SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Poliomielite
Fernando S. V. Martins & Terezinha Marta P.P. Castiñeiras
A poliomielite é uma doença causada por um enterovírus, denominado poliovírus
(sorotipos 1, 2 e 3). É mais comum em crianças ("paralisia infantil"), mas também
ocorre em adultos. A transmissão do poliovírus "selvagem" pode se dar de pessoa a
pessoa através de contato fecal-oral, o que é crítico em situações onde as condições
sanitárias e de higiene são inadequadas. Crianças de baixa idade, ainda sem hábitos de
higiene desenvolvidos, estão particularmente sob risco. O poliovírus também pode ser
disseminado por contaminação fecal de água e alimentos.
Transmissão
O modo de aquisição do poliovírus é oral, através de transmissão fecal-oral ou,
raramente, oral-oral. A multiplicação inicial do poliovírus ocorre nos locais por onde
penetra no organismo (garganta e intestinos). Em seguida dissemina-se pela corrente
sangüínea e, então, infecta o sistema nervoso, onde a sua multiplicação pode ocasionar a
destruição de células (neurônios motores), o que resulta em paralisia flácida.
Uma pessoa que se infecta com o poliovírus pode ou não desenvolver a doença. Quando
apresenta a doença, pode desenvolver paralisia flácida (permanente ou transitória),
meningite ou, eventualmente, evoluir para o óbito. Desenvolvendo ou não sintomas o
indivíduo infectado elimina o poliovírus nas fezes, o qual pode ser transmitido para
outras pessoas por via oral. A transmissão do poliovírus ocorre mais freqüentemente a
partir do indivíduo assintomático. A eliminação é mais intensa 7 a 10 dias antes do
início das manifestações iniciais, mas o poliovírus pode continuar a ser eliminado
durante 3 a 6 semanas. A poliomielite não tem tratamento específico.
Riscos
A poliomielite ainda é considerada endêmica pela Organização Mundial da Saúde na
Nigéria, Índia, Afeganistão e Paquistão. Existem perspectivas de erradicação, mas
elevado número de pessoas que deslocam de e para áreas endêmicas fazem com que o
risco de reintrodução da poliomielite seja preocupante e, enquanto existirem áreas
endêmicas no mundo, permanente. Não sem razão, entre 2003 e 2005, a doença foi
reintroduzida , através de casos importados, em 25 países de onde fora anteriorment
eliminada.
No Continente Americano, o último caso de poliomielite paralítica causado pelo
poliovírus selvagem ocorreu no Perú em agosto de 1991. Em 1994 a eliminação da
poliomielite no Continente Americano, o primeiro a obtê-la, foi atestada por uma
Comissão Internacional. No Brasil, o último caso de poliomielite com o vírus selvagem
ocorreu em 1989, e o país recebeu o Certificado de Eliminação da Poliomielite em 12
de dezembro de 1994. No entanto, o risco de reintrodução do poliovírus selvagem em
países de onde a doença já foi eliminada, torna mandatória a vigilância continuada dos
casos de paralisia flácida e a manutenção dos programas de imunização para a
poliomielite. A vacina contra a poliomielite faz parte do Calendário Básico de
Vacinação, e é aplicada aos 2, 4, 6 e 15 meses de idade. Além disto, é realizada
anualmente uma Campanha Nacional de Imunização, na qual são vacinadas crianças
com idade de até cinco anos.
Manifestações
Uma pessoa que se infecta com o poliovírus pode ou não desenvolver a doença e mais
95% das infecções são assintomáticas. O período entre a infecção com o poliovírus e o
início dos sintomas (incubação) varia de 3 a 35 dias. Quando ocorrem, as manifestações
são semelhantes às de outras doenças, como infecções respiratórias (febre e dor de
garganta, "gripe") ou gastrintestinais (náuseas, vômitos, dor abdominal, constipação -
"prisão de ventre" - ou, raramente, diarréia). Na maioria das vezes as manifestações
desaparecem em uma semana e não ocorre comprometimento do sistema nervoso
central.
Em algumas pessoas, após as manifestações iniciais, pode surgir um quadro de
meningite asseptica, geralmente, com recuperação completa em até dez dias sem que
ocorra paralisia. Contudo, em uma em para cada 200 pessoas infectadas pode haver o
desenvolvimento de poliomielite paralítica. A paralisia flácida geralmente começa
entre 1 e 10 dias depois das manifestações iniciais e progride por 2 a 3 dias. A
poliomielite não tem tratamento específico. Muitas pessoas que desenvolvem
poliomielite paralítica se recuperam total ou parcialmente, mas 2 a 5% das crianças e 15
a 30% dos adultos podem evoluir para o óbito.
Medidas de proteção individual
A poliomielite pode ser evitada através de vacinação e medidas de prevenção contra
doenças transmitidas por contaminação fecal de água e alimentos. Existem dois tipos de
vacinas, a Sabin (oral, com vírus atenuado) e a Salk (injetável, com vírus inativado). A
vacina oral contra a poliomielite não deve ser utilizada em pessoas com
imunodeficiência (inclusive portadores de HIV) e nem em contactantes destes
indivíduos, situações nas quais deve ser utilizada a vacina produzida com vírus
inativado (injetável). Os indivíduos com imunodeficência, além do risco maior de
poliomielite vacinal, podem eliminar o vírus pelas fezes por períodos prolongados
(meses, anos), o que facilita a ocorrência de mutação ("reversão") e constitui um risco
para pessoas não vacinadas. O Cives recomenda às pessoas com viagem programada
para áreas de risco para poliomielite, que:
 Atualizem seus esquemas vacinais contra poliomielite, independentemente da
idade (criança ou adulto).
 Adotem medidas de prevenção contra as doenças transmitidas por contaminação
fecal de água e alimentos (poliomielite, cólera, febre tifóide, hepatite A, hepatite
E).
 Atualizem a vacina contra febre amarela (validade de 10 anos) e outras doenças
imunopreveníveis (como sarampo).
 Utilizem medidas de proteção individual contra a malária (paludismo), doença
endêmica no Continente Africano e Subcontinente Indiano, contra a qual não
existem vacinas disponíveis.
 Em países que estiveram ou ainda estão em guerra, não andem por áreas
desabitadas ou evitadas pela população local, pelo risco acidentes com minas
terrestres explosivas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poliomelite
PoliomelitePoliomelite
Poliomelitekilidin
 
