SlideShare uma empresa Scribd logo

Custos industriais

Custos industriais (Estácio Recife)

1 de 86
Baixar para ler offline
CUSTOS INDUSTRIAIS
MÁRCIO CAMPOS
Engenharia da Produção
Custos Industriais
Custos Industriais
Contabilidade Geral Contabilidade de Custos
A finalidade da
Contabilidade é a de
controlar o Patrimônio
com o objetivo de
fornecer informações
sobre a sua
composição e suas
variações.
A finalidade da
Contabilidade de
Custos está no auxílio
ao controle e a ajuda
na tomada de decisões.
4/125
- “É a ciência que estuda a formação e variação do Patrimônio”;
- “É a ciência que estuda, registra e controla o Patrimônio das
Entidades com fins lucrativos ou não”;
- “Instrumento de informações para a tomada de decisões dentro e
fora da empresa”.
- Todas as movimentações possíveis de mensuração monetária são
registradas pela contabilidade, que, em seguida, resume os dados
registrados em forma de relatórios (contábeis).
Definição de Contabilidade Financeira
Uma empresa sem boa contabilidade é como
um barco, em alto-mar, sem bússola.
5/125
- É o ramo da contabilidade que se destina a produzir informações
para diversos níveis gerenciais de uma entidade, como auxílio às
funções de determinação de desempenho, e de planejamento e
controle das operações e de tomada de decisões, bem como tornar
possível a alocação mais criteriosamente possível dos custos de
produção aos produtos;
-A contabilidade de custos coleta, classifica e registra os dados
operacionais das diversas atividades da entidade, denominados de
dados internos, bem como, algumas vezes, coleta e organiza dados
externos.
Uma empresa sem boa contabilidade é como
um barco, em alto-mar, sem bússola.
Definição de Contabilidade de Custos
Contabilizados
RelatóriosRelatóriosRelatórios
Contábeis
Dados
Coletados Dados
Coletados
Dados
Coletados
Demonstrações Financeiras (Contábeis)
(Obrigatórios pela legislação brasileira)
Usuários
Demonstrativos Financeiros

Recomendados

Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Rafael Gonçalves
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritocustos contabil
 
Exercicios contabilidade estoques inventario
Exercicios contabilidade  estoques inventarioExercicios contabilidade  estoques inventario
Exercicios contabilidade estoques inventariocapitulocontabil
 
Introdução à Gestão de Custos
Introdução à Gestão de CustosIntrodução à Gestão de Custos
Introdução à Gestão de CustosEliseu Fortolan
 
Caderno de exercícios dp testes departamento pessoal - adicionais mai-16
Caderno  de  exercícios  dp   testes departamento pessoal - adicionais mai-16Caderno  de  exercícios  dp   testes departamento pessoal - adicionais mai-16
Caderno de exercícios dp testes departamento pessoal - adicionais mai-16Prof Hamilton Marin
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap 5 gestão de tesouraria
Cap 5   gestão de tesourariaCap 5   gestão de tesouraria
Cap 5 gestão de tesourariaFEARP/USP
 
Principios contábeis
Principios contábeisPrincipios contábeis
Principios contábeisCássio Lima
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do ExercícioWandick Rocha de Aquino
 
1 exercicio__resolvid_oago.
1  exercicio__resolvid_oago.1  exercicio__resolvid_oago.
1 exercicio__resolvid_oago.Paulo Herrera
 
Escrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbilEscrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbilJesus Bandeira
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaElmano Cavalcanti
 
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfIntrodução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfAntonioCarlosMarques20
 
Acréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosAcréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosLuís Bastos
 
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargoFormulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargoAlagui Marques Pereira
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaTadeu Mendes
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoEliseu Fortolan
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosRafhael Sena
 

Mais procurados (20)

Cap 5 gestão de tesouraria
Cap 5   gestão de tesourariaCap 5   gestão de tesouraria
Cap 5 gestão de tesouraria
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
 
Principios contábeis
Principios contábeisPrincipios contábeis
Principios contábeis
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
 
1 exercicio__resolvid_oago.
1  exercicio__resolvid_oago.1  exercicio__resolvid_oago.
1 exercicio__resolvid_oago.
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
 
Escrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbilEscrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbil
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e prática
 
Tesouraria
TesourariaTesouraria
Tesouraria
 
Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01
 
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfIntrodução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
 
Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09
 
Acréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosAcréscimos e Diferimentos
Acréscimos e Diferimentos
 
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargoFormulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargo
 
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de InvestimentosAvaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
 
Aula custos
Aula custosAula custos
Aula custos
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custos
 

Destaque

Gestão da Qualidade na Hotelaria
Gestão da Qualidade na HotelariaGestão da Qualidade na Hotelaria
Gestão da Qualidade na HotelariaFelipe Goulart
 
Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeirasCcnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeirascapitulocontabil
 
Blogging, Travel, Making Money etc.
Blogging, Travel, Making Money etc.Blogging, Travel, Making Money etc.
Blogging, Travel, Making Money etc.guestffba61
 
Contabilidade geral ii slides escrituracao
Contabilidade geral ii slides escrituracaoContabilidade geral ii slides escrituracao
Contabilidade geral ii slides escrituracaocapitulocontabil
 
Ponto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriaisPonto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriaisFelipe Willians
 
Administração finaceira e orçamentária estrutura de capital
Administração finaceira e orçamentária  estrutura de capitalAdministração finaceira e orçamentária  estrutura de capital
Administração finaceira e orçamentária estrutura de capitalLuciana Roncarati
 
Aula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindicesAula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindicesfontouramail
 
Lista de-exerc%a1cios-com-resposta-gestao-de-custos
Lista de-exerc%a1cios-com-resposta-gestao-de-custosLista de-exerc%a1cios-com-resposta-gestao-de-custos
Lista de-exerc%a1cios-com-resposta-gestao-de-custosfapealunospe
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasLeandro Trelesse Vieira
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosDiego Lopes
 
31 exercícios de matemática financeira
31 exercícios de matemática financeira31 exercícios de matemática financeira
31 exercícios de matemática financeiraarpetry
 
Organizacao do trabalho industrial u1
Organizacao do trabalho industrial u1Organizacao do trabalho industrial u1
Organizacao do trabalho industrial u1Pacheco Correa
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaWandick Rocha de Aquino
 

Destaque (19)

Gestão da Qualidade na Hotelaria
Gestão da Qualidade na HotelariaGestão da Qualidade na Hotelaria
Gestão da Qualidade na Hotelaria
 
Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeirasCcnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras
 
Esquema basico custos
Esquema basico custosEsquema basico custos
Esquema basico custos
 
Blogging, Travel, Making Money etc.
Blogging, Travel, Making Money etc.Blogging, Travel, Making Money etc.
Blogging, Travel, Making Money etc.
 
