Aula 10 semana

442 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
442
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
151
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 10 semana

  1. 1. Jorge Ávila Linux/Servidores Linux
  2. 2. SERVIDORES LINUX  Sites principais:  under-linux.org  www.vivaolinux.com.br  www.forumdebian.com.br  www.linux-magazine.com.br  Entre outros
  3. 3. Distribuições  Ubuntu  Distribuição ideal para servidores e desktops  A palavra Ubuntu tem origem africana e significa “Humanidade para os outros”  Teve início em Abril de 2004, quando Mark Shuttleworth formou um grupo de desenvolvedores de código aberto para criar um novo Linux
  4. 4. Aplicações do Linux no Mercado  Lenta e gradativamente vem ganhando espaço entre os usuários finais –mas ainda está um pouco distante para a grande maioria  Largamente utilizado como servidor de aplicações corporativas  Servidor de arquivos (Samba)  Servidor Web (Apache)  Servidor de DNS (bind)  Servidor de E-mails]  Firewalls  Utilizado também em soluções de Appliance – soluções integradas de hardware + software, como roteadores, switchs
  5. 5. SISTEMA DE ARQUIVOS  O sistema de arquivos do Linux caracteriza-se por uma estrutura hierárquica e de proteção dos arquivos. É semelhante a maioria dos sistemas UNIX existentes.  A estrutura de diretórios do Linux tem um diretório raiz e diretórios filhos.
  6. 6. SISTEMA DE ARQUIVOS
  7. 7. SISTEMA DE ARQUIVOS  / -Onde são montados outros diretórios e onde fica o kernel ou, pelo menos, um link para o diretório boot.  /bin - Contém comandos essenciais que são usados tanto pelo administrador do sistema como pelos usuários, como por exemplo: cat, cp, date, more etc.
  8. 8. SISTEMA DE ARQUIVOS  /dev - Contém uma entrada para cada dispositivo (periférico) do sistema. No Linux, cada hardware tem um device ou arquivo associado. Por exemplo, a primeira IDE é /dev/hda e dentro dela a primeira partição é /dev/hda1, a segunda /dev/hda2. O sequencer da placa de som é o /dev/sequencer.
  9. 9. SISTEMA DE ARQUIVOS  /etc -Guarda arquivos e diretórios de configuração que são locais ao computador. Não existem arquivos binários nesse diretório.  Importante diretório utilizado todos os dias pelo administrador Linux.
  10. 10. SISTEMA DE ARQUIVOS  /home - Diretórios de arquivos dos usuários.  /lib - Bibliotecas do sistema, como por exemplo a biblioteca da linguagem C.  /mnt - Diretório para montar sistemas de arquivos temporariamente.
  11. 11. SISTEMA DE ARQUIVOS  /proc - Sistema de arquivos que mantém informações sobre os processos, memória, CPU e estado do sistema.  /root - Diretório home do root (opcional), podendo ser /home/root.  /sbin - Binários essenciais do sistema: shutdown, fdisk, reboot, update.
  12. 12. SISTEMA DE ARQUIVOS  /tmp -Arquivos temporários. Geralmente, limpados a cada inicialização do sistema.  /usr -Outro sistema de arquivos dentro do sistemas de arquivos, compartilhável e somente de leitura.  /opt – Diretório onde são instalados programas de terceiros (similar ao “Arquivos de Programas”)
  13. 13. SISTEMA DE ARQUIVOS  /var - Contém arquivos de dados variáveis. Isso inclui os diretórios de spool, dados administrativos e de logging e arquivos temporários e transientes. O /var foi criado para ser possível montar o /usr somente de leitura.
  14. 14. SISTEMA DE ARQUIVOS  O SISTEMA DE ARQUIVOS /proc Não existe em disco !!!  Totalmente em runtime. Possui um tipo de filesystempróprio.
  15. 15. Alterando as sessões  Para alternar da sessão gráfica para a sessão console – modo texto  CTRL+ALT+F1  Para alternar entre as sessões de modo texto  ALT+F1  ALT+F2  ..  ALT+F6  Para retornar ao modo gráfico  ALT+F7
  16. 16. Processo de Login  Efetuando login no modo gráfico  Efetuando login no modo caractere (texto)  Abrindo novos shells de comando (ALT+F1 – F6)  Fechando sessões
  17. 17. Processo de Login  Para se desconectar do sistema utilize um dos comandos abaixo  logout  exit  CRTL+D
  18. 18. Comandos Básicos  Listando arquivos e diretórios  ls listar os arquivos  ls -a listar todos  ls -la listar com data/hora/atributos  pwd qual o diretório atual  ATENÇÃO: Linux / Unix é case sensitive, ou seja Maiúsculas são diferentes de Minúsculas.
