SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Encontro 6: 
Descrição de saberes e replanejamento 
EQUIPE DO PNAIC/CAMPINAS – Maio/2014 
Coordenação Geral: Bete Pimentel 
Slides elaborados por: Patrícia Infanger Campos 
Colaboradores: Cristina Pauluci, Del, Eliana Boscolo, Isnary, Ítala, Kelly Arduíno, Laís Alendes, Adriana Correia
Pauta: 
Leitura deleite: 
Recolhimento da tarefa da semana anterior (encontro não presencial 
Explicações sobre a descrição de saberes 
Atividade em grupo: exercitando a descrição de 
saberes em Língua Portuguesa 
Tarefa para a próxima semana: encontro não 
presencial
Trabalhar com saberes... 
Exige uma postura INVESTIGATIVA do professor, pois os saberes são definidos a partir da análise dos materiais produzidos individualmente pelos alunos. 
Significa mudar a lógica de avaliação: 
do pré estabelecido pelo professor 
↓ 
para o estabelecido pelo aluno nas atividades realizadas. Dessa forma, não EXISTE descrição de saberes sem a análise real da produção do aluno!
Trabalhar com saberes... 
Exige um compromisso com o trabalho coletivo entre os 
professores, pois as descrições precisam ser as mesmas 
entre as turmas de mesmo ano e não uma para cada turma. É 
necessário avaliar os saberes que os alunos apresentam ano da escola ! Essa é uma visão COLETIVA de escola! 
Dessa forma, PODE existir uma turma com muitos alunos no grupo 1 e outra sem nenhum. 
Demanda a organização de instrumentos de avaliação 
comuns entre as turmas de mesmo ano para possibilitar o uso de mesmos critérios e parâmetros para a definição do grupo em que cada aluno será encaixado.
Os saberes dos alunos... 
Devem ser elencados a partir de atividades reais realizadas individualmente; 
Não são definidos PREVIAMENTE com base nos objetivos das diretrizes curriculares; 
Podem ser os mesmos que os objetivos das diretrizes curriculares desde que os alunos realmente os tenham como conhecimentos adquiridos (“conhecimento adquirido é objetivo atingido!”)
Objetivos da descrição de saberes 
Possibilitar ao professor uma visão mais específica das aprendizagens reais de cada aluno 
e 
principalmente, permitir o replanejamento de atividades para cada grupo de alunos voltado 
diretamente para as necessidades de aprendizagem de cada um
Dúvida: em que grupo devo colocar esse aluno???? 
Para responder a essa pergunta, analisar SEMPRE: o 
planejamento que será realizado para cada grupo e verificar qual deles trará maior benefício de aprendizagem para o 
aluno. 
Exemplificando: Imagine que você tenha as seguintes 
descrições em sua turma: 
Grupo 1: alunos que escrevem textos de acordo com o gênero textual e conseguem dividir adequadamente as ideias em diferentes parágrafos. 
Grupo 2: alunos que escrevem textos de acordo com o gênero textual. Apresentam as ideias em um único parágrafo. 
Você tem um aluno que escreve de acordo com o gênero textual e que às vezes escreve em diferentes parágrafos. Onde colocá-lo?????
Possíveis argumentos... 
Colocaria o aluno no grupo 1, porque ele é um ótimo, bem comportado e faz todas as tarefas. 
NÃO É ESSA A JUSTIFICATIVA QUE O TRABALHO COM DESCRIÇÃO DE SABERES REQUER! 
Colocaria no grupo 2, porque “é melhor eu deixar para menos do que para mais”. 
ESSA É A LÓGICA DA AVALIAÇÃO CALCADA NA 
MERITOCRACIA E NÃO NA APRENDIZAGEM! 
Criaria um grupo só para ele. 
ATÉ QUE SERIA MUITO BOM, MAS... JÁ IMAGINOU CRIAR UM GRUPO PARA CADA ALUNO, VISTO QUE CADA UM TEM SUAS ESPECIFICIDADES?COMO SERIA REPLANEJAR PARA TANTOS GRUPOS?
O QUE FAZER???? 
Vamos voltar para o essencial do trabalho com os saberes, que é o replanejamento a partir da descrição. Dessa formas temos como possível replanejamento: 
Para o Grupo 1, o professor pensará em continuar com a escrita de textos de diferentes gêneros textuais e aprofundar a reflexão sobre o sistema de escrita por meio da ortografia. 
Para o Grupo 2, o professor também precisará pensar em atividades com diferentes gêneros textuais mas precisará se ater à divisão das ideias em diferentes parágrafos. Pois os alunos escrevem textos em um único parágrafo. 
QUAL REPLANEJAMENTO TRARÁ MAIORES APRENDIZAGENS AO ALUNO??? 
O REPLANEJAMENTO DO GRUPO 2! Com a justificativa de que ele ainda precisa participar de atividades que o auxiliem na reflexão sobre o uso de diferentes parágrafos. (A justificativa é voltada para os saberes do aluno e não para a meritocracia!) 
Portanto, aquele aluno deve ser colocado no grupo 2, pois se beneficiará mais desse planejamento.
Para maior conhecimento... 
Os slides seguintes apresentam: 
- o Comunicado 03/2013 com orientações sobre a Descrição de Saberes e a Ficha de Avaliação 
Descritiva 
e os dizeres das Diretrizes Curriculares sobre 
o assunto.
Comunicado SME/DEPE Nº 03/2013 
A)DA COMPOSIÇÃO DA FAD: 1 - Objetivos anuais: descritos para cada ano dos Ciclos e inseridos no sistema pela Secretaria Municipal de Educação, a partir das Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental. 2 - Objetivos do trimestre: inseridos no sistema pela equipe gestora, ao início do período em questão, por ano de cada ciclo e por componente curricular, a partir dos resultados das avaliações diagnósticas realizadas junto aos alunos; em conformidade com o Projeto Pedagógico da unidade educacional e com as Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental. 3 - Descrição de saberes efetivamente consolidados: deverão ser inseridos no sistema pelos docentes, no campo " descrição de saberes da unidade", de acordo com o estabelecido para o ano em questão pela equipe pedagógica da unidade educacional e caso seja necessário, poderão ser acrescidos saberes diferenciados e consolidados por determinada turma, em campo específico para tal.
