SUMÁRIO.
APRESENTAÇÃO DO EDIFÍCIO
FICHA TÉCNICA .............................................................................
HISTÓRICO.
Nas primeiras décadas do século XX, a situação do setor educacional no
Piauí era deplorável, um quadro não muit...
SITUAÇÃO.
Imagem 03: Situação em relação a malha da cidade de Teresina. Fonte: Google 2013.
03
SITUAÇÃO.
Imagem 04: Situação em relação as quadras no entorno da edificação. Fonte: Google 2013.
04
SITUAÇÃO.
Imagem 05: Situação em relação ao espaço ocupado pela edificação no terreno. Fonte: Google 2013.
05
LOCAÇÃO.
Desenho 01: Situação em relação ao espaço ocupado pela edificação no terreno. Desenhista: Hilda Da Macena.
06
PLANTA BAIXA
UNIDADE
HISTÓRIA E GEOGRAFIA
55,93
UNIDADE
SALA DE REFERÊNCIA
65,70
UNIDADE
ADMINISTRAÇÃO
55,93
UNIDADE
SALA ...
FACHADA.
Desenho 04: Planta baixa, com indicação de corte. Desenhista: Ana Negreiros.
Desenho 03: Fachada. Desenhista: Ana...
CORTES.
Desenho 06:Corte A. Desenhista: Ana Negreiros.
Desenho 05: Corte B. Desenhista: Ana Negreiros.
09
ENTORNO.
Desenho 07: Entorno com legenda de seus pavimentos. Desenhista: Hilda Da Macena.
O edifício está localizado na es...
ENTORNO.
Desenho 07: Entorno com legenda de seus pavimentos. Desenhista: Hilda Da Macena.
A maioria das edificações do ent...
LOCAÇÃO.
Desenho 09: Locação do terreno Massa x Vazio. Desenhista: Hilda Da Macena.
A locação do edifício em seu terreno, ...
ESTUDO DE MALHA BÁSICA DO EDIFÍCIO.
Desenho 10: Estudo de malha básica do edifício. Desenhista: Jordana Souza.
A malha bás...
ESTUDO DE FACHADAS.
Desenho 11: Estudo de Fachadas. Desenhista: Jordana Souza.
A única fachada do edifício apresenta uma f...
ESTUDO DE COBERTURA.
Desenho 12: Estudo de Cobertura. Desenhista: Hilda Da Macena.
A cobertura do bloco original é feita c...
ESTUDO DE PLANTAS.
Desenho 13: Planta baixa de estudo de fluxo. Desenhista: Hilda Da Macena.
A planta baixa do edifício ap...
VOLUMETRIA.
Desenho 15: Estudo de volumetria da edificação. Desenhista: Jordana Souza.
O edifício como uma composição é um...
ELEMENTO DE ÊNFASE.
Desenho 14: Elemento de ênfase. Desenhista: Ana Negreiros.
O elemento de ênfase desse edifício é a for...
TEXTURAS.
Desenho 16: Texturas em pisos. Desenhista: Hilda Da Macena.
As texturas identificadas foram os pisos e detalhes ...
TEXTURAS.
Desenho 17: Texturas em pisos. Desenhista: Hilda Da Macena.
No portão de entrada são vistos detalhes interessant...
ANTIGO E NOVO.
Imagem 07: Fotografia atual. Fotografa: Janaína Abreu.
Embora seja perceptível a aparência de uma construçã...
CRÍTICA.
Desenho 18: Perspectiva da Cromwel de Carvalho. Desenhista: Jordana Souza.
A Biblioteca por ser uma construção an...
FOTOS.
Imagem 8.Fotografa: Janaína Abreu.
Imagem 9, 10, 11. Fonte: IPHAN.
23
FOTOS.
Imagem 12, 13, 14 e 15. Fonte: IPHAN.
24
FOTOS.
Imagem 16 e 17.Fotografa: Janaína Abreu.
Imagem 18 e 19. Fonte: IPHAN.
25
FOTOS.
Imagem 20,21, 22 e 23. Fonte: IPHAN.
26
BIBLIOGRAFIA.
Arquivos do IPHAN.
27
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Biblioteca Cromwell de Carvalho - Livro

867 visualizações

Publicada em

Análise da forma da Biblioteca Des. Cromwell de Carvalho

UFPI | CT | Arquitetura & Urbanismo
Oficina Plástica

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
867
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biblioteca Cromwell de Carvalho - Livro

