos esféricos
 
Composição química da célula água e sais minerais
Composição química da célula   água e sais mineraisComposição química da célula   água e sais minerais
Composição química da célula água e sais minerais
 
Duplicação do dna e síntese proteica
Duplicação do dna e síntese proteicaDuplicação do dna e síntese proteica
Duplicação do dna e síntese proteica
 
Números complexos
Números complexosNúmeros complexos
Números complexos
 

Eletroquímica2

  • 1. A matéria é constituída de partículas eletricamente carregadas; assim, não é surpreendente que seja possível converter a energia química em energia elétrica e vice-versa?
  • 2. Eletroquímica É a parte da Química que estuda a relação entre a corrente elétrica e as reações químicas. Energia química energia elétrica pilhas eletrólise
  • 3. Células galvânicas ou eletroquímicas Um dispositivo que permite a interconversão de energia química e elétrica 1. Pilhas: a energia química é convertida em energia elétrica. Neste caso a reação química é espontânea. 2. Células eletrolíticas: a energia elétrica é convertida em energia química. Neste caso a energia elétrica de uma fonte externa é utilizada para produzir reações químicas.
  • 4. REAÇÕES DE OXI-REDUÇÃO Reações que se caracterizam pela transferência de elétrons. Zn0 + CuSO4 ZnSO4 + Cu0 15 a 20 minutos Lâmina de Zn Solução aquosa de CuSO4 Solução com menos CuSO4 e um pouco de ZnSO4 Zn Depósito de Cu
  • 5. PILHAS É um dispositivo onde uma reação de óxido-redução espontânea produz corrente elétrica. Neste caso, o Zn0 entrega os elétrons ao Cu2+ através de um fio externo – teremos a chamada pilha de Daniell.
  • 6. Ele empilhou alternadamente discos de zinco e de cobre, separando-os por pedaços de tecido embebidos em solução de ácido sulfúrico. A pilha de Volta, produzia energia elétrica sempre que um fio condutor era ligado aos discos de zinco e de cobre, colocados na extremidade da pilha. HISTÓRICO Luigi Aloisio Galvani (1737-1798): criou uma teoria admitindo a existência de uma eletricidade animal. Alessandro Volta (1745 -1827): a eletricidade tem origem nos metais. Criou a 1ª pilha em 1800. Precursor da produção de eletricidade em fluxo contínuo. John Frederic Daniell (1790 – 1845): substituiu, nas pilhas, as soluções ácidas pelas soluções de sais.
  • 7. Em 1836, John Frederick Daniell construiu uma pilha com eletrodos de cobre e zinco em uma cela individual e um tubo que ligava as soluções salinas (ponte salina). Esta pilha ficou conhecida como pilha de Daniell. Funcionamento da pilha:  Semelhante a de Volta: possuem os mesmos eletrodos;  Diferenças em relação a de Volta: os eletrodos estão em compartimentos separados, e a utilização da ponte de salina, que é responsável pelo fechamento do circuito elétrico.
  • 8. Denominações dos materiais utilizados nas pilhas Ânodo: eletrodo que emite elétrons para o circuito externo Cátodo: eletrodo que recebe elétrons do circuito externo Representação convencionada pela IUPAC para as pilhas Ânodo/Solução do ânodo//Solução do cátodo/Cátodo Ponte de salina: permite a movimentação de íons de uma cela para outra, nos dois sentidos Zn0(s)|Zn2+ (1mol/L) || Cu2+ (1 mol/L) |Cu0(s) (25 0C)
  • 9. Exercício de sala... Sabendo que o metal cobalto pode ceder elétrons espontaneamente para os íons Au3+, e considerando a pilha: Co0(s) | Co2+ (1mol/L) || Au3+ (1mol/L) | Au0 (s) (25 0C) responda as seguintes perguntas: a) Quais as semi-reações? Qual a reação global do processo? b) Quem se oxida? Quem se reduz? c) Qual é o eletrodo positivo? Qual é o eletrodo negativo? d) Em que sentido fluem os elétrons pelo fio? e) Qual eletrodo será gasto? Qual tera a sua massa aumentada? f) Qual das duas soluções irá se diluir? Qual irá se concentrar?
