SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
ISSN 1676-8868 
Revista de Educaçáo Mateinárica - Ano 9. Nos. 9-10 (2004-20053. 1-6 
OSociedade Brasileira de Educação Matemática 
EU TRABÃLHO PRIMEIRO NO CONCRETO 
Adair Mendes Nacarato 
Quem de nós, formadores de professores da Educação 
Infantil e das séries iniciais do Ensino Fundamental, já não 
ouviu ou leu afirmações desse tipo? Nos últimos anos parece 
haver disseminado entre os professores polivalentes um 
discurso que enaltece a importância de se trabalhar com o 
'concreto' para se ensinar Matemática. Quando nos propomos 
a entender o que está por trás desse discurso, descobrimos 
que, na verdade, esse 'concreto' refere-se ao uso de materiais 
manipuláveis. Em contrapartida, o discurso da maioria dos 
professores especialistas pauta-se na pouca ou nenhuma 
valorização do uso de materiais manipuláveis para se ensinar 
Matemática, sendo tal uso considerado como perda de tempo. 
Qual posição assumir? É importante utilizar materiais 
manipuláveis em sala de aula? De que tipo? Em quais 
conteúdos? 
O que é possível constatar nesse contexto é que há 
poucas discussões sobre o assunto. Atuando como formadora 
de professores, em processos de formação continuada ou 
como professora de Metodologia do Ensino de Matemática 
no curso de Pedagogia e de Didática no curso de Licenciatura 
em Matemática, ao buscar subsídios teóricos para uma 
reflexão e problematização com os professores e graduandos, 
tenho constatado a pouca existência de discussões teóricas 
na área de Educação Matemática. Seria então uma temática 
já superada e, portanto, não mereceria 'perda' de tempo no 
investimento em pesquisas sobre a forma como os autores 
de materiais didáticos, os formadores e os professores vêm 
concebendo a utilização de materiais manipuláveis em sala 
de aula? 
Essa discussão se fez presente no início dos anos de 
1990. Naquela época já se discutia sobre o mito do material 
manipulável, ou seja, a crença de que "a manipulação de 
material concreto garantiria a aprendizagem da matemática" 
(SCHLIEMANN; SANTOS e COSTA, 1992, p. 99). Em seus 
estudos, essas autoras apontavam que o material concreto, 
da forma como utilizado pelos professores em nada estava 
contribuindo para uma melhor Educação Matemática. 
Discussões como essa ocorreram há mais de uma década, 
mas, no entanto, os professores continuam acreditando nos 
'milagres' do material concreto. 
Não há como desconsiderar que o incentivo à utilização 
de materiais manipuláveis se faz presente na maioria dos atuais 
livros didáticos e, talvez, em decorrência disso, o professor 
venha incorporando um discurso sobre a sua importância. 
Mas de que forma os livros didáticos incentivam tal utilização? 
Quais materiais são os mais comumente utilizados? Esse 
incentivo aparece em todas as séries ou é preponderante nas 
séries iniciais? 
Evidentemente não tenho a pretensão de responder a 
todas as questões. Quero apenas trazer alguns elementos para 
reflexão, tomando como referência minha experiência de 18 
anos como professora da Educação Básica e de 17 anos 
atuando como formadora de professores. 
Uma breve contextualização do uso de materiais 
manipuláveis nas aulas de Matemática 
O uso de materiais manipuláveis no ensino foi destacado 
pela primeira vez por Pestalozzi, no século XIX, ao defender 
que a educação deveria começar pela percepção de objetos 
concretos, com a realização de ações concretas e 
experimentações. No Brasil o discurso em defesa da utilização 
de recursos didáticos nas aulas de Matemática surgiu na 
década de 1920. Esse período foi marcado pelo surgimento 
de uma tendência no ensino de Matemática que ficou 
conhecida como empírico-ativista, decorrente dos ideais 
escolanovistas que se contrapunham ao modelo tradicional 
de ensino no qual o professor era tido como elemento central 
do processo de ensino. Segundo Fiorentini (1995), na 
concepção empírico-ativista o aluno passa a ser considerado 
o centro do processo e os métodos de ensino - tendo como 
pressupostos a descoberta e o princípio de que 'aprende-se 
a fazer fazendo' - se pautavam em atividades, valorizando 
a ação, a manipulação e a experimentação. O ensino seria 
baseado em atividades desencadeadas pelo uso de jogos, 
materiais manipuláveis e situações lúdicas e experimentais. 
No entanto, esses ideais em nada influenciaram o ensino 
de Matemática, naquela época, quer pelo despreparo dos 
professores, quer pelas poucas inovações que foram 
introduzidas pelos livros didáticos.
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Quantificaoregistroseagrupamentos2 140616075430-phpapp01
Quantificaoregistroseagrupamentos2 140616075430-phpapp01Quantificaoregistroseagrupamentos2 140616075430-phpapp01
Quantificaoregistroseagrupamentos2 140616075430-phpapp01Elaine Maria
 
