O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Aula "Dinâmica da Propaganda: elementos e ética"

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 67 Anúncio

Aula "Dinâmica da Propaganda: elementos e ética"

Objetivos da Aula: Conhecer os elementos envolvidos no processo da Propaganda; Entender como funciona a Publicidade e Propaganda nos setores econômicos; Reconhecer os principais aspectos éticos da Propaganda, bem como as entidades da área.

Objetivos da Aula: Conhecer os elementos envolvidos no processo da Propaganda; Entender como funciona a Publicidade e Propaganda nos setores econômicos; Reconhecer os principais aspectos éticos da Propaganda, bem como as entidades da área.

Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Aula "Dinâmica da Propaganda: elementos e ética" (20)

Anúncio

Mais de Jonas Gomes Jr (11)

Mais recentes (20)

Anúncio

Aula "Dinâmica da Propaganda: elementos e ética"

  1. 1. “Dinâmica da Propaganda: elementos e ética” Prof. Jonas Gomes Jr / www.jonasjr.com > FPP- UNIDADE 1- Aula 02
  2. 2. > Objetivos • Conhecer os elementos envolvidos no processo da Propaganda; • Entender como funciona a Publicidade e Propaganda nos setores econômicos; • Reconhecer os principais aspectos éticos da Propaganda, bem como as entidades da área. Prof. Jonas Gomes Jr / www.jonasjr.com
  3. 3. > Roteiro INTRODUÇÃO 1. Elementos do Processo 2. A Propagada em cada setor 3. Ética da Propaganda e entidades CONSIDERAÇÕES Prof. Jonas Gomes Jr / www.jonasjr.com
  4. 4. INTRODUÇÃO • A propaganda não pode ser pensada nem estudada como um fenômeno isolado. Ela faz parte do panorama geral do Marketing e está em constante envolvimento com outras áreas. • O Marketing é algo que vem antes do produto, compreende o produto e vai além dele. Conceitualmente, o Marketing é mais amplo, como vimos na aula U1A1. • Nesse sentido, o Marketing pode ser considerado como o “Grande Jogo” e a Propaganda uma das principais peças.
  5. 5. INTRODUÇÃO • A propaganda é a utilização planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante. • Quais são os elementos envolvidos no processo da Publicidade/ Propaganda? Como cada setor econômico utiliza a propaganda? Qual o papel do CENP e CONAR? Nesta aula, tentaremos responder a esses questionamentos e detalhar vários aspectos importantes. • Buscaremos evidenciar os principais elementos, dinâmica de funcionamento e elementos éticos. Você terá uma visão mais clara sobre esses itens. Vamos lá!?
  6. 6. Quais são as “peças do tabuleiro” da Propaganda? 1. Elementos do Processo > FPP- UNIDADE 1- Aula 02
  7. 7. 1. Elementos do processo • Nessa parte da aula, a nossa intenção é explicar um pouco sobre as “peças do tabuleiro” da Propaganda; • Vamos apresentar, de modo geral, essas peças de forma breve, pois alguns pontos serão aprofundados em outras unidades da FPP.
  8. 8. 1. Elementos do processo • Anunciante • Agência • Produtores/ Fornecedores • Veículos • Consumidor
  9. 9. 1. Elementos do processo • É a empresa, pessoa ou instituição que faz o uso da Propaganda para resolver algum problema de comunicação e, com isso, atender a uma finalidade específica e definida (geralmente a venda de produtos e serviços); • O anunciante é o início do processo de Propaganda e o principal responsável por sua realização. • O termo “cliente” é mais utilizado para definir empresas, instituições públicas/ privadas que fazem uso da Propaganda com alguma constância e com um objetivo definido. • Anunciante (cliente)
  10. 10. • A Propaganda é feita pelo anunciante (responsável pela sua geração). Ele tem algo a comunicar e alguma intenção de influenciar o consumidor, que é o final do processo; • Em alguns casos mais simples, o anunciante pode fazer ou até um free-lancer. Por exemplo, uma divulgação digital simples. O anunciante pode escrever o texto (conteúdo), preparar o layout e divulgar. • O anunciante recorre a Propaganda quando deseja algo mais específico, bem elaborado e/ou complexo. • Um lançamento de um novo modelo de carro, por exemplo. O anunciante terá de fazer uso de diferentes tipos de mensagens, cada qual com uma finalidade específica, e de vários veículos de comunicação, para que seu objetivo principal seja atingido. 1. Elementos do processo
