SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Instituto de Ciências Sociais
Discente: João Paulo Cardoso
DEMOCRACIA E DITADURA
A democracia na teoria das formas de governo
• Da idade clássica a hoje o termo democracia foi sempre empregada para designar
uma das formas de governo;
• A teoria e a tipologia das formas de governo é o lugar a qual se coloca discussão,
sobre: opinião, características, virtudes e defeitos da democracia;
• Democracia desde que pertence a um sistema de símbolos, que constitui a teoria
das formas de governo. Qualquer discurso sobre democracia não pode abrir mão
de determinar as relações entre democracia e as outras formas de governo, pois
somente assim é possível individualizar seu caráter específico;
• A democracia não pode ser compreendida em sua natureza específica senão em
relação aos demais conceitos do sistema, dos quais delimita a extensão e é por
ele delimitado.
Uso descritivo da Democracia
• Em seu sentido clássico: uma das três possíveis formas de governo. Em uma
tipologia classifica com base no diverso número de governantes;
• Platão e Aristóteles trazem a discussão com relação ao número de governante e,
mais especificamente Aristóteles, abre conversação a respeito do modo de
governar;
• A tripartição: Reino(monarquia), Aristocracia, Democracia.
• Substituição para bipartição aconteceu com: o reagrupamento democracia e
aristocracia numa espécie contraposta à espécie monarquia, ou reagrupando
aristocracia e monarquia em contraposição a democracia;
• Acabou por prevalecer na teoria política contemporânea a distinção primária e
fundamental entre democracia e autocracia(governo baseado na restrição das
liberdades dos governados);
Kelsen foi um jurista e filósofo austríaco, considerado um dos mais
importantes e influentes estudiosos do Direito.
Ele foi responsável por difundir e consolidar a bipartição – democracia e autocracia –
fundada no critério de número. Desta maneira “democracia e aristocracia podem ser
consideradas como uma única espécie sob o nome compreensivo de república”. Kelsen
serve-se da distinção entre autonomia e heteronomia(m princípio estranho à razão, a lei a que
se deve submeter), aplicando entre democracia – forma de governo em que as leis são feitas
aos quais ela se aplicam, sendo precisamente normas autônomas - e para autocracia - forma
de governo que fazem as leis diferentes daqueles para quem são destinadas, sendo
precisamente heteronomia.
Já em uma outra classificação nascida no Estado moderno absorve Democracia no conceito
mais geral de república. Já para monarquia e aristocracia no mais geral de autocracia.
Uso prescritivo da Democracia
• Será considerada com sinal positivo ou negativo. Além de disputa em torno da
melhor forma de governo;
• A discussão levantada por Hérodoto em uma história contada por ele levanta três
formas de governo – monarquia, aristocracia e democracia – há disputa por
defender as formas. Entretanto, se colocado em escala a democracia sairia por
último;
• Com Pércicles, a democracia, traz traços de forma boa de governo, na qual
prevalece não este ou aquele, mas o mérito;
• Com Platão, a democracia, é uma forma degenerada que leva a tirania. A
democracia sendo não o governo do povo, mas dos pobres contra os ricos. A
democracia tem como principio a liberdade, mas, se não houver freios pode se
converter em Desregramento de costume e de comportamento.
- Com Aristóteles, a democracia, pode aparecer tanto como uma forma boa, como
má; também define democracia como governo dos pobres;
- Para Aristóteles, a democracia em sua forma boa, o povo “chama para si o
cuidado com o interesse público”, em sua forma má – oclocracia – “a multidão,
habituada a consumir os bens alheios e a viver as custas do próximo (...) usa a
violência;
- Seu uso prescritivo também se estende se ela é melhor ou pior em um
ordenamento axiológico(segundo seu valor) das constituições.
- As mesmas discussões acompanham os clássicos do pensamento político
moderno, que acompanham o surgimento e a consolidação dos grandes Estados
territoriais com predomínio monárquico;
- Embate entre EX PARTE PRINCIPIS e EX PARTE POPULI. Estes que fazem
parte dos escritores políticos para expor o próprio pensamento.
• É sempre uma disputa entre dois contendores que se colocam dois pontos de
vista opostos para analisar e avaliar o mesmo fenômeno;
• No desenvolvimento da discussão a respeito da dicotomia entre democracia e
