SlideShare uma empresa Scribd logo

Apostilha Empreendedorismo senai

Curso empreendedorismo Senai-SP

1 de 58
Baixar para ler offline
VERSÃO PARA DOWNLOAD
CURSO COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS
EMPREENDEDORISMO
OLÁ!
SEJA BEM-VINDO AO CURSO DE
EMPREENDEDORISMO
Objetivo do curso:
Oferecer conhecimentos sobre o ato de criação de novos empreendimentos nos mais diversos
setores, propiciando-lhes, em especial:
• O conhecimento sobre a importância do empreendedorismo para a economia, sua
importância na geração de emprego e renda;
• O universo das ações empreendedoras que vão desde abertura de empresas com propósito
econômico e financeiro, bem como com objetivos puramente sociais;
• A promoção da cultura empreendedora dentro das empresas por meio de ações de
empreendedorismo corporativo;
• A compreensão da importância da inovação e sustentabilidade e que se almejamos nos
tornarmos uma das maiores economias do mundo somente podemos alcançar por meio de
uma nação empreendedora.
2
SUMÁRIO
Introdução................................................................................................................................4
Módulo 1
Intraempreendedor...........................................................................................................6
Empreendedor..................................................................................................................8
Módulo 2
Micro e Pequenas empresas..........................................................................................19
Tipos de empreendimentos...........................................................................................24
Módulo 3
Plano de negócio...........................................................................................................29
Identificando oportunidades..........................................................................................48
Revisão...................................................................................................................................51
Conteúdo extra
Planejamento e Empreendedorismo.............................................................................53
INTRODUÇÃO
4
4
Bem-vindo
As sociedades até o século XIX eram predominantemente
agrícolas.
Somente após a Revolução Industrial, que teve início com a
invenção da máquina a vapor, é que ocorreram mudanças
significativas, não só nos processos de produção, mas na
sociedade como um todo.
As sociedades dos séculos XIX e XX são marcadas pela
agricultura e pela industrialização, mas o século XXI se
caracteriza pelo avanço da tecnologia, acesso à informação,
mudanças nas relações de trabalho e crescimento da
economia informal provocando o surgimento da necessidade
de empreender e definindo rumos para o
empreendedorismo.
Ao final deste curso, esperamos que você tenha subsídios
para identificar oportunidades para empreender, vislumbre
vantagens associadas ao empreendedorismo e identifique as
características necessárias para alcançar o perfil que
incorpore os valores e a sua importância para a realização
pessoal e profissional, seja como empreendedor e suas
diversas áreas de atuação ou mesmo como colaborador por
meio de intraempreendedorismo.
5
Quantas vezes você ouviu a palavra empreendedorismo, mas
não sabia muito bem o que significava? Às vezes pensou até
em encontrar uma oportunidade para usá-la em uma
conversa com algum amigo ou colega de trabalho, mas ficou
em dúvida se seria correto ou não.
Veremos o significado não só para empreendedorismo, mas
também de palavras que possuem alguma relação com o assunto.
Empreender está intimamente ligado ao processo de
inovação, e para melhor compreender os diversos significados
para o termo inovação, apresentaremos sua etimologia ou a
origem do termo, que vem do latim innovatio, que significa
renovação. O prefixo in tem o sentido de ingresso, movimento
de introduzir algo, introduzir novidade, fazer algo novo, fazer
algo como não era feito antes.
Segundo o Sebrae, "a palavra empreendedor (entrepreneur)
tem origem francesa e quer dizer aquele que assume riscos e
começa algo novo".
E essa associação do risco à atividade empreendedora vem do
século XVII, quando apareceram os primeiros indícios dessa
relação. Naquela época, surgiram alguns negócios em que o
governo fazia um acordo contratual com alguém para realizar
um serviço ou fornecer produtos, prefixando os preços e
deixando, com isso, o lucro ou prejuízo nas mãos do
empreendedor.
Portanto empreendedorismo é uma forma de ser que busca
desenvolver o potencial das pessoas para serem
empreendedoras em qualquer área em que estejam atuando,
seja como criadores de empresa, autônomos, profissionais
liberais, artistas, executivos, funcionários públicos ou
trabalhadores das grandes, médias e pequenas empresas.
Para os economistas o empreendedorismo é uma revolução
silenciosa, que será, para o século XXI, mais que a Revolução
Industrial foi para o século XX, pois processo de empreender
não inclui somente a criação de novas empresas, tratando
com capitais e empregos, mas consiste, também, em
desenvolver o espírito engenhoso do ser humano e o seu
empenho em melhorar a humanidade.
6
Intraempreendedor
As empresas hoje enfrentam uma realidade de mercado
extremamente concorrido, com margens de lucro apertadas
em todas as suas linhas de produtos e serviços. Essa realidade
exige a necessidade constante de inovação e criação de
diferenciais competitivos.
Isso somente será desenvolvido por meio de um ambiente
corporativo que proporcione condições para estimular um
ambiente empreendedor, ou seja, a cultura do
intraempreendedorismo ou empreendedorismo corporativo.
O termo intraempreendedor (tradução do inglês intrapreneur)
foi cunhado por Gifford Pinchot em Os 10 mandamentos do
intraempreendedor (PINCHOT III, 1989).

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismocattonia
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoProf. Leonardo Rocha
 
Empreendedorismo 1 e 2
Empreendedorismo 1 e 2Empreendedorismo 1 e 2
Empreendedorismo 1 e 2siqueiralc
 
Organização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de TrabalhoOrganização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de TrabalhoGrupo E. Fabris
 
Atitude Empreendedora - Empreendedorismo
Atitude Empreendedora - EmpreendedorismoAtitude Empreendedora - Empreendedorismo
Atitude Empreendedora - EmpreendedorismoRobson Costa
 
Empreendedorismo e o empreendedor
Empreendedorismo e o empreendedorEmpreendedorismo e o empreendedor
Empreendedorismo e o empreendedorFelipe Pereira
 
O que é empreendedorismo!
O que é empreendedorismo!O que é empreendedorismo!
O que é empreendedorismo!Vanderlei Moraes
 
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de TrabalhoPlanejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de TrabalhoBenjamim Garcia Netto
 

Mais procurados (20)

Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Empreendedorismo no Brasil
Empreendedorismo no BrasilEmpreendedorismo no Brasil
Empreendedorismo no Brasil
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Aula empreendedorismo
Aula empreendedorismoAula empreendedorismo
Aula empreendedorismo
 
Empreendedorismo 1 e 2
Empreendedorismo 1 e 2Empreendedorismo 1 e 2
Empreendedorismo 1 e 2
 
Organização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de TrabalhoOrganização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de Trabalho
 
Empreendedorismo E Inovação
Empreendedorismo E InovaçãoEmpreendedorismo E Inovação
Empreendedorismo E Inovação
 
Atitude Empreendedora - Empreendedorismo
Atitude Empreendedora - EmpreendedorismoAtitude Empreendedora - Empreendedorismo
Atitude Empreendedora - Empreendedorismo
 
Plano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadoresPlano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadores
 
Preparo para mercado de trabalho
Preparo para mercado de trabalhoPreparo para mercado de trabalho
Preparo para mercado de trabalho
 
Empreendedorismo e o empreendedor
Empreendedorismo e o empreendedorEmpreendedorismo e o empreendedor
Empreendedorismo e o empreendedor
 
O que é empreendedorismo!
O que é empreendedorismo!O que é empreendedorismo!
O que é empreendedorismo!
 
Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e Inovação
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Criatividade, Empreendedorismo e Inovação
Criatividade, Empreendedorismo e InovaçãoCriatividade, Empreendedorismo e Inovação
Criatividade, Empreendedorismo e Inovação
 
Empreendedorismo slides
Empreendedorismo   slidesEmpreendedorismo   slides
Empreendedorismo slides
 
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de TrabalhoPlanejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
 

Destaque

Aula Tipos de Empreendedores
Aula Tipos de EmpreendedoresAula Tipos de Empreendedores
Aula Tipos de EmpreendedoresRafael Gonçalves
 
Gestão de empreendedorísmo Sebrae
Gestão de empreendedorísmo SebraeGestão de empreendedorísmo Sebrae
Gestão de empreendedorísmo SebraeMah1986mah
 
Apostila Empreendedorismo - Prof. Ivan Jacomassi Junior
Apostila Empreendedorismo - Prof. Ivan Jacomassi JuniorApostila Empreendedorismo - Prof. Ivan Jacomassi Junior
Apostila Empreendedorismo - Prof. Ivan Jacomassi Juniorivanjacomassi
 
Empreendedorismo Corporativo
Empreendedorismo CorporativoEmpreendedorismo Corporativo
Empreendedorismo CorporativoLeonardo_Dias
 
Manual do Professor de Empreendedorismo
Manual do Professor de EmpreendedorismoManual do Professor de Empreendedorismo
Manual do Professor de Empreendedorismojosedornelas
 
Empreender: Uma opção de carreira
Empreender: Uma opção de carreiraEmpreender: Uma opção de carreira
Empreender: Uma opção de carreiraEduardo Vilas Boas
 
Crescimento exponencial na era digital
Crescimento exponencial na era digitalCrescimento exponencial na era digital
Crescimento exponencial na era digitalThiago Julio, MD
 
Cultura Empreendedora no Brasil - Endeavor 2014
Cultura Empreendedora no Brasil - Endeavor 2014Cultura Empreendedora no Brasil - Endeavor 2014
Cultura Empreendedora no Brasil - Endeavor 2014Daniele Carlini
 
Oficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolarOficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolarcarlasp
 
Reinventando Organizações
Reinventando OrganizaçõesReinventando Organizações
Reinventando OrganizaçõesNei Grando
 
O Empreendedor Corporativo
O Empreendedor CorporativoO Empreendedor Corporativo
O Empreendedor CorporativoLeonardo Filardi
 
Palestra Empreendedorismo e o Fim do Tudo Eu
Palestra Empreendedorismo e o Fim do Tudo EuPalestra Empreendedorismo e o Fim do Tudo Eu
Palestra Empreendedorismo e o Fim do Tudo EuRoberto Dias Duarte
 

Destaque (20)

Aula Tipos de Empreendedores
Aula Tipos de EmpreendedoresAula Tipos de Empreendedores
Aula Tipos de Empreendedores
 
Gestão de empreendedorísmo Sebrae
Gestão de empreendedorísmo SebraeGestão de empreendedorísmo Sebrae
Gestão de empreendedorísmo Sebrae
 
Apostila Empreendedorismo - Prof. Ivan Jacomassi Junior
Apostila Empreendedorismo - Prof. Ivan Jacomassi JuniorApostila Empreendedorismo - Prof. Ivan Jacomassi Junior
Apostila Empreendedorismo - Prof. Ivan Jacomassi Junior
 
O empreendedor corporativo
O empreendedor corporativoO empreendedor corporativo
O empreendedor corporativo
 
Empreendedorismo Corporativo
Empreendedorismo CorporativoEmpreendedorismo Corporativo
Empreendedorismo Corporativo
 
Manual do Professor de Empreendedorismo
Manual do Professor de EmpreendedorismoManual do Professor de Empreendedorismo
Manual do Professor de Empreendedorismo
 
EMPREENDEDORISMO
EMPREENDEDORISMOEMPREENDEDORISMO
EMPREENDEDORISMO
 
Empreendedorismo apostila
Empreendedorismo apostilaEmpreendedorismo apostila
Empreendedorismo apostila
 
Aula 4 formulario_pronto
Aula 4 formulario_prontoAula 4 formulario_pronto
Aula 4 formulario_pronto
 
Empreender: Uma opção de carreira
Empreender: Uma opção de carreiraEmpreender: Uma opção de carreira
Empreender: Uma opção de carreira
 
Crescimento exponencial na era digital
Crescimento exponencial na era digitalCrescimento exponencial na era digital
Crescimento exponencial na era digital
 
Cultura Empreendedora no Brasil - Endeavor 2014
Cultura Empreendedora no Brasil - Endeavor 2014Cultura Empreendedora no Brasil - Endeavor 2014
Cultura Empreendedora no Brasil - Endeavor 2014
 
Oficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolarOficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolar
 
Reinventando Organizações
Reinventando OrganizaçõesReinventando Organizações
Reinventando Organizações
 
O Empreendedor Corporativo
O Empreendedor CorporativoO Empreendedor Corporativo
O Empreendedor Corporativo
 
Desing thinking
Desing thinkingDesing thinking
Desing thinking
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
 
Palestra Empreendedorismo e o Fim do Tudo Eu
Palestra Empreendedorismo e o Fim do Tudo EuPalestra Empreendedorismo e o Fim do Tudo Eu
Palestra Empreendedorismo e o Fim do Tudo Eu
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Esquema resumo roma antiga
Esquema resumo roma antigaEsquema resumo roma antiga
Esquema resumo roma antiga
 

Semelhante a Apostilha Empreendedorismo senai

Fundamentos de empreendedorismo eduardo faraco
Fundamentos de empreendedorismo   eduardo faracoFundamentos de empreendedorismo   eduardo faraco
Fundamentos de empreendedorismo eduardo faracoEduardo Faraco
 
Empreendedorismo Motivacao
Empreendedorismo MotivacaoEmpreendedorismo Motivacao
Empreendedorismo Motivacaogeceli
 
Apostila de e.r.a. disponível para download]
Apostila de e.r.a. disponível para download]Apostila de e.r.a. disponível para download]
Apostila de e.r.a. disponível para download]José Alberto
 
emprendedorismo & inovação
emprendedorismo & inovaçãoemprendedorismo & inovação
emprendedorismo & inovaçãoannoni
 
Perfil empreendedor
Perfil empreendedorPerfil empreendedor
Perfil empreendedorkarinamanso
 