  11. 11. 1. Elementos do processo • De forma geral, os anunciantes podem ser divididos em termos de tamanho (pequeno médio e grande), estrutura (simples e sofisticada) e tipo grau de eficácia no uso da Propaganda. • A principal tarefa do anunciante não é a de fazer propaganda, mas sim gerir sua propaganda usando os recursos externos disponíveis. Uma das principais preocupações dos anunciantes é de mensurar a taxa de retorno dos investimentos de suas aplicações em propaganda (ROI). Anunciante (cliente)
  12. 12. Anúncio feito pela Agência Artecetera para o Dia do Anunciante para a Organização Arnon de Mello. Curiosidade: você sabia que dia 29 de setembro é o dia Do Anunciante?
  13. 13. 1. Elementos do processo • Agência é a empresa especializada na técnica da Propaganda, reunindo, para isso, tecnologia específica e profissionais de diversas especializações, que se estruturam em departamentos com funções específicas • De modo geral, a Agência assessora o anunciante em todas as suas necessidades de Propaganda e executa as tarefas necessárias a sua realização, coordenando o trabalho de fornecedores/produtoras e intermediando o relacionamento cliente- veículo. Agência de Publicidade* * Na Unidade 2, os departamentos de uma Agência de Publicidade [clássica] serão estudados.
  14. 14. 1. Elementos do processo • Os fornecedores e produtoras são pessoas e empresas especializadas na produção das peças (comerciais, anúncios, outdoors, cartazes, etc.) de Propaganda, trabalho que realizam diretamente para os anunciantes ou sob a coordenação das agências. Existe um vasto elenco de organizações e pessoas que são acionados para realizar tarefas e emprestar seu talento e conhecimento a produção de anúncios, campanhas e ações. Produtoras/Fornecedores
  15. 15. 1. Elementos do processo • As produtoras e os fornecedores especializados em propaganda são empresas (e até mesmo pessoas físicas) que dão forma final as mensagens publicitárias criadas pela agência ou prestam algum tipo de trabalho especializado em qualquer um dos momentos do processo publicitário. • De acordo com Sampaio (2013,p.67), “as produtoras e fornecedores tem seu espaço garantido na atividade publicitária em razão do alto nível de especialização necessária a realização física de muitas formas de comunicação empregadas pela propaganda”. Produtoras/Fornecedores
  16. 16. 1. Elementos do processo • Abaixo citamos alguns tipos produtoras/fornecedores: • Produtoras audiovisuais: som, filmagens, gravações, trilhas cantadas, jingles, spots, desenhos animados, filmes de computação gráfica. • Produtoras de comerciais: filmes e vídeos publicitários que reúnem uma equipe de profissionais e alguma estrutura para produzirem efetivamente as peças para cinema, televisão e internet criadas pelas agências. • Fornecedores das produtoras de filmes: Empresas locadoras de equipamentos para as produtoras (música, efeitos sonoros, animação e letreiros, os agentes de modelos e atores) • Estúdios e ilustradores: Profissionais que realizam serviços especializados de fotografia e ilustrações. • Fornecedores gráficos: Existem fornecedores de gráficos dos mais variados tipos e tamanhos. Desde pequenas oficinas até grandes complexos industriais. • Institutos de pesquisa: são empresas que realizam planejamento e execução de pesquisas, geralmente: pesquisa de mercado, de comunicação e/ou de mídia. Produtoras/Fornecedores
  17. 17. 1. Elementos do processo • Entre o anunciante e o consumidor existem os veículos de comunicação. Cabe ao veículo a divulgação da Propaganda, levando as mensagens do anunciante até os consumidores. São muitos os tipos de veículos existentes, cada qual com sua característica e função específica. Veículos Principais veículos: jornal, rádio, televisão, revista, o cinema, midia outdoor/indoor, internet, mídias sociais e digitais.
  18. 18. 1. Elementos do processo • Veículo é o canal por onde a Propaganda flui em direção ao consumidor. São inúmeros os veículos possíveis, desde o canal cartaz de porta de loja até o mais abrangente de todos. • Para efeito da disciplina, consideramos especificamente como veículo a empresa independente do anunciante que se organizou com o objetivo principal de disseminar comunicação: o jornal, o rádio, a revista, televisão, internet, mídias sociais e outros semelhantes (SAMPAIO, 2013). Veículos