autocracia, o que fica subtendido é a liberdade;
• O defensor da democracia busca a eliminação da figura do governante como
figura separada da do governado;
• Com Rousseau trata o tema liberdade como autonomia;
• O autogoverno na medida em que a democracia avançava, aquela perdia força.
Assim, um dos reflexos imediatos é o ganho em direitos político;
• Dois argumentos em favor da democracia: primeiro “quem detém o poder tende
a dele abusar; segundo “o povo não pode abusar contra si mesmo”;
Uso histórico da Democracia
• É preciso distinguir as filosofias da história: regressiva, progressiva e
cíclicas;
• As formas de governo é utilizada como um mecanismo de analise de
interpretação histórica;
• Vico: a diferença essencial marca a idade dos homens;
• Montesquieu: marca por sua discussão sobre as formas de governo;
• Hegel: “O povo, considerado sem o seu monarca e sem organização
necessariamente e imediatamente conectiva da totalidade, é a
multidão informe, que não é mais Estado, à qual não cabe mais
nenhuma das determinações que existem apenas na totalidade
formada em si.
A democracia dos modernos
• Argumento Clássico: apenas possíveis em pequenos Estados;
• Ruptura com os clássicos se apresentam os FEDERALISTAS;
• Democracia direta é Democracia representativa;
• Governo Representativo alternativa que resolveu grandes discussões sobre
forma boa ou má, e ao mesmo tempo como maneira de resolve a questão de
Montesquieu e a territoriedade;
• Tocqueville reconhece a autenticidade da democracia dos moderno do novo
Estado no novo mundo. Com isso escreve que a América tinha resolvido da
liberdade democrática em que a Europa se encontrava;
• A democracia moderna é pluralista
• Livre associacionismo em favor do bem público
Democracia representativa e democracia direta
• Depois da 1º guerra mundial, a historia da democracia vai coincidir com a
afirmação dos Estados representativos na Europa;
• A tipologia das formas de governo vão se simplificando;
• Conhece-se um processo de democratização ao longo de duas linhas: sufrágio
universal e associacionismo político até a formação de partidos de massa e
reconhecimento de função pública;
• Sucessíveis alargamento dos direitos políticos;
• A democracia direta passa cada vez mais se torna secundária dentro da
representativa;
• A democracia representativa é vista pelos simpatizantes da democracia socialista
como uma forma imperfeita;
Democracia política e democracia social
• Levanta a seguinte pergunta: é possível existir um Estado democrático em uma
sociedade a qual a maior parte das instituições não são governadas
democraticamente?
• A democracia política permite considerar os individuo como cidadão, já a social
o considera na multiplicidade de seus status;
• A esfera política está incluída em uma esfera mais ampla – aqui o direito de
participação política ao cidadão - , a esfera da sociedade em seu conjunto, e que
não existe decisão política que não esteja condicionada por aquilo que acontece
na sociedade;
• Democratização da política e democratização da sociedade;
• A metodologia de avaliação: leva em consideração, não só a quantidade de
pessoas que votam, mas o número de instâncias diversas daquelas
tradicionalmente políticas nas quais se exerce o direito de voto.
Democracia formal e democracia substancial
• Democracia formal: precisamente é a forma de governo;
• Democracia substancial: conteúdo da forma de governo;
• Cada regime democrático vai ser variável em ser democrático ou não por seu
opositor
• A democracia perfeita deveria ser ao mesmo tempo formal e sbstancial
Ditadura uma forma legitima de governar?
• Ditadura dos antigos: justificada pelo estado de necessidade,
temporária, uso do poder executivo, plenos poderes com respeito à
extensão do comando;
• Ditadura moderna: se estende para a função legislativa;
• Ditadura revolucionária: nasce de um estado de necessidade, exerce
poderes excepcionais, temporários nos propósitos iniciais, a ditadura
é tomada como exercício de poder.
Referências
• BOBBIO, Noberto. Democracia e Ditadura. In BOBBIO, N. Estado,
Governo e Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001
• BOBBIO, Noberto. Democracia. In: BOBBIO, N. O filósofo e a
política: antologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2003, p. 235-245.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Aula 5-poliarquia-em-robert-dahl1
Aula 5-poliarquia-em-robert-dahl1Aula 5-poliarquia-em-robert-dahl1
Aula 5-poliarquia-em-robert-dahl1
 