B) DA ORGANIZAÇÃO DOS SABERES: 
O processo de descrição dos saberes deverá ser organizado em 
cinco grupos, I, II, III, IV e V e inseridos por componente curricular: 
os grupos I, II, III e IV, deverão ser elaborados de forma 
decrescente, isto é, do grupo de alunos com saberes que mais 
se aproximam da totalidade dos objetivos propostos para o 
período (grupo I), até o grupo que apresenta descrições mais 
distantes dessa totalidade (grupo IV); 
b) nos grupos I, II e III, as descrições deverão ser apresentadas, 
primeiramente, de forma coletiva para os alunos considerados 
como pertencentes ao grupo em questão, podendo, no segundo 
momento, conter complementações individuais para especifici- 
dades não contempladas no texto coletivo;
c) no grupo IV, as descrições deverão ser apresentadas de 
forma individual, conforme aprendizagens apresentadas pelos 
alunos nas diferentes formas de avaliações utilizadas, nesse 
grupo não haverá descrição coletiva; 
d) no grupo V deverão ser inseridos os alunos que não 
completaram o processo de avaliação ou não foram avaliados, 
independentemente dos motivos, devendo, o docente, indicar 
os procedimentos e encaminhamentos cabíveis a cada caso.
É necessário que: 
▸ Descreva o que o aluno sabe em relação aos objetivos definidos para o trimestre, devendo abranger os conceitos/ conteúdos e as habilidades/capacidades consolidados pelo aluno; ▸ Descreva os saberes relativos às habilidades e atitudes, quando necessário, em campo próprio, designado “avaliação complementar”; ▸ Apresente uma descrição o mais fiel possível ao aprendizado demonstrado pelas turmas de mesmo ano, no trimestre em questão da U E. Caso exista especificidade de determinada turma é possível inserir descrições complementares em campo específico.
▸ Contemple, principalmente, aspectos qualitativos da aprendizagem 
dos alunos, avaliados por instrumentos diversificados, como provas, 
trabalhos, produções de textos, seminários, atividades variadas, entre 
outros, podendo ser propositiva , apontando aonde é necessário 
avançar a partir do que está sendo descrito sobre os saberes 
apresentados pelo o aluno. 
▸ Seja escrita em forma de texto, sem usar tópicos ou listagens, 
na terceira pessoa do singular (Exemplo: “o aluno relaciona...”), de 
acordo com a norma padrão. 
▸ Apresente, se necessário e em campo específico, encaminhamentos 
para superação de possíveis dificuldades, como, por exemplo: 
comparecer a atividades de apoio escolar, atividades diversificadas, 
atentar à frequência.
C) DA ELABORAÇÃO DA FAD PELA EQUIPE PEDAGÓGICA: 
1 Na elaboração da FAD dever-se-á: 
1.1. Considerar o que segue: 
a) descrever o que o aluno sabe em relação aos objetivos definidos para o 
trimestre, devendo abranger os conceitos/conteúdos e as habilidades/ 
capacidades consolidadas pelo aluno; 
b) descrever, em campo próprio designado "avaliação complementar", 
os saberes relativos às habilidades e atitudes, somente quando interferirem 
no processo de aprendizagem; 
c) apresentar descrição a mais fiel possível ao aprendizado demonstrado 
pelas turmas d e mesmo ano , no trimestre em questão, e caso exista 
especificidade, inserir as descrições complementares em campo específico;
d) contemplar, prioritariamente, os aspectos qualitativos da aprendizagem dos alunos, avaliados por diferentes instrumentos como provas, trabalhos, produções de textos, seminários, atividades variadas, entre outros; e) apontar, a partir do que está sendo descrito, os avanços necessários a partir dos saberes apresentados pelo aluno; f) apresentar, se necessário e em campo específico , possíveis encaminhamentos para superação das dificuldades, tais como, diminuição da infrequência, comparecimento às atividades de apoio escolar, proposta de atividades diversificadas, e outros; g) descrever em forma de texto, de acordo com a norma padrão, utilizando a terceira pessoa do singular, tal como, "o aluno relaciona..."; h) descrever o comportamento social do aluno, caso seja considerado necessário, por interferir no processo de aprendizagem, utilizando o campo "avaliação complementar”, na planilha específica.
1.2 Evitar o que segue: 
a) apresentar descrições gerais ou subjetivas para um sujeito genérico, que valem 
para qualquer ano, trimestre ou disciplina; 
b) inserir em sua descrição, o número do grupo e/ou o conceito do aluno e compará-lo 
com outro grupo no corpo do texto; 
c) apresentar incoerência entre a descrição de saberes e os planos de trabalho/ 
objetivos do período; 
d) descrever o que o aluno não sabe ; 
e) desqualificar o aluno por meio de palavras que o menosprezem e/ou que possam 
produzir um rebaixamento da sua autoestima; 
f) usar palavras que expressem juízo de valor ou subjetividade; 
g) apresentar a descrição em forma de tópicos ou listagens e inadequações na 
elaboração do texto quanto à norma padrão. 
Campinas, 06 de março de 2013 
HELENA COSTA LOPES DE FREITAS 
DIRETORA DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO
