Apresentação aves (2)

792 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
792
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação aves (2)

  1. 1. ALGUNS ASPECTOS SANITÁRIOS E DE SAÚDE NA CRIAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS UNIDADE DESCENTRALISADA DE IPAMERI CURSO DE AGRONOMIA IPAMERI - GO
  2. 2. ALGUNS ASPECTOS SANITÁRIOS E DE SAÚDE NA CRIAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE Professor: Dr. Luiz Alberto IPAMERI - GO
  3. 3. INTRODUÇÃO Garantir a saúde do plantel é fundamental O programa de biossegurança é uma ferramenta indispensável para proteger a saúde dos plantéis Nesse programa são determinadas normas de procedimentos quanto a localização do aviário
  4. 4. 1 – Programa de vacinação dos Frangos  Programas de vacinação para frangos de corte não são utilizados com freqüência  Vacinação incorreta ou inadequada pode ser tão prejudicial quanto não vacinar. Recomenda-se vacinar em horários com temperaturas amenas evitando-se estressar excessivamente as aves. Todos os aviários devem ter uma ficha de controle com o histórico do lote em que constem informações sobre as vacinações.
  5. 5. FICHA PARA ACOMPANHAMENTO TÉCNICO DO LOTE 1-Data do alojamento: 2-Nº. de aves: 3-Informações sobre as vacinas administradas Data (Dia/Mês) Via de administração Vacina utilizada N° aves vacinadas
  6. 6. 4-Medicamento administrados: Data Identificação do aviário Idade das aves Principais sintomas Medicamento administrado (nome comercial e princípio ativo Via de administração Dose administrada Período de administração
  7. 7. 5-Mortalidade diária: Semana Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Total 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª Outras Observações: _______________________________
  8. 8. 2 – Doenças tratáveis com medicamentos É fundamental a conscientização de todos os funcionários da granja as principais viroses que podem ser controladas através de vacinação são: a doença de Marek, a doença de Gumboro, doença de Newcastle, bronquite infecciosa das aves e varíola aviária
  9. 9. 3 – Doenças Modernas 3.1 – Síndrome da Morte Súbita Um sério problema da indústria avícola Compromete a função cardiovascular A etiopatogenia dessas síndromes é bastante complexa apresenta incidências muito variáveis nos diferentes países, que vão desde 1,25% até 9,62% da mortalidade total
  10. 10. O pico de mortalidade na síndrome de morte súbita tem sido observado entre o 21º e o 27º dias de idade  No Brasil, podem ser esperadas perdas de 2 a 3% na produção Em geral, as síndromes metabólicas apresentam uma incidência do problema 70% maior nos machos do que nas fêmeas Essas síndromes são conseqüência de desarranjos metabólicos e fisiológicos
  11. 11. 3.2 – Síndrome da Ascite Não é um problema infeccioso mas de origem genética Caracteriza-se pelo acúmulo de líquido na cavidade abdominal Frangos com ascite mostram-se apáticos, apresentando crista e barbela arroxeadas e penas eriçadas. As perdas por ascite são elevadas em conseqüência da morte de frangos a campo, durante o transporte e devido a condenação no abatedouro, pelo aspecto repugnante das carcaças afetadas
  12. 12. Os frangos com ascite apresentam o coração aumentado de tamanho e flácidos (amolecidos) Os pulmões estão congestos e edematoso (inchados) rompendo-se facilmente. O fígado apresenta-se congesto (com acúmulo anormal de sangue) e com as bordas aumentadas. Todas as condições que direta ou indiretamente reduzem o suprimento de oxigênio ou que aumentem a necessidade desse pelas aves, predispõem à ascite.
  13. 13. Os principais fatores que aceleram a manifestação da Ascite são: • Linhagens com rápido ganho de peso inicial; • aves do sexo masculino; • altitudes elevadas no local de criação; • grandes oscilações de temperatura; • ventilação inadequada nos galpões; • estresse excessivo; • elevados níveis de amônia e gás carbônico dentro dos aviários; • doenças respiratórias; • alimentos que promovam o aumento a pressão sangüínea, como o Cloreto de Sódio; • elevados níveis nutricionais na ração.