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenave
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenaveComo escolher e organizar atividades de ensino bordenave
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenaveElisa Maria Gomide
 
Avaliação do dia 1704 gisele
Avaliação do dia 1704   giseleAvaliação do dia 1704   gisele
Avaliação do dia 1704 giseleRosemary Batista
 
1 a organização do tempo pedagógico no trabalho docente
1 a organização do tempo pedagógico no trabalho docente1 a organização do tempo pedagógico no trabalho docente
1 a organização do tempo pedagógico no trabalho docenteBruna Pelissari
 
Estatistica nos anos inicias
Estatistica nos anos iniciasEstatistica nos anos inicias
Estatistica nos anos iniciasNaysa Taboada
 
Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunos
Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunosObjetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunos
Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunosJoelma Santos
 
8º encontro slides claudia e fabiana - 25 de outubro 2014
8º encontro slides claudia e fabiana - 25 de outubro 20148º encontro slides claudia e fabiana - 25 de outubro 2014
8º encontro slides claudia e fabiana - 25 de outubro 2014Fabiana Esteves
 
Re uefs costa junior 1
Re uefs costa junior 1Re uefs costa junior 1
Re uefs costa junior 1Cales Costa
 
Livro aprender mais_matematica_anos_finais
Livro aprender mais_matematica_anos_finaisLivro aprender mais_matematica_anos_finais
Livro aprender mais_matematica_anos_finaisFran Correa
 
Rotina 1 ano
Rotina 1 anoRotina 1 ano
Rotina 1 anomiesbella
 
Pnaic caderno de_apresentacao
Pnaic caderno de_apresentacaoPnaic caderno de_apresentacao
Pnaic caderno de_apresentacaoClaudio Pessoa
 
Pnaic 9ª aula oficina 1 modalidades organizativas rotina postar
Pnaic 9ª  aula oficina 1 modalidades organizativas rotina postarPnaic 9ª  aula oficina 1 modalidades organizativas rotina postar
Pnaic 9ª aula oficina 1 modalidades organizativas rotina postartlfleite
 
Planos de aula mat 5º ano
Planos de aula mat   5º anoPlanos de aula mat   5º ano
Planos de aula mat 5º anoEunice Rodrigues
 
Spe 2013 novo_ef61_mat_programação
Spe 2013 novo_ef61_mat_programaçãoSpe 2013 novo_ef61_mat_programação
Spe 2013 novo_ef61_mat_programaçãorosefarias123
 
Construção do Conhecimento
Construção do Conhecimento Construção do Conhecimento
Construção do Conhecimento Jeca Tatu
 

Mais procurados (19)

Quantificaoregistroseagrupamentos2 140616075430-phpapp01
Quantificaoregistroseagrupamentos2 140616075430-phpapp01Quantificaoregistroseagrupamentos2 140616075430-phpapp01
Quantificaoregistroseagrupamentos2 140616075430-phpapp01
 
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenave
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenaveComo escolher e organizar atividades de ensino bordenave
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenave
 
Avaliação do dia 1704 gisele
Avaliação do dia 1704   giseleAvaliação do dia 1704   gisele
Avaliação do dia 1704 gisele
 