Burocracia weber
Burocracia weberBurocracia weber
Burocracia weber
 
A organização do sistema educacional brasileiro
A organização do sistema educacional brasileiroA organização do sistema educacional brasileiro
A organização do sistema educacional brasileiro
 
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
 
Etnia
EtniaEtnia
Etnia
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Slide - A Democracia
Slide - A DemocraciaSlide - A Democracia
Slide - A Democracia
 
Coronelismo no brasil
Coronelismo no brasilCoronelismo no brasil
Coronelismo no brasil
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Direitos humanos tratados internacionais
Direitos humanos   tratados internacionaisDireitos humanos   tratados internacionais
Direitos humanos tratados internacionais
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
PLANO DE AULA – ERA VARGAS (1930-1945).
PLANO DE AULA – ERA VARGAS (1930-1945). PLANO DE AULA – ERA VARGAS (1930-1945).
PLANO DE AULA – ERA VARGAS (1930-1945).
 
Currículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para ConcursosCurrículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para Concursos
 
Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica. Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica.
 
Aula de metodologia, monografia e tcc
Aula de metodologia, monografia e tccAula de metodologia, monografia e tcc
Aula de metodologia, monografia e tcc
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Slide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientificoSlide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientifico
 

Destaque

Entre a democracia e a ditadura
Entre a democracia e a ditaduraEntre a democracia e a ditadura
Entre a democracia e a ditadurafelipe_paes
 
Muq netto. ditadura e serviço social
Muq  netto. ditadura e serviço socialMuq  netto. ditadura e serviço social
Muq netto. ditadura e serviço socialmaisumaquestao
 
Instituto de ciências sociais Democracia e ditadura por Bobbio
Instituto de ciências sociais Democracia e ditadura por BobbioInstituto de ciências sociais Democracia e ditadura por Bobbio
Instituto de ciências sociais Democracia e ditadura por BobbioJoão Cardoso
 
Democracia vs Ditadura
Democracia vs DitaduraDemocracia vs Ditadura
Democracia vs DitaduraMaria Barroso
 
Teoria do desenvolvimento crise e inovação schumpeter
Teoria do desenvolvimento crise e inovação schumpeterTeoria do desenvolvimento crise e inovação schumpeter
Teoria do desenvolvimento crise e inovação schumpeterJoão Cláudio Arroyo
 
Textos diversos primeiro ao quarto ano
Textos diversos primeiro ao quarto anoTextos diversos primeiro ao quarto ano
Textos diversos primeiro ao quarto anoKelly Arduino
 
Regimes políticos portugueses
Regimes políticos portuguesesRegimes políticos portugueses
Regimes políticos portuguesesmaria40
 
Apresentação geometria analítica
Apresentação geometria analíticaApresentação geometria analítica
Apresentação geometria analíticaprofluizgustavo
 
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoSimulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoRoseli Aparecida Tavares
 
Atividades para o simulado de matemática 4º ano
Atividades para o simulado de matemática 4º anoAtividades para o simulado de matemática 4º ano
Atividades para o simulado de matemática 4º anoCASA-FACEBOOK-INSTAGRAM
 
slide projeto geometria
slide projeto geometriaslide projeto geometria
slide projeto geometriaelainemarsura
 
Emai vol.1-quarto-ano- professor
Emai vol.1-quarto-ano- professorEmai vol.1-quarto-ano- professor
Emai vol.1-quarto-ano- professorCláudia Burihan
 
Trabalho Em Power Point
Trabalho Em Power PointTrabalho Em Power Point
Trabalho Em Power PointP_E_C
 
Slide para aula de geometria
Slide para aula de geometriaSlide para aula de geometria
Slide para aula de geometriaLucas Limeira
 
Av Língua Portuguesa e Matemática 4º ano
Av Língua Portuguesa e Matemática 4º anoAv Língua Portuguesa e Matemática 4º ano
Av Língua Portuguesa e Matemática 4º anoSusana Felix
 
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaCaderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaSilvânia Silveira
 
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTALSIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTALCristina Brandão
 

Destaque (19)

Entre a democracia e a ditadura
Entre a democracia e a ditaduraEntre a democracia e a ditadura
Entre a democracia e a ditadura
 
25 abril hgp6
25 abril hgp6 25 abril hgp6
25 abril hgp6
 
Muq netto. ditadura e serviço social
Muq  netto. ditadura e serviço socialMuq  netto. ditadura e serviço social
Muq netto. ditadura e serviço social
 