Introdução ao Empreendedorismo .pptx
Introdução ao Empreendedorismo .pptxIntrodução ao Empreendedorismo .pptx
Introdução ao Empreendedorismo .pptxDemetriusNarciso
 
aula 6, empreendedorismo.pptx
aula 6, empreendedorismo.pptxaula 6, empreendedorismo.pptx
aula 6, empreendedorismo.pptxEdsonMariano11
 
Gestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completoGestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completoEduardo Faraco
 
Material 1 empreendedorismo
Material 1   empreendedorismoMaterial 1   empreendedorismo
Material 1 empreendedorismoINPE
 
O Perfil Empreendedor segundo José Carlos Assis Dornelas
O Perfil Empreendedor segundo José Carlos Assis DornelasO Perfil Empreendedor segundo José Carlos Assis Dornelas
O Perfil Empreendedor segundo José Carlos Assis DornelasCristina Machado
 
O empreendedor e o empreendimento na área de estética
O empreendedor e o empreendimento na área de estéticaO empreendedor e o empreendimento na área de estética
O empreendedor e o empreendimento na área de estéticaFederal University of Ceará
 
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptxMaterial_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptxDemtrioMarques
 
Empreendedorismo na comunicação
Empreendedorismo na comunicaçãoEmpreendedorismo na comunicação
Empreendedorismo na comunicaçãoCEMP2010
 

Semelhante a Apostilha Empreendedorismo senai (20)

Fundamentos de empreendedorismo eduardo faraco
Fundamentos de empreendedorismo   eduardo faracoFundamentos de empreendedorismo   eduardo faraco
Fundamentos de empreendedorismo eduardo faraco
 
Gestão empreendedorismo
Gestão empreendedorismoGestão empreendedorismo
Gestão empreendedorismo
 
Empreendedorismo Motivacao
Empreendedorismo MotivacaoEmpreendedorismo Motivacao
Empreendedorismo Motivacao
 
Apostila de e.r.a. disponível para download]
Apostila de e.r.a. disponível para download]Apostila de e.r.a. disponível para download]
Apostila de e.r.a. disponível para download]
 
emprendedorismo & inovação
emprendedorismo & inovaçãoemprendedorismo & inovação
emprendedorismo & inovação
 
Perfil empreendedor
Perfil empreendedorPerfil empreendedor
Perfil empreendedor
 
Introdução ao Empreendedorismo .pptx
Introdução ao Empreendedorismo .pptxIntrodução ao Empreendedorismo .pptx
Introdução ao Empreendedorismo .pptx
 
Tid ii atual
Tid ii atualTid ii atual
Tid ii atual
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
aula 6, empreendedorismo.pptx
aula 6, empreendedorismo.pptxaula 6, empreendedorismo.pptx
aula 6, empreendedorismo.pptx
 
Gestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completoGestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completo
 
Material 1 empreendedorismo
Material 1   empreendedorismoMaterial 1   empreendedorismo
Material 1 empreendedorismo
 
Empreendedorismo 05.ppt
Empreendedorismo 05.pptEmpreendedorismo 05.ppt
Empreendedorismo 05.ppt
 
Empreendedorismo
Empreendedorismo Empreendedorismo
Empreendedorismo
 
O Perfil Empreendedor segundo José Carlos Assis Dornelas
O Perfil Empreendedor segundo José Carlos Assis DornelasO Perfil Empreendedor segundo José Carlos Assis Dornelas
O Perfil Empreendedor segundo José Carlos Assis Dornelas
 
Empreendedorismo
Empreendedorismo Empreendedorismo
Empreendedorismo
 
O empreendedor e o empreendimento na área de estética
O empreendedor e o empreendimento na área de estéticaO empreendedor e o empreendimento na área de estética
O empreendedor e o empreendimento na área de estética
 
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptxMaterial_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
 
Empreendedorismo na comunicação
Empreendedorismo na comunicaçãoEmpreendedorismo na comunicação
Empreendedorismo na comunicação
 
Aulaempreendedorismo 120410185052-phpapp01
Aulaempreendedorismo 120410185052-phpapp01Aulaempreendedorismo 120410185052-phpapp01
Aulaempreendedorismo 120410185052-phpapp01
 

Último

Com base nas informações sobre Aline (Perfil 2), calcule a carga predita de 1...
Com base nas informações sobre Aline (Perfil 2), calcule a carga predita de 1...Com base nas informações sobre Aline (Perfil 2), calcule a carga predita de 1...
Com base nas informações sobre Aline (Perfil 2), calcule a carga predita de 1...Unicesumar
 
MAPA - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - 51/2024
MAPA - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - 51/2024MAPA - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - 51/2024
MAPA - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - 51/2024Unicesumar
 
Analisando o objetivo de Matheus (Perfil 1), o treinamento resistido será des...
Analisando o objetivo de Matheus (Perfil 1), o treinamento resistido será des...Analisando o objetivo de Matheus (Perfil 1), o treinamento resistido será des...
Analisando o objetivo de Matheus (Perfil 1), o treinamento resistido será des...Unicesumar
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdfATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdfliliandlm20
 
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...AcademicaDlaUnicesum
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...assedlmoi
 
ATIVIDADE 1 - BEDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSI...
ATIVIDADE 1 - BEDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSI...ATIVIDADE 1 - BEDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSI...
ATIVIDADE 1 - BEDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSI...Unicesumar
 
Um dos materiais mais utilizados em salas de aula na educação escolar pública...
Um dos materiais mais utilizados em salas de aula na educação escolar pública...Um dos materiais mais utilizados em salas de aula na educação escolar pública...
Um dos materiais mais utilizados em salas de aula na educação escolar pública...AcademicaDlaUnicesum
 
ATIVIDADE 1 – PROTOCOLO E PROCEDIMENTO DE COLETA DAS MEDIDAS.
ATIVIDADE 1 – PROTOCOLO E PROCEDIMENTO DE COLETA DAS MEDIDAS.ATIVIDADE 1 – PROTOCOLO E PROCEDIMENTO DE COLETA DAS MEDIDAS.
ATIVIDADE 1 – PROTOCOLO E PROCEDIMENTO DE COLETA DAS MEDIDAS.Unicesumar
 
A molécula de ATP e formada por açúcar (ribose), ligado a uma base nitrogenad...
A molécula de ATP e formada por açúcar (ribose), ligado a uma base nitrogenad...A molécula de ATP e formada por açúcar (ribose), ligado a uma base nitrogenad...
A molécula de ATP e formada por açúcar (ribose), ligado a uma base nitrogenad...Unicesumar
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...Unicesumar
 
Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como o objetivo...
Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como o objetivo...Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como o objetivo...
Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como o objetivo...Unicesumar
 
Com base nos estudos e material da disciplina, explique por qual motivo o tre...
Com base nos estudos e material da disciplina, explique por qual motivo o tre...Com base nos estudos e material da disciplina, explique por qual motivo o tre...
Com base nos estudos e material da disciplina, explique por qual motivo o tre...Unicesumar
 

Último (13)

Com base nas informações sobre Aline (Perfil 2), calcule a carga predita de 1...
Com base nas informações sobre Aline (Perfil 2), calcule a carga predita de 1...Com base nas informações sobre Aline (Perfil 2), calcule a carga predita de 1...
Com base nas informações sobre Aline (Perfil 2), calcule a carga predita de 1...
 