Contabilidade geral ii slides escrituracao
Contabilidade geral ii slides escrituracaoContabilidade geral ii slides escrituracao
Contabilidade geral ii slides escrituracao
 
Ponto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriaisPonto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriais
 
Administração finaceira e orçamentária estrutura de capital
Administração finaceira e orçamentária  estrutura de capitalAdministração finaceira e orçamentária  estrutura de capital
Administração finaceira e orçamentária estrutura de capital
 
Apresentação - Indicadores de Custos Industriais
Apresentação - Indicadores de Custos Industriais Apresentação - Indicadores de Custos Industriais
Apresentação - Indicadores de Custos Industriais
 
Indices
IndicesIndices
Indices
 
Aula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindicesAula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindices
 
Lista de-exerc%a1cios-com-resposta-gestao-de-custos
Lista de-exerc%a1cios-com-resposta-gestao-de-custosLista de-exerc%a1cios-com-resposta-gestao-de-custos
Lista de-exerc%a1cios-com-resposta-gestao-de-custos
 
Hotelaria E GestãO
Hotelaria E GestãOHotelaria E GestãO
Hotelaria E GestãO
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
31 exercícios de matemática financeira
31 exercícios de matemática financeira31 exercícios de matemática financeira
31 exercícios de matemática financeira
 
Organizacao do trabalho industrial u1
Organizacao do trabalho industrial u1Organizacao do trabalho industrial u1
Organizacao do trabalho industrial u1
 
Analise de custos
Analise de custosAnalise de custos
Analise de custos
 
Hotelaria plan e gestão cap 3
Hotelaria plan e gestão cap 3Hotelaria plan e gestão cap 3
Hotelaria plan e gestão cap 3
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
 

Semelhante a Custos industriais

Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILARoger Guimarães
 
REVISÃO DA ANALISE FINANCEIRA
REVISÃO DA ANALISE FINANCEIRAREVISÃO DA ANALISE FINANCEIRA
REVISÃO DA ANALISE FINANCEIRAFábio Pedro
 
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013Sustentare Escola de Negócios
 
Aula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.pptAula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.pptPedro Luis Moraes
 
Módulo 1 Contabilidade Gerencial
 Módulo 1   Contabilidade Gerencial Módulo 1   Contabilidade Gerencial
Módulo 1 Contabilidade GerencialPUC Minas
 
Aula 6. apuração e demonstração do resultado do exercício
Aula 6. apuração e demonstração do resultado do exercícioAula 6. apuração e demonstração do resultado do exercício
Aula 6. apuração e demonstração do resultado do exercíciorazonetecontabil
 
Operações financeiras, salários e encargos e depreciação
Operações financeiras, salários e encargos e depreciaçãoOperações financeiras, salários e encargos e depreciação
Operações financeiras, salários e encargos e depreciaçãoConcurseiro Antenado
 
2 Contabilidade Para Não Contadores
2   Contabilidade Para Não Contadores2   Contabilidade Para Não Contadores
2 Contabilidade Para Não ContadoresBolivar Motta
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeissimuladocontabil
 
Valoração de Tecnologias
Valoração de TecnologiasValoração de Tecnologias
Valoração de Tecnologiaspablovml
 
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxContabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxssuser129a121
 
Módulo 4 contabilidade gerencial
Módulo 4   contabilidade gerencialMódulo 4   contabilidade gerencial
Módulo 4 contabilidade gerencialPUC Minas
 
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdfade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdfRosanaValeria4
 

Semelhante a Custos industriais (20)

Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILA
 
REVISÃO DA ANALISE FINANCEIRA
REVISÃO DA ANALISE FINANCEIRAREVISÃO DA ANALISE FINANCEIRA
REVISÃO DA ANALISE FINANCEIRA
 
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
Tributos Renda Pessoa Jurídica - Prof. Régis Braga - Novembro e Dezembro 2013
 
Aula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.pptAula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.ppt
 
Módulo 1 Contabilidade Gerencial
 Módulo 1   Contabilidade Gerencial Módulo 1   Contabilidade Gerencial
Módulo 1 Contabilidade Gerencial
 
Aula 6. apuração e demonstração do resultado do exercício
Aula 6. apuração e demonstração do resultado do exercícioAula 6. apuração e demonstração do resultado do exercício
Aula 6. apuração e demonstração do resultado do exercício
 
Operações financeiras, salários e encargos e depreciação
Operações financeiras, salários e encargos e depreciaçãoOperações financeiras, salários e encargos e depreciação
Operações financeiras, salários e encargos e depreciação
 
Contabilidade e analise de custos
Contabilidade e analise de custosContabilidade e analise de custos
Contabilidade e analise de custos
 
Curso controlando as finanças
Curso controlando as finançasCurso controlando as finanças
Curso controlando as finanças
 
2 Contabilidade Para Não Contadores
2   Contabilidade Para Não Contadores2   Contabilidade Para Não Contadores
2 Contabilidade Para Não Contadores
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeis
 
Valoração de Tecnologias
Valoração de TecnologiasValoração de Tecnologias
Valoração de Tecnologias
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Contabilidade Basico.ppt
Contabilidade Basico.pptContabilidade Basico.ppt
Contabilidade Basico.ppt
 
Contabilidade Basico.ppt
Contabilidade Basico.pptContabilidade Basico.ppt
Contabilidade Basico.ppt
 
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxContabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
 
Módulo 4 contabilidade gerencial
Módulo 4   contabilidade gerencialMódulo 4   contabilidade gerencial
Módulo 4 contabilidade gerencial
 
Analise+das+demonstrações+financeiras
Analise+das+demonstrações+financeirasAnalise+das+demonstrações+financeiras
Analise+das+demonstrações+financeiras
 
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdfade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
 

Último

Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...DL assessoria 31
 
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...Prime Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdfATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdfliliandlm20
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...dl assessoria9
 
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...Prime Assessoria
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Prime Assessoria
 
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...AgnesVitoriano
 
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...dl assessoria 8
 
ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2023
ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2023ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2023
ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2023AcademiaDlassessoria
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...dl assessoria 8
 
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024AaAssessoriadll
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...DlAssessoriaacadmica2
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024DL assessoria 29
 
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MED
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MEDELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MED
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MEDJoefersonDelfino2
 
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...leonardodl361
 
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...Prime Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024AssessoriaDl1
 

Último (17)

Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
 
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdfATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
 
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
 
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
 
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
 
ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2023
ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2023ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2023
ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2023
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
 
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024
 
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MED
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MEDELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MED
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MED
 
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
 
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...
 
