SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
A atuação do Psicólogo
em contextos específicos
A atuação do Psicólogo no
contexto da Saúde
• Psicologia Clínica
– o contato pessoal e individual com o objetivo de promover a
saúde, frequentemente através da resolução de seus
problemas.
– "modelo" clínico de atuação, assumindo formas particulares,
dependendo do contexto.
– Críticos do modelo clínico tradicional defendem a criação e o
desenvolvimento de novos modelos de atuação,
especialmente aqueles que envolvem os serviços públicos de
saúde e algumas instituições. Estes deveriam estar voltados
para a população em geral, para as comunidades e
coletividades específicas, com objetivos preventivos,
considerando-se as necessidades comuns a cada população,
permitindo livre acesso aos profissionais, especialmente o
acesso das classes mais pobres.
• O atendimento particular, pelos altos custos que
implica (por ser um tratamento longo, com um
profissional cuja formação é cara e especializada
etc.), não permite acesso generalizado a toda
população, havendo predominância de uma
clientela dos extratos economicamente superiores
da sociedade. Algumas vezes, os clínicos
particulares especializam-se em faixas etárias
específicas (crianças, adolescentes etc.) ou grupos
específicos (famílias, casais, pais etc.)
• Psicologia Hospitalar
• O papel do psicólogo no hospital é contribuir para a
humanização da instituição hospitalar.
• O hospital é um contexto específico que busca proporcionar a
manutenção do bem-estar físico, social e mental do homem.
O psicólogo busca a promoção, a prevenção e recuperação do
bem-estar do paciente, no seu todo, o que implica que
aspectos físicos e sociais são considerados em interação
contínua na composição do psiquismo.
• Atividades mais frequentes: orientação, aconselhamento e
psicoterapia breve. Também estão presentes o
psicodiagnóstico e outras várias formas de avaliação, ensino e
pesquisa.
• A atuação em equipes multiprofissionais é característica
essencial do trabalho do psicólogo hospitalar
• A atividade de orientação não se restringe ao
paciente.
• A abrangência social do trabalho do psicólogo no
hospital é bastante grande, não atingindo
diretamente apenas o indivíduo doente, mas a
toda a coletividade que faz parte do contexto do
hospital
• Psicologia Institucional e Comunitária
• Visa-se a saúde da população, em seus múltiplos
aspectos.
• Orfanatos, asilos ou instituições equivalentes,
instituições de atendimento psicológico a deficientes;
Organizações não-governamentais (ONGs) de várias
naturezas; Ambulatórios de instituições de Saúde
Pública como Postos ou Unidades Básicas de Saúde e
ambulatórios e de Instituições de Saúde Mental como
os Hospitais Psiquiátricos e instituições dessa natureza.
• Promover a saúde do cidadão também é objetivo do
trabalho do psicólogo em Comunidades ou Instituições
que envolvem coletividades específicas, como
Associações de Bairro e Comunitárias, Sindicatos e
Associações Profissionais.
• Instituições da Justiça, como presídios, Varas da
Família, Juizado do Menor etc., através da Psicologia
Jurídica. A tarefa dos profissionais aqui, por
exemplo, é fornecer laudos e pareceres para Juízes
arbitrarem adoções, separações, penas etc.
• Através da Psicologia do Esporte, a atuação do
profissional está focada em grupos de esportistas,
eventualmente em indivíduos específicos, mas a
Saúde de grupos e equipes é a referência
fundamental para o trabalho do psicólogo.
• Modelo clínico tradicional mistura-se a atividades
mais apropriadas às características dessas
instituições.
• Há necessidade do desenvolvimento de métodos e
técnicas adequados para o trabalho com grupos.
Atividades novas precisam ser desenvolvidas para
dar conta das demandas sociais que se
apresentam ao psicólogo no seu dia-a-dia. A
referência aqui são as coletividades e suas
necessidades típicas.
• Um número grande dessas instituições tem a
