Avaliação no ensino universitário

2.088 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.088
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
65
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliação no ensino universitário

  1. 1. AVALIAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA UNIVERSITÁRIA Denise Puglia Zanon Maiza Taques Margraf Althaus Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  2. 2. PROPOSTA Levantamento inicial: concepções prévias sobre o tema Exposição dialogada Produção (Oficina) em pequenos grupos (leitura, análise e discussão de Instrumentos Avaliativos) Conclusão dos trabalhos / encaminhamentos Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  3. 3. POR QUE AVALIAÇÃO? A avaliação deve servir para intervir, modificar e melhorar o trabalho pedagógico. Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  4. 4. PARA ESTUDAR A AVALIAÇÃO partir da prática - ter a prática como desafio para a transformação refletir sobre a prática - através da reflexão coletiva, buscar subsídios para conhecer as contradições da prática transformar a prática - atuar, coletiva e organizadamente, sobre a prática, procurando transformá-la Vasconcellos, C. Avaliação ...1994, p.21 Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  5. 5. Que instrumentos avaliativos são mais pertinentes aos processos de ensino e aprendizagem no ensino superior? Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  6. 6. Modalidades de avaliação SOMATIVA DIAGNÓSTICA Classificatória Investigativa Final Ponto de partida Quantifica FORMATIVA Processual Acompanhamento Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  7. 7. ALGUNS INDICATIVOS A PARTIR DE NOSSAS EXPERIÊNCIAS • “ é preciso reconstruir toda a prática a partir de um novo paradigma teórico ” (Telma Weisz) • é necessário romper com a idéia de avaliação como uma prática esporádica ou circunstancial; Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  8. 8. ALGUNS INDICATIVOS A PARTIR DE NOSSAS EXPERIÊNCIAS • envolver os acadêmicos na própria avaliação, rompendo com a cômoda situação do simples conhecimento das notas obtidas; •utilizar as avaliações do ensino feitas pelos estudantes (exemplo: ficha de avaliação do Estágio Probatório) Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  9. 9. ALGUNS INDICATIVOS A PARTIR DE NOSSAS EXPERIÊNCIAS • Estabelecer o contrato didático no início do ano / ou de cada atividade proposta/ por assinaturas em protocolos • Discutir os critérios de avaliação de cada instrumento (trabalhos, seminário, etc) Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  10. 10. ALGUNS INDICATIVOS A PARTIR DE NOSSAS EXPERIÊNCIAS • adotar fichas de registro de acompanhamento da aprendizagem • alunos elaborarem sugestões de questões • dedicar aulas para discussão/retomadas após avaliação Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  11. 11. ALGUNS INDICATIVOS A PARTIR DE NOSSAS EXPERIÊNCIAS • debater com os alunos a relação entre avaliação e ensino • oportunizar a prática da auto-avaliação, apresentando ROTEIROS (individual / oral / escrito avaliação da disciplina / do aluno, do professor) • para tal, é imprescindível diversificar os INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br
  12. 12. Instrumentos de avaliação • Prova oral • Prova descritiva • Prova objetiva • Prova prática (prático-oral ou estágio) • Prova criativa (de livro aberto ou com consulta de fontes) • Produções individuais ou coletivas (trabalhos, pesquisas, seminários, relatórios, TCC, etc) • Portfólio, Webfólio Slides Zanon e Althaus, 2008. Disponível em www.maiza.com.br

×