1 a organização do tempo pedagógico no trabalho docente
1 a organização do tempo pedagógico no trabalho docente1 a organização do tempo pedagógico no trabalho docente
1 a organização do tempo pedagógico no trabalho docente
 
Estatistica nos anos inicias
Estatistica nos anos iniciasEstatistica nos anos inicias
Estatistica nos anos inicias
 
Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunos
Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunosObjetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunos
Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunos
 
Ppt iii currículo
Ppt iii  currículoPpt iii  currículo
Ppt iii currículo
 
1º ano 1
1º ano 11º ano 1
1º ano 1
 
8º encontro slides claudia e fabiana - 25 de outubro 2014
8º encontro slides claudia e fabiana - 25 de outubro 20148º encontro slides claudia e fabiana - 25 de outubro 2014
8º encontro slides claudia e fabiana - 25 de outubro 2014
 
Re uefs costa junior 1
Re uefs costa junior 1Re uefs costa junior 1
Re uefs costa junior 1
 
Ppt atpc-professores-anos-iniciais
Ppt atpc-professores-anos-iniciaisPpt atpc-professores-anos-iniciais
Ppt atpc-professores-anos-iniciais
 
Livro aprender mais_matematica_anos_finais
Livro aprender mais_matematica_anos_finaisLivro aprender mais_matematica_anos_finais
Livro aprender mais_matematica_anos_finais
 
Ch 01595
Ch 01595Ch 01595
Ch 01595
 
Rotina 1 ano
Rotina 1 anoRotina 1 ano
Rotina 1 ano
 
Pnaic caderno de_apresentacao
Pnaic caderno de_apresentacaoPnaic caderno de_apresentacao
Pnaic caderno de_apresentacao
 
Pnaic 9ª aula oficina 1 modalidades organizativas rotina postar
Pnaic 9ª  aula oficina 1 modalidades organizativas rotina postarPnaic 9ª  aula oficina 1 modalidades organizativas rotina postar
Pnaic 9ª aula oficina 1 modalidades organizativas rotina postar
 
Planos de aula mat 5º ano
Planos de aula mat   5º anoPlanos de aula mat   5º ano
Planos de aula mat 5º ano
 
Spe 2013 novo_ef61_mat_programação
Spe 2013 novo_ef61_mat_programaçãoSpe 2013 novo_ef61_mat_programação
Spe 2013 novo_ef61_mat_programação
 
Construção do Conhecimento
Construção do Conhecimento Construção do Conhecimento
Construção do Conhecimento
 

Destaque

Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...
Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...
Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...Joelma Santos
 
Texto calculo mental revista nova escola
Texto calculo mental revista nova escolaTexto calculo mental revista nova escola
Texto calculo mental revista nova escolaJoelma Santos
 
Projeto "Donald no país da matemágica"
Projeto "Donald no país da matemágica"Projeto "Donald no país da matemágica"
Projeto "Donald no país da matemágica"Alda De Cassia Zanin
 
Apostila: 7 Princípios Mentais Básicos
Apostila: 7 Princípios Mentais BásicosApostila: 7 Princípios Mentais Básicos
Apostila: 7 Princípios Mentais BásicosJoelma Santos
 
O pensamento infantil: senso numérico e espacial
O pensamento infantil: senso numérico e espacialO pensamento infantil: senso numérico e espacial
O pensamento infantil: senso numérico e espacialJoelma Santos
 
De que-tamanho-é-o-pé-do-rei-
De que-tamanho-é-o-pé-do-rei-De que-tamanho-é-o-pé-do-rei-
De que-tamanho-é-o-pé-do-rei-Raquel Caparroz
 
Tempo,tempo,tempo quem pode com ele
Tempo,tempo,tempo quem pode com eleTempo,tempo,tempo quem pode com ele
Tempo,tempo,tempo quem pode com eleweleslima
 
Os Quatro Pilares da Educação
Os Quatro Pilares da EducaçãoOs Quatro Pilares da Educação
Os Quatro Pilares da EducaçãoLuziete Leite
 
Leitura deleite o tempo
Leitura deleite   o tempoLeitura deleite   o tempo
Leitura deleite o tempoweleslima
 
Poemas problemas
Poemas problemasPoemas problemas
Poemas problemasDário Reis
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoMagda Marques
 
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem Wagner da Matta
 
Apresentar caderno 1
Apresentar caderno 1Apresentar caderno 1
Apresentar caderno 1weleslima
 

Destaque (18)

Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...
Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...
Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...
 
