Concurso da prefeitura de aracaju mudança da capital

554 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
554
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Concurso da prefeitura de aracaju mudança da capital

  1. 1. Profº Jorge Marcos CONCURSO DA PREFEITURA DE ARACAJU MUDANÇA DA CAPITAL CONTEXTO NACIONAL – CONTEXTO SERGIPANO – A DECISÃO DE MUDAR A MUDANÇA DA CAPITAL 1. CONTEXTO NACIONAL O Gabinete de Conciliação, liderado por Honório Hermeto Carneiro Leão (Era da Conciliação), ou simplesmente marquês de Paraná, procurava promover a paz entre liberais e conservadores. O momento era de conciliação política, prosperidade econômica, desenvolvimento e modernidade. Nesse contexto, para governar Sergipe foi Inácio Joaquim Barbosa. O momento era de tranquilidade administrativa e, internacionalmente, a inserção do Brasil nas engrenagens do capitalismo comercial1 ; 2. CONTEXTO SERGIPANO A região da Cotinguiba era, economicamente, a maior produtora da riqueza produzida em Sergipe, o açúcar, praticamente representava 2/3. No período de 1850 a 1853 o único porto a receber navios de longo curso era o da Barra do Cotinguiba. O número total de embarcações que entraram pela Barra do Cotinguiba/Sergipe em cabotagem (645) foi bem maior que o total de embarcações entradas pelo Vaza-Barris (70) e rio Real (212). O centro político estava na Zona do Vasa Barris – em São Cristóvão; enquanto o centro econômico estava na Cotinguiba. A ideia era que o centro político coincidisse com o cento econômico. A saída era transferir o centro político para próximo do centro econômico, pois, faltava em Sergipe um porto que possuísse a capacidade de grandes navios aqui aportarem, para o açúcar ser exportado diretamente para a Europa, levava a sociedade sergipana a depender da Bahia. 3. A MUDANÇA DE FATO 1 Fruto desse processo modernizador do Império brasileiro, observamos, antes da mudança da nossa capital, outras mudanças, tais como: 1820, Cuiabá (Mato Grosso); 1835, Rio de Janeiro (Rio de Janeiro); 1839, Maceió (Alagoas); 1852, Teresina (Piauí). O Povoado Santo Antônio do Aracaju foi escolhido para ser a sede da nova capital. Cabe aqui um questionamento: por que a mudança não se fez para Laranjeiras, Nossa Senhora do Socorro, Maruim, Barra dos Coqueiros2 ou Santo Amaro? Elas apresentavam os mesmos problemas de São Cristóvão. São Cristóvão era uma cidade sem perspectiva de desenvolvimento – a cana de açúcar decadente e ficava distante do mar, em uma elevação, banhada pelo rio Paramopama, rio de maré, de difícil navegação. Vejamos. A mentalidade da época era de que as cidades fortalezas e distantes do mar estava ultrapassadas. O novo, o moderno era construir, cidades a beira mar, fazendo ligação com o exterior, com o mercado externo. Dentro dessa perspectiva, as praias do Aracaju derrotaram geograficamente São Cristóvão, localizada no interior sem nenhum acesso ao mar; economicamente, foi derrotada pela região da Cotinguiba, mas com péssimo acesso fluvial, foi no Aracaju o local escolhido para a nova capital. Mesmo assim, a mudança não se deu de forma repentina. Assim, não se pode dizer que a mudança da capital foi um fato isolado. A mudança começa a ser concretizada a partir da transferência de alguns órgãos administrativos para a proximidade da Zona da Cotinguiba. Em 1854 é a transferência a Mesa de Rendas Provinciais do Porto das Redes em Maruim para a Barra dos Coqueiros3 . No ano seguinte, em janeiro de 1855, é criada uma agência dos Correios no Aracaju, a criação do Distrito de Subdelegacia do Aracaju, a transferência da Alfândega para Aracaju. Todas essas medidas fixaram-se na região denominada de Olaria. Em fevereiro de 1855, é feita a articulação política para a mudança. A Assembleia Provincial é convocada para uma 2 Depunha contra a Barra dos Coqueiros o fato de não possuir água potável. 3 Ver http://pt.wikipedia.org/wiki/In%C3%A1cio_Joaquim_Barbosa. Acessado em 06.mar.2013.
