2014 a questão da mdo

3.109 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.109
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2014 a questão da mdo

  1. 1. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 1 CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA P R É A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE S E E D ALUNO: _________________________________________ ANO BASE 2014 1. Definições 1.1. Escravidão A escravidão humana é das práticas mais antigas que existem. É a forma mais antigas de exploração do homem pelo homem. A escravidão, (escravismo, escravagismo e escravatura), é a prática social, onde um homem, assume direitos de propriedade sobre outro chamado de escravo, ao qual é imposta tal condição por meio da força. Um indivíduo pode se transformar em escravo basicamente de duas maneiras:  Prisioneiro de guerra;  Por dívida; A escravidão, está presente nas mais diversas civilizações ao longo da história. Desde tempos mais remoto, em algumas sociedades ou civilizações, os escravos eram legalmente definidos como uma mercadoria. Vale lembrar que, nem todas as sociedades o escravo era visto como mercadoria. Em Esparta, por exemplo, os escravos - os Hilotas, não podiam ser vendidos. Eram propriedade do Estado. No Egito dos faraós, na Grécia Clássica ou no Império Romano, boa parte das atividades produtivas era desenvolvida através do uso de escravos, normalmente obtidos a partir da detenção de inimigos de guerra. Com o passar dos anos, o trabalho escravo pôde ser observado em tantas outras sociedades, adquirindo características específicas de seu tempo. 1.2. Escravidão na Grécia e Roma No modo de produção escravista, a produção baseava-se no trabalho escravo sob o domínio de uma elite de grandes proprietários de terras e escravos. No escravismo antigo, a noção de propriedade privada já se notabilizava e o escravo era considerado um objeto, um “instrumento falante”. Tanto Grécia como Roma utilizaram do trabalho escravo em larga escala e chegaram inclusive a promover feiras de comercialização dos mesmos, os oferecendo para utilização em todos os fins possíveis (gladiadores). Estes, foram os que mais se assemelharam aos ocidentais ao desumanizarem, depreciarem de todas as formas e comercializarem seres humanos. Na antiguidade, a condição de escravo não estava relacionada a cor da pele. A etnia ou posição social não eram fatores decisivos para a escravidão. Estas civilizações não teriam tido tanto êxito em sua ascendência se não fosse a utilização do trabalho escravo. O esplendor, a grandeza da Grécia e Roma está ligada ao trabalho escravo. Podia ser comprado e vendido livremente no mercado e sobre o qual o proprietário exercia um imenso poder, embora não ilimitado. A difusão da escravidão mercadoria está diretamente ligada ao desenvolvimento do comércio e ao crescimento e concentração de riquezas em algumas cidades-estados. Na Grécia Antiga uma pessoa tornava-se escrava de diversas formas. A mais comum era através da captura em guerras. Em algumas cidades-estados gregas havia a escravidão por dívidas. Em Atenas, este
  2. 2. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 2 tipo de escravidão foi extinto somente no século VI a.c., após as reformas sociais promovidas pelo legislador Sólon. Para os gregos, a escravidão era algo natural. Alguns homens nasciam para serem senhores e outros para serem escravos. A escravidão era uma condição para que a liberdade pudesse ser gozada por um grupo de cidadãos. Em Atenas, o escravo não era cidadão, logo, não possuía nenhum direito, nem político e nem jurídico. No entanto, não poderiam ser maltratados e quando mortos, os assassinos respondiam por homicídio involuntário. Nem todo escravo era igual. Encontramos escravo que trabalhava a terra nas mais terríveis condições, escravo administrando e gerenciando os negócios de seu senhor, escravos aptos a sucederem um médico, ou engenheiro. A liberdade do cidadão só seria possível se existissem outros que trabalhassem para ele e por ele. Os escravos tornaram-se a principal força de trabalho dentro dessas comunidades, praticamente monopolizando os serviços domésticos e tendo uma importância crescente na produção artesanal e na produção agrícola destinada ao mercado. Em Roma, os escravos eram parte importante da sociedade, ao mesmo tempo em que estavam excluídos da comunidade política. Os escravos estavam presentes no mundo da produção, do trabalho. Em Roma tínhamos os seguintes tipos de escravo:  O escravo rural – aquele que fazia os trabalhos agrícolas e vivia em condições penosas, sobretudo nas grandes propriedades agrícolas;  Os escravos nas minas - eles eram os mais maltratados.  O escravo de cidade - era geralmente o mais favorecido. Nas casas modestas, alguns escravos eram próximos do seu senhor e formavam parte aproximadamente da família.  O escravo público - pertencia ao Estado (a cidade ou a Roma). Realizava tarefas de interesse geral, e trabalha para os serviços de limpeza, nos serviço dos edifícios públicos, ou nas tarefas da administração. Todo trabalho era executado pelo escravo (nos campos, nas minas de minérios, nas olarias, na construção civil, serviços de limpeza, preparavam a alimentação e até cuidavam dos filhos de seu proprietário). O trabalho manual era rejeitado pelo cidadão grego. Como diz Platão: “É próprio de um homem bem-nascido desprezar o trabalho”. Os gregos valorizavam as atividades intelectuais, artísticas e políticas. O uso de escravos tinha uma importância social: conceder mais tempo para que os homens livres tivessem tempo para participar das assembleias, dos debates políticos, filosofar e produzir obras de arte. Seu trabalho era decisivo para a produção de bens necessários para a sociedade. Em Roma, os escravos trabalhavam nas propriedades dos patrícios, grupo social romano que detinha o controle da maior parte das terras cultiváveis do império. Os escravos podiam exercer diferentes funções ou adquirir a sua própria liberdade. A única restrição jurídica contra um ex-escravo impedia-o de exercer qualquer cargo público. A expansão escravista impulsionou o crescimento do comércio, que levou ao surgimento de uma classe intermediária formada por grandes comerciantes, usurários, artesãos e armadores. A decadência e o consequente desaparecimento do império romano extinguiu temporariamente este “tipo de trabalho”. Com a expansão marítima, a descoberta de novos continentes e consequentemente de novas riquezas, tornava-se necessária mão de obra em maiores quantidades. Reinventa-se a escravidão: negros africano e escravos da terra. Encontramos formas de escravidão no Oriente, dentro dos haréns, onde as concubinas do grande sultão, xeque ou xá, eram escravas e muitas delas eram negociadas ou capturadas na região do Cáucaso (entre a Rússia e o Oriente Médio).
  3. 3. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 3 Em plena Idade Média, na África, existiu uma escravidão doméstica, e não uma escravidão mercantil. Entre diversos povos africanos o escravo não era uma mercadoria, mas sim um braço a mais na colheita, na pecuária, na mineração e na caça; um guerreiro a mais nas campanhas militares. Outros povos ou sociedades africanas viviam da guerra para a captura de pessoas para serem vendidas a outros povos que necessitavam de escravos. Estes escravos eram comprados e vendidos pelos árabes. 1.3. Escravidão na Idade Moderna A escravidão da época moderna está vasada num forte preconceito racial. O comerciante pertence a um grupo étnico considerado superior. Os portugueses e o tráfico de escravos africanos. É com a chegada dos europeus no continente africano que o tráfico escravista se configurou na maior migração forçada de povos da história. Acredita-se que entre 8 e 100 milhões de pessoas foram obrigadas a deixar a sua terra natal, atravessar o oceano Atlântico para ser escravo. Navio negreiro Os portugueses trocavam cavalos (um cavalo era trocado por 15 ou 20 escravos), armas de fogo por escravos (os jalofos) e armas de fogo, o que aumentava o seu poder de guerra e de conquista de mais escravos. Tendo chegado à Idade Moderna, a escravidão se caracterizou como a base da economia de muitas regiões. No continente africano, principal fornecedor de escravos do período, aprisionar os inimigos derrotados e explorá-los no cativeiro era prática amplamente utilizada pelas tribos vitoriosas em conflitos locais. A partir de então, muitos desses cativos eram vendidos a comerciantes estrangeiros, sobretudo europeus, gerando um lucrativo tráfico de escravos entre a África e o resto do mundo. Com a expansão marítima portuguesa e a colonização lusitana sobre o litoral africano, boa parte desse vantajoso comércio de mão de obra escrava passou a ser controlado por negociantes portugueses. Levados sob péssimas condições nos porões dos “navios negreiros”, estes escravos tinham como principal destino as colônias europeias, notadamente aquelas de domínio português, e em que destaque o Brasil. 1.4. Escravismo colonial A montagem do sistema colonial no novo mundo pela metrópoles europeias, impôs a reinvenção da escravidão. No primeiro século da escravidão, optou-se pelos escravos da terra. Assim, os índios representaram a principal mão de obra nas atividades econômicas da América Ibérica. Gradativamente, foram sendo substituídos pelos africanos, que se tornaram, como disse um cronista da época, “as mãos e os pés” dos senhores. Entre o final do século XVI e as últimas décadas do século XIX, os escravos negros tornaram- se a mão de obra por excelência da América colonial. A escravidão, como peça importante na engrenagem colonial, atendeu as exigências do sistema capitalista nascente e de sua efetivação na periferia do Sistema Colonial. A escravidão foi fundamental para a realização da acumulação do capital.