Instituto de ciências sociais Democracia e ditadura por Bobbio
Instituto de ciências sociais Democracia e ditadura por BobbioInstituto de ciências sociais Democracia e ditadura por Bobbio
Instituto de ciências sociais Democracia e ditadura por Bobbio
 
Democracia vs Ditadura
Democracia vs DitaduraDemocracia vs Ditadura
Democracia vs Ditadura
 
Teoria do desenvolvimento crise e inovação schumpeter
Teoria do desenvolvimento crise e inovação schumpeterTeoria do desenvolvimento crise e inovação schumpeter
Teoria do desenvolvimento crise e inovação schumpeter
 
Textos diversos primeiro ao quarto ano
Textos diversos primeiro ao quarto anoTextos diversos primeiro ao quarto ano
Textos diversos primeiro ao quarto ano
 
Regimes políticos portugueses
Regimes políticos portuguesesRegimes políticos portugueses
Regimes políticos portugueses
 
REGIMES POLÍTICOS 1ª aula
REGIMES POLÍTICOS 1ª aulaREGIMES POLÍTICOS 1ª aula
REGIMES POLÍTICOS 1ª aula
 
Apresentação geometria analítica
Apresentação geometria analíticaApresentação geometria analítica
Apresentação geometria analítica
 
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoSimulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabarito
 
Atividades para o simulado de matemática 4º ano
Atividades para o simulado de matemática 4º anoAtividades para o simulado de matemática 4º ano
Atividades para o simulado de matemática 4º ano
 
slide projeto geometria
slide projeto geometriaslide projeto geometria
slide projeto geometria
 
Emai vol.1-quarto-ano- professor
Emai vol.1-quarto-ano- professorEmai vol.1-quarto-ano- professor
Emai vol.1-quarto-ano- professor
 
Trabalho Em Power Point
Trabalho Em Power PointTrabalho Em Power Point
Trabalho Em Power Point
 
Slide para aula de geometria
Slide para aula de geometriaSlide para aula de geometria
Slide para aula de geometria
 
Av Língua Portuguesa e Matemática 4º ano
Av Língua Portuguesa e Matemática 4º anoAv Língua Portuguesa e Matemática 4º ano
Av Língua Portuguesa e Matemática 4º ano
 
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaCaderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
 
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTALSIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
 

Semelhante a Democracia e Ditadura: Extraído de Bobbio

Democracias, ditaduras e cidadania
Democracias, ditaduras e cidadaniaDemocracias, ditaduras e cidadania
Democracias, ditaduras e cidadaniaWilton Moretto
 
cidania e democracia.pdf
cidania e democracia.pdfcidania e democracia.pdf
cidania e democracia.pdfFernanda Bastos
 
República e Democracia - Formas de Governo I - Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
República e Democracia - Formas de Governo I - Prof. Doutor Rui Teixeira SantosRepública e Democracia - Formas de Governo I - Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
República e Democracia - Formas de Governo I - Prof. Doutor Rui Teixeira SantosA. Rui Teixeira Santos
 
O-que-e-democracia-conceitualmete
O-que-e-democracia-conceitualmeteO-que-e-democracia-conceitualmete
O-que-e-democracia-conceitualmeteLuanaSantosdesouza
 
Slides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdf
Slides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdfSlides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdf
Slides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdfLeandroBrando21
 
Revisão de filosofia politica
Revisão de filosofia politicaRevisão de filosofia politica
Revisão de filosofia politicaFelipe Serra
 
2SEM_SOCIOLOGIA_Regimes_Politicos(0).pdf
2SEM_SOCIOLOGIA_Regimes_Politicos(0).pdf2SEM_SOCIOLOGIA_Regimes_Politicos(0).pdf
2SEM_SOCIOLOGIA_Regimes_Politicos(0).pdfEricEduardo12
 
DEMOCRACIA, DIREITOS HUAMANOS E CIDADANIA - 2º - 3º PERÍODO.pptx
DEMOCRACIA, DIREITOS HUAMANOS E CIDADANIA - 2º - 3º PERÍODO.pptxDEMOCRACIA, DIREITOS HUAMANOS E CIDADANIA - 2º - 3º PERÍODO.pptx
DEMOCRACIA, DIREITOS HUAMANOS E CIDADANIA - 2º - 3º PERÍODO.pptxAnisioDiogo
 