  • 10. Potencial do eletrodo É a tendência em deslocar o equilíbrio da reação para o sentido da oxidação ou redução, é simbolizado por E0. Eoxid Ered Fatores que interferem no potencial do eletrodo: Temperatura Concentração dos íons da solução Maior temperatura do eletrodo  maior tendência a perder elétrons  maior Eoxid Menor Eoxidmaior Eredmaior tendência a receber e-maior conc. cátions
  • 11. Medida de potencial do eletrodo A medida do potencial do eletrodo é efetuada nas seguintes condições: - Temperatura de 25 0C; - Concentração da solução igual a 1 molar; - Pressão de 1 atm. O valor medido é o potencial normal do eletrodo, simbolizado por E0. O potencial padrão de hidrogênio é o referencial usado para medida de potencial do eletrodo e a unidade de medida convencional para potencial elétrico é o volt (V).
  • 12. Eletrodo padrão de hidrogênio - Solução 1M de um ácido; - Fluxo de gás hidrogênio, p = 1 atm e T = 25 0C; - Lâmina de platina (absorve este gás na superfície do metal) 2H+ + 2e- H2(g) Ao eletrodo padrão de hidrogênio associou-se o valor nulo. Então, para medir o potencial normal do eletrodo de zinco, basta ligá-lo ao eletrodo padrão em uma montagem semelhante a pilha de Daniell
  • 13. Para o eletrodo de zinco: O voltímetro acusa uma ddp de 0,76V e indica que o movimento dos elétrons é do eletrodo Zn0/Zn2+ para o eletrodo padrão. Eletrodo Zn0/Zn2+ : E0 oxid = +0,76 V E0 red = -0,76 V Eletrodo padrão : E0 oxid = 0 V Medida do potencial do eletrodo Para o eletrodo de cobre: O voltímetro acusa uma ddp de 0,34V e indica que o movimento dos elétrons é do eletrodo padrão para o eletrodo Cu0/Cu2+. Eletrodo Cu0/Cu2+ : E0 red = +0,34 V E0 oxid = -0,34 V Eletrodo padrão : E0 red = 0 V
  • 14. Exercício de sala... Semi-reação E0 red Al3+ + 3e-  Al -1,66V Co2+ + 2e-  Co -0,28V a) Qual deles se reduz mais facilmente? b) Qual deles se oxida mais facilmente? c) Qual o melhor agente redutor? d) Qual o melhor agente oxidante? e) Qual o valor do E0 oxid do eletrodo Al?
  • 15. Cálculo da ddp (E0) ou força eletromotriz (fem) E0 = E0oxid + E0red Assim, para a pilha de Daniell, temos: Eletrodo Zn0/Zn2+ : E0 oxid = +0,76 V Eletrodo Cu2+/Cu0 : E0 red = +0,34 V E0 = +0,76 + 0,34 = 1,10 V
  • 16. Pilha e espontaneidade As reações que ocorrem em uma pilha são espontâneas, pois basta montar a aparelhagem para que o processo se efetue por si próprio. Em um processo espontâneo, o valor de E0 é sempre positivo. Isto nos permite prever a ocorrência de reações de oxirredução. Verifique se ocorre a seguinte reação: Cu0 + Fe2+  Cu2+ + Fe0 Na tabela de potenciais observa-se que: Cu2+ + 2e-  Cu0 E0red = + 0,34 V Fe2+ + 2e-  Fe0 E0red = - 0,44 V E0 = E0oxid + E0red = - 0,34 – 0,44 = - 0,78 V Como E0 < 0, o processo não é espontâneo, e a reação não ocorre
  • 17. PILHA DE MÃO Constituída de dois eletrodos: um de cobre e outro de alumínio, conectadas a um voltímetro. Nos dois pólos: negativo (alumínio) e positivo (cobre) ocorrem as semi- reações de oxidação e redução, respectivamente. Mas a pilha só entra em funcionamento quando o circuito é fechado, e isto ocorre no momento em que uma pessoa coloca suas duas mãos nos eletrodos. Os sais presentes no suor das mãos estão dissociados em íons que são responsáveis pelo transporte da corrente elétrica. A pilha de mãos funciona com duas ou mais pessoas. Entretanto, o fluxo da corrente elétrica fica mais fraco, aumentando a resistência e consequentemente diminuindo a intensidade de corrente elétrica. Tipos de pilha
