Violência contra a mulher:
do âmbito privado ao
institucional
Sexualização infantil
Valentina tem 12 anos e foi escolhida para participar do MasterChef Júnior
junto com diversas outras...
#primeiroassédio
Mensagens contra Valentina motivaram a Campanha nas redes sociais,
através da hashtag #primeiroassédio.
O...
Redação do ENEM 2015
Tema: “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”.
Trecho da prova
A violência contra a mulher em números
- Feminicídio: expressão máxima da violência contra a mulher
Entre 1980 e 2010 mais...
A violência contra a mulher em números
- Violência sexual:
Estima-se que a cada 5 mulheres, 1 foi ou será vítima de violên...
A violência contra a mulher em números
- Direitos sexuais e reprodutivos:
22% das mulheres entre 35 e 39 anos realizaram u...
A violência contra a mulher em números
- Direitos sexuais e reprodutivos:
De acordo com dados do Datasus, são cerca de 230...
A violência contra a mulher em números
- Direitos sexuais e reprodutivos:
De acordo com dados do Datasus, são cerca de 230...
A violência contra a mulher em números
- Direitos sexuais e reprodutivos:
Nenhuma mulher faz aborto porque gosta e nem dei...
Violência doméstica
43% das mulheres em situação de violência sofrem agressões
diariamente; para 35%, a agressão é semanal...
71% das mulheres negras estão em ocupações informais e precárias
(a porcentagem é de 54 % para mulheres brancas e 48 % dos...
Estatuto da Familia (PL 6583/13): define família como o núcleo social
formado a partir da união entre um homem e uma mulhe...
Na política institucional, a violência é
invisibilizada, justificada e até mesmo
tolerada
PL da terceirização (4330/2004):...
Estatuto do Nascituro (PL 478/2007): não defende a vida, apenas
persegue e criminaliza as mulheres com o argumento absurdo...
PL 5069/2013: de autoria do Deputado Eduardo Cunha, realiza – à revelia da
opinião das mulheres – uma série de ataques aos...
Marchas das Mulheres Negras
18 de novembro
Buliu com todas! #NÃOAOPL5069
#foracunha#mulherescontracunha
Ato Buliu com todas! #NÃOAOPL5069
#foracunha#mulherescontracu...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Violência contra mulher: do âmbito privado ao institucional

407 visualizações

Publicada em

Pronunciamento feito pelo vereador João Alfredo (PSOL) no dia 28 de outubro de 2010.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
407
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Violência contra mulher: do âmbito privado ao institucional