  19. 19. 1. Elementos do processo • Do ponto de vista publicitário, não existem veículos mais importantes do que outros. Como todo e qualquer veículo pode ser útil para se atingir determinado fim a tarefa de seleção da melhor alternativa é uma das atividades centrais da propaganda. Veículos • Por isso, é fundamental não apenas o conhecimento das técnicas de mídia, mas também dos próprios meios (veículos), além do emprego do bom senso, discernimento e de uma atitude aberta durante o processo de avaliação análise e definição da melhor alternativa.
  20. 20. 1. Elementos do processo • Dependendo do objetivo do anunciante, um veículo pode ser suficiente para atingir o público-alvo ou, então, um conjunto de dois ou três, ou ainda um grande número deles tanto de veículos de um mesmo meio como diferente meios (cross-media). • Escolher o melhor veículo ou conjunto deles é tarefa que pode ser extremamente complexa, dependendo do Objetivo publicitário, da quantidade e especificidade do público-alvo dos recursos disponíveis e das características de cada veículo.Falaremos mais sobre isso na Unidade 2 da FPP. Veículos
  21. 21. 1. Elementos do processo • O consumidor é objetivo final da Propaganda. • De modo geral, o Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. • O consumidor pode ser, portanto, pessoa, grupo, empresa ou instituição aos quais as mensagens são dirigidas e dos quais se espera uma reação favorável ao anunciante. Consumidor
  22. 22. 1. Como é feita a Propaganda? Segundo o autor, este mecanismo “pode ser menos ou mais evidente, menos ou mais complexo, dependendo das dimensões da ação da propaganda que se está desenvolvendo e do nível de sofisticação dos envolvidos (anunciante, agência, fornecedor/produtora, veículo, consumidor).” (SAMPAIO, 2013, p. 18). O publicitário Rafael Sampaio, no livro Propaganda de A a Z, explica o mecanismo de geração e realização da propaganda por meio de um esquema lógico, dividido em uma série de etapas.
  23. 23. 1. Como é feita a Propaganda? 1. Definição dos objetivos da Propaganda 2. Pesquisa formal ou informal 3. Planejamento 4. Criação e Mídia 5. Produção, Compra de Mídia 6. Veiculação 7. Aferição 8. Correções Para conhecer em detalhes cada etapa leia o texto “Etapas do processo de realização da Propaganda (Disponível na Sala Virtual) A seguir relacionamos as etapas do processo de realização da Propaganda:
  24. 24. Como cada setor utiliza a Propaganda? 2. A Propaganda em cada setor da economia > FPP- UNIDADE 1- Aula 02
  25. 25. 2. A Propaganda em diferentes setores • Cada tipo de anunciante utiliza a Propaganda para alcançar seus objetivos estratégicos. Dependendo do setor da economia, a forma de uso pode variar bastante. • De acordo com Sampaio (2013, p.107), o “uso específico da Propaganda depende do setor da economia que a está utilizando, da empresa ou instituição assim como do modo de organização e administração desta, do momento e que se está levando a efeito o esforço publicitário e dos objetivos que devem ser atingidos”.
  26. 26. 2. A Propaganda em diferentes setores a) Bens de Consumo b) Bens industriais/ B2B c) Serviços d) Bens culturais e de informação e) Varejo f) Governo e Serviços Público g) Outros... A Propaganda pode ser utilizada de diversas formas de acordo com os propósitos das empresas/ organizações que dela fazem uso. Vamos conhecer alguns setores:
  27. 27. a) Bens de Consumo • Existem os bens de consumo duráveis (carro, geladeira, fogão, máquina de lavar, celular e outros), os bens de consumo semi-duráveis (vestuário e o calçado, por exemplo) os bens não- duráveis (consumo imediato, um chocolate, por exemplo).
  28. 28. a) Bens de Consumo • A Propaganda geralmente destinada ao consumidor final, com o objetivo de difundir marcas, motivar seu consumo e manter imagem adequada entre os consumidores. • Esse setor da economia que faz maior e melhor uso da Propaganda em termos de quantidade como de qualidade e constância para grande parte dos produtos desse gênero, a Propaganda representa a principal força de comunicação e de venda. • No caso, a Propaganda pode ser utilizada para garantir a pronta aceitação de novos produtos, manter e aumentar a venda de produtos já conhecidos; criar novos mercados e estabilizar os existentes.
  29. 29. b) Bens industriais e B2B • No caso de bens industriais ou B2B (business-to- business) são bens consumidos por empresas e instituições. Ex: matérias-primas, equipamentos, ferramentas, sistemas e outros... •