Norberto bobbio
Norberto bobbioNorberto bobbio
Norberto bobbioAnna Trina
 
Norberto Bobbio Estado, Governo, Sociedade BC&H UFABC 2010 Estado e Relações ...
Norberto Bobbio Estado, Governo, Sociedade BC&H UFABC 2010 Estado e Relações ...Norberto Bobbio Estado, Governo, Sociedade BC&H UFABC 2010 Estado e Relações ...
Norberto Bobbio Estado, Governo, Sociedade BC&H UFABC 2010 Estado e Relações ...MisterJulio
 
Oficina 1 (paula fernando e gustavo)
Oficina 1 (paula fernando e gustavo)Oficina 1 (paula fernando e gustavo)
Oficina 1 (paula fernando e gustavo)pedagogicosjdelrei
 
Democracia, Dicionário de Política, Norberto Bobbio
Democracia, Dicionário de Política, Norberto BobbioDemocracia, Dicionário de Política, Norberto Bobbio
Democracia, Dicionário de Política, Norberto Bobbiojulilp10
 
Schumpeter e o_minimalismo_democro
Schumpeter e o_minimalismo_democroSchumpeter e o_minimalismo_democro
Schumpeter e o_minimalismo_democroAna Clara Citelli
 
A democracia direta (renato janine ribeiro)
A democracia direta (renato janine ribeiro)A democracia direta (renato janine ribeiro)
A democracia direta (renato janine ribeiro)Ana Carolina Vingert
 
IECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
IECJ - CAP. 11 - O poder e o EstadoIECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
IECJ - CAP. 11 - O poder e o Estadoprofrodrigoribeiro
 
Resumo ciências politicas - 1ºs pdf
Resumo   ciências politicas - 1ºs pdfResumo   ciências politicas - 1ºs pdf
Resumo ciências politicas - 1ºs pdfSos Financeira
 

Semelhante a Democracia e Ditadura: Extraído de Bobbio (20)

Democracias, ditaduras e cidadania
Democracias, ditaduras e cidadaniaDemocracias, ditaduras e cidadania
Democracias, ditaduras e cidadania
 
cidania e democracia.pdf
cidania e democracia.pdfcidania e democracia.pdf
cidania e democracia.pdf
 
República e Democracia - Formas de Governo I - Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
República e Democracia - Formas de Governo I - Prof. Doutor Rui Teixeira SantosRepública e Democracia - Formas de Governo I - Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
República e Democracia - Formas de Governo I - Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
 
O-que-e-democracia-conceitualmete
O-que-e-democracia-conceitualmeteO-que-e-democracia-conceitualmete
O-que-e-democracia-conceitualmete
 
5.. formas do poder político
5.. formas do poder político5.. formas do poder político
5.. formas do poder político
 
Slides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdf
Slides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdfSlides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdf
Slides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdf
 
Revisão de filosofia politica
Revisão de filosofia politicaRevisão de filosofia politica
Revisão de filosofia politica
 
2SEM_SOCIOLOGIA_Regimes_Politicos(0).pdf
2SEM_SOCIOLOGIA_Regimes_Politicos(0).pdf2SEM_SOCIOLOGIA_Regimes_Politicos(0).pdf
2SEM_SOCIOLOGIA_Regimes_Politicos(0).pdf
 
DEMOCRACIA, DIREITOS HUAMANOS E CIDADANIA - 2º - 3º PERÍODO.pptx
DEMOCRACIA, DIREITOS HUAMANOS E CIDADANIA - 2º - 3º PERÍODO.pptxDEMOCRACIA, DIREITOS HUAMANOS E CIDADANIA - 2º - 3º PERÍODO.pptx
DEMOCRACIA, DIREITOS HUAMANOS E CIDADANIA - 2º - 3º PERÍODO.pptx
 
Norberto bobbio
Norberto bobbioNorberto bobbio
Norberto bobbio
 
Aula 15 - Estado e Governo
Aula 15 - Estado e GovernoAula 15 - Estado e Governo
Aula 15 - Estado e Governo
 
Norberto Bobbio Estado, Governo, Sociedade BC&H UFABC 2010 Estado e Relações ...
Norberto Bobbio Estado, Governo, Sociedade BC&H UFABC 2010 Estado e Relações ...Norberto Bobbio Estado, Governo, Sociedade BC&H UFABC 2010 Estado e Relações ...
Norberto Bobbio Estado, Governo, Sociedade BC&H UFABC 2010 Estado e Relações ...
 
