Heroína (Drogas Ilícitas)

213 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre a droga Heroína, derivada do ópio.
Trabalho realizado por: Joana Iria, João Nuno e Kira Tanganho.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
213
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Heroína (Drogas Ilícitas)

  1. 1. Heroína Trabalho realizado por: Joana Iria nº16 João Nuno nº19 Kira Tanganho nº24 Turma: 9ºB
  2. 2. Índice  História…………………………………………………….Pág.3/4  Aspetos farmacológicos……………………………...... Pág.5/6  Vias de administração…………………………….……. Pág.7/8  Opinião…………………………………………………… Pág.9
  3. 3. História  No século XIX, existia um elevado número de dependentes, que regularmente consumiam excessivamente morfina, o que deu origem à necessidade de encontrar uma nova substância que não gerasse dependência, mas que tivesse igual poder analgésico.  Um laboratório prestigiado alemão (Bayer) acreditou ter encontrado o produto desejado em 1879, sendo aprovado e registado em 1898.
  4. 4.  Foi então criada a heroína (droga artificial de nome derivado da palavra alemã heroish, que significada poderoso). Esta droga provocava grandes efeitos, apenas com pequenas doses.  Primeiramente, foi utilizada na indústria dos fármacos, sendo considerada, mais tarde, uma droga ilegal.
  5. 5. Aspetos farmacológicos  A heroína é absorvida no trato gastrointestinal, nos pulmões, mucosa nasal e por injeção intramuscular ou subcutânea.  Algum tempo após o consumo de heroína, o sujeito começa a sentir uma grande sensação de euforia, sonolência, tranquilidade; estes são denominados efeitos de curto prazo.  Comichão na pele, inibição da hormona que liberta a gonadotropina , diminuição dos níveis do fator de libertação da corticotropina (que diminui os níveis de plasma do corpo humano); na mulher produzem-se ciclos menstruais irregulares, estes são exemplos de efeitos a médio prazo, originados pelo consumo da droga.
  6. 6.  A dependência é o maior efeito a logo prazo provocado pela heroína. Outro efeito a longo prazo é o Síndrome de abstinência (que é o desejo de consumo, inquietação e irritabilidade e hipersensibilidade à dor).
  7. 7. Vias de Administração Durante muito tempo, a heroína foi consumida por via intravenosa. Preparar a injeção de heroína transformou-se num ritual: coloca-se o pó numa colher ou noutro objeto semelhante, em seguida, coloca-se água e umas gotas de sumo de limão e, por fim, coloca-se sobre uma fonte de calor para facilitar a sua dissolução.
  8. 8.  Depois de se obter esta solução coloca-se um pedaço de algodão ou um filtro de cigarro, filtrando as impurezas, antes de inserir a solução na seringa.  Esta droga também pode ser inalada ou fumada (torna-se mais fácil e rápido, se se puser a heroína num papel de estanho sobre uma fonte de calor).
  9. 9. Opinião  Em nossa opinião, esta droga deveria continuar a ser ilegal, pois os seus efeitos secundários não são benéficos.
  10. 10. Opinião  Em nossa opinião, esta droga deveria continuar a ser ilegal, pois os seus efeitos secundários não são benéficos.

×