  • 18. Inventado pelo francês Gaston Piantei em 1860. É uma associação de pilhas ligadas em série. O potencial de cada pilha é aproximadamente 2V. Uma bateria de pilhas, que é a mais comum nos carros modernos, fornece uma tensão de 12V. Constituída de dois eletrodos; um de chumbo e o outro de dióxido de chumbo, ambos mergulhados em uma solução de ácido sulfúrico com densidade aproximada de 1,30g/mL.. Quando o circuito externo é fechado, conectando eletricamente os terminais, a bateria entra em funcionamento (descarga), ocorrendo a semi- reação de oxidação no chumbo e a de redução no dióxido de chumbo. Durante o funcionamento normal de um automóvel, a bateria fornece eletricidade para dar partida; para acender os faróis; ligar o rádio, limpador, setas, buzina, etc. e recebe energia do gerador para se recarregar. ACUMULADOR OU BATERIA DE CHUMBO
  • 19. PILHA DE LECLANCHÉ (PILHA SECA ou PILHA COMUM) Inventada em 1866 pelo engenheiro francês George Leclanhé (1839-1882). Dão voltagem de 1,5V, e são extensivamente usadas em lanternas, rádios portáteis, gravadores, brinquedos, flashes, etc. Formada por um cilindro de zinco metálico, que funciona como ânodo, separado das demais espécies químicas presentes na pilha por um papel poroso. O cátodo é o grafite coberto por uma camada de dióxido de manganês, carvão em pó e uma pasta úmida contendo cloreto de amônio e cloreto de zinco. A expressão pilha seca é apenas uma designação comercial que foi criada para diferenciar este tipo de pilha (revolucionário na época) da pilha de Daniell.
  • 20. O ânodo é feito de zinco altamente poroso, que permite uma oxidação mais rápida em relação ao zinco utilizado na pilha seca comum. PILHA SECA ALCALINA ou PILHA COMUM ALCALINA São semelhantes à de Leclanché. As principais diferenças são: A mistura eletrolítica contém KOH ou NaOH, ao invés de NH4Cl Comparando-as com as pilhas secas comuns, as alcalinas são mais caras, mantêm a voltagem constante por mais tempo e duram cinco vezes mais. Por que será que as pilhas alcalinas duram mais que as comuns??? Nas pilhas alcalinas, o meio básico faz com que o eletrodo de zinco sofra um desgaste mais lento, comparado com as pilhas comuns que possuem um caráter ácido.
  • 21. Durante a descarga da bateria o ácido sulfúrico é consumido, com isso a concentração e a densidade da diminuem gradativamente. Quando a densidade atinge valores inferiores a 1,20g/mL, a bateria está praticamente descarregada. SABENDO MAIS... Porque uma bateria de automóvel (chumbo) dura tanto tempo? Em uso contínuo, a bateria de chumbo duraria poucas horas, mas no automóvel, ela é recarregada pelo gerador, através da aplicação de uma diferença de potencial superior a da bateria em sentido contrário (eletrólise). É correto colocar água na bateria de chumbo? As constantes recargas efetuadas pelo gerador na bateria de chumbo, causa também a decomposição da água da solução da bateria, por isso, periodicamente coloca-se água destilada Quando a bateria de chumbo fica totalmente descarregada?
  • 22. SABENDO MAIS... Depois que a pilha comum para de funcionar (descarrega) ela pode ser recarregada e voltar a funcionar novamente? Não, ela volta a funcionar durante algum tempo, porque a baixa temperatura faz com que o gás amônia seja removido, o que não significa que ela foi recarregada. Não. Porque a pilha de Leclanché não é recarregável (semi-reação de redução irreversível). A pilha cessa seu funcionamento quando todo o dióxido de manganês é consumido. Se colocarmos uma pilha gasta na geladeira ela é recarregada?
  • 23. Recarregada não, mas o aumento de temperatura irá favorecer a perda de elétrons, fazendo com que ela funcione por mais algum tempo. Será que a pilha comum dura mais se intercalar períodos de uso e de repouso? SABENDO MAIS... Sim. Pois ao utilizar continuamente a pilha, os gases formados: hidrogênio e gás amônia impedem o fluxo de cargas elétricas fazendo com que a corrente caia. Retirando a pilha do aparelho, após um certo tempo ela irá funcionar, pois as bolhas gasosas formadas serão desfeitas. E na água quente a pilha é recarregada?
