SlideShare uma empresa Scribd logo
Relação entre o verbal e o não
    verbal na propaganda

Correntes teóricas e exemplos práticos
Relação entre o verbal e o não verbal na
                propaganda
 A junção entre imagem e texto começa a surgir na década de
  60 (Carrascoza). Antes a imagem era mero complemento ou
  ornamento

 Essa ligação entre o verbal e o não verbal amplia-se nas
  décadas seguintes e atinge seu auge, no Brasil, na década de
  90 e no início deste século
As idéias que vem da semiótica
                            Martins, J. (1997)


 Segundo Barthes, são duas as funções da linguagem em
    relação à imagem;

-   Função de ancoragem – como toda imagem é polissêmica, o
    papel da linguagem é de agir como orientadora da significação,
    completar e orientar o sentido da imagem, ancorar o sentido, o
    texto dirige o leitor para um sentido preestabelecido;
As idéias que vem da semiótica
                            Martins, J. (1997)




-   Função de ligação – é mais freqüente nas imagens em
    movimento – cinema, quadrinhos, tiras, etc – onde a palavra e
    a imagem são fragmentos de um todo, visto que a palavra tem
    a finalidade de dispor sentidos na seqüência de mensagens
    que não estão presentes na imagem. “Sua função é fazer
    avançar a ação, é acrescentar algo novo a história”.
As idéias que vem da semiótica
                          Martins, J. (1997)




 As funções de ancoragem e ligação podem ser utilizadas ao
  mesmo tempo, num mesmo conjunto icônico, mas na
  publicidade a função de ligação é quase sempre menos usada,
  visto que não é interessante passar informações complexas e
  trabalhosas, de lenta compreensão.
As idéias que vem da lingüística
                          Bakhtin (1988)




 Segundo Bakhtin: “A palavra acompanha e comenta todo ato
  ideológico”;

 A compreensão de qualquer fenômeno ideológico (um quadro,
  uma peça musical, um ritual ou um comportamento humano)
  não pode acontecer sem a presença do discurso interior;
As idéias que vem da lingüística
                               Bakhtin (1988)




 “Todas as manifestações da criação ideológica – todos os signos não
   verbais – banham-se no discurso e não podem ser nem totalmente
   isoladas nem totalmente separadas dele”;

 Embora vários signos ideológicos não possam ser substituídos por
   palavras, todos eles, ao mesmo tempo, se apóiam em palavras e são
   acompanhados por elas;

 “A palavra está presente em todos os atos de compreensão e em todos
   os atos de interpretação”. Não há como separar o verbal do não verbal.
A imagem é um script
                                Maigueneau, 2001




 Scripts - também chamados de roteiros, frames ou seqüências;

 São seqüências estereotipadas de ações;

 Seu conhecimento é fundamental para interpretação de textos que não
   deixam claro todas as relações entre as partes que o formam.
A imagem é um script
                            Maigueneau, 2001




 Exemplo - Resumo de um filme


  Abby, uma jovem veterinária de aparência comum, apresenta um
  programa de rádio. Um de seus correspondentes, seduzido por seus
  conselhos, convida-a para tomar um drinque, mas Abby se descreve
  com os traços de sua melhor amiga, uma loira de arrasar. Dá para
  imaginar os quiproquós que essa situação vai provocar.
A imagem é um script
                          Maigueneau, 2001




 Scripts ativados: programa de rádio, ligações para programas
  que dão conselhos, paquera, receio de expor sua aparência
  pessoal.

 A figura/imagem/foto (o elemento não verbal) pode exercer o
  mesmo papel de script ou frame, levando o consumidor a uma
  interpretação que ultrapassa a simples visualização da imagem.
Interação título – imagem
Celso Figueiredo – Redação publicitária-Sedução pela palavra



 Define três tipos de relação entre título e imagem:


     1+1=1
     1+1=2
     1+1=3
1+1=1
 Formato mais simples de relação;
 Há grande redundância;
 Imagem traz a mesma mensagem do texto;
 Consumidor ao receber a mensagem pelos dois elementos, fica
  com o equivalente a um único conteúdo;
 Carece de interlocução com o leitor.
1+1=2
 É o mais comum em publicidade;
 O título traz uma informação que é complementada pela
  imagem;
 Há interlocução entre as partes e o consumidor percebe que
  título e imagem se completam;
 Não ocorre redundância, mas complementação.
1+1=3
 São as grandes idéias;
 É um processo criativo de múltiplas idéias;
 Imagem diz uma coisa, título diz outra, mas é na interação entre os
  dois que surge uma terceira leitura, muito mais poderosa;
 É mais impactante porque pede a “participação” do consumidor .
Exemplos que podem resumir tudo que
                 vimos
Anúncio de preservativo
Exemplos que podem resumir tudo que
                 vimos
Anúncio de preservativo
Exemplos que podem resumir tudo que
                 vimos
Anúncio de preservativo
Exemplos que podem resumir tudo que
              vimos

