Dst

1.886 visualizações

Publicada em

Doenças sexualmente transmissíveis

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.886
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
127
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dst

  1. 1. Doenças Sexualmente Transmissíveis
  2. 2. Introdução  As DST’s são doenças transmitidas pela relação sexual feita sem a devida proteção.  Muitas delas podem ser transmitidas por outros meios.  Algumas não possuem cura.
  3. 3. No mundo, são185,7 milhões de pessoas contaminadas pelas diversas DTS’s  Sífilis: 937.000  Gonorréia: 1.541.800  Clamídia: 1.967.200  Herpes genital: 640.900  HPV: 685.400  AIDS: 592.914
  4. 4. HIV – Vírus da Imunodeficiência Humana
  5. 5. AIDS  Doença causada pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), que ataca células do sistema imune.  Quando se manifesta, a pessoa fica debilitada e incapaz de se defender contra infecções.  Nas primeiras semanas manifesta-se como um quadro gripal (febre, mal estar, dores pelo corpo), que pode estar acompanhada de manchas vermelhas e íngua.
  6. 6. AIDS  Transmissão: sangue e líquidos grosseiramente contaminados por sangue, sêmen, secreções vaginais e leite materno. Transfusão de sangue.  Beijo seco e aperto de mão não oferecem risco de contágio. Beijo molhado (de língua) são de baixo risco.  Tratamento: uso de um coquetel de drogas (AZT), mas que não mata o vírus. Não tem cura.  Prevenção: uso de camisinha, não compartilhamento de agulhas e seringas.
  7. 7. Se educar, dá para evitar
  8. 8. Neisseria gonorrhoeae
  9. 9. Gonorreia  Doença causada por uma bactéria.  Se caracteriza pela liberação de uma secreção purulenta (clara e espessa) pela uretra e vagina, e por dor ao urinar. Pode haver febre.  Transmissão: relação sexual sem proteção.  Tratamento: antibióticos.  Prevenção: uso de camisinha, escolha do(a) parceiro(a), higiene pós-coito.
  10. 10. Gonorreia Corrimento uretral abundante em paciente com gonorreia
  11. 11. Treponema pallidum
  12. 12. Sífilis  Causada por uma bactéria.  No local de entrada da bactéria surge uma ferida lisa, dura, vermelha e brilhante, chamada de cancro duro.  O cancro duro desparece em algumas semanas mas a doença pode se manifestar por toda a pele.  Se tratada inadequadamente pode se manifestar, após anos, no sistema ósseo, nervoso, cardiovascular, etc.
  13. 13. Sífilis  Transmissão: relação sexual sem proteção, transfusão de sangue, transplacentária.  Tratamento: antibióticos. Tem cura completa, se tratada precoce e adequadamente.  Prevenção: uso de camisinha, escolha do(a) parceiro(a).
  14. 14. Sífilis  Lesão primária – Cancro Duro – no pênis.
  15. 15. Sífilis  Lesão secundária – cutânea – mas mãos e na face.
  16. 16. Sífilis  Lesão terciária – tratada inadequadamente.
  17. 17. Haemophilus ducreyi
  18. 18. Cancro Mole  Ferida dolorosa, com base mole, avermelhada, com fundo purulento e forma irregular.  São altamente contagiosas e auto-inoculáveis.  Transmissão: relação sexual.  Tratamento: antibióticos.  Prevenção: uso de camisinha, escolha do(a) parceiro(a), higiene pós-coito.
  19. 19. Cancro Mole  Lesões de Cancro mole em glande e sulco balanoprepucial acompanhadas de adenopatia inguinal inflamatória em único orifício.
  20. 20. Cancro Mole  Lesões vulvares de Cancro Mole.
  21. 21. Hepatites B e C  Infecção viral que ataca o fígado.  Os sintomas são falta de apetite, febre, náuseas, vômitos, diarreia, dores articulares e icterícia (amarelamento da pele e mucosas e escurecimento da urina).  Pode causar cirrose hepática e até câncer de fígado.
  22. 22. Hepatites B e C  Transmissão: relação sexual, materiais ou instrumentos contaminados (seringas, agulhas, perfuração de orelha, tatuagem, procedimentos odontológicos ou cirúrgicos, procedimentos de manicure ou pedicura), transfusão de sangue, durante o parto.  Tratamento: tratam-se apenas os sintomas e as complicações.  Prevenção: vacina, uso de camisinha, escolha do(a) parceiro(a), não compartilhar material que entra em contato com o sangue.
  23. 23. HPV – Vírus Papiloma Humano