  4. 4. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 4 O trabalho escravo (compulsório) no Brasil abrangeu dois tipos de escravidão: a indígena (o escravismo vermelho) e a negra africana. A primeira vai ser praticada até 1759, quando por decisão do Marques de Pombal, aboliu a escravidão indígena. A mão-de-obra negra era altamente lucrativa para a burguesia mercantil metropolitana. Quando o grupo mercantil metropolitano descobriu que traficar escravo era lucrativo, proíbe-se a escravidão do índio, adota-se o escravo africano. Com o tráfico negreiro, obtinha-se altíssimos lucros e fazia parte do mercado mundial que se estruturava e cuja lógica também passava a estruturar a sociedade colonial. Até o final do século XIX, a escravidão foi a relação de trabalho dominante na América e, no Brasil, mesmo após a independência. 1.5. Escravidão Branca As diversas modalidades de trabalho forçado no mundo têm sempre em comum duas características: o uso da coação e a negação da liberdade. Contemporaneamente, o estatuto da escravidão foi abolido. No entanto, isto não significa que não existam formas modernas de escravidão. Não são raras as notícias, denuncias, da existência de formas de trabalho escravo. Trabalhadores recebendo baixa remuneração; jornadas excessivas de trabalho, tratados como objetos de trabalho; trabalho infantil, são consideradas formas de escravidão. No Brasil de hoje, o trabalho escravo resulta da soma do trabalho degradante com a privação de liberdade. O indivíduo fica preso a uma dívida. Seus documentos retidos. É levado a um local isolado geograficamente, vigiado e impedido de retornar. O termo empregado para este tipo de recrutamento coercitivo e prática trabalhista em áreas remotas é trabalho escravo. O termo trabalho escravo se refere à condições degradantes de trabalho aliadas à impossibilidade de saída ou escape das fazendas em razão a dividas fraudulentas ou guardas armados. Nos últimos anos, a escravidão foi abolida por lei, mas algumas pessoas ainda têm seus escravos trabalhando em seus negócios, propriedades e até em suas próprias casas. Em outras palavras, a escravidão não foi abolida, apenas trocou de roupa. Segundo o estatuto jurídico brasileiro, o empresário é o responsável legal por todas as relações trabalhistas de seu negócio. Está escrito na Constituição Federal de 1988, é de responsabilidade do proprietário da terra, tudo o que ocorrer nos domínios da sua propriedade. Dentro desta premissa, em 2004, o governo federal decretou a desapropriação de uma fazenda para fins de reforma agrária por não cumprir sua função social-trabalhista e degradar o meio ambiente. A sanção penal tem sido insuficiente para pôr fim a escravidão. O fim da escravidão e de práticas análogas à escravidão é um princípio reconhecido por toda a comunidade internacional. 1.6. Servidão
  5. 5. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 5 A servidão, para alguns historiadores, era uma espécie de escravidão mais branda. Podemos definir “servos” como “trabalhadores das grandes terras comandadas pelos 'senhores' e viviam nas redondezas da propriedade. Estavam vinculados à terra pelo trabalho e não tinham direito de salário ou benefícios; trabalhavam para morar no local e recebiam os suprimentos necessários para se alimentarem e sobreviverem” (http://www.infoescola.com/idade- media/servos/). A servidão é o status legal e econômico dos camponeses ("servos") no feudalismo, especialmente no âmbito do sistema econômico da "senhoria" (direitos feudais sobre a terra). Os servos, diferenciam dos escravos pelo fato de não poder ser vendidos pelos senhores feudais. Estavam obrigados por toda a vida a entregarem produtos e prestarem serviços a seus senhores. Não eram proprietários das terras em que trabalhavam, pois estas lhes eram "emprestadas" pelos senhores. Era a mão-de-obra da propriedade. A servidão era transmitida dos pais para os filhos, assim como os títulos de nobreza Os servos formaram o alicerce principal da ascensão fundiária. Eles possuíam diversas obrigações com os senhores feudais:  Corveia – obrigação paga em trabalho. Trabalhavam sem remuneração por alguns dias da semana em troca de proteção;  Banalidades - taxas pagas pelos servos por utilizar instalações pertencentes ao senhor feudal como o moinho, o forno, o celeiro, entre outros;  Talha – consistia na entrega de parte da produção servil ao senhor feudal;  Formirage - Quando havia um casamento entre camponeses de diferentes senhores, o camponês pagava esta taxa para o proprietário de sua esposa;  Mão-morta – taxa paga pelos familiares do servo que havia falecido, para que eles continuassem ocupando as terras do senhor. Os servos são trabalhadores rurais que estão vinculados à terra, formando a classe social mais baixa da sociedade feudal. A relação de servidão baseava nas relações entre camponeses (servos) e os proprietários de terras (senhor feudal). Dentre as características da servidão estão: os servos não podiam deixar o manso servil sem autorização do senhor (sem liberdade) e eram cobrados impostos dos servos. A servidão implica o trabalho forçado dos servos nos campos dos senhores de terras, em troca de proteção e do direito arrendar terras para subsistência. Na idade média ocidental feudal, esse sistema (servidão) se caracteriza pela exploração do trabalho servil, responsável por toda a produção. O servo não é considerado um escravo, porém não é um trabalhados livre. O que determina a condição servil é seu vínculo com a terra, ou seja, o servo está preso a terra. Ao receber um lote de terra para viver e trabalhar, e ao receber (teoricamente) proteção, o servo esta forçado a trabalhar sempre para o mesmo senhor feudal, não podendo abandonar a terra. A servidão disseminou-se na Europa no século X e tornou-se a forma predominante de organização do trabalho agrário europeu durante toda a Idade Média. Os servos é "uma raça de infelizes que nada podem obter sem sofrimento". 1.7. Mão de Obra Livre Não se pode falar de mão de obra livre e assalariada sem falar de capitalismo. Não se fala de capitalismo sem falar de Revolução Industrial. O regime capitalista é um sistema econômico, social e político que começou a surgir com o declínio do sistema feudal. O capitalismo se consolida com a Revolução industrial. A mão-de-obra assalariada consiste no recebimento de "recompensa" (no mais comum exemplo, dinheiro) pelo serviço prestado no trabalho. Na Idade Moderna, com o "nascimento" do capitalismo, o trabalho livre e o assalariado se tornaram mais comuns.
  6. 6. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 6 Nas fábricas dos primeiros tempos da Revolução Industrial, os operários trabalhavam em precárias condições, devido às longas jornadas de trabalho em ambiente em insalubre, sujeitos a acidentes e a castigos físicos e em troca de salários insignificantes. A máquina ditava o ritmo de trabalho. Os empregos tornaram-se mais especializados, e o trabalho, monótono. Os salários nas fábricas eram baixos. As mulheres e as crianças trabalhavam como empregados não especializados e recebiam apenas uma parte insignificante dos baixos salários dos homens. A maioria dos trabalhadores das fábricas era terrivelmente pobre e não sabia ler ou escrever. Nas cidades (inchadas), o número de habitações eram insuficientes. As pessoas viviam em péssimas condições higiênicas e, portanto, sujeitas a surtos de doenças. As condições de trabalho. Os trabalhadores nas indústrias e minas viviam em condições de superexploração. Não havia qualquer regulamentação por parte do governo, o que levava ao trabalho infantil, o trabalho com alta periculosidade, sem férias, nos sete dias por semana, por mais de dez horas diárias, com salários irrisórios etc. Alguns presos e ‘vagabundos’ – entenda-se, desempregados – eram obrigados a trabalhar nas fábricas. Os trabalhadores não votavam e pouco podiam fazer para melhorar sua situação. As leis inglesas proibiam o funcionamento dos sindicatos. Os que aderissem, podiam ir presos. Trabalho nas primeiras fábricas Os operários não aceitaram quietos essa situação. Reuniram-se e organizaram-se. Primeiramente, puseram a culpa nas máquinas, eram os luditas que quebravam máquinas e eram duramente perseguidos pela polícia. Para estes, as máquinas eram as culpadas por suas péssimas situações. Depois, houve uma mudança de estratégia e decidiu-se pela paralisação do trabalho, as greves, com uma ‘carta’ com reivindicações trabalhistas e políticas, já que essas classes não tinham nenhum direito político. Eram os cartistas, que mostraram mais sucesso, apesar das sucessivas repressões patronais e da polícia. Este deu origem ao moderno sindicalismo. Com a terceira Revolução Industrial, a mão de obra humana são substituídas por novas máquinas e computadores. Postos de trabalho são eliminados e, em diferentes ramos da economia, o trabalhador tradicional desaparece. Cresce o desemprego. 2. Comparativo entre a escravidão Antiga e Nova no Brasil Antiga Escravidão (Mercantilismo) Nova Escravidão (Neoliberalismo) Estatuto Jurídico Permitida Proibida Custo de aquisição Elevado. A riqueza, o poder, o prestígio de um senhor era medida pela quantidade de escravo que possuía Muito baixo. Não há compra e, muitas vezes, gasta-se apenas o transporte. Lucratividade Muito baixa. Haviam custos com a compra e manutenção dos escravos. Muitos morriam ou fugiam Alta. Quando alguém fica doente é dispensado, mandado embora, sem nenhum direito. Não se respeita os direitos sociais e trabalhistas. Mão de obra Pouca oferta. Escassa. A oferta dependia de tráfico negreiro; captura e prisão de índios ou reprodução. Abundante e descartável. O país possuí um grande contingente de trabalhadores desempregados. Relacionamento Longo período. A vida inteira do escravo e até de seus descendentes Curto período. Terminado o serviço, não é mais necessário prover o sustento
  7. 7. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 7 Diferenças étnicas Relevantes para a escravização Irrelevantes. Qualquer pessoa pobre e miserável são os que se tornam escravos, independentemente da cor da pele. Manutenção da ordem Ameaças, violência psicológica, coerção física, punições exemplares e até assassinatos. Ameaças, violência psicológica, coerção física, punições exemplares e até assassinatos 3. Os Imigrantes – transição para o trabalho livre no Brasil No século XIX, a imagem do Brasil na Europa e na Ásia (principalmente Japão) era de um país das oportunidades. Pessoas que passavam por dificuldades econômicas enxergaram uma ótima chance de prosperarem no Brasil. A chegada dos primeiros grupos de imigrantes no Brasil aconteceu a partir de 1808, alguns anos antes da independência, a convite do Príncipe Regente D. João VI. Fica uma pergunta: por que importar europeus? Afirma alguns historiadores que, grande parte dos trabalhadores nacionais livres se recusavam ao trabalho nas lavouras porque possuíam uma ideia extremamente negativa a respeito do mesmo. Havia um preconceito do trabalho manual. No início do século XIX, grande levas de imigrantes, principalmente europeus, vieram para o Brasil em busca de melhores oportunidades de trabalho. Compravam terras e começam a plantar para sobreviver e também vender em pequenas quantidades. A importação de trabalhadores livres se fez basicamente sob duas modalidades:  Sistema de parceria – nele, os trabalhadores imigrantes eram, em sua maioria, camponeses empobrecidos, artesãos e operários que esperavam no outro lado do Atlântico (no Brasil) o que na Europa estavam impossibilitados de obter: acesso à terra, bens materiais e condições dignas de vida. Pelo contrato de parceria, os colonos tinham todas as despesas de viagem pagas e transporte até a fazenda. Os gastos com manutenção e instalação da família, efetuados logo após a chegada dos mesmos corriam também por conta do fazendeiro. Quando ocorresse a colheita fazia-se o acerto de contas;  Sistema de imigração subvencionada ou subsidiada. Pelo sistema o governo brasileiro assumia a responsabilidade de arcar com as despesas de viagem dos trabalhadores imigrantes e de suas famílias e os fazendeiros arcavam com os gastos do colono durante o seu primeiro ano de vida no país. Além disso, os colonos receberiam um salário fixo anual e mais um salário de acordo com o volume da colheita, fixado por alqueire de café produzido. O pioneiro em recrutar imigrantes europeus foi um grande fazendeiro da região de Limeira, em São Paulo, o senador Nicolau de Campos Vergueiro, que trouxe para a sua fazenda famílias da Suíça e da Alemanha. O grande empecilho para o sucesso da imigração, pesar de autorizada a concessão de terras a estrangeiros, era o latifúndio, impedia a implantação da pequena propriedade rural e a escravidão obstaculizava o trabalho livre assalariado. Durante o século XX, muitos imigrantes que aqui chegaram, vieram fugindo do perigo provocado pelas duas grandes guerras mundiais que atingiram o continente europeu.
