Esquemas d'os maias

379 visualizações

Publicada em

esquema dos mais

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
379
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Esquemas d'os maias

  1. 1. Local de grandes soirées Esquema para completar O casamento de Pedro da Maia e Maria Monforte em Portugal Lisboa Arroios O casal tem dois filhos Espaço frequentado por amigos de Pedro: D. João da Cunha e Felicidade abalada pela traição e fuga de Maria Monforte acompanhada da filha Consequência: Pedro regressa a casa do pai, acompanhado do filho Fica entregue aos cuidados do avô, em consequência do ato cometido pelo pai: o suicídio.
  2. 2. 2 Local de grandes soirées Proposta de correção O casamento de Pedro da Maia e Maria Monforte em Itália Nápoles Roma França Paris Portugal Lisboa Arroios O casal tem dois filhos Maria Eduarda Carlos Espaço frequentado por amigos de Pedro: D. João da Cunha e Alencar Felicidade abalada pela traição e fuga de Maria Monforte acompanhada da filha Consequência: Pedro regressa a casa do pai, acompanhado do filho Fica entregue aos cuidados do avô, em consequência do ato cometido pelo pai: o suicídio.
  3. 3. Afonso e narrador valorativo Vilaça, Padre Custódio, gente da casa e de Resende Privilégio dado: • ao contacto com a natureza; • ao exercício físico; • à aprendizagem de línguas vivas (inglês); • à criatividade e ao juízo crítico; • ao rigor, método e à ordem; • ao dever em detrimento da vontade. Privilégio dado: Esquema para completar FECHADA A CASA DE BENFICA (cap. II), Afonso da Maia parte com o neto para a Quinta de Santa Olávia Educação de Carlos Educação de Eusebiozinho ministradapor Mr. Brown aprovam contestam Privilégio dado: • MODELO DE EDUCAÇÃO BRITÂNICA (MODERNA) Lema orientador: “alma sã em corpo são”
  4. 4. 4 Afonso e narrador valorativo Vilaça, Padre Custódio, gente da casa e de Resende Privilégio dado: • aos espaços interiores/fechados • à memorização • à aprendizagem de línguas mortas (latim) e do catolicismo • à superproteção por figuras femininas • chantagememocional •(…) Proposta de correção FECHADA A CASA DE BENFICA (cap. II), Afonso da Maia parte com o neto para a Quinta de Santa Olávia Educação de Carlos Educação de Eusebiozinho ministradapor Mr. Brown ministrada pela mamã e abade Custódio aprovam desaprovam contestam aprovam MODELO DE EDUCAÇÃO BRITÂNICA (MODERNA) EDUCAÇÃO TRADICIONAL PORTUGUESA Lema orientador: “alma sã em corpo são” Lema orientador: superproteção e valorização/reprodução do saber livresco. Privilégio dado: • ao contacto com a natureza; • ao exercício físico; • à aprendizagem de línguas vivas (inglês); • à criatividade e ao juízo crítico; • ao rigor, método e à ordem; • ao dever em detrimento da vontade.
  5. 5. Ponto inicial da narrativa: Outono de 1875 (cap. I, pp. 5-12) Esquema para completar O trabalho realizado até ao momento com o romance queirosiano Os Maias permitiu-lhe: • detetar a incidência do narrador emtrêsgeraçõesda família Maia: • reconhecer movimentos temporais enquanto técnica de construção narrativa: Juventude de Afonso (cap. I, pp. 13-17) Infância e juventude de Pedro (caps. I e II) Infância e juventude de Carlos (caps. III e IV, até à pág. 95) Retoma: “Chegara esse Outono de 1875: …” (cap. IV, p. 95) • identificar/apresentar a funcionalidade de três espaços geográficos: Santa Olávia Coimbra Lisboa • reconhecer indícios para um fundo trágico na ação, tendo em conta a simbologia de alguns elementos presen- tes no jardim do Ramalhete, nomeadamente: • identificar fatores que condicionam o percurso das personagens (abordado o caso particular de Pedro da Maia):