  • 24. Exercício de sala... 1. Dê a equação global e calcule a diferença de potencial de uma pilha com eletrodos de magnésio e chumbo. A seguir, faça um esquema da montagem dessa pilha, indicando o ânodo e o cátodo. 2. Verifique se a reação, a seguir representada é espontânea: Co0 + FeSO4  CoSO4 + Fe0 3. Calcule a ddp de uma pilha com eletrodos de alumínio e cobre. Quem se oxida e quem se reduz? 4. Dada a seguinte representação de pilha: Al0 (s)|Al3+(1mol/L)||Fe2+(1mol/L)|Fe0(s) (250C). a) Escreva as semi-reações balanceadas b)Considerando uma solução de sulfato dos respectivos metais, que solução ficará concentrada e qual ficará diluída?
  • 25. Corrosão Uma deterioração dos metais provocada por processos eletroquímicos. O ferro, por exemplo, enferruja por que se estabelece uma “pilha” entre um ponto e outro do objeto de ferro. Reação no anodo: 2Fe  2Fe3+ + 6e- Reação no catodo: 3/2O2 + 3H2O + 6e-  6OH- Reação global: 2Fe + 3/2O2 + 3H2O  2Fe(OH)3 Na formação da ferrugem: A presença do ar e da umidade são fundamentais A presença, no ar, de CO2, SO2 e outras substâncias ácidas acelera a corrosão Ambientes salinos aceleram a corrosão
  • 26. Corrosão de outros metais O cobre e algumas ligas: recoberto por uma camada esverdeada Cu+O2+H2O+CO2 CuO.xH2O+Cu(OH)2.xH2O+CuCO3.xH2O+outros comp. azinavre A prata: película superficial escura Ag + H2S + O2 + compostos sulfurados  Ag2S + outros compostos
  • 27. Materiais que resistem a corrosão Materiais utilizados em próteses ortopédicas: Aço inoxidável, platina e titânio: resistem bem aos efeitos da corrosão. Alumínio Apesar de ter um potencial de oxidação elevado ocorre a apassivação do alumínio
  • 28. Proteção contra corrosão  Pintura (mais comum) -lixar o metal (para eliminar a película de ferrugem já formada); -tinta a base de zarcão (Pb3O4); -Tintas especiais.  Revestimento com a película de zinco (folhas de zinco ou chapas galvanizadas). Adição da chapa de aço em Zn derretido ou depósito de zinco sobre o ácido por meio de eletrólise. Obs.: chapas de aço podem ainda ser protegidas por uma película de estanho, dando origem à lata comum (fabrico de latas de conserva).
  • 29.  Metal de sacrifício: associação de um metal mais reativo na estrutura. Este metal será corroído mais depressa, retardando a corrosão do metal de interesse Exemplo: A corrosão de canalizações de água, oleodutos e tanques subterrâneos, constituídos de aço ou ferro, podem ser retardadas ligando blocos de magnésio, que será corroído mais depressa. Proteção contra corrosão
  • 30. ELETRÓLISE Fenômeno contrário ao da pilha. Um processo não espontâneo provocado pela corrente elétrica (E0 < 0). É uma reação de oxi-redução provocada pela corrente elétrica. Para este processo inverso, têm-se que fornecer uma grande quantidade de energia (elétrica), que irá promover a descarga dos íons do cátodo para o ânodo. Formas de eletrólise: Eletrólise ígnea: fusão de uma substância iônica Eletrólise em meio aquoso: dissociação ou ionização da substância em meio aquoso.
  • 31. No processo da eletrólise há: Um circuito elétrico Um gerador elétrico Uma célula eletrolítica ELETRÓLISE - + Gerador saída de eléltronsentrada de eléltrons Célula eletrolítica Eletrodo positivo ou anodoEletrodo negativo ou catodo
  • 32. cátodo anodo Nas pilhas É o polo + ocorre reduções É o polo - ocorre oxidações Na eletrólise É o polo - ocorre reduções É o polo + ocorre oxidações
  • 33. A galvanização é um processo para proteção contra corrosão de peças de aço ou ferro fundido, altamente durável e de baixo custo. A galvanoplastia é a tecnologia responsável pela transferência de íons metálicos de uma dada superfície sólida ou meio líquido denominado eletrólito, para outra superfície, seja ela metálica ou não. GALVANIZAÇÃO É uma das aplicações práticas da eletrólise. Consiste na deposição de finas películas de metais sobre peças metálicas ou plásticas