  2. 2. reunião no engenho Unha de Gato, de propriedade de João Gomes de Melo, Barão de Maruim. Estava sentenciada, decidida a mudança. Sabedora da decisão política, a Câmara de São Cristóvão protestou junto ao presidente e dirigiram-se ao imperador para protestar pela mudança. A principal manifestação de descontentamento coube a João Nepomuceno Borges, popularmente conhecido por João Bebe Água que, com mais ou menos quatrocentos pessoas. De nada adiantaram os protestos dos sancristovenses. Oficialmente, por Resolução de n.º 413, de março de 1855, o Povoado Santo Antônio do Aracaju era elevado à categoria de cidade e capital da Província de Sergipe. A classe dominante na época investirem em uma sede com maior potencial. A transferência se fez para o Povoado do Santo Antônio, mas a cidade cresceu na parte mais baixa. Para manter uma fácil comunicação entre a parte baixa e a colina do Santo Antônio, foi autorizada a construção de uma estrada.4 Seu plano inicial compreendia o espaço de 540 braças de cada lado, ou seja, 1.188 metros, com quadras residenciais de 110 m2 e ruas com 70 palmos de largura. A nova cidade era um aglomerado de casas de palha. Sua população não passava de 1.484 pessoas, sendo 1.191 habitantes livres, destes (730 eram homens e 754 eram mulheres) e 293 escravos. Aracaju, fundada em 1855, foi a primeira capital planejada de um estado brasileiro. Todas as ruas foram projetadas geometricamente, como um tabuleiro de xadrez, para desembocarem no rio Sergipe. A cidade foi criada com o objetivo de sediar a capital da província de Sergipe Del-Rei, que até este momento se localizava na cidade de São Cristóvão, segundo alguns historiadores.5 O responsável pelo desenho da cidade de Aracaju foi o engenheiro Sebastião Basílio Pirro. A construção da cidade apresentou algumas dificuldades de engenharia, pois a região continha muitos pântanos, pequenos lagos e mangues.6 4 Essa Estrada (Estrada Nova) durante muito tempo ficou conhecida de Avenida Independência. Hoje Avenida João Ribeiro. 5 http://www.univesp.ensinosuperior.sp.gov.br/preunivesp/1780/ara caju---a-primeira-cidade-planejada-do-brasil.html 6 Ibid. Até então, as cidades existentes antes do século XVII adaptavam-se às respectivas condições topográficas naturais, estabelecendo uma irregularidade no panorama urbano. O engenheiro Pirro contrapôs essa irregularidade e Aracaju foi, no Brasil, um dos primeiros exemplos de tal tendência geométrica7 . Fonte: PORTO, Fernando. A Cidade de Aracaju (1855-1865). 2 Ed. Aracaju: FUNDESC, 1991, p. 45 Pouco tempo a frente da administração sergipana, Inácio Barbosa, provavelmente vitimado pelo tifo ou febre amarela, retira-se a cidade de Estância, no dia 3 de agosto de 1855, buscando melhoras, passando a administração da Província para Trindade Prado, terceiro vice-presidente, vindo a falecer em 6 de outubro de 1855, alguns dias antes de completar 34 anos. Seus restos mortais foram trasladados da Matriz de Nossa Senhora de Guadalupe, em Estância, para a Igreja do Salvador, em Aracaju. Em 17 de março de 1917, por iniciativa do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, é construído e inaugurado o obelisco em homenagem ao fundador, na Praça José de Faro. Posteriormente é transferido para a Praça da Estação8 . 7 Ibid. 8 Depois foi denominada Pereira Lobo. Esta praça desapareceu da fisionomia da cidade. Deu lugar ao Mercado Auxiliar “Thales Ferraz”. O obelisco foi transferido para a zona sul da cidade onde é erguida uma nova praça denominada por “Inácio Barbosa”, final da Avenida Ivo do Prado.
  3. 3. Obelisco construído em homenagem ao Inácio Barbosa, fundador da cidade de Aracaju. Praça Inácio Barbosa hoje. http://images.search.conduit.com/search/?q=praça+ina cio+joaquim+barbosa&ctid

×