Texto calculo mental revista nova escola
Texto calculo mental revista nova escolaTexto calculo mental revista nova escola
Texto calculo mental revista nova escola
 
Adair mendes nacarato
Adair mendes nacaratoAdair mendes nacarato
Adair mendes nacarato
 
Projeto "Donald no país da matemágica"
Projeto "Donald no país da matemágica"Projeto "Donald no país da matemágica"
Projeto "Donald no país da matemágica"
 
Apostila: 7 Princípios Mentais Básicos
Apostila: 7 Princípios Mentais BásicosApostila: 7 Princípios Mentais Básicos
Apostila: 7 Princípios Mentais Básicos
 
O pensamento infantil: senso numérico e espacial
O pensamento infantil: senso numérico e espacialO pensamento infantil: senso numérico e espacial
O pensamento infantil: senso numérico e espacial
 
De que-tamanho-é-o-pé-do-rei-
De que-tamanho-é-o-pé-do-rei-De que-tamanho-é-o-pé-do-rei-
De que-tamanho-é-o-pé-do-rei-
 
Tempo,tempo,tempo quem pode com ele
Tempo,tempo,tempo quem pode com eleTempo,tempo,tempo quem pode com ele
Tempo,tempo,tempo quem pode com ele
 
Os Quatro Pilares da Educação
Os Quatro Pilares da EducaçãoOs Quatro Pilares da Educação
Os Quatro Pilares da Educação
 
Leitura deleite o tempo
Leitura deleite   o tempoLeitura deleite   o tempo
Leitura deleite o tempo
 
Problemas em tiras
Problemas em tirasProblemas em tiras
Problemas em tiras
 
Poemas problemas
Poemas problemasPoemas problemas
Poemas problemas
 
Poemas problemas
Poemas problemasPoemas problemas
Poemas problemas
 
Problemoteca
ProblemotecaProblemoteca
Problemoteca
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem
 
Apresentar caderno 1
Apresentar caderno 1Apresentar caderno 1
Apresentar caderno 1
 
Manual de preenchimento do Currículo Lattes
Manual de preenchimento do Currículo LattesManual de preenchimento do Currículo Lattes
Manual de preenchimento do Currículo Lattes
 

Semelhante a Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato

1 uma reflexao sobre o uso de materiais concretos e jogos
1  uma reflexao sobre o uso de materiais concretos e jogos1  uma reflexao sobre o uso de materiais concretos e jogos
1 uma reflexao sobre o uso de materiais concretos e jogosPeterson Paz
 
A EFICÁCIA DO USO DAS ATIVIDADES LÚDICAS, NO AUXÍLIO DA CONSTRUÇÃO DO CONHECI...
A EFICÁCIA DO USO DAS ATIVIDADES LÚDICAS, NO AUXÍLIO DA CONSTRUÇÃO DO CONHECI...A EFICÁCIA DO USO DAS ATIVIDADES LÚDICAS, NO AUXÍLIO DA CONSTRUÇÃO DO CONHECI...
A EFICÁCIA DO USO DAS ATIVIDADES LÚDICAS, NO AUXÍLIO DA CONSTRUÇÃO DO CONHECI...José Ricardo Gonçalves Abreu
 
Anexo 011 a utilização dos materiais manipulativos
Anexo 011   a utilização dos materiais manipulativosAnexo 011   a utilização dos materiais manipulativos
Anexo 011 a utilização dos materiais manipulativosRegina Helena Souza Ferreira
 
