Painel didatico leitura filosófica

146 visualizações

Publicada em

Painel didatico leitura filosófica

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Painel didatico leitura filosófica

  1. 1. PASSOS PARA A LEITURA FILOSÓFICA Referências Bibliográfica CSAVIAN FILHO, Juvenal. Argumentação: a ferramenta do filosofar. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.( p. 37-61, 65 e 66) Derly jean Aniceto – aluno (PIBIDCAPES) Maria Cristina Theobaldo (orientadora) 1º PASSO LEIA O TEXTO INTEIRAMENTE Ler o texto inteiramente, mesmo que não entendamos tudo o que lemos. Em se tratando de um livro, devemos ir por partes (por capítulos ou por parágrafos). Nessa primeira leitura, devemos procurar identificar o assunto central do texto e fazer o levantamento do vocabulário que não conhecemos, marcando e anotando os termos desconhecidos. 2º PASSO BUSQUE O SENTIDO DOS TERMOS DESCONHECIDOS (se o texto não explicar) É preciso notar se o próprio texto não explica o termo, pois, muitas vezes, a definição é dada por ele mesmo. Se o texto não explica um termo, então recorremos a um bom dicionário da Língua Portuguesa, e, se necessário, a um bom dicionário de Filosofia. 3º PASSO INDENTIFIQUE OS ARGUMENTOS DO AUTOR Consiste em reler o texto, em ritmo mais lento, para identificar os argumentos ou raciocínios do autor (seus pressupostos, premissas e conclusões). É nesse ponto que começamos a comparar nossas experiências com as experiências do autor. Chamamos esses argumentos ou raciocínios “movimentos” do texto, pois representam os movimentos do pensamento do autor. O conjunto desses movimentos compõe o texto. 4º PASSO ENUMERE OS MOVIMENTOS DO TEXTO Enumerar esses movimentos, identificando a estrutura geral ou a armação do texto. Trata-se de uma visão de conjunto muito esclarecedora. 5º PASSO CORRELACIONE O TEXTO COM CONTEXTO Consiste em relacionar o texto com o restante da obra do filósofo e com o contexto histórico e cultural por ele vivido, isso amplia nossa compreensão, na medida em que podemos ver correlações com fatos, pessoas, teorias etc., importantes para esclarecer o pensamento do autor estudado. Isso, contudo, não equivale explicar o texto em função do contexto, como se alguém pensasse o que pensa apenas porque na sua época, ocorresse algo que o determinasse.

×