Outdoor para protetor solar
Exemplos que podem resumir tudo que
                 vimos
 Outdoor para campanha anti-violência
Exemplos que podem resumir tudo que
vimos
 Anúncio para jornal – data promocional
Exemplos que podem resumir tudo que
vimos

Mais conteúdo relacionado

Destaque

6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
Angélica Manenti
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
jayarruda
 
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textosContexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
ma.no.el.ne.ves
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
welton santos
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
7 de Setembro
 
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Ponte de Luz ASEC
 
Análise de textos não verbal e mistos
Análise de textos não verbal e mistosAnálise de textos não verbal e mistos
Análise de textos não verbal e mistos
Vera Pinho
 
Técnicas de interpretação textual
Técnicas de interpretação textualTécnicas de interpretação textual
Técnicas de interpretação textual
Carlos Sergio Sergio
 
Apostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressaoApostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressao
Anne Clea Lima
 
O texto publicitario2
O texto publicitario2O texto publicitario2
O texto publicitario2
André Bomfim
 

Destaque (20)

Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
 
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
Linguagem Verbal: Definição
Linguagem Verbal: DefiniçãoLinguagem Verbal: Definição
Linguagem Verbal: Definição
 
linguagem verbal e não verbal
linguagem verbal e não verballinguagem verbal e não verbal
linguagem verbal e não verbal
 
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textosContexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
 
Tic verbal e não verbal
Tic verbal e não verbalTic verbal e não verbal
Tic verbal e não verbal
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
 
LÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEMLÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEM
 
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
 
Comunidade de Prática
Comunidade de PráticaComunidade de Prática
Comunidade de Prática
 
Análise de textos não verbal e mistos
Análise de textos não verbal e mistosAnálise de textos não verbal e mistos
Análise de textos não verbal e mistos
 
Técnicas de interpretação textual
Técnicas de interpretação textualTécnicas de interpretação textual
Técnicas de interpretação textual
 
1 1=3
1 1=31 1=3
1 1=3
 
Apostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressaoApostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressao
 
Aula 5 de_lingua_portuguesa (2)
Aula 5 de_lingua_portuguesa (2)Aula 5 de_lingua_portuguesa (2)
Aula 5 de_lingua_portuguesa (2)
 
O texto publicitario2
O texto publicitario2O texto publicitario2
O texto publicitario2
 

Semelhante a Verbal e não verbal

Multiletramentos Letramento Visual Kress
Multiletramentos Letramento Visual KressMultiletramentos Letramento Visual Kress
Multiletramentos Letramento Visual Kress
Reinildes
 
Atividade de interpretação textual
Atividade de interpretação textualAtividade de interpretação textual
Atividade de interpretação textual
Felipe Moreira
 
A metodologia da pesquisa e a importância das imagens
A metodologia da pesquisa e a importância das imagensA metodologia da pesquisa e a importância das imagens
A metodologia da pesquisa e a importância das imagens
Antonio Medina
 
Gênero conto e propaganda
Gênero conto e propagandaGênero conto e propaganda
Gênero conto e propaganda
Mariany Dutra
 
Teoria Da Imagem
Teoria Da ImagemTeoria Da Imagem
Teoria Da Imagem
martha
 
Imagens na publicidade
Imagens na publicidadeImagens na publicidade
Imagens na publicidade
Dragodragons
 

Semelhante a Verbal e não verbal (20)

Linguagem Visual
Linguagem VisualLinguagem Visual
Linguagem Visual
 
Texto imagem
Texto imagemTexto imagem
Texto imagem
 
Nivia aniele
Nivia anieleNivia aniele
Nivia aniele
 
Fundamentos imagem
Fundamentos imagemFundamentos imagem
Fundamentos imagem
 
Multiletramentos Letramento Visual Kress
Multiletramentos Letramento Visual KressMultiletramentos Letramento Visual Kress
Multiletramentos Letramento Visual Kress
 
Introdução à analise da Imagem (Joly, Martine)
Introdução à analise da Imagem (Joly, Martine)Introdução à analise da Imagem (Joly, Martine)
Introdução à analise da Imagem (Joly, Martine)
 
Atividade de interpretação textual
Atividade de interpretação textualAtividade de interpretação textual
Atividade de interpretação textual
 
A metodologia da pesquisa e a importância das imagens
A metodologia da pesquisa e a importância das imagensA metodologia da pesquisa e a importância das imagens
A metodologia da pesquisa e a importância das imagens
 