Oficina 1 (paula fernando e gustavo)
Oficina 1 (paula fernando e gustavo)Oficina 1 (paula fernando e gustavo)
Oficina 1 (paula fernando e gustavo)
 
Fluzz pilulas 47
Fluzz pilulas 47Fluzz pilulas 47
Fluzz pilulas 47
 
Democracia, Dicionário de Política, Norberto Bobbio
Democracia, Dicionário de Política, Norberto BobbioDemocracia, Dicionário de Política, Norberto Bobbio
Democracia, Dicionário de Política, Norberto Bobbio
 
Schumpeter e o_minimalismo_democro
Schumpeter e o_minimalismo_democroSchumpeter e o_minimalismo_democro
Schumpeter e o_minimalismo_democro
 
A democracia direta (renato janine ribeiro)
A democracia direta (renato janine ribeiro)A democracia direta (renato janine ribeiro)
A democracia direta (renato janine ribeiro)
 
IECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
IECJ - CAP. 11 - O poder e o EstadoIECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
IECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
 
Resumo ciências politicas - 1ºs pdf
Resumo   ciências politicas - 1ºs pdfResumo   ciências politicas - 1ºs pdf
Resumo ciências politicas - 1ºs pdf
 
Fluzz & Partido
Fluzz & PartidoFluzz & Partido
Fluzz & Partido
 

Mais de João Cardoso

Afirmação no Cenário do Saber Cientifico: A pesquisa educacional
Afirmação no Cenário do Saber Cientifico: A pesquisa educacionalAfirmação no Cenário do Saber Cientifico: A pesquisa educacional
Afirmação no Cenário do Saber Cientifico: A pesquisa educacionalJoão Cardoso
 
Considerações sobre a teoria poliarquica
Considerações sobre a teoria poliarquicaConsiderações sobre a teoria poliarquica
Considerações sobre a teoria poliarquicaJoão Cardoso
 
Plano de ensino em Sociologia
Plano de ensino em SociologiaPlano de ensino em Sociologia
Plano de ensino em SociologiaJoão Cardoso
 
Fichamento do texto 3
Fichamento do texto 3Fichamento do texto 3
Fichamento do texto 3João Cardoso
 
Coleção “Os Pensadores” (Malinowski). São Paulo, Abril Cultural, 1978. “Intro...
Coleção “Os Pensadores” (Malinowski). São Paulo, Abril Cultural, 1978. “Intro...Coleção “Os Pensadores” (Malinowski). São Paulo, Abril Cultural, 1978. “Intro...
Coleção “Os Pensadores” (Malinowski). São Paulo, Abril Cultural, 1978. “Intro...João Cardoso
 
trabalho sobre o início da política
trabalho sobre o início da políticatrabalho sobre o início da política
trabalho sobre o início da políticaJoão Cardoso
 
Raça e etnicidade para aula de sociologia
Raça e etnicidade para aula de sociologiaRaça e etnicidade para aula de sociologia
Raça e etnicidade para aula de sociologiaJoão Cardoso
 

Mais de João Cardoso (8)

Afirmação no Cenário do Saber Cientifico: A pesquisa educacional
Afirmação no Cenário do Saber Cientifico: A pesquisa educacionalAfirmação no Cenário do Saber Cientifico: A pesquisa educacional
Afirmação no Cenário do Saber Cientifico: A pesquisa educacional
 
Considerações sobre a teoria poliarquica
Considerações sobre a teoria poliarquicaConsiderações sobre a teoria poliarquica
Considerações sobre a teoria poliarquica
 
Plano de ensino em Sociologia
Plano de ensino em SociologiaPlano de ensino em Sociologia
Plano de ensino em Sociologia
 
Plano de ensino
Plano de ensinoPlano de ensino
Plano de ensino
 
Fichamento do texto 3
Fichamento do texto 3Fichamento do texto 3
Fichamento do texto 3
 
Coleção “Os Pensadores” (Malinowski). São Paulo, Abril Cultural, 1978. “Intro...
Coleção “Os Pensadores” (Malinowski). São Paulo, Abril Cultural, 1978. “Intro...Coleção “Os Pensadores” (Malinowski). São Paulo, Abril Cultural, 1978. “Intro...
Coleção “Os Pensadores” (Malinowski). São Paulo, Abril Cultural, 1978. “Intro...
 