MAPA - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - 51/2024
MAPA - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - 51/2024MAPA - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - 51/2024
MAPA - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - 51/2024
 
Analisando o objetivo de Matheus (Perfil 1), o treinamento resistido será des...
Analisando o objetivo de Matheus (Perfil 1), o treinamento resistido será des...Analisando o objetivo de Matheus (Perfil 1), o treinamento resistido será des...
Analisando o objetivo de Matheus (Perfil 1), o treinamento resistido será des...
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdfATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
 
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
 
ATIVIDADE 1 - BEDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSI...
ATIVIDADE 1 - BEDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSI...ATIVIDADE 1 - BEDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSI...
ATIVIDADE 1 - BEDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSI...
 
Um dos materiais mais utilizados em salas de aula na educação escolar pública...
Um dos materiais mais utilizados em salas de aula na educação escolar pública...Um dos materiais mais utilizados em salas de aula na educação escolar pública...
Um dos materiais mais utilizados em salas de aula na educação escolar pública...
 
ATIVIDADE 1 – PROTOCOLO E PROCEDIMENTO DE COLETA DAS MEDIDAS.
ATIVIDADE 1 – PROTOCOLO E PROCEDIMENTO DE COLETA DAS MEDIDAS.ATIVIDADE 1 – PROTOCOLO E PROCEDIMENTO DE COLETA DAS MEDIDAS.
ATIVIDADE 1 – PROTOCOLO E PROCEDIMENTO DE COLETA DAS MEDIDAS.
 
A molécula de ATP e formada por açúcar (ribose), ligado a uma base nitrogenad...
A molécula de ATP e formada por açúcar (ribose), ligado a uma base nitrogenad...A molécula de ATP e formada por açúcar (ribose), ligado a uma base nitrogenad...
A molécula de ATP e formada por açúcar (ribose), ligado a uma base nitrogenad...
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como o objetivo...
Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como o objetivo...Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como o objetivo...
Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como o objetivo...
 
Com base nos estudos e material da disciplina, explique por qual motivo o tre...
Com base nos estudos e material da disciplina, explique por qual motivo o tre...Com base nos estudos e material da disciplina, explique por qual motivo o tre...
Com base nos estudos e material da disciplina, explique por qual motivo o tre...
 