  6. 6. 6 analepse Ponto inicial da narrativa: Outono de 1875 (cap. I, pp. 5-12) Proposta de correção O trabalho realizado até ao momento com o romance queirosiano Os Maias permitiu-lhe: • detetar a incidência do narrador emtrêsgeraçõesda família Maia: Afonso da Maia Pedro da Maia Carlos da Maia • reconhecer movimentos temporais enquanto técnica de construção narrativa: Juventude de Afonso (cap. I, pp. 13-17) Infância e juventude de Pedro (caps. I e II) Infância e juventude de Carlos (caps. III e IV, até à pág. 95) Retoma: “Chegara esse Outono de 1875: …” (cap. IV, p. 95) • identificar/apresentar a funcionalidade de três espaços geográficos: Santa Eulália Coimbra Lisboa Infância e educação de Carlos Estudos liceais e universitários de Carlos – vida de boémia de Carlos ; conhecimento de Ega Contacto de Carlos com a aristocracia, instalação do consultório e relacionamento com Maria Eduarda • reconhecer indícios para um fundo trágico na ação, tendo em conta a simbologia de alguns elementos presen- tes no jardim do Ramalhete, nomeadamente: Estátua de Vénus mesa de pedra fonte cipreste • identificar fatores que condicionam o percurso das personagens (abordado o caso particular de Pedro da Maia): educação hereditariedade meio
  7. 7. Esquema para completar • caracterizar a atitude de Afonso face à: … educação do filho Pedro … educação do neto Carlos • comparar os aspetos relevados na caracterização de Maria Monforte e Maria Eduarda: Maria Monforte Maria Eduarda • salientar aspetos caracterizadores do ambiente de Arroios, frequentado por Pedro da Maia e Maria Monforte: • explicar a influência antagónica de Maria Monforte em dois momentos do percurso de vida de Pedro da Maia: Depois da morte da “mamã” • distinguir modelos educacionais tipificados que evidenciam a formação de personalidades distintas (cf. página 178) • caracterizar Carlos a partir das situações vividas, em Coimbra e no estrangeiro: Interesses académicos: Grupos de amigos: Primeiros amores:
  8. 8. 8 Proposta de correção • caracterizar a atitude de Afonso face à: … educação do filho Pedro Inconformismo, desânimo, alheamento, … … educação do neto Carlos Promoção, envolvimento, empenhamento … • comparar os aspetos relevados na caracterização de Maria Monforte e Maria Eduarda: Maria Monforte Maria Eduarda “senhora loura” de “carnação ebúrnea”, com “for- mas de estátua”; “atitude de deusa insensível”, “olhos azuis” “senhora alta, loura” com o esplendor da sua “car- nação ebúrnea”; dava um passo soberbo de deusa, “reflexo de cabelos de ouro” • salientar aspetos caracterizadores do ambiente de Arroios, frequentado por Pedro da Maia e Maria Monforte: luxo prazeres mundanos futilidade ociosidade • explicar a influência antagónica de Maria Monforte em dois momentos do percurso de vida de Pedro da Maia: Depois da morte da “mamã” Após a revelação da traição Atração; paixão; apaziguamento do sofrimento Angústia; dor; sofrimento; desânimo; destruição total (suicídio) • distinguir modelos educacionais tipificados que evidenciam a formação de personalidades distintas (cf. página 178) • caracterizar Carlos a partir das situações vividas, em Coimbra e no estrangeiro: Interesses académicos: Medicina; arte; investigação e literatura. Grupos de amigos: João da Ega, o grande amigo, e um conjunto de revolucionários que começaram a frequentar os “Paços de Celas”, onde havia discussões metafísicas. Primeiros amores: Hermengarda, relacionamento adúltero.
  9. 9. In Com textos

×