BichosMiguel Torga    Apresentação de Andreza Freitas, Anderson    Cleyton, Daniele Cristina da Silva, Marília    Fonseca,...
Miguel Torga – Dados Bibliográficos• Nasceu em 12 de agosto de 1907 na aldeia de São  Martinho de Anta na província de Trá...
Trás-os-montes - Nordeste de Portugal
Segundo Massaud Moisés:         Miguel Torga é sempre o mesmo homem de pés         fincados na terra transmontada, porque ...
O ContoO conto é uma narrativa breve; desenrolandouma só incidente predominante e uma sópersonagem principal, contém um as...
Bichos•   Nero           •   Cega-Rega•   Mago           •   Ladino•    Madalena      •   Ramiro•    Morgado       •   Far...
Seres humanos         Animais•   Madalena      •   Nero•   Jesus         •   Mago•   Ramiro        •    Morgado•   Sr. Nic...
Síntese• Nero: Cão querido por todos, mas quando  envelhece , morre sozinho.• Mago: Gato que tem saudades da vida livre, m...
• Tenório: Galo que quando jovem cantava bem  e era elogiado, na velhice vai para a panela.• Jesus: Menino divinizado que ...
• Farrusco: Melro que consolava com uma  gargalhada a moça que o cuco previa os anos de  solteirice.• Miura: Touro que dur...
Breves observações sobre a obra:• Temática- O s contos exploram a comunhão  de homens e animais com a Natureza• A obra se ...
• O bichos pensam e sofrem conflitos  existenciais como os seres humanos:                        Miura           A suprema...
NarraçãoNarrador Onisciente• Os contos são contados por Narradores onicientes.                           Vicente          ...
TempoTraços Psicológicos      Predominância Cronológica• Nero                   • Madalena• Bambo                  • Tenór...
Personagens          Redondo                 Plana•   Vicente               •   Ramiro•   Miura                 •   Madale...
Características do Modernismo         Contemporâneo na Obra:•   Lirismo•   Linguagem coloquial•   Regionalismo•   Sem enfe...
Características do autor na obra• Problemática Religiosa- Revolta da inocência  humana contra a divindade transcendente,ma...
•   Sentimento telúrico - Relativo à terra, ao solo.•   Panteísmo•   ‘’Tio Arruda andara por maus caminhos. Confessou isso...
Referências• GOTLIB, Nádia Battella. Teoria do conto. 8ª edição. São  Paulo: Ática 1998.• MOISÉS, Massaud. A literatura po...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Completobichos2 120603171137-phpapp02

974 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
974
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Completobichos2 120603171137-phpapp02