  30. 30. b) Bens industriais e B2B • B2B é uma abreviação da expressão em inglês business- to-business, que em tradução livre significa algo como “de empresa para empresa”. São duas empresas que fazem negócios como cliente e fornecedor. Tal negócio pode ser produto ou serviço. Por exemplo: • um fabricante de pneus pode vender para as montadoras; • atacadista vende para lojistas do varejo; • um escritório de contabilidade pode vender os seus serviços para empresas que queiram que suas finanças sejam administradas por fora.
  31. 31. b) Bens industriais e B2B • A Propaganda no setor de bens industriais tem uma grande importância, contribuindo significativamente, e às vezes fundamentalmente para incremento de vendas dos seus produtos. • Nesse setor, a Propaganda tem uma função mais informativa, disposição e comparação de características, de divulgação de preços e condições de venda. ela também é importante para criação e manutenção de imagem adequada de empresas e produtos.
  32. 32. c) Serviços • A atuação mais comum da Propaganda desse setor é como formadora de imagem, informadora de características e divulgadora de vantagens, preços e condições. • Bancos e produtos financeiros em geral, usam a Propaganda sobretudo como formadora de imagem e informadora de características. • Empresas de transporte e turismo a utilizam especialmente para despertar desejos e motivar ações imediatas fazendo até ofertas de preço. • Serviços facilitadores da vida das pessoas ( aluguel de carros, cartão de crédito e outros) geralmente empregam a Propaganda para expor seus benefícios e motivar seu uso.
  33. 33. d) Bens culturais e de informação • Redes de televisão, emissoras de rádio, jornais revistas, livros de espetáculos diversos, cinema e muitos outros produtos/serviços culturais e de entretenimento lazer e informação fazem uso constante da Propaganda. • Os veículos de informação representam expressiva parcela da economia dos países. A concorrência nesse setor é enorme e a propaganda representa uma das principais ferramentas de conquista e de manutenção dos com Consumidores.
  34. 34. e) Varejo • Varejo é a venda de produtos ou a comercialização de serviços em pequenas quantidades,a venda direta ao comprador final, consumidor do produto ou serviço, sem intermediários. • A Propaganda é vital para gerar negócios através da oferta de bens para consumo imediato pela população. Vender é a palavra- chave em varejo.
  35. 35. e) Varejo • A Propaganda cumpre extraordinariamente bem essa tarefa através da oferta de condições e preços, informação de vantagens e disponibilidade, motivação de consumo e coisas semelhantes. • O varejo utiliza a Propaganda de modo constante, tanto a dirigida as grandes massas de consumidores como a que se destina a parcela bastante reduzida específica da população. Varejo pode utilizar a propaganda, por exemplo, para manter ou aumentar a frequência de visitas à loja; aproveitar as ocorrências sazonais; ativar a rotação de estoques • A Propaganda de varejo é feita cooperativamente com a indústria, ocorrendo a divisão dos custos e em oferta das marcas da empresa Industrial que se estabelece parceria com a loja.
  36. 36. f) Governo e Serviços Públicos • O governo tem a obrigação de manter a população e seus vários segmentos corretamente informados sobre como ele está administrando os recursos públicos. • Por isso, são feitas campanhas publicitárias educativas, de motivação cívica, de informação sobre legislação e modo de vida, e consumo de bens e serviços públicos, de conclamação a participação ou com finalidades semelhantes são constantemente realizadas pelos governos • O setor governamental investe soma significativas e esforços publicitários
  37. 37. g) Outros A Propaganda com frequência representa uma eficaz ferramenta de geração e expansão de negócios, quando utilizada com base em bom senso e persistência. Por isso, também é utilizada por: • Pequenas empresas e comércios; • Indústrias de pequeno porte; • Associações diversas*; • Cooperativas de produtores; * Muitas das vezes as associações de forma isoladas não possuem verbas suficientes para fazer o uso de campanhas publicitárias. Sendo assim, muitas se unem para usarem por meio da propaganda seus objetivos em comum para conseguirem divulgar seus serviços.