população mais pobre como a diretamente
atendida
A atuação do Psicólogo no contexto
Educacional
• Psicólogo tem a atuação principalmente de um
educador, que participa do processo educacional como
um todo.
• É um dos profissionais envolvidos no processo ensino-
aprendizagem, pois participa do estabelecimento das
condições necessárias para que haja a aprendizagem.
• Trabalha em equipes multiprofissionais.
• Atividades: planejamento curricular, treinamento de
professores , contato com a família, orientação de
alunos, organização do espaço educacional.
• Caráter eminentemente preventivo
• Quando o modelo clínico prevalece, estão presentes as
atividades:
• psicodiagnósticos, por ex., entrevistando alunos e suas
famílias; testando habilidades e desempenhos acadêmicos;
aplicando testes de personalidade etc.,
• aplicação de técnicas e métodos de tratamento
psicoterapêuticos eventualmente (quando tem condições e
seu contrato com a escola permite),
• Ou encaminhamentos a outros profissionais para tratamento.
• Atuação remediativa; foco de interesse principal do
conhecimento que o psicólogo utiliza está basicamente
centrado no indivíduo (no aluno-problema) e nos
determinantes internos de seu comportamento (suas
necessidades. angústias etc.) e não nos determinantes
externos (que, no caso, seriam todas as inúmeras condições
presentes no ambiente educacional imediato e remoto)
• Diferentes tipos de vínculos com as instituições; Número
pequeno de psicólogos contratados
A atuação do Psicólogo no contexto
Organizacional e do Trabalho
• Objetivo: Fornecer à Organização os recursos
humanos que ela necessita e ali mantê-los. A
humanização das relações de trabalho deve ser um
princípio que orienta esse objetivo.
• Atividades:
• Recrutamento;
• Seleção de Pessoal;
• Treinamento (atuação preventiva ou remediativa)
• Atividades novas: Ergonomia (estuda e implementa a melhor
adequação dos equipamentos à estrutura anatômica,
fisiológica e psicológica do Homem) e Assessoria no
planejamento de grandes instituições.
• O caráter das atividades do psicólogo organizacional é
basicamente, mas não exclusivamente, preventivo, na medida
em que seu objetivo básico é abordar os processos
organizacionais, melhorando-os e ampliando-os, visando o
desenvolvimento dos indivíduos e das Organizações
• Ao tentar compreender o comportamento do indivíduo na
Organização, estuda o contexto social, político e econômico,
as relações interpessoais, os cenários em que o funcionário
está inserido na Organização e os determinantes internos do
indivíduo (sua personalidade, expectativas, desejos etc.).
Assim, o psicólogo atua não somente tendo como foco de
interesse o indivíduo ou o grupo/coletividade de pessoas,
mas ambos, sintonizando-os num contexto mais abrangente
de Organização e Sociedade
A atuação do Psicólogo no contexto da
Pesquisa
• Produzir conhecimento novo ou confirmar, ampliar e
aprofundar conhecimento já produzido anteriormente
• Diversos contextos
• Especificação de um problema, de uma pergunta cuja
resposta não se conhece, que a pesquisa deverá
responder. Especificam-se os sujeitos a serem
pesquisados e os métodos a serem utilizados na coleta
de informações. Em seguida, a pesquisa é relatada e
divulgada através de meios como jornais e periódicos
de comunicação científica para que possa ser
submetido à crítica e avaliação
• Método Ciências Naturais X Método Ciências Humanas
• Método Ciências Humanas: não se busca
quantificar os fenômenos psicológicos nem se
utilizam experimentos para comprovar seus
resultados. Entretanto, os dois modelos têm em
comum a utilização da razão, do pensamento
crítico e da lógica como instrumentos
fundamentais na produção do conhecimento.
• Abrangência social do trabalho do pesquisador.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula III A psicologia hospitalar e a
Aula III    A psicologia hospitalar e aAula III    A psicologia hospitalar e a
Aula III A psicologia hospitalar e aArtur Mamed
 