trabalho sobre o início da política
trabalho sobre o início da políticatrabalho sobre o início da política
trabalho sobre o início da política
 
Raça e etnicidade para aula de sociologia
Raça e etnicidade para aula de sociologiaRaça e etnicidade para aula de sociologia
Raça e etnicidade para aula de sociologia
 

Último

Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 

Último (20)

Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 

Democracia e Ditadura: Extraído de Bobbio

  • 1. Instituto de Ciências Sociais Discente: João Paulo Cardoso DEMOCRACIA E DITADURA
  • 2. A democracia na teoria das formas de governo • Da idade clássica a hoje o termo democracia foi sempre empregada para designar uma das formas de governo; • A teoria e a tipologia das formas de governo é o lugar a qual se coloca discussão, sobre: opinião, características, virtudes e defeitos da democracia; • Democracia desde que pertence a um sistema de símbolos, que constitui a teoria das formas de governo. Qualquer discurso sobre democracia não pode abrir mão de determinar as relações entre democracia e as outras formas de governo, pois somente assim é possível individualizar seu caráter específico; • A democracia não pode ser compreendida em sua natureza específica senão em relação aos demais conceitos do sistema, dos quais delimita a extensão e é por ele delimitado.
  • 3. Uso descritivo da Democracia • Em seu sentido clássico: uma das três possíveis formas de governo. Em uma tipologia classifica com base no diverso número de governantes; • Platão e Aristóteles trazem a discussão com relação ao número de governante e, mais especificamente Aristóteles, abre conversação a respeito do modo de governar; • A tripartição: Reino(monarquia), Aristocracia, Democracia. • Substituição para bipartição aconteceu com: o reagrupamento democracia e aristocracia numa espécie contraposta à espécie monarquia, ou reagrupando aristocracia e monarquia em contraposição a democracia; • Acabou por prevalecer na teoria política contemporânea a distinção primária e fundamental entre democracia e autocracia(governo baseado na restrição das liberdades dos governados);
  • 4. Kelsen foi um jurista e filósofo austríaco, considerado um dos mais importantes e influentes estudiosos do Direito. Ele foi responsável por difundir e consolidar a bipartição – democracia e autocracia – fundada no critério de número. Desta maneira “democracia e aristocracia podem ser consideradas como uma única espécie sob o nome compreensivo de república”. Kelsen serve-se da distinção entre autonomia e heteronomia(m princípio estranho à razão, a lei a que se deve submeter), aplicando entre democracia – forma de governo em que as leis são feitas aos quais ela se aplicam, sendo precisamente normas autônomas - e para autocracia - forma de governo que fazem as leis diferentes daqueles para quem são destinadas, sendo precisamente heteronomia. Já em uma outra classificação nascida no Estado moderno absorve Democracia no conceito mais geral de república. Já para monarquia e aristocracia no mais geral de autocracia.
  • 5. Uso prescritivo da Democracia • Será considerada com sinal positivo ou negativo. Além de disputa em torno da melhor forma de governo; • A discussão levantada por Hérodoto em uma história contada por ele levanta três formas de governo – monarquia, aristocracia e democracia – há disputa por defender as formas. Entretanto, se colocado em escala a democracia sairia por último; • Com Pércicles, a democracia, traz traços de forma boa de governo, na qual prevalece não este ou aquele, mas o mérito; • Com Platão, a democracia, é uma forma degenerada que leva a tirania. A democracia sendo não o governo do povo, mas dos pobres contra os ricos. A democracia tem como principio a liberdade, mas, se não houver freios pode se converter em Desregramento de costume e de comportamento.
  • 6. - Com Aristóteles, a democracia, pode aparecer tanto como uma forma boa, como má; também define democracia como governo dos pobres; - Para Aristóteles, a democracia em sua forma boa, o povo “chama para si o cuidado com o interesse público”, em sua forma má – oclocracia – “a multidão, habituada a consumir os bens alheios e a viver as custas do próximo (...) usa a violência; - Seu uso prescritivo também se estende se ela é melhor ou pior em um ordenamento axiológico(segundo seu valor) das constituições. - As mesmas discussões acompanham os clássicos do pensamento político moderno, que acompanham o surgimento e a consolidação dos grandes Estados territoriais com predomínio monárquico; - Embate entre EX PARTE PRINCIPIS e EX PARTE POPULI. Estes que fazem parte dos escritores políticos para expor o próprio pensamento.