  14. 14. O controle da ascite, baseia-se em reduzir todas as condições que predisponham às aves a um quadro de deficiente oxigenação Sendo assim recomenda-se os seguintes cuidados: • não alojar frangos de corte machos em locais de altitudes elevadas, (acima de 1.500 metros); • não estimular excessivamente o crescimento corporal dos frangos, nas duas primeiras semanas de vida; • observar o nível de Sódio na dieta. Na água são toleráveis níveis de até 50 ppm de Sódio para 14 ppm de Cloro. Já na ração, deve permanecer de 0.16% a 0.20%;
  15. 15. • evitar o excesso de poeira no aviário, mantendo adequada ventilação; • manter uniforme e adequada a temperatura interna do aviário, principalmente durante as três primeiras semanas das aves, evitando-se variações acima de 2ºC. Para tanto podem ser utilizadas as chamadas "estufas" ou cortinas suplementares. A temperatura ambiente junto aos pintinhos na primeira semana, deverá ser de 32ºC, reduzindo-se 3ºC a cada semana, até atingir 20ºC na quinta semana de vida;
  16. 16. • reduzir as causas de comprometimento pulmonar tais como doenças respiratórias, aspergiloses, excesso de poeira, alta concentração de amônia (níveis abaixo de 11,00 ppm) e de monóxido de carbono (níveis abaixo de 70 ppm); • utilizar rações de boa qualidade; • a redução da densidade energética da ração também é recomendada, porém mudanças nos valores nutricionais devem ser analisados quanto ao ganho de peso final desejado, pois essa medida acarretará menor desempenho do lote.
  17. 17. 3.3 – Síndrome da Cabeça Inchada  é uma enfermidade que acomete criações de galinhas e está disseminada praticamente por todo mundo  Em matrizes e poedeiras a enfermidade leva a um quadro respiratório, com edema facial e submandibular, presença de sinais nervosos, queda na produção e na qualidade dos ovos.  Em frangos de corte são observados secreção nasal, depressão e edema subcutâneo  Com freqüência os quadros são agravados pela presença de infecções secundárias, principalmente E. coli.
  18. 18. Em matrizes e poedeiras a mortalidade fica em torno de 1% a 3%, porém ocorrem perdas devido à queda de postura de 1% a 10% durante 2 a 3 semanas e aumento da morte embrionária em incubadora em torno de 3% a 10%. A Síndrome da Cabeça Inchada pode apresentar-se de forma aguda ou sub-clínica. O curso da doença (sintomas, duração e mortalidade) é muito variável e depende de vários fatores, como; tipo de exploração, idade, infecção bacteriana secundária, outras infecções virais, má ventilação, contaminação do ambiente, poeira, alta densidade populacional e falta de higiene.
  19. 19. 4 – O Abate e o Processamento dos Frangos  Boa qualidade final do produto  Em condições normais de abate e processamento, a retirada de ração é feita de 6 a 8 horas antes da apanha das aves  A escalda, depena e evisceração são pontos importantes de contaminação cruzada  Períodos prolongados de jejum podem afetar o pH das diversas partes do intestino, aumentando a presença de Salmonella
  20. 20.  sugerem-se pesquisas nas seguintes áreas: • definir o tempo ótimo de jejum; • minimizar a contaminação e otimizar os parâmetros de qualidade de carcaça; • estudar os efeitos de períodos prolongados de jejum sobre o pH e a colonização do papo, pró- ventrículo, moela, intestino delgado, intestino grosso e cecos por enterobactérias, como Salmonella, por exemplo; • efeito do jejum sobre o tamanho e cor do fígado
  21. 21. 4.1 – Transporte da Granja ao Abatedouro  Aves ornamentais: • Guia de Trânsito Animal - GTA. • Vacinação contra a Doença de New Castle. • Vacinação contra o Epitelioma Contagioso. • Atestado de que as aves não possuem ectoparasitas. • Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos registrados. • Proceder de granja onde não ocorreu doença infecto-contagiosa nos últimos 90 dias e, nas circunvizinhanças, nos últimos 30 dias. • Os veículos transportadores devem ser previamente lavados e desinfetados. • Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal. • Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos registrados.
  22. 22.  Aves silvestres • Guia de Trânsito Animal - GTA. • Vacinação contra a Doença de New Castle. • Vacinação contra o Epitelioma Contagioso. • Atestado de que as aves não possuem ectoparasitas. • Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos registrados. • Guia de Transporte fornecida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente - IBAMA. • Proceder de granja onde não ocorreu doença infecto-contagiosa nos últimos 90 dias e, nas circunvizinhanças, nos últimos 30 dias. • Os veículos transportadores devem ser previamente lavados e desinfetados. • Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal.
