Modelo Sistémico da Memória
Córtex Cerebral: lobo frontal, lobo parietal, lobo
occipital, lobo temporal
A Memória consiste na retenção e capacidade de recuperação de
informação, experiências pessoais e processos tais como hábi...
É universalmente aceite a existência de dois níveis de
memória: memória de curto-prazo e memória de longo-
prazo.
Um Model...
Memória de Curto-Prazo: Modelo Funcional
Armazenamento imagens
Informação Codificada
Memória Espacial
Processador Central
...
Memória de Longo-Prazo
Procedimental
Episódica
Semântica
Armazena informação do tipo declarativo: factos e
acontecimentos. O nome provém de se poder explicitamente
“solicitar” ao ...
Armazena conhecimento referente ao “modo de fazer”, não
estando relacionada com a evocação consciente de
informação. Este ...
Propriedades da Memória de
Curto-Prazo
A memória de trabalho (MCP) é responsável pelo armazenamento de
informação (verbal,...
Memória de Curto-Prazo: Duração
?
A informação no seio da MCP decai (i.e. é
esquecida) muito rapidamente a menos que seja
...
Memória de Curto-Prazo: Reforço da Duração
A A A Repetição/Repassagem (Rehearsal)
Método de transferência de informação da...
Memória de Curto-Prazo: Capacidade
Limitações
Quantidade de informação a reter
Quantidade de informação a processar
Difíci...
Memória de Curto-Prazo: Reforço da Capacidade
A segmentação da informação segundo uma
dada lógica permite aumentar a capac...
Memória de Curto-Prazo: Interferências
Fenómenos de interferência contribuem igualmente para a
ocorrência de esquecimento....
Propriedades da Memória de
Longo-Prazo
O Reconhecimento
compara o estímulo
externo com informação
previamente armazenada
n...
Modelo Sistémico da Memória
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Modelo Sistémico da Memória

673 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
673
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modelo Sistémico da Memória