  1. 1. SUMÁRIO. APRESENTAÇÃO DO EDIFÍCIO FICHA TÉCNICA ................................................................................01 HISTÓRICO.......................................................................................02 SITUAÇÃO.........................................................................................03 LOCAÇÃO........................................................................................06 PLANTAS BAIXAS................................................................................07 FACHADAS........................................................................................08 CORTES............................................................................................09 ANÁLISE DO EDIFÍCIO ENTORNO.........................................................................................10 LOCAÇÃO........................................................................................12 ESTUDO DE MALHA BÁSICA DO EDIFÍCIO.......................................... 13 ESTUDO DE FACHADAS.....................................................................14 ESTUDO DE COBERTURA ...................................................................15 ESTUDO DE PLANTAS.........................................................................16 VOLUMETRIA ....................................................................................17 ELEMENTOS DE ÊNFASE.....................................................................18 TEXTURAS......................................................................................... 20 ANTIGO E NOVO...............................................................................21 CRÍTICA............................................................................................22 FOTOS..............................................................................................23 BIBLIOGRAFIA...................................................................................27
  2. 2. HISTÓRICO. Nas primeiras décadas do século XX, a situação do setor educacional no Piauí era deplorável, um quadro não muito diferente daquele existente no período colonial. Nesta época o então governador, o Engenheiro João Luís Ferreira, deu inicio à construção dos primeiros edifícios escolares de ensino primário no Piauí seguindo novas diretrizes arquitetônicas. E um desses projetos foi a construção da escola primária Abdias Neves, situada na praça Demóstenes Avelino no. 1788, a cargo de Luis Mendes Ribeiro Gonçalves, construtor dos principais prédios oficiais do Piauí entre os anos 20 e 40 do referido século. A obra somente foi concluída e inaugurada no governo seguinte. A edificação sediou, inicialmente, como já citado, o Grupo Escolar Abdias Neves, e em seguida abrigou provisoriamente o Liceu piauiense, escola tradicional do estado do Piauí. Em 14 de abril de 1931, no local foi fundada a Faculdade de Direito do Piauí. Uma das importantes figuras dessa Faculdade foi o desembargador Cromwell Barbosa de Carvalho, da qual foi um dos fundadores, diretor e professor catedrático de direito penal. Cromwell de Carvalho (1883-1974) foi advogado, sociólogo, político, jornalista, jurista, poeta e magistrado. Em 1973, na edificação passou a funcionar a biblioteca pública estadual, cujo acervo foi transferido do Arquivo Público do Piauí – Casa Anísio Brito. Através do decreto no. 1.664, de 12 de setembro de 1974, a Biblioteca ganhou o seu atual nome Biblioteca Pública Estadual Desembargador Cromwell de Carvalho em homenagem aos valiosos serviços prestados por esse magistrado à sociedade piauiense. Imagem 01: Fachada detalhada atual. Fonte: Janaína 2013. Imagem 02: Fachada antiga. Fonte: IPHAN. 02
  3. 3. SITUAÇÃO. Imagem 03: Situação em relação a malha da cidade de Teresina. Fonte: Google 2013. 03
  4. 4. SITUAÇÃO. Imagem 04: Situação em relação as quadras no entorno da edificação. Fonte: Google 2013. 04
  5. 5. SITUAÇÃO. Imagem 05: Situação em relação ao espaço ocupado pela edificação no terreno. Fonte: Google 2013. 05
  6. 6. LOCAÇÃO. Desenho 01: Situação em relação ao espaço ocupado pela edificação no terreno. Desenhista: Hilda Da Macena. 06