  23. 23.  Galinhas e frango de corte  Abate de frango de corte • Guia de Trânsito Animal - GTA. • Proceder de granja onde não ocorreu Doença de New Castle nos últimos 90 dias e num raio de 10km nos últimos 30 dias. • Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos registrados. • Os veículos transportadores devem ser previamente lavados e desinfetados. • Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal.
  24. 24.  Abate de matrizes industriais e postura comercial (descarte) • Guia de Trânsito Animal - GTA. • Proceder de granja onde não ocorreu Doença de New Castle nos últimos 90 dias e num raio de 10km nos últimos 30 dias. • Vacinação contra a Doença de New Castle. • Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos registrados. • Os veículos transportadores devem ser previamente lavados e desinfetados. • Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal.
  25. 25. 4.2 – Linha de Processamento Recepção As aves chegam ao frigorífico em caminhões, dentro de gaiolas Em dias quentes, recomenda-se colocar poucos frangos nas gaiolas As gaiolas podem ser de madeira ou de plástico
  26. 26. Pendura Após o descarregamento, os frangos permanecem parados por um período de aproximadamente 2 horas ou mais na plataforma. Os frangos estressados apresentam um rápido declínio do pH da carcaça no período "pós- mortem". Esta queda brusca de pH causa desnaturação das proteínas musculares levando a uma alteração qualitativa do produto final. Os frangos são pendurados pelos pés em ganchos em uma linha contínua.
  27. 27. Insensibilização ou atordoamento Após a pendura, os frangos passam pelo insensibilizador Esta voltagem pode variar de 40 a 80 watts  Este processo não pode matar a ave A insensibilização também facilita a operação de sangria
  28. 28. Sangria Após a insensibilização, os frangos pendurados nos ganchos recebem um corte manual ou mecânico nas veias. Depois da secção das veias, os frangos percorrem um túnel de gotejamento de sangue onde ficam por aproximadamente 6 a 7 minutos. A completa sangria é de extrema importância.
  29. 29.  Escaldagem  Logo após o esgotamento do sangue no túnel de sangria, os frangos seguem para a escaldadeira.  Usa-se a escaldadeira com a finalidade de uma prévia lavagem da ave e o afrouxamento das penas, para facilitar a depenagem.  A seção de escaldagem deve ser efetuada em instalações próprias.  Esta seção deve possuir ventilação suficiente para exaustão do vapor d'água, proveniente da escaldagem e das impurezas em suspensão.
  30. 30. Depenagem Utilizam-se, em geral, três depenadeiras em série Ao passar pela primeira depenadeira, grande parte das penas são removidas, principalmente da sambiqueira e do peito A depenadeira final retira a cutícula da superfície dos pés dos frangos As penas retiradas caem sobre canaletas
  31. 31.  Corte dos pés Logo após a saída da máquina de depenagem, os frangos têm seus pés cortados mecanicamente através de um disco afiado girando em torno do próprio eixo. Os pés são encaminhados para a graxaria ou separados para a venda.
  32. 32. Evisceração A evisceração é uma das operações mais importantes na linha de abate. Todas as operações do processo de evisceração, podem ser feitas através de eviseradora automática. Quando não automatizados, as etapas básicas realizadas antes e após a evisceração propriamente dita são:
  33. 33. • corte da pele do pescoço, traquéia e esôfago; • extração da cloaca; • corte do abdome; • eventração; • retirada de vísceras; • retirada do papo, traquéia e esôfago; • extração dos pulmões; • reinspeção; • limpeza final.
  34. 34.  Pré-resfriamento  Esta operação é realizada em dois equipamentos em série, o pré-chiller e o chiller.  A reidratação tem por finalidade a recuperação da água perdida durante o transporte e nas operações iniciais.  O resfriamento tem por finalidade eliminar o calor "pós- mortem" adquirido durante as fases iniciais de abate.  Este processo de resfriamento leva de 30 a 40 minutos
  35. 35. Gotejamento Os frangos saem do chiller através de uma esteira. A finalidade da etapa de gotejamento é eliminar o excesso d'água adquirida na operação de pré-resfriamento.
  36. 36. Classificação As carcaças são classificadas por funcionários, que podem destiná-la para a embalagem como peça inteira ou para a sala de cortes As carcaças de aparência mais perfeitas são embaladas inteiras, as de aparência estranha (com manchas de sangue, por exemplo) são destinadas ao corte.
  37. 37. Considerações Finais

×