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 

Custos industriais

  • 3. Custos Industriais Contabilidade Geral Contabilidade de Custos A finalidade da Contabilidade é a de controlar o Patrimônio com o objetivo de fornecer informações sobre a sua composição e suas variações. A finalidade da Contabilidade de Custos está no auxílio ao controle e a ajuda na tomada de decisões.
  • 4. 4/125 - “É a ciência que estuda a formação e variação do Patrimônio”; - “É a ciência que estuda, registra e controla o Patrimônio das Entidades com fins lucrativos ou não”; - “Instrumento de informações para a tomada de decisões dentro e fora da empresa”. - Todas as movimentações possíveis de mensuração monetária são registradas pela contabilidade, que, em seguida, resume os dados registrados em forma de relatórios (contábeis). Definição de Contabilidade Financeira Uma empresa sem boa contabilidade é como um barco, em alto-mar, sem bússola.
  • 5. 5/125 - É o ramo da contabilidade que se destina a produzir informações para diversos níveis gerenciais de uma entidade, como auxílio às funções de determinação de desempenho, e de planejamento e controle das operações e de tomada de decisões, bem como tornar possível a alocação mais criteriosamente possível dos custos de produção aos produtos; -A contabilidade de custos coleta, classifica e registra os dados operacionais das diversas atividades da entidade, denominados de dados internos, bem como, algumas vezes, coleta e organiza dados externos. Uma empresa sem boa contabilidade é como um barco, em alto-mar, sem bússola. Definição de Contabilidade de Custos
  • 6. Contabilizados RelatóriosRelatóriosRelatórios Contábeis Dados Coletados Dados Coletados Dados Coletados Demonstrações Financeiras (Contábeis) (Obrigatórios pela legislação brasileira) Usuários Demonstrativos Financeiros
  • 7.  Balanço Patrimonial (BP)  Demonstração de Resultado do Exercício (DRE)  Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) Demonstrações de Fluxo de Caixa (DFC) Notas Explicativas Relatório da Administração Parecer dos Auditores Independentes Principais Demonstrativos Financeiros
  • 8. 8/125 Engenharia de Produção – Custos Industriais – Prof. Dr. Ualison Rébula de Oliveira NotasExplicativas
  • 9. Informações aos acionistas, desempenho, perspectivas relativas a estratégias de vendas, compras, produtos, expansão, efeitos conjunturais, legislação, política financeira, de recursos humanos, resultados alcançados, planos, previsões etc..Se relata livremente aquilo que julga importante. Relatórios da Administração
  • 10. 10/125 Engenharia de Produção – Custos Industriais – Prof. Dr. Ualison Rébula de Oliveira Relatório da Administração
  • 11. São dados e informações que ora complementam as demonstrações financeiras; taxas de juros, vencimentos e garantias de obrigações, critérios contábeis (avaliação de estoques, depreciações, provisões) Garantias prestadas a terceiros, espécies de ações do capital social, eventos relevante subsequentes à data do balanço. Auxiliam a fazer avaliação mais ampla da empresa. Notas explicativas
  • 12. 12/125 Engenharia de Produção – Custos Industriais – Prof. Dr. Ualison Rébula de Oliveira Notas Explicativas
  • 13. Parecer dos Auditores Independentes Obrigatório para as companhias abertas. Os auditores são contadores que, sem manter vínculo empregatício, são contratados para emitir opiniões sobre a correção e veracidade das demonstrações financeiras
  • 14. 14/125 Engenharia de Produção – Custos Industriais – Prof. Dr. Ualison Rébula de Oliveira Parecer dos Auditores Independentes
  • 15. Demonstrações Financeiras Padronizadas As demonstrações financeiras fornecem uma série de dados sobre a empresa, de acordo com regras contábeis. A análise destas demonstrações visa transformar esses dados em informações e será tanto mais eficiente quanto melhores informações produzir. Fatos ou eventos econômico- financeiros Demonstrações financeiras (dados) Informações financeiras para a tomada de decisões Processo contábil Técnicas de análise de demonstrativos
  • 16. 16/125 Engenharia de Produção – Custos Industriais – Prof. Dr. Ualison Rébula de Oliveira Balanço Patrimonial - Ativo
  • 17. 17/125 Engenharia de Produção – Custos Industriais – Prof. Dr. Ualison Rébula de Oliveira Balanço Patrimonial - Passivo
  • 18. 18/125 Engenharia de Produção – Custos Industriais – Prof. Dr. Ualison Rébula de Oliveira Demonstrativo de Resultado de Exercício
  • 19. 19/125 Engenharia de Produção – Custos Industriais – Prof. Dr. Ualison Rébula de Oliveira Demonstrativo das Origens e Aplicações de Recursos
  • 20. - O mais importante relatório contábil. - Identifica-se com ele, a saúde financeira e econômica (no fim do ano ou qualquer data prefixada) Balanço Patrimonial Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Balanço Patrimonial
  • 21. Lado Esquerdo Lado direito Ativo Passivo e PL Bens • Máquinas • Veículos • Estoque • Dinheiro Direitos • Títulos a receber • Depósitos em Bancos Obrigações • Fornecedores • Salários a Pagar • Empréstimos Bancários • Impostos a Pagar Patrimônio Líquido • Capital Social • Reservas de Lucros • Lucros Acumulados Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial
  • 22. • Conjunto de bens e direitos de propriedade da empresa. São itens positivos do patrimônio (Proporcionam ganho para a empresa):  Contas a Receber  Estoque de Produtos Acabados  Máquinas e Equipamentos  Prédios próprios • Como considerar outros ativos?  Prédios alugados  Arrendamento de veículos, equipamentos etc. Balanço Patrimonial - ATIVO Evidencia os bens e direitos da da empresa.