  8. 8. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 8 A entrada de imigrantes europeus no Brasil integrou uma política chamada de engenharia social ou seja, tentando copiar a sociedade europeia, os intelectuais brasileiros visavam ao embranquecimento do povo brasileiro através do processo de imigração. A consolidação do trabalho livre e assalariado fortaleceu o mercado interno brasileiro e criou condições para o desenvolvimento industrial. 4. A democracia racial No pós-abolição da escravatura são lançadas as bases teóricas do mito da democracia racial e se consolidaram no imaginário social. da abolição da escravatura, que mergulha o negro em uma condição completamente nova com relação a todas as experiências anteriormente por ele vividas. O mito se transformou em ideologia oficial das relações raciais no Brasil. A ideia de um Brasil formado por uma 'mistura de raças', miscigenação cultural, diferentes etnias e culturas fizeram subentender a ideia de um Brasil sem preconceito e racismo. A miscigenação não exclui os preconceitos. Nossa última constituição coloca a discriminação racial como um crime inafiançável. Nosso racismo é velado e, nem por isso, pulsante. Os sistemas de cotas e a criação de um ministério voltado para essa única questão demonstram o tamanho do nosso problema. Um dos primeiros a discutir as “questões étnicas no Brasil, foi Gilberto Freire que, influenciado pelos estudos relativistas (Estados Unidos, Escola de Franz Boas), publica a célebre obra Casa Grande e Senzala. Com ela começa a se escrever a fábula do “Mito da democracia racial no Brasil”. (O Mito da Democracia Racial no Brasil. http://lllsociologialll.blogspot.com.br). Joaquim Nabuco A cunhagem da expressão “democracia étnica”, por Gilberto Freyre, surge no contexto da sua militância contra o integralismo. Na década de 1910 surge, defendido principalmente pelo antropólogo João Batista de Lacerda, o denominado “mito do embranquecimento”. Segundo esse pensamento, “a mistura no Brasil se realizaria de forma tão acentuada que as diferenças étnicas tenderiam a desaparecer em aproximadamente um século”. Afirmava que o Brasil iria se uniformizar etnicamente em um curto espaço de tempo. Na década de 1930, O médico Nina publica o livro Os Africanos no Brasil, “salienta na obra o pessimismo com relação à mistura de grupos étnicos no Brasil, afirmando que desse fato decorreria inclusive a tendência brasileira ao atraso econômico”. Esta postura é seguida por autores como Euclides da Cunha. (O Mito da Democracia Racial no Brasil. http://lllsociologialll.blogspot.com.br) Segundo Petrônio Domingues, “Democracia racial, a rigor, significa um sistema racial desprovido de qualquer barreira legal ou institucional para a igualdade racial, e, em certa medida, um sistema racial desprovido de qualquer manifestação de preconceito ou discriminação.” (O mito da democracia racial e a mestiçagem no Brasil (1889- 1930). Alguns teóricos “entendem a democracia racial como uma ideia, um ideário tipicamente brasileiro ou ainda como um mito social que, de acordo
  9. 9. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 9 com alguns, não deve ser descartado porque carregaria em si a potencialidade de unir as pessoas e de mobilizá-las em torno de um ideal nobre.” O termo denota a crença de que o Brasil escapou do racismo e da discriminação racial vista em outros países. Outros intelectuais criticam veementemente tal conceito. Para estes, “a ideia da democracia racial dificulta o reconhecimento das discriminações reais e contribui, em última análise, para retardar mudanças estruturais necessárias.” Segundo o “discurso legal”, todos os cidadãos negros poderia usufruir de uma igualdade de direitos e oportunidades em relação aos brancos em todas as áreas da vida pública. No entanto, a própria constituição de 1891, excluir da participação política, os analfabetos, que em sua maioria eram negros. A cor não deixou de ser um fator restritivo ao sucesso individual. No discurso da elite, o fracasso negro na vida passa a ser interpretado como uma consequência das suas próprias deficiências, pois, na “prática”, o sistema oferecia igualdade de oportunidades a todos. A vítima é a culpada – “A culpa não é dos brancos - é nossa”. As deficiências eram vista como legado da escravidão. Nesta perspectiva, o negro passaria a conceber a liberdade como o oposto ao trabalho, à responsabilidade e à disciplina. O racismo científico referendava as deficiências como sendo biológicas, naturais e não culturais. O mito da democracia racial gerava uma sensação de alívio entre os brancos no seu conjunto, a ponto de se sentirem eximidos de qualquer obrigação pelo drama da população negra. (Petrônio Domingues. O mito da democracia racial e a mestiçagem no Brasil (1889-1930). O mito da democracia racial era uma distorção do padrão das relações raciais no Brasil, construído para maquiar a opressiva realidade de desigualdade entre negros e brancos. O mito da democracia racial se construiu e se perpetuou graças a literatura produzida pelos viajantes que visitaram o país; pela produção da elite intelectual e política; pela direção do movimento abolicionista institucionalizado; pelo processo de mestiçagem. Quando a imprensa procura negar o preconceito racial, ela contribuía para desarticular a luta política antirracista, pois não se combate o que não existe. O que se fazia era forjar o fetiche da integração simbólica do negro no seio da nacionalidade. O mito da democracia racial "fabricou" a figura do "mulato" como uma categoria independente. Ele, passava a ter maiores chances de ascensão e aceitação social. Era saída encontrada pela ideologia da democracia racial para difundir a ilusão de que no Brasil não existiam distinções de “raça” No discurso, na construção do imaginário do brasileiro, “as incursões sexuais do português sobre a escrava eram reconhecidas como prova da ausência de preconceito do branco. A mestiçagem era representada como expressão do estreitamento nas relações raciais.” O mito da democracia racial, na prática, reforça o "complexo de superioridade" no branco, ao mesmo tempo desenvolve no negro o "complexo de inferioridade". Ou seja, transfere para o negro a culpa por todas as mazelas que o afetavam. Os que conseguiam ascensão, negam suas origens, tornavam-se "negro de alma branca”, abandonando sua identificação com a luta do seu grupo racial de origem. Reforçava o mito da democracia racial. A exceção vira regra. Falta às pessoas a consciência real do que é o racismo e de como este mito cresce a cada dia promovendo mais desigualdades na nossa sociedade. Nas décadas de 1960 e 1970, Florestan Fernandes, Roberto DaMatta e Fernando Henrique Cardoso, “desenvolveram a chamada crítica ao mito da democracia racial, apresentando como acrítica uma concepção antropológica que se recusava a tratar cientificamente todos os conflitos inter-étnicos existentes no passado brasileiro e no seu próprio presente”. (O Mito da Democracia Racial no Brasil. http://lllsociologialll.blogspot.com.br). O golpe militar de 1964, que destrói o pacto populista, estremece também os elos do protesto negro com o sistema político. O movimento negro brasileiro, influenciado, internacionalmente, pela negritude, enfatizava as suas raízes africanas. A partir de 1968, os principais líderes negros brasileiros vão para o exílio. Na década de 1980, o “mito da democracia racial” será denunciado sistematicamente como um
  10. 10. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 10 dogma da “supremacia branca” no Brasil. O movimento queria transformar a imagem do Brasil de paraíso em inferno racial. (Democracia racial, Antônio Sérgio Alfredo Guimarães). Com a redemocratização do país, grupos sociais farão dos direitos civis, individuais e universais o principal objetivo das lutas sociais. A partir da década de 1990, não é mais a democracia que será adjetivada para explicar a especificidade brasileira, mas o racismo. 5. Exercícios 1) Em relação ao sistema produtivo das cidades- estados gregas, podemos dizer que predominava: a) O trabalho dos camponeses livres, rendeiros dependentes e artesãos urbanos. b) O trabalho comunal nas aldeias agrícolas, sendo a escravidão secundária. c) A escravidão, então convertida em um modo de produção sistemático. d) O trabalho livre junto às propriedades rurais e pequenas unidades artesanais. e) A vassalagem originária dos comitatus germânico e do colonato romano. 2) A escravidão foi conhecida pela maioria dos povos e cultura do mundo. Originalmente representou a necessidade do emprego de uma mão-de-obra complementar, que aumentasse a produtividade do trabalho familiar e doméstico. Gradativamente o escravo passou a ser empregado em todos setores da economia. Sobre a utilização da mão-de-obra escrava ao longo da história, podemos afirmar que: I. Os gregos e romanos utilizaram como mão-de- obra escrava os prisioneiros de guerra e de dívidas; II. O período medieval assistiu à redução progressiva do número de escravos na Europa cristã ocidental pela utilização da mão-de-obra servil; III. A mão-de-obra africana utilizada na colonização do Brasil foi justificada pela rentabilidade do tráfico negreiro; IV. A mão-de-obra assalariada foi empregada em toda a colonização da América, impedindo a utilização da mão-de-obra escrava. É correto afirmar que estão corretas as afirmativas... a) I, II e IV b) II, III e IV c) I, II e III d) I e II e) Todas as alternativas 3) (FGV) Analise o gráfico abaixo: O tráfico negreiro foi um dos mais importantes elementos do domínio colonial entre os séculos XVI e XVIII. A mão de obra escrava proveniente da África foi empregada nas principais atividades desenvolvidas nas colônias americanas, por iniciativa dos Estados europeus. Considerando os dados fornecidos pelo gráfico, é possível afirmar sobre a economia colonial nesse período: a) A utilização de escravos africanos na América espanhola cresceu em escala progressiva e acompanhou o aumento da extração de prata e ouro até o final do século XVIII. b) A introdução de escravos africanos nas Antilhas Francesas está associada à produção canavieira desenvolvida por holandeses após a sua expulsão de Pernambuco na metade do século XVII. c) Os governantes ingleses impediram o tráfico de escravos em suas colônias e estimularam, em contrapartida, o desenvolvimento do povoamento europeu nos territórios americanos sob o seu controle. d) A utilização de escravos africanos no Brasil ocorreu, apenas, com a descoberta de ouro e pedras preciosas na região das Minas Gerais, no século XVIII.