Segundo as Diretrizes Curriculares... 
O Departamento Pedagógico indica que as escolas realizem o trabalho de avaliação de aprendizagem dos alunos, fazendo uso da Avaliação Diagnóstica e da Descrição de Saberes. Os procedimentos para este trabalho devem ser planejados de modo que: • a cada início de ano os professores de cada ciclo definam, coletivamente, um conjunto de atividades que funcionem como instrumentos de avaliação de acordo com critérios e objetivos de sondagem, visando ao planejamento de ensino. Tais atividades devem possibilitar conhecer os alunos reais, aqueles com quem os professores se encontram cotidianamente;
• os dados obtidos na avaliação diagnóstica sejam analisados pelo grupo 
de professores do ciclo, com o objetivo de compreenderem, em 
parceria, as potencialidades e dificuldades dos alunos no processo de 
aprendizagem; 
• o professor da turma realize a Descrição dos Saberes observados na 
produção de cada aluno e do coletivo da turma, indicando quais as 
aprendizagens já são consolidadas e o que falta aprender; 
• a partir da Descrição de Saberes, o professor da turma deve sempre 
socializar suas análises com os colegas do ciclo, e agrupar os alunos po 
r níveis de saberes já consolidados;
• a partir dos grupos de saberes e das necessidades de aprendizagem 
observadas – inclusive aquelas ligadas às deficiências físicas, mentais 
e aos transtornos globais do desenvolvimento –, os professores tracem 
os objetivos para toda a turma e para cada grupo, visando ao 
planejamento de aulas com atividades que contribuam para que todos 
os alunos avancem na construção de conhecimentos; 
• ao longo do trimestre, sejam realizadas novas avaliações e 
replanejamentos do trabalho, visando a promover sempre novas e 
maiores aprendizagens. Ao final de cada trimestre, as avaliações até 
então promovidas devem subsidiar a Descrição de Saberes consolidados 
pelos alunos no período;
• a recuperação paralela seja realizada com todos os alunos que dela necessitem para 
prosseguir com autonomia no trabalho de sala de aula. É sabido que muitos alunos precisam 
do apoio extra-aula, nos tempos pedagógicos que a legislação denomina de recuperação 
contínua e paralela. Os professores devem planejar, realizar e socializar entre si as experiências 
bem sucedidas de acompanhamento semanal de alunos com dificuldades de aprendizagem; 
• as Fichas Descritivas dos Saberes sejam utilizadas como instrumentos de registro da 
aprendizagem dos alunos na escola. As Fichas devem ser preenchidas pelo professor, 
a cada trimestre letivo. São documentos que acompanham a vida escolar dos alunos e 
informam às famílias sobre o processo de aprendizagem de seus filhos. Outros instrumentos 
de registro podem ser considerados pelos professores quanto à sua funcionalidade para o 
replanejamento das aulas e para a comunicação com os pais. Entre as variadas formas de 
registro, destacamos: a pasta individual (dossiê/portfólio) de cada aluno; o portfólio coletivo 
da turma; o relatório individual produzido pelos professores da turma ou pelo conjunto de 
professores da mesma; a ficha avaliativa em que se descrevem as dificuldades específicas, 
a serem tomadas em planos de estudo e recuperação paralela;
• a autoavaliação pelos alunos seja implementada, como recurso para o professor conhecer as aprendizagens dos alunos e dar oportunidade para que estes construam autonomia nos estudos, na medida em que aprendem a monitorar o seu próprio desenvolvimento. Este tipo de avaliação pode se realizar por meio de diversas atividades, tais como entrevistas com os alunos, conversas informais ou autoavaliação escrita. (Diretrizes Curriculares, páginas 39 e 40)
Atividade em grupos: exercitando a descrição de saberes 
Organização dos grupos: por ano 
Dinâmica da atividade: 
Cada professor apresenta as atividades realizadas pelos alunos ao grupo. (Seria interessante escolher alunos de um mesmo grupo de saberes para facilitar a análise). Os demais professores analisam as atividades e os saberes apresentados pelos alunos. Registrar os saberes por escrito, como um exercício. 
Nessa análise, verificar se os saberes apresentados por diferentes alunos são semelhantes ou não. Isto é, se, de fato, todos os alunos pertencem ao mesmo grupo de acordo com as semelhanças nos saberes apresentados nas atividades. 
Após a confirmação da descrição de saberes, pensar coletivamente no replanejamento do trabalho de acordo com as necessidades específicas de aprendizagem do grupo. 
Importante: devem circular atividades referentes a todos os grupos: 1,2,3 e 4.
Tarefa para a próxima semana: Encontro não presencial 
Analisar as atividades de avaliação realizadas com seus alunos no primeiro trimestre, em Língua 
Portuguesa. Finalizar a Descrição de Saberes e o Planejamento do trabalho pedagógico para o 
segundo trimestre, de acordo com as necessidades específicas de aprendizagem de cada grupo 
de alunos. 
A atividade será realizada em tabela específica 
enviada pelo Orientador de Estudo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Replanejamento 2013.ppt [salvo automaticamente]
Replanejamento  2013.ppt [salvo automaticamente]Replanejamento  2013.ppt [salvo automaticamente]
Replanejamento 2013.ppt [salvo automaticamente]Mari_Saracchini
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaClaudia Elisabete Silva
 