Literatura infantil recurso_metodologico_ensino_aprendizagem_matematica
Literatura infantil recurso_metodologico_ensino_aprendizagem_matematicaLiteratura infantil recurso_metodologico_ensino_aprendizagem_matematica
Literatura infantil recurso_metodologico_ensino_aprendizagem_matematicaandre luis
 
SENTIDOS ATRIBUÍDOS POR PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA À APRESENTAÇÃO DA HIST...
SENTIDOS ATRIBUÍDOS POR PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA À APRESENTAÇÃO DA HIST...SENTIDOS ATRIBUÍDOS POR PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA À APRESENTAÇÃO DA HIST...
SENTIDOS ATRIBUÍDOS POR PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA À APRESENTAÇÃO DA HIST...Everaldo Gomes
 
Mortimer e scott___2002___atividade_discursiva_nas_salas_de_aula_de_ci_ncias
Mortimer e scott___2002___atividade_discursiva_nas_salas_de_aula_de_ci_nciasMortimer e scott___2002___atividade_discursiva_nas_salas_de_aula_de_ci_ncias
Mortimer e scott___2002___atividade_discursiva_nas_salas_de_aula_de_ci_nciasManoella Morais
 
Atividade discursiva-1
Atividade discursiva-1Atividade discursiva-1
Atividade discursiva-1Maiara Miguel
 
A utilização do tangram como recurso de aprendizagem
A utilização do tangram como recurso de aprendizagemA utilização do tangram como recurso de aprendizagem
A utilização do tangram como recurso de aprendizagemDiego Silva
 
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de Moares
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de MoaresSantana do Livramento - Marizane Medianeira de Moares
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de MoaresCursoTICs
 
Modelagem matemática na educação científica
Modelagem matemática na educação científicaModelagem matemática na educação científica
Modelagem matemática na educação científicaednilson73
 
Conhecimento didatico-a-base-da-sala-de-aulapdf
Conhecimento didatico-a-base-da-sala-de-aulapdfConhecimento didatico-a-base-da-sala-de-aulapdf
Conhecimento didatico-a-base-da-sala-de-aulapdfIagoNieri
 
1652548355442_Projecto Fernando.docx
1652548355442_Projecto Fernando.docx1652548355442_Projecto Fernando.docx
1652548355442_Projecto Fernando.docxAnelia6
 

Semelhante a Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato (20)

Abaco trigonometrico
Abaco trigonometricoAbaco trigonometrico
Abaco trigonometrico
 
1 uma reflexao sobre o uso de materiais concretos e jogos
1  uma reflexao sobre o uso de materiais concretos e jogos1  uma reflexao sobre o uso de materiais concretos e jogos
1 uma reflexao sobre o uso de materiais concretos e jogos
 
A EFICÁCIA DO USO DAS ATIVIDADES LÚDICAS, NO AUXÍLIO DA CONSTRUÇÃO DO CONHECI...
A EFICÁCIA DO USO DAS ATIVIDADES LÚDICAS, NO AUXÍLIO DA CONSTRUÇÃO DO CONHECI...A EFICÁCIA DO USO DAS ATIVIDADES LÚDICAS, NO AUXÍLIO DA CONSTRUÇÃO DO CONHECI...
A EFICÁCIA DO USO DAS ATIVIDADES LÚDICAS, NO AUXÍLIO DA CONSTRUÇÃO DO CONHECI...
 
Anexo 011 a utilização dos materiais manipulativos
Anexo 011   a utilização dos materiais manipulativosAnexo 011   a utilização dos materiais manipulativos
Anexo 011 a utilização dos materiais manipulativos
 
Literatura infantil recurso_metodologico_ensino_aprendizagem_matematica
Literatura infantil recurso_metodologico_ensino_aprendizagem_matematicaLiteratura infantil recurso_metodologico_ensino_aprendizagem_matematica
Literatura infantil recurso_metodologico_ensino_aprendizagem_matematica
 
Vt6[1]
Vt6[1]Vt6[1]
Vt6[1]
 
SENTIDOS ATRIBUÍDOS POR PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA À APRESENTAÇÃO DA HIST...
SENTIDOS ATRIBUÍDOS POR PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA À APRESENTAÇÃO DA HIST...SENTIDOS ATRIBUÍDOS POR PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA À APRESENTAÇÃO DA HIST...
SENTIDOS ATRIBUÍDOS POR PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA À APRESENTAÇÃO DA HIST...
 