Dengue acs no controle.
Dengue acs no controle.Dengue acs no controle.
Dengue acs no controle.adrianomedico
 
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasGripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasPadua Carobrez
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãofergwen
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaRúben Freitas
 
0010 doenças protozoarios
0010   doenças protozoarios0010   doenças protozoarios
0010 doenças protozoariosJonatas Barros
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisMarina
 
Cartilha dengue agente comunitário de saúde
Cartilha dengue   agente comunitário de saúdeCartilha dengue   agente comunitário de saúde
Cartilha dengue agente comunitário de saúdeMinistério da Saúde
 
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"Bárbara Bezerra
 
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2helonasc
 
Projeto AIDS - João Victor
Projeto AIDS - João VictorProjeto AIDS - João Victor
Projeto AIDS - João Victorwodlock
 
Aids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresAids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresSimone
 
Sífilis congênita, a criança exposta ao hiv e hepatites virais
Sífilis congênita, a criança exposta ao hiv e hepatites viraisSífilis congênita, a criança exposta ao hiv e hepatites virais
Sífilis congênita, a criança exposta ao hiv e hepatites viraisProfessor Robson
 

Mais procurados (19)

Poliomelite
PoliomelitePoliomelite
Poliomelite
 
Dengue acs no controle.
Dengue acs no controle.Dengue acs no controle.
Dengue acs no controle.
 
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasGripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
 
0010 doenças protozoarios
0010   doenças protozoarios0010   doenças protozoarios
0010 doenças protozoarios
 
Aids e vida.
Aids e vida.Aids e vida.
Aids e vida.
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Aula ds ts
Aula ds tsAula ds ts
Aula ds ts
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Cartilha dengue agente comunitário de saúde
Cartilha dengue   agente comunitário de saúdeCartilha dengue   agente comunitário de saúde
Cartilha dengue agente comunitário de saúde
 
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
 
sida
sidasida
sida
 
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
 
DST
DSTDST
DST
 
Eduarda
EduardaEduarda
Eduarda
 
Projeto AIDS - João Victor
Projeto AIDS - João VictorProjeto AIDS - João Victor
Projeto AIDS - João Victor
 
Aids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresAids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone Tavares
 
Sífilis congênita, a criança exposta ao hiv e hepatites virais
Sífilis congênita, a criança exposta ao hiv e hepatites viraisSífilis congênita, a criança exposta ao hiv e hepatites virais
Sífilis congênita, a criança exposta ao hiv e hepatites virais
 

Destaque (8)

Paralisia infantil
Paralisia infantilParalisia infantil
Paralisia infantil
 
A poliomielite
A poliomieliteA poliomielite
A poliomielite
 
A poliomielite
A poliomieliteA poliomielite
A poliomielite
 
Vacina vip
Vacina vipVacina vip
Vacina vip
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP) A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
 