  38. 38. • As principais partes envolvidas no processo da Propaganda são: Anunciante, Agência, Produtores/ Fornecedores, Veículos e Consumidor. • A Propaganda pode ser utilizada por diferentes tipos de anunciantes, em especial: Bens de Consumo, Bens industriais/ B2B, Serviços, Bens culturais e de informação, Varejo, Governo e Serviços Público. • Em linhas gerais, a Propaganda é feita da seguinte forma: Definição dos objetivos da Propaganda, Pesquisa formal ou informal, Planejamento, Criação/Mídia, Produção, Compra de Mídia, Veiculação, Aferição e Correções. Resumindo
  39. 39. Conheça as entidades CONAR e CENP 3. Ética e entidades da Propaganda > FPP- UNIDADE 1- Aula 02
  40. 40. 3. Ética e entidades da Propaganda • Nessa última parte da aula, vamos conhecer alguns aspectos sobre a ética publicitária, destacando o CONAR e o CENP. • No mundo de publicidade a ética é uma peça fundamental, visto que todos os anúncios e campanhas publicitárias precisam respeitar as leis, os direitos civis e a sociedade. • A ética é extremamente necessária, pois, como vimos nesta aula, existem diversas “peças no tabuleiro” e as relações entre elas precisam ser harmônicas e transparentes.
  41. 41. 3. Sobre o CENP • O que é CENP? O CENP, ou Conselho Executivo das Normas-Padrão, é uma entidade privada criada, em 1998, por agências de publicidade, veículos de comunicação e anunciantes, com o objetivo de regular as práticas comerciais desse segmento de mercado. • No desempenho de suas atividades, o CENP acompanha e incentiva a qualificação técnica das agências de publicidade e, principalmente, trabalha para impedir a concorrência predatória entre agências de publicidade.
  42. 42. • O CENP baseia-se nas Normas-Padrão da Atividade Publicitária, documento orientador de melhores práticas, atuando de forma permanente em quatro importantes áreas: 1. Certifica a qualidade técnica da Agência de Publicidade, assegurando que ela tenha estrutura física e de pessoal compatível com o mercado no qual atua, inclusive quanto ao uso competente de pesquisas de mídia. 2. Mantém depósito, para comprovação pública, das listas de preços dos Veículos de Comunicação, instrumento inibidor de práticas desleais na oferta de preços pelos serviços de veiculação da publicidade. 3. Credencia os serviços de informações de mídia oferecidos pelas empresas especializadas e credencia, também, institutos/empresas para atuarem na verificação de circulação dos Veículos de Comunicação impressos. 4. Atua como fórum permanente de discussão técnico-comercial da área publicitária. Não é ente público, mas tem as Normas e a Certificação reconhecidas pela legislação federal como instrumento para entes públicos que utilizam a publicidade para o exercício da comunicação. 3. Sobre o CENP
  43. 43. 3. Sobre o CENP • “A definição do CENP que eu, pessoalmente, mais gosto é de que ele é o fórum para discussões técnicas e ético-comerciais da atividade publicitária, de fomento do mercado publicitário, em proveito de anunciantes, agências e veículos” Caio Barsotti, Presidente do Cenp
  44. 44. 3. Sobre o CENP Os principais pilares do CENP são: • a) os veículos de comunicação devem praticar uma tabela única de preços, independente do anunciante; • b) o CENP concederá um certificado para as agências de publicidade que atenderem a determinados requisitos técnicos; • c) os veículos de comunicação concederão um desconto de 20% para peças publicitárias encaminhadas por meio de agências de publicidade certificadas pelo CENP, sendo esse desconto a remuneração da agência por seu trabalho para o anunciante, ficando vedada a concessão de descontos para agências não certificadas.
  45. 45. 3. Campanha do CENP O CENP certifica agências que atendem determinados padrões de qualidade. Por isso, lançou a campanha “Agência de Publicidade: não é tudo igual”. A intenção, de acordo com a direção do CENP, é que todos anunciantes conheçam e façam uso do ambiente da autorregulação por meio da atribuição de valor às agências que possuem a certificação.
  46. 46. Conheça o site institucional do CENP acessando www.cenp.com.br 3. Sobre o CENP
  47. 47. 3. Sobre o CONAR Campanha do Conar, lançada em 2009, fazia alusão a brinquedos infantis
  48. 48. 3. Sobre o CONAR Na Sala Virtual você encontra o Link para assistir o Vídeo Institucional do CONAR.