  24. 24. Condiloma  Causado pelo HPV – Vírus Papiloma Humano.  Se caracteriza pela formação de lesões verrucosas, com aspecto de couve-flor.  As lesões podem estar presentes no pênis, na vagina, no colo do útero e na região perianal, mas não está relacionada ao sexo anal.  Pode causar câncer no colo do útero e vulva.
  25. 25. Condiloma  Transmissão: relação sexual, pode ocorrer mesmo que não haja penetração, durante o parto, contato indireto (roupas íntimas, toalha, banheiros, saunas).  Tratamento: remoção das verrugas cirurgicamente ou por cauterização. A doença pode voltar a se manifestar, mesmo com tratamento adequado.  Prevenção: uso de camisinha do início ao fim da relação, escolha do(a) parceiro(a), de preferência fixo, exame ginecológico anual para rastrear doenças pré- invasivas no colo do útero.
  26. 26. Herpes genital  Infecção recorrente causada por um vírus que determina uma lesão em forma de pequenas bolhas que sofrem erosão de 4 a 5 dias e cicatrizam espontaneamente.  As crises podem ser desencadeadas por estresse emocional, exposição ao sol, febre, baixa imunidade, etc.  Pode ocorrer em outras partes do corpo, como lábios, bochechas e olhos.
  27. 27. Herpes genital  Transmissão: relação sexual, durante o parto.  Tratamento: visa reduzir as lesões e aumentar o tempo entre as crises. Não tem cura.  Prevenção: não há comprovação de que a camisinha reduza o contágio, escolha do(a) parceiro(a), higienização pessoal antes e após o coito.
  28. 28. Herpes genital  Lesões genitais causadas pela herpes.
  29. 29. Candida albicans – fungo
  30. 30. Candidíase  Caracteriza-se por coceira, ardor, dor na relação, eliminação de corrimento vaginal em grumos brancacento, semelhantes à nata do leite.  Na maioria das vezes não é uma doença de transmissão sexual. Em geral está relacionada com a diminuição da resistência do organismo da pessoa acometida.  Alguns fatores predispõem o aparecimento da infecção: diabetis melitus, gravidez, uso de contraceptivos orais, antibióticos e medicamentos imunodepressivos, obesidade, uso de roupas justas, etc.
  31. 31. Candidíase  Pode acometer a boca, é chamada de sapinho.  Transmissão: contato de secreções da boca, pele, vagina e objetos de doentes e portadores, durante o parto.  Tratamento: medicamentos locais e/ou sistêmicos.  Prevenção: uso de camisinha, escolha do(a) parceiro(a), higienização pessoal antes e após o coito, evitar vestimentas muito justas, tratar doenças predisponentes.
  32. 32. Atividades 1. “O HIV só pode ser transmitido por meio de relação sexual”. Você concorda com essa afirmativa? Por quê? 2. Identifique as principais formas de prevenção contra a Aids. 3. Considerando as doenças sexualmente transmissíveis, responda: a) Os microrganismos causadores da gonorreia, da sífilis, das hepatites B e C e do condiloma genital são todos incluídos no grupo das bactérias? Explique. b) Quais os principais sintomas da gonorreia no homem? c) Quais delas podem provocar cirrose no fígado e favorecer a ocorrência de câncer nesse órgão? d) Cite duas doenças sexualmente transmissíveis que também podem ser adquiridas por sangue contaminado em transfusões. e) Numa mulher, os problemas causados pelo condiloma genital restringem-se às lesões provocadas na vagina, no pudendo feminino e no colo do útero? Explique.
  33. 33. Atividades 4. Leia esta manchete e o texto que segue: Milhares são infectados por DST’s a cada ano São registrados oficialmente cerca de 300 mil novos casos de DST’s (doenças sexualmente transmissíveis) por ano no Brasil. Segundo estimativa do Ministério da Saúde, porém, esse número é muito mais alto – sugerem cerca de 10 milhões de novos casos anualmente. Folha de São Paulo, 19/02/2004. (Texto adaptado para fins didáticos.) a) Quais devem ser as atitudes de uma pessoa que suspeita ter sido contaminada por uma doença sexualmente transmissível? b) Há uma enorme diferença entre os 300 mil novos casos de DST’s registrados por ano e os 10 milhões de novos casos que o Ministério da Saúde estima que surjam anualmente. Como isso pode ser explicado?

×