Mortimer e scott___2002___atividade_discursiva_nas_salas_de_aula_de_ci_ncias
Mortimer e scott___2002___atividade_discursiva_nas_salas_de_aula_de_ci_nciasMortimer e scott___2002___atividade_discursiva_nas_salas_de_aula_de_ci_ncias
Mortimer e scott___2002___atividade_discursiva_nas_salas_de_aula_de_ci_ncias
 
Atividade discursiva-1
Atividade discursiva-1Atividade discursiva-1
Atividade discursiva-1
 
Atividade discursiva
Atividade discursivaAtividade discursiva
Atividade discursiva
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
A utilização do tangram como recurso de aprendizagem
A utilização do tangram como recurso de aprendizagemA utilização do tangram como recurso de aprendizagem
A utilização do tangram como recurso de aprendizagem
 
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de Moares
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de MoaresSantana do Livramento - Marizane Medianeira de Moares
Santana do Livramento - Marizane Medianeira de Moares
 
Modelagem matemática na educação científica
Modelagem matemática na educação científicaModelagem matemática na educação científica
Modelagem matemática na educação científica
 
Educaçao matematica
Educaçao matematicaEducaçao matematica
Educaçao matematica
 
Conhecimento didatico-a-base-da-sala-de-aulapdf
Conhecimento didatico-a-base-da-sala-de-aulapdfConhecimento didatico-a-base-da-sala-de-aulapdf
Conhecimento didatico-a-base-da-sala-de-aulapdf
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
 
Didatica e pratica docente
Didatica e pratica docenteDidatica e pratica docente
Didatica e pratica docente
 
5131 2330 id
5131 2330 id5131 2330 id
5131 2330 id
 
1652548355442_Projecto Fernando.docx
1652548355442_Projecto Fernando.docx1652548355442_Projecto Fernando.docx
1652548355442_Projecto Fernando.docx
 

Mais de Joelma Santos

Trabalhando com o senso numérico
Trabalhando com o senso numéricoTrabalhando com o senso numérico
Trabalhando com o senso numéricoJoelma Santos
 
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais Básicos
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais BásicosNúmero Operatório e os 7 Princípios Mentais Básicos
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais BásicosJoelma Santos
 
A professora e a maleta (Leitura Deleite)
A professora e a maleta (Leitura Deleite)A professora e a maleta (Leitura Deleite)
A professora e a maleta (Leitura Deleite)Joelma Santos
 
E eles queriam contar
E eles queriam contarE eles queriam contar
E eles queriam contarJoelma Santos
 
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte I
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte IContagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte I
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte IJoelma Santos
 
Poemas Problemas - Renato Bueno
Poemas Problemas - Renato BuenoPoemas Problemas - Renato Bueno
Poemas Problemas - Renato BuenoJoelma Santos
 
Cubra descubra tabuleiro
Cubra descubra tabuleiroCubra descubra tabuleiro
Cubra descubra tabuleiroJoelma Santos
 
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte II
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte IIContando com o Sistema Decimal Posicional - Parte II
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte IIJoelma Santos
 
Princípios Básicos do Sistema Decimal Posicional
Princípios Básicos do Sistema Decimal PosicionalPrincípios Básicos do Sistema Decimal Posicional
Princípios Básicos do Sistema Decimal PosicionalJoelma Santos
 
Circuito de Atividades: Sistema Decimal Posicional
Circuito de Atividades: Sistema Decimal PosicionalCircuito de Atividades: Sistema Decimal Posicional
Circuito de Atividades: Sistema Decimal PosicionalJoelma Santos
 
Problemoteca 3 smole
Problemoteca 3 smoleProblemoteca 3 smole
Problemoteca 3 smoleJoelma Santos
 
Problemoteca 6 smole
Problemoteca 6 smoleProblemoteca 6 smole
Problemoteca 6 smoleJoelma Santos
 