  11. 11. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 11 e) O número de escravos africanos trazido ao Brasil foi sempre superior ao volume de escravos destinados às demais áreas coloniais referidas no gráfico. 4) (UNESP) Sobre o emprego da mão de obra escrava no Brasil colonial, é possível afirmar que a) Apenas africanos foram escravizados, porque a Igreja Católica impedia a escravização dos índios. b) As chamadas “guerras justas” dos portugueses contra tribos rebeldes legitimavam a escravização de índios. c) Interesses ligados ao tráfico negreiro controlado pelos holandeses forçavam a escravização do africano. d) Os engenhos de açúcar do Nordeste brasileiro empregavam exclusivamente indígenas escravizados. e) Apenas indígenas eram escravizados nas áreas em que a pecuária e o extrativismo predominavam. 5) (UFSC) Os instrumentos são de vários tipos; alguns são vivos, outros inanimados; o capitão de um navio usa um leme sem vida, mas um homem vivo como observador; pois o trabalhador num ofício é, do ponto de vista do ofício, um de seus instrumentos. Assim, qualquer parte da propriedade pode ser considerada um instrumento destinado a tornar o homem capaz de viver; e sua propriedade é a reunião desse tipo de instrumentos, incluindo os escravos; e um escravo, sendo uma criatura viva, como qualquer outro servo, é uma ferramenta equivalente às outras. Ele é em si uma ferramenta para manejar ferramentas (Aristóteles (século IV a.C.). Política) A escravidão era comum na Grécia Antiga. Em Atenas, Corinto e Mileto, quase toda a vida econômica dependia do trabalho escravo. Era frequente encontrar o escravo trabalhando na agricultura, nas oficinas de artesanato, em serviços domésticos e nas minas. O modo como os gregos encaravam a escravidão ficou registrado em textos de filósofos da época, como o de Aristóteles, do qual podemos depreender que o escravo era visto como um (a) Ser vivo e humano, antes de tudo. (b) Instrumento de trabalho vivo e uma propriedade. (c) Cidadão com direitos, por ser uma criatura viva. (d) Servo para qualquer trabalho, que não podia ser vendido. (e) Trabalhador assalariado, explorado como ferramenta viva de trabalho. 6) A escravidão foi característica básica das relações de produção na Grécia. O trabalho escravo sustentou essa sociedade cuja elite desprezava o trabalho manual. Aristóteles, filósofo grego, faz várias considerações sobre a situação do escravo na Grécia Antiga, nas alternativas que se segue, com exceção de: A) Os que nada tem a oferecer além do seu corpo como força de trabalho estão condenados à escravidão. B) A sujeição ao trabalho escravo é melhor do que ficar abandonado. C) A guerra e as conquistas são indispensáveis para a criação de uma sociedade escrava. D) O uso dos escravos e dos homens é aproximadamente o mesmo. 7) (UEPG) O escravismo antigo foi uma invenção do mundo greco-romano que forneceu a base última tanto das suas realizações como do seu eclipse. Sobre esse sistema, assinale o que for correto. 1. Nas duas grandes épocas clássicas da Antiguidade, a Grécia dos séculos V e IV a.C. e Roma do século II a.C. ao II d.C., a escravatura foi massiva. 2. A liberdade e a escravatura helênicas eram indivisíveis: cada uma delas era condição estrutural da outra. 3. As cidades-estados gregas tornaram a escravatura pela primeira vez absoluta na forma e dominante na extensão, transformando-a de recurso subsidiário em modo de produção sistemático. 4. Instituição solidamente enraizada na abolição: mesmo nas grandes rebeliões de escravos, os revoltosos em geral almejavam a liberdade individual e não a supressão do sistema. 5. A manumissão, concessão de liberdade ao escravo, foi uma prática generalizada na Roma escravista. [a] Se apenas 1 for incorreta; [b] Se apenas 1 e 3 forem incorretas; [c] Se apenas 3, 4 e 5 forem incorretas [d] Se todas forem incorretas;
  12. 12. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 12 [e] Se rodas forem corretas. 8) (ULBRA/RS) A escravidão e a servidão fazem parte de um divisor de águas para a diferenciação de períodos históricos característicos da Europa. Embora exista uma certa utilização equivocada, envolvendo os conceitos, podemos dizer que em essência e em lógica de perpetuação dos sistemas socioeconômicos: [a] A escravidão possuía uma prática comum em todas as regiões da Europa, da Ásia e da América ligada ao feudalismo; [b] A servidão era componente fundamental para a definição da ação dos pretores e do desenvolvimento das áreas de plantation; [c] A escravidão na idade média era fonte principal do abastecimento de mão-de-obra qualificada para o comércio; [d] A servidão vinculava o trabalhador à terra e determinava a abrangência do poder do senhor feudal; [e] A escravidão em Roma caracterizava-se unicamente pela exploração de negros vindos da África que eram, diretamente, exportados para as áreas de plantation na América. 9) (PUC-PR) Textos de todos os povos falam do excesso e do peso do pagamento de tributos, incluindo os camponeses ou servos de gleba medievais no Ocidente da Europa. Para estes, das várias obrigações, cita-se o pagamento de tributo em espécie e fornecimento de mão-de-obra gratuita para reparo de pontes, estradas, canais, etc., respectivamente com os nomes de: [a] Corveia – talha; [b] Talha – corveia; [c] Taxa de casamento – mão morta. [d] Censo – capitação; [e] Banalidades – talha; 10) (ESPM/SP) A sociedade feudal era essencialmente agrária, sendo a terra principal fonte de riquezas. Além de criar o produto necessário à própria subsistência e à de suas famílias, os camponeses eram obrigados a realizar tarefas suplementares para o senhor. Entre os tributos que os servos pagavam ao senhor feudal estava a corveia, que consistia em: [a] Trabalho gratuito nas terras do senhor, ou seja, no manso senhorial, em alguns dias da semana; [b] Porcentagem da produção da tenência, ou seja, uma parte do que tivesse sido produzido no manso servil. [c] Tributo cobrado pelo uso de instrumentos ou bens do senhor, como o moinho, o forno, o celeiro, as pontes; [d] Imposto pago por cada membro da família servil, por cabeça; [e] Imposto pago à Igreja, utilizado para a manutenção da capela local; 11) (UFPEL) Ilustração do século XV que representa os servos prestando serviços sob a fiscalização de um agente do senhor. Durante o feudalismo europeu, este tipo de obrigação, que era cumprida através de trabalho gratuito nas terras senhoriais, era denominada de a) Talha. b) Banalidades. c) Mão-morta. d) Comitatus. e) Corveia. 12) (GVRJ) A palavra servo vem de servus (latim), que significa “escravo”. No período medieval, esse termo adquiriu um novo sentido, passando a designar a categoria social dos homens não livres, ou seja, dependentes de um senhor. (...) A condição servil era marcada por um conjunto de direitos senhoriais ou, do ponto de vista dos servos, de obrigações servis. (Luiz Koshiba, História: origens, estruturas e processos) Assinale a alternativa que caracterize corretamente uma dessas obrigações servis.
  13. 13. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 13 a) Dízimo era um imposto pago por todos os servos para o senhor feudal custear as despesas de proteção do feudo. b) Talha era a cobrança pelo uso da terra e dos equipamentos do feudo e não podia ser paga com mercadorias e sim com moeda. c) Mão morta era um tributo anual e per capita, que recaía apenas sobre o baixo clero, os vilões e os cavaleiros. d) Corveia foi um tributo aplicado apenas no período decadente do feudalismo e que recaía sobre os servos mais velhos. e) Banalidades eram o pagamento de taxas pelo uso das instalações pertencentes ao senhor feudal, como o moinho e o forno. 13) Os senhores poucos, os escravos muitos; os senhores rompendo galas, os escravos despidos e nus, os senhores banqueteando, os escravos perecendo à fome... Estas palavras, do padre Antônio Vieira, descrevem bem a situação da sociedade colonial à época do apogeu açucareiro. A respeito, considere as afirmativas: I. Os senhores eram os donos dos engenhos e da riqueza neles gerada; logo, podiam comer bem e vestir-se luxuosamente. II. Os escravos eram uma propriedade dos senhores, como qualquer outro objeto de sua lavoura e de seu engenho, não precisando de roupas e comendo apenas o mínimo necessário. III. A Igreja Católica, inclusive os padres da Companhia de Jesus, admitiu em geral a escravidão africana, embora tenha combatido com coragem e tenacidade a escravização do indígena. IV. A minoria dos senhores de terras e escravos temia as ações dos jesuítas, tal como haviam feito os holandeses em Pernambuco, em prol da libertação dos escravos dos engenhos e plantações. Assinale: a) Se somente as alternativas I e II estão corretas. b) Se somente as alternativas II e III estão corretas. c) Se somente as alternativas I, II e II estão corretas. d) Se somente as alternativas II, III e IV estão corretas. e) Se todas as alternativas estão corretas. 14) As leis portuguesas do século XVI são dúbias com relação aos indígenas, proíbem a escravização do indígena, mas ao mesmo tempo abrem essa possibilidade em caso de “guerra justa”. Para os portugueses “guerra justa” significava: a) A utilização da força para que esses povos pudessem participar do reino dos céus. b) Aquela no qual o indígena tomava a iniciativa de agressão contra o branco. c) O aprisionamento devido à necessidade vital de mão-de-obra. d) A ação missionária do jesuíta para ensinar os valores da sociedade branca. e) O uso da violência na formação dos aldeamentos, evitando a ação dos jesuítas. 15) A organização do engenho exigia a utilização de numerosos trabalhadores na produção açucareira, estimulando a escravidão, já adotada por Portugal nas Ilhas Atlânticas, e que representava: a) A efetivação do sistema capitalista na periferia do sistema colonial, fundamental para a acumulação de riquezas. b) Um grande retrocesso para Portugal, que desde o Renascimento Humanista havia abolido a escravidão de seus territórios. c) Uma contradição, pois nos países europeus desenvolvia-se a mentalidade liberal, antiescravista. d) Um choque com a Igreja Católica, contrária qualquer forma de escravidão, por considerar que todos são filhos de Deus. e) A retomada do escravismo antigo, tal como no Império Romano, em que o escravo era utilizado em atividades variadas. 16) (UFSC) Os africanos foram trazidos do chamado continente negro para o Brasil em um fluxo de intensidade variável. Os cálculos sobre o número de pessoas transportadas como escravos variam muito. Estima-se que, entre 1550 e 1855, entraram pelos portos brasileiros 4 milhões de escravos, na sua grande maioria jovens do sexo masculino. (FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo,1995. p. 51.) Sobre a escravidão no Brasil, é correto afirmar que:
  14. 14. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 14 1. Eram chamados quilombos os espaços determinados para alojar os escravos destinados ao comércio e foram fundamentais na estrutura produtiva dos engenhos de açúcar. 2. O dia da consciência negra celebra a assinatura da Lei Áurea no século XIX, que proclamou a liberdade dos escravos. 3. Aos escravos só restava a rebeldia como forma de reação, a qual se manifestava através do assassinato de feitores, das fugas e até do suicídio. Não havia qualquer forma de negociação com vistas a melhores condições de vida por parte dos negros. 4. O Quilombo dos Palmares, organizado no interior do atual Estado de Alagoas, é considerado o mais importante do período colonial e foi liderado por Zumbi. 5. No continente africano os vários povos estavam divididos em etnias organizadas em tribos, clãs e reinos. Apesar desta divisão, a unidade desses povos foi uma forma de resistirem à escravidão e não serem transformados em mercadoria. [A] Se apenas 3 e 4 forem corretas [B] Se apenas 1 e 2 forem corretas; [C] Se apenas 2 e 4 forem corretas [D] Se apenas 4 e 5 forem corretas [E] Se apenas 1 e 4 forem corretas 17) (PUC-RIO) Sobre as características da sociedade escravista colonial da América portuguesa estão corretas as afirmações abaixo, À EXCEÇÃO de uma. Indique-a. A) O início do processo de colonização na América portuguesa foi marcado pela utilização dos índios - denominados “negros da terra” - como mão-de- obra. B) Na América portuguesa, ocorreu o predomínio da utilização da mão-de-obra escrava africana seja em áreas ligadas à agro exportação, como o nordeste açucareiro a partir do final do século XVI, seja na região mineradora a partir do século XVIII. C) A partir do século XVI, com a introdução da mão- de-obra escrava africana, a escravidão indígena acabou por completo em todas as regiões da América portuguesa. D) Em algumas regiões da América portuguesa, os senhores permitiram que alguns de seus escravos pudessem realizar uma lavoura de subsistência dentro dos latifúndios agroexportadores, o que os historiadores denominam de “brecha camponesa”. E) Nas cidades coloniais da América portuguesa, escravos e escravas trabalharam vendendo mercadorias como doces, legumes e frutas, sendo conhecidos como “escravos de ganho”. 18) (PUC-RIO) Cartazes, como o acima, registram algumas das características da escravidão na sociedade brasileira, durante o século XIX. Com base nas informações contidas no documento e no seu conhecimento acerca da escravidão, assinale a única opção que NÃO apresenta uma característica correta. A) Os escravos especializados em algum ofício usufruíam de melhores condições de trabalho; viviam, nas cidades, como homens livres, e evitavam fugas ou revoltas. B) O costume de andar calçado era um símbolo de status social que permitia estabelecer critérios de distinção entre trabalhadores libertos (forros) e escravos. C) A identificação do escravo como “crioulo” apontava para sua condição de nascido no Brasil,
