Pratica1 sincronas

155 visualizações

Publicada em

Práticas máquinas síncronas

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
155
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pratica1 sincronas

  1. 1. ESP1020 – Máquinas Síncronas Trabalhos de Laboratório Objetivos dos trabalhos práticos de laboratório: 1) Confirmação de raciocínios adotados e expressões obtidas em aulas teóricas; 2) Desenvolver a capacidade do aluno na montagem de circuitos elétricos esquematizados; 3) Possibilitar ao aluno o manuseio de equipamentos e aparelhos de diversas procedências; 4) Familiarizar o aluno com as grandezas típicas de eletrotécnica, pela constante utilização destas; 5) Um circuito elétrico raramente funciona exatamente como foi projetado, visto que nem sempre se pode levar em conta na teoria, todas variáveis que existem na prática. Para exemplificar podemos citar os erros nas medições, nas leituras, etc. Mesmo não coincidindo os resultados obtidos na prática com os teóricos, deve o aluno esforçar-se para aproximá-los o mais possível e justificar o porque dos resultados serem discrepantes. Como proceder no laboratório: a) Na utilização dos instrumentos: - Escolher o instrumento adequado, atendendo os seguintes quesitos: 1) Verificar se a escala do aparelho comporta a grandeza a ser medida; 2) Verificar o tipo de corrente: se for continua ou alternada; 3) Verificar a freqüência de trabalho; 4) Verificar se a precisão do instrumento é suficiente; 5) Selecionar os instrumentos de modo que as leituras sejam feitas de 30% da deflexão máxima; b) Na proteção da aparelhagem: 1) Os aparelhos para medidas elétricas são; quanto mais sensíveis, mais acurados. Portanto devemos protegê-los de batidas, quedas, etc. 2) Não devem ser feitas ligações com o circuito energizado; 3) Os instrumentos operados a corrente (amperímetro, watímetro, etc.) devem ter suas bobinas de corrente ligadas em serie com o circuito. 4) Os instrumentos operados a tensão (voltímetros) devem ter suas bobinas de tensão ligadas em paralelo no circuito. 5) Ao ligar pela primeira vez o circuito (que não contenha informação quanto às grandezas, tensão e corrente), por medida de precaução, manter todos os instrumentos na maior escala possível. Ligações nos circuitos e coleta de dados: 1) As ligações entre os diversos instrumentos e maquinas devem ser feitas com cuidado, visando colocar os instrumentos na ordem do esquema de ligações Prof.: Geomar Machado Martins
  2. 2. ESP1020 – Máquinas Síncronas (circuito) e os fios utilizados para a interligação dos aparelhos devem ser firmemente conectados aos parafusos ou fendas a fim de assegurar um bom contato e continuidade do circuito; 2) Caso não seja dado um esquema de ligações é aconselhável que o aluno o faça a fim de simplificar a montagem; 3) Depois de completado o circuito, este deve ser revisado (se possível por um aluno que não tenha efetuado a montagem), antes de energizá-lo; 4) Em levantamentos de curvas, tomar o número de pontos, tal que defira de uma precisão satisfatória a curva e seus pontos críticos. Relatório: - Deverá ser feito relatório de cada aula pratica e este relatório devera ser entregue ao professor no prazo fixado. Itens do relatório: 1) Número e descriminação da experiência; 2) Nome do aluno a data; 3) Instrumentos utilizados; 4) Aparelhos e máquinas utilizados; 5) Esquema das ligações efetuadas; 6) Quadro com dados obtidos; 7) Curvas ou diagramas: deverá o aluno traçar as mesmas em papel milimetrado, escolhendo uma escala adequada; 8) Conclusão final: constará de um resumo teórico comentando os resultados obtidos, as dificuldades encontradas e as explicações e justificativas para os resultados discordantes. Prof.: Geomar Machado Martins
  3. 3. ESP1020 – Máquinas Síncronas MÁQUINAS SÍNCRONAS: PRÁTICA 01 Ensaio de Saturação em Vazio (Norma NBR5052). I) Introdução Objetivo Determinar a relação entre a FEM gerada e a corrente de excitação de campo de uma máquina síncrona, com os terminais em aberto (isto é, sem corrente na armadura). Desenvolvimento Teórico A característica em vazio V = f(If) é a curva que mostra as qualidades do sistema indutor da máquina. Segundo a ABNT (MB 470, seção 3.17, 3,1), este ensaio pode ser realizado de 02 formas diferentes: 1) Como gerador em vazio; 2) Como motor em vazio. No experimento que realizaremos, faremos a máquina funcionar como gerador em vazio. Organizando o que está escrito na norma MB 470, podemos estabelecer as seguintes observações: a) a excitação deve ser modificada gradualmente; b) deve-se partir dos valores mais altos para os mais baixos de corrente de campo (a norma americana diz o contrário). c) Os pontos devem ser distribuídos uniformemente. d) O primeiro valor medido de tensão não deve ser inferior a 1,3 vezes a tensão nominal. Se possível, deve corresponder à excitação nominal. e) A corrente de campo deve ser reduzida gradualmente até que a tensão seja 0,2 da tensão nominal, salvo se a tensão residual for maior. f) Por último, deve-se medir a tensão residual. g) Durante todo o ensaio, a corrente de campo deve sempre diminuir. Nunca se deve aumentar a corrente. 1) Montar o circuito abaixo: 2) Aplicar várias tensões ao campo e anotar as leituras dos aparelhos (If e V) (corrente de campo máxima 0,6A); Prof.: Geomar Machado Martins
  4. 4. ESP1020 – Máquinas Síncronas MV A C D 220 Vcc 3) Calcular, para cada conjunto de leituras, o valor da resistência de campo. Rc=V/If 4) Fazer a média aritmética das resistências calculadas, e está será o valor real da resistência do campo; b) Medida da resistência da armadura mais interpólos: 1) Montar o circuito abaixo; MV G H 220 Vcc A A B 2) Com as cargas desligadas, energizar o circuito; 3) Ligar a primeira carga e anotar a leitura dos aparelhos (Ia e V); 4) Ligar outras cargas, anotando a leitura dos aparelhos, ate a corrente nominal da máquina; 5) Calcular para cada conjunto de leituras, o valor da resistência da armadura (Ra). Ra=V/Ia 6) Fazer a media aritmética das resistências calculadas e este será o valor real da resistência da armadura. Prof.: Geomar Machado Martins

×