II.1 Vírus
II.1 VírusII.1 Vírus
II.1 Vírus
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
 

Semelhante a 004 poliomielite

Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susprofalicebolelli
 
Apresentação.grupo01.pdf
Apresentação.grupo01.pdfApresentação.grupo01.pdf
Apresentação.grupo01.pdfCarolina68640
 
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptxOBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptxMarcosErnestoCome
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaSamuel Coelho
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteYlla Cohim
 
Rotavrusepoliomielite 140720234859-phpapp02
Rotavrusepoliomielite 140720234859-phpapp02Rotavrusepoliomielite 140720234859-phpapp02
Rotavrusepoliomielite 140720234859-phpapp02MatheusMaciel53
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteYlla Cohim
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneJoanaPaiva16
 
apresentao1vipevop2-140904003037-phpapp01.pdf
apresentao1vipevop2-140904003037-phpapp01.pdfapresentao1vipevop2-140904003037-phpapp01.pdf
apresentao1vipevop2-140904003037-phpapp01.pdfAntonioBrunoRufinode
 
O que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viralO que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viralantonio ferreira
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descriçãoEliene Meira
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfHilderlanArajo
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdfANA FONSECA
 

Semelhante a 004 poliomielite (20)

POLIOMIELITE.pdf
POLIOMIELITE.pdfPOLIOMIELITE.pdf
POLIOMIELITE.pdf
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
 
Apresentação.grupo01.pdf
Apresentação.grupo01.pdfApresentação.grupo01.pdf
Apresentação.grupo01.pdf
 
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptxOBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
 
PAV-Actualizado.pptx
PAV-Actualizado.pptxPAV-Actualizado.pptx
PAV-Actualizado.pptx
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminada
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 
Rotavrusepoliomielite 140720234859-phpapp02
Rotavrusepoliomielite 140720234859-phpapp02Rotavrusepoliomielite 140720234859-phpapp02
Rotavrusepoliomielite 140720234859-phpapp02
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 
Herpes
HerpesHerpes
Herpes
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
apresentao1vipevop2-140904003037-phpapp01.pdf
apresentao1vipevop2-140904003037-phpapp01.pdfapresentao1vipevop2-140904003037-phpapp01.pdf
apresentao1vipevop2-140904003037-phpapp01.pdf
 
O que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viralO que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viral
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
Dssms Gripe SuíNa
Dssms   Gripe SuíNaDssms   Gripe SuíNa
Dssms Gripe SuíNa
 

Mais de Jonatas Barros

Mais de Jonatas Barros (7)

006 hepatite e
006   hepatite e006   hepatite e
006 hepatite e
 
009 os protozoários
009   os protozoários009   os protozoários
009 os protozoários
 
008 helmintos
008   helmintos008   helmintos
008 helmintos
 
007 febre tifóide
007   febre tifóide007   febre tifóide
007 febre tifóide
 
005 hepatite a
005   hepatite a005   hepatite a
005 hepatite a
 
003 cólera
003   cólera003   cólera
003 cólera
 
002 leptospirose
002   leptospirose002   leptospirose
002 leptospirose
 

Último

CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 

Último (20)

CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 

004 poliomielite

  • 1. Poliomielite Fernando S. V. Martins & Terezinha Marta P.P. Castiñeiras A poliomielite é uma doença causada por um enterovírus, denominado poliovírus (sorotipos 1, 2 e 3). É mais comum em crianças ("paralisia infantil"), mas também ocorre em adultos. A transmissão do poliovírus "selvagem" pode se dar de pessoa a pessoa através de contato fecal-oral, o que é crítico em situações onde as condições sanitárias e de higiene são inadequadas. Crianças de baixa idade, ainda sem hábitos de higiene desenvolvidos, estão particularmente sob risco. O poliovírus também pode ser disseminado por contaminação fecal de água e alimentos. Transmissão O modo de aquisição do poliovírus é oral, através de transmissão fecal-oral ou, raramente, oral-oral. A multiplicação inicial do poliovírus ocorre nos locais por onde penetra no organismo (garganta e intestinos). Em seguida dissemina-se pela corrente sangüínea e, então, infecta o sistema nervoso, onde a sua multiplicação pode ocasionar a destruição de células (neurônios motores), o que resulta em paralisia flácida. Uma pessoa que se infecta com o poliovírus pode ou não desenvolver a doença. Quando apresenta a doença, pode desenvolver paralisia flácida (permanente ou transitória), meningite ou, eventualmente, evoluir para o óbito. Desenvolvendo ou não sintomas o indivíduo infectado elimina o poliovírus nas fezes, o qual pode ser transmitido para outras pessoas por via oral. A transmissão do poliovírus ocorre mais freqüentemente a partir do indivíduo assintomático. A eliminação é mais intensa 7 a 10 dias antes do início das manifestações iniciais, mas o poliovírus pode continuar a ser eliminado durante 3 a 6 semanas. A poliomielite não tem tratamento específico. Riscos A poliomielite ainda é considerada endêmica pela Organização Mundial da Saúde na Nigéria, Índia, Afeganistão e Paquistão. Existem perspectivas de erradicação, mas elevado número de pessoas que deslocam de e para áreas endêmicas fazem com que o risco de reintrodução da poliomielite seja preocupante e, enquanto existirem áreas endêmicas no mundo, permanente. Não sem razão, entre 2003 e 2005, a doença foi reintroduzida , através de casos importados, em 25 países de onde fora anteriorment eliminada. No Continente Americano, o último caso de poliomielite paralítica causado pelo poliovírus selvagem ocorreu no Perú em agosto de 1991. Em 1994 a eliminação da poliomielite no Continente Americano, o primeiro a obtê-la, foi atestada por uma Comissão Internacional. No Brasil, o último caso de poliomielite com o vírus selvagem ocorreu em 1989, e o país recebeu o Certificado de Eliminação da Poliomielite em 12 de dezembro de 1994. No entanto, o risco de reintrodução do poliovírus selvagem em países de onde a doença já foi eliminada, torna mandatória a vigilância continuada dos casos de paralisia flácida e a manutenção dos programas de imunização para a poliomielite. A vacina contra a poliomielite faz parte do Calendário Básico de
  • 2. Vacinação, e é aplicada aos 2, 4, 6 e 15 meses de idade. Além disto, é realizada anualmente uma Campanha Nacional de Imunização, na qual são vacinadas crianças com idade de até cinco anos. Manifestações Uma pessoa que se infecta com o poliovírus pode ou não desenvolver a doença e mais 95% das infecções são assintomáticas. O período entre a infecção com o poliovírus e o início dos sintomas (incubação) varia de 3 a 35 dias. Quando ocorrem, as manifestações são semelhantes às de outras doenças, como infecções respiratórias (febre e dor de garganta, "gripe") ou gastrintestinais (náuseas, vômitos, dor abdominal, constipação - "prisão de ventre" - ou, raramente, diarréia). Na maioria das vezes as manifestações desaparecem em uma semana e não ocorre comprometimento do sistema nervoso central. Em algumas pessoas, após as manifestações iniciais, pode surgir um quadro de meningite asseptica, geralmente, com recuperação completa em até dez dias sem que ocorra paralisia. Contudo, em uma em para cada 200 pessoas infectadas pode haver o desenvolvimento de poliomielite paralítica. A paralisia flácida geralmente começa entre 1 e 10 dias depois das manifestações iniciais e progride por 2 a 3 dias. A poliomielite não tem tratamento específico. Muitas pessoas que desenvolvem poliomielite paralítica se recuperam total ou parcialmente, mas 2 a 5% das crianças e 15 a 30% dos adultos podem evoluir para o óbito. Medidas de proteção individual A poliomielite pode ser evitada através de vacinação e medidas de prevenção contra doenças transmitidas por contaminação fecal de água e alimentos. Existem dois tipos de vacinas, a Sabin (oral, com vírus atenuado) e a Salk (injetável, com vírus inativado). A vacina oral contra a poliomielite não deve ser utilizada em pessoas com imunodeficiência (inclusive portadores de HIV) e nem em contactantes destes indivíduos, situações nas quais deve ser utilizada a vacina produzida com vírus inativado (injetável). Os indivíduos com imunodeficência, além do risco maior de poliomielite vacinal, podem eliminar o vírus pelas fezes por períodos prolongados (meses, anos), o que facilita a ocorrência de mutação ("reversão") e constitui um risco para pessoas não vacinadas. O Cives recomenda às pessoas com viagem programada para áreas de risco para poliomielite, que:  Atualizem seus esquemas vacinais contra poliomielite, independentemente da idade (criança ou adulto).  Adotem medidas de prevenção contra as doenças transmitidas por contaminação fecal de água e alimentos (poliomielite, cólera, febre tifóide, hepatite A, hepatite E).  Atualizem a vacina contra febre amarela (validade de 10 anos) e outras doenças imunopreveníveis (como sarampo).  Utilizem medidas de proteção individual contra a malária (paludismo), doença endêmica no Continente Africano e Subcontinente Indiano, contra a qual não existem vacinas disponíveis.
  • 3.  Em países que estiveram ou ainda estão em guerra, não andem por áreas desabitadas ou evitadas pela população local, pelo risco acidentes com minas terrestres explosivas.