  15. 15. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 15 distinguindo-o, do “africano”, o recém-chegado, trazido pelo tráfico. D) As diferenças entre escravos e “forros”, isto é, cativos que haviam conseguido sua alforria, em áreas urbanas, eram pouco expressivas em termos de matizes raciais. E) As fugas de escravos, a despeito de sua recorrência, eram compreendidas pelos proprietários como a perda de um bem constituído, o que justificava o pagamento de recompensa pela captura. 19) (FUVEST) Trabalho escravo ou escravidão por dívida é uma forma de escravidão que consiste na privação da liberdade de uma pessoa (ou grupo), que fica obrigada a trabalhar para pagar uma dívida que o empregador alega ter sido contraída no momento da contratação. Essa forma de escravidão já existia no Brasil, quando era preponderante a escravidão de negros africanos que os transformava legalmente em propriedade dos seus senhores. As leis abolicionistas não se referiram à escravidão por dívida. Na atualidade, pelo artigo 149 do Código Penal Brasileiro, o conceito de redução de pessoas à condição de escravos foi ampliado de modo a incluir também os casos de situação degradante e de jornadas de trabalho excessivas. (Adaptado de Neide Estergi. A luta contra o trabalho escravo, 2007.) Com base no texto, considere as afirmações abaixo: II. O escravo africano era propriedade de seus senhores no período anterior à Abolição. III. O trabalho escravo foi extinto, em todas as suas formas, com a Lei Áurea. IV. A escravidão de negros africanos não é a única modalidade de trabalho escravo na história do Brasil. V. A privação da liberdade de uma pessoa, sob a alegação de dívida contraída no momento do contrato de trabalho, não é uma modalidade de escravidão. VI. As jornadas excessivas e a situação degradante de trabalho são consideradas formas de escravidão pela legislação brasileira atual. São corretas apenas as afirmações: A) I, II e IV B) I, III e V C) I, IV e V D) II, III e IV E) III, IV e V 20) (UDESC) Em 17 de março de 1872 pelo menos duas dezenas de escravos liderados pelo escravo chamado Bonifácio avançaram sobre José Moreira Veludo, proprietário da Casa de Comissões (lojas de venda e compra de escravos) em que se encontravam, e lhe meteram a lenha. Em depoimento à polícia, o escravo Gonçalo assim justificou o ataque: Tendo ido anteontem para a casa de Veludo para ser vendido foi convidado por Filomeno e outros para se associar com eles para matarem Veludo para não irem para a fazenda de café para onde tinham sido vendidos. (Apud: CHALHOUB, Sidney, 1990, p. 30 31) Com base no caso citado acima e considerando o fato e a historiografia recente sobre os escravos e a escravidão no Brasil, é possível entender os escravos e a forma como se relacionavam com a escravidão da seguinte forma: I. O escravo era uma coisa, ou seja, estava sujeito ao poder e ao domínio de seu proprietário. Privado de todo e qualquer direito, incapaz de agir com autonomia, o escravo era politicamente inexpressivo, expressando passivamente os significados sociais impostos pelo seu senhor. II. Nem passivos e nem rebeldes valorosos e indomáveis, estudos recentes informam que os escravos eram capazes de se organizar e se contrapor por meio de brigas ou desordens àquilo que não consideravam justo, mesmo dentro do sistema escravista. III. Incidentes, como no texto acima, denotam rebeldia e violência por parte dos escravos. O ataque ao Senhor Veludo, além de relevar o banditismo e a delinquência dos escravos, só permite uma única interpretação: barbárie social. IV. O tráfico interno no Brasil deslocava milhares de escravos de um lugar para outro. Na iminência de serem subitamente arrancados de seus locais de origem, da companhia de seus familiares e do trabalho com o qual estavam acostumados, muitos reagiram agredindo seus novos senhores, atacando os donos de Casas de Comissões, etc. V. Pesquisas recentes sobre os escravos no Brasil trazem uma série de exemplos, como o texto citado acima, que se contrapõem e
  16. 16. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 16 desconstroem mitos célebres da historiografia tradicional: que os escravos eram apenas peças econômicas, sem vontades que orientassem suas próprias ações. Assinale a alternativa correta. [a] Somente as afirmativas III e IV são verdadeiras. [b] Somente as afirmativas I e III são verdadeiras. [c] Somente as afirmativas I, II, IV e V são verdadeiras. [d] Somente as afirmativas II, IV e V são verdadeiras. [e] Todas as afirmativas são verdadeiras. 21) (FUVEST) O Brasil ainda não conseguiu extinguir o trabalho em condições de escravidão, pois ainda existem muitos trabalhadores nessa situação. Com relação a tal modalidade de exploração do ser humano, analise as afirmações abaixo. I. As relações entre os trabalhadores e seus empregadores marcam-se pela informalidade e pelas crescentes dívidas feitas pelos trabalhadores nos armazéns dos empregadores, aumentando a dependência financeira para com eles. II. Geralmente, os trabalhadores são atraídos de regiões distantes do local de trabalho, com a promessa de bons salários, mas as situações de trabalho envolvem condições insalubres e extenuantes. III. A persistência do trabalho escravo ou semiescravo no Brasil, não obstante a legislação que o proíbe, explicasse pela intensa competitividade do mercado globalizado. Está correto o que se afirmar em: [a] I, somente. [b] II, somente. [c] I e II, somente. [d] II e III, somente. [e] I, II e III. 22) A escravidão negra no Brasil teve várias facetas. Dentre as assertivas a seguir, qual não pode ser considerada uma marca do escravismo brasileiro? A) A vida nos engenhos era dura e penosa. Por isso, a expectativa de vida dos escravos era muito pequena. B) Todos os escravos se reconheciam como iguais e lutaram juntos pelo fim da infame escravidão. C) O processo de derrocada da escravidão foi lento e gradual, durando, legalmente falando, quase quarenta anos (1850-1888). D) Era relativamente comum ao “preto forro”, caso tivesse algum pecúlio, adquirir um escravo. E) Os escravos que conseguiam, ao longo de muitos anos de trabalho duro, juntar algum cabedal compravam a sua liberdade. 23) (UFPB 2008) O texto, a seguir, retrata uma das mais tristes páginas da história do Brasil: a escravidão. “O bojo dos navios da danação e da morte era o ventre da besta mercantilista: uma máquina de moer carne humana, funcionando incessantemente para alimentar as plantações e os engenhos, as minas e as mesas, a casa e a cama dos senhores – e, mais do que tudo, os cofres dos traficantes de homens.” (Fonte: BUENO, Eduardo. Brasil: uma história: a in- crível saga de um país. São Paulo: Ática, 2003. p. 112). Sobre a escravidão como atividade econômica no Brasil Colônia, é correto afirmar: A) As pressões inglesas, para que o tráfico de escravos continuasse, aumentaram após 1850. Porém, no Brasil, com a Lei Eusébio de Queiróz, ocorreu o fim do tráfico intercontinental e, praticamente, desapareceu o tráfico interno entre as regiões. B) A mão-de-obra escrava no Brasil, diferente de outros lugares, não era permitida em atividades econômicas complementares. Por isso, destinaram-se escravos exclusivamente às plantações de cana-de-açúcar, às minas e à produção do café. C) A compra e posse de escravos, durante todo o período em que perdurou a escravidão, só foi permitida para quem pudesse manter um número de, pelo menos, 30 cativos. Essa proibição justificava-se, devido aos altos custos para se ter escravos. D) Muitos cativos, no início da escravidão, conseguiam a liberdade, após adquirirem a carta de alforria. Isso explica o grande número de ex- escravos que, na Paraíba, conseguiram tornar-se grandes proprietários de terras. E) Os escravos, amontoados e em condições desumanas, eram transportados da África para o Brasil, nos porões dos navios negreiros, como
  17. 17. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 17 forma de diminuição de custos. Com isso, muitos cativos morriam antes de chegarem ao destino. 24) (UFSC) A Anti-Slavery Internacional, organização não- governamental que atua no combate à escravidão no mundo contemporâneo, considerava que cerca de 25 milhões de pessoas eram vítimas do trabalho escravo em 2003. Dentre essas pessoas haveria trabalho infantil, exploração sexual e trabalhadores escravizados por dívida. Nesse mesmo ano, conforme a Comissão Pastoral da Terra (CPT), aproximadamente 25 mil pessoas estariam vivendo nessas condições no Brasil. CATELLI JUNIOR, Roberto. História – Texto e Contexto. São Paulo: Editora Scipione, 2007. p. 268. Sobre o tema escravidão, é CORRETO afirmar que: 1. A partir de 1888, com a Lei Áurea, foram criadas condições especiais para que os libertos pudessem ingressar no mercado de trabalho, especialmente no meio rural com a distribuição de terra a ex-escravos. 2. Dada à tradição de liberdade, a população indígena no Brasil nunca pode ser submetida à escravidão, optando-se, então, pela compra de negros da África. 3. No Brasil do século XXI ainda existem pessoas que vivem em condições de escravidão, tanto em grandes fazendas quanto no meio urbano. 4. Em função das políticas de inclusão adotadas no Brasil nos últimos anos, as diferenças salariais desapareceram quando comparados os salários entre brancos e negros. 5. Conflitos entre as várias tribos no continente africano fizeram com que negros escravizassem outros negros, vendendo-os como mercadorias. [a] Se apenas 3 e 4 forem corretas [b] Se apenas 1 e 2 forem corretas; [c] Se apenas 2 e 4 forem corretas [d] Se apenas 3 e 5 forem corretas [e] Se apenas 1 e 4 forem corretas 25) A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, na segunda metade do século XVIII, provocou inúmeras mudanças, não somente na forma de produzir mercadorias como também nas relações de trabalho. Milhares de trabalhadores foram submetidos a até 16 horas de trabalho por dia, baixos salários e péssimas condições de vida. Para contrapor a esta situação, eles resistiram de todas as formas e um destes “movimentos” ficou conhecido como “ludismo”. Assinale a alternativa correta, que define este movimento. [a] Era uma organização clandestina que tinha como objetivo assassinar patrões e altos funcionários do governo. [b] Era um sindicato que tinha como proposta conscientizar a burguesia e o governo sobre a miséria da classe operária. [c] Era um grupo formado, em sua maioria, por artesãos que quebravam as máquinas porque acreditavam que elas os estavam substituindo. [d] Era uma associação que visava formar e educar os futuros trabalhadores, tornando os mais competitivos no mercado de trabalho. [e] Era um partido operário que defendia a supressão do capitalismo, substituindo-o por uma sociedade igualitária. 26) (UDESC) As questões abaixo referem-se aos movimentos operários, no contexto da Revolução Industrial do século XIX. I. Ao longo do século XIX a consolidação do capitalismo tornaria as condições de vida e de trabalho do nascente proletariado extremamente precárias. II. O ludismo traduz as primeiras manifestações de resistência da nascente classe operária que ocupou os últimos anos do século XVIII e os primeiros do século XIX. III. Em meados do século XIX a greve geral dos trabalhadores na Europa, organizada pelo sindicato que representava a classe operária, provocou importantes mudanças na legislação trabalhista da época. IV. O movimento cartista, movimento operário que surgiu na primeira metade do século XIX, não se constituiu um fato isolado, pois foi precedido de greves, motins, insurreições e outras manifestações da classe operária. V. Na segunda metade do século XIX, e principalmente com a formação das associações internacionais dos trabalhadores, percebeu-se uma estreita relação entre o marxismo e o movimento operário europeu. Assinale a alternativa correta.