Plano trabalho do pc encontro#2 28e29 04 versao 2 combinado
Plano trabalho do pc encontro#2  28e29 04 versao 2 combinadoPlano trabalho do pc encontro#2  28e29 04 versao 2 combinado
Plano trabalho do pc encontro#2 28e29 04 versao 2 combinadoAndreia Carla Lobo
 
Pauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aulaPauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aulaGelson Rocha
 
Oficina para elaboração de itens do SPAECE
Oficina para elaboração de itens do SPAECEOficina para elaboração de itens do SPAECE
Oficina para elaboração de itens do SPAECERomario_Silva
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoClaudia Elisabete Silva
 
Atividades para período diagnóstico inglês
Atividades para período diagnóstico   inglêsAtividades para período diagnóstico   inglês
Atividades para período diagnóstico inglêsjosivaldopassos
 
Avaliação de Aula/Plano de Aula/Plano de Curso
Avaliação de Aula/Plano de Aula/Plano de CursoAvaliação de Aula/Plano de Aula/Plano de Curso
Avaliação de Aula/Plano de Aula/Plano de CursoNathan Hartmann
 
Aula 8. modelo plano ensino de disciplina
Aula 8. modelo plano ensino de disciplinaAula 8. modelo plano ensino de disciplina
Aula 8. modelo plano ensino de disciplinaKarlla Costa
 
Os caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professoresOs caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professoresGelson Rocha
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentaçãoeducacao
 
Texto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao DiagnosticaTexto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao DiagnosticaÉdlon Marcus
 

Mais procurados (20)

Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
 
Replanejamento 2013.ppt [salvo automaticamente]
Replanejamento  2013.ppt [salvo automaticamente]Replanejamento  2013.ppt [salvo automaticamente]
Replanejamento 2013.ppt [salvo automaticamente]
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Oficina 2
Oficina 2Oficina 2
Oficina 2
 
Educarê replanejar
Educarê  replanejarEducarê  replanejar
Educarê replanejar
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
 
Plano trabalho do pc encontro#2 28e29 04 versao 2 combinado
Plano trabalho do pc encontro#2  28e29 04 versao 2 combinadoPlano trabalho do pc encontro#2  28e29 04 versao 2 combinado
Plano trabalho do pc encontro#2 28e29 04 versao 2 combinado
 
Planejamento e PPP 4
Planejamento e PPP 4Planejamento e PPP 4
Planejamento e PPP 4
 
Aprendizagem, Autoria e Avaliação
Aprendizagem, Autoria e AvaliaçãoAprendizagem, Autoria e Avaliação
Aprendizagem, Autoria e Avaliação
 
Pauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aulaPauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aula
 
Oficina para elaboração de itens do SPAECE
Oficina para elaboração de itens do SPAECEOficina para elaboração de itens do SPAECE
Oficina para elaboração de itens do SPAECE
 
Oficina apoio
Oficina apoioOficina apoio
Oficina apoio
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
 
Atividades para período diagnóstico inglês
Atividades para período diagnóstico   inglêsAtividades para período diagnóstico   inglês
Atividades para período diagnóstico inglês
 
Avaliação de Aula/Plano de Aula/Plano de Curso
Avaliação de Aula/Plano de Aula/Plano de CursoAvaliação de Aula/Plano de Aula/Plano de Curso
Avaliação de Aula/Plano de Aula/Plano de Curso
 
Aula 8. modelo plano ensino de disciplina
Aula 8. modelo plano ensino de disciplinaAula 8. modelo plano ensino de disciplina
Aula 8. modelo plano ensino de disciplina
 
Reagrupamentos pedagógicos
Reagrupamentos pedagógicosReagrupamentos pedagógicos
Reagrupamentos pedagógicos
 
Os caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professoresOs caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professores
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Texto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao DiagnosticaTexto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao Diagnostica
 

Semelhante a Descrição de Saberes e Replanejamento

Pnaic 5a aula avaliação o que e fad saberes objetivos painel do grupo
Pnaic  5a aula  avaliação o que e fad saberes objetivos painel do grupoPnaic  5a aula  avaliação o que e fad saberes objetivos painel do grupo
Pnaic 5a aula avaliação o que e fad saberes objetivos painel do grupotlfleite
 
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docxPLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docxMelchiorS1
 
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕESMÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕESanjalylopes
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoCristiane Lahdo
 
Aulas 8 e 9. texto spudeit (2014). elaboração do plano de ensino e do plano d...
Aulas 8 e 9. texto spudeit (2014). elaboração do plano de ensino e do plano d...Aulas 8 e 9. texto spudeit (2014). elaboração do plano de ensino e do plano d...
Aulas 8 e 9. texto spudeit (2014). elaboração do plano de ensino e do plano d...Karlla Costa
 
Pps avaliação - técnicas e instrumentos de avaliação
Pps   avaliação - técnicas e instrumentos de avaliaçãoPps   avaliação - técnicas e instrumentos de avaliação
Pps avaliação - técnicas e instrumentos de avaliaçãoMaria Pedro Silva
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoCristiane Lahdo
 
Planejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticasPlanejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticaspibid ING
 

Semelhante a Descrição de Saberes e Replanejamento (15)

Pnaic 5a aula avaliação o que e fad saberes objetivos painel do grupo
Pnaic  5a aula  avaliação o que e fad saberes objetivos painel do grupoPnaic  5a aula  avaliação o que e fad saberes objetivos painel do grupo
Pnaic 5a aula avaliação o que e fad saberes objetivos painel do grupo
 
Dicastit producao aulas
Dicastit producao aulasDicastit producao aulas
Dicastit producao aulas
 
Slide módulo 4.pptx
Slide módulo 4.pptxSlide módulo 4.pptx
Slide módulo 4.pptx
 
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docxPLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
PLANO DE AULA-PASSO A PASSO GRUPO 1.docx
 
Oficina alfabetizacao
Oficina alfabetizacaoOficina alfabetizacao
Oficina alfabetizacao
 
DIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptxDIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptx
 
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕESMÓDULO II - AVALIAÇÕES
MÓDULO II - AVALIAÇÕES
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
 
Aulas 8 e 9. texto spudeit (2014). elaboração do plano de ensino e do plano d...
Aulas 8 e 9. texto spudeit (2014). elaboração do plano de ensino e do plano d...Aulas 8 e 9. texto spudeit (2014). elaboração do plano de ensino e do plano d...
Aulas 8 e 9. texto spudeit (2014). elaboração do plano de ensino e do plano d...
 