Gênero conto e propaganda
Gênero conto e propagandaGênero conto e propaganda
Gênero conto e propaganda
 
Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1
 
Teoria Da Imagem
Teoria Da ImagemTeoria Da Imagem
Teoria Da Imagem
 
Imagens na publicidade
Imagens na publicidadeImagens na publicidade
Imagens na publicidade
 
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
 
02 Semiótica e Comunicação
02 Semiótica e Comunicação02 Semiótica e Comunicação
02 Semiótica e Comunicação
 
Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)
Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)
Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)
 
A fotografia e os elementos do design
A fotografia e os elementos do design A fotografia e os elementos do design
A fotografia e os elementos do design
 
Artigo científico - "Chaves: como as portas foram abertas" (TIAGO FERREIRA BI...
Artigo científico - "Chaves: como as portas foram abertas" (TIAGO FERREIRA BI...Artigo científico - "Chaves: como as portas foram abertas" (TIAGO FERREIRA BI...
Artigo científico - "Chaves: como as portas foram abertas" (TIAGO FERREIRA BI...
 
596
596596
596
 
Revista Entrelinhas
Revista EntrelinhasRevista Entrelinhas
Revista Entrelinhas
 
Dimensoes da imagem_leci
Dimensoes da imagem_leciDimensoes da imagem_leci
Dimensoes da imagem_leci
 

Mais de Josué Brazil

Comunicação digital, marketing digital e as mídias
Comunicação digital, marketing digital e as mídiasComunicação digital, marketing digital e as mídias
Comunicação digital, marketing digital e as mídias
Josué Brazil
 
Propaganda direta & marketing direto
Propaganda direta & marketing diretoPropaganda direta & marketing direto
Propaganda direta & marketing direto
Josué Brazil
 

Mais de Josué Brazil (20)

Palestra Etec
Palestra EtecPalestra Etec
Palestra Etec
 
Palestra Fatec
Palestra FatecPalestra Fatec
Palestra Fatec
 
Relatorio pesquisa dia_maes_2017
Relatorio pesquisa dia_maes_2017Relatorio pesquisa dia_maes_2017
Relatorio pesquisa dia_maes_2017
 
Pesquisa 13 salario unitau formatada 08 12 2016
Pesquisa 13 salario unitau formatada 08 12 2016Pesquisa 13 salario unitau formatada 08 12 2016
Pesquisa 13 salario unitau formatada 08 12 2016
 
Tendências e tecnologia
Tendências e tecnologiaTendências e tecnologia
Tendências e tecnologia
 
Vídeo institucional
Vídeo institucionalVídeo institucional
Vídeo institucional
 
Texto eficiente
Texto eficienteTexto eficiente
Texto eficiente
 
Tom de voz
Tom de vozTom de voz
Tom de voz
 
Call to-action
Call to-actionCall to-action
Call to-action
 
Redação para as mídias sociais
Redação para as mídias sociaisRedação para as mídias sociais
Redação para as mídias sociais
 
Uma nova era
Uma nova eraUma nova era
Uma nova era
 
Planejamento e gestão de mídias sociais
Planejamento e gestão de mídias sociaisPlanejamento e gestão de mídias sociais
Planejamento e gestão de mídias sociais
 
Como contratar uma produtora
Como contratar uma produtoraComo contratar uma produtora
Como contratar uma produtora
 
Criação para os novos formatos de comunicação
Criação para os novos formatos de comunicaçãoCriação para os novos formatos de comunicação
Criação para os novos formatos de comunicação
 
Redação para anúncios de revistas
Redação para anúncios de revistasRedação para anúncios de revistas
Redação para anúncios de revistas
 
O que é redação publicitária
O que é redação publicitáriaO que é redação publicitária
O que é redação publicitária
 
Produtor de rtvc
Produtor de rtvcProdutor de rtvc
Produtor de rtvc
 
Prospecção
ProspecçãoProspecção
Prospecção
 
Comunicação digital, marketing digital e as mídias
Comunicação digital, marketing digital e as mídiasComunicação digital, marketing digital e as mídias
Comunicação digital, marketing digital e as mídias
 
Propaganda direta & marketing direto
Propaganda direta & marketing diretoPropaganda direta & marketing direto
Propaganda direta & marketing direto
 