  18. 18. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 18 [a] Somente as afirmativas I, II, III e IV são verdadeiras. [b] Somente as afirmativas I, II, IV e V são verdadeiras. [c] Somente as afirmativas IV e V são verdadeiras. [d] Somente as afirmativas II e III são verdadeiras. [e] Todas as afirmativas são verdadeiras 27) (UNIMONTES/MG) Afinal, nem todos os homens se renderam diante das forças irresistíveis do novo mundo fabril, e a experiência do movimento de quebradores de máquinas demonstra uma inequívoca capacidade dos trabalhadores para desencadear uma luta aberta contra o sistema de fábrica. (...) Se, por um lado, esse movimento de resistência visava investir contra as novas relações hierárquicas e autoritárias introduzidas no interior do processo de trabalho fabril, e nessa medida a destruição das máquinas funcionava como mecanismo de pressão contra a nova direção organizativa das empresas, de outro lado, inúmeras atividades de destruição carregavam implicitamente uma profunda hostilidade contra as novas máquinas e contra o marco organizador da produção que essa tecnologia impunha.” (DE DECCA, Edgar. O nascimento das fábricas. 3.ed. São Paulo: Brasiliense, 1985, p.30–31. Citado por FARIA, Ricardo de Moura. História. Belo Horizonte: Lê, 1993, vol. 3, p. 157) O texto acima se refere à/ao(s) [a] Movimento conhecido como Ludismo que, segundo o autor, caracterizou-se pela ingenuidade dos trabalhadores que enxergavam, nas novas máquinas, o inimigo a ser enfrentado. [b] Cartismo e às Trade-Unions, estratégias de luta que representam, conforme interpretação do autor, as correntes políticas do movimento de destruição das máquinas. [c] Primórdios da organização e resistência dos trabalhadores à nova ordem social, marcada pelo uso das máquinas na rotina de trabalho, configurando a chamada Revolução Industrial. [d] Influência anarquista junto aos operários fabris, aspecto evidenciado na recusa da ação parlamentar e na opção por uma luta direta contra as máquinas e seus proprietários. 28) A entrada de imigrantes europeus no Brasil integrou uma política chamada de engenharia social. Sobre isso é correto dizer que: a) Tentando copiar a sociedade europeia, os intelectuais brasileiros visavam ao embranquecimento do povo brasileiro através do processo de imigração. b) A engenharia social fez parte da política de aumentar o processo de miscigenação do Brasil, valorizando a identidade afrodescendente da população. c) A engenharia social foi uma estratégia de copiar a sociedade africana como o modelo ideal de civilização para a sociedade brasileira. d) O objetivo de muitos intelectuais era de romper com o estereótipo de que no Brasil só havia escravos, índios e mulatos. 29) (UFPA) Observe a figura abaixo. O “ludismo”, um movimento social ocorrido na Inglaterra da época da Revolução Industrial, pode ser corretamente descrito como uma manifestação de: [a] Trabalhadores livres desempregados que desejavam acabar com as indústrias e voltar para o campo, visando tornarem-se pequenos agricultores. [b] Jovens artistas e pintores que, com a invenção das máquinas de pintura de tecido, foram demitidos das modernas indústrias de tecelagem inglesas. [c] Operários grevistas que se opunham ao desenvolvimento tecnológico ou industrial, atacando as indústrias e fazendo greves por aumento de salário. [d] Operários grevistas que se opunham ao desenvolvimento tecnológico ou industrial, atacando as indústrias e fazendo greves por aumento de salário. [e] Donos de pequenas tecelagens que percebiam, nas grandes fábricas e em suas modernas
  19. 19. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 19 máquinas, o fim de seu pequeno negócio, já que a nova tecnologia barateava o processo produtivo 30) (UDESC) Assinale a alternativa incorreta, sobre o processo de imigração no Brasil, nos séculos XIX e XX. A) Pressionados pelos vários relatos de maus tratos sofridos pelos imigrantes no território brasileiro, governos europeus, como o italiano e o espanhol - no início do século XX -, restringiriam a emigração para o Brasil. B) Depois de 1822 o novo governo imperial procurou trazer imigrantes europeus para colonizar o vasto território brasileiro. A imigração de alemães, suíços e de outros germânicos dominaria a primeira metade do século XIX. C) A partir, mais ou menos, de 1880, o problema da mão-de-obra para manter as lavouras de café, base da economia nacional, provocaria uma explosão da imigração no Brasil. D) Dentro da questão da imigração, também havia outras motivações claramente racistas: "branquear o Brasil", para "civilizá-lo". E) O processo de imigração no Brasil foi bastante uniforme, principalmente se compararmos os imigrantes instalados em Santa Catarina com aqueles instalados em São Paulo, no final do século XIX. 31) (UNISA) A história da imigração para as zonas cafeeiras de São Paulo começa no Segundo Reinado, mas tem maior impacto nos anos posteriores à proclamação da República. O incentivo à vinda de imigrantes passou por alguns ensaios e erros. Em 1847, Nicolau de Campos Vergueiro, antigo regente do Império e fazendeiro, cuja fortuna provinha em boa parte do comércio de importação de escravos, tentou uma primeira experiência. BORIS, Fausto. História do Brasil. Essa primeira experiência foi o “sistema de parceria” que não prosperou. Como razão para o fracasso desse sistema pode-se destacar: a) Os colonos imigrantes não se adaptaram ao trabalho nas lavouras de café, que exigia alto nível técnico; b) A impossibilidade de convivência, em uma mesma fazenda, de colonos imigrantes com escravos negros; c) Os colonos imigrantes não se adaptaram às novas condições de vida e ao clima do Brasil, preferindo retornar ao país de origem; d) Não era de interesse do governo imperial incentivar a vinda de imigrantes, devido ao alto custo da viagem; e) Os colonos imigrantes foram forçados a enfrentar um regime de semiescravidão, devido às condições contratuais firmadas com os fazendeiros. 32) (UFPE) As razões que fizeram com que no Brasil colonial e mesmo durante o império a escravidão africana predominasse em lugar da escravidão dos povos indígenas podem ser atribuídas a (à): [a] Setores da Igreja e da Coroa que se opunham à escravização indígena; fugas, epidemias e legislação antiescravista indígena que a tornaram menos atraente e lucrativa. [b] Religião dos povos indígenas, que proibia o trabalho escravo. Preferiam morrer a ter que se se submeterem às agruras da escravidão que lhes era imposta nos engenhos de açúcar ou mesmo em outros trabalhos. [c] Reação dos povos indígenas, que, por serem bastante organizados e unidos, toda vez que se tentou capturá-los, eles encontravam alguma forma de escapar ao cerco dos portugueses. [d] Ausência de comunicação entre os portugueses e os povos indígenas e à dificuldade de acesso ao interior do continente, face ao pouco conhecimento que se tinha do território e das línguas indígenas. [e] Um enorme preconceito que existia do europeu em relação ao indígena, e não em relação ao africano, o que dificultava enormemente o aproveitamento do indígena em qualquer atividade. 33) Leia a letra da música abaixo: Todo Camburão Tem Um Pouco De Navio Negreiro Marcelo Yuka e O Rappa Tudo começou quando a gente conversava Naquela esquina alí De frente àquela praça Veio os homens E nos pararam Documento por favor Então a gente apresentou Mas eles não paravam Qual é negão? qual é negão?
  20. 20. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 20 O que que tá pegando? Qual é negão? qual é negão? É mole de ver Que em qualquer dura O tempo passa mais lento pro negão Quem segurava com força a chibata Agora usa farda Engatilha a macaca Escolhe sempre o primeiro Negro pra passar na revista Pra passar na revista Todo camburão tem um pouco de navio negreiro Todo camburão tem um pouco de navio negreiro É mole de ver Que para o negro Mesmo a aids possui hierarquia Na África a doença corre solta E a imprensa mundial Dispensa poucas linhas Comparado, comparado Ao que faz com qualquer Figurinha do cinema Comparado, comparado Ao que faz com qualquer Figurinha do cinema Ou das colunas sociais Todo camburão tem um pouco de navio negreiro Todo camburão tem um pouco de navio negreiro A letra acima retrata a permanência do preconceito sofrido pelos negros africanos em decorrência de mais de trezentos anos de escravidão em terras brasileiras. A partir da letra da música e de seus conhecimentos sobre a escravização no Brasil, indique a alternativa incorreta. [a] O fim da escravidão no Brasil não foi acompanhado de medidas para inserir os africanos escravizados na sociedade, já que não eles tiveram acesso a terra e, quanto à adoção do trabalho assalariado, foi dado um estímulo maior aos imigrantes europeus. [b] Os africanos exerciam uma série de atividades, dentre as quais podem ser destacadas as domésticas, quando trabalhavam nas casas, e também quando eram escravos de ganho, administrando pequenos comércios, praticando o artesanato ou prestando pequenos serviços para seus senhores. [c] Após a Independência do Brasil, em 1822, houve uma intensa campanha pelo fim da escravidão do Brasil, organizada principalmente por abolicionistas que se adiantaram às pressões dos ingleses pelo fim do Tráfico no Atlântico. Em razão da ação dos abolicionistas, a Lei Eusébio de Queirós foi promulgada em 1850. [d] Um dos principais exemplos da permanência do preconceito contra os negros no Brasil após o fim da escravidão pode ser encontrado na violência policial, que durante todo o século XX incidiu muito mais nos descendentes de africanos que sobre a população branca. 34) Analise a ilustração abaixo: Quadro do pintor J. B. Debret. Disponível em http://www.reporterbrasil.org.br/exibe. php?id=1346. Acesso em 10/11/2010. Com base na imagem apresentada e nos conhecimentos acerca do período escravocrata no Brasil, é possível concluir que: [a] Após a promulgação da Lei Áurea, os escravos foram inseridos como mão de obra fundamental nas plantações de cana-de- açúcar, de tabaco e de algodão. [b] O Ceará foi a primeira província do Brasil a abolir a escravidão. Este ato serviu como exemplo para as demais províncias, já que o Ceará era a província com maior número de escravos. [c] Em 13 de maio de 1888, através da Lei Áurea, os escravos obtiveram a liberdade total no Brasil. Esta lei, assinada pela Princesa Isabel, abolia de vez a escravidão no Brasil e previa políticas públicas para a inserção dos negros como cidadãos plenos à sociedade brasileira. [d] O governo brasileiro sempre adotou ações eficazes para coibir o tráfico transatlântico de escravos. [e] O fim da escravidão legal no Brasil não foi acompanhado de políticas públicas e mudanças estruturais para a inclusão dos trabalhadores recém-libertos.