  1. 1. Modelo Sistémico da Memória Córtex Cerebral: lobo frontal, lobo parietal, lobo occipital, lobo temporal
  2. 2. A Memória consiste na retenção e capacidade de recuperação de informação, experiências pessoais e processos tais como hábitos, procedimentos ou aptidões. Nota: Não existe presentemente qualquer modelo universalmente aceite do funcionamento da memória. Memória Estudos recentes no campo das neurociências apontam para que a construção de memória seja realizada através de um processo distribuído (ocorrendo em diferentes partes do cérebro) de codificação coordenada de conexões neuronais. A recuperação do evento memorizado processar-se-á através da activação do circuito neuronal envolvido no processo de memorização do evento em questão, originando por esta via uma “imagem” cerebral correspondente à que activou o cérebro aquando da memorização. Informação que persiste no cérebro durante um certo intervalo de tempo...
  3. 3. É universalmente aceite a existência de dois níveis de memória: memória de curto-prazo e memória de longo- prazo. Um Modelo para a Memória Memória de curto-prazo: armazena temporariamente a informação percepcionada e a que for gerada no decurso de processos mentais. Memória de longo-prazo: armazena conhecimento num horizonte temporal dilatado – factos, interacções e ideias. Memória imediata Memória de trabalho Informação Memória de Curto-Prazo Memória Declarativa Memória Procedimental Memória de Longo-Prazo Evocação ReconhecimentoCodificada
  4. 4. Memória de Curto-Prazo: Modelo Funcional Armazenamento imagens Informação Codificada Memória Espacial Processador Central Controlador Central Memória de Trabalho Informação recuperada (cognição, para longo prazo)(Sensorial, de longo-prazo) Armazenamento fonológico Anel Articulatório Memória Verbal Evocação de InformaçãoAtenção Sensorial (exteroceptiva/ propioceptiva) (de Longo-prazo) Informação Codificada (Sensorial, de longo-prazo) Informação Recuperada (cognição, para longo prazo) Recuperação Recuperação Evocação, Cognição Evocação, Cognição Memória Espacial Armazém de “imagens” cerebrais de eventos passados: A informação é armazenada de forma codificada segundo um modelo analógico espacialmente distribuído. Memória de Trabalho Processador onde se desenrolam as operações mentais; Controlador responsável pela gestão de toda a actividade cognitiva. Memória Verbal “Depósito” fonológico onde a informação é representada num código linguístico particular (palavras, sons); “Anel articulatório” através do qual as palavras são articuladas (verbalizadas) ou os sons.
  5. 5. Memória de Longo-Prazo Procedimental Episódica Semântica
  6. 6. Armazena informação do tipo declarativo: factos e acontecimentos. O nome provém de se poder explicitamente “solicitar” ao nosso cérebro para que estabeleça uma relação entre um par de estímulos. Exemplo: Qual a capital de Portugal? Lisboa Memória Declarativa (Explícita) Memória Semântica: associada a factos descontextualizados – permite a codificação de conhecimento abstracto acerca do mundo. Exemplo: Lisboa é a capital de Portugal. Memória Episódica: associada a informação referente a um contexto particular, como seja Tempo ou Local. É utilizada na memorização de vivências pessoais, como sensações, emoções e associações pessoais relativas a um lugar particular ou momento. Exemplo: O Rock in Rio – Lisboa foi fabuloso.
  7. 7. Armazena conhecimento referente ao “modo de fazer”, não estando relacionada com a evocação consciente de informação. Este tipo de memória é frequentemente de difícil verbalização. Exemplos de aprendizagem procedimental Memória Procedimental (Implícita) A memória do tipo procedimental é normalmente de longa duração!
  8. 8. Propriedades da Memória de Curto-Prazo A memória de trabalho (MCP) é responsável pelo armazenamento de informação (verbal, espacial, etc.) operando manipulações cognitivas sobre esta informação. (Christodoulou et al, 2001) VerbalEspacial VerbalEspacial Visual Auditivo Memória de Trabalho Código de Representação Impressão Imagens Sonoridade Fala InformaçãoSensorial
  9. 9. Memória de Curto-Prazo: Duração ? A informação no seio da MCP decai (i.e. é esquecida) muito rapidamente a menos que seja reactivada. 100% 0% Tempo de Retenção [s] GraudeRetenção O volume de informação a recordar influencia significativamente a capacidade de memorização (paradigma de Brown-Peterson). A duração da MCP ronda os 20 segundos. Curva de Esquecimento
  10. 10. Memória de Curto-Prazo: Reforço da Duração A A A Repetição/Repassagem (Rehearsal) Método de transferência de informação da memória de curto-prazo para a memória de longo-prazo. Envolve uma repetição ou pensamento vocal ou sub-vocal do estímulo; A duração do processo aumenta a probabilidade de registo na memómia de longo-prazo; A recuperação é efectuada através da memória de longo-prazo. Contribui para a preservação da informação!
  11. 11. Memória de Curto-Prazo: Capacidade Limitações Quantidade de informação a reter Quantidade de informação a processar Difícil... T???........ Exemplo Tentem lembrar-se da seguinte sucessão de letras: TAPUNLSLBSPCCPU
  12. 12. Memória de Curto-Prazo: Reforço da Capacidade A segmentação da informação segundo uma dada lógica permite aumentar a capacidade de informação retida, técnica conhecida por Chunking. TAP ???? O agrupamento de informação é efectuado por Associação física (afastamento/junção de letras letras/números ) Associação cognitiva (agrupamento de letras/números com algum significado) A memória de trabalho está limitada a 7±2 grupos (tramos) (Miler, 1956); TAP UNL SLB SPC CPU
  13. 13. Memória de Curto-Prazo: Interferências Fenómenos de interferência contribuem igualmente para a ocorrência de esquecimento. Tipos de Interferência Interferência sincrónicas: por concorrência de tarefas na memória de trabalho; Interferências diacrónicas: por excertos informação adquirida em instantes diferentes. A entrada de outra informação eventualmente não correlacionada obscurece ou substitui informação menos recente, interferindo com a informação que desejamos evocar (relembrar). Ex. Encontram-se numa esplanada a falar com uns amigos. Em dado momento pretendem acrescentar algo sobre o tema em discussão. Entretanto toca o telefone e após o fim da chamada a ideia que queriam transmitir volatilizou-se por completo.
  14. 14. Propriedades da Memória de Longo-Prazo O Reconhecimento compara o estímulo externo com informação previamente armazenada na memória. A Recordação recupera informação previamente memorizada sem recurso a estímulos externos (apenas por activação da mente). Memória L-P Memória L-P

×