Apostilha Empreendedorismo senai

  • 1. VERSÃO PARA DOWNLOAD CURSO COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS EMPREENDEDORISMO
  • 2. OLÁ! SEJA BEM-VINDO AO CURSO DE EMPREENDEDORISMO Objetivo do curso: Oferecer conhecimentos sobre o ato de criação de novos empreendimentos nos mais diversos setores, propiciando-lhes, em especial: • O conhecimento sobre a importância do empreendedorismo para a economia, sua importância na geração de emprego e renda; • O universo das ações empreendedoras que vão desde abertura de empresas com propósito econômico e financeiro, bem como com objetivos puramente sociais; • A promoção da cultura empreendedora dentro das empresas por meio de ações de empreendedorismo corporativo; • A compreensão da importância da inovação e sustentabilidade e que se almejamos nos tornarmos uma das maiores economias do mundo somente podemos alcançar por meio de uma nação empreendedora. 2
  • 3. SUMÁRIO Introdução................................................................................................................................4 Módulo 1 Intraempreendedor...........................................................................................................6 Empreendedor..................................................................................................................8 Módulo 2 Micro e Pequenas empresas..........................................................................................19 Tipos de empreendimentos...........................................................................................24 Módulo 3 Plano de negócio...........................................................................................................29 Identificando oportunidades..........................................................................................48 Revisão...................................................................................................................................51 Conteúdo extra Planejamento e Empreendedorismo.............................................................................53
  • 4. INTRODUÇÃO 4 4 Bem-vindo As sociedades até o século XIX eram predominantemente agrícolas. Somente após a Revolução Industrial, que teve início com a invenção da máquina a vapor, é que ocorreram mudanças significativas, não só nos processos de produção, mas na sociedade como um todo. As sociedades dos séculos XIX e XX são marcadas pela agricultura e pela industrialização, mas o século XXI se caracteriza pelo avanço da tecnologia, acesso à informação, mudanças nas relações de trabalho e crescimento da economia informal provocando o surgimento da necessidade de empreender e definindo rumos para o empreendedorismo. Ao final deste curso, esperamos que você tenha subsídios para identificar oportunidades para empreender, vislumbre vantagens associadas ao empreendedorismo e identifique as características necessárias para alcançar o perfil que incorpore os valores e a sua importância para a realização pessoal e profissional, seja como empreendedor e suas diversas áreas de atuação ou mesmo como colaborador por meio de intraempreendedorismo.
  • 5. 5 Quantas vezes você ouviu a palavra empreendedorismo, mas não sabia muito bem o que significava? Às vezes pensou até em encontrar uma oportunidade para usá-la em uma conversa com algum amigo ou colega de trabalho, mas ficou em dúvida se seria correto ou não. Veremos o significado não só para empreendedorismo, mas também de palavras que possuem alguma relação com o assunto. Empreender está intimamente ligado ao processo de inovação, e para melhor compreender os diversos significados para o termo inovação, apresentaremos sua etimologia ou a origem do termo, que vem do latim innovatio, que significa renovação. O prefixo in tem o sentido de ingresso, movimento de introduzir algo, introduzir novidade, fazer algo novo, fazer algo como não era feito antes. Segundo o Sebrae, "a palavra empreendedor (entrepreneur) tem origem francesa e quer dizer aquele que assume riscos e começa algo novo". E essa associação do risco à atividade empreendedora vem do século XVII, quando apareceram os primeiros indícios dessa relação. Naquela época, surgiram alguns negócios em que o governo fazia um acordo contratual com alguém para realizar um serviço ou fornecer produtos, prefixando os preços e deixando, com isso, o lucro ou prejuízo nas mãos do empreendedor. Portanto empreendedorismo é uma forma de ser que busca desenvolver o potencial das pessoas para serem empreendedoras em qualquer área em que estejam atuando, seja como criadores de empresa, autônomos, profissionais liberais, artistas, executivos, funcionários públicos ou trabalhadores das grandes, médias e pequenas empresas. Para os economistas o empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será, para o século XXI, mais que a Revolução Industrial foi para o século XX, pois processo de empreender não inclui somente a criação de novas empresas, tratando com capitais e empregos, mas consiste, também, em desenvolver o espírito engenhoso do ser humano e o seu empenho em melhorar a humanidade.
  • 6. 6 Intraempreendedor As empresas hoje enfrentam uma realidade de mercado extremamente concorrido, com margens de lucro apertadas em todas as suas linhas de produtos e serviços. Essa realidade exige a necessidade constante de inovação e criação de diferenciais competitivos. Isso somente será desenvolvido por meio de um ambiente corporativo que proporcione condições para estimular um ambiente empreendedor, ou seja, a cultura do intraempreendedorismo ou empreendedorismo corporativo. O termo intraempreendedor (tradução do inglês intrapreneur) foi cunhado por Gifford Pinchot em Os 10 mandamentos do intraempreendedor (PINCHOT III, 1989).
  • 7. 7 Os 10 mandamentos do intraempreendedor 1. É mais fácil pedir desculpas que pedir permissão. 2. Execute qualquer tarefa para desenrolar o projeto. 3. Chegue ao trabalho cada dia sem medo de ser demitido. 4. Recrute uma boa equipe. 5. Peça conselhos antes de pedir recursos. 6. Dê créditos e celebre vitórias. 7. Mantenha em mente os interesses da empresa e dos clientes quando quebrar regras. 8. Reconheça e honre seus patrocinadores. 9. Prometa menos e entregue mais. 10. Seja fiel a suas metas, mas realista com relação à maneira de atingi-las. Os intraempreendedores são semelhantes aos empreendedores sob o seguinte aspecto: podem definir, estruturar e explorar com sucesso uma área de atividade desestruturada em uma organização, enquanto os empreendedores fazem o mesmo com seus negócios no ambiente externo. (FILLION, 2004).
  • 8. 8 Empreendedor O empreendedor Existe um perfil ideal? Quais seriam as principais características do empreendedor? De fato não existe uma unanimidade em relação a isso. Não há um consenso entre os autores do assunto, sobre tais características, mas apontaremos aquelas características que melhor definem o empreendedor. Principais características
  • 9. 9
  • 10. 10
  • 11. 11
  • 12. 12
  • 13. 13 Tipos de empreendedores Empreendedor nato ou mitológico Geralmente são conhecidos, pois suas histórias são brilhantes e, muitas vezes, começaram do nada criando grandes impérios. Começam a trabalhar muito cedo e adquirem habilidade de negociação e de vendas. São tidos como visionários e otimistas, muitas vezes considerados à frente de seu tempo e se comprometem integralmente para realizar seus sonhos. Se você perguntar a um empreendedor nato quem ele admira, será comum lembrar de figura paterna/matern a ou algum familiar mais próximo.
  • 14. O empreendedor que aprende – Inesperado Pessoa que, inesperadamente, deparou-se com uma oportunidade de negócio e tomou a decisão de mudar o que fazia na vida para se dedicar ao negócio próprio. Nunca pensaram em ser empreendedores, consideravam apenas a possibilidade de trabalhar em grandes corporações. A decisão de troca de carreira é lenta, a não ser que esteja em condição de perder o emprego ou já tenha sido demitido. Terão que aprender a lidar com as novas situações e se envolver em todas as atividades do negócio próprio. É uma alternativa à aposentadoria. 14
  • 15. 15 O empreendedor serial Apaixonado não apenas pelas empresas que cria, mas principalmente pelo ato de empreender. Dinâmico, prefere os desafios e a adrenalina envolvidos na criação de algo novo a assumir a postura de executivo que lidera grandes equipes. Possui habilidade de montar e motivar equipes, captar recursos para o início do negócio e colocar a empresa em funcionamento. Envolve-se em vários negócios ao mesmo tempo e não é incomum possuir muitas histórias de fracasso. Mas estas servem de estímulo para a superação do próximo desafio.