  1. 1. Violência contra a mulher: do âmbito privado ao institucional
  2. 2. Sexualização infantil Valentina tem 12 anos e foi escolhida para participar do MasterChef Júnior junto com diversas outras crianças, meninos e meninas. O que separa Valentina de todas as outras crianças, por enquanto, não é seu talento na cozinha, mas a cultura do estupro que permite que homens adultos falem por aí como poderiam estuprar a garota. Qualquer tipo de relação de natureza sexual com uma criança é estupro. Uma criança nunca pode ter uma relação sexual consensual porque ela é criança e não pode tomar esse tipo de decisão. Por lei.
  3. 3. #primeiroassédio Mensagens contra Valentina motivaram a Campanha nas redes sociais, através da hashtag #primeiroassédio. O coletivo feminista Think Olga, que luta contra o assédio em espaços públicos e outros tipos de violência contra a mulher, lançou a hashtag #primeiroassédio no Twitter, incentivando mulheres a contar quando foi a primeira vez que foram assediadas -- e expor um problema que é tão enraizado, que é entendido como "brincadeira" ou "normal". 50 mil tuítes apenas no primeiro dia. Nathália @nathaliaraks Eu tinha 7 anos, um cara no bairro se masturbou atrás de um poste vendo eu e minhas vizinhas brincando, nós corremos. #PrimeiroAssedio
  4. 4. Redação do ENEM 2015 Tema: “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”. Trecho da prova
  5. 5. A violência contra a mulher em números - Feminicídio: expressão máxima da violência contra a mulher Entre 1980 e 2010 mais de 92 mil mulheres foram assassinadas. Na última década estão concentrados mais da metade dos homicídios, ou seja, a violência contra as mulheres aumentou nos últimos anos. Estima-se que correram 16.993 mortes entre 2009-2011, resultando em uma taxa de mortalidade anual de 5,82 óbitos por 100.000 mulheres. São 5.664 mortes de mulheres por causas violentas a cada ano, 472 a cada mês, 15,52 a cada dia, ou uma a cada hora e meia. Mulheres jovens foram as principais vítimas: 31% estavam na faixa etária de 20 a 29 anos. 61% dos óbitos foram de mulheres negras. 29% dos feminicídios ocorreram no domicílio.
  6. 6. A violência contra a mulher em números - Violência sexual: Estima-se que a cada 5 mulheres, 1 foi ou será vítima de violência sexual. Isso corresponde a 21 milhões de brasileiras. A cada 12 segundos uma mulher é violentada no Brasil. No ano passado, 24.575 queixas de Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes foram recebidas pelo serviço de denúncia, sendo 19.165 referentes a abuso sexual. Foi uma média de 67 notificações por dia, segundo dados fornecidos pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.
  7. 7. A violência contra a mulher em números - Direitos sexuais e reprodutivos: 22% das mulheres entre 35 e 39 anos realizaram um aborto em algum momento da vida. O aborto inseguro no Brasil representa a quarta principal causa de morte materna. “Dentre o total de mulheres que declaram na pesquisa já terem feito pelo menos um aborto, 64% são casadas e 81% são mães. Pouco menos de dois terços das mulheres que fizeram aborto são católicas, um quarto protestantes ou evangélicas. A pesquisa também revela que cerca de 60% das mulheres fizeram seu último (ou único) aborto no centro do período reprodutivo, isto é, entre 18 e 29 anos, sendo o pico de incidência entre 20 e 24 anos” (UnB)
  8. 8. A violência contra a mulher em números - Direitos sexuais e reprodutivos: De acordo com dados do Datasus, são cerca de 230 mil mulheres internadas por ano para o tratamento das complicações decorrentes do abortamento inseguro. Entre 995 e 2007 a curetagem foi a cirurgia mais realizada pelo SUS. 1 mulher morre a cada dois duas no Brasil em decorrência de abortos clandestinos De acordo com Ministério da Saude, por ano são realizadas 250 mil internações no SUS em decorrência de abortos. Só no ano de 2013 foram mais de 800 mil abortos ilegais realizados no Brasil, aponta um estudo da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).
  9. 9. A violência contra a mulher em números - Direitos sexuais e reprodutivos: De acordo com dados do Datasus, são cerca de 230 mil mulheres internadas por ano para o tratamento das complicações decorrentes do abortamento inseguro. Entre 995 e 2007 a curetagem foi a cirurgia mais realizada pelo SUS. 1 mulher morre a cada dois duas no Brasil em decorrência de abortos clandestinos De acordo com Ministério da Saude, por ano são realizadas 250 mil internações no SUS em decorrência de abortos. Só no ano de 2013 foram mais de 800 mil abortos ilegais realizados no Brasil, aponta um estudo da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).