  • 23. • Conjunto de obrigações exigíveis da empresa.  PASSIVO EXIGÍVEL (CAPITAL DE TERCEIROS)  Recursos de Terceiros (dinheiro)  Capital de Terceiros  Fornecedores (de mercadorias)  Funcionários (salários)  Governo (impostos)  Bancos (empréstimos) etc.  PATRIMÔNIO LÍQUIDO Evidencia o Endividamento da empresa. Balanço Patrimonial - PASSIVO Evidencia o Direito dos Sócios. Patrimônio Líquido = Ativo (bens + direitos) – Passivo Exigível (obrigações exigíveis)
  • 24. Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - em movimento, sua conversão em dinheiro ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. Realizável a Longo Prazo Incluem-se nessa conta bens e direitos que se transformarão em dinheiro após o exercício seguinte. Permanente São bens e direitos que não se destinam a venda e têm vida útil longa, no caso de bens.  Investimento São as aplicações de caráter permanente que geram rendimentos não necessários à manutenção da atividade principal da empresa.  Imobilizado Abarca itens de natureza permanente que serão utilizados para a manutenção da atividade básica da empresa.  Diferido São aplicações que beneficiarão resultados de exercícios futuros. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas no próximo exercício social: nos próximos 365 dias após o levantamento do balanço. Exigível a Longo Prazo Relacionam-se nessa conta obrigações exigíveis que serão liquidadas com prazo superior a um ano - dívidas a longo prazo. Patrimônio Líquido São recursos dos proprietários aplicados na empresa. Os recursos significam o capital mais o seu rendimento - lucros e reservas. Se houver prejuízo, o total dos investimentos proprietários será reduzido. Balanço Patrimonial – Grupo de Contas
  • 25. Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais = Lucro Operacional (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda D.R.E. e suas Contas Demonstrativo de Resultado de Exercício – D.R.E.
  • 26. Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais = Lucro Operacional (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda Demonstrativo de Resultado de Exercício – D.R.E.
  • 27. Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais = Lucro Operacional (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda Impostos e Taxas s/ Vendas . IPI . ICMS . ISS . PIS . COFINS Devoluções (vendas canceladas) Abatimentos (descontos) O fato gerador é a Receita Demonstrativo de Resultado de Exercício – D.R.E.
  • 28. Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais = Lucro Operacional (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda Despesas Operacionais são os gastos incorridos para: vender, administrar e financiar as operações. Custos das Vendas representam os gastos de “produção” apropriados aos produtos ou serviços vendidos. Demonstrativo de Resultado de Exercício – D.R.E.
  • 29. Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais = Lucro Operacional (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda Despesas e Receitas não Operacionais são variações registradas na D.R.E., que não fazem parte do objeto Social da Empresa Demonstrativo de Resultado de Exercício – D.R.E.
  • 31. •Desenvolvido pelo Frei Luca Pacioli – Itália – Século XV • Para qualquer operação há sempre: • Um débito e Um crédito de igual valor ou • Um débito e Vários créditos de igual valor ou • Vários débitos e Um crédito de igual valor Não há débitos sem créditos correspondentes O Método das partidas dobradas
  • 32. FornecedoresEstoques 30.000 30.000 Débito 30.000 Crédito 30.000 Lançamentos duplos EXEMPLO: Compra de estoques a prazo no valor de R$ 30.000 O Método das partidas dobradas
  • 33. • Não haverá débito (s) sem crédito (s) correspondentes • Soma dos Débitos = soma dos Créditos EXEMPLO • Formação de capital aplicado no Caixa: $ 1.500.000 • Compra de estoque a vista: $ 500.000 • Compra de móveis e utensílios a vista: $ 300.000 O Método das partidas dobradas
  • 34. CONTAS Lanç de Débito Lanç de Crédito Caixa 700.000 - Capital - 1.500.000 Móveis e Utens. 300.000 - Estoques 500.000 - TOTAL 1.500.000 1.500.000 EXEMPLO – Continuação O Método das partidas dobradas
  • 35. Análises através de Índices Situação Financeira Estrutura Liquidez Prazos médios Situação Econômica Rentabilidade A avaliação da empresa através de índices exige obrigatoriamente a comparação com padrões e a fixação da importância relativa de cada índice. Índice é a relação entre contas ou grupos de contas das demonstrações financeiras, que visa evidenciar determinado aspecto da situação econômica ou financeira de uma empresa !!!
  • 36. Índices de Liquidez  Liquidez Geral Ativo Circulante + Realizável a longo prazo Passivo Circulante + Exigível a longo prazo  Liquidez Corrente . Ativo Circulante . Passivo Circulante  Liquidez Seca (Ativo Circulante – Estoques) Passivo Circulante
  • 37. Índices de Estrutura de Capital  Endividamento Geral (Passivo Total – Patrimônio Líquido) Passivo Total  Cobertura de Juros Lucro Operacional Juros  Índice de composição do endividamento . Passivo Circulante . Capitais de Terceiros
  • 38. Índices de Medidas de Giro  Giro de estoque CMV ÷ Estoque  Giro de contas a receber Vendas Líquidas ÷ Contas a receber  Giro de contas a pagar CMV ÷ Contas a pagar Giro do ativo total Vendas Líquidas ÷ Ativo Total
  • 39. Cálculo de Períodos • Período de Estoque = 365 dias ÷ Giro de Estoque • Período de Contas a Receber = 365 dias ÷ Giro de Contas a Receber • Período de Contas a Pagar = 365 dias ÷ Giro de Contas a Pagar • Esses períodos comporão o Ciclo Operacional da empresa e facultarão a provisão de Capital de Giro necessário (Tópico de grande relevância a ser visto em nossa disciplina em momento oportuno).
  • 40. Índices de Rentabilidade Margem de Lucro Lucro Líquido ÷ Vendas Líquidas Retorno do Ativo Lucro Líquido ÷ Ativo Total Retorno do Capital Próprio Lucro Líquido ÷ Patrimônio Líquido