  7. 7. PLANTA BAIXA UNIDADE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 55,93 UNIDADE SALA DE REFERÊNCIA 65,70 UNIDADE ADMINISTRAÇÃO 55,93 UNIDADE SALA DE PERIÓDICOS 67,41 UNIDADE SALA DE PERIÓDICOS 41,97 UNIDADE CRECHE 68,40 UNIDADE CIRCULAÇÃO ? UNIDADE SEÇÃO INFANTIL 55,93 UNIDADE SALA TÉCNICA 55,93 UNIDADE SALA DE LITERATURA 65,70 UNIDADE SEÇÃO BRAILE 13,13 UNIDADE SALA DE ESTUDO E AUDIOVISUAL 53,30 UNIDADE ÁREA COBERTA PARA ESTUDO 366,96 UNIDADE ACERVO GERAL 67,89 UNIDADE LANCHONETE 27,60 UNIDADE DEPÓSITO 34,03 PARTE A PARTE B EXISTENTE PLANTA BAIXA. Desenho 02: Planta baixa, com indicação de corte. Desenhista: Ana Negreiros. 07
  8. 8. FACHADA. Desenho 04: Planta baixa, com indicação de corte. Desenhista: Ana Negreiros. Desenho 03: Fachada. Desenhista: Ana Negreiros. 08
  9. 9. CORTES. Desenho 06:Corte A. Desenhista: Ana Negreiros. Desenho 05: Corte B. Desenhista: Ana Negreiros. 09
  10. 10. ENTORNO. Desenho 07: Entorno com legenda de seus pavimentos. Desenhista: Hilda Da Macena. O edifício está localizado na esquina da rua Coelho Rodrigues com a rua Arlindo Nogueira, e está implantado no local antes denominado “Alto da Moderação”, um dos pontos mais altos da cidade. A área era muito agradável, com árvores frutíferas e um bom clima. No entorno da edificação estão localizados vários pontos comerciais, a praça do Fripisa e também prédios institucionais, tais como o Instituto Federal do Piauí (IFPI) e o Colégio Sagrado Coração de Jesus (Colégio das Irmãs). 10
  11. 11. ENTORNO. Desenho 07: Entorno com legenda de seus pavimentos. Desenhista: Hilda Da Macena. A maioria das edificações do entorno da Biblioteca não possuem muitos pavimentos, sendo os maiores o IFPI e o Colégio das Irmãs. 11
  12. 12. LOCAÇÃO. Desenho 09: Locação do terreno Massa x Vazio. Desenhista: Hilda Da Macena. A locação do edifício em seu terreno, em relação de massa e vazio, é centralizada e bem delimitada. 12
  13. 13. ESTUDO DE MALHA BÁSICA DO EDIFÍCIO. Desenho 10: Estudo de malha básica do edifício. Desenhista: Jordana Souza. A malha básica do edifício não é regular, sendo que em alguns pontos, as interseções são bastante concentradas. Lembrando que esse estudo é embasado na planta baixa do edifício por o mesmo não possuir vários pavimentos, sendo assim considerando apenas seu plano horizontal. 13
  14. 14. ESTUDO DE FACHADAS. Desenho 11: Estudo de Fachadas. Desenhista: Jordana Souza. A única fachada do edifício apresenta uma forma linear horizontal, regular, sem desproporcionalidades. Possui poucos vazios, é fechada, o que recorda uma característica comum do estilo romano em contraposto ao estilo gótico. 14
  15. 15. ESTUDO DE COBERTURA. Desenho 12: Estudo de Cobertura. Desenhista: Hilda Da Macena. A cobertura do bloco original é feita com telha cerâmica, tipo canal, possuindo calha de alumínio na sua terminação.O tipo de telha utilizado nos blocos mais recentes é mais simples, de menor qualidade.A cobertura do telhado do bloco central é feita com lajes de concreto aparente, possuindo lanternim no ápice da mesma. 15
  16. 16. ESTUDO DE PLANTAS. Desenho 13: Planta baixa de estudo de fluxo. Desenhista: Hilda Da Macena. A planta baixa do edifício apresenta um sistema nuclear, com uma forma ortogonal no centro destacada como núcleo, e conectivo, com acessos dos blocos a forma central. Seu formato em geral apresenta uma distribuição em “U” e simétrica, embora dois de seus cômodos, seguindo o eixo da simetria, sejam desproporcionais, mas sem causar grande impacto visual. A circulação não é ampla, sendo seu fluxo guiado por grandes corredores, que dão acesso a salas restritas e enfaticamente ao bloco central, sendo uma sala mais ampla em comparação ao restante. LEGENDA: Administrativo. Leitura. Acervo. Serviços. 16
  17. 17. VOLUMETRIA. Desenho 15: Estudo de volumetria da edificação. Desenhista: Jordana Souza. O edifício como uma composição é um sólido composto de transformações aditivas, subtrativas, dimensionais, de forma regular e centralizada. 17
  18. 18. ELEMENTO DE ÊNFASE. Desenho 14: Elemento de ênfase. Desenhista: Ana Negreiros. O elemento de ênfase desse edifício é a forma central inserida. Embora ela não possa ser vista externamente, é de fato o destaque da Biblioteca por seu formato diferenciado do restante do prédio e também por seu pé direito axial e geométrico. 18
