Obra de stau monteiro

461 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
461
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Obra de stau monteiro

  1. 1.  No contexto de avaliação do Módulo 11 – Textos de Teatro II, no âmbito da disciplina de Português foi-nos selecionado o ato II, da Obra Luís Stau Monteiro, a fim de analisarmos uma cena do mesmo e apreender-mos um pouco sobre a obra.
  2. 2. É a “companheira de todas as horas” do general, que deseja a todo o custo que ele seja libertado. Podemos verificar através do discurso de Matilde que a relação que ela tinha com o general era de grande cumplicidade, pois, mesmo estando separada dele, ela era capaz de adivinhar o que era a fazer ou pensar.
  3. 3. Sousa Falcão era considerado o amigo inseparável por ser muito amigo do general antes da sua prisão e por continuar a apoiar Matilde. Podemos verificar assim que Sousa Falcão está presente em todas as horas.
  4. 4. Como referido no aparte: “Não há nada de heroico neste monólogo dolorosamente de triste”, Matilde. Todo podemos ele verificar é triste, que, o monólogo é preparado com a saída de Sousa Falcão de cena e com uma mudança de iluminação.
  5. 5. O assunto do monólogo de Matilde é a vida em conjunto com o general, os momentos partilhados ao longo do tempo que viveram juntos. Matilde, sozinha, questiona-se sobre a discordância de se transmitir aos filhos valores desfasados da sociedade em que estão inseridos.
  6. 6. Matilde revela que se sente sentimentos de impotência. perdida, revelando
  7. 7. As pausas do discurso de Matilde demonstram o estado emotivo de Matilde. A personagem encontra-se desesperada, triste, sem força e sem esperança. “Dolorosamente triste”.- 1º aparte do Ato II.
  8. 8. Primeiro período - Solteira: natural de Seia; foi criada no meio da natureza, num ambiente pobre e muito religioso. Segundo período - casada com Gomes Freire de Andrade, com quem viveu feliz, em total dedicação e com quem tomou consciência da pequenez do mundo e da opressão da sociedade.
  9. 9. 4.2.- Caracteriza Matilde, com base neste excerto e na leitura de toda a peça. É a personagem principal do ato II; Companheira de todas as horas de Gomes Freire; Forte, persistente, corajosa, inteligente, apaixonada; Não desiste de lutar, defendendo sempre o marido; Tem coragem de desafiar o estado politico, social e religioso corrompido; Concentra-se nela toda a força dramática da peça; Põe de lado a autoestima (suplica pela vida do marido);
  10. 10. Acusa o povo de cobardia mas depois compreende-o; Personifica a dor das mãe, irmãs, esposas dos presos políticos; Voz da consciência junto dos governadores (obriga-os a confrontarem-se com os seus atos); Desmascara o Principal Sousa, que não segue os princípios da lei de Cristo;
  11. 11.  Com este trabalho, podemos afirmar que aprofundamos o nosso conhecimento respetivo á Obra de Sttau Monteiro – Felizmente há Luar.

×