Problemoteca 5 smole
Problemoteca 5 smoleProblemoteca 5 smole
Problemoteca 5 smoleJoelma Santos
 
Problemoteca 4 smole
Problemoteca 4 smoleProblemoteca 4 smole
Problemoteca 4 smoleJoelma Santos
 
Problemoteca 2 smole
Problemoteca 2 smoleProblemoteca 2 smole
Problemoteca 2 smoleJoelma Santos
 
Problemoteca 1 smole
Problemoteca 1 smoleProblemoteca 1 smole
Problemoteca 1 smoleJoelma Santos
 
Resolução de problemas e problemoteca
Resolução de problemas e problemotecaResolução de problemas e problemoteca
Resolução de problemas e problemotecaJoelma Santos
 
Como Brincar com Blocos Lógicos
Como Brincar com Blocos LógicosComo Brincar com Blocos Lógicos
Como Brincar com Blocos LógicosJoelma Santos
 

Mais de Joelma Santos (20)

Pobremas VI Enigmas
Pobremas VI EnigmasPobremas VI Enigmas
Pobremas VI Enigmas
 
Trabalhando com o senso numérico
Trabalhando com o senso numéricoTrabalhando com o senso numérico
Trabalhando com o senso numérico
 
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais Básicos
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais BásicosNúmero Operatório e os 7 Princípios Mentais Básicos
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais Básicos
 
A professora e a maleta (Leitura Deleite)
A professora e a maleta (Leitura Deleite)A professora e a maleta (Leitura Deleite)
A professora e a maleta (Leitura Deleite)
 
E eles queriam contar
E eles queriam contarE eles queriam contar
E eles queriam contar
 
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte I
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte IContagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte I
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte I
 
Poemas Problemas - Renato Bueno
Poemas Problemas - Renato BuenoPoemas Problemas - Renato Bueno
Poemas Problemas - Renato Bueno
 
Cubra descubra tabuleiro
Cubra descubra tabuleiroCubra descubra tabuleiro
Cubra descubra tabuleiro
 
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte II
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte IIContando com o Sistema Decimal Posicional - Parte II
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte II
 
Princípios Básicos do Sistema Decimal Posicional
Princípios Básicos do Sistema Decimal PosicionalPrincípios Básicos do Sistema Decimal Posicional
Princípios Básicos do Sistema Decimal Posicional
 
Fichas sobrepostas
Fichas sobrepostasFichas sobrepostas
Fichas sobrepostas
 
Circuito de Atividades: Sistema Decimal Posicional
Circuito de Atividades: Sistema Decimal PosicionalCircuito de Atividades: Sistema Decimal Posicional
Circuito de Atividades: Sistema Decimal Posicional
 
Problemoteca 3 smole
Problemoteca 3 smoleProblemoteca 3 smole
Problemoteca 3 smole
 
Problemoteca 6 smole
Problemoteca 6 smoleProblemoteca 6 smole
Problemoteca 6 smole
 
Problemoteca 5 smole
Problemoteca 5 smoleProblemoteca 5 smole
Problemoteca 5 smole
 
Problemoteca 4 smole
Problemoteca 4 smoleProblemoteca 4 smole
Problemoteca 4 smole
 
Problemoteca 2 smole
Problemoteca 2 smoleProblemoteca 2 smole
Problemoteca 2 smole
 
Problemoteca 1 smole
Problemoteca 1 smoleProblemoteca 1 smole
Problemoteca 1 smole
 
Resolução de problemas e problemoteca
Resolução de problemas e problemotecaResolução de problemas e problemoteca
Resolução de problemas e problemoteca
 
Como Brincar com Blocos Lógicos
Como Brincar com Blocos LógicosComo Brincar com Blocos Lógicos
Como Brincar com Blocos Lógicos
 

