Cap 14 homem-animal

2.049 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.049
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap 14 homem-animal

  1. 1. FACULDADE DA AMAZÔNIA As diferenças entre os homens e os animais - O mundo Simbólico Humano- Prof. Esp. João Carlos S. Balbi
  2. 2. A MUMIFICAÇÃO Os egípcios acreditavam que o Ka , ou a força vital, era imortal. Com o objetivo de fornecer um receptáculo durável ao espírito, aperfeiçoaram a ciência do embalsamamento.Extraia-se o cérebro, fígado, pulmões, estômago e intestinos. O cadáver era colocado em salmoura por um mês e depois estendido para secar. O Cadáver, então enrugado, era receado, envolto em ataduras, confinado num caixão e num sarcófago de pedra. Acreditava-se que a perfeita preservação do corpo era essencial para que a alma fosse reconhecida pelos deuses no reino dos mortos e recebesse a imortalidade.
  3. 3. O Mundo simbólico humano <ul><li>em vez de definir o homem como animal rationale , deveríamos defini-lo como animal symbolicum . Ao fazê-lo, podemos designar sua diferença específica, e entender o novo caminho aberto para o homem  o caminho para a civilização. </li></ul><ul><li>O comprovam a vida humana produtora de cultura, sociedade, história, valores (moral), mito, religião, conhecimento e ciência. </li></ul>
  4. 4. Ação Instintiva <ul><li>A ação animal é caracterizada sobretudo por reflexos e instintos . A ação instintiva é regida por leis biológicas, idênticas na espécie e invariáveis de indivíduo para indivíduo. Essa ação é rígida e invariável. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Mesmo que alguma criação animal seja perfeita, os atos que a antecedem não têm história, não se renovam e são os mesmos em todos os tempos, salvo as modificações determinadas pela evolução das espécies e as decorrentes de mutações genéticas. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Um ato inato não precisa surgir desde o início da vida, pois muitas vezes aparece apenas mais tarde, no decorrer do desenvolvimento: ao nascerem gatos não esboçam qualquer reação diante de um rato, mas após o segundo mês de vida aparecem reações típicas da espécie, como perseguição, captura, brincadeira com a presa, ronco, matança etc. </li></ul>
  7. 7. O que são os instintos? <ul><li>são uma atividade que ignora a finalidade da própria ação. [...] O ato humano voluntário, em contrapartida, é consciente da finalidade , isto é, o ato existe antes como pensamento; como uma possibilidade, e a execução é o resultado da escolha dos meios necessários para atingir os fins propostos. Quando há interferências externas no processo, os planos também são modificados para se adequarem à nova situação. </li></ul>
  8. 8. A Inteligência Concreta <ul><li>Nos níveis mais altos da escala zoológica, por exemplo, com os mamíferos, as ações deixam de ser exclusivamente resultado de reflexos e instintos e apresentam uma plasticidade maior, característica dos atos inteligentes. </li></ul><ul><li>Experiências interessantes foram realizadas pelo psicólogo Köller com chimpazés. Um dos experimentos consiste em colocar o animal faminto numa jaula onde são penduradas bananas que o animal não consegue alcançar. O chimpanzé resolve o problema quando puxa um caixote e o coloca sob a fruta a fim de pegá-la. Segundo Köller, a solução encontrada pelo chimpanzé não é imediata, mas no momento em que o animal tem um insight (discernimento, “iluminação súbita”), isto é, quando o macaco tem a visão global do campo e estabelece a relação entre o caixote e a fruta. </li></ul><ul><li>Esses dois elementos, o caixote e a banana, antes separados e independentes, passam a fazer parte de uma totalidade. É como se o animal percebesse uma realidade nova que lhe possibilita uma ação-planejada pela espécie. Portanto, não se trata mais de ação instintiva, de simples reflexo, mas de um ato de inteligência. </li></ul>
  9. 9. Instinto/Inteligência <ul><li>A inteligência distingue-se do instinto por sua flexibilidade, já que as respostas são diferentes conforme a situação e também por variarem de animal para animal. </li></ul><ul><li>o animal não inventa o instrumento, não o aperfeiçoa, nem o conserva para uso posterior. Portanto, o gesto útil não tem seqüência e não adquire significado de uma experiência propriamente dita. </li></ul><ul><li>Mesmo que alguns animais organizem “sociedades” mais complexas e até aprendam formas de sobrevivência e as ensinem à suas crias, não há nada que se compare às transformações realizadas pelo homem enquanto ser criador de cultura. </li></ul>