  • 16. 16 O empreendedor social A missão deste tipo de empreendedor é tornar o mundo um lugar melhor para as pessoas. Com comprometimento singular, envolve-se em causas humanitárias e não busca ganhar ou aumentar seu patrimônio financeiro, ou seja, não tem como um de seus objetivos ganhar dinheiro. Prefere compartilhar seus recursos e contribuir para o desenvolvimento das pessoas. Já são considerados um fenômeno mundial em países em desenvolvimento como o Brasil.
  • 17. 17 O empreendedor por necessidade Inicia o próprio negócio devido ao desemprego ou por não ter acesso ao mercado de trabalho. Geralmente está no mercado informal, desenvolvendo atividades mais simples e conseguindo pouco retorno financeiro. São considerados como "vítimas do sistema capitalista", pois não possuem acesso à educação e recursos para empreenderem de maneira estruturada. Envolvem-se em atividades empreendedoras simples, pouco inovadoras na economia informal. Geralmente não contribuem com impostos e outras taxas.
  • 18. 18 O empreendedor herdeiro Recebe das gerações anteriores a responsabilidade de levar à frente a empresa que herdou de sua família. Empresas familiares fazem parte da estrutura empresarial de todos os países, e muitos impérios empresariais foram construídos por famílias empreendedoras, que mostraram capacidade de passar o bastão a cada nova geração. O desafio do empreendedor herdeiro é multiplicar o patrimônio recebido. Hoje os herdeiros buscam mais apoio externo, por meio de cursos e consultorias especializados.
  • 19. 19 Micro e Pequenas empresas Cenário nacional Nos últimos doze anos, as micros e pequenas empresas (MPE), ao lado dos microempreendedores individuais (MEI), representaram importante e indispensável elemento para movimentação da economia brasileira, que deve ao segmento 52% dos empregos formais e 40% da massa salarial. Com crescimento significativo na última década, o setor influencia de forma direta na geração de recursos e já representa 25% do PIB nacional. Só em 2012, foram 891,7 mil empregos criados. Acréscimo de 7 milhões de novos empregos formais na área ao longo de 11 anos, que de 8,6 milhões em 2000, atingiu 15,6 milhões de empregados com carteira assinada em 2011. Isso representa 52% da massa salarial de todo o país. Esse cenário é resultado de políticas sociais de redistribuição de renda e de valorização do salário mínimo, expansão do crédito e incorporação de um grande contingente de população ao mercado de trabalho e de consumo, o que aumenta a taxa de sobrevivência das empresas no mercado.
  • 20. 20 Segundo o Censo do Sebrae, com base em dados da Receita Federal, após dois anos de funcionamento, 76% dos micros e pequenos empreendimentos mantêm suas atividades. Isso significa mais garantias quanto à durabilidade e ao retorno do investimento. Em 2006, 48% do setor existiam por necessidade do proprietário, por falta de outras oportunidades financeiras. Hoje, esse caso conta com uma parcela de apenas 31% das empresas, os 69% restantes optaram livremente pelo pequeno negócio. Hoje, a cada três pessoas que iniciam um empreendimento, duas o fazem por uma oportunidade de negócios. Isso muda completamente a qualidade do empreendedorismo no país.
  • 21. 21
  • 22. 22
  • 23. 23 Representando 99% do total de empresas brasileiras e com participação de 25% do PIB, o segmento garantiu o dobro de variação salarial em relação às grandes e médias empresas. De 2000 até 2011, o aumento real de salário nas grandes e médias empresas variou 9%, enquanto nas micros e pequenas empresas o aumento foi de 18%. Isso significa que os salários crescem mais no segmento dos micros e pequenos investimentos, tornando o setor ainda mais atrativo, não só para quem deseja abrir um negócio, mas também para aqueles que buscam uma ocupação dentro dessas empresas.
  • 24. 24 Unindo pessoas e processos Como visto anteriormente, o empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade e cria meios para persegui-la. Exemplos: uma nova empresa, área de negócio etc. Tipos de empreendimentos Identificar e avaliar a oportunidade • Criação e abrangência da oportunidade; • valores percebidos e reais da oportunidade; • riscos e retornos da oportunidade; • oportunidade versus habilidades e metas pessoais; • situação dos competidores. Portanto o processo empreendedor envolve todas as funções, ações, e atividades associadas com a percepção de oportunidades e a criação de meios para persegui-las. Desenvolver o Plano de Negócio 1. Sumário Executivo. 2. O Conceito do Negócio. 3. Equipe de Gestão. 4. Mercado e Competidores. 5. Marketing e Vendas. 6. Estrutura e Operação. 7. Análise Estratégica. 8. Plano Financeiro Anexos
  • 25. 25 Determinar e Captar os recursos necessários • Recursos pessoais; • recursos de amigos e parentes; • angels; • capitalistas de risco; • bancos; • governo; • incubadoras. Gerenciar o negócio • Estilo de gestão; • fatores críticos de sucesso; • identificar problemas atuais e potenciais; • implementar um sistema de controle; • profissionalizar a gestão; • entrar em novos mercados. Microempreendedor individual (MEI) Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um microempreendedor individual, é necessário faturar no máximo até R$ 60.000,00 por ano e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular. O MEI também pode ter um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria. A Lei Complementar n. 128, de 19/12/2008, criou condições especiais para que o trabalhador conhecido como informal possa se tornar um MEI legalizado.
  • 26. 26 Vantagens oferecidas: Registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), facilitando a abertura de conta bancária, o pedido de empréstimos e a emissão de notas fiscais. Enquadrado no Simples Nacional e isenção dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL). Pagamento de fixo mensal de R$ 37,20 (comércio ou indústria), R$ 41,20 (prestação de serviços) ou R$ 42,20 (comércio e serviços), destinado à Previdência Social e ao ICMS ou ao ISS. Essas quantias serão atualizadas anualmente, de acordo com o salário mínimo. Acesso a benefícios como auxílio maternidade, auxílio doença, aposentadoria, entre outros.
  • 27. 27 Empresário individual O empresário individual (anteriormente chamado de firma individual) é aquele que exerce em nome próprio uma atividade empresarial. É a pessoa física (natural) titular da empresa. O patrimônio da pessoa natural e o do empresário individual são os mesmos, logo o titular responderá de forma ilimitada pelas dívidas. EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada) A EIRELI é a empresa constituída por uma única pessoa titular da totalidade do capital social, devidamente integralizado, que não poderá ser inferior a 100 (cem) vezes o maior salário-mínimo vigente no País. O titular não responderá com seus bens pessoais pelas dívidas da empresa. A pessoa natural que constituir empresa individual de responsabilidade limitada somente poderá figurar em uma única empresa dessa modalidade. Ao nome empresarial deverá ser incluída a expressão "EIRELI" após a firma ou a denominação social da empresa individual de responsabilidade limitada. Sociedade limitada É aquela que realiza atividade empresarial, formada por dois ou mais sócios que contribuem com moeda ou bens avaliáveis em dinheiro para formação do capital social. A responsabilidade dos sócios é restrita ao valor do capital social, porém tais sócios respondem solidariamente pela integralização da totalidade do capital, ou seja, cada sócio tem obrigação com a sua parte no capital social, no entanto poderá ser chamado a integralizar as quotas dos sócios que deixaram de integralizá-las.
  • 28. 28 Sociedade Limitada:  Sociedade anônima.  Cooperativa.  Consórcio.  Nacionalização ou abertura de Filial de Sociedade Estrangeira.  Grupo de sociedades.  Sociedade em nome coletivo.  Sociedade em comandita simples.  Sociedade em comanditas por ações.
