Fisiologia vegetal apostila 1

2.605 visualizações

Publicada em

Fisiologia vegetal apostila 1

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.605
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fisiologia vegetal apostila 1

  1. 1. FISIOLOGIA VEGETAL ABSORÇÃO VEGETALRESPIRAÇÃO CONDUÇÃO DA VEGETAL SEIVA BRUTA
  2. 2. Luz solar Glicose + O2 P R O D U Z ATP para o FOTOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO trabalho (cloroplastos) (mitocôndrias) celular D E G R A D A CO2 + H2O Energia e calor Obs: São fenômenos complementares.
  3. 3. DEMONSTRAÇÃO EXPERIMENTAL DA RESPIRAÇÃO VEGETAL DEMONSTRAÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DO PRODUÇÃO DE CO2 APARELHO DE PETTENKOFER CONSUMO DE O2 RESPIRÔMETRO DE WARBURG DEMONSTRAÇÃO DADEMONSTRAÇÃO DA FERMENTAÇÃO EM MICROORGANISMOS FERMENTAÇÃO ALCÓOLICA
  4. 4. ABSORÇÃO VEGETALGASES: são absorvidos pelas plantas por DIFUSÃO, através de estômatos, epiderme de maneira geral, cutículas e lenticelas.
  5. 5. DIFUSÃO é uma a modalidade de transporte passivo (sem gasto de energia), na qual, o soluto passa da solução mais concentrada (hipertônica) para a menos concentrada (hipotônica). Isto ocorre com o objetivo delas se tornarem iguais (isotônica). OSMOSE é a passagem do solvente de uma região pouco Solução Solução concentrada em soluto para umahipotônica hipertônica mais concentrada em soluto, sem gasto de energia. Ex. Nicotina nas Ex. Colocar sal células na salada de dos não tomate e verter fumantes. água.
  6. 6. Absorção de Água A água penetra pela raiz (região de absorção ou entre os espaços celulares);  Passagem por osmose;
  7. 7. Absorção dos solutos (Macro e micronutrientes) • Por DIFUSÃO simples. • Junto com o fluxo de água (força de arrastamento do solvente) • Transporte ativo (o que implica gasto de energia pela célula e possibilita um grande acúmulo de nutrientes dentro da célula)
  8. 8. Macro- Absorvido sob Quantidades % em peso Algumasnutrientes necessárias seco na planta funções a forma de em mg/l de soluçãoNITROGÊNIO NO3- ou NH4+ 15 1 A 3% Constituinte de aminoácidos, nucleotídeos, DNA, RNA, clorofila, enzimas, etc.POTÁSSIO K+ 5 0,3 A 6% Síntese e ativação de enzimas CÁLCIO Ca++ 3 0,1 A 3% Constituinte da lamela média, permeabilidade celular, ativador enzimático. FÓSFORO H3PO4 ou HPO4 -- 2 0,05 A 1% ATP, DNA, RNA, fosfolipídeos, coenzimas, etc. ENXOFRE SO4 -- 1 0,05 A 1,5% Aminoácidos, proteínas, coenzima A.MAGNÉSIO Mg++ 1 0,05 A 0,7% Constituinte da clorofila, ativador enzimático.
  9. 9. Micro- Absorvido sob Quantidades % em peso Algumasnutrientes necessárias seco na planta funções a forma de em mg/l de solução FERRO Fe ++ 0,1 10 A 1500 ppm Síntese de clorofila, constituinte dos ou citocromos e Fe +++ ferridoxina. BORO BO --- 0,05 2 a 75 ppm Influência na utilização do Ca ++ Ou B4O7 -- CLORO Cl - 0,05 100 a 10 000 ppm Osmose, equilíbrio iônico.MANGANÊS Mn ++ 0,01 5 a 1500 ppm Ativador enzimático. ZINCO Zn ++ 0,001 3 a 150 ppm Ativador enzimático de desidrogenases. COBRE Ca++ 0,0003 2 a 75 ppm Ativador enzimático na redução de nitrito a amônia.
  10. 10. Necessários Absorvido sob Quantidades % em peso Algumassomente para a forma de necessárias seco na planta funções alguns em mg/l de vegetais solução Cobalto Co ++ Menos de traços Necessário para 0,00001 micro- organismos fixadores de N2 nos nódulos de raízes de leguminosas Sódio Na + 0,05 traços Equilíbrio osmótico e iônico. Necessário para alguns vegetais de deserto e regiões de pântanos salgados.
  11. 11. SINAIS FOLIARES E A CARÊNCIA DE NUTRIENTESA – FOLHAS ADULTAS AFETADAS CARÊNCIA SINAIS FOLIARES NITROGÊNIO Clorose e talo fino. FÓSFORO Cor escura com manchas roxas, folhas estreitas. CLOROSE: folhas amareladas MAGNÉSIO Clorose entre uniformemente. as nervuras. POTÁSSIO Clorose, enegrecimento e necrose dos bordos.
  12. 12. B – FOLHAS E PARTES JOVENS AFETADAS CARÊNCIA SINAIS FOLIARES CÁLCIO Clorose entre as nervuras e morte da gema apical. ENXOFRE Clorose uniforme, geral. BORO Clorose, folhas pequenas e deformadas. COBRE Folhas murchas com manchas amarelas irregulares.
  13. 13. ADUBAÇÃO E A RECUPERAÇÃO DOS SOLOS1. ESTERCO: fornece nitrogênio e fosfatos.2. OSSO TRITURADO: fornece cálcio e fósforo.3. GUANO (decomposição de fezes e cadáveres de aves, principalmente marinhas): fornece nitrogênio, cálcio e flúor.4. SALITRE DO CHILE: nitrogênio e sódio.5. ADUBOS VERDES: leguminosas trituradas, adicionadas ao solo.6. SAIS EM GERAL: nitrato de cálcio, fosfatos, sulfatos, etc.
  14. 14. SEIVA E BRUTA E ELABORADA
  15. 15. CONDUÇÃO DA SEIVA Em relação à condução daseiva bruta, a explicação do BRUTA processo surgiu a partir de Dixon, um botânico (Teoria de Dixon) irlandês. A grande questão era: como as plantas transportam a seiva bruta da raiz para as folhas contrariando a lei da gravidade? A teoria de Dixon explicou essa pergunta afirmando que quando as folhas perdiam água, elas se tornavam hipertônicas, passando aexercer uma ação aspirante sobre os vasos condutores do xilema, “puxando” essa seiva bruta através deforças de coesão e adesão.
  16. 16. CONDIÇÕES PARA QUE ISSO OCORRA:1. Os tubos que conduzem água devem ter um tamanho reduzido;2. As paredes destes tubos devem ter aderência (adesão) com a água;3. A água deve ser desprovida de qualquer gás.4. Forças de coesão: entre as moléculas de água5. Forças de adesão: entre a água e as paredes do tubo.
  17. 17. PRESSÃO DA RAIZ•é uma pressão desenvolvida nos vasos doxilema como resultado da atividademetabólica das raízes;• Se deve por mecanismos osmóticos, quese originam como resultado da absorçãoativa de sais pela raiz.• Não ocorre em todos os vegetais.• Se cortarmos os caule a seiva exsuda,mostrando o poder de sucção da raiz

×