  21. 21. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 21 35) Leia abaixo um trecho de uma entrevista de Abdias do Nascimento, escritor, político e militante do movimento negro: “Os cultos afro-brasileiros eram uma questão de polícia. Dava cadeia. Até hoje, nos museus da polícia do Rio de Janeiro ou da Bahia, podemos encontrar artefatos cultuais retidos. São peças que provavam a suposta delinquência ou anormalidade mental da comunidade negra. Na Bahia, o Instituto Nina Rodrigues mostra exatamente isso: que o negro era um camarada doente da cabeça por ter sua própria crença, seus próprios valores, sua liturgia e seu culto. Eles não podiam aceitar isso.” Retirado do Portal Afro: <http://www.portalafro.com.br/entrevistas/abdias/inte rnet/abdias.htm> acessado em 25/09/2013. A partir do trecho acima citado, é possível afirmar que: [a] Apesar da escravidão a que estavam sujeitos, os africanos sempre tiveram autonomia para praticar seus cultos religiosos. [b] Ao chegarem ao Brasil e passarem a conviver com os europeus, os africanos escravizados foram paulatinamente perdendo seus traços culturais originais, adotando ao final integralmente a cultura europeia. [c] Mesmo com todo o tipo de repressão a que estavam sujeitos, os africanos escravizados ainda buscaram manter vivas suas tradições culturais religiosas. [d] Nina Rodrigues e seus seguidores estavam certos ao afirmarem que os africanos eram degenerados por não aceitarem a cultura europeia como superior às suas. 36) O ‘13 de Maio’ foi o coroamento da primeira mobilização nacional da opinião pública, mobilização a que aderiram escravos, libertos, estudantes, jornalistas, advogados, intelectuais, empregados públicos, setores do operariado. Como tal, sua importância não pode ser ignorada. Mas, como vimos, em termos dos resultados, a abolição aboliu muito pouco. A distância que separava o ex- escravo da condição de cidadão era enorme, como continua enorme até hoje a distância que separa a população negra da mesma condição. JOSÉ MURILO DE CARVALHO. A abolição aboliu o quê? Folha de S. Paulo, 13 de maio de 1988. Sobre a abolição da escravidão no Brasil, assinale a alternativa correta. a) Nos anos 1880, o abolicionismo representava um amplo movimento social, com clubes, jornais e comícios, onde atuavam lideranças políticas, jornalistas e advogados. Muitos negros e mestiços, como Francisco de Paula Brito, Luiz Gama, André Rebouças e José do Patrocínio, faziam parte da elite intelectual e das lutas abolicionistas. b) Pouco tempo após a abolição, a mentalidade escravista e os preconceitos raciais foram se dissolvendo no Brasil. O país se tornou um dos grandes exemplos de democracia racial com o estabelecimento da igualdade social entre brancos, negros e índios. c) A Lei Áurea foi aprovada pela princesa Isabel e previa medidas de reparação aos ex-escravos, como acesso à posse da terra e aos demais bens de produção. d) A abolição da escravidão foi obra exclusiva da elite branca que, pressionada pela Inglaterra, visava implantar o trabalho assalariado, garantindo, assim, um mercado consumidor para os produtos industrializados. A população negra, reprimida e submissa, não teve influência na conquista de sua liberdade. e) A elite brasileira estava tão arraigada ao trabalho escravo, que o considerava indispensável à prosperidade econômica do país. Praticamente não houve contestação à escravidão no Brasil durante o século XIX. 37) (...) “O Treze de Maio redimiu 700 mil escravos, que representavam, a essa altura, um número pequeno no total da população estimada em 15 milhões de pessoas. Como se vê, a libertação tardou demais, e representava o fim do último apoio da Monarquia: os fazendeiros cariocas da região do Vale do Paraíba, as quais se divorciavam do seu antigo aliado.” (Schwarcz, Lilia Moritz. As barbas do Imperador – D. Pedro II um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998) Com o crescimento do movimento abolicionista, o Império Brasileiro foi colocado em xeque. Sobre a conjuntura histórica em que foi abolida a escravidão, é correto afirmar sobre a condição do negro na sociedade:
  22. 22. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 22 [A] Os problemas ligados à escravidão se atenuaram, quando o crescimento das revoltas dos ex-escravos suprimiu os conflitos com as elites rurais. [B] As sociedades libertadoras alcançaram o seu objetivo principal que era de promover a integração do ex-escravo na sociedade. [C] O fim da escravidão possibilitou ao negro liberto o livre acesso à terra, garantindo à sociedade brasileira a implementação de uma dinâmica mobilidade social. [D] O negro livre permaneceu à margem do universo cultural estabelecido por uma sociedade regida pelo branco e continuou sujeito ao preconceito e novos mecanismos de controle social durante muito tempo. [E] O debate sobre a abolição trouxe à tona os problemas com a Igreja Católica, que acabou impondo aos fiéis uma estratégia radical de controle dos recém-libertos. 38) Considere as seguintes afirmativas sobre semelhanças e diferenças da escravidão na Antiguidade e na Idade Moderna. I. Tanto na Antiguidade como na Idade Moderna, a escravidão era uma forma de trabalho compulsório; o proprietário de um escravo podia dele dispor como se fosse um objeto que poderia ser comprado, vendido e mesmo destruído. Foi uma forma de trabalho largamente utilizada para tarefas pesadas e para os trabalhos que, de uma maneira geral, os homens livres se recusavam a realizar. II. Tanto na Antiguidade como na Idade Moderna, foi comum a escravidão por dívidas e a submissão de povos derrotados em guerra. III. Na Idade Moderna, a escravidão esteve associada aos desdobramentos das Grandes Navegações, que levaram à ocupação e à valorização econômica de terras recém descobertas. Em muitas dessas áreas, os nativos foram submetidos à escravidão, e as populações negras da África entraram nesse circuito. Das afirmativas acima, pode-se dizer que a) Apenas I está correta. b) Apenas II está correta. c) I e III estão corretas. d) II e III estão corretas. e) I, II e III estão corretas. 39) As civilizações da antiguidade clássica – Grécia e Roma – desenvolveram uma estrutura socioeconômica alicerçada no escravismo. Sobre essa temática, pode-se afirmar que I. A escravidão foi indispensável para a manutenção do ideal democrático em Atenas, uma vez que os cidadãos ficavam desincumbidos dos trabalhos manuais e das tarefas ligadas à sobrevivência. II. A escravidão foi abolida em Atenas quando Péricles estabeleceu o direito político a todos os cidadãos, reconhecendo, dessa forma, a igualdade jurídica e social da população da Grécia. III. Os escravos romanos, por terem pequenas propriedades e direitos políticos, conviveram pacificamente com os cidadãos romanos, como forma de evitar conflitos e a perda de direitos. IV. Os escravos romanos, que se multiplicavam com o expansionismo de Roma, estavam submetidos à autoridade de seu senhor, e sua condição obedecia mais ao direito privado do que ao direito público. É correto apenas o que se apresenta em (A) I e II. (B) I e IV. (C) II e III. (D) II e IV. (E) III e IV. 40) (UNESP) Entre as formas de resistência negra à escravidão, durante o período colonial brasileiro, podemos citar (A) A organização de quilombos, nos quais, sob supervisão de autoridades brancas, os negros podiam viver livremente. (B) As sabotagens realizadas nas plantações de café, com a introdução de pragas oriundas da África. (C) A preservação de crenças e rituais religiosos de origem africana, que eram condenados pela Igreja Católica. (D) As revoltas e fugas em massa dos engenhos, seguidas de embarques clandestinos em navios que rumavam para a África. (E) A adoção da fé católica pelos negros, que lhes proporcionava imediata alforria concedida pela Igreja. 41) Leia este trecho
  23. 23. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 23 “A nação brasileira é resultado de um projeto político esboçado no Império, que consolidou a integridade territorial e alimento o sentimento de identidade entre os brasileiros. Mas é fato que indígenas, brancos e negros continuam se inserindo de forma diferenciada na sociedade nacional. A valorização da mestiçagem conferiu uma carteira de identidade para a imensa parcela da população que tinha nas veias o “sangue negro”. O problema é que essa carteira vaio embalada na teoria da democracia racial.” Fonte: Conexões: estudos de geografia geral e do Brasil: volume único/Lygia Terra, Regina Araújo, Raul Borges Guimarães. – 1.ed. – São Paulo: Moderna, 2008, páginas 354/355 Após a leitura do trecho, analise as afirmativas em relação a situação da população negra no Brasil. I – O negro, antes da abolição, era visto apenas como mão-de-obra, sem direitos políticos, desconsiderado como cidadão. II – O fim da escravidão tornou o negro cidadão, mas a exclusão social impediu o exercício de sua cidadania. III – A taxa de analfabetismo da população branca era de 9,3%, enquanto entre os negros e pardos era de 22%. IV - A discriminação racial no mercado de trabalho tem diminuído ao longo do tempo, porque os negros têm tido mais acesso à escola ou mesmo à universidade. São corretas as afirmativas: [a] Apenas I e IV são corretas; [b] Apenas I, II e IV são corretas; [c] Apenas I, II e III são corretas; [d] Apenas II e III são corretas; [e] Apenas I, II, III e IV são corretas; 42) (UFPI) "... todos os brasileiros, e sobretudo os brancos, não percebem suficientemente que é tempo de se fechar a porta aos debates políticos (...). Se se continua a falar dos direitos dos homens, da igualdade, terminar-se-á por pronunciar a palavra fatal: liberdade, palavra terrível e que tem muito mais força num País de escravos que em qualquer outra parte ..." (MOTA, Carlos Guilherme (org.). "1822: dimensões". São Paulo: Perspectiva, 1972. p. 482.) O texto acima, escrito provavelmente por volta de 1823/1824, é parte de uma carta sobre a independência do Brasil, enviada por um observador europeu a D. João VI. Leia com atenção o texto e, a seguir, assinale a alternativa que expressa a configuração social do processo brasileiro de independência. [a] A democracia racial, decorrente de uma intensa miscigenação durante o período colonial, contribuiu para conciliar, logo nos primeiros anos do Império, os interesses dos distintos grupos sociais. [b] A "solução monárquica", através da qual a jovem nação optava por afastar-se de seus vizinhos americanos e adotar modelos políticos europeus, foi historicamente necessária como instrumento de conciliação das raças no Brasil. [c] O "haitianismo", temor da elite branca brasileira de que se repetisse no Brasil uma revolução negra, tal qual ocorrera no Haiti, limitou as bases sociais da independência e justificou manifestações como essa da carta transcrita. [d] Em razão de temores como aquele expresso na carta citada, a independência fez-se acompanhar de um processo crescente de enfraquecimento da escravidão. Os mesmos grupos que lideraram o processo de independência liderariam, anos depois, a abolição da escravatura. [e] O temor expresso na carta é infundado, pois além de contar com um número pequeno de escravos à época da independência, as relações entre os escravos e seus senhores, no Brasil, sempre foram cordiais, decorrendo justamente disso a noção de "democracia racial". 43) (UEMA) Costumo dizer que nenhuma nação passa impunemente por quase quatro séculos de escravidão. E se o modo de produção escravista perdurou no Brasil até o final do século XIX, não há possibilidade de as marcas se apagarem com facilidade. As marcas materiais e as simbólicas. As duas imbricadas. A cultura da Casa Grande sobrevive solidamente na sociedade brasileira, por menos que o queiramos. O preconceito e a discriminação contra os negros são heranças presentes da escravidão. Claro que temos avançado. Há hoje um forte movimento negro no País. Há mais consciência da sociedade brasileira contra o racismo. Mas, ainda temos uma longa estrada pela frente. Carta Capital. Seção: Diálogos. Disponível em: Acesso em: 08 maio 2008. Indique a alternativa que interpreta corretamente o texto acima.