01 psicologia da educação
01 psicologia da educação01 psicologia da educação
01 psicologia da educaçãoGLEYDSON ROCHA
 
Slides Psicologia Escolar
Slides Psicologia EscolarSlides Psicologia Escolar
Slides Psicologia EscolarFlávia Feitosa
 
04 psciologia hospitalar
04 psciologia  hospitalar04 psciologia  hospitalar
04 psciologia hospitalarGraça Martins
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAroldo Gavioli
 
Psicopatologia – aula 01
Psicopatologia – aula 01Psicopatologia – aula 01
Psicopatologia – aula 01Rochelle Arruda
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Psicologia de Winnicott
Psicologia de WinnicottPsicologia de Winnicott
Psicologia de WinnicottMilena Loures
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de FreudLucas Vinícius
 
Introdução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeIntrodução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeMaria Clara Teixeira
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoruibraz
 
Psicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaPsicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaClaudia Paola Aguilar
 

Mais procurados (20)

Aula III A psicologia hospitalar e a
Aula III    A psicologia hospitalar e aAula III    A psicologia hospitalar e a
Aula III A psicologia hospitalar e a
 
01 psicologia da educação
01 psicologia da educação01 psicologia da educação
01 psicologia da educação
 
Slides Psicologia Escolar
Slides Psicologia EscolarSlides Psicologia Escolar
Slides Psicologia Escolar
 
04 psciologia hospitalar
04 psciologia  hospitalar04 psciologia  hospitalar
04 psciologia hospitalar
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimentoSaúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
 
Psicopatologia – aula 01
Psicopatologia – aula 01Psicopatologia – aula 01
Psicopatologia – aula 01
 
Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária    Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
Psicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimentoPsicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimento
 
Psicologia de Winnicott
Psicologia de WinnicottPsicologia de Winnicott
Psicologia de Winnicott
 
01. manual do psi. escolar
01. manual do psi. escolar01. manual do psi. escolar
01. manual do psi. escolar
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
 
Introdução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeIntrodução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúde
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Psicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaPsicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e Adolescência
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
RAPS
RAPS RAPS
RAPS
 

Destaque

Psicologia e interface com o direito
Psicologia e interface com o direitoPsicologia e interface com o direito
Psicologia e interface com o direitoMarley Marques
 
Texto 1 introdução à psicologia da saúde
Texto 1 introdução à psicologia da saúdeTexto 1 introdução à psicologia da saúde
Texto 1 introdução à psicologia da saúdePsicologia_2015
 
Relatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
Relatório de praticas em psicologia I Universidade PedagogicaRelatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
Relatório de praticas em psicologia I Universidade PedagogicaOscar Alfredo Jaquissone
 
Psicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilPsicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilJorge Bombeiro
 
Palestra aee 2016 - anamnese
Palestra aee  2016 - anamnesePalestra aee  2016 - anamnese
Palestra aee 2016 - anamneseRosemary Batista
 
Palestra aee -2016_-avaliação
Palestra aee -2016_-avaliaçãoPalestra aee -2016_-avaliação
Palestra aee -2016_-avaliaçãoRosemary Batista
 
Linguagem nao verbal
Linguagem nao verbalLinguagem nao verbal
Linguagem nao verbalelimaciel
 
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...ANGRAD
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbalSelma Oliveira
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoVera Zacharias
 
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbalAngélica Manenti
 

Destaque (20)

Qualificação e competência
Qualificação e competênciaQualificação e competência
Qualificação e competência
 
Psicologia e interface com o direito
Psicologia e interface com o direitoPsicologia e interface com o direito
Psicologia e interface com o direito
 
Texto 1 introdução à psicologia da saúde
Texto 1 introdução à psicologia da saúdeTexto 1 introdução à psicologia da saúde
Texto 1 introdução à psicologia da saúde
 
Relatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
Relatório de praticas em psicologia I Universidade PedagogicaRelatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
Relatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
 
Psicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantilPsicodiagnóstico infantil
Psicodiagnóstico infantil
 
Maslow
MaslowMaslow
Maslow
 
Palestra aee 2016 - anamnese
Palestra aee  2016 - anamnesePalestra aee  2016 - anamnese
Palestra aee 2016 - anamnese
 