  • 41. No próximo slide é fornecido as demonstrações financeiras BALANÇO PATRIMONIAL e DEMONSTRATIVO DE RESULTADO DE EXERCÍCIO, que deverão ser utilizadas de base para o cálculo dos seguintes índices: a) Ìndices de Liquidez (LG, LC, LS) b) Índices de Estrutura (EG, CJ, ICE) c) Índices de Rentabilidade (ML, RAT, RPL) d) Medidas de Giro (GE, GCR, GCP, GAT) Exercícios Sobre Índices
  • 42. DRE PORTO REAL ENGR. 2006 (valores x 1.000) Vendas 2.780 Custo da mercadoria vendida 1.112 Depreciação 500 Lucro antes de juros e imposto de renda 1.168 Juros pagos 168 Lucro tributável 1.000 Imposto de renda (30%) 300 Lucro líquido 700 Dividendos 210 Acréscimo a lucros retidos 490 ATIVO PORTO REAL ENGR. – 2006 (valores x 1.000) Ativo circulante Caixa 47 Contas a receber (clientes) 389 Estoques 503 Total 939 Ativo permanente Instalações e equipamentos (líquido) 2.061 Total do ativo 3.000 PASSIVO PORTO REAL ENGR. – 2006 ( x 1.000) Passivo circulante Contas a pagar (Fornecedores) 380 Títulos a pagar 105 Total 485 Passivo Exigível a Longo Prazo Dívidas a longo prazo 515 Patrimônio líquido Capital social e reservas 1.200 Lucros retidos de Exercícios Anteriores 310 Lucro do Exercício Atual 490 Total 2.000 Total do passivo 3.000 Exercícios Sobre Índices
  • 43. Como Avaliar os Índices • Avaliação intrínseca do índice: Importa em tirar conclusões a partir da intuição do analista, de sua experiência anterior, etc. Aconselha-se somente em situações em que não há índices-padrão para comparar; • Comparação dos índices no tempo: Mostra as tendências seguidas pela empresa no decorrer do tempo. É muito importante. • Comparação com padrões: Consiste em comparar um índice em relação a um universo de índices, e, a partir daí, tirar conclusões a partir de parâmetros bem definidos.
  • 44. Como Avaliar os Índices • O nível de segurança que se obtém de um parecer técnico sobre a situação econômica financeira de uma empresa está diretamente relacionado ao período escolhido para a avaliação. • Os índices servem como um termômetro da saúde financeira da empresa. Porém, para fornecer um parecer conclusivo é necessário analisar outros aspectos da estrutura financeira e econômica da empresa. • Os índices não devem ser considerados isoladamente, e sim num contexto mais amplo, onde cabe interpretar também outros indicadores e variáveis. • O analista deve sempre ponderar sobre o ramo de atividade e as peculiaridades do negócio da empresa, comparar os índices aos das empresas concorrentes.
  • 45. ANÁLISE FINANCEIRA M E LH O R Estrutura de Capital 2000 2001 2002 Composição do Endividamento 49% 44% 60% < Cobertura de Juros 482% 345% 210% > Endividamento Geral 68% 59% 87% < Liquidez Liquidez Geral 0,97 0,98 1,01 > Liquidez Corrente 1,39 1,59 1,12 > Liquidez Seca 0,95 1,15 0,88 > Rentabilidade Giro do Ativo 61% 72% 120% > Margem Líquida 1,3% 1,2% 2,8% > Rentabilidade do Ativo 0,8% 0,9% 3,4% > M E LH O R Como Avaliar os Índices
  • 46. Terminologia Contábil • Gasto • Investimentos • Perdas • Desperdícios • Despesas • Custos
  • 47. Classificação Geral de Custos • Custo Direto • Custo Indireto • Custos Fixos • Custos Variáveis • Custo Semi-Fixo • Custo Semi-Variável • Custos Relevantes • Custos Não-Relevantes • Custo de Oportunidade Apropriação de custos indiretos
  • 48. /125 Exemplo de Apropriação de Custos Indiretos Um navio cargueiro faz o transporte de duas mercadorias distintas: TRATORES DE 40 TONELADAS e PARAFUSOS DE 40 GRAMAS, ambos com quantidade de 1000 unidades cada um. O respectivo cargueiro cobrou R$ 2.000.000,00 de frete pelo transporte e devemos atribuir esse frete aos tratores e aos parafusos. Como devemos atribuir esses custos?
  • 49. Direcionadores de Custos • Poderíamos ratear o frete pelo número de unidades: R$ 2.000.000,00 ÷ 2.000 unidades = R$ 1.000,00 por unidade. • Poderíamos ratear o frete pelo peso: Cada trator tem 40 toneladas e cada parafuso tem 40 gramas. O peso total da encomenda é de 40.000.040 kg e ao efetuarmos todos os cálculos, atribuiríamos R$ 1999,99 de custo de frete para cada trator e R$ 0,01 de custo de frete para cada parafuso. • Poderíamos ratear pelo volume • Poderíamos ratear por outros direcionares de custos
  • 50. Exercícios sobre Terminologia Contábil e Nomenclatura de Custos 1.Coloque nos parênteses D (para despesas) e C (para custos) ao lado de cada conta abaixo relacionada com uma empresa do setor siderúrgico. ( ) Salário do Eletricista de Manutenção ( ) Depreciação do automóvel utilizado pelo diretor da empresa ( ) Encargos financeiros sobre o desconto de títulos ( ) Consumo de aço numa industria metalúrgica ( ) Energia Elétrica (consumida por uma máquina utilizada para corte de aço) ( ) Energia Elétrica ( consumida por um letreiro da sede administrativa da empresa) ( ) Gastos com propaganda e publicidade ( ) Material de escritório consumido pela equipe de vendas ( ) Seguro da fábrica
  • 51. Exercícios sobre Terminologia Contábil e Nomenclatura de Custos 2. A Papai Noel Entretenimento (PNE) administra uma grande loja em Penedo. A loja tem uma seção de vídeo e uma outra de música (cd's e fitas). A PNE relata os custos e despesas da seção de vídeo separadamente da seção musical. Classifique cada um dos seguintes itens em: Direto (D) ou Indireto (I) com relação à seção de vídeo Item de Custo D ou I Pagamento anual ao distribuidor de vídeos Custos com eletricidade da loja PNE (conta única para toda loja) Custos dos vídeos comprados para revenda Assinatura da Revista Veja para os usuários da loja Aluguel do software utilizado para o orçamento financeiro da loja Custo da pipoca oferecida gratuitamente aos clientes da PNE Seguro contra incêndio para a loja Custos com frete na compra de vídeos