  • 29. 29 Escolha o negócio apropriado ao seu perfil A seleção de uma oportunidade de negócio é uma etapa muito importante que merece bastante atenção, análise, reflexão e até discussão. A seleção de uma oportunidade de negócio é uma etapa muito importante que merece bastante atenção, análise, reflexão e até discussão. 1. A seleção de uma oportunidade de negócio é uma etapa muito importante que merece bastante atenção, análise, reflexão e até discussão. 2. Afinidade, motivação. 3. Conhecimento, habilidades. 4. Necessidades de mercado. 5. Disponibilidade de recursos. Plano de Negócio Afinidade e motivação Você já deve ter escutado alguém dizer que as pessoas que trabalham em atividades da qual gostam e sentem prazer naquilo que fazem, têm muito mais chances de ter sucesso que outras que apenas "suportam" seu dia a dia profissional. Pesquisas garantem que para tais pessoas quase não há separação entre o trabalho e o lazer, elas "nem percebem que estão trabalhando"! Se você está pensando em escolher uma nova atividade, por que não levar esse princípio a sério tentando de fato identificar algo que você verdadeiramente goste muito de fazer?
  • 30. 30 Conhecimento e habilidades Se você fosse iniciar uma atividade, qual escolheria? Aquela para a qual você tem uma habilidade acima da média ou outra em que você é apenas regular? Essa questão diz respeito aos "pontos fortes" de cada um, ou seja, às coisas que você sabe fazer com um desempenho, e ou de que tem conhecimento, acima da média. Esse aspecto deve ser a base da escolha, pois pressupõe que você já possui "diferencial competitivo" que o destaca dos eventuais "concorrentes" que possam existir. Necessidades de mercado Além de afinidade e de habilidades, é fundamental descobrir uma atividade ou uma ideia de negócio que seja reconhecida pelo mercado como algo de valor, algo que as pessoas estariam dispostas a pagar para tê-lo. Em geral, as necessidades de mercado surgem pela insatisfação dos clientes, os serviços ou os produtos deficientes, as mudanças de comportamento ou as mudanças tecnológicas. Esses aspectos são a "fonte de inspiração" para o empreendedor. Disponibilidade de recursos A disponibilidade de recursos também "seleciona" alternativa de negócios. Você pode ter afinidade para lidar com pessoas, ter conhecimento de hotelaria e detectar a necessidade de um hotel na cidade em que você mora. Porém, talvez um hotel seja um passo um pouco grande. Que tal começar com uma pousada?
  • 31. 31 O plano de negócio O que é e para que serve Um plano de negócio é um documento que descreve por escrito os objetivos de um negócio e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, diminuindo os riscos e as incertezas. Um plano de negócio permite identificar e restringir seus erros no papel, ao invés de cometê-los no mercado. Hoje é comum encontrarmos softwares ou aplicativos que são utilizados para a elaboração e execução do plano de negócios. O Sebrae apresenta, em seu guia para elaboração de um plano de negócios, sugestões para a Elaboração e a Construção de um plano de negócios. O que diferencia um do outro? É mesmo necessário fazer os dois? A etapa de elaboração irá auxiliá-lo a construir passo a passo o plano de negócio do seu empreendimento. Ao terminar sua elaboração, analise e reflita sobre as estratégias que está adotando e, se necessário, defina quais correções deverão ser feitas. A construção do plano nada mais é do que um formulário modelo a ser preenchido com as informações pesquisadas.
  • 32. 32 Elaboração do plano de negócio 1 - Sumário Executivo
  • 33. 33
  • 34. 34
  • 35. 35
  • 36. 36
  • 37. 37
  • 38. 38
  • 39. 39
  • 40. 40
  • 41. 41
  • 42. 42
  • 43. 43 Exemplo: Isso quer dizer que, a cada mês, a máquina de costura vale R$83,33 menos, ou seja, possivelmente, ao final de cinco anos, será preciso adquirir um nova máquina de costura, mais moderna e eficiente.
  • 44. 44
  • 45. 45
  • 46. 46
  • 47. 47 Construção de cenários - A matriz F.O.F.A Ao finalizar o seu plano de negócio, simule valores e situações diversas para a empresa. Prepare cenários em que o negócio obtenha resultados pessimistas (queda nas vendas e/ou aumento dos custos) ou otimistas (crescimento do faturamento e diminuição de despesas). A partir daí, pense em ações para evitar e prevenir-se frente às adversidades ou então para potencializar situações favoráveis. Faça quantas simulações julgar necessário e tenha sempre alternativas de ações (plano B). A Matriz F.O.F.A. é um instrumento de análise simples e valioso. Seu objetivo é detectar pontos fortes e fracos, com a finalidade de tornar a empresa mais eficiente e competitiva, corrigindo assim suas deficiências. F.O.F.A. é um acróstico para: A análise F.O.F.A. levará você a pensar nos aspectos favoráveis e desfavoráveis do negócio, dos seus proprietários e do mercado. Avaliação do plano de negócios Empreender é sempre um risco, mas é um risco que pode ser evitado, com o planejamento proposto no Plano de Negócios e apesar de não ser a garantia de sucesso, irá auxiliá-lo a tomar decisões mais acertadas, assim como a não se desviar de seus objetivos. O mundo dos negócios está sujeito a mudanças, a cada dia surgem novas oportunidades e ameaças. Assim sendo, procure adaptar seu planejamento às novas realidades.
  • 48. 48 O empreendedor deve ficar atento às oportunidades de negócios, para isso ele pode seguir algumas dicas. a) Observação da realidade: é um conjunto de ações que tem como objetivo a identificação de oportunidades. Essas ações podem se dividir em procurar e identificar insatisfações - Quais os fatores que levariam as pessoas a terem insatisfações com um determinado negócio? Por exemplo, problemas de funcionamento, complexidade de operação, dificuldade de manutenção, tempo de resposta maior que o aceitável, velocidade baixa, custo elevado. b) Identificar as inadequações: elas são causadas pela desconformidade de uma parte em relação ao todo, como: • operação: maior complexidade que as outras partes. • Custo: proporcionalmente maior que as outras partes. • prazo de execução: desproporcional aos demais. Identificando oportunidades Entendendo ambientes e captando oportunidades Compreender um ambiente é, antes de tudo, transformar a atitude distraída em curiosa e atenta, que se ocupa em ver e compreender como funciona cada sistema que está no ambiente, quais os seus pontos essenciais, quais os elementos que compõem o ambiente e como funcionam. Captar oportunidades não é levar vantagem, mas entender melhor os desafios e ter mais informações para decidir. É compreender o que pode ser melhorado e o que pode ser substituído, caminhando para a inovação. Viabilizando um empreendimento Primeiramente é importante transformar uma ideia em plano que viabilize o empreendimento.
  • 49. 49 Lembre-se então de construir o Plano de Negócios, contemplando todas as etapas estabelecidas no documento de referência. Estabeleça os recursos disponíveis, mesmo que se refiram a bens familiares que foram colocados à disposição do novo negócio. Busque recursos em fontes de financiamentos como: • Finep, Financiadora de Estudos e Projetos, do governo federal; • FAPS, fundações de Amparo à Pesquisa; • bancos de investimentos governamentais, e outros. Empreendimentos segundo idade e estágio de desenvolvimento Empreendimento nascente (Start Up) É o período em que é considerada uma empresa nascente que vai da data de sua fundação até quando consegue ter produtos e serviços, clientes, equipe de empregados, e um faturamento anual que pode chegar a 1 milhão, no caso de empresas de alta tecnologia. Em outros segmentos, o faturamento anual pode cair a menos da metade desse valor. Exige pouco capital para iniciar sua operação, mas muito trabalho dos empreendedores. Empreendimento emergente ou empreendimento novo (seed) É a situação de uma empresa que já fatura mais de R$ 1 milhão (se for da área tecnológica) por ano e tem produtos e serviços com aceitação de um grupo ainda pequeno de clientes. É chamada de seed, pois precisa de capital como uma semente para o seu desenvolvimento.
  • 50. 50 Empreendimento consolidado ou estabelecido É aquele que já possui um histórico de vários anos, produzindo e prestando seus serviços para um portfólio de clientes bem variado, tendo um faturamento expressivo, preferencialmente uma sociedade anônima, eventualmente com ações negociadas em bolsa de valores, o que significa que o público em geral pode ter acesso a elas. Também são denominadas assim empresas que já atingiram o ponto de perpetuidade, quando sua receita é previsível, assim como seus clientes, produtos e serviços.