Último

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato

  • 1. ISSN 1676-8868 Revista de Educaçáo Mateinárica - Ano 9. Nos. 9-10 (2004-20053. 1-6 OSociedade Brasileira de Educação Matemática EU TRABÃLHO PRIMEIRO NO CONCRETO Adair Mendes Nacarato Quem de nós, formadores de professores da Educação Infantil e das séries iniciais do Ensino Fundamental, já não ouviu ou leu afirmações desse tipo? Nos últimos anos parece haver disseminado entre os professores polivalentes um discurso que enaltece a importância de se trabalhar com o 'concreto' para se ensinar Matemática. Quando nos propomos a entender o que está por trás desse discurso, descobrimos que, na verdade, esse 'concreto' refere-se ao uso de materiais manipuláveis. Em contrapartida, o discurso da maioria dos professores especialistas pauta-se na pouca ou nenhuma valorização do uso de materiais manipuláveis para se ensinar Matemática, sendo tal uso considerado como perda de tempo. Qual posição assumir? É importante utilizar materiais manipuláveis em sala de aula? De que tipo? Em quais conteúdos? O que é possível constatar nesse contexto é que há poucas discussões sobre o assunto. Atuando como formadora de professores, em processos de formação continuada ou como professora de Metodologia do Ensino de Matemática no curso de Pedagogia e de Didática no curso de Licenciatura em Matemática, ao buscar subsídios teóricos para uma reflexão e problematização com os professores e graduandos, tenho constatado a pouca existência de discussões teóricas na área de Educação Matemática. Seria então uma temática já superada e, portanto, não mereceria 'perda' de tempo no investimento em pesquisas sobre a forma como os autores de materiais didáticos, os formadores e os professores vêm concebendo a utilização de materiais manipuláveis em sala de aula? Essa discussão se fez presente no início dos anos de 1990. Naquela época já se discutia sobre o mito do material manipulável, ou seja, a crença de que "a manipulação de material concreto garantiria a aprendizagem da matemática" (SCHLIEMANN; SANTOS e COSTA, 1992, p. 99). Em seus estudos, essas autoras apontavam que o material concreto, da forma como utilizado pelos professores em nada estava contribuindo para uma melhor Educação Matemática. Discussões como essa ocorreram há mais de uma década, mas, no entanto, os professores continuam acreditando nos 'milagres' do material concreto. Não há como desconsiderar que o incentivo à utilização de materiais manipuláveis se faz presente na maioria dos atuais livros didáticos e, talvez, em decorrência disso, o professor venha incorporando um discurso sobre a sua importância. Mas de que forma os livros didáticos incentivam tal utilização? Quais materiais são os mais comumente utilizados? Esse incentivo aparece em todas as séries ou é preponderante nas séries iniciais? Evidentemente não tenho a pretensão de responder a todas as questões. Quero apenas trazer alguns elementos para reflexão, tomando como referência minha experiência de 18 anos como professora da Educação Básica e de 17 anos atuando como formadora de professores. Uma breve contextualização do uso de materiais manipuláveis nas aulas de Matemática O uso de materiais manipuláveis no ensino foi destacado pela primeira vez por Pestalozzi, no século XIX, ao defender que a educação deveria começar pela percepção de objetos concretos, com a realização de ações concretas e experimentações. No Brasil o discurso em defesa da utilização de recursos didáticos nas aulas de Matemática surgiu na década de 1920. Esse período foi marcado pelo surgimento de uma tendência no ensino de Matemática que ficou conhecida como empírico-ativista, decorrente dos ideais escolanovistas que se contrapunham ao modelo tradicional de ensino no qual o professor era tido como elemento central do processo de ensino. Segundo Fiorentini (1995), na concepção empírico-ativista o aluno passa a ser considerado o centro do processo e os métodos de ensino - tendo como pressupostos a descoberta e o princípio de que 'aprende-se a fazer fazendo' - se pautavam em atividades, valorizando a ação, a manipulação e a experimentação. O ensino seria baseado em atividades desencadeadas pelo uso de jogos, materiais manipuláveis e situações lúdicas e experimentais. No entanto, esses ideais em nada influenciaram o ensino de Matemática, naquela época, quer pelo despreparo dos professores, quer pelas poucas inovações que foram introduzidas pelos livros didáticos.