  • 52. Exercícios sobre Terminologia Contábil e Nomenclatura de Custos 3. Em relação a uma fábrica, classifique os custos abaixo em fixos (F) ou variáveis (V): ( ) Mão de obra do Operário de produção ( ) Mão de obra do Supervisor de Manutenção ( ) Matéria Prima ( ) Aluguel do Galpão ( ) Energia Elétrica (consumida por uma máquina utilizada para corte de aço) ( ) Energia Elétrica ( consumida por um letreiro da fábrica ) ( ) Seguro do equipamento ( ) Seguro da fábrica ( ) Energia elétrica de iluminação do galpão
  • 53. Sistemas de Alocação de Custos Indiretos Lembra-se do problema dos TRATORES e PARAFUSOS? Pois bem, atualmente existem três sistemas para custeio dos custos indiretos, ou seja, para a alocação desse tipo de custo aos produtos são conhecidas três formas de rateio. Para compreensão desses três sistemas, utilizaremos o exemplo, sugerido por MARTINS (2007), que consiste em uma empresa de confecções produtora de três tipos de produtos: camisetas, vestidos e calças. A seguir, encontram-se as informações acerca desses itens:
  • 54. Sistemas de Alocação de Custos Indiretos Produto Volume de Produção Mensal Camisetas 18.000 u Vestidos 4.200 u Calças 13.000 u Produto Preço de Venda Unitário Camiseta $10,00 Vestido $22,00 Calça $16,00
  • 55. Sistemas de Alocação de Custos Indiretos Tempo Despendido na Produção Corte e Costura Acabamento Unitário Total Unitário Total Camisetas 0,30 h 5.400 h 0,15 h 2.700 h Vestidos 0,70 h 2.940 h 0,60 h 2.520 h Calças 0,80 h 10.400 h 0,30 h 3.900 h Total 18.740 h 9.120 h
  • 56. Sistemas de Alocação de Custos Indiretos Custos Diretos por Unidade Camisetas Vestidos Calças Tecido $3,00 $4,00 $3,00 Aviamentos $0,25 $0,75 $0,50 Mão-de-obra Direta $0,50 $1,00 $0,75 Total $3,75 $5,75 $4,25
  • 57. Custos Indiretos Aluguel $24.000 Energia Elétrica $42.000 Salários Pessoal da Supervisão $25.000 Mão-de-obra Indireta $35.000 Depreciação $32.000 Material de Consumo $12.000 Seguros _$20.000 Total $190.000 Sistemas de Alocação de Custos Indiretos
  • 58. Rateio SEM Departamentalização Custo de Mão-de-obra Direta (Base do Rateio) Unitário Total Camisetas $0,50 $9.000 Vestidos $1,00 $4.200 Calças $0,75 $9.750 Total $22.950
  • 59. Rateio SEM Departamentalização Taxa de Aplicação dos CIF Custos Indiretos $190.000 M. O. D. Totais _____$22.950 Taxa Aplicação CIF $8,2789 / mod
  • 60. Rateio SEM Departamentalização Aplicação dos CIF Unitário Total Camisetas $4,14 $74.510 Vestidos $8,28 $34,771 Calças $6,21 $80.719 Total 190.000
  • 61. Rateio SEM Departamentalização Camisetas Vestidos Calças Custos Diretos $3,75 $5,75 $4,25 Custos Indiretos $4,14 $8,28 $6,21 Custo Total $7,89 $14,03 $10,46 Preço da Venda $10,00 $22,00 $16,00 Lucro Bruto Unitário $2,11 $7,97 $5,54 Margem % 21,1% 36,2% 34,6% Ordem de Lucratividade 3º 1º 2º
  • 62. Rateio COM Departamentalização No item anterior, custeamos os produtos utilizando o Método de Custeio por Absorção, porém sem a utilização da Departamentalização, baseando-nos somente no custo da mão- de-obra direta para efeito de rateio. Agora, iremos custear aqueles mesmos produtos utilizando a Departamentalização.
  • 63. Rateio COM Departamentalização • 1° passo: Separação entre Custos e Despesas. • 2° passo: Apropriação dos Custos Diretos diretamente aos produtos. • 3º passo: Apropriação dos Custos Indiretos aos Departamentos. • 4º passo: Rateio dos Custos Indiretos aos diversos Departamentos quer de produção, quer de Serviços (Nesse momento segmenta-se os departamentos em produtivos e de apoio) • 5º passo: Escolha de seqüência de rateio dos Custos acumulados nos Departamentos de Serviços e sua distribuição aos demais Departamentos. • 6º passo: Atribuição dos Custos Indiretos que agora só estão nos Departamentos de Produção aos produtos segundo critérios fixados.
  • 64. 1° e 2º passos do Rateio COM Departamentalização Custos Indiretos Aluguel $24.000 Energia Elétrica $42.000 Salários Pessoal da Supervisão $25.000 Mão-de-obra Indireta $35.000 Depreciação $32.000 Material de Consumo $12.000 Seguros _$20.000 Total $190.000 Custos Diretos por Unidade Camisetas Vestidos Calças Tecido $3,00 $4,00 $3,00 Aviamentos $0,25 $0,75 $0,50 Mão-de-obra Direta $0,50 $1,00 $0,75 Total $3,75 $5,75 $4,25 ATENÇÃO: Esses dois primeiros passos são comuns a todos os Sistemas de Rateio de Custos Indiretos. Volte aos slides das páginas anteriores e faça essa constatação! Produto Volume de Produção Mensal Camisetas 18.000 u Vestidos 4.200 u Calças 13.000 u Produto Preço de Venda Unitário Camiseta $10,00 Vestido $22,00 Calça $16,00
  • 65. 3° e 4º passos do Rateio COM Departamentalização DEPARTAMENTOS DE APOIO DEPARTAMENTOS DE PRODUÇÃO TOTAIS Tipo de Custo Indireto Compras Almoxarifado Administração Produção Corte e Costura Acabamento Aluguel $4.200 $4.600 $4.200 $6.000 $5.000 $24.000 Energia Elétrica $6.500 $5.500 $5.000 $14.000 $11.000 $42.000 Salários Pés. Supervisão $3.900 $3.350 $5.250 $7.000 $5.500 $25.000 Mão-de-obra Indireta $5.000 $3.400 $6.700 $12.000 $7.900 $35.000 Depreciação $4.000 $4.500 $4.900 $9.500 $9.100 $32.000 Material de Consumo $2.000 $1.000 $1.800 $4.200 $3.000 $12.000 Seguros _$2.400 _$6.000 _$2.000 _$4.900 _$4.700 _$20.000 Total $28.000 $28.350 $29.850 $57.600 $46.200 $190.000