  • 51. 51 Introdução A importância do significado para conceitos de empreendedorismo, e outros que possuem alguma relação com o assunto , como por exemplo Inovação. Empreender não inclui somente a criação de novas empresas, mas também, em desenvolver o espírito engenhoso do ser humano. O intraempreendedor A realidade que as empresas enfrentam hoje é um cenário em que o mercado é extremamente concorrido, e as margens de lucro apertadas tanto para e execução de produtos quanto de serviços. A necessidade de promover inovação e diferenciais competitivos somente será possível a partir da cultura do intraempreendedorismo ou empreendedorismo corporativo. REVISÃO O empreendedor A definição das principais características do empreendedor, exemplos práticos e os tipos mais comuns como o empreendedor nato, o inesperado e o serial. Como os países em desenvolvimento apresentam muitas iniciativas de empreendimentos sociais. A necessidade pode motivar um empreendedor tanto quando se tratar de desemprego, ou de dar continuidade aos negócios da família.
  • 52. 52 Cenário nacional Com crescimento significativo na última década, o setor de Micros e pequenas empresas influencia de forma direta na geração de recursos e já representa 25% do PIB nacional. Em 2012, foram responsáveis pela geração de 891,7 mil empregos. Uma em cada duas empresas é do segmento comercial e já participam intensamente como fornecedoras de bens e serviços para setores governamentais. De 2000 até 2011, o aumento real de salário nas grandes e médias empresas variou 9%, nas micros e pequenas empresas o aumento foi de 18%. O plano de negócio Um plano de negócio é um documento que descreve por escrito os objetivos de um negócio e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, diminuindo os riscos e as incertezas. Um plano de negócio permite identificar e restringir seus erros no papel, ao invés de cometê-los no mercado. O plano de negócios está dividido em duas etapas , a primeira denominada elaboração contendo todas as informações do que fazer e como fazer. Já a segunda etapa se refere à construção do seu plano de negócios que será um mapa do percurso a ser trilhado pelo empreendedor. Construção de cenários A importância de simular cenários diversos para a empresa, obtendo resultados pessimistas (queda nas vendas e/ou aumento dos custos) ou otimistas (crescimento do faturamento e diminuição despesas). Estes cenários sinalizar a necessidade de novos rumos, investimentos ou mudanças de segmento. A matriz FOFA pode ser uma ferramenta apropriada para a realização dessa análise
  • 53. 53 Objetivo O conteúdo extra abordado nesta fase do curso tem por objetivo a instrumentalização do empreendedor. Isso significa definir e explicar quais são os conhecimentos e as habilidades de que o empreendedor mais necessita para desempenhar bem a atividade. A palavra que melhor engloba esses instrumentos básicos para empreender é o planejamento, pois é deste ponto que se parte quando se consegue perceber a oportunidade e dela surge uma ideia para ser criado um empreendimento. A importância de instrumentalizar o empreendedor Uma pergunta que deve estar ocorrendo: mas quais são, afinal, os instrumentos e métodos do empreendedor? De modo bem simples, podemos responder: Planejamento e Empreendedorismo Observação da realidade: é um conjunto de ações que tem como objetivo a identificação de oportunidades. Construção da ideia de um empreendimento: consiste em um conjunto de ações para ajudar a conceber como funcionará o empreendimento que terá a finalidade de aproveitar uma oportunidade identificada. Transformação da ideia de um plano capaz de viabilizar um empreendimento, com objetivo de implementá-lo. Observação da realidade O empreendedor precisa adquirir o hábito de observar a realidade e identificar oportunidades, lendo e acompanhando notícias de diversos meios de comunicação, juntando informações e preferências detectadas em seu ambiente.
  • 54. 54 Percepção de uma oportunidade Observação da realidade: é um conjunto de ações que tem como objetivo a identificação de oportunidades Mas como podemos perceber uma oportunidade diante de observações que fazemos a respeito da realidade? Podemos dividir em duas grandes vertentes de análise da realidade, que podem ser divididas, a seguir, em: 2ª. Identificar as inadequações - Elas são causadas pela desconformidade de uma parte em relação ao todo, como: - operação: maior complexidade que as outras partes; - custo: proporcionalmente maior que as outras partes; - prazo de execução: desproporcional aos demais. 1ª. Procurar identificar insatisfações - Quais os fatores que levariam as pessoas a terem insatisfações com aquele ambiente? • Problemas de funcionamento • Complexidade de operação • Dificuldade de manutenção • Tempo de resposta maior que o aceitável • Velocidade baixa • Custo elevado
  • 55. 55 Entendendo ambientes e capturando oportunidades Compreender um ambiente é, antes de tudo, transformar a atitude distraída em curiosa e atenta, que se ocupa em ver e compreender como funciona cada sistema que está no ambiente, quais os seus pontos essenciais, quais os elementos que compõem o ambiente e como funcionam. Capturar oportunidades não é levar vantagem, mas entender melhor os desafios e ter mais informações para decidir; é compreender o que pode ser melhorado e o que pode ser substituído, caminhando para a inovação. Transformação de uma ideia em um plano para viabilizar o empreendimento. Construa o modelo de empreendimento - Consiste em descrever o que é e como funciona o empreendimento, o que vai produzir e quais os benefícios. Também deve ser dito o que vai ser vendido e como vai se sustentar. Estabeleça com clareza e detalhes o que o empreendimento vai oferecer e que tem interesse naquele fornecimento (produto, serviço, benefício etc.). Defina seu público-alvo ou mercado provável do empreendimento. Pesquise o mercado ou o público-alvo - É preciso descobrir quem são os concorrentes, o que fornecem e o grau de satisfação dos clientes deles. Por do mercado para saber e quais as condições que o empreendimento deve apresentar como diferencial competitivo. Os recursos financeiros no planejamento Neste item, vamos levantar uma questão crucial sobre a qual você já deve ter pensado. Onde se consegue o dinheiro para viabilizar a implementação do plano do empreendimento? São três as principais possibilidades: - recursos da família; - recursos de origem governamental; - recursos de investidores.
  • 56. 56 A importância de instrumentalizar o empreendedor Utilizar os recursos da família, dos amigos e do empreendedor, muitas vezes, é a solução encontrada para resolver o caso de empreendimentos pequenos ou para viabilizar a etapa inicial de um empreendimento de médio ou grande porte. Segundo pesquisas, o valor desses recursos provenientes do empreendedor e de círculo familiar tem aumentado muito. Outra fonte de financiamento pode ser com recursos de investidores anjos (business angels), fundo de capital semente e fundos de venture capital. Utilizar recursos de origem governamental - Existem algumas agências apropriadas para gerir estes recursos, estabelecendo os critérios para sua distribuição e fiscalização. Lembre-se, as principais agências são: Finep, Financiadora de Estudos e Projetos, do governo federal; as FAPS, fundações de Amparo à Pesquisa, que no estado do Rio de Janeiro se denomina Faperrj e, em São Paulo, Fapesp; demais agências de desenvolvimento regional, como bancos de investimentos governamentais. Os empreendimentos são divididos em: Empreendimentos nascentes. Empreendimento emergente ou empreendimento novo. Empreendimento consolidado ou estabelecido.
  • 57. 57 Empreendimentos segundo idade e estágio de progresso • Empreendimento nascente(start up) O período em que é considerada uma empresa nascente vai da data de sua fundação até quando consegue ter produtos e serviços, clientes , equipe de empregados, e um faturamento anual de 1 milhão, no caso de empresas de alta tecnologia. Nas outras, o faturamento anual pode cair a menos da metade desse valor. Precisa de pouco capital para iniciar sua operação, mas muito trabalho dos empreendedores. • Empreendimento emergente ou empreendimento novo (seed) É quando temos uma empresa que já fatura mais de R$ 1 milhão (se for da área tecnológica) por ano e tem produtos e serviços com aceitação de um grupo ainda pequeno de clientes. É chamada de seed, pois precisa de capital como uma semente para o seu desenvolvimento. • Empreendimento consolidado ou estabelecido É aquele que já possui um histórico de vários anos, produzindo e prestando seus serviços para um portfólio de clientes bem variado, tendo um faturamento expressivo, preferencialmente uma sociedade anônima, eventualmente com ações negociadas em bolsa de valores, o que significa que o público em geral pode ter acesso a elas. Também são denominadas assim empresas que já atingiram o ponto de perpetuidade, quando sua receita é previsível, assim como seus clientes, produtos e serviços.