  19. 19. TEXTURAS. Desenho 16: Texturas em pisos. Desenhista: Hilda Da Macena. As texturas identificadas foram os pisos e detalhes do portão de entrada e esquadrias. Dentro do edifício, são encontrados três tipos diferentes de piso, sendo o original quase que totalmente substituído, permanecendo apenas em algumas salas de leitura. Na parte de fora, outro piso é identificado, sendo usado como um caminho para o interior da Biblioteca. 19
  20. 20. TEXTURAS. Desenho 17: Texturas em pisos. Desenhista: Hilda Da Macena. No portão de entrada são vistos detalhes interessantes, como a aparência de tijolos no muro e o desenho da armação do portão de fato. Nas esquadrias é possível identificar detalhes em suas molduras características do estilo empregado no edifício. 20
  21. 21. ANTIGO E NOVO. Imagem 07: Fotografia atual. Fotografa: Janaína Abreu. Embora seja perceptível a aparência de uma construção antiga, várias intervenções foram feitas na Biblioteca, muitas delas excluindo características originais importantes. A sua forma apresenta distribuição em “U”, com a criação de alguns blocos que foram construídos posteriormente, tal como a forma ortogonal existente no antigo pátio central. Esta forma é diferenciada do conjunto, uma vez que a cobertura é feita em concreto. Na área dos fundos, foram construídos espaços mal projetados para a seção infantil e lanchonete. Atualmente toda a edificação é revestida com pintura hidrocor à base de água, na cor verde, baseado em estudos que identificaram a cor atual como sendo a primeira utilizada. Os espaços que atualmente possuem forro de gesso, antes eram forrados com madeira. Devido a má conservação, foi necessária a substituição. Grande parte do piso original era em ladrilho hidráulico decorado, conforme pode-se constatar ainda em alguns ambientes. Houve substituição, lamentavelmente, do piso em ladrilho hidráulico branco e preto, da circulação e do hall por cerâmica vermelha popular. As janelas são em grande parte em madeira e vidro, do tipo gaveta com venezianas. Atualmente são revestidas com pintura a óleo, na cor cinza. Possuem bandeiras trabalhadas em madeira e vidro. As portas são em madeira fichadas com pintura a óleo, na cor cinza. Os blocos mais recentes possuem esquadrias do tipo basculante, em ferro e vidro. A última intervenção feita foi uma reforma das instalações elétricas de todo o prédio. Imagem 06: Fotografia antiga . Fonte: IPHAN. 21
  22. 22. CRÍTICA. Desenho 18: Perspectiva da Cromwel de Carvalho. Desenhista: Jordana Souza. A Biblioteca por ser uma construção antiga, alguns pontos de seu projeto pecam em sua funcionalidade. O descaso das autoridades durante anos agravam a situação de conservação do patrimônio cultural da cidade e do estado. Em documentos da proposta de tombamento da Biblioteca, as análises feitas apontavam problemas em sua estrutura. A má conservação contribuiu no detrimento de elementos históricos, sendo necessário sua substituição. Enquadra-se os espaços que atualmente possuem forro de gesso, antes eram forrados com madeira, e também as esquadrias que necessitavam de urgente restauração. Algumas intervenções foram mal executadas, como por exemplo, na área dos fundos, foram construídos espaços mal projetados para a seção infantil e lanchonete, não possuem boas condições plásticas nem funcionais. Grande parte do piso original era em ladrilho hidráulico decorado, conforme pode-se constatar ainda em alguns ambientes. Houve substituição, lamentavelmente, do piso em ladrilho hidráulico branco e preto, da circulação e do hall por cerâmica vermelha popular. Na última reforma feita em 2009, houve abandono durante as obras, gerando muitas críticas ao então governo responsável. Atualmente, é visível que sua situação melhorou em comparação as décadas passadas, mas ainda nota-se um certo descaso com este prédio de grande valor cultural. 22
  23. 23. FOTOS. Imagem 8.Fotografa: Janaína Abreu. Imagem 9, 10, 11. Fonte: IPHAN. 23
  24. 24. FOTOS. Imagem 12, 13, 14 e 15. Fonte: IPHAN. 24
  25. 25. FOTOS. Imagem 16 e 17.Fotografa: Janaína Abreu. Imagem 18 e 19. Fonte: IPHAN. 25
  26. 26. FOTOS. Imagem 20,21, 22 e 23. Fonte: IPHAN. 26
  27. 27. BIBLIOGRAFIA. Arquivos do IPHAN. 27

×