  49. 49. 3. O que é o CONAR? • O Conar fiscaliza a ética da propaganda comercial veiculada no Brasil. Ele segue as disposições do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária e tem como principal objetivo evitar a veiculação de anúncios e campanhas de conteúdo enganoso, ofensivo, abusivo ou que desrespeitam, entre outros, a leal concorrência entre anunciantes. • A entidade não tem "poder de polícia", não multa, não pode mandar devolver dinheiro ao consumidor ou mandar trocar mercadorias. O foco é a ética na publicidade e, neste campo, ela pode evitar excessos e corrigir desvios e deficiências constatadas nos anúncios.
  50. 50. 3. Ética e o CONAR Segundo o Conar, os preceitos básicos que definem a ética publicitária são: • todo anúncio deve ser honesto e verdadeiro e respeitar as leis do país; • deve ser preparado com o devido senso de responsabilidade social, evitando acentuar diferenciações sociais; • deve ter presente a responsabilidade da cadeia de produção junto ao consumidor; • deve respeitar o princípio da leal concorrência, e • deve respeitar a atividade publicitária e não desmerecer a confiança do público nos serviços que a publicidade presta.
  51. 51. 3. O que é o CONAR? • O CONAR é a instituição que fiscaliza a ética da propaganda comercial veiculada no Brasil, norteando-se pelas disposições contidas no Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária. • O CONAR é uma organização não governamental? Sim, o CONAR é uma ONG, fundada e mantida pela propaganda brasileira, ou seja, pelas agências de publicidade, por empresas anunciantes e veículos de comunicação.
  52. 52. 3. O que é o Código de Autorregulamentação publicitária? • É o documento que, através de 50 artigos e 21 Anexos, disciplina as normas éticas a serem obedecidas pelos Anunciantes e Agências de Publicidade na elaboração de seus anúncios. • Esse texto foi aprovado pela comunidade publicitária no III Congresso Brasileiro de Propaganda, realizado em São Paulo no ano de 1978, e é o que orienta toda a ação do CONAR.
  53. 53. 3. Como funciona o CONAR? • 1 - O anúncio foi veiculado. Se alguém (consumidor, concorrente, autoridade pública) sentir-se prejudicado ou ofendido por essa publicidade, poderá apresentar queixa ao CONAR. Falhas poderão também ser detectadas pelo serviço de monitoria do CONAR. Essas hipóteses darão início a um processo que determinará o exame do anúncio pelo Conselho de Ética, composto por representantes das agências de publicidade, dos anunciantes, dos veículos e dos consumidores. O resultado final, a recomendação do Conselho, poderá determinar a alteração do anúncio ou impedir que ele venha a ser veiculado novamente. A decisão poderá, ainda, propor a Advertência do Anunciante e ou sua Agência e, excepcionalmente, a Divulgação Pública da reprovação do CONAR. Se resultar que o anúncio não fere qualquer dispositivo do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária, a denúncia será arquivada. • 2 - O processo. Quando o anúncio for denunciado pelo CONAR, o anunciante e a agência terão prazo formal para defenderem-se ou oferecerem esclarecimentos. Essa defesa será anexada ao processo e um membro do Conselho de Ética, designado como relator, estudará o caso e emitirá sua opinião. Em sessão de julgamento da respectiva Câmara, o assunto será debatido e levado a votos. Dessa decisão, sempre cabe recurso. • 3 - As decisões do CONAR são rigorosamente respeitadas pelos veículos de comunicação, que não voltarão a veicular o anúncio reprovado.
  54. 54. 3. Exemplo de Caso julgado
  55. 55. 3. Exemplo de Caso julgado* * Caso queria acessar outras decisões do CONAR basta clicar em Decisões/Casos para ver o resumo das decisões de casos julgados pelo CONAR.
  56. 56. 3. Sobre o CONAR Conheça o site institucional do CONAR acessando www.conar.org.br
  57. 57. 3. Sobre o CONAR • O CONAR atende a denúncias de consumidores, autoridades, dos seus associados ou ainda formuladas pela própria diretoria. • Feita a denúncia, o Conselho de Ética do CONAR - o órgão soberano na fiscalização, julgamento e deliberação no que se relaciona à obediência e cumprimento do disposto no Código -se reúne e a julga através dos órgãos reguladores internos, garantindo amplo direito de defesa ao acusado. • Se a denúncia tiver procedência, o CONAR recomenda aos veículos de comunicação a suspensão da exibição da peça ou sugere correções à Propaganda. Pode ainda advertir Anunciante e Agência.