  24. 24. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 24 a) A situação do(a) negro(a) no Brasil mudou radicalmente na atualidade pois não existe mais o racismo. b) As relações raciais no Brasil são fruto da situação histórica de formação desigual dessa sociedade. c) A desigualdade entre as classes sociais no Brasil se sobrepõe às diferenças raciais, pois o país é racionalmente democrático. d) A sociedade brasileira é exemplo de democracia racial, pois no Brasil o racismo é combatido. e) O movimento negro propõe a superação da desigualdade social em detrimento da igualdade racial. 44) (UNIOESTE) “Na segunda metade do século XX, a tendência à superação das ideias racistas permitiu que diferentes povos e culturas fossem percebidos a partir de suas especificidades. Grupos de negros pressionaram pela adoção de medidas legais que garantissem a eles igualdade de condições e combatessem a segregação racial. Chegamos então ao ponto em que nos encontramos, tendo que tirar o atraso de décadas de descaso por assuntos referentes à África”. Marina de Mello e Souza. A descoberta da África. RHBN, ano 4, n. 38, novembro de 2008, p.72-75. A partir deste texto e do conhecimento da sociologia a respeito da questão racial em nosso país, é possível afirma que a) autores como Gilberto Freyre, Florestan Fernandes, Fernando Henrique Cardoso, Darcy Ribeiro, entre outros tantos autores, são importantes por chamarem a atenção do país para o papel dos negros na construção do Brasil e da brasilidade, e as formas de exclusão explícitas e implícitas que sofreram. b) apesar de relevante a luta contra o preconceito racial, o estudo da África só diria respeito ao conhecimento do passado, do período do Descobrimento do Brasil até a abolição da escravidão entre nós. c) estudar a África só nos indicaria a captura e a escravidão de diferentes povos africanos, tendo em vista que raça e o racismo são categorias ideológicas as quais servem para encobrir as fortes tensões sociais existentes entre a imensa classe de pobres e o seu oposto a dos ricos. d) a autora quer dizer que devemos hoje operar cada vez mais com categorias tais como a especificidade da raça negra, da raça branca, da raça amarela e outras mais. e) nenhuma das alternativas está correta. 45) (PITÁGORAS) Uma das demandas de movimentos contemporâneos por igualdade de direitos é a superação de preconceitos inscritos em expressões de fala do nosso cotidiano. Assinale, dentre as frases a seguir, aquela que NÃO expressa a naturalização de preconceitos ou subordinação de pessoas de acordo com sua cor/raça, gênero ou classe. a) "Mulher no volante, perigo constante". b) "O homem veio do macaco". c) "Bom dia para todos e para todas". d) "A mulher foi feita a partir da costela do homem". e) "Aquele lugar só é frequentado por gente 'feia'". 46) (PITÁGORAS) Leia o texto e identifique a alternativa que melhor responde à questão que o segue: Um Brasil de cotas raciais? [...] “A maneira mais efetiva de reduzir as desigualdades sociais é pela generalização da educação basica de qualidade e pela abertura de bons postos de trabalho. Cotas raciais, mesmo se eficazmente implementadas, promoverão somente a ascensão social de um reduzido número de pessoas, não alterando os fatores mais profundos que determinam as iniquidades sociais. [...] Que Brasil queremos? Um país no qual as escolas eduquem as crianças pobres, independentemente da cor ou raça, dando-lhes oportunidade de ascensão social e econômica; no qual as universidades se preocupem em usar bem os recursos e formar bem os alunos. No caso do ensino superior, o melhor caminho é aumentar o número de vagas nas instituições públicas, ampliar os cursos noturnos, difundir os cursos de pré-vestibular para alunos carentes, implantar campus em áreas mais pobres, entre outras medidas. Devemos almejar um Brasil no qual ninguém seja discriminado, de forma positiva ou negativa, pelo cor ou raça: que se valorize a diversidade como um processo vivaz que deve permanecer livre de normas impostas pelo Estado a indivíduos que não necessariamente querem se definir segundo critérios raciais” (publicado em 14 de abril de 2006 no Correio Braziliense, de autoria de Marcos Chor Maio e
  25. 25. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 25 Ricardo Ventura Santos – reproduzido na página 291 do livro Divisões perigosas, de Peter Fry e outros, editora Civilização brasileira, 2007). Segundo a perspectiva dos autores, QUAL seria o provável efeito da utilização de cotas raciais para o enfrentamento das desigualdades sociais? a) O rebaixamento da qualidade do ensino superior, assim como a racialização das identidades sociais. b) A superação das desigualdades raciais, tal qual o abandono gradual de práticas de preconceito racial. c) A continuidade das desigualdades sociais, apesar da diminuição das tensões racial-identitárias. d) A superação das desigualdades raciais, assim como um aumento na escolaridade média do brasileiro. e) A continuidade das desigualdades sociais, bem como a fixação arbitrária de identidades raciais. 47) (UEM) Leia o texto a seguir e assinale o que for correto sobre o tema da diversidade étnica. “[...] Na verdade, raça, no Brasil jamais foi um termo neutro; ao contrário, associou-se com frequência a uma imagem particular do país. Muitas vezes, na vertente mais negativa de finais do século XIX, a mestiçagem existente no país parecia atestar a falência da nação [...]” (SCHWARCZ, Lilia Moritz. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na intimidade. In: NOVAIS, Fernando & SCHWARCZ, Lilia Moritz (orgs.) História da Vida Privada no Brasil. Contrastes da intimidade contemporânea,. São Paulo: Companhia dasLetras, 1998, p. 177). 1. Vigorou no Brasil, do século XIX, uma visão elitista que privilegiava a cor branca e via na mistura de raças a causa de seu atraso. 2. Os termos raça e etnia se equivalem. Ambos fazem referência à composição de grupos de pessoas com características fisiológicas e biológicas comuns. 3. Os estudos centrados na noção de raça classificam a humanidade por meio da seleção natural e da organização genética. 4. Por ser o Brasil o país com o maior número de negros e afrodescendentes depois do continente africano, não é pertinente discutir no Brasil o racismo. 5. Nas décadas seguintes à abolição da escravatura, a integração dos negros à sociedade brasileira foi marcada pela adoção de mecanismos de inclusão que resultaram, recentemente, na implantação das chamadas políticas de ação afirmativa. [A] Se apenas 1 e 3 forem corretas; [B] Se apenas 2 e 4 forem corretas; [C] Se apenas 4 e 5 forem corretas [D] Se todas forem corretas; [E] Se todas forem incorretas 48) (UNICENTRO) “Quando se menciona o trabalho escravo no Brasil, a primeira lembrança é a da escravidão negra. Realmente, foi ela a mais marcante, a mais longa e terrível; mas o trabalho escravo se inicia no Brasil com a escravidão indígena” (Tomazi, Nelson Dácio (coordenador). Iniciação à Sociologia. São Paulo: Atual, 2000, p.62). Considerando a realidade estabelecida pela implantação do trabalho escravo dos negros africanos trazidos ao Brasil, assinale a alternativa incorreta. a) As condições de vida dos escravos africanos eram terríveis, razão pela qual a média de vida útil deles não ultrapassava os quinze anos. b) Os negros africanos reagiram à escravidão das mais diversas formas: através das fugas, dos quilombos, da luta armada, da preservação dos cultos religiosos, da dança, da música. c) O negro é parte integrante da história brasileira, apesar dos muitos preconceitos que ainda persistem contra eles. d) O Brasil figura entre os primeiros países latino- americanos a declarar por meio de muitas leis, até a promulgação da lei áurea, a libertação de seus escravos. e) O fim do tráfico de escravos, no Brasil, ocorre em meados do século XIX, quando começam algumas experiências com a mão de obra assalariada de estrangeiros. 49) (UFU) O movimento negro no Brasil, embora exista de fato desde a Colônia, teve seus avanços reais constituídos em políticas públicas a partir dos anos 1990. Sobre as bandeiras, ações afirmativas e conquistas deste movimento, é incorreto afirmar que:
  26. 26. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 26 a) tornaram possível a obrigatoriedade do ensino da história e da cultura afro-brasileira nas escolas de ensino fundamental e médio. b) pretendem contribuir para diminuir a distância socioeconômica entre negros e brancos no Brasil e um dos mecanismos para que isso ocorra é a instituição de cotas para negros na universidade. c) relacionam-se a um movimento de políticas de identidade étnico-racial que denuncia a democracia racial brasileira como um mito. d) pretendem indenizar economicamente os descendentes de escravos negros no Brasil. 50) (PUCMG) No PNAD (Pesquisa Nacional de Análise por Domicílio) do IBGE, realizada em 1976, foram registradas 136 cores que os brasileiros atribuíram a si mesmos numa verdadeira “aquarela do Brasil”, algumas apresentadas a seguir. Observando o quadro de cores e considerando seus conhecimentos históricos, assinale a afirmar CORRETA. [a] A percepção de um senso comum sobre cor reforça a noção da miscigenação entre os grupos, voltada para um aspirado branqueamento. [b] A indefinição de cor indica que o brasileiro não carrega a cor como um elemento de identidade étnica ou categoria social. [c] O uso de expressões como pálida e retinta indica os extremos demonstrando uma ausência de preconceito em relação à cor. [d] Laranja, lilás, vermelha e verde, que aparecem na listagem, registram o desconhecimento da população com relação às cores. 51) (UENP) Do ponto de vista sociológico, no Brasil se constituiu sobre o mito da democracia racial principalmente depois da publicação de Casa grande e senzala de Gilberto Freyre (2003). De acordo com Florestan Fernandes (1965) o ideal de miscigenação fora difundido como mecanismo de absorção do mestiço não para a ascensão social do negro, mas para a hegemonia da classe dominante. O mito da democracia racial assentou-se sobre dois fundamentos: 1) o mito do bom senhor; 2) o mito do escravo submisso. Analise as afirmações: I. A crença no bom senhor exalta a vulgaridade das elites modernas, como diria Contardo Calligaris, e juntamente com uma espécie de pseudocordialidade seriam responsáveis pela manutenção e o aprofundamento das diferenças sociais. II. O mito do escravo submisso fez com que a sociedade de um modo geral não encarasse de frente a violência da escravidão, fez com que os ouvidos se ensurdecessem aos clamores do movimento negro, por direitos e por justiça. III. As proposições legislativas sobre a inclusão de negros vão desde o Projeto de Lei que reserva aos negros um percentual fixo de cargos da administração publica, aos que instituem cotas para negros nas universidades publicas e nos meios de comunicação. Assinale a alternativa correta:
  27. 27. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIA - A QUESTÃO DA MÃO DE OBRA - ESCRAVISMO, SERVIDÃO E MÃO DE OBRA LIVRE – Professor Jorge Marcos 27 a) todas as afirmações são verdadeiras. b) apenas a afirmação II e verdadeira. c) as afirmações I e III são verdadeiras. d) as afirmações I e II são falsas. e) todas as afirmações são falsas. INSTRUÇÃO: O texto a seguir é referência para a questão de número 52. No romance de Monteiro Lobato O Presidente Negro (1926), livro de ficção sobre os EUA, o personagem principal vê o futuro, o século XXI, ano de 2228, através de um porviroscópio, e tece algumas considerações sobre o estágio do choque das “raças” naquele contexto. [...] Até essa época a população negra representava um sexto da população total do país. A predominância do branco era pois esmagadora e de molde a não arrastar o americano a ver no negro um perigo sério. Mas com o proibicionismo coincidiu o surto das ideias eugenísticas de Francis Galton. As elites pensantes convenceram-se de que a restrição da natalidade se impunha por 1001 razões, resumíveis no velho truísmo: qualidade vale mais que quantidade. [...] Os brancos entraram a primar em qualidade, enquanto os negros persistiam em avultar em quantidade. [...] Mais tarde, quando a eugenia venceu em toda a linha e se criou o Ministério da Seleção Artificial, o surto negro já era imenso. [...] (Felizmente), muito cedo chegou o americano à conclusão de que os males do mundo vinham dos três pesos mortos que sobrecarregam a sociedade – o vadio, o doente e o pobre. Em vez de combater esses pesos mortos por meio do castigo, do remédio e da esmola, como se faz hoje, adotou solução mais inteligente: suprimi-los. A eugenia deu cabo do primeiro, a higiene do segundo e a eficiência do último. (LOBATO, M. O Presidente Negro. São Paulo: Globo, 2008, p.97 e p.117, grifos do autor) 52) (UEL) Assinale a alternativa que contém a figura que representa o ideal de branqueamento no Brasil do final do século XIX. a) Augustus Earle. Negros lutando. C. 1824, aquarela sb/papel 16,5 X 25 cm. b) José Maria de Medeiros. Iracema, 1884, óleo sb/tela 168 X 255 cm. c)

×