  19. 19. Comandos Básicos  Criando um arquivo vazio  touch arquivo  touch Arquivo  touch ARQUIVO  Liste os arquivos e verifique o resultado. Atenção: LS não existe!
  20. 20. Comandos Básicos  Utilizando os coringas (metacaracteres)  Crie os arquivos  Teste1  Teste2  Teste3  Teste4  Execute o comando e observe o resultado  ls Teste? “ ?” - Pode ser utilizado para substituir qualquer caracter
  21. 21. Comandos Básicos  Utilizando os coringas (metacaracteres)  Agora crie os arquivos  Teste01  Teste02  Teste03  Teste04  Execute o comando  ls Teste?
  22. 22. Comandos Básicos  Porque ele não retornou todos os 8 arquivos?  Lembre-se que o “?” só substitui um caractere  Para substituir qualquer seqüência de caracteres, utilize o coringa “*”  Execute o comando e observe o resultado  lsTeste*
  23. 23. Comandos Básicos  Removendo um arquivo  rm <arquivo>  É possível utilizar coringas (*)  Experimente  rm Teste01  Agora, utilizando caracteres coringa, remova os arquivos criados nos exercícios anteriores.  Execute o ls para verificar se todos foram removidos
  24. 24. Comandos Básicos  Criando, removendo e listando diretórios  Comando mkdir  Utilizado para criar diretórios  Sintaxe: mkdir <nome_do_diretório>  Exemplos mkdir ~/dir1 ~/dir2  PS: é possível criar mais do que um diretório ao mesmo tempo.  O que significa o “~”?  Este caractere é um atalho para o diretório home do usuário corrente! Veremos com mais detalhes em breve.
  25. 25. Comandos Básicos  Alternando entre diretórios  Comando cd  Utilizado para alterar o diretório corrente  Sintaxe cd <path_para_o_diretório>  Exemplos cd /etc/X11/  Experimente e veja o que acontece  cd <enter>  cd ~ <enter>
  26. 26. Comandos Básicos  Removendo diretórios  Comando rmdir  Comentário Utilizado para remover um dado diretório  Sintaxe rmdir [path_para_o_diretório]  Exemplos rmdir ~/dir1  OBS: para remover um diretório o mesmo deve estar vazio
  27. 27. Exercicio  Crie dos diretórios direrotio1 e diretorio2  Dentro do diretorio1 crie dois arquivos arquivo1 e arquivo2  Copie o diretorio1 para dentro do diretorio2  Exclua o diretorio2
  28. 28. Operações avançadas  find  grep  head  tail  Redirecionamento de E/S  Pipe  Criação de links  Empacotamento, compactação e descompactação de arquivos
  29. 29. Operações Avançadas  O comando “find”  O comando find pode ser utilizado para pesquisar arquivos pelo nome, data de criação ou modificação, proprietário, tamanho do arquivo e até o tipo do arquivo  A estrutura básica do comando $ find [diretório inicial] [parâmetros] [ações]  Vejamos o que significam estes campos...
  30. 30. Operações Avançadas $ find [diretório inicial] [parâmetros] [ações]  Diretório inicial – especifica o diretório onde a pesquisa será iniciada  Os parâmetros – critérios da busca  As ações – especifica que ações serão executadas nos arquivos encontrados na busca
  31. 31. Operações Avançadas Exemplos:  $ find / -name passwd  $ find /home/user -name arq*  $find /etc –name ‘mo*’  $ find /etc -size +1M
  32. 32. Operações Avançadas  Comando “grep”  Comando Grep é usado para verificar o conteúdo de um ou mais arquivos na tentativa de encontrar a ocorrência de um padrão de texto específico dentro dos arquivos.  Em geral, o padrão para o comando é: $ grep [opções] <texto para pesquisa> <arquivos>
  33. 33. Operações Avançadas  Comando “grep”  Exemplos:  grep <seu usuário> /etc/passwd  cat /etc/passwd | grep <seu usuário>
  34. 34. Operações Avançadas  Parâmetros importantes: -l –mostra o nome dos arquivos que contêm o texto de busca -i – não diferencia letras maiúsculas e minúsculas para o termo pesquisado
  35. 35. Operações Avançadas  Comando “head”  Exibe as primeiras linhas de um arquivo  Por padrão, exibe as primeiras 10 linhas  Para especificar a quantidade de linhas, utilize o parâmetro –n <número>  Ex: $ head –n 5 /etc/passwd
  36. 36. Operações Avançadas  Se temos um comando para ver o início do arquivo???  O comando “tail” é utilizado para visualizar o final do arquivo  Assim como no comando head, utilize o parâmetro –n <número> para exibir a quantidade de linhas desejadas  O tail tem um parâmetro especial para que possamos visualizar o arquivo enquanto o mesmo é alterado.