  58. 58. 3. Como fazer uma denúncia ao Conar? • Como reclamar de uma propaganda? Para fazer uma reclamação, qualquer pessoa pode entrar no site do Conselho e clicar no link "Faça sua reclamação sobre propaganda". Na página, basta inserir o "Produto/Serviço Anunciado", o "Veículo de Comunicação" onde viu a propaganda e o "Motivo da Queixa". O consumidor também poderá inserir até 4 arquivos que mostrem a propaganda. • Para fazer uma reclamação, é necessário o fornecimento de dados pessoais. Essas informações, porém, não são anexadas ao processo e são mantidas, sob sigilo, apenas nos registros da entidade. Dessa maneira, anunciantes e agências que são alvos da denúncia não recebem informações sobre nome, contatos e informações pessoas de quem registrou a reclamação.
  59. 59. 3. CONAR e a Propaganda para Influenciadores Digitais • O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) lançou recentemente um guia específico para publicidade realizada por "influenciadores digitais". • O guia é um 'manual de boas práticas', uma vez que o Conselho não pode impedir que uma ação publicitária seja veiculada - ele existe para "evitar excessos e corrigir desvios e deficiências" nas campanhas.
  60. 60. • CONAR e os influenciadores digitais • Tendo em vista o aumento de anúncios e campanhas no ambiente digital, o Fórum tem como objetivo aprofundar a discussão sobre a publicidade feita por influenciadores digitais e, além disso, conhecer o Guia elaborado pelo Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar). • Para participação nesse Fórum, você precisará ler o Guia elaborado pelo CONAR. Participe do Fórum na Sala Virtual  Digital influencer Bianca Andrade Fonte: Instagram
  61. 61. 3. Conheça mais o CENP e CONAR O prof. Antonio Jesus de Cosenza destaca que a indústria de comunicação brasileira conta com o CONAR, que estabelece as relações entre Anunciantes e consumidores quanto ao conteúdo de mensagens publicitárias, enquanto o CENP normatiza as relações comerciais entre os agentes econômicos do mercado publicitário. O referido professor elaborou um material bem explicado sobre as entidades. Leia o texto “U1A2 - Saiba mais: “O CENP e o CONAR como guardiões da ética “(Disponível na Sala Virtual)
  62. 62. • Não confunda o CENP com o CONAR. As entidades tem papéis bem diferentes; • O CONAR é responsável pela revisão do conteúdo das campanhas publicitárias; • Já o CENP é responsável pela supervisão e controle das relações comerciais entre anunciantes, agências e veículos; • O CENP está relacionado aos seguintes setores: Anunciantes, Agências e Veículos; • CONAR tem um Código, o Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária que pode ser acessado no www.conar.org.br; Resumindo
  63. 63. CONSIDERAÇÕES • Nesta aula você conheceu um pouco melhor a dinâmica da Propaganda, em especial os elementos, realização e as entidades CONAR e CENP. • É interessante ressaltar que a Propaganda precisa de vários conhecimentos e áreas para que possa ocorrer. O anúncio, por exemplo, precisa ser atraente e interessante. Para isso, houve um amplo desenvolvimento tecnológico, constituído de diversos ramos do conhecimento humano – como artes plásticas, literatura, cinema, música, dança, administração, estatística, sociologia, psicologia, tecnologia – para realização da Propaganda eficiente e eficaz. • Estas áreas do conhecimento são combinadas com a finalidade de planejar, criar, desenvolver, produzir e emitir mensagens de caráter comercial.
  64. 64. • Como vimos nesta aula, a complexidade do processo de Propaganda depende de vários elementos, em especial: 1- As diversas “peças” que estão envolvidas no processo da Propaganda; 2- Do setor econômico que irá utilizar a Propaganda e com quais objetivos; 3- Do número e grau de dificuldade das mensagens que devem ser transmitidas; 4- Do nível de interesse que os consumidores visados têm em relação ao anunciante e ao que ele oferece como vantagem; 5- Da quantidade e dos tipos de pessoas que precisam ser atingidas pela Propaganda; CONSIDERAÇÕES
  65. 65. • Quais são os elementos da Propaganda? • Como funciona a Propaganda em linhas gerais? • Como cada setor utiliza a Propaganda? • Qual o papel do CENP? • Qual o papel do CONAR? • Como reclamar de uma propaganda? Recapitulando
  66. 66. ? Enquete da FPP (Sala Virtual) Você já conhecia a atuação do CONAR?
  67. 67. Referências