  • 7. • É sempre uma disputa entre dois contendores que se colocam dois pontos de vista opostos para analisar e avaliar o mesmo fenômeno; • No desenvolvimento da discussão a respeito da dicotomia entre democracia e autocracia, o que fica subtendido é a liberdade; • O defensor da democracia busca a eliminação da figura do governante como figura separada da do governado; • Com Rousseau trata o tema liberdade como autonomia; • O autogoverno na medida em que a democracia avançava, aquela perdia força. Assim, um dos reflexos imediatos é o ganho em direitos político; • Dois argumentos em favor da democracia: primeiro “quem detém o poder tende a dele abusar; segundo “o povo não pode abusar contra si mesmo”;
  • 8. Uso histórico da Democracia • É preciso distinguir as filosofias da história: regressiva, progressiva e cíclicas; • As formas de governo é utilizada como um mecanismo de analise de interpretação histórica; • Vico: a diferença essencial marca a idade dos homens; • Montesquieu: marca por sua discussão sobre as formas de governo; • Hegel: “O povo, considerado sem o seu monarca e sem organização necessariamente e imediatamente conectiva da totalidade, é a multidão informe, que não é mais Estado, à qual não cabe mais nenhuma das determinações que existem apenas na totalidade formada em si.
  • 9. A democracia dos modernos • Argumento Clássico: apenas possíveis em pequenos Estados; • Ruptura com os clássicos se apresentam os FEDERALISTAS; • Democracia direta é Democracia representativa; • Governo Representativo alternativa que resolveu grandes discussões sobre forma boa ou má, e ao mesmo tempo como maneira de resolve a questão de Montesquieu e a territoriedade; • Tocqueville reconhece a autenticidade da democracia dos moderno do novo Estado no novo mundo. Com isso escreve que a América tinha resolvido da liberdade democrática em que a Europa se encontrava; • A democracia moderna é pluralista • Livre associacionismo em favor do bem público
  • 10. Democracia representativa e democracia direta • Depois da 1º guerra mundial, a historia da democracia vai coincidir com a afirmação dos Estados representativos na Europa; • A tipologia das formas de governo vão se simplificando; • Conhece-se um processo de democratização ao longo de duas linhas: sufrágio universal e associacionismo político até a formação de partidos de massa e reconhecimento de função pública; • Sucessíveis alargamento dos direitos políticos; • A democracia direta passa cada vez mais se torna secundária dentro da representativa; • A democracia representativa é vista pelos simpatizantes da democracia socialista como uma forma imperfeita;
  • 11. Democracia política e democracia social • Levanta a seguinte pergunta: é possível existir um Estado democrático em uma sociedade a qual a maior parte das instituições não são governadas democraticamente? • A democracia política permite considerar os individuo como cidadão, já a social o considera na multiplicidade de seus status; • A esfera política está incluída em uma esfera mais ampla – aqui o direito de participação política ao cidadão - , a esfera da sociedade em seu conjunto, e que não existe decisão política que não esteja condicionada por aquilo que acontece na sociedade; • Democratização da política e democratização da sociedade; • A metodologia de avaliação: leva em consideração, não só a quantidade de pessoas que votam, mas o número de instâncias diversas daquelas tradicionalmente políticas nas quais se exerce o direito de voto.
  • 12. Democracia formal e democracia substancial • Democracia formal: precisamente é a forma de governo; • Democracia substancial: conteúdo da forma de governo; • Cada regime democrático vai ser variável em ser democrático ou não por seu opositor • A democracia perfeita deveria ser ao mesmo tempo formal e sbstancial
  • 13. Ditadura uma forma legitima de governar? • Ditadura dos antigos: justificada pelo estado de necessidade, temporária, uso do poder executivo, plenos poderes com respeito à extensão do comando; • Ditadura moderna: se estende para a função legislativa; • Ditadura revolucionária: nasce de um estado de necessidade, exerce poderes excepcionais, temporários nos propósitos iniciais, a ditadura é tomada como exercício de poder.
  • 14. Referências • BOBBIO, Noberto. Democracia e Ditadura. In BOBBIO, N. Estado, Governo e Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001 • BOBBIO, Noberto. Democracia. In: BOBBIO, N. O filósofo e a política: antologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2003, p. 235-245.