Os maias intriga e cap xviii

771 visualizações

Publicada em

trabalho sobre parte dos maias

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
771
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os maias intriga e cap xviii

  1. 1. OS MAIAS
  2. 2. A SOCIEDADE PORTUGUESA Sociedade Portuguesa Literatura Portuguesa Ega Alencar Aristocracia Inglesa Craft Educação portuguesa Eusebio- zinho Alta Finança Cohen Jornalismo Palma “Cavalão” Neves Diplomacia Steinbroken Sousa Neto filhoMulher Portuguesa Alta Socied. Corrupção/ Decadência Moral Dâmaso Política Cde de Gouvarinho Administ. pública Sousa Neto Oratória “balofa” Rufino Talento Não Reconhecido Cruges
  3. 3. Vida de Pedro da Maia / Vida de Carlos da Maia intriga secundária intriga principal amores infelizes amores incestuosos • Vida dissoluta • Encontro ocasional com Maria Monforte • Procura de Mª Monforte • Encontro através de Alencar • Oposição real de Afonso à “Negreira” • Encontros e casamento • Elemento desencadeador do drama – o napolitano • Infidelidade de Maria Monforte – reações de Pedro • Encontro de Pedro com Afonso e suicídio de Pedro • Vida dissoluta • Encontro ocasional com Maria Eduarda • Procura de Mª Eduarda • Encontro através de Dâmaso • Oposição potencial de Afonso à “Amante” • Encontros e relações • Elemento desencadeador da tragédia – Guimarães • Descoberta do incesto – reações de Carlos • Encontro de Carlos com Afonso – morte de Afonso
  4. 4. O EPÍLOGO Lisboa revisitada – o passeio de Carlos e Ega (cap. XVIII) Carlos e Ega almoçam em amena cavaqueira no Hotel Bragança. Destacam-se: . A ociosidade voluntária de Ega e o seu envelhecimento . A política, uma ocupação dos inúteis . A visita do Alencar, mais velho, mas sempre com verve romântica . A visita do Cruges, mais velho, mas sempre bom compositor . O convite de Carlos para um jantarinho à Portuguesa
  5. 5. O EPÍLOGO Lisboa revisitada – o passeio de Carlos e Ega (cap. XVIII) • Largo de Camões • Nada mudara. Camões triste. • A mesmice. A estagnação. • A ociosidade Pelo Chiado Nada mudara. O Dâmaso, mais velho, mais nédio, casado e traído. O Craft, doente, alcoolizado. O Taveira sempre com espanholas. A besta do Steinbroken, em Atenas.. No Ramalhete A passagem pelo inferno: a catarse Um ar de claustro abandonado. Os móveis quebrados ou embrulhados em lençóis (morte). O famoso jardim: a ferrugem cobria os membros de Vénus Citereia; o cipreste e o cedro envelheciam juntos; a cascata – a água caía gota a gota. Ramalhete em ruína = Lisboa em ruína = Portugal em ruína Pela Avenida O obelisco; os prédios velhos mas repintados; o castelo, sórdido e tarimbeiro. A nova geração, ajanotada, ociosa… O Eusébio, casado com uma mulher que o desanca O Cavalão, tornado político. O Alencar, o único português genuíno.
  6. 6. EM SUMA:
  7. 7. O EPÍLOGO Lisboa revisitada – o passeio de Carlos e Ega (cap. XVIII) • Conclusão… Completo fracasso de Carlos e Ega: o seu permanente Romantismo – indivíduos inferiores que se governam na vida pelo sentimento e não pela razão. Contradição fundamental entre o pensar e o agir, o idealismo e o realismo – tema fundamental transversal à obra

×