  37. 37. Operações Avançadas  Exemplo:  Conecte-se a dois terminais (ALT+F1 e ALT+F2)  No primeiro digite o comando  $ echo texto >> teste1.txt  No segundo terminal, digite o comando  $ tail –f teste1.txt  No primeiro, execute  $ echo texto >> teste1.txt  Observe o que aconteceu no segundo terminal
  38. 38. Operações Avançadas  Dutos ou pipes ( | )  Utilizado como conexão de utilitários. É uma maneira de redirecionar as entradas e saídas, de modo que a saída de um comando torna-se a entrada do comando seguinte.  Pode-se usar vários dutos em uma mesma linha de comando, de maneira que é possível combinar tantos comandos quantos forem necessários.
  39. 39. Operações Avançadas  Dutos ou pipes ( | )  Exemplos  $ cat /etc/passwd | grep <seu usuario>  ls /etc | more  cat /etc/passwd | sort
  40. 40. Operações Avançadas  Empacotamento, compactação e descompactação de arquivos  O programa “tar” é utilizado para arquivamento utilizado para agrupar e extrair arquivos de um tarfile;  Pode ser considerado o comando mais utilizado para realizar backups no sistema Linux (Tape ARchives);  Possui uma série de parâmetros para a realização de suas funções.
  41. 41. Operações Avançadas  O comando “tar” – agrupando arquivos  $ tar –cvf backupEtc.tar /etc
  42. 42. Operações Avançadas  O comando “tar” – agrupando arquivos  Observe que o arquivo backupEtc.tar foi criado.  Ele contêm todos os arquivos e subdiretórios do diretório /etc.  Uma forma fácil de visualizar o conteúdo de um arquivo tar é utilizando o comando “less”  $ less backupEtc.tar
  43. 43. Operações Avançadas  O comando “tar” – extraindo arquivos  $ tar –xvf backupEtc.tar
  44. 44. Operações Avançadas  O comando “tar” – extraindo arquivos  Observe que um diretório “etc” foi criado no diretório atual.  Caso você queira extrair o conteúdo de um tarfile em um outro local, basta passar o “–C <destino>” como parâmetro:  $ tar –xvf backupEtc.tar –C /tmp
  45. 45. Operações Avançadas  Mas o que os parâmetros utilizados até agora querem dizer:  -c : criar um arquivo  -v : lista detalhadamente os arquivos processados  -f : especifica o arquivo ou dispositivo a ser utilizado  -x : extrai arquivos de um pacote
  46. 46. Operações Avançadas  Observe que, apesar de agrupados, os arquivos de um tarfile não são compactados.  Para fazer a compactação, é necessário a utilização de um parâmetro adicional:  -z : compacta utilizando o gzip  Exemplo:  $ tar –zcvf backupEtc.tar.gz /etc
  47. 47. Exercício 1  Crie um tarfile do diretório /etc – com e sem compactação e compare o tamanho dos dois arquivos gerados.  Crie um diretório temporário e descompacte o arquivo compactado neste diretório. Lembre-se do parâmetro “–C”.
  48. 48. Exercício 2  Crie um diretório para armazenar o backup compactado do arquivo /home/aluno  Após isso descompacte esse mesmo diretório e leia o mesmo com os comandos que você conhece
  49. 49. Exercício 3  Crie dois diretório sendo que um deles serve para armazenar o backup compactado do arquivo /home  Após isso descompacte dentro do dentro do segundo diretorio

×