Verbal e não verbal

  • 1. Relação entre o verbal e o não verbal na propaganda Correntes teóricas e exemplos práticos
  • 2. Relação entre o verbal e o não verbal na propaganda  A junção entre imagem e texto começa a surgir na década de 60 (Carrascoza). Antes a imagem era mero complemento ou ornamento  Essa ligação entre o verbal e o não verbal amplia-se nas décadas seguintes e atinge seu auge, no Brasil, na década de 90 e no início deste século
  • 3. As idéias que vem da semiótica Martins, J. (1997)  Segundo Barthes, são duas as funções da linguagem em relação à imagem; - Função de ancoragem – como toda imagem é polissêmica, o papel da linguagem é de agir como orientadora da significação, completar e orientar o sentido da imagem, ancorar o sentido, o texto dirige o leitor para um sentido preestabelecido;
  • 4. As idéias que vem da semiótica Martins, J. (1997) - Função de ligação – é mais freqüente nas imagens em movimento – cinema, quadrinhos, tiras, etc – onde a palavra e a imagem são fragmentos de um todo, visto que a palavra tem a finalidade de dispor sentidos na seqüência de mensagens que não estão presentes na imagem. “Sua função é fazer avançar a ação, é acrescentar algo novo a história”.
  • 5. As idéias que vem da semiótica Martins, J. (1997)  As funções de ancoragem e ligação podem ser utilizadas ao mesmo tempo, num mesmo conjunto icônico, mas na publicidade a função de ligação é quase sempre menos usada, visto que não é interessante passar informações complexas e trabalhosas, de lenta compreensão.
  • 6. As idéias que vem da lingüística Bakhtin (1988)  Segundo Bakhtin: “A palavra acompanha e comenta todo ato ideológico”;  A compreensão de qualquer fenômeno ideológico (um quadro, uma peça musical, um ritual ou um comportamento humano) não pode acontecer sem a presença do discurso interior;
  • 7. As idéias que vem da lingüística Bakhtin (1988)  “Todas as manifestações da criação ideológica – todos os signos não verbais – banham-se no discurso e não podem ser nem totalmente isoladas nem totalmente separadas dele”;  Embora vários signos ideológicos não possam ser substituídos por palavras, todos eles, ao mesmo tempo, se apóiam em palavras e são acompanhados por elas;  “A palavra está presente em todos os atos de compreensão e em todos os atos de interpretação”. Não há como separar o verbal do não verbal.
  • 8. A imagem é um script Maigueneau, 2001  Scripts - também chamados de roteiros, frames ou seqüências;  São seqüências estereotipadas de ações;  Seu conhecimento é fundamental para interpretação de textos que não deixam claro todas as relações entre as partes que o formam.
  • 9. A imagem é um script Maigueneau, 2001  Exemplo - Resumo de um filme Abby, uma jovem veterinária de aparência comum, apresenta um programa de rádio. Um de seus correspondentes, seduzido por seus conselhos, convida-a para tomar um drinque, mas Abby se descreve com os traços de sua melhor amiga, uma loira de arrasar. Dá para imaginar os quiproquós que essa situação vai provocar.
  • 10. A imagem é um script Maigueneau, 2001  Scripts ativados: programa de rádio, ligações para programas que dão conselhos, paquera, receio de expor sua aparência pessoal.  A figura/imagem/foto (o elemento não verbal) pode exercer o mesmo papel de script ou frame, levando o consumidor a uma interpretação que ultrapassa a simples visualização da imagem.
  • 11. Interação título – imagem Celso Figueiredo – Redação publicitária-Sedução pela palavra  Define três tipos de relação entre título e imagem: 1+1=1 1+1=2 1+1=3
  • 12. 1+1=1  Formato mais simples de relação;  Há grande redundância;  Imagem traz a mesma mensagem do texto;  Consumidor ao receber a mensagem pelos dois elementos, fica com o equivalente a um único conteúdo;  Carece de interlocução com o leitor.
  • 13. 1+1=2  É o mais comum em publicidade;  O título traz uma informação que é complementada pela imagem;  Há interlocução entre as partes e o consumidor percebe que título e imagem se completam;  Não ocorre redundância, mas complementação.
  • 14. 1+1=3  São as grandes idéias;  É um processo criativo de múltiplas idéias;  Imagem diz uma coisa, título diz outra, mas é na interação entre os dois que surge uma terceira leitura, muito mais poderosa;  É mais impactante porque pede a “participação” do consumidor .
  • 15. Exemplos que podem resumir tudo que vimos Anúncio de preservativo
  • 16. Exemplos que podem resumir tudo que vimos Anúncio de preservativo
  • 17. Exemplos que podem resumir tudo que vimos Anúncio de preservativo
  • 18. Exemplos que podem resumir tudo que vimos Outdoor para protetor solar
  • 19. Exemplos que podem resumir tudo que vimos  Outdoor para campanha anti-violência
  • 20. Exemplos que podem resumir tudo que vimos Anúncio para jornal – data promocional
  • 21. Exemplos que podem resumir tudo que vimos