  • 66. 5° e 6º passos do Rateio COM Departamentalização Os custos do departamento de COMPRAS foram rateados em função do número de pedidos de compra de cada departamento (produtivos e de apoio), conforme segue: Os custos do departamento ALMOXARIFADO foram rateados em função do número de itens movimentados de cada departamento (produtivos e de apoio, com exceção dos departamentos que já estão zerados), conforme segue: Os custos do departamento ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO foram rateados em função do número de horas máquina de cada departamento (somente produtivos, uma vez que todos de apoio já estão zerados), conforme segue: Almoxarifado: 60 pedidos Compras: Não recebe rateio, pois já está zerado Compras: Não recebe rateio, pois já está zerado Administração da Produção: 50 pedidos Administração da Produção: 8.000 itens Almoxarifado Não recebe rateio, pois já está zerado Corte e Costura: 95 pedidos Corte e Costura: 11.950 itens Corte e Costura: 239 horas e 30 minutos Critérios de rateio dos custos dos departamentos de apoio aos departamentos produtivos Acabamento: 75 pedidos Acabamento: 14.400 itens Acabamento: 189 horas ATENÇÃO: O departamento que está sofrendo rateio não envia custos para si mesmo
  • 67. 5° e 6º passos do Rateio COM Departamentalização APOIO De Produção Totais Compras Almoxarifado Administração. Produção Corte e Costura Acabamento Aluguel $4.200 $4.600 $4.200 $6.000 $5.000 $24.000 Energia Elétrica $6.500 $5.500 $5.000 $14.000 $11.000 $42.000 Salários Pés. Supervisão $3.900 $3.350 $5.250 $7.000 $5.500 $25.000 Mão-de-obra Indireta $5.000 $3.400 $6.700 $12.000 $7.900 $35.000 Depreciação $4.000 $4.500 $4.900 $9.500 $9.100 $32.000 Material de Consumo $2.000 $1.000 $1.800 $4.200 $3.000 $12.000 Seguros _$2.400 _$6.000 _$2.000 _$4.900 _$4.700 _$20.000 Subtotal 1 $28.000 $28.350 $29.850 $57.600 $46.200 $190.000 Rateio Compras _($28.000) _$6.000 _$5.000 _$9.500 _$7.500 _0 Subtotal 2 0 $34.350 $34.850 $67.100 $53.700 $190.000 Rateio Almoxarifado 0 _($34.350) _$8.000 _$11.950 $14.400 0 Subtotal 3 0 0 $42.850 $79.050 $68.100 $190.000 Rateio Adm Produção 0 0 ($42.850) _$23.950 _$18.900 0 Total Deptos. Prod. 0 0 0 $103.000 $87.000 $190.000 N° de Horas Produtivas 18.740 h 9.120 h Custo por Hora 5,4963 / h 9,5395 / h
  • 68. Rateio COM Departamentalização Com o custo por hora de cada departamento de produção, podemos apurar o CIF a ser aplicado em cada unidade de produto com base nas informações de tempo de produção do Quadro 11, conforme segue: Corte e Costura Acabamento Total Camisetas 1,65 1,43 3,08 Vestidos 3,85 5,72 9,57 Calças 4,40 2,86 7,26
  • 69. Rateio COM Departamentalização Corte e Costura Acabamento Total Camisetas 1,65 1,43 3,08 Vestidos 3,85 5,72 9,57 Calças 4,40 2,86 7,26
  • 70. Sistema de Custeio Baseado em Atividades
  • 71. Sistema de Custeio Baseado em Atividades Custos Indiretos Aluguel $24.000 Energia Elétrica $42.000 Salários Pessoal da Supervisão $25.000 Mão-de-obra Indireta $35.000 Depreciação $32.000 Material de Consumo $12.000 Seguros _$20.000 Total $190.000 Para exemplificarmos o Sistema de Custeio Baseado em Atividades, daremos seqüência ao exercício da fábrica de vestuário (MARTINS, 2007), que produz camisetas, calças e vestidos e possui R$ 190.000,00 de custos indiretos, conforme “recorda” a tabela abaixo:
  • 72. Sistema de Custeio Baseado em Atividades Departamentos Atividades Compras Comprar Matérias Desenvolver Fornecedores Almoxarifado Receber Materiais Movimentar Materiais Administração da Produção Programar Produção Controlar Produção Corte e Costura Cortar Costurar Acabamento Acabar Despachar Produtos
  • 73. Sistema de Custeio Baseado em Atividades Departamentos Atividades Custos Comprar Material 16.000 Desenvolver Fornecedores 12.000Compras Total 28.000 Receber Materiais 12.350 Movimentar Materiais 16.000Almoxarifado Total 28.350 Programar Produção 16.000 Controlar Produção 13.850Administração da Produção Total 29.850 Cortar 29.000 Costurar 28.600Corte e Costura Total 57.600 Acabar 14.000 Despachar Produtos 32.200Acabamento Total 46.200
  • 74. Sistema de Custeio Baseado em Atividades Departamento Atividades Direcionadores Comprar Materiais Nº de PedidoCompras Desenvolver Fornecedores Nº de Fornecedores Receber Materiais Nº de RecebimentosAlmoxarifado Movimentar Materiais Nº de Requisições Programar Produção Nº de ProdutosAdministração da Produção Controlar Produção Nº de lotes Cortar Tempo de CorteCorte e Costura Costurar Tempo de Costura Acabar Tempo de AcabamentoAcabamento Despachar Tempo de despacho
  • 75. Sistema de Custeio Baseado em Atividades Camisetas Vestidos Calças Total Nº de pedidos compra 150 400 200 750 N° de fornecedores 2 6 3 11 N° de recebimentos 150 400 200 750 N° de requisições 400 1.500 800 2.700 N° de produtos 1 1 1 3 N° de lotes 10 40 20 70 Horas utilizadas p/ cortar 2.160 h 882 h 2.600 h 5.642 h Horas utilizadas p/ costurar 3.240 h 2.058 h 7.800 h 13.098 h Horas utilizadas p/ acabar 2.700 2.520 3.900 9.120 Apontamento de tempo 25 h 50 h 25 h 100 h
  • 76. Sistema de Custeio Baseado em Atividades Camisetas Vestidos Calças Comprar Materiais $0,1778 $2,0317 $0,3282 Desenvolver Fornecedores $0,1212 $1,5584 $0,2517 Receber Materiais $0,1372 $1,5683 $0,2533 Movimentar Materiais $0,1317 $2,1164 $0,3647 Programar Produção $0,2963 $1,2698 $0,4103 Controlar Produção $0,1099 $1,8844 $0,3044 Cortar $0,6168 $1,0794 $1,0280 Costurar $0,3930 $1,0699 $1,3101 Acabar $0,2303 $0,9211 $0,4605 Despachar Produtos $0,4472 $3,8333 $0,6192 Total $2,6614 $17,3328 $5,3305
  • 77. Sistema de Custeio Baseado em Atividades Camisetas Vestidos Calças Custos Diretos $3,75 $5,75 $4,25 Custos Indiretos $2,66 $17,33 $5,33 Custo Total $6,41 $23,08 $9,58 Preço da Venda $10,00 $22,00 $16,00 Lucro Bruto Unitário $3,59 ($1,08) $6,42 Margem % 35,9 - 4,9% 40,1% Ordem de Lucratividade 2° 3º 1°
  • 78. Sistema de Custeio Baseado em Atividades Margem Bruta dos Produtos -10% 0% 10% 20% 30% 40% 50% CAMISETA VESTIDO CALÇA Sem Departamentalização Com Departamentalização Departamentalização com ABC
  • 79. A Relação Custo x Volume x Lucro CVL em Forma Gráfica 0 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 4000 4500 5000 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Quantidade ReceitaxCustos Receita C.Variável C.Fixo C.Total • Ponto de equilíbrio; • Área de Lucro e de Prejuízo; • Margem de Segurança;