  1. 1. BichosMiguel Torga Apresentação de Andreza Freitas, Anderson Cleyton, Daniele Cristina da Silva, Marília Fonseca, Milena Soares, Suelza Suzany e Tamires Alvez para a disciplina Literatura Portuguesa II. Letras V - UPE
  2. 2. Miguel Torga – Dados Bibliográficos• Nasceu em 12 de agosto de 1907 na aldeia de São Martinho de Anta na província de Trás-os-montes ;• Pseudônimo literário do médico ADOLFO CORREIA DA ROCHA;• Pertenceu ao grupo inicial da “Presença”;• Lançou a revista “Sinal”, e depois “Manifesto”;• Dono de um grande acervo literário na poesia, prosa de ficção e teatro, mais de 50 volumes;• Morreu em 17 de janeiro de 1995, aos 88 anos;
  3. 3. Trás-os-montes - Nordeste de Portugal
  4. 4. Segundo Massaud Moisés: Miguel Torga é sempre o mesmo homem de pés fincados na terra transmontada, porque nela espera encontrar a explicação para a condição humana, imediatamente transformada em sua mente num problema teológico-existencial, armado ao redor de indignações-chave, do gênero “quem somos?”.(MOISÉS, Massaud:2010, p.367 )
  5. 5. O ContoO conto é uma narrativa breve; desenrolandouma só incidente predominante e uma sópersonagem principal, contém um assunto cujosdetalhes são tão comprimidos e o conjunto dotratamento tão organizado, que produzem uma sóimpressão. (Brander, Matthews apud Goltlib:1998 p.60)
  6. 6. Bichos• Nero • Cega-Rega• Mago • Ladino• Madalena • Ramiro• Morgado • Farrusco• Bambo • Miura• Tenório • Sr. Nicolau• Jesus • Vicente.
  7. 7. Seres humanos Animais• Madalena • Nero• Jesus • Mago• Ramiro • Morgado• Sr. Nicolau • Bambo • Tenório • Cega-Rega • Ladino • Farrusco • Miura • Vicente
  8. 8. Síntese• Nero: Cão querido por todos, mas quando envelhece , morre sozinho.• Mago: Gato que tem saudades da vida livre, mas não consegue largar o comodismo de uma casa.• Madalena: Moça que tem vergonha de ter engravidado solteira e esconde a gravidez até o filho nascer morto.• Morgado: Burro de carga que mesmo sendo fiel ao dono é abandonado num ataque de lobo.• Bambo: Sapo que ensina a Tio Arruda a ciência da vida.
  9. 9. • Tenório: Galo que quando jovem cantava bem e era elogiado, na velhice vai para a panela.• Jesus: Menino divinizado que com um beijo faz nascer um pintassilgo.• Cega-rega: Cigarra que não teme o inverno e canta enquanto a verão. Só o poeta lhe entende.• Ladino: Pardal que tinha medo de voar quando novo. Velho e mesquinho não divide os alimentos com outros animais nem assume a ninhada.• Ramiro: Pastor que mata o causador da morte de sua mais bela ovelha.
  10. 10. • Farrusco: Melro que consolava com uma gargalhada a moça que o cuco previa os anos de solteirice.• Miura: Touro que durante uma tourada se entrega à morte.• Senhor Nicolau: Homem quem desde criança amava animais. Embalsamava insetos e quando pressentiu a morte desejou ser embalsamado.• Vicente: Corvo que se revolta com o dilúvio e enfrenta Deus fugindo da arca de Noé
  11. 11. Breves observações sobre a obra:• Temática- O s contos exploram a comunhão de homens e animais com a Natureza• A obra se passa no ambiente interiorano, (espécie de recontagem da vida do próprio autor em Trás-os-montes.)• Escolha do título• Humanização dos bichos• Aproximação dos contos com o texto fabular – Personificação
  12. 12. • O bichos pensam e sofrem conflitos existenciais como os seres humanos: Miura A suprema humilhação de estar ali juntava-se o escárnio de andar a marrar em sombras. Não. Era preciso ver calmamente. Que a sua raiva atingisse ao menos o alvo. O espectro doirado lá estava sempre. Pequenino, com ar de troça, olhava-o como se olhasse um brinquedo inofensivo. (TORGA, Miguel:1983, p 55)
  13. 13. NarraçãoNarrador Onisciente• Os contos são contados por Narradores onicientes. Vicente Naquela tarde, à hora em que o céu se mostrava mais duro e mais sinistro, Vicente abriu as asas negras e partiu. Quarenta dias eram já decorridos desde que, integrado na leva dos escolhidos, dera entrada na Arca. Mas desde o primeiro instante que todos viram que no seu espírito não havia paz. Calado e carrancudo, andava de cá para lá numa agitação contínua, como se aquele grande navio onde o Senhor guardara a vida fosse um ultraje à criação. (TORGA, Miguel: 1983. p.62)
  14. 14. TempoTraços Psicológicos Predominância Cronológica• Nero • Madalena• Bambo • Tenório• Morgado • Cega-rega • Ladino • Ramiro • Farrusco • Miura • Senhor Nicolau • Mago
  15. 15. Personagens Redondo Plana• Vicente • Ramiro• Miura • Madalena• Cega-rega • Morgada• Nero • Senhor Nicolau • Bambo • Farrusco • Tenório • Ladino • Ramiro • Mago
  16. 16. Características do Modernismo Contemporâneo na Obra:• Lirismo• Linguagem coloquial• Regionalismo• Sem enfeites e rebuscamento• Simplicidade• Consciência nacional
  17. 17. Características do autor na obra• Problemática Religiosa- Revolta da inocência humana contra a divindade transcendente,mas não assume qualquer ateísmo: Vicente Noé e o resto dos animais assistiam mudos àquele duelo entre Vicente e Deus. (TORGA,Miguel: 1983. p. 65)
  18. 18. • Sentimento telúrico - Relativo à terra, ao solo.• Panteísmo• ‘’Tio Arruda andara por maus caminhos. Confessou isso honradamente à• porta da igreja, no domingo. Riram-se-lhe na cara. Quem havia de acreditar que• um sapo fosse capaz de ensinar a alguém a ciência da vida? Impossível. E Tio• Arruda, desiludido daquela incompreensão, voltou às suas regas e à comunhão• íntima com a natureza. Precisava de chegar ao fim. Necessitava de aprender o• resto da lição de Bambo, guarda zeloso dum mundo fremente de germinações.• Entender em que medida ele se considerava responsável pelo pequeno grão que• caía desamparado na terra, e até que ponto o rodeava de proteção.• Inesperadamente, quando o sol, pela manhã, ao começar o seu giro,• coscuvilhava os recantos do planeta, um canteiro, que no dia atrás era chão• enigmático, aparecia coberto duma verdura virgem, casta, feita de esperança,• água e cor. E só mesmo Bambo conhecia a grandeza do mistério, e o cercava de• amor. Nenhuma outra consciência seguira no coração da noite os transes da• transmutação germinativa. E nenhuma outra inquietação fazia sentinela ao• milagre. ‘’(TORGA, Miguel: 1983, p32.)
  19. 19. Referências• GOTLIB, Nádia Battella. Teoria do conto. 8ª edição. São Paulo: Ática 1998.• MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa através dos textos. - 33. ed. rev. e ampl. - São Paulo: Cultrix, 2012.• MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa. - São Paulo: Cultrix, 2008.• TORGA, Miguel. Bichos. 13ª ed. Coimbra, Gráfica Coimbra, 1983.• TUFANO, Douglas. Estudos de Literatura Portuguesa. - São Paulo: Editora Moderna LTDA, 1981.

×