Pps avaliação - técnicas e instrumentos de avaliação
Pps   avaliação - técnicas e instrumentos de avaliaçãoPps   avaliação - técnicas e instrumentos de avaliação
Pps avaliação - técnicas e instrumentos de avaliação
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
 
2ª formação AAP 2015
2ª formação   AAP 20152ª formação   AAP 2015
2ª formação AAP 2015
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Planejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticasPlanejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticas
 
Planejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticasPlanejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticas
 

Mais de Joelma Santos

Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunos
Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunosObjetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunos
Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunosJoelma Santos
 
O pensamento infantil: senso numérico e espacial
O pensamento infantil: senso numérico e espacialO pensamento infantil: senso numérico e espacial
O pensamento infantil: senso numérico e espacialJoelma Santos
 
Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...
Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...
Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...Joelma Santos
 
Trabalhando com o senso numérico
Trabalhando com o senso numéricoTrabalhando com o senso numérico
Trabalhando com o senso numéricoJoelma Santos
 
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais Básicos
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais BásicosNúmero Operatório e os 7 Princípios Mentais Básicos
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais BásicosJoelma Santos
 
Apostila: 7 Princípios Mentais Básicos
Apostila: 7 Princípios Mentais BásicosApostila: 7 Princípios Mentais Básicos
Apostila: 7 Princípios Mentais BásicosJoelma Santos
 
A professora e a maleta (Leitura Deleite)
A professora e a maleta (Leitura Deleite)A professora e a maleta (Leitura Deleite)
A professora e a maleta (Leitura Deleite)Joelma Santos
 
Planejamento e rotinas nas aulas de matemática
Planejamento e rotinas nas aulas de matemáticaPlanejamento e rotinas nas aulas de matemática
Planejamento e rotinas nas aulas de matemáticaJoelma Santos
 
Orientações para a elaboração da Sequência Didática de Matemática
Orientações para a elaboração da Sequência Didática de MatemáticaOrientações para a elaboração da Sequência Didática de Matemática
Orientações para a elaboração da Sequência Didática de MatemáticaJoelma Santos
 
E eles queriam contar
E eles queriam contarE eles queriam contar
E eles queriam contarJoelma Santos
 
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte I
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte IContagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte I
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte IJoelma Santos
 
Poemas Problemas - Renato Bueno
Poemas Problemas - Renato BuenoPoemas Problemas - Renato Bueno
Poemas Problemas - Renato BuenoJoelma Santos
 
Texto calculo mental revista nova escola
Texto calculo mental revista nova escolaTexto calculo mental revista nova escola
Texto calculo mental revista nova escolaJoelma Santos
 
Cubra descubra tabuleiro
Cubra descubra tabuleiroCubra descubra tabuleiro
Cubra descubra tabuleiroJoelma Santos
 
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair NacaratoEu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair NacaratoJoelma Santos
 
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte II
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte IIContando com o Sistema Decimal Posicional - Parte II
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte IIJoelma Santos
 
Princípios Básicos do Sistema Decimal Posicional
Princípios Básicos do Sistema Decimal PosicionalPrincípios Básicos do Sistema Decimal Posicional
Princípios Básicos do Sistema Decimal PosicionalJoelma Santos
 
Circuito de Atividades: Sistema Decimal Posicional
Circuito de Atividades: Sistema Decimal PosicionalCircuito de Atividades: Sistema Decimal Posicional
Circuito de Atividades: Sistema Decimal PosicionalJoelma Santos
 

Mais de Joelma Santos (20)

Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunos
Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunosObjetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunos
Objetivos de aprendizagem, contexto e saberes dos alunos
 
Pobremas VI Enigmas
Pobremas VI EnigmasPobremas VI Enigmas
Pobremas VI Enigmas
 
O pensamento infantil: senso numérico e espacial
O pensamento infantil: senso numérico e espacialO pensamento infantil: senso numérico e espacial
O pensamento infantil: senso numérico e espacial
 
Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...
Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...
Reflexões sobre percepções de crianças do 1º ano do E. F. sobre o conceito de...
 
Trabalhando com o senso numérico
Trabalhando com o senso numéricoTrabalhando com o senso numérico
Trabalhando com o senso numérico
 
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais Básicos
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais BásicosNúmero Operatório e os 7 Princípios Mentais Básicos
Número Operatório e os 7 Princípios Mentais Básicos
 
Apostila: 7 Princípios Mentais Básicos
Apostila: 7 Princípios Mentais BásicosApostila: 7 Princípios Mentais Básicos
Apostila: 7 Princípios Mentais Básicos
 
A professora e a maleta (Leitura Deleite)
A professora e a maleta (Leitura Deleite)A professora e a maleta (Leitura Deleite)
A professora e a maleta (Leitura Deleite)
 
Planejamento e rotinas nas aulas de matemática
Planejamento e rotinas nas aulas de matemáticaPlanejamento e rotinas nas aulas de matemática
Planejamento e rotinas nas aulas de matemática
 
Orientações para a elaboração da Sequência Didática de Matemática
Orientações para a elaboração da Sequência Didática de MatemáticaOrientações para a elaboração da Sequência Didática de Matemática
Orientações para a elaboração da Sequência Didática de Matemática
 
E eles queriam contar
E eles queriam contarE eles queriam contar
E eles queriam contar
 
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte I
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte IContagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte I
Contagem com o Sistema Decimal Posicional - Parte I
 