Palestra aee -2016_-avaliação
Palestra aee -2016_-avaliaçãoPalestra aee -2016_-avaliação
Palestra aee -2016_-avaliação
 
Motivação necessidades básicas de maslow
Motivação necessidades básicas de maslowMotivação necessidades básicas de maslow
Motivação necessidades básicas de maslow
 
Linguagem nao verbal
Linguagem nao verbalLinguagem nao verbal
Linguagem nao verbal
 
Pirâmide de Maslow
Pirâmide de MaslowPirâmide de Maslow
Pirâmide de Maslow
 
TEORIA MASLOW
TEORIA MASLOWTEORIA MASLOW
TEORIA MASLOW
 
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no Ensino
 
Comunicação verbal
Comunicação verbalComunicação verbal
Comunicação verbal
 
Tic verbal e não verbal
Tic verbal e não verbalTic verbal e não verbal
Tic verbal e não verbal
 
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
 
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 

Semelhante a A Atuação do Psicólogo em Contextos Específicos

A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...Fabio Ferreira
 
Residência Terapêutica - Holiste
Residência Terapêutica - HolisteResidência Terapêutica - Holiste
Residência Terapêutica - HolisteHoliste Psiquiatria
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisRodrigo Abreu
 
Psicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaPsicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaflamarandr
 
[Projeto Integrador] Psicologia Clínica
[Projeto Integrador] Psicologia Clínica[Projeto Integrador] Psicologia Clínica
[Projeto Integrador] Psicologia ClínicaAlessandro Almeida
 
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdfenfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdfGlendaRegoSoares1
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaJose Roberto
 
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdfAULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdfMirnaKathary1
 
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxPSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxrosemendes2001hotmai
 
Atribuições do psicologo no brasil
Atribuições do psicologo no brasilAtribuições do psicologo no brasil
Atribuições do psicologo no brasilRodrigo Luciano
 
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 -  A Psicologia do Comportamento OrganizacionalAula 2 -  A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento OrganizacionalFelipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguirPsicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguirDouglasVasconcelosMa
 
02.psicologia escolar e educacional
02.psicologia escolar e educacional02.psicologia escolar e educacional
02.psicologia escolar e educacionalRosenira Dantas II
 
Psicologia escolar
Psicologia escolarPsicologia escolar
Psicologia escolarFelix Jose
 
Trabalho Psicopedagogia Hospitalar
Trabalho Psicopedagogia HospitalarTrabalho Psicopedagogia Hospitalar
Trabalho Psicopedagogia HospitalarQuelenP
 
Psicologia aplicada
Psicologia aplicadaPsicologia aplicada
Psicologia aplicadaAnaKlein1
 

Semelhante a A Atuação do Psicólogo em Contextos Específicos (20)

A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
A ÉTICA NA INSTIUIÇÃO DE SAÚDE: desafios do ser ético na atuação do psicólogo...
 
Psicologia aplicada
Psicologia aplicadaPsicologia aplicada
Psicologia aplicada
 
Residência Terapêutica - Holiste
Residência Terapêutica - HolisteResidência Terapêutica - Holiste
Residência Terapêutica - Holiste
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentais
 
Psicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaPsicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nica
 
[Projeto Integrador] Psicologia Clínica
[Projeto Integrador] Psicologia Clínica[Projeto Integrador] Psicologia Clínica
[Projeto Integrador] Psicologia Clínica
 
PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
 
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdfenfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
enfermagempsiquiatrica-160804165253.pdf
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdfAULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
 
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxPSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
 
Atribuições do psicologo no brasil
Atribuições do psicologo no brasilAtribuições do psicologo no brasil
Atribuições do psicologo no brasil
 
A psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacionalA psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacional
 
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 -  A Psicologia do Comportamento OrganizacionalAula 2 -  A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
 
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguirPsicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
 
02.psicologia escolar e educacional
02.psicologia escolar e educacional02.psicologia escolar e educacional
02.psicologia escolar e educacional
 