  10. 10. A linguagem <ul><li>A palavra se encontra no limiar do universo humano. Ela caracteriza fundamentalmente o homem e o distingue do animal. </li></ul><ul><li>Se criássemos juntos um bebê humano e um macaquinho, não veríamos muitas diferenças de cada um nos primeiros contatos com o mundo e as pessoas. O desenvolvimento da percepção, da preensão dos objetos, do jogo com os adultos é feito de forma similar, até que em dado momento, por volta dos dezoito meses, o progresso do bebê humano torna impossível prosseguirmos na comparação com o macaco, devido à capacidade que o homem tem de ultrapassar os limites da vida animal ao entrar no mundo do símbolo. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Os animais também têm linguagem, Mas a natureza dessa comunicação não se compara à revolução que a linguagem humana provoca na relação do homem com o mundo. </li></ul><ul><li>A diferença entre a linguagem humana e a do animal está no fato de que este não conhece o símbolo , mas somente o índice . O índice está relacionado de forma fixa e única coma coisa a que se refere. Por exemplo, as frases com que adestramos o cachorro devem ser sempre as mesmas, pois são índices, isto é indicam alguma coisa muito específica. </li></ul><ul><li>A linguagem animal visa a adaptação à situação concreta, enquanto a linguagem humana intervém como uma forma abstrata que distancia o homem da experiência vivida, tornando-o capaz de reorganizá-la numa outra totalidade e lhe dar novo sentido. È pela palavra que somos capazes de nos situar no tempo, lembrando o que ocorreu no passado e antecipando o futuro pelo pensamento. Enquanto o animal vive sempre no presente, as dimensões humanas se ampliam para além de cada momento. </li></ul><ul><li>O animal, mesmo quando demonstra alguma capacidade de resolver problemas, sua inteligência é ainda concreta . Já o homem, pelo poder do símbolo, tem inteligência abstrata . </li></ul>
  12. 12. O símbolo <ul><li>Os símbolos são universais, convencionais, versáteis e flexíveis. Consideremos a palavra cruz . Além de ser uma convenção de certa forma arbitrária [...] não tem um sentido unívoco [...] pode representar o cristianismo, referir-se à morte, pode significar uma encruzilhada, um enfeite, e assim por diante, com múltiplas significações. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>A linguagem, por meio da representação simbólica e abstrata, permite o distanciamento do homem em relação ao mundo, também é o que possibilitará seu retorno ao mundo para transformá-lo. </li></ul><ul><li>Se não se tem oportunidade de desenvolver e enriquecer a linguagem, o homem torna-se incapaz de compreender e agir sobre o mundo que o cerca. </li></ul>
  14. 14. O trabalho <ul><li>As diferenças entre o homem e o animal não está simplesmente no fato de o homem ser um animal que pensa e fala. De fato, a linguagem humana permite a melhor ação transformadora do homem sobre o mundo, e com isso completamos a distinção: um homem é um ser que trabalha e produz o mundo e a si mesmo. </li></ul><ul><li>O animal não produz a sua existência, mas apenas a conserva agindo instintivamente. </li></ul><ul><li>O trabalho humano é a ação dirigida por finalidades conscientes, a resposta aos desafios da natureza na luta pela sobrevivência. Ao reproduzir técnicas que outros homens já usaram e ao inventar outras novas, a ação humana se torna fonte de idéias e ao mesmo tempo uma experiência propriamente dita. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>O trabalho, ao mesmo tempo que transforma a natureza, adaptando-a às necessidades humanas, altera o próprio homem, desenvolvendo suas faculdades. Isso significa que pelo trabalho, o homem se autoproduz . Enquanto o animal permanece sempre o mesmo na sua essência, já que repete os gestos comuns à espécie, o homem muda as maneiras pelas quais age sobre o mundo, estabelecendo relações também mutáveis, que por sua vez alteram sua maneira de perceber, de pensar e de sentir. </li></ul><ul><li>Por se uma atividade relacional, o trabalho, além de desenvolver habilidade, permite que a convivência não só facilite a aprendizagem e o aperfeiçoamento dos instrumentos, mas também enriquece a afetividade resultante do relacionamento humano: experimentando emoções expectativas, desejo, prazer, medo, inveja, o homem aprende a conhecer a natureza, as pessoas e a si mesmo. </li></ul><ul><li>O trabalho é a atividade humana por excelência, pela qual o homem intervém na natureza e em si mesmo. Ele é condição de transcendência e de expressão da liberdade humana. </li></ul>
  16. 16. Cultura e Humanização <ul><li>As diferenças entre o homem e o animal não são apenas de grau, pois, enquanto o animal permanece mergulhado na natureza , o homem é capaz de transformá-la, tornando possível a cultura. </li></ul><ul><li>O mundo resultante da ação humana não é natural. </li></ul><ul><li>[...] Em antropologia, cultura significa tudo que o homem produz ao construir sua existência: as práticas, as teorias, as instituições, os valores materiais e espirituais. Se o contato que o homem tem com o mundo é intermediado pelo símbolo, a cultura é o conjunto de símbolos elaborados por um povo em determinado tempo e lugar. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>A cultura é, portanto, um processo de auto-liberação progressiva do homem, o que o caracteriza como um ser em mutação, um ser de projeto, que se faz à medida que transcende, que ultrapassa a própria experiência. [...] É evidente que essa condição de certa forma fragiliza o homem, pois ele perde a segurança característica da vida animal, em harmonia com a natureza. Ao mesmo tempo, o que parece ser sua fragilidade é justamente a característica humana mais perfeita e nobre: a capacidade do homem de produzir sua própria história . </li></ul>

×