Notas do Editor

  • https://www.google.com/url?sa=i&url=https%3A%2F%2FcicloPublicidade.wordpress.com%2F2008%2F10%2F31%2Fartecetera-isto-e-o-que-acontece-com-quem-anuncia%2F&psig=AOvVaw0KvfDBfgB6wYa_PkpSUN9i&ust=1600810472543000&source=images&cd=vfe&ved=0CA0QjhxqFwoTCOCt8O6Z--sCFQAAAAAdAAAAABAk
  • depois do setor de bens de consumo
    É o varejo -  o médio e grande comércio -  que mais usa a Propaganda.  este setor tem necessidade
  • depois do setor de bens de consumo
    É o varejo -  o médio e grande comércio -  que mais usa a Propaganda.  este setor tem necessidade
  • https://ids.org.br/o-cenp-e-o-algoz-de-agencias-ou-de-anunciantes/
  • https://ids.org.br/o-cenp-e-o-algoz-de-agencias-ou-de-anunciantes/

    O CENP atua diretamente com a regulação das atividades das Agências de Publicidade, Anunciantes e Veículos;
    Veículos também são beneficiados, pois recebem o repasse, através da agência, das compras de mídia feitas;
    Desconto padrão para as Agências;
    Certificação da Agências;

  • Agência não é tudo igual’
  • http://www.conar.org.br/
  • https://ids.org.br/o-cenp-e-o-algoz-de-agencias-ou-de-anunciantes/
  • O Conselho Executivo das Normas-Padrão é uma entidade de ética, com atuação nacional, criada e mantida exclusivamente pelo setor privado para assegurar boas práticas comerciais entre Anunciantes, Agências de Publicidade e Veículos de Comunicação.
  • As tendências atuais tem alterado fundamentalmente a Publicidade, principalmente quando se considerado os seguintes fatores:

×