  10. 10. A violência contra a mulher em números - Direitos sexuais e reprodutivos: Nenhuma mulher faz aborto porque gosta e nem deixa de realizar o aborto porque é proibido. O aborto é uma realidade e a sua criminalização é responsável pela morte de milhares de mulheres todos os anos.
  11. 11. Violência doméstica 43% das mulheres em situação de violência sofrem agressões diariamente; para 35%, a agressão é semanal ( Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República) Em 2014, do total de 52.957 denúncias de violência contra a mulher, 27.369 corresponderam a denúncias de violência física (51,68%) e 16.846 de violência psicológica (31,81%) Dos atendimentos registrados em 2014, 80% das vítimas tinham filhos, sendo que 64,35% presenciavam a violência e 18,74% eram vítimas diretas juntamente com as mães.
  12. 12. 71% das mulheres negras estão em ocupações informais e precárias (a porcentagem é de 54 % para mulheres brancas e 48 % dos homens brancos). Uma mulher negra recebe apenas 41% do salario de um homem branco no Brasil (a porcentagem é de 69% para mulheres brancas). Embora as mulheres sejam 51% da população brasileira, a média de representação na politica é de 1 mulheres para cada 10 homens. Opressões que se acumulam
  13. 13. Estatuto da Familia (PL 6583/13): define família como o núcleo social formado a partir da união entre um homem e uma mulher, por meio de casamento ou união estável, ou ainda por comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes. Casais homoafetivos, famílias com filhos adotivos e monoparentais (com avô ou avó criando a criança, por exemplo), não são reconhecidas e tem retirado o direito à: Herança Conta Conjunta Dependente no plano de saúde Falta justificada no trabalho em caso de doença familiar Benefícios aos filhos Na política institucional, a violência é invisibilizada, justificada e até mesmo tolerada
  14. 14. Na política institucional, a violência é invisibilizada, justificada e até mesmo tolerada PL da terceirização (4330/2004): iniciativa do deputado Sandro Mabel (PMDB), equivale a uma reforma trabalhista na qual não se garante os mesmos direitos entre contratados/as diretos e terceirizados/as, permitindo a terceirização de qualquer posto de trabalho. Funcionários/as buscam terceirizados/as sobretudo por redução de custos: seus salários são 24, 7% menor, tem maior dificuldade de mobilização e mais instabilidade na empresa. A PL aumenta a opressão de mulheres, negras e jovens, que já encontram condições desfavoráveis no mercado de trabalho e precisam se submeter as piores condições de trabalho. MPs 664 e 665: restringem o acesso dos trabalhadores ao abono do PIS, ao seguro-desemprego e a pensão por morte.
  15. 15. Estatuto do Nascituro (PL 478/2007): não defende a vida, apenas persegue e criminaliza as mulheres com o argumento absurdo de que ela não estaria cumprindo sua “função biológica” de maneira satisfatória. O PL proíbe o aborto em caso de estupro e deixa a mulher em condição de humilhação e de contato com o agressor (quando identificado), que pagaria pensão. O Estatuto também proíbe o aborto em caso de anencefalia. Pode aumentar a mortalidade materna em decorrência de aborto, uma vez que as mulheres podem ter maior receio de procurar os serviços de saúde. Na política institucional, a violência é invisibilizada, justificada e até mesmo tolerada
  16. 16. PL 5069/2013: de autoria do Deputado Eduardo Cunha, realiza – à revelia da opinião das mulheres – uma série de ataques aos seus direitos: A Lei de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual(Lei 12.845/13) seria alterada, limitando a definição de violência sexual de “qualquer forma de atividade sexual não consentida” para apenas as práticas que causam danos físicos e psicológicos. Isso tornará mais difícil, demorado e humilhante para as mulheres receberem cuidados de saúde após a agressão. Ou seja, a vítima será novamente agredida ao ter que provar a violência sofrida. Qualquer pessoa que prestar auxílio, incluindo instrução e orientação sobre a interrupção voluntária da gravidez (permitida por lei nos casos de estupro desde 1940) poderá ser punido/a com pena de prisão. Se a vítima for adolescente, a pena é ainda maior. A mulher deverá ser atendida primeiro em delegacias (sem atendimento 24h) para, só então, receber amparo médico. Na política institucional, a violência é invisibilizada, justificada e até mesmo tolerada
  17. 17. Marchas das Mulheres Negras 18 de novembro
  18. 18. Buliu com todas! #NÃOAOPL5069 #foracunha#mulherescontracunha Ato Buliu com todas! #NÃOAOPL5069 #foracunha#mulherescontracunha Sexta-feira, dia 30, às 16h Praça do Ferreira – Fortaleza

×