  • 80. A Relação Custo x Volume x Lucro Exemplo de uma fábrica de Alto-falantes com os seguintes dados: Preço de Venda (PV) = R$ 250,00 Custo Variável (CV) = R$ 150,00 Custo Fixo (CF) = R$ 1.000,00
  • 81. A Relação Custo x Volume x Lucro Ponto de Equilíbrio para Dois Produtos Diferentes Produto 1 Produto 2 TotalMIX DE VENDAS R$ % R$ % R$ % Vendas 80.000 100% 20.000 100% 100.000 100% Custos Variáveis 60.000 75% 10.000 50% 70.000 70% Margem de Contribuição 20.000 25% 10.000 50% 30.000 30% Custos Fixos 27.000 Lucro Líquido 3.000 Ponto de Equilíbrio = Custos Fixos Margem de Contribuição Total Ponto de Equilíbrio = 27.000 ÷ 30% = R$ 90.000
  • 82. 1 – A Cia Secreta S/A fabrica e vende secretárias eletrônicas. Sua D.R.E. (base p/ as questões abaixo) é a seguinte: Ocorrências Total Por unidade Percentagem das vendas Vendas (20.000 unidades) R$ 1.200.000,00 R$ 60,00 100% Menos Despesas e Custos Variáveis R$ 900.000,00 R$ 45,00 ? É igual a Margem de Contribuição R$ 300.000,00 R$ 15,00 ? Menos Custos e Despesas Fixas R$ 240.000,00 - É igual a Lucro Líquido R$ 60.000,00 - A administração está impaciente para melhorar o desempenho dos lucros da Cia Secreta e solicitou algumas informações para você, Diretor Financeiro da Cia Secreta, algumas informações, a saber: a) Calcule os percentuais de Margem de Contribuição e Custos/Despesas Variáveis. b) Determine o ponto de equilíbrio contábil, em unidades e em valor de vendas. c) Admitindo-se que a empresa fez um investimento de R$ 500.000,00 ( para a construção da fábrica, para a compra de equipamentos, etc), calcule o ponto de equilíbrio econômico, levando em consideração que o mercado financeiro está remunerando em 15% ao ano. d) Baseado na questão C responda: O negócio é viável ou não ? e) Admitindo-se que os R$ 500.000,00 investidos na Cia Secreta é todo referente a equipamentos e que esses equipamentos depreciam-se em 20 anos, calcule o ponto de equilíbrio financeiro. f) Supondo aumento de vendas de R$ 400.000,00 no próximo ano e que o comportamento do custo permaneça o mesmo, em quanto aumentará o lucro líquido em valores? g) Retornando aos dados originais e supondo que, no próximo ano a companhia deseja um lucro líquido mínimo de R$ 90.000,00, quantas unidades terão que ser vendidas para atingir essa meta? Exercícios Sobre Custo x Volume x Lucro
  • 83. Exercícios Sobre Custo x Volume x Lucro 2. Você foi contratado como consultor de negócios por um grupo de investidores estrangeiros interessados em adquirir um hotel de luxo já em funcionamento no litoral do nordeste brasileiro. Sua missão inicial é indicar três alternativas de hotéis que estejam a venda e apurar suas estruturas de custos e despesas MENSAIS, além do valor da média das diárias cobradas pelos quartos. Após um mês de exaustivas pesquisas no litoral do nordeste, com todas as despesas pagas pelo cliente, houve uma reunião em Natal com os investidores. Nessa reunião, você apresentou os seguintes quadros comparativos: Obs.: considerar que um mês possui 30 dias. HOTEL REDE MAR HOTEL SOSSEGO HOTEL COME DORME Valor líquido e médio das diárias 350,00 440,00 500,00 Quantidade de quartos para aluguel 120 140 90 Custos e despesas variáveis, para cada diária 120,00 250,00 180,00 Total dos custos e despesas fixas, por mês 506.000,00 380.000,00 896.000,00 Durante a reunião, os investidores perguntaram a você:  Qual é o ponto de equilíbrio em número de quartos/dia de cada hotel?  Qual hotel que, nas circunstancias atuais, nunca atingirá seu ponto de equilíbrio? Porque? Justifique sua resposta.
  • 84. Limitações na Capacidade Produtiva  Conceito  Importância e Aplicação  Exemplo: Uma montadora de veículos que possui somente 800 maçanetas em estoque e produz veículos de 2 e 4 portas, tendo uma encomenda de 200 veículos de cada tipo para o próximo período. Modelo do Veículo Preço de Venda Custo Variável Margem de Contribuição 04 Portas R$ 82.000 R$ 42.000 R$ 40.000 02 Portas R$ 69.000 R$ 39.000 R$ 30.000
  • 85. Exercícios sobre Limitações na Capacidade Produtiva 1. Uma empresa produz três produtos, que tem os seguintes dados levantados pelo setor de custos: DADOS UNITÁRIOS Produto Preço de venda Mão de obra direta Matéria prima Custo total X R$ 1.200,00 R$ 600,00 R$ 150,00 R$ 750,00 Y R$ 1.500,00 R$ 745,00 R$ 300,00 R$ 1.045,00 Z R$ 1.050,00 R$ 450,00 R$ 150,00 R$ 600,00 Os três produtos utilizam o mesmo componente A em sua fabricação, que no momento está em falta, restando apenas 647 unidades em estoque. O produto X utiliza 10 unidades do componente A, o produto Y utiliza 09 unidades do componente A e o produto Z utiliza 11 unidades do componente A. A empresa possui custos fixos mensais de R$ 15.000,00 e gasta para vender seus produtos 10% a título de comissão sobre seu preço de venda. Cada produto tem uma demanda média mensal de 30 unidades, ou seja, são vendidos todos os meses, até o presente momento, 30 unidades de cada produto.  Partindo do pressuposto de que não haverá condição de repor o estoque do componente A dentro do próximo mês, decida quais produtos, e em que quantidade, deverão ser fabricados objetivando a maximização do lucro do mês. Calcule também qual será esse lucro.  Supondo que a empresa consiga regularizar seu estoque de componentes A para 5.000 unidades e que o mercado esteja demandando consumir 40 produtos a mais para o próximo mês (independente de qual seja o produto), ou seja, 130 produtos no total, calcule a quantidade que deverá ser produzida de cada produto de modo a maximizar o lucro. Obs.: os 90 produtos já demandados pelo mercado deverão continuar, sendo que os 40 produtos demandados a mais, serão escolhidos por você para maximizar o lucro.
  • 86. Estácio. Há 45 anos nossa vida é transformar a sua. Obrigado.