Psicologia escolar
Psicologia escolarPsicologia escolar
Psicologia escolar
 
O psicólogo no sus
O psicólogo no susO psicólogo no sus
O psicólogo no sus
 
Trabalho Psicopedagogia Hospitalar
Trabalho Psicopedagogia HospitalarTrabalho Psicopedagogia Hospitalar
Trabalho Psicopedagogia Hospitalar
 
Psicologia aplicada
Psicologia aplicadaPsicologia aplicada
Psicologia aplicada
 

Último

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdfAntonio Barros
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 

Último (20)

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

A Atuação do Psicólogo em Contextos Específicos

  • 1. A atuação do Psicólogo em contextos específicos
  • 2. A atuação do Psicólogo no contexto da Saúde • Psicologia Clínica – o contato pessoal e individual com o objetivo de promover a saúde, frequentemente através da resolução de seus problemas. – "modelo" clínico de atuação, assumindo formas particulares, dependendo do contexto. – Críticos do modelo clínico tradicional defendem a criação e o desenvolvimento de novos modelos de atuação, especialmente aqueles que envolvem os serviços públicos de saúde e algumas instituições. Estes deveriam estar voltados para a população em geral, para as comunidades e coletividades específicas, com objetivos preventivos, considerando-se as necessidades comuns a cada população, permitindo livre acesso aos profissionais, especialmente o acesso das classes mais pobres.
  • 3. • O atendimento particular, pelos altos custos que implica (por ser um tratamento longo, com um profissional cuja formação é cara e especializada etc.), não permite acesso generalizado a toda população, havendo predominância de uma clientela dos extratos economicamente superiores da sociedade. Algumas vezes, os clínicos particulares especializam-se em faixas etárias específicas (crianças, adolescentes etc.) ou grupos específicos (famílias, casais, pais etc.)
  • 4. • Psicologia Hospitalar • O papel do psicólogo no hospital é contribuir para a humanização da instituição hospitalar. • O hospital é um contexto específico que busca proporcionar a manutenção do bem-estar físico, social e mental do homem. O psicólogo busca a promoção, a prevenção e recuperação do bem-estar do paciente, no seu todo, o que implica que aspectos físicos e sociais são considerados em interação contínua na composição do psiquismo. • Atividades mais frequentes: orientação, aconselhamento e psicoterapia breve. Também estão presentes o psicodiagnóstico e outras várias formas de avaliação, ensino e pesquisa. • A atuação em equipes multiprofissionais é característica essencial do trabalho do psicólogo hospitalar
  • 5. • A atividade de orientação não se restringe ao paciente. • A abrangência social do trabalho do psicólogo no hospital é bastante grande, não atingindo diretamente apenas o indivíduo doente, mas a toda a coletividade que faz parte do contexto do hospital
  • 6. • Psicologia Institucional e Comunitária • Visa-se a saúde da população, em seus múltiplos aspectos. • Orfanatos, asilos ou instituições equivalentes, instituições de atendimento psicológico a deficientes; Organizações não-governamentais (ONGs) de várias naturezas; Ambulatórios de instituições de Saúde Pública como Postos ou Unidades Básicas de Saúde e ambulatórios e de Instituições de Saúde Mental como os Hospitais Psiquiátricos e instituições dessa natureza. • Promover a saúde do cidadão também é objetivo do trabalho do psicólogo em Comunidades ou Instituições que envolvem coletividades específicas, como Associações de Bairro e Comunitárias, Sindicatos e Associações Profissionais.
  • 7. • Instituições da Justiça, como presídios, Varas da Família, Juizado do Menor etc., através da Psicologia Jurídica. A tarefa dos profissionais aqui, por exemplo, é fornecer laudos e pareceres para Juízes arbitrarem adoções, separações, penas etc. • Através da Psicologia do Esporte, a atuação do profissional está focada em grupos de esportistas, eventualmente em indivíduos específicos, mas a Saúde de grupos e equipes é a referência fundamental para o trabalho do psicólogo.
  • 8. • Modelo clínico tradicional mistura-se a atividades mais apropriadas às características dessas instituições. • Há necessidade do desenvolvimento de métodos e técnicas adequados para o trabalho com grupos. Atividades novas precisam ser desenvolvidas para dar conta das demandas sociais que se apresentam ao psicólogo no seu dia-a-dia. A referência aqui são as coletividades e suas necessidades típicas. • Um número grande dessas instituições tem a população mais pobre como a diretamente atendida
  • 9. A atuação do Psicólogo no contexto Educacional • Psicólogo tem a atuação principalmente de um educador, que participa do processo educacional como um todo. • É um dos profissionais envolvidos no processo ensino- aprendizagem, pois participa do estabelecimento das condições necessárias para que haja a aprendizagem. • Trabalha em equipes multiprofissionais. • Atividades: planejamento curricular, treinamento de professores , contato com a família, orientação de alunos, organização do espaço educacional. • Caráter eminentemente preventivo
  • 10. • Quando o modelo clínico prevalece, estão presentes as atividades: • psicodiagnósticos, por ex., entrevistando alunos e suas famílias; testando habilidades e desempenhos acadêmicos; aplicando testes de personalidade etc., • aplicação de técnicas e métodos de tratamento psicoterapêuticos eventualmente (quando tem condições e seu contrato com a escola permite), • Ou encaminhamentos a outros profissionais para tratamento. • Atuação remediativa; foco de interesse principal do conhecimento que o psicólogo utiliza está basicamente centrado no indivíduo (no aluno-problema) e nos determinantes internos de seu comportamento (suas necessidades. angústias etc.) e não nos determinantes externos (que, no caso, seriam todas as inúmeras condições presentes no ambiente educacional imediato e remoto) • Diferentes tipos de vínculos com as instituições; Número pequeno de psicólogos contratados
  • 11. A atuação do Psicólogo no contexto Organizacional e do Trabalho • Objetivo: Fornecer à Organização os recursos humanos que ela necessita e ali mantê-los. A humanização das relações de trabalho deve ser um princípio que orienta esse objetivo. • Atividades: • Recrutamento; • Seleção de Pessoal; • Treinamento (atuação preventiva ou remediativa)
  • 12. • Atividades novas: Ergonomia (estuda e implementa a melhor adequação dos equipamentos à estrutura anatômica, fisiológica e psicológica do Homem) e Assessoria no planejamento de grandes instituições. • O caráter das atividades do psicólogo organizacional é basicamente, mas não exclusivamente, preventivo, na medida em que seu objetivo básico é abordar os processos organizacionais, melhorando-os e ampliando-os, visando o desenvolvimento dos indivíduos e das Organizações • Ao tentar compreender o comportamento do indivíduo na Organização, estuda o contexto social, político e econômico, as relações interpessoais, os cenários em que o funcionário está inserido na Organização e os determinantes internos do indivíduo (sua personalidade, expectativas, desejos etc.). Assim, o psicólogo atua não somente tendo como foco de interesse o indivíduo ou o grupo/coletividade de pessoas, mas ambos, sintonizando-os num contexto mais abrangente de Organização e Sociedade
  • 13. A atuação do Psicólogo no contexto da Pesquisa • Produzir conhecimento novo ou confirmar, ampliar e aprofundar conhecimento já produzido anteriormente • Diversos contextos • Especificação de um problema, de uma pergunta cuja resposta não se conhece, que a pesquisa deverá responder. Especificam-se os sujeitos a serem pesquisados e os métodos a serem utilizados na coleta de informações. Em seguida, a pesquisa é relatada e divulgada através de meios como jornais e periódicos de comunicação científica para que possa ser submetido à crítica e avaliação • Método Ciências Naturais X Método Ciências Humanas
  • 14. • Método Ciências Humanas: não se busca quantificar os fenômenos psicológicos nem se utilizam experimentos para comprovar seus resultados. Entretanto, os dois modelos têm em comum a utilização da razão, do pensamento crítico e da lógica como instrumentos fundamentais na produção do conhecimento. • Abrangência social do trabalho do pesquisador.