Agentes externos transformadores da paisagem

1.965 visualizações

Publicada em

agentes que transformam a paisagem

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Agentes externos transformadores da paisagem

  1. 1. Agentes externos transformadores da paisagem
  2. 2. O relevo terrestre, apesar de aparentemente estático, é dinâmico e está em constante transformação. Tal dinâmica deve-se aos processos internos e externos que contribuem para que essa dinâmica aconteça. Os agentes transformadores do relevo são classificados conforme a origem de suas ações, aqueles que atuam sobre a superfície são chamados de agentes exógenos ou externos.
  3. 3. A energia solar é a principal responsável pela dinâmica das forças externas, que desencadeia fenômenos hidrológicos e atmosféricos. São agentes modeladores da paisagem: chuva, vento, correntes marítimas, neve etc. São os responsáveis pela erosão, transporte e deposição.
  4. 4. Decomposição (intemperismo) O Intemperismo é um processo que resulta em alterações físicas e químicas nas rochas e em seus minerais. Os principais fatores que geram esse processo são o clima e o relevo. Esse processo de transformação também pode ser chamado de decomposição. Existem dois tipos de Intemperismo, o químico e o físico.
  5. 5. Químico: Quebra da estrutura química dos minerais que compõe a rocha ou sedimento (material de origem). As rochas, então, sofrem um processo de decomposição. A intensidade deste intemperismo é relacionada com a temperatura, pluviosidade e vegetação, ocorrendo principalmente nas regiões intertropicais.
  6. 6. Físico: Desagregação ou desintegração do material de origem (rocha ou sedimento) sem que haja alteração química dos minerais constituintes. Ele, portanto, causa uma desagregação de fragmentos cada vez menores, conservando as características de seus minerais. Em regiões desérticas e de clima semiárido esse processo é mais intenso.
  7. 7. Transporte É a fase em que os sedimentos que sofreram intemperismo são levados de um local até outro através dos fenômenos hidrológicos e atmosféricos.
  8. 8. Deposição Quando os agentes erosivos não têm mais energia para transportar os sedimentos criam-se áreas de deposição ou sedimentação. Um exemplo de deposição são os deltas de rios, onde os sedimentos trazidos pela água são depositados em grande quantidade, possibilitando a formação de ilhas e canais, porém, esse processo é muito lento.
  9. 9. Erosão Erosão é o processo de intemperismo, transporte e deposição dos sedimentos, com efeito da ação dos agentes erosivos. De acordo com sua origem, o processo erosivo pode ser classificado em erosão pluvial, erosão fluvial, erosão marinha, erosão eólica e erosão glacial.
  10. 10. Erosão Pluvial Essa erosão é devida a enxurradas e deslizamentos. As enxurradas formam valetas e buracos, que com o tempo podem atingir vários metros de profundidade. Quando os solos estão “limpos”, ou seja, sem vegetação, os efeitos da erosão pluvial são mais graves.
  11. 11. Erosão fluvial É a ação das águas dos rios. Ocorre em partes onde a declividade do terreno é maior e o escoamento é mais rápido, desgastando o relevo e aumentando a profundidade e a largura dos cursos da água.
  12. 12. Erosão marinha Causada pelo desgaste de rochas e solos litorâneos pela água do mar, contribuindo para a formação de praias e de paisagens costeiras, tais como as falésias (paredões íngremes encontrados no litoral).
  13. 13. Erosão eólica É causada pela ação dos ventos, que provoca o intemperismo das rochas e também atua no transporte de sedimentos para zonas mais distantes dos pontos de erosão. Pode acontecer também quando partículas de areia suspensas no ar colidem com outras rochas. Costuma ser um processo mais lento do que os demais que envolvem a ação da água.
  14. 14. Erosão glacial Essa erosão ocorre pelo movimento das geleiras provocando o desgaste das rochas. Nas regiões onde a precipitação da neve é maior que a água que derrete, as geleiras formam vales nas encostas das montanhas. Quando a geleira aumenta de peso e volume, desliza montanha abaixo, carregando as rochas da superfície e aprofundando vales.
  15. 15. Fontes:  http://meioambiente.culturamix.com/natureza/intemp erismo-processo-fisico-e-quimico  http://www.brasilescola.com/geografia/intemperismo. htm  http://www.brasilescola.com/geografia/erosao.htm  http://www.mundoeducacao.com/geografia/erosao.ht m  GOOGLE IMAGENS
  16. 16. Centro de Educação Objetivo Professor: Alex Carniel Aluno: João Pedro Schmitz Série: 1 ano do E.M. Matéria: Geografia Pinhalzinho – SC 23/06/2014

×