Poemas Problemas - Renato Bueno
Poemas Problemas - Renato BuenoPoemas Problemas - Renato Bueno
Poemas Problemas - Renato Bueno
 
Texto calculo mental revista nova escola
Texto calculo mental revista nova escolaTexto calculo mental revista nova escola
Texto calculo mental revista nova escola
 
Cubra descubra tabuleiro
Cubra descubra tabuleiroCubra descubra tabuleiro
Cubra descubra tabuleiro
 
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair NacaratoEu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato
Eu trabalho primeiro no concreto - Adair Nacarato
 
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte II
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte IIContando com o Sistema Decimal Posicional - Parte II
Contando com o Sistema Decimal Posicional - Parte II
 
Princípios Básicos do Sistema Decimal Posicional
Princípios Básicos do Sistema Decimal PosicionalPrincípios Básicos do Sistema Decimal Posicional
Princípios Básicos do Sistema Decimal Posicional
 
Fichas sobrepostas
Fichas sobrepostasFichas sobrepostas
Fichas sobrepostas
 
Circuito de Atividades: Sistema Decimal Posicional
Circuito de Atividades: Sistema Decimal PosicionalCircuito de Atividades: Sistema Decimal Posicional
Circuito de Atividades: Sistema Decimal Posicional
 

Último

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 

Descrição de Saberes e Replanejamento

  • 1. Encontro 6: Descrição de saberes e replanejamento EQUIPE DO PNAIC/CAMPINAS – Maio/2014 Coordenação Geral: Bete Pimentel Slides elaborados por: Patrícia Infanger Campos Colaboradores: Cristina Pauluci, Del, Eliana Boscolo, Isnary, Ítala, Kelly Arduíno, Laís Alendes, Adriana Correia
  • 2. Pauta: Leitura deleite: Recolhimento da tarefa da semana anterior (encontro não presencial Explicações sobre a descrição de saberes Atividade em grupo: exercitando a descrição de saberes em Língua Portuguesa Tarefa para a próxima semana: encontro não presencial
  • 3. Trabalhar com saberes... Exige uma postura INVESTIGATIVA do professor, pois os saberes são definidos a partir da análise dos materiais produzidos individualmente pelos alunos. Significa mudar a lógica de avaliação: do pré estabelecido pelo professor ↓ para o estabelecido pelo aluno nas atividades realizadas. Dessa forma, não EXISTE descrição de saberes sem a análise real da produção do aluno!
  • 4. Trabalhar com saberes... Exige um compromisso com o trabalho coletivo entre os professores, pois as descrições precisam ser as mesmas entre as turmas de mesmo ano e não uma para cada turma. É necessário avaliar os saberes que os alunos apresentam ano da escola ! Essa é uma visão COLETIVA de escola! Dessa forma, PODE existir uma turma com muitos alunos no grupo 1 e outra sem nenhum. Demanda a organização de instrumentos de avaliação comuns entre as turmas de mesmo ano para possibilitar o uso de mesmos critérios e parâmetros para a definição do grupo em que cada aluno será encaixado.
  • 5. Os saberes dos alunos... Devem ser elencados a partir de atividades reais realizadas individualmente; Não são definidos PREVIAMENTE com base nos objetivos das diretrizes curriculares; Podem ser os mesmos que os objetivos das diretrizes curriculares desde que os alunos realmente os tenham como conhecimentos adquiridos (“conhecimento adquirido é objetivo atingido!”)
  • 6. Objetivos da descrição de saberes Possibilitar ao professor uma visão mais específica das aprendizagens reais de cada aluno e principalmente, permitir o replanejamento de atividades para cada grupo de alunos voltado diretamente para as necessidades de aprendizagem de cada um
  • 7. Dúvida: em que grupo devo colocar esse aluno???? Para responder a essa pergunta, analisar SEMPRE: o planejamento que será realizado para cada grupo e verificar qual deles trará maior benefício de aprendizagem para o aluno. Exemplificando: Imagine que você tenha as seguintes descrições em sua turma: Grupo 1: alunos que escrevem textos de acordo com o gênero textual e conseguem dividir adequadamente as ideias em diferentes parágrafos. Grupo 2: alunos que escrevem textos de acordo com o gênero textual. Apresentam as ideias em um único parágrafo. Você tem um aluno que escreve de acordo com o gênero textual e que às vezes escreve em diferentes parágrafos. Onde colocá-lo?????
  • 8. Possíveis argumentos... Colocaria o aluno no grupo 1, porque ele é um ótimo, bem comportado e faz todas as tarefas. NÃO É ESSA A JUSTIFICATIVA QUE O TRABALHO COM DESCRIÇÃO DE SABERES REQUER! Colocaria no grupo 2, porque “é melhor eu deixar para menos do que para mais”. ESSA É A LÓGICA DA AVALIAÇÃO CALCADA NA MERITOCRACIA E NÃO NA APRENDIZAGEM! Criaria um grupo só para ele. ATÉ QUE SERIA MUITO BOM, MAS... JÁ IMAGINOU CRIAR UM GRUPO PARA CADA ALUNO, VISTO QUE CADA UM TEM SUAS ESPECIFICIDADES?COMO SERIA REPLANEJAR PARA TANTOS GRUPOS?
  • 9. O QUE FAZER???? Vamos voltar para o essencial do trabalho com os saberes, que é o replanejamento a partir da descrição. Dessa formas temos como possível replanejamento: Para o Grupo 1, o professor pensará em continuar com a escrita de textos de diferentes gêneros textuais e aprofundar a reflexão sobre o sistema de escrita por meio da ortografia. Para o Grupo 2, o professor também precisará pensar em atividades com diferentes gêneros textuais mas precisará se ater à divisão das ideias em diferentes parágrafos. Pois os alunos escrevem textos em um único parágrafo. QUAL REPLANEJAMENTO TRARÁ MAIORES APRENDIZAGENS AO ALUNO??? O REPLANEJAMENTO DO GRUPO 2! Com a justificativa de que ele ainda precisa participar de atividades que o auxiliem na reflexão sobre o uso de diferentes parágrafos. (A justificativa é voltada para os saberes do aluno e não para a meritocracia!) Portanto, aquele aluno deve ser colocado no grupo 2, pois se beneficiará mais desse planejamento.
  • 10. Para maior conhecimento... Os slides seguintes apresentam: - o Comunicado 03/2013 com orientações sobre a Descrição de Saberes e a Ficha de Avaliação Descritiva e os dizeres das Diretrizes Curriculares sobre o assunto.
  • 11. Comunicado SME/DEPE Nº 03/2013 A)DA COMPOSIÇÃO DA FAD: 1 - Objetivos anuais: descritos para cada ano dos Ciclos e inseridos no sistema pela Secretaria Municipal de Educação, a partir das Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental. 2 - Objetivos do trimestre: inseridos no sistema pela equipe gestora, ao início do período em questão, por ano de cada ciclo e por componente curricular, a partir dos resultados das avaliações diagnósticas realizadas junto aos alunos; em conformidade com o Projeto Pedagógico da unidade educacional e com as Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental. 3 - Descrição de saberes efetivamente consolidados: deverão ser inseridos no sistema pelos docentes, no campo " descrição de saberes da unidade", de acordo com o estabelecido para o ano em questão pela equipe pedagógica da unidade educacional e caso seja necessário, poderão ser acrescidos saberes diferenciados e consolidados por determinada turma, em campo específico para tal.
  • 12. B) DA ORGANIZAÇÃO DOS SABERES: O processo de descrição dos saberes deverá ser organizado em cinco grupos, I, II, III, IV e V e inseridos por componente curricular: os grupos I, II, III e IV, deverão ser elaborados de forma decrescente, isto é, do grupo de alunos com saberes que mais se aproximam da totalidade dos objetivos propostos para o período (grupo I), até o grupo que apresenta descrições mais distantes dessa totalidade (grupo IV); b) nos grupos I, II e III, as descrições deverão ser apresentadas, primeiramente, de forma coletiva para os alunos considerados como pertencentes ao grupo em questão, podendo, no segundo momento, conter complementações individuais para especifici- dades não contempladas no texto coletivo;
  • 13. c) no grupo IV, as descrições deverão ser apresentadas de forma individual, conforme aprendizagens apresentadas pelos alunos nas diferentes formas de avaliações utilizadas, nesse grupo não haverá descrição coletiva; d) no grupo V deverão ser inseridos os alunos que não completaram o processo de avaliação ou não foram avaliados, independentemente dos motivos, devendo, o docente, indicar os procedimentos e encaminhamentos cabíveis a cada caso.
  • 14. É necessário que: ▸ Descreva o que o aluno sabe em relação aos objetivos definidos para o trimestre, devendo abranger os conceitos/ conteúdos e as habilidades/capacidades consolidados pelo aluno; ▸ Descreva os saberes relativos às habilidades e atitudes, quando necessário, em campo próprio, designado “avaliação complementar”; ▸ Apresente uma descrição o mais fiel possível ao aprendizado demonstrado pelas turmas de mesmo ano, no trimestre em questão da U E. Caso exista especificidade de determinada turma é possível inserir descrições complementares em campo específico.
  • 15. ▸ Contemple, principalmente, aspectos qualitativos da aprendizagem dos alunos, avaliados por instrumentos diversificados, como provas, trabalhos, produções de textos, seminários, atividades variadas, entre outros, podendo ser propositiva , apontando aonde é necessário avançar a partir do que está sendo descrito sobre os saberes apresentados pelo o aluno. ▸ Seja escrita em forma de texto, sem usar tópicos ou listagens, na terceira pessoa do singular (Exemplo: “o aluno relaciona...”), de acordo com a norma padrão. ▸ Apresente, se necessário e em campo específico, encaminhamentos para superação de possíveis dificuldades, como, por exemplo: comparecer a atividades de apoio escolar, atividades diversificadas, atentar à frequência.
  • 16. C) DA ELABORAÇÃO DA FAD PELA EQUIPE PEDAGÓGICA: 1 Na elaboração da FAD dever-se-á: 1.1. Considerar o que segue: a) descrever o que o aluno sabe em relação aos objetivos definidos para o trimestre, devendo abranger os conceitos/conteúdos e as habilidades/ capacidades consolidadas pelo aluno; b) descrever, em campo próprio designado "avaliação complementar", os saberes relativos às habilidades e atitudes, somente quando interferirem no processo de aprendizagem; c) apresentar descrição a mais fiel possível ao aprendizado demonstrado pelas turmas d e mesmo ano , no trimestre em questão, e caso exista especificidade, inserir as descrições complementares em campo específico;
  • 17. d) contemplar, prioritariamente, os aspectos qualitativos da aprendizagem dos alunos, avaliados por diferentes instrumentos como provas, trabalhos, produções de textos, seminários, atividades variadas, entre outros; e) apontar, a partir do que está sendo descrito, os avanços necessários a partir dos saberes apresentados pelo aluno; f) apresentar, se necessário e em campo específico , possíveis encaminhamentos para superação das dificuldades, tais como, diminuição da infrequência, comparecimento às atividades de apoio escolar, proposta de atividades diversificadas, e outros; g) descrever em forma de texto, de acordo com a norma padrão, utilizando a terceira pessoa do singular, tal como, "o aluno relaciona..."; h) descrever o comportamento social do aluno, caso seja considerado necessário, por interferir no processo de aprendizagem, utilizando o campo "avaliação complementar”, na planilha específica.
  • 18. 1.2 Evitar o que segue: a) apresentar descrições gerais ou subjetivas para um sujeito genérico, que valem para qualquer ano, trimestre ou disciplina; b) inserir em sua descrição, o número do grupo e/ou o conceito do aluno e compará-lo com outro grupo no corpo do texto; c) apresentar incoerência entre a descrição de saberes e os planos de trabalho/ objetivos do período; d) descrever o que o aluno não sabe ; e) desqualificar o aluno por meio de palavras que o menosprezem e/ou que possam produzir um rebaixamento da sua autoestima; f) usar palavras que expressem juízo de valor ou subjetividade; g) apresentar a descrição em forma de tópicos ou listagens e inadequações na elaboração do texto quanto à norma padrão. Campinas, 06 de março de 2013 HELENA COSTA LOPES DE FREITAS DIRETORA DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO
  • 19. Segundo as Diretrizes Curriculares... O Departamento Pedagógico indica que as escolas realizem o trabalho de avaliação de aprendizagem dos alunos, fazendo uso da Avaliação Diagnóstica e da Descrição de Saberes. Os procedimentos para este trabalho devem ser planejados de modo que: • a cada início de ano os professores de cada ciclo definam, coletivamente, um conjunto de atividades que funcionem como instrumentos de avaliação de acordo com critérios e objetivos de sondagem, visando ao planejamento de ensino. Tais atividades devem possibilitar conhecer os alunos reais, aqueles com quem os professores se encontram cotidianamente;
  • 20. • os dados obtidos na avaliação diagnóstica sejam analisados pelo grupo de professores do ciclo, com o objetivo de compreenderem, em parceria, as potencialidades e dificuldades dos alunos no processo de aprendizagem; • o professor da turma realize a Descrição dos Saberes observados na produção de cada aluno e do coletivo da turma, indicando quais as aprendizagens já são consolidadas e o que falta aprender; • a partir da Descrição de Saberes, o professor da turma deve sempre socializar suas análises com os colegas do ciclo, e agrupar os alunos po r níveis de saberes já consolidados;
  • 21. • a partir dos grupos de saberes e das necessidades de aprendizagem observadas – inclusive aquelas ligadas às deficiências físicas, mentais e aos transtornos globais do desenvolvimento –, os professores tracem os objetivos para toda a turma e para cada grupo, visando ao planejamento de aulas com atividades que contribuam para que todos os alunos avancem na construção de conhecimentos; • ao longo do trimestre, sejam realizadas novas avaliações e replanejamentos do trabalho, visando a promover sempre novas e maiores aprendizagens. Ao final de cada trimestre, as avaliações até então promovidas devem subsidiar a Descrição de Saberes consolidados pelos alunos no período;
  • 22. • a recuperação paralela seja realizada com todos os alunos que dela necessitem para prosseguir com autonomia no trabalho de sala de aula. É sabido que muitos alunos precisam do apoio extra-aula, nos tempos pedagógicos que a legislação denomina de recuperação contínua e paralela. Os professores devem planejar, realizar e socializar entre si as experiências bem sucedidas de acompanhamento semanal de alunos com dificuldades de aprendizagem; • as Fichas Descritivas dos Saberes sejam utilizadas como instrumentos de registro da aprendizagem dos alunos na escola. As Fichas devem ser preenchidas pelo professor, a cada trimestre letivo. São documentos que acompanham a vida escolar dos alunos e informam às famílias sobre o processo de aprendizagem de seus filhos. Outros instrumentos de registro podem ser considerados pelos professores quanto à sua funcionalidade para o replanejamento das aulas e para a comunicação com os pais. Entre as variadas formas de registro, destacamos: a pasta individual (dossiê/portfólio) de cada aluno; o portfólio coletivo da turma; o relatório individual produzido pelos professores da turma ou pelo conjunto de professores da mesma; a ficha avaliativa em que se descrevem as dificuldades específicas, a serem tomadas em planos de estudo e recuperação paralela;
  • 23. • a autoavaliação pelos alunos seja implementada, como recurso para o professor conhecer as aprendizagens dos alunos e dar oportunidade para que estes construam autonomia nos estudos, na medida em que aprendem a monitorar o seu próprio desenvolvimento. Este tipo de avaliação pode se realizar por meio de diversas atividades, tais como entrevistas com os alunos, conversas informais ou autoavaliação escrita. (Diretrizes Curriculares, páginas 39 e 40)
  • 24. Atividade em grupos: exercitando a descrição de saberes Organização dos grupos: por ano Dinâmica da atividade: Cada professor apresenta as atividades realizadas pelos alunos ao grupo. (Seria interessante escolher alunos de um mesmo grupo de saberes para facilitar a análise). Os demais professores analisam as atividades e os saberes apresentados pelos alunos. Registrar os saberes por escrito, como um exercício. Nessa análise, verificar se os saberes apresentados por diferentes alunos são semelhantes ou não. Isto é, se, de fato, todos os alunos pertencem ao mesmo grupo de acordo com as semelhanças nos saberes apresentados nas atividades. Após a confirmação da descrição de saberes, pensar coletivamente no replanejamento do trabalho de acordo com as necessidades específicas de aprendizagem do grupo. Importante: devem circular atividades referentes a todos os grupos: 1,2,3 e 4.
  • 25. Tarefa para a próxima semana: Encontro não presencial Analisar as atividades de avaliação realizadas com seus alunos no primeiro trimestre, em Língua Portuguesa. Finalizar a Descrição de Saberes e o Planejamento do trabalho pedagógico para o segundo trimestre, de acordo com as necessidades específicas de aprendizagem de cada grupo de alunos. A atividade será